Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes Produção

Saiba os detalhes antes e após o parto que geram leitões mais viáveis

Um dos principais objetivos do manejo de alimentação pré-parto é maximizar a produção de leite e colostro da fêmea, garantindo maior ingestão de colostro aos leitões

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito por Miqueias Vale Vargas, consultor de serviços técnicos da divisão de suinocultura na Agroceres Multimix

Os últimos dias de gestação da matriz suína são de extrema importância no que se refere ao evento do parto. É recomendado que o manejo pré-parto comece uma semana antes da data prevista para a parição, envolvendo cuidados com o ambiente destinado ao alojamento, a transferência e adaptação dos animais à instalação da maternidade. É importante levar em consideração que será nesse local que a fêmea permanecerá durante o período de parto e lactação, portanto se faz necessário adotar práticas que contribuam para que haja a menor perda possível.

Para que isso ocorra de forma eficiente, é necessário que a sala esteja completamente vazia, sem a presença de animais do lote anterior. Esse processo se inicia com uma detalhada e profunda limpeza das gaiolas, comedouros, pisos, fossos e canaletas, além de qualquer outra superfície presente na sala de maternidade. É importante fazer uso de detergentes para remoção de todos os resíduos da superfície, uma vez que desinfetantes não atuam sobre a matéria orgânica, lembrando também que excesso de desinfetante não substitui uma limpeza bem realizada. Após a desinfecção, é preconizado pelo menos 72 horas de vazio sanitário. Lembrando que antes da entrada das matrizes é necessário inspecionar cada item no que diz respeito a uma sala de parto, chupetas, comedouros, bandeja de equipamentos para o parto, tapete permeável, aquecedores para os leitões (30 a 32ºC).

No dia da transferência das matrizes, a higienização das fêmeas na saída da gestação pode ser uma boa alternativa para contribuir na minimização da contaminação da sala de parto.

No momento da condução das matrizes é interessante considerar alguns fatores como: a distância entre a gestação e a sala de maternidade, esta deve ser a menor possível, visando a redução do estresse das fêmeas por calor ou exaustão pela caminhada. Pelo mesmo motivo esse manejo deve ser realizado em horas frescas do dia, fazendo uso de tábuas de condução e em corredores com altura adequada.

Nas 24 a 48 horas que antecedem o parto é possível observar gotas de leite quando os tetos são estimulados. Da mesma forma, em 12 a 24 horas antes do parto, em que é possível observar jatos de leite. E por fim, nas últimas 6 horas já é possível ordenhar colostro, indicando uma iminência de parto nas próximas horas. Outro sinal bem marcante da fêmea suína é o instinto de preparação do ninho. Nesse momento os equipamentos necessários ao parto já devem estar nas proximidades da baia.

Um dos principais objetivos do manejo de alimentação pré-parto é maximizar a produção de leite e colostro da fêmea, garantindo maior ingestão de colostro aos leitões. Nesse período, é recomendada a mesma quantidade de ração que foi anteriormente ajustada para o final da gestação. Vale ressaltar que o fornecimento de água deve ser à vontade.

Assistência ao parto

Conhecer os sinais que antecedem imediatamente o parto é importante para que haja uma maior observação da fêmea e seja oferecido a ela todo o suporte necessário para uma parição com qualidade. O trabalho de parto tem o sinal característico de um corrimento translúcido sanguinolento da vagina. Isso indica rompimento de uma das placentas, sinalizando que já existe contração uterina, ou seja, se não haver complicações, em menos de uma hora nascerá o primeiro leitão.

Anotar o horário do início do parto é importante no acompanhamento do mesmo, repetindo essa ação em cada nascimento. Esse procedimento ajudará na tomada de decisão para o momento exato de se fazer uma intervenção ao parto. Podemos listar uma sequência de possíveis eventos e as condutas que devem ser tomadas.

