Conectado com
FACE

Notícias De Norte a Sul do país

Resultados da SNCS apontam crescimentos em vendas e consolidam oportunidades à suinocultura

Além do excelente desempenho em lojas físicas, as oito redes participantes relatam também destaque no meio digital

Publicado em

em

Divulgação/ABCS

A Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) é uma iniciativa de promoção da proteína conduzida pela Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), que pelo oitavo ano seguido atua em parceria com o varejo brasileiro. Este ano a campanha chegou aos consumidores de forma diferente e inovadora e trouxe resultados positivos em vendas em todas as regiões do país. Reunindo mais de 900 lojas em 22 estados brasileiros, a ABCS, junto ao Carrefour, Extra, Pão de Açúcar, Grupo Big, Hortifruti, Natural da Terra, Lopes Supermercados e Oba Hortifruti, apostaram em campanhas físicas e digitais, através do e-commerce, redes sociais, aplicativos de compra e influenciadores, impactando mais de 42 milhões de pessoas no período de 1 a 15 de outubro. Além disso, os treinamentos virtuais conseguiram capacitar mais de 1.500 trabalhadores do varejo, um número recorde, que conseguiu engajar todo o time em prol desta iniciativa. A SNCS que já era um case consagrado no agronegócio, alcançou o sucesso mais uma vez, através de resultados exponenciais de crescimento em vendas, tanto em lojas físicas quanto virtuais, gerando também oportunidades para frigoríficos e produtores de suínos em todo o país.

De norte a sul do país, as redes participantes relatam impactos impressionantes em relação ao mesmo período do ano passado. As vendas foram substanciais principalmente no e-commerce, onde houve uma grande aderência de novos públicos motivados pela pandemia. A nível nacional, houve um crescimento de 150% no e-commerce, um marco na história da comercialização de produtos perecíveis, já que culturalmente o consumidor estava habituado somente a comprar esses produtos direto no balcão de atendimento. Uma verdadeira quebra de paradigmas, que já vinha sendo estudada pelo setor como uma oportunidade de ampliação da clientela.

Além disso, as vendas em lojas físicas não ficaram para trás, com destaque para o Centro-Oeste, onde as vendas cresceram em 200%, mostrando o imenso potencial de consumo na região. Números expressivos também foram contabilizados em lojas no Sudeste. Apesar de serem pólos de consumo já consolidados em campanhas da SNCS desde as primeiras edições, lojas no Rio de Janeiro e São Paulo conseguiram crescer respectivamente em 180% e 141% na categoria. O mesmo aconteceu em Belo Horizonte (MG), região que possui loja que cresceu 124% mesmo sendo já tradicionalmente conhecida por apreciar e consumir a proteína. Outra região que já tem uma tradição forte é o Sul do país, que também relata um crescimento de mais de 100% em vendas no segundo ano em que recebe a campanha.

Já regiões que não tem um histórico forte de consumo surpreenderam durante a campanha e mostram seu potencial. Como a região Norte que se destacou nesta edição com a cidade de Manaus crescendo em mais de 80% nas vendas da proteína. E a região Nordeste que costuma estar culturalmente envolta em mitos em relação a carne suína conseguiu crescer em 46%. A campanha deste ano mostrou mais uma vez o potencial de consumo da proteína no país. Através da oferta de diversidade de cortes porcionados e mais abastecimento é possível atrair consumidores já fidelizados e a informação é a chave capaz de romper barreiras para conquistar novos públicos. Mais uma vez, a SNCS reitera a importância do investimento em capacitação, comunicação, democratização de conhecimentos com colaboradores da rede que lidam diretamente com os clientes e quebra de preconceitos que envolvem toda a cadeia produtiva, desde a granja às gôndolas.

