Conectado com
Suínos e Peixes – Maio

Notícias Tecnologia

Revolução digital na pecuária: não tem almoço de graça!

Precisamos nesse momento nos questionarmos sobre quais são os investimentos que precisarão ser feitos agora para viabilizar essas tecnologias amanhã.

Publicado em

em

Eduardo Hoff - Líder de inovação da Agriness - Foto: O Presente Rural

Hoje já podemos começar a imaginar uma realidade na agropecuária onde cada metro quadrado das plantações, cada animal produzido esteja monitorado em tempo real através de sensores e aplicações. Na verdade, muitas soluções já estão ficando disponíveis para o setor produtivo e começam a gerar um efeito positivo na produtividade de granjas e fazendas.

Não há dúvida que essa infinidade de sensores e aplicativos vão gerar um volume de dados gigantesco, um detalhamento sobre cada faceta da produção nunca antes possível de ser feito. Isso criará uma infinidade de novas correlações entre variáveis que permitirão novas propostas de manejos, ajustes em fórmulas de rações, novos protocolos de vacinação, entre outras novidades que continuarão a incrementar produtividade e/ou reduzir custo na produção animal.

Isso nos leva a certeza que técnicas de Data Science irão realmente apoiar cada vez mais a produção animal em tempo real, já que o poder de processamento está crescendo junto com esse volume de dados. Isso torna viável o trabalho de rápida detecção de padrões e o fortalecimento do aprendizado de máquina (machine learging), que, em linhas gerais, são programas de computador e algoritmos que podem se adaptar ao longo do tempo para reconhecer o que é normal em um conjunto de dados, como por exemplo padrões que identificam surtos de doenças específicas ou problemas de manejo que precisam ser alterados para uma outra técnica.

Tudo isso é maravilhoso de se pensar, não é mesmo? Parece que teremos um futuro muito mais facilitado na produção animal do que temos hoje. E isso está 100% correto. Porém o setor precisa colocar novamente os pés no chão e avaliar sem euforia quais passos precisam ser dados antes desse futuro ser realmente viável. Precisamos nesse momento nos questionarmos sobre quais são os investimentos que precisarão ser feitos agora para viabilizar essas tecnologias amanhã. Pois uma outra certeza que temos no agro é que não tem almoço de graça!

 

Qual a qualidade dos dados que estamos gerando? O que realmente poderemos correlacionar?

Apesar dos benefícios óbvios dessa nova fase da pecuária, há uma série de dificuldades físicas e técnicas que precisaremos superar dentro da produção animal antes que tenhamos a qualidade e o volume de dados necessários para colocar a inteligência computacional a nosso serviço no dia a dia.

Por exemplo:

1.        Robustez: Os sensores eletrônicos usados devem ser robustos o suficiente para suportar a vida dentro das granjas, além de realmente entregar um dado real e de qualidade para análise. Experiências realizadas pela Agriness EDGE, unidade da Agriness especializada em IOT para produção animal, mostram que determinados sensores podem até começar sua vida útil gerando bons dados, mas em pouco tempo passam a não entregar a informação fidedigna, o que pode comprometer todo o restante das análises.

2.        Custo: Atualmente alguns dos sensores fundamentais para essas correlações não possuem um custo de implantação e manutenção compatíveis com as margens atuais da produção de proteína animal. Certamente a tecnologia, como sempre, irá tratar de barateá-los a longo prazo, mas isso só acontecerá se tivermos no setor os earlier adopters, empresas que apostam nas tecnologias mesmo que ainda a custos não muito adequados.

3.        Estrutural: muitas estruturas de granjas e fazendas foram construídas há muito tempo e não possuem uma estrutura mínima adequada para a adoção de certas tecnologias que já estão no mercado, sejam elas de sensoriamento, sejam de automação, sejam de conectividade. Nessa situação temos duas frentes de investimentos: mudar as estruturas, o que é muito caro para o setor; ou investir na adequação das tecnologias para as estruturas existentes. Em qualquer uma delas precisamos investir hoje para colher mais tarde.

 

Qual a possibilidade de termos as informações a tempo de tomar decisões com elas?

Os produtores precisarão de conectividade adequada para envio de dados aos sistemas de computadores capazes de processar grandes volumes de dados, assim como boa conectividade para poder consumir as respostas que essas soluções na cloud (termo que define uma estrutura de super servidores acessíveis pela internet) podem fornecer. Mas o que realmente vemos hoje no campo são granjas e fazendas sem conectividade ou soluções de internet fracas e intermitentes.