Seria interessante que algumas recomendações ativessem presentes – de uma forma didática – na sala de parto.

Intervenções

O fluxograma da figura 1 traz uma observação relevante a ser considerada quanto ao uso de medicamentos à base de ocitócina e o toque vaginal, uma vez que são condutas arriscadas e invasivas, as quais devem ser evitadas sempre que possível. Sempre que for realizado o toque vaginal, deve-se anotar na ficha de parto da matriz para que fique registrado em seu histórico, além disso, é recomendado tratamento parenteral (consultar o médico veterinário) ao final do parto das matrizes que sofrerem este tipo de intervenção, pois os riscos de contaminação e desenvolvimento de processos infecciosos são altos. Nas 48 horas que se sucedem ao parto é possível que estas fêmeas apresentem descargas vulvares, portanto, a atenção em matrizes que foram submetidas a intervenção invasiva deve ser redobrada.

A massagem das glândulas mamárias ativa o mecanismo hormonal de liberação da ocitocina, assim como o estímulo natural realizado pelos leitões durante a mamada. Esse estímulo, resumidamente, promoverá a liberação de ocitocina endógena que, além de ajudar a liberar o leite, estimulará também que ocorra aumento das contrações uterinas, diminuindo a necessidade da utilização desse medicamento.

Ao nascerem, os leitões devem ser preferencialmente levados à primeira mamada, fazendo com que consigam mamar de forma eficiente até conseguirem sozinhos. O intuito é que aproveitem ao máximo o tempo após o nascimento, para que façam a ingestão do colostro o mais rápido possível. O colostro fornecerá aos leitões energia, para que mantenham seu aquecimento e obtenham a imunidade passiva. Para que todos façam a ingestão do colostro em quantidades suficientes, uma sugestão é prender a primeira metade dos leitões por 20 a 30 minutos, os que tomaram o colostro, sempre observando se os leitões já o consumiram em quantidades suficientes, o que pode ser avaliado através do exame da plenitude do abdômen. Depois, efetuar a troca, devendo prender os primeiros e soltar a outra metade. Para uma adequada ingestão de colostro, é sugerido que este manejo seja repetido por no mínimo três vezes durante as primeiras 12 horas de vida do leitão.

Leitões de baixa viabilidade

Esse manejo tem como objetivo minimizar as perdas diretamente relacionadas à morte de leitões na maternidade, uma vez que a mortalidade nesse setor está concentrada – em sua maioria – na primeira semana de vida dos leitões, mais especificamente nos três primeiros dias. Leitões com peso inferior a 1kg ao nascer apresentam menores reservas de energia, necessitando de maior tempo na primeira mamada. Pesquisas apontam que os leitões com baixa viabilidade que sobrevivem na maternidade e chegam à creche tendem a ser menos eficientes no ganho de peso durante toda sua vida, chegando ao abate com peso inferior quando comparado aos outros animais.

Entretanto, pesquisadores provaram que leitões com baixo peso ao nascer podem ter potencial para pleno desempenho ao longo da vida, o que os torna economicamente viáveis. Por esse motivo o fator linhagem deve ser considerado nessas situações, pois sabemos que a condução do melhoramento genético pode interferir na viabilidade dos leitões de baixo peso. Em qualquer uma das adversas situações haverá sempre baixo peso ao nascimento; o ideal a ser feito é a condução de um manejo adequado a cada situação, com o objetivo de minimizar os efeitos causados pela redução do peso ao nascimento.

