Conectado com

Empresas

Resistência a antibióticos pode ser responsável por 10 milhões de mortes até 2050, caso o uso não seja drasticamente reduzido

Atualmente, na Holanda, os antibióticos somente são administrados via água, antibióticos injetáveis são exclusivamente terapêuticos e não utilizados como preventivos.

Publicado em

em

Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS). Se nenhum programa global de restrição aos antibióticos promotores de crescimento for implantado com eficiência, até 2050 cerca de 10 milhões de pessoas podem morrer devido à resistência antimicrobiana. Além disso. Contra a expectativa de aumento de 72% na produção de carne de frangos até 2050, o aumento do uso de antibióticos é de 67% até 2030. Em determinados países – inclusive no Brasil, esse percentual pode ser duas vezes maior.

Em entrevista para o portal Feed Navigator durante a 11ª Conferência Ásia-Pacífico de Avicultura, na Tailândia, o Dr. Leo Den Hartog, diretor de Pesquisa & Desenvolvimento da Trouw Nutrition e professor da Universidade de Wageningen (Holanda), atraiu os holofotes para o crescimento do uso de antibióticos na produção animal. O tema faz parte da agenda global dos principais países, como a China, ele diz. “Porém, ainda é preciso sair da teoria para a prática e trabalhar para a redução dos indicadores de uso em termos globais”.

Nesse sentido, um caminho é a integração da alimentação e o manejo sanitário dos animais na propriedade rural, recomenda Dr. Hartog. “Feitas em conjunto, essas medidas podem contribuir para a melhoria da saúde intestinal das aves, por exemplo, impedindo a ingestão de patógenos específicos, controlando a microbiota, melhorando a integridade intestinal e auxiliando a modulação imune. Vacinas que oferecem grande suporte ao sistema imunológico dos animais também são vitais”, explica o especialista.

O Dr. Hartog cita o exemplo da Holanda como positivo. Naquele país, os promotores de crescimento foram proibidos, como parte de política do governo de reduzir em 50% o uso de antibióticos. Entre 2009 e 2016, a redução média do uso de antibióticos em animais atingiu 65% (foi de 72% em frangos). “Houve diferenças por espécies, o que significa que é importante uma abordagem integral na propriedade rural envolvendo a genética, juntamente com a composição da dieta, o uso de aditivos e melhores práticas sanitárias”, diz.

“Em nível global, animais de produção estão 30 a 40% abaixo do potencial genético devido a condições de saúde abaixo do ideal, existe uma enorme oportunidade para melhorar esse desempenho”, diz Dr. Hartog

Atualmente, na Holanda, os antibióticos somente são administrados via água, antibióticos injetáveis são exclusivamente terapêuticos e não utilizados como preventivos.

O ponto de partida para um eficiente programa de redução de antibióticos é a garantia de qualidade da alimentação e da água. A combinação de aditivos via água e aditivos nutricionais auxiliam a saúde intestinal e a modulação imune. “Um blend de ácidos orgânicos abrangendo moléculas de cadeia curta e cadeia média reduz a atividade bacteriana e ajuda a equilibrar a microbiota”, destaca o especialista da Trouw Nutrition.

“A liberação controlada de butirato em combinação com fitoquímicos específicos aumenta a produção de muco e apoia a proliferação de células epiteliais e a modulação do sistema imune associado ao intestino”, diz o Dr. Den Hartog. “A combinação de aditivos com diferentes funções e modo de ação mostra-se uma estratégia promissora, não apenas para ajudar animais em um programa de alimentação livre de promotores de crescimento, mas também são esperados efeitos profiláticos”.

No entanto, o Dr. Den Hartog destaca a necessidade de se criar um novo grupo funcional de aditivos no âmbito da UE para incentivar a indústria a investir em produtos que contribuam para a saúde animal, o que, por sua vez, reduziria ainda mais a necessidade de antibióticos. "É necessário o reconhecimento regulatório dos efeitos profiláticos dos aditivos: o impacto da nutrição na saúde animal", reforça Dr. Hartog.

