Conectado com
Suínos e Peixes – Maio

Notícias Abastecimento

Santa Catarina busca apoio federal para melhorias na Rota do Milho

Catarinenses apresentaram à ministra da Agricultura proposta para garantir inspeção sanitária na entrada dos produtos no Brasil

Publicado em

em

Divulgação

A Rota do Milho já é uma realidade em Santa Catarina, o trajeto diminui os custos logísticos para a importação do grão e abastecimento das agroindústrias no Estado. O Governo catarinense busca agora apoio federal para melhorar os serviços prestados na aduana de Dionísio Cerqueira, porta de entrada do milho vindo do Paraguai. Esse foi um dos assuntos tratados na sexta-feira (12), pela vice-governadora Daniela Reinehr e o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Ricardo de Gouvêa, durante audiência com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e com o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Pacheco dos Guaranys, em Brasília.

“Foi um dia muito produtivo. Tivemos encaminhamentos importantes sobre a Rota do Milho, para viabilizarmos e melhorarmos o processo de entrada do grão em Santa Catarina. Além disso, tratamos de questões relativas ao setor pesqueiro, defesa agropecuária e políticas de crédito fundiário. Temos um prazo para recebermos as respostas do Governo Federal e estamos otimistas de que vamos avançar em várias questões. O Governo do Estado segue empenhado para que o nosso agronegócio continue sendo referência para o Brasil e para o mundo”, ressalta a vice-governadora Daniela Reinehr.

Rota do Milho

Os catarinenses apresentaram à ministra da Agricultura e ao secretário executivo do Ministério da Economia uma proposta para garantir a inspeção sanitária na entrada dos produtos no Brasil e também para agilizar o atendimento na Aduana de Cargas Integradas de Dionísio Cerqueira. Segundo o secretário Ricardo de Gouvêa, os investimentos em logística para melhorar o transporte de milho são fundamentais para manter a competitividade do agronegócio catarinense. “Santa Catarina é um gigante na produção de carnes. Nossos produtos são exportados para os mercados mais exigentes do mundo. Para mantermos essa produção nós temos que buscar soluções para o abastecimento de grãos e a Rota do Milho é uma alternativa importante, que reduz custos para os produtores catarinenses”.

Santa Catarina produz em média três milhões de toneladas de milho por ano e utiliza sete milhões na alimentação de suínos e aves – o consumo diário gira em torno de 18 mil toneladas. Com a implantação da Rota do Milho, o estado poderá ser abastecido pelo Paraguai, com os caminhões passando pela Argentina e chegando a Santa Catarina pela aduana de Dionísio Cerqueira. O percurso do grão pelo modal rodoviário do Centro-Oeste até Santa Catarina deverá reduzir de aproximadamente dois mil quilômetros para 350km.

“Buscar uma alternativa para o abastecimento de grãos é fundamental para o agronegócio catarinense. Somos um grande produtor de proteína animal e a Rota do Milho representa um corredor de oportunidades para Santa Catarina”, destacou a vice-governadora.

Sanidade Animal

Santa Catarina reforça a defesa agropecuária e se prepara para a retirada da vacinação contra febre aftosa no restante do país. Durante a passagem por Brasília, a vice-governadora Daniela Reinehr e o secretário Ricardo de Gouvêa defenderam a posição do estado na execução do Programa Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA).  Os catarinenses se manterão como uma zona separada na execução do Programa.

O Programa de Erradicação da Febre Aftosa está em andamento e prevê que a vacinação contra a doença seja suspensa gradativamente no Brasil, até que em 2023 o país seja reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como livre de febre aftosa sem vacinação. Mesmo status conquistado por Santa Catarina em 2007.

Para efeito de discussão técnica, Santa Catarina faz parte do bloco V – junto com Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Porém, como Santa Catarina já tem o reconhecimento da OIE, a decisão do Governo do Estado, iniciativa privada e produtores é de que o estado mantenha uma certificação independente do restante do país. Isso garante que, por exemplo, em caso de ocorrência de febre aftosa em outro estado, a certificação internacional catarinense não seja afetada.

“A retirada da vacinação dos demais estados traz uma grande preocupação para Santa Catarina. Iremos reforçar nossa defesa agropecuária, porém é preciso atentar para alguns pontos técnicos que devem ser avaliados antes de os estados pararem de vacinar. Solicitamos à ministra Tereza Cristina que amplie as discussões para dar mais segurança ao agronegócio catarinense”, explica o secretário Ricardo de Gouvêa.

Pesca

A agenda catarinense no Ministério da Agricultura contemplou ainda questões ligadas ao setor pesqueiro. Em especial, o convênio que será firmado entre a Secretaria Nacional da Aquicultura e Pesca e a Secretaria da Agricultura de Santa Catarina para a inspeção dos barcos de pesca industrial. A intenção é retomar as exportações de pescado para a União Europeia.