Três recomendações

Podemos listar três importantes recomendações para uma boa condução desses animais:

  • Uniformização: para um manejo eficiente desses leitões, é recomendado agrupar todos com baixo peso em uma mesma matriz. Dessa forma, o funcionário poderá assistir àquela leitegada separadamente de forma homogênea e organizada, durante a primeira semana. É preciso ser criterioso na escolha das mães de leite para esta categoria de leitão: fêmeas de segundo parto, ou fêmeas mais velhas com tetos finos, se tornam uma boa opção nesse caso;
  • Colostro: na assistência aos leitões nascidos leves é necessário garantir que o leitão ingira quantidades suficientes de leite por dia. Caso esse leitão não consiga mamar o colostro, faz-se necessário administrá-lo a esse animal de forma artificial, através de mamadeira ou sonda oro-gástrica;
  • Temperatura: a manutenção da temperatura ideal nas primeiras horas de vida dos leitões é um fator decisivo no sucesso desse manejo, devendo se estender esse cuidado pelos próximos dias de vida. A diminuição da temperatura corporal, hipotermia, está entre os principais vilões para os leitões de baixa viabilidade.

Relevante para a vida toda

Talvez, período compreendido entre o pré-parto e a primeira semana de vida dos leitões não seja a chave para o sucesso na atividade, entretanto, trata-se de um importantíssimo aspecto a ser lembrado. É impossível considerar esse um fator irrelevante ao bom desempenho da vida do leitão até chegar ao abate. Uma boa nutrição, excelente genética, somada a uma notável sanidade, não se sustentam caso o manejo esteja limitado. Ao conduzir as atividades da maneira correta, atendendo as expectativas da matriz e os leitões, assegurando a eles qualidade de vida, não haverá barreiras para que os objetivos sejam alcançados.

Mais informações você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Suínos / Peixes Doenças consideradas multifatoriais

Os impactos das doenças respiratórias na suinocultura

Dentre as afecções respiratórias dos suínos que mais causam prejuízos ao produtor, podemos destacar, a Pleuropneumonia Suína (PPS) e a Pneumonia Enzoótica (PES).

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

As doenças respiratórias representam um desafio significativo para a suinocultura, pois impactam o desempenho produtivo dos animais e, consequentemente, a lucratividade das granjas. O surgimento dessas enfermidades engloba a ação de agentes bacterianos ou virais, distintas condições de ambiência e práticas de manejo. Estas doenças, consideradas multifatoriais, comprometem os animais de maneira geral, impactam o bem-estar e interferem negativamente no índice produtivo da granja, seja pela redução no ganho de peso dos animais, pelo alto índice de mortalidade ou pela condenação das carcaças no abate.

Dentre as afecções respiratórias dos suínos que mais causam prejuízos ao produtor, podemos destacar, a Pleuropneumonia Suína (PPS) e a Pneumonia Enzoótica (PES). Os impactos econômicos dessas enfermidades estão associados à sua morbidade e o incremento da mortalidade no plantel.

Pleuropneumonia suína

A Pleuropneumonia Suína, causada pela bactéria Actinobacillus pleuropneumoniae (APP), acomete suínos de todas as idades, com leitões de até 100 dias de vida sendo mais vulneráveis. Sua importância mundial não se deve apenas ao fato de ser uma doença com elevado índice de mortalidade, mas pelo alto impacto na produção animal, gerando altos custos com tratamentos e profilaxia, além de retardar e até mesmo limitar o ganho de peso dos animais. Outro fator relevante é o aumento do descarte de carcaça ao abate devido às lesões pulmonares oriundas de infecções crônicas.

A transmissão do agente infeccioso acontece pelo contato direto dos animais sadios com secreções respiratórias de animais infectados e pela dissipação de aerossóis a curtas distâncias. A bactéria é capaz de permanecer no ambiente por alguns dias se estiver protegida por material orgânico, como muco ou fezes, por isso a limpeza e desinfecção das baias e dos instrumentos utilizados na granja são de suma importância.

As manifestações clínicas da doença e seu desenvolvimento dependem de uma combinação de fatores, desde a virulência da cepa causadora, a suscetibilidade imunológica dos animais, estresse e concentração de indivíduos do lote, infecções concomitantes, manejo sanitário e as condições ambientais do confinamento.

A característica principal da doença é uma broncopneumonia fibrino-hemorrágica e necrosante, podendo evoluir para pleurite adesiva com formação de nódulos. Na forma aguda e hiperaguda os animais apresentam febre, anorexia, tosse ou vômitos e em alguns casos morte súbita. Em situações de surto epidemiológico em granjas, a morbidade pode exceder 50% dos animais, com mortalidade variando entre 1 e 10%.

Manifestações crônicas da doença podem ocorrer após a recuperação de um quadro agudo, com o animal apresentando tosse esporádica, baixo desempenho e registros de condenação dos pulmões e carcaça por aderência da pleura ao abate. Muitas vezes os indivíduos com quadros crônicos são portadores assintomáticos do APP e fontes de infecção para os outros animais do lote, sendo assim a principal fonte de contaminação das granjas. Vacinas comerciais contendo antígenos do A. pleuropneumoniae têm demonstrado reduzir a gravidade da doença e a disseminação do patógeno em rebanhos suínos.

Pneumonia enzoótica suína

Já a Pneumonia Enzoótica Suína é uma doença altamente contagiosa, mas com baixo índice de mortalidade e que apresenta grande incidência nas granjas brasileiras, sendo considerada uma doença de difícil erradicação. Causada pelo Mycoplasma hyopneumoniae, ela é responsável por comprometer a imunidade respiratória do animal e favorecer infecções oportunistas.
O M. hyopneumoniae adere ao epitélio ciliado da traqueia, brônquios e bronquíolos, destruindo o principal mecanismo de defesa inespecífico do trato respiratório dos suínos, deixando-os suscetíveis a patógenos secundários de forma permanente. O micoplasma se dissemina de forma rápida em ambientes que apresentam condições favoráveis, e afetam principalmente animais na fase de crescimento e terminação, sendo beneficiado pela alta concentração de animais, higiene pouco eficaz e instalações com ventilação inadequada.

Assim como a Pps, a transmissão da Pes ocorre por contato direto com outros animais acometidos, por fômites e por aerossóis eliminados durante as crises de tosse, logo, as variáveis ambientais e as relacionadas ao manejo sanitário da granja são fatores que podem facilitar a sua proliferação.

A principal característica da Pes é a broncopneumonia catarral, que se manifesta clinicamente por tosse seca e atraso no crescimento dos animais. As perdas econômicas relacionadas à doença são decorrentes da queda de produtividade que, dependendo da gravidade das lesões e infecções secundárias do lote, pode reduzir em até 30% o ganho de peso do animal.
O controle da PES engloba a imunização dos animais associada à adoção de medidas de biossegurança, como controle de densidade populacional e boa ventilação, ações que são fundamentais para prevenir a disseminação do patógeno.

Prevenção e controle

As doenças infectocontagiosas, como é o caso das doenças respiratórias, podem ser prevenidas e controladas de maneira eficaz através de um manejo sanitário rigoroso e adequado, incluindo, além das medidas ambientais, vazio sanitário e quarentena dos novos animais inseridos ao plantel, a vacinação dos animais da granja.

Contra a Pleuropneumonia Suína, a imunização com vacina inativada contra o Actinobacillus pleuropneumoniae é altamente vantajosa, pois, por ter em sua formulação agentes imunizantes contra os sorotipos de APP e suas toxinas das cepas causadoras da doença, o imunizante promove uma proteção cruzada contra todos os sorotipos conhecidos da bactéria Actinobacillus pleuropneumoniae, entregando ao produtor a excelente combinação de alta eficácia e máxima segurança, sem apresentar nenhuma reação pós-vacinal específica nos animais.
Numerosos estudos de campo já comprovaram que granjas vacinadas com essa solução apresentam índices significativos na redução de lesões pulmonares associadas à doença e melhoras relevantes nos índices produtivos, principalmente quando associada ao bom manejo sanitário.