Para Ernesto Dizioli Fernandes, Diretor Comercial do Carrefour, “a ampliação da capacitação desta edição com muitos mais colaboradores envolvidos no treinamento ampliou a visibilidade da proteína e o engajamento em todas as praças. Com a continuação do Carrefour na SNCS, conseguimos uma nova dimensão e importância da campanha dentro da companhia.” Ele atribui a performance de crescimento em todas as regiões do Brasil, principalmente em locais não tradicionais de consumo ao modelo de treinamentos deste ano. “Os treinamentos à distância permitiram que esses colaboradores pudessem ser capacitados e que recebessem o mesmo conteúdo que os formadores de São Paulo.”

Edi Carlos Galvão, Gerente Nacional de Carnes do Extra e do Pão de Açúcar também manifestou a satisfação do GPA em mais um ano de campanha. “A SNCS foi mais uma vez um sucesso nas lojas do Extra e do Pão de Açúcar. Com as estratégias assertivas de promoção, precificação e a qualidade de execução desempenhada por nossos times, alcançamos crescimento em vendas, com grande destaque para nosso e-commerce. Foi um trabalho exemplar realizado por todos os nossos colaboradores e as nossas equipes comerciais, em parceria com a ABCS, que juntos se empenharam para realizar mais este grande evento pelo 8º ano consecutivo.”

O Grupo Big relatou que o crescimento nas vendas de carne suína foi o suficiente para garantir outras edições da campanha. Informou que se beneficiou da parceria com a ABCS, que adesão das equipes foi intensa e refletiu uma execução diferenciada chamando a atenção dos clientes. O comunicado em nome da rede trás expectativas ainda maiores para o ano que vem: “Esperamos que se repita em 2021 e que possamos ser ainda melhores.”

Mariangela Ikeda, Diretora Comercial do Hortifruti e do Natural da Terra destacou a importância da estratégia utilizada durante a campanha pelas bandeiras e pela ABCS. “Com o apoio e parceria da ABCS, a estratégia da categoria foi muito bem definida refletindo em toda a campanha. Internamente, essa data mobilizou muitas áreas da companhia: a comercial, gestão de categorias, marketing, operações e digital. Uma união de trabalho que rendeu muitos frutos. As lojas tiveram uma comunicação muito bem desenhada com as ações promocionais e os benefícios da proteína suína. Em nossos sites a estratégia foi a mesma, o que ajudou a movimentar ainda mais essa categoria durante a campanha. Sabemos da importância de desenvolver o consumo de carne suína no Brasil e com a parceria da ABCS ficamos muito felizes com o resultado alcançado, assim como o reconhecimento de nossos clientes.”

Satisfação compartilhada pelo Diretor Comercial do Lopes Supermercados, Márcio Santana. “Construímos o melhor resultado dos últimos anos, um resultado excepcional e foi potencializado com uma nova proposta de cortes e receitas, que reforçou toda estratégia. É mais uma edição em que o Lopes Supermercado em parceria com ABCS traz motivação para líderes de açougue e, com isso, resulta em uma categoria que se empenha cada vez, com crescimento anual de vendas. O treinamento virtual funcionou e foi bem assertivo. Construímos o melhor resultado dos últimos anos, um resultado excepcional e foi potencializado com uma nova proposta de cortes e receitas, que reforçou toda estratégia.”

Os resultados também impressionaram o Vice-Presidente Comercial do Oba Hortifruti, Francisco Homsi. Para ele “o resultado e o sucesso foram alcançados em uma das melhores campanhas realizadas entre todas que já participamos junto à ABCS. Em meio a um dos maiores desafios desde o início do primeiro semestre de 2020, apresentamos um número muito expressivo tanto em volume quanto em faturamento abrangendo toda a rede durante a primeira quinzena de outubro. São números que nos trazem a real noção de que trabalho árduo, com todas as equipes e interfaces abraçando o projeto mesmo em um contexto tão difícil.”