Foram tratados ainda da permissão para o cultivo comercial da macroalga Kappaphycus alvarezzi no litoral de Santa Catarina como alternativa econômica para os maricultores; o monitoramento ambiental da maricultura; regularização das carteiras de pescadores e licenças de pesca e as normas do programa de controle sanitário de moluscos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + dois =

Notícias Mercado

Mercado de frango segue firme, apostando em boa demanda para China

Otimismo nos negócios leva em conta a expectativa de manutenção da boa demanda no mercado externo

Publicado em

em

Divulgação

A avicultura de corte manteve o cenário de alta nos preços no atacado ao longo da semana, em meio à boa reposição entre o atacado e o varejo. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o otimismo nos negócios leva em conta a expectativa de manutenção da boa demanda no mercado externo, puxada especialmente pela China, que enfrenta um surto de peste suína africana.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo, os preços tiveram algumas mudanças para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado subiu de R$ 5,85 para R$ 5,90, o quilo da coxa seguiu em R$ 4,90 e o quilo da asa passou de R$ 7,30 para R$ 7,35. Na distribuição, o quilo do peito seguiu em R$ 6, o quilo da coxa seguiu em R$ 5 e o quilo da asa aumentou de R$ 7,50 para R$ 7,55.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de algumas mudanças ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito subiu de R$ 5,95 para R$ 6, o quilo da coxa seguiu em R$ 5,02 e o quilo da asa passou de R$ 7,38 para R$ 7,43. Na distribuição, o preço do quilo do peito permaneceu em R$ 6,10, o quilo da coxa permaneceu em R$ 5,12 e o quilo da asa avançou de R$ 7,58 para R$ 7,63.

No cenário externo, os embarques se mostram promissores neste começo de mês. As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 173 milhões em junho (5 dias úteis), com média diária de US$ 34,6 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 105,6 mil toneladas, com média diária de 21,1 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.638,10.

Na comparação com maio, houve alta de 27,8% no valor médio diário da exportação, ganho de 32,2% na quantidade média diária exportada e baixa de 3,4% no preço. Na comparação com junho de 2018, houve alta de 120,4% no valor médio diário, ganho de 100,2% na quantidade média diária e alta de 10,1% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo seguiu em R$ 3,50. Em São Paulo o quilo vivo seguiu em R$ 3,60.

Na integração catarinense a cotação do frango subiu de R$ 2,34 pra R$ 2,50. No oeste do Paraná o preço baixou de R$ 3,11 para R$ 3,10 na integração. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,10.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango continuou em R$ 3,45. Em Goiás o quilo vivo permaneceu em R$ 3,45. No Distrito Federal o quilo vivo seguiu em R$ 3,50.

Em Pernambuco, o quilo vivo permaneceu em R$ 4,55. No Ceará a cotação do quilo vivo continuou em R$ 4,55 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 4,65.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Exportação aquecida garante suporte ao mercado suíno no Brasil

Cenário doméstico a reposição entre atacado e varejo apresentou boa fluidez e, na exportação, a demanda permaneceu bastante aquecida

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de suínos apresentou bons negócios ao longo da semana. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, no cenário doméstico a reposição entre atacado e varejo apresentou boa fluidez e, na exportação, a demanda permaneceu bastante aquecida. Com um quadro de disponibilidade interna bem ajustado, o preço voltou a subir em todo o Centro-Sul do Brasil.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 4,44 na quinta-feira (13), subindo 4,21% frente aos R$ 4,26 praticados na semana passada. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,68, alta de 0,47% frente aos R$ 7,64 praticados no fechamento da semana anterior. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,28, avançando 3,65% frente ao preço praticado na semana anterior, de R$ 7,03.

Para Maia, o foco de atenção do mercado segue na China, que sofre com desequilíbrio de oferta interna devido à peste suína africana, levando o país atuar com maior intensidade nas importações de carne suína. No Brasil a expectativa é de que a demanda interna possa recuar um pouco nas próximas semanas, por conta do ingresso na segunda metade do mês, período em que tradicionalmente o consumo declina por conta do menor poder de compra da população.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 30,6 milhões em junho (5 dias úteis), com média diária de US$ 6,1 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 13,4 mil toneladas, com média diária de 2,7 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.286,00.