A questão aqui é que para aumentar a oferta de boa conectividade no meio rural há a necessidade do próprio setor consumir exigir e apostar nessa maior conectividade como ferramenta para ganho de produtividade. Fazendo um paralelo, boa internet é hoje as novas rodovias de escoamento da produção, só que aqui produção de dados, informações e decisões.

 

Como conectar todas essas informações?

Para que os programadores desenvolvam os algoritmos necessários para transformar grandes volumes de dados em resultados úteis para a produção animal, as máquinas devem primeiro ser “treinadas” usando grandes volumes de dados com qualidade auditada por cientistas de dados, seja em termos de sua relevância biológica para a saúde e o bem-estar dos animais, seja em termos de relevância para os algoritmos que tomarão decisões de forma automática.

O acesso a esse grande volume de dados, cujo nome que damos é big data, requer a colaboração e compartilhamento digital de dados por todos os players do setor. Porém, como fazer isso e ainda garantir segurança competitiva aos donos dos dados, garantindo a separação do que é realmente público e o que é privado? Como conseguir conectar centenas, milhares de diferentes padrões e fontes de dados de forma a transformá-los nesse desejado pote de outro digital?

Uma resposta a esses questionamento é a criação de uma plataforma tecnológica específica para a produção animal intensiva que consiga ser um repositórios de armazenamento de dados privados com políticas claras e seguras de utilização estatística dos mesmos, ajudando assim  a diminuir as preocupações dos grandes players do mercado, geralmente empresas que possuem políticas mais rígidas de segurança e privacidade de dados.

Além de armazenamento seguro essa plataforma precisa também facilitar a integração de dados e sistemas, permitindo assim que esse grande volume de dados seja viável. Aqui a dificuldade está em conseguir conversar com soluções antigas ou mesmo planilhas de dados, algo muito normal nas empresas do agro, assim como fazer interface com tecnologias modernas que vem surgindo diariamente no mundo, como é o caso recente de soluções de IOT, blockchain, linguagem natural, para citar algumas.

Uma questão importante é que essa plataforma não pode ser feita por qualquer empresa. Essa empresa precisa ter credibilidade no setor pois o crescimento dos dados passará pela crença dos players na privacidade e segurança dos seus dados em troca de uso da inteligência computacional. Além disso, a empresa precisa ter conhecimento da produção animal e alto nível de capacidade tecnológica, pois a plataforma precisará reúnir tecnologia de ponta e conhecimento de como funciona a produção animal para conseguir endereçar todas as oportunidades da pecuária de precisão.

A conclusão, então, é que essa revolução digital nos trará muitas oportunidades em eficiência e inteligência na produção, logicamente revertidas em maiores margens nas operações. Mas isso não vai vir sem o setor de produção animal fazer investimentos. Tanto o produtor precisará entender que ele terá que modificar sua visão sobre a adoção e investimentos em tecnologia, quanto as grandes empresas precisará investir nas tecnologias disruptivas mesmo não tendo todas as garantias de sucesso, pois se elas não fizerem o movimento será muito lento e talvez não chegue a tempo de gerar o desejado valor.

 

Eduardo Hoff – Líder de inovação da Agriness

Fonte: Eduardo Hoff
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − 2 =

Notícias Tecnologia

InovaPork fomenta a inovação na suinocultura

InovaPork foi proposto para despertar o interesse de universitários, profissionais independentes e startups que queiram participar da pesquisa agropecuária

Publicado em

em

Divulgação

Na próxima semana, de 31/05 a 02/06, a sede da Embrapa Suínos e Aves, em Concórdia, SC, será ponto de encontro para discussão de soluções inovadoras para a suinocultura. É a etapa final do InovaPork, primeiro desafio de ideias para esta cadeia produtiva. Durante os três dias do evento, cerca de 35 participantes, finalistas de dez equipes, terão a oportunidade de conhecer ainda mais o universo da produção e pesquisa por meio de uma imersão a campo e com mentoria de pesquisadores e profissionais de renome nas áreas de agronegócio, tecnologia e negócios.