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, celebra os resultados da campanha, que se provou mais uma vez ter uma estratégia acertada com o momento vivido pelo brasileiro e com o comportamento de consumo atual. “A ABCS e as redes participantes se prepararam para o desafio, se adaptaram de forma rápida e acertada para a realidade cada vez mais digital e provou mais uma vez o potencial da carne suína entre os consumidores. Os produtores, frigoríficos e toda a cadeia de valor da suinocultura puderam comprovar mais uma vez a efetividade desta iniciativa que beneficia todos os elos e trabalha de forma efetiva para uma mudança de posicionamento da proteína entre os brasileiros”.

Fonte: Assessoria ABCS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 2 =

Notícias Mercado

Demanda na exportação sustenta preços do boi gordo no mercado físico

Mercado físico do boi gordo apresentou preços em elevação nesta semana

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico do boi gordo apresentou preços em elevação na semana. O dólar comercial valorizado frente ao real motivou os frigoríficos habilitados a exportar a atuar de maneira mais agressiva na compra de gado, garantindo a sustentação dos referenciais.

De qualquer maneira, as máximas não foram renovadas no mercado paulista, com negócios atingindo o limite de R$ 310 a arroba. “A oferta de animais terminados permanece restrita, com expectativa de alguma melhora a partir da segunda quinzena do mês”, informa o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, a demanda segue como um relevante contraponto, avaliando a dificuldade de repasse do adicional de custos ao restante da cadeia pecuária, com o consumidor médio migrando para a carne de frango, proteína mais acessível dentro do setor carnes.

A arroba em São Paulo vai encerrando a semana na casa de R$ 307,00. Em Goiás, preços em torno de R$ 295,00. Em Minas Gerais, a cotação chegou a R$ 303,00. No Mato Grosso do Sul, a arroba foi negociada a R$ 290,00. No Mato Grosso, preço chegando a R$ 296,00.

O mercado atacadista voltou a apresentar acomodação nos preços. “O ambiente de negócios sugere pouco espaço para reajustes, mesmo com a entrada dos salários na economia. Basicamente a carne bovina segue em patamar proibitivo. Nesse tipo de ambiente é evidenciado um movimento bastante agressivo de migração para uma proteína mais acessível, caso da carne de frango”, explica o analista, acrescentando que essa dinâmica tende a se manter em todo o ano de 2021, que deve ser pautado por um lento processo de retomada da atividade econômica.

Corte traseiro ainda é precificado a R$ 19,30 por quilo. Corte dianteiro ainda é cotado a R$ 15,40 por quilo. Ponta de agulha também permanece precificada a R$ 15,40, por quilo.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Indústria brasileira de trigo abastecida e Argentina antecipa exportações

Mercado brasileiro de trigo segue apresentando morosidade no ritmo dos negócios

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de trigo segue apresentando morosidade no ritmo dos negócios. O analista de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, lembra que os produtores estão com as atenções voltadas para a safra de verão e, vendo a recente apreciação do dólar em relação ao real e a firmeza das cotações internacionais, elevam suas pedidas.

“Os moinhos, especialmente os de grande porte, estão abastecidos e preferem processar o cereal armazenado a ir ao mercado para novas aquisições. Sendo assim, os negócios reportados têm sido pontuais. Com pouco trigo disponível, a costumeira venda para abrir espaço para os grãos de verão nos armazéns não deve ser suficiente para derrubar as cotações do cereal”, disse.

Na Argentina, os preços ainda não sentiram a recente valorização das Bolsas norte-americanas. “A safra argentina foi disponibilizada entre dezembro e janeiro. Mesmo uma safra menor acaba tendo um efeito sazonal de baixa. Além disso, muitos vendedores locais temem uma eventual intervenção do governo para garantir o abastecimento interno. Sendo assim, têm antecipado vendas para o exterior”, explicou o analista.

Conforme Bento, o cenário segue sem grandes alterações em todo o país. “Os triticultores, capitalizados e vendidos em milho e soja, olham para o dólar em ascensão e preferem aguardar momentos ainda mais atrativos para comercializar os lotes remanescentes. Os moinhos compraram grandes volumes no estrangeiro, o que permite reduzir o apetite comprador pelo cereal local”, disse.