A Trouw Nutrition está entre as empresas mais atuantes em pesquisas de alternativas para os antibióticos promotores de crescimento. “Somos a primeira indústria de alimentação a montar um laboratório para analisar a microbiota animal, de maneira a mostrar aos clientes o seu modo de ação. Testamos muitos aditivos e o seu efeito na composição da microbiota ou na barreira intestinal, integridade intestinal ou na secreção de muco”, informa. “A Trouw Nutrition não apenas desenvolve novas estratégias e novos programas de alimentação, mas também realiza testes em diferentes partes do mundo. É o que faremos”.

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =

Empresas

Rota da Sanidade Ceva Aves considera positivo o balanço das ações do primeiro semestre

No dia 13 de abril e 5 de maio a Unidade de Negócios Aves da Ceva realizou as primeiras paradas do ano da caravana nas cidades de Santa Maria de Jetibá (ES) e Santo Antônio do Monte (MG), levando conhecimento e informações de alto nível direcionadas para a necessidade de cada região

Publicado em

em

A Rota da Sanidade Ceva Aves, projeto iniciado em 2021 para levar até o avicultor de postura troca de experiências e informações técnicas direcionadas aos desafios de cada região encerrou suas ações no primeiro semestre com chave-de-ouro. “Nossas duas primeiras paradas deste ano foram nas cidades de Santa Maria de Jetibá (ES) e Santo Antônio do Monte (MG), destacados polos produtores de ovos, em que os participantes puderam acompanhar palestras do nosso time e de outros destacados profissionais da avicultura, participar de discussões técnicas de alto nível, além de se aprofundarem de todos os benefícios e possibilidades da Novamune, primeira vacina desenvolvida exclusivamente para poedeiras com a capacidade efetiva de interromper o ciclo de Gumboro nas granjas”, destaca o Gerente de Marketing Aves Ciclo Longo da Ceva Saúde Animal, Felipe Pelicioni.

A Rota da Sanidade Ceva Aves retomará seu trajeto a partir do segundo semestre em outras regiões, sempre atento aos desafios locais, e logo serão anunciados.

“De 2021 até momento este espaço técnico itinerante percorreu diversas regiões do Brasil e saímos de cada lugar com a certeza do quanto o projeto se tornou agregador para a avicultura”, inclui Felipe.

A exemplo da etapa em Santa Maria de Jetibá (ES). Segundo a Gerente Nacional de Vendas da Ceva, Polyana Arruda, o feedback foi extremamente positivo. “Tivemos a chance de explanar temas práticos e pontuais em linha às necessidades do público participante. Percebemos o interesse técnico e a satisfação dos presentes, em especial o reconhecimento do trabalho realizado pela Ceva e seu compromisso com os seus negócios através do fornecimento programas, serviços e tecnologias em vacinas em linha às suas necessidades produtivas”, salienta Polyana.

Ainda, segundo a Gerente Nacional de Vendas, “o grande diferencial da Rota da Sanidade Ceva Aves está em sua programação. Isso porque os temas foram personalizados às necessidades locais visando a manutenção da lucratividade dos nossos clientes”, completa Polyana.

A Gerente Nacional de Vendas e Distribuição da Ceva, Priscilla Rocha, compartilha a mesma opinião: “Em Santo Antônio do Monte (MG), cidade considerada um importante polo avícola da postura comercial, o evento foi um sucesso, contamos com a participação de mais de 40 produtores da região entusiasmados com as informações e atentos a biosseguridade de suas granjas”, destaca Priscilla Rocha.

Felipe Pelicioni enfatiza que a Rota da Sanidade Ceva Aves encerrou a primeira etapa do ano com a sensação de dever cumprido. “Mais uma vez nossa caravana técnica atingiu o objetivo levando conhecimento de valor direcionado, abordagens relevantes visando resultados ainda mais eficientes, melhorando a produtividade dos nossos clientes neste momento de mercado tão desafiador”, conclui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Cobb-Vantress premia Grupo Alvorada por desempenho de lote em SP

Grupo Alvorada recebe, pelo segundo ano consecutivo, o Prêmio de Melhores Lotes Regionais na categoria Produção de Ovos Totais por Fêmea do Estado de São Paulo com 189,95 ovos totais por matriz alojada    

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

O Grupo Alvorada recebeu, pela segunda