A programação inclui palestras e visitas técnicas. As apresentações de cada equipe acontecem no dia 2, quando serão conhecidas as três propostas vencedoras. A comissão julgadora avaliará quatro critérios nesta fase: impacto econômico, visão de futuro, barreiras de entrada e desenvolvimento e execução da proposta.

As ideias selecionadas são de equipes do Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e São Paulo. O InovaPork, de acordo com a chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Janice Zanella, foi proposto para despertar o interesse de universitários, profissionais independentes e startups que queiram participar da pesquisa agropecuária. “O evento também representa um desafio para a pesquisa, que precisa acompanhar o movimento tecnológico que desponta na sociedade”, destacou ela.

A startup ou equipe vencedora estará classificada para a etapa final do Pontes para Inovação (desde que cumpra o regulamento deste evento), uma parceria da Embrapa para conectar agritechs com investidores, visando permitir que estas possam ter acesso a recursos para acelerar seus negócios. Além disso, a equipe vencedora poderá participar dos seminários e do espaço Digital Farming da AveSui EuroTier 2019. A feira acontece de 23 a 25 de julho, em Medianeira, PR.

O InovaPork é realizado pela Embrapa com a correalização da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), Parque Científico e Tecnológico de Chapecó e Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento (Faped).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Estimativa do Deral

Safra de grãos do Paraná poderá chegar a 37 milhões de toneladas

De maneira geral, as estimativas mostraram pequenas variações na comparação com o mês passado, com redução de 12% na produção de grãos de verão, por força da perda da safra de soja

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Relatório da safra 2018/2019 divulgado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, mostra que a produção paranaense de grão pode chegar a 37,1 milhões de toneladas, uma variação positiva de 5% em relação à safra anterior.

Segundo o Deral, o milho pode representar 17% do total nacional na safra 2018/2019. O Estado ocupa a segunda posição no ranking brasileiro de produção do grão, que é de aproximadamente 95 milhões de toneladas.

De maneira geral, as estimativas mostraram pequenas variações na comparação com o mês passado, com redução de 12% na produção de grãos de verão, por força da perda da safra de soja. Além disso, reduziu a expectativa de produção do milho safrinha, mas mesmo assim deve superar 13 milhões de toneladas.

Com a relação à cultura do trigo, a área de plantio confirmou-se menor em relação à safra passada. “Porém, as estimativas em termos de produção de grãos desta safra ainda superam a do ano anterior”, diz o chefe do Deral, Salatiel Turra.

Para o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, a safra paranaense ainda pode ser representativa. “Mesmo nesse contexto difícil, com clima bastante estável neste ano, temos uma avaliação positiva da nossa safra, na mesma linha da safra brasileira, que tende a ser a segunda maior da história”, disse. Segundo ele, o Paraná teve sua maior produção agrícola na safra 16/17 e, desde então, problemas climáticos afetaram os melhores desempenhos. “Mas temos uma produção digna do esforço dos nossos agricultores”, acrescentou.

Milho segunda safra

O Norte do Estado está em alerta com uma estimativa de produção que pode ficar abaixo da média, em decorrência da falta de chuva. Por outro lado, as demais regiões do Paraná estão acima da média.

A expectativa para a segunda safra de milho é de 13 milhões de toneladas, 42% superior à do ano passado, com a área mantendo-se em 2,2 milhões de hectares, um avanço de 7% na comparação com a safra anterior, quando atingiu 2,1 milhões de hectares.

Mesmo com o impacto causado pelo clima na região Norte nos últimos dias, a produção total de milho ainda tende a ser satisfatória, chegando a 16 milhões de toneladas. A safra 17/18 atingiu 12 milhões de toneladas. “Isso corrobora com o cenário brasileiro, que também tem uma estimativa positiva, em torno de 90 a 95 milhões de toneladas”, explica o técnico do Deral Edmar Gervásio.

Os preços registraram queda de 20%. Hoje, a saca de 60 kg de milho no mercado interno é comercializada por R$ 25. No mesmo período do ano passado, o valor era de R$ 32. “A oferta do cereal está grande não só no Paraná, mas no Brasil como um todo, e isso pressiona os preços no mercado interno. O preço para o produtor está baixo, mas no mercado internacional está alto”, diz Gervásio.

No entanto, o preço médio deste ano é considerado estável até o momento. Na comparação entre os cinco primeiros meses de 2019 e a média de 2018, o valor está em R$ 28. “No cenário da comercialização, se o produtor tiver uma venda satisfatória, mantém a média de R$ 28. Há um atraso significativo no plantio norte-americano, e isso tem impacto nos preços”, afirma o técnico.