Ainda em relação às importações, a possibilidade de o governo argentino suspender as vendas ao exterior é cada vez mais ventilada no mercado. A produção no país vizinho recuou de 19,5 milhões de toneladas para 16,8 milhões de toneladas. Assim, o saldo exportável é de 10 milhões de toneladas. Passados três meses da temporada o total embarcado chega a 4,174 milhões de toneladas. “Vale lembrar que no último governo da Frente Justiacionista (mesmo que o atual) o país adotou uma política de cotas de exportação visando o abastecimento interno a preços mais baixos”, destacou o analista.

Na última quinta-feira, as indicações no Paraná ficam próximas R$ 1.500 por toneladas para compra, com vendedores demonstrando interesse por volta de R$ 1.600 por tonelada. No Rio Grande do Sul as indicações de compradores e vendedores ficam próximas a R$ 1.450 por tonelada e R$ 1.550 por tonelada, respectivamente.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Mercado suíno perde força com restrições nos estados pela Covid-19

Suinocultura brasileira teve uma semana de lentidão nos negócios e preços em queda para o quilo vivo

Publicado em

em

Monalisa Pereira

A suinocultura brasileira teve uma semana de lentidão nos negócios e preços em queda para o quilo vivo. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, os frigoríficos adotaram uma postura cautelosa, diante da preocupação crescente em torno do escoamento mais lento da carne no curto prazo, considerando as medidas restritivas de mobilidade adotadas em alguns estados, como Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo devido à Covid-19. “Houve mudanças em relação ao funcionamento de bares e restaurantes nessas regiões”, alerta.

Outra preocupação recorrente ao setor é o custo de produção, acompanhando o cenário difícil do milho, fator que vem impactando as margens da atividade suína. “O milho tende a apresentar preços firmes em grande parte do país ao longo das próximas semanas, com a logística concentrada na colheita e escoamento da soja”, alerta.

Como contraponto, Maia entende que podem ser citados duas condições importantes para o mercado, como uma eventual extensão do auxílio emergencial, que seria um elemento importante para estimular o consumo de base e o cenário positivo registrado pelas exportações de carne suína ao longo das últimas semanas.

Levantamento semanal de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil baixou 4,13%, de R$ 6,94 para R$ 6,65. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado subiu 0,23% no mês, de R$ 12,18 para R$ 12,21. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,70, ganho de 2,44% frente ao fechamento da semana passada, quando era cotada a R$ 9,47.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 173,392 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 9,632 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 71,508 mil toneladas, com média diária de 3,972 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.425,00.

Em relação a fevereiro de 2020, houve alta de 21,02% no valor médio diário da exportação, ganho de 23,02% na quantidade média diária exportada e desvalorização de 1,63% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo baixou de R$ 150,00 para R$ 143,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo caiu de R$ 6,00 para R$ 5,90. No interior do estado a cotação mudou de R$ 7,50 para R$ 7,15.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração retrocedeu de R$ 6,30 para R$ 6,00. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 7,20 para R$ 7,10. No Paraná o quilo vivo teve queda de R$ 7,40 para R$ 7,25 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo teve retração de R$ 6,70 para R$ 6,00.

No Mato Grosso do Sul a cotação em Campo Grande mudou de R$ 6,70 para R$ 6,40, enquanto na integração o preço caiu de R$ 6,50 para R$ 5,80. Em Goiânia, o preço baixou de R$ 7,60 para R$ 7,10. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno retrocedeu de R$ 7,50 para R$ 7,00. No mercado independente mineiro, o preço passou de R$ 7,60 para R$ 7,10. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis caiu de R$ 6,00 para R$ 5,95. Já na integração do estado o quilo vivo passou de R$ 6,20 para R$ 5,90.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.