Em relação a maio, houve alta de 1,3% na receita média diária, ganho de 0,2% no volume diário e avanço de 1,1% no preço. Na comparação com junho de 2018, houve aumento de 118,7% no valor médio diário exportado, incremento de 86,2% na quantidade média diária e ganho de 17,4% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 100, avanço frente aos R$ 94 registrados na semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 3,50 para R$ 3,60. No interior a cotação no estado subiu de R$ 4,50 para R$ 4,70. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração avançou de R$ 3,50 para R$ 3,60. No interior catarinense, a cotação passou de R$ 4,60 para R$ 4,80. No Paraná o quilo vivo avançou de R$ 4,50 para R$ 4,65 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo aumentou de R$ 3,55 para R$ 3,58.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração subiu de R$ 3,50 para R$ 3,60, enquanto em Campo Grande o preço passou de R$ 3,75 para R$ 3,85. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 4,90 para R$ 5,20. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno avançou de R$ 5,00 para R$ 5,30. No mercado independente mineiro, o preço permaneceu em R$ 5. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis subiu de R$ 4,00 para R$ 4,10. Já na integração do estado a cotação aumentou de R$ 3,45 para R$ 3,50.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Plantio do trigo acelera no Brasil com leve melhora climática

Mercado brasileiro de trigo segue atento ao clima nas principais regiões produtoras do país

Publicado em

em

Cleverson Beje

O mercado brasileiro de trigo segue atento ao clima nas principais regiões produtoras do país. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, os atrasos no plantio no Rio Grande do Sul geraram preocupação em relação a uma queda de área ante as estimativas iniciais.

A comercialização segue lenta, com a baixa oferta. Além disso, as oscilações cambiais, acompanhadas de uma maior dificuldade na negociação da farinha alongam os estoques das indústrias nacionais, reduzindo a necessidade de novas aquisições no mercado internacional.

Conab

A produção brasileira de trigo em 2019 deverá ficar em 5,474 milhões de toneladas, segundo o nono levantamento para a safra brasileira de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), subindo 0,9% sobre a temporada passada, quando foram colhidas 5,428 milhões de toneladas. Em maio, a previsão era de safra de 5,466 milhões de toneladas.

A Conab indica uma área plantada de 1,973 milhão de hectares, com queda de 3,4% sobre o ano anterior. A produtividade está projetada em 2.774 quilos por hectare, 4,4% acima do ano anterior, quando o rendimento ficou em 2.657 quilos por hectare.

O Paraná deverá ter safra de 2,739 milhões de toneladas, com queda de 3,4% sobre o ano anterior. No Rio Grande do Sul, a produção deverá subir 0,4% para 1,879 milhão de toneladas.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra 2018/19 do estado atinge 74% da área prevista de 1,003 milhão de hectares, que deve ficar 9% abaixo dos 1,102 milhão cultivados em 2018. Segundo o Deral, 95% das lavouras apresentam boas condições de desenvolvimento e 5% condições médias, na fase de germinação (10%) e crescimento vegetativo (90%).

Rio Grande do Sul

Segundo boletim semanal da Emater/RS, a semana foi de grande avanço na semeadura da cultura do trigo em toda parte Noroeste do Rio Grande do Sul, consequência de dias com clima favorável, em função do qual o solo apresentou umidade adequada para a atividade, realizada inclusive durante a noite. No estado, a safra deve ser de aproximadamente 740 mil hectares, e o plantio totalizou 45% das áreas, tendo avançado 37 pontos percentuais desde a semana passada e superando os 43% para o mesmo momento do ano passado.

Muitas áreas destinadas à cultura passaram por nova dessecação antes da semeadura, em virtude de já apresentar grande quantidade de azevém germinado. Muitos produtores estão semeando sem financiamento e, consequentemente, sem seguro. As lavouras já implantadas apresentam boa emergência, retomando o desenvolvimento e apresentando coloração verde mais intenso.

Argentina

O plantio do trigo para a nova safra já atinge 36,1% da área na Argentina. Os trabalhos avançaram 16,4 pontos percentuais desde a semana passada. A superfície total é estimada em 6,4 milhões de hectares, 200 mil hectares acima do ano passado. Em números absolutos, foram semeados 2,313 milhão de hectares.

USDA

A safra mundial de trigo em 2019/20 é estimada em 780,83 milhões de toneladas, contra 777,49 milhões de toneladas em maio. Para a safra 2018/2019, a estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) é de 731,69 milhões de toneladas.

Os estoques finais globais em 2019/20 foram estimados em 294,34 milhões de toneladas, acima das 293,01 milhões de toneladas estimadas no mês passado. O mercado esperava 288,2 milhões de toneladas. Para 2018/19, os estoques são estimados em 276,57 milhões de toneladas, acima das 274,6 milhões de toneladas esperadas pelo mercado.

A safra 2019/20 do cereal nos Estados Unidos é estimada em 1,903 bilhão de bushels, acima dos 1,987 bilhão de bushels estimados em maio. Analistas de mercado consultados por agências internacionais antes do relatório esperavam o número em 1,891 bilhão de bushels. Para a safra 2018/19, a safra estadunidense ficou em 1,884 bilhão de bushels.

Os estoques finais do país em 2019/20 foram projetados em 1,072 bilhão de bushels, contra 1,141 bilhão de bushels no mês passado. O mercado esperava 1,115 bilhão de bushels. Os estoques ao final de 2018/19 são estimados em 1,102 bilhão de bushels, enquanto se esperavam 1,113 bilhão de buhels.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Evonik – Aminored
Conbrasul 2019
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.