Para a prevenção da Pneumonia Enzoótica Suína e da Circovirose, a proteção dos suínos através da vacinação na terceira semana de vida do animal confere uma proteção robusta contra o agente causador da enfermidade. A vacinação feita com cepa específica promove uma resposta imunológica mais efetiva e como consequência melhora nos índices produtivos.
Os investimentos visando melhoria dos resultados e sanidade do plantel são imprescindíveis para o controle e combate a essas enfermidades respiratórias, que dificultam no mundo todo a excelência da produtividade e competitividade do setor suinícola. Desta forma é possível garantir a sustentabilidade e o crescimento da suinocultura para um futuro ainda mais promissor. As referências bibliográficas estão com o autor. Contato: gisele@assiscomunicacoes.com.br.

Fonte: Assessoria Equipe técnica da Ceva
Continue Lendo

Suínos / Peixes Crescimento no agronegócio

Cooperativistas se atualizam no Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural

O Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural surge como uma ferramenta indispensável, direcionada exclusivamente para produtores e equipes de fomento e assistência técnicas de cooperativas agropecuárias.

Publicado em

em

Fotos: Jaqueline Galvão/OP Rural

Em um cenário onde a competitividade e a inovação são essenciais para a sobrevivência e o crescimento no agronegócio, a capacitação dos produtores se torna um elemento-chave. Nesse contexto, o Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural surge como uma ferramenta indispensável, direcionada exclusivamente para produtores e equipes de fomento e assistência técnicas de cooperativas agropecuárias.

Realizado em formato híbrido, o evento reuniu de 11 a 12 de junho mais de 800 pessoas em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, e alcançou um público superior a 13,5 mil pelos canais do Facebook e YouTube.

O Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural tem como objetivo proporcionar um ambiente de aprendizado, troca de experiências e networking. Através de palestras, os cooperados têm a oportunidade de se atualizar sobre as últimas tendências e inovações tecnológicas que estão moldando a avicultura e a suinocultura no Brasil e no mundo. A presença de especialistas e pesquisadores dos setores avícola e suinícola garante que o conteúdo apresentado seja de alta qualidade e relevância.

Diretor do jornal O Presente Rural, Selmar Frank Marquesin: “Conteúdo relevante e atual”

O primeiro dia do evento foi dedicado à suinocultura, tendo na pauta desde os desafios atuais e perspectivas de mercado até a importância do bem-estar animal e a biosseguridade nas granjas. O segundo dia focou na avicultura e foi voltado ao mercado de carnes e suas perspectivas, Influenza aviária, biosseguridade e estratégias para o futuro da atividade. “A programação técnica foi cuidadosamente elaborada para atender às necessidades reais dos produtores, trazendo conteúdo relevante e atual. As palestras foram muito bem recebidas pelos nossos produtores” salienta o diretor do jornal O Presente Rural, Selmar Frank Marquesin.

Realizado pelo Jornal O Presente Rural, contou com a parceira das cooperativas Frimesa, Lar, Copacol, Copagril, C.Vale e Primato, e com apoio do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Paraná (Sindiavipar) e da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS).

Aprendizado constante

Avicultor há 15 anos em Matelândia, PR, Clayton Luiz Bonatto: “Os eventos de O Presente Rural oferecem palestras de alta qualidade, abordando tanto o cotidiano na propriedade quanto as tendências de mercado”

Avicultor há 15 anos, Clayton Luiz Bonatto possui em Matelândia, Paraná, nove aviários que juntos alojam 250 mil pintinhos por lote. Integrado à Lar, ele conta que este foi o terceiro ano consecutivo dos eventos de O Presente Rural que ele participa e o objetivo segue sendo adquirir conhecimento para aprimorar sua atividade no campo. “Os eventos de O Presente Rural oferecem palestras de alta qualidade, abordando tanto o cotidiano na propriedade quanto as tendências de mercado. É fundamental que o produtor compreenda o mercado e saiba onde seu produto está sendo comercializado. Além disso, outras palestras destacam a importância da biosseguridade, um conjunto de medidas que garantem a qualidade e agregam valor ao produto final, dependendo em grande parte do trabalho bem executado pelo produtor”, frisa.

Suinocultores há 13 anos na Linha Sete Rumos, interior do município de Maripá, PR, casal Jezieli e Jairo Seiboth: “Viemos em busca de conhecimento que possa ser aplicado no dia a dia da nossa propriedade”

Jezieli e Jairo Seiboth são suinocultores há 13 anos no município de Maripá, Paraná. Integrados à C.Vale desde o início da atividade, eles administram a propriedade familiar junto Rudolfo Seiboth, pai de Jairo. Com capacidade para alojar 1,5 mil suínos em terminação, o casal participa do evento há dois anos, sempre em busca de atualização. “Viemos em busca de conhecimento que possa ser aplicado no dia a dia da nossa propriedade, assim como para entender o momento atual da suinocultura, as perspectivas do setor e como está o mercado da carne suína. Munidos destas informações conseguimos administrar melhor nosso negócio e tomar decisões mais assertivas, como investir na construção de um novo barracão ou se devemos esperar. Além disso, estamos interessados em conhecer as novas tecnologias disponíveis para melhorar ainda mais nossa já tecnificada granja” salientam.

 

Para os produtores e equipes de fomento e assistência técnicas das cooperativas agropecuárias, a participação em eventos desse porte é uma oportunidade ímpar de crescimento profissional e de alinhamento com as melhores práticas do setor. “Enxergamos com bons olhos a busca constante por atualização de conhecimento. Trazer o produtor para este Congresso é fundamental para que ele se atualize sobre o cenário local, estadual, nacional e internacional, além dos valores das commodities e as perdas ao longo do processo da cadeia produtiva. Muitas vezes, esses temas não são abordados no dia a dia, pois os extensionistas costumam focar em aspectos diretamente ligados ao manejo, independentemente do sítio de atuação. Por isso, proporcionar esse momento de atualização e networking com a equipe, outros produtores e integrações é muito importante para aprimorar processos dentro da cadeia produtiva”, evidencia o supervisor de Fomento da Copagril, Doglas Batista Lazzeri.

Foco no produtor

Gerente da Divisão Pecuária da Lar, Daniel Dalla Costa: “As palestras são direcionadas exclusivamente para os produtores e para as equipes técnicas, que precisam estar alinhadas”

Daniel Dalla Costa, gerente da Divisão Pecuária da Lar, destaca que o evento é planejado com foco no produtor. “As palestras são direcionadas exclusivamente para esse público e para as equipes técnicas, que precisam estar alinhadas. Todos os palestrantes foram cuidadosamente selecionados para garantir que os produtores absorvam as informações da melhor forma possível”, ressalta.

Supervisor de Fomento da Copagril, Doglas Batista Lazzeri: “Trazer o produtor para este Congresso é fundamental para que ele se atualize sobre o cenário local, estadual, nacional e internacional”

Lazzeri também expressa grande satisfação com a participação da sua equipe de trabalho nos eventos promovidos pelo Jornal O Presente Rural. “A cada edição os eventos promovidos pelo O Presente Rural se tornam mais relevantes, consolidando seu espaço no segmento de proteína animal e criando novas oportunidades para a participação das cooperativas agroindustriais e, principalmente, dos produtores rurais, que são o foco do evento”, evidencia.

Empresas expositoras

Além das palestras técnicas, o Congresso conta com uma Feira de Negócios, em que diversas empresas expõem suas marcas, produtos e serviços. Na edição 2024, este espaço proporcionou aos participantes a oportunidade de conhecer as últimas inovações e soluções tecnológicas disponíveis no mercado, fortalecendo as conexões entre produtores e fornecedores. “A participação das empresas foi fundamental para o sucesso do Congresso. Tivemos a presença de grandes marcas que apresentaram inovações tecnológicas e soluções práticas para o dia a dia dos produtores. Este ambiente de troca e aprendizado fortalece toda a cadeia produtiva” ressalta Marquesin.

Alimenta

A partir da próxima edição, o Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural se transforma e passa a se chamar Alimenta – Congresso Brasileiro de Proteína Animal & Rendering. Marcado para junho de 2025, o evento será realizado a cada dois anos, em Foz do Iguaçu, Paraná, com a promessa de ainda mais novidades e oportunidades para o setor agropecuário brasileiro.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Nucleovet divulga programação científica do 16º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura

SBSS terá sete painéis temáticos que debaterão pessoas, nutrição, sanidade, gestão da produção, imunidade e microbiota, biosseguridade e manejo da produção

Publicado em

em

Foto: Arquivo/MB Comunicação

O Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) divulga a programação científica do 16º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), que será realizado no período de 13 a 15 de agosto, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó (SC). Simultaneamente ocorrerá a 15ª Brasil Sul Pig Fair.

Durante o SBSS, 16 palestras e mesas-redondas contribuirão para atualizar os profissionais que atuam na cadeia suinícola. A programação é organizada em sete painéis temáticos que abordarão pessoas, nutrição, sanidade, gestão da produção, imunidade e microbiota, biosseguridade e manejo da produção.

Um dos grandes diferenciais do SBSS é proporcionar conhecimentos científicos que contribuam no dia a dia dos profissionais e das empresas. “O Simpósio terá a presença de palestrantes com alta expertise nos temas. Eles debaterão tendências, inovações e o futuro do setor suinícola dentro dos assuntos definidos para cada painel. Serão três dias que proporcionarão muito conhecimento e troca de experiência”, enfatiza o presidente da Comissão Científica do SBSS, Paulo Bennemann.

“O Brasil ocupa a quarta posição mundial em produção e exportação de carne suína. Nos últimos anos, tivemos aumento considerável no consumo interno e também abrimos mercados externos significativos para o setor. Cabe ao Nucleovet, promover a difusão de novas tecnologias e conhecimentos para que possamos produzir suínos com eficiência, sustentabilidade e, talvez o mais importante, com lucratividade. O Simpósio Brasil Sul se destaca como um evento de natureza científica, com grande capacidade para indicar tendências e atualizar os profissionais latino-americanos envolvidos na cadeia produtiva”, ressalta o presidente do Nucleovet, Tiago José Mores.

Inscrições

As inscrições para o SBSS estão no segundo lote. Até o dia 25 de julho, o investimento é de R$ 680,00 para profissionais e de R$ 420,00 para estudantes. Após essa data e durante o evento o investimento será de R$ 850,00 e R$ 480,00.

Para os congressistas que se inscreverem no Simpósio, o acesso à Pig Fair é gratuito. O valor para participar somente da 15ª Brasil Sul Pig Fair é de R$ 100,00 até o dia 25 de julho. A partir dessa data e durante o evento o investimento passa a ser de R$ 200,00.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições para o SBSS serão concedidos códigos-convites bonificados. Associados do Nucleovet, profissionais de agroindústrias, órgãos públicos e grupos de universidades têm condições diferenciadas. As inscrições podem ser realizadas no site: www.nucleovet.com.br.

Brasil Sul Pig Fair

A 15ª Brasil Sul Pig Fair reunirá empresas de tecnologia, sanidade, nutrição, genética, aditivos, equipamentos para suinocultura, entre outros setores. Os expositores apresentarão suas novidades e seus produtos, permitindo a construção de networking e o aprimoramento técnico dos congressistas.

Programação Científica do 16º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura

Terça-feira (13/08)

14h às 14h05 – Abertura da Programação Científica

Painel Custo ou Investimento

14h05 às 15h35 – Custo ou investimento: qual é o entendimento que temos a respeito da nossa sanidade?

Palestrantes: Debatedores mesa-redonda

  • Guilherme Marin: impacto do vazio sanitário
  • Marcelo Rocha: Fatores de risco para biosseguridade e boas práticas de manejo
  • Valdecir Luiz Mauerwerk: Visão da agroindústria sobre custos relacionados a sanidade

15h35 às 15h50 – Discussão

15h50 às 16h10 – Coffe-break

Painel Pessoas

16h15 às 16h55 – Equipes de alta performance, este é o caminho? Desafios da produção na escassez de mão de obra

Palestrantes: Leandro Trindade

16h55 às 17h25: Questionamentos

17h35 – Solenidade de Abertura Oficial do SBSS 2024

18h35 às 19h35 – Palestra de Abertura

19h45 horas – Coquetel de Abertura na Pig Fair

Quarta-feira (14/08)

Painel Nutrição

08h às 08h40 – Nutrição de precisão: atualização das exigências nutricionais com foco em melhoria de performance

Palestrante: Melissa Hanas

08h45 às 09h25 – Estratégias nutricionais em desafios sanitários

Palestrante: Caio Abércio

09h25 às 09h40 – Questionamentos

09h45 às 10h15 – Coffe-break

Mesa-redonda Sanidade

10h15 às 11h55 – Síndrome respiratória dos suínos: E agora! (abordagem prática da situação e discussão sobre possibilidades de mitigação de perdas)

10h15 às 10h45: Influenza. O que podemos fazer além de “sentar e chorar”. Hoje conseguimos fazer terapia de suporte, e esperar o ciclo da doença passar?

Palestrante: Danielle Gava

10h50 às 11h20 – Mycoplasma hyopneumoniae, por que ainda causa tanto impacto sanitário? Estratégias para manter um equilíbrio no sistema de produção

Palestrante: Maria Pieters

11h20 às 12h00 – Questionamentos

12h00 às 14h00 – Intervalo para almoço

12h15 – Eventos Paralelos

Painel Gestão da Produção

14h às 14h40 – É possível melhorar a uniformidade dos leitões ao nascimento através da nutrição?

Palestrante: Jesus Acosta

14h45 às 15h45 – Desmistificando leitões de baixo peso: da teoria a prática?

Palestrantes: Fernanda Almeida e Djane Dallanora

15h45 às 16h05 – Questionamentos

16h05 às 16h25 – Coffe-break

Painel Imunidade e Microbiota

16h30 às 17h10 – Como a imunidade herdada e modulada na maternidade interferem na resposta vacinal?

Palestrante: Geraldo Alberton

17h15 às 17h55 – É possível incrementar a saúde respiratória por meio da microbiota intestinal?

Palestrante: Andres Gomez

17h55 às 18h15 – Questionamentos

18h25 – Eventos Paralelos

19h40 – Happy Hour na Pig Fair

Quinta-feira (15/08)

Painel Biosseguridade

08h às 08h40 – Biossegurança em fábricas de rações: principais eventos de risco de contaminação do alimento às granjas

Palestrante: Gustavo Simão

08h45 às 09h25 – Conhecendo o inimigo: como garantir a segurança da granja com relação a roedores

Palestrante: Isis Pasian

09h25 às 09h45 – Questionamentos

09h45 às 10h05 – Coffe-break

Painel Manejo da Produção

10h10 às 11h45 – Perdas ao abate: oportunidades no campo e abatedouro

10h10 às 10h35 – Qual o papel do abatedouro como cliente do sistema de produção? Uma visão holística

Palestrante: Jalusa Deon Kich

10h35 às 11h45 – Debatedores:

  • Marisete Cerutti
  • Augusto Queluz
  • Andreia Dalpissol
  • Mônica Santi
  • Luana Torres da Rocha

11h45 às 12h00 – Questionamentos

12h05 – Sorteios e encerramento

Fonte: Assessoria Nucleovet
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.