Ele diz que a insegurança dos produtores quanto aos preços pode causar um atraso maior na comercialização do milho, que já está lenta para o período, já que os valores não estão vantajosos como no ano passado.

Soja

O relatório do Deral confirma as projeções de área e produção para a soja paranaense de 16,2 milhões de toneladas, com previsão de quebra de 17%, aproximadamente 3,4 milhões de toneladas. O excesso de calor e a falta de chuva foram determinantes para esse índice, diz o relatório.

A comercialização está próxima de 52%, o que equivale a pouco mais de 8 milhões de toneladas. No mesmo período do ano passado, o índice era de 61%. Isso comprova que o produtor de soja freou a venda na expectativa de melhora nos preços.

Tanto o atraso no plantio norte-americano quanto o impasse comercial entre Estados Unidos e China contribuíram para a queda do preço internacional, com impacto no mercado nacional. Nos últimos dias, as indefinições político-econômicas no Brasil mantiveram o dólar em valores mais altos. Esse cenário favorece os exportadores, mas não indica necessariamente um bom preço no mercado internacional.

“Ainda não há definição para a próxima safra brasileira”, diz o economista do Deral Marcelo Garrido. Os produtores decidem entre junho e julho quando iniciar o plantio. “A expectativa para a próxima safra depende do plantio nos EUA. A tendência é que o produtor aguarde a definição da área norte-americana. Os próximos 40 dias são determinantes para a decisão”, afirma.

Na semana passada, os preços registraram queda de 12% comparativamente ao mesmo período de 2018. Atualmente, a saca de 60 kg de soja é comercializada por R$ 66.

Trigo

Tanto a área quanto a produção de trigo mantiveram os índices anteriores. A estimativa de área está em um milhão de hectares, e a produção esperada para a safra 18/19 é de 3,2 milhões de toneladas. Cerca de 60% da área está plantada até o momento, resultado bastante superior ao do ano passado, quando a seca atrasou o plantio.

A saca de 60 kg de trigo é comercializada a R$ 46,50, preço 10% superior ao mesmo período de 2018. Porém, o custo também teve um aumento significativo, gerando uma redução de área de 9%, na comparação com a safra passada. A rentabilidade também melhorou. Porém, como a colheita não começou, não há confirmação sobre a continuidade dos preços. “O cenário ainda é incerto. A menor demanda da China e o atraso no plantio norte-americano são fatores que podem ajudar o preço do trigo e de outras commodities”, explica o engenheiro agrônomo Carlos Hugo Winckler Godinho, do Deral.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo

Notícias Em Frederico Westphalen

45º Dia Estadual do Porco ocorre no dia 9 de agosto

Evento tradicional gaúcho chega a 45ª edição

Publicado em

em

Divulgação

A Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS) promove, em parceria com a Administração Municipal de Frederico Westphalen, no dia 9 de agosto, a 45ª edição do Dia Estadual do Porco. A cidade foi anfitriã pela primeira vez há 38 anos, quando o evento estava na oitava edição. A programação deve atrair um público de até 1.000 pessoas, entre suinocultores independentes e integrados, representantes de cooperativas e agroindústrias, técnicos, veterinários, autoridades ligadas ao setor e estudantes da área.

O evento, que tem como objetivo mostrar a força da suinocultura do Estado e oportunizar um momento político e técnico para produtores e demais profissionais relacionadas a área de forma gratuita, irá iniciar às 7h30 nas dependências da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), com recepção e café da manhã. Já às 9h, acontece a solenidade de abertura do evento, com composição de mesa oficial e pronunciamentos e, após, as palestras que vão tratar sobre o mercado da carne suína e grãos, como milho e soja.

Participação

Para participar do 45º Dia Estadual do Porco não há necessidade de inscrições antecipadas. Porém, as associações e núcleos de suinocultores, ou aqueles que organizarem grupos para participar do evento, devem informar a quantidade aproximada de participantes, por conta do número de almoços a serem servidos. As informações podem ser repassadas à ACSURS pelo telefone (51) 3712-1014 ou através do e-mail eventos@acsurs.com.br.

Os cartões para o almoço devem ser adquiridos no local do evento.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Ecobiol- Evonik
Biochem site – lateral
Conbrasul 2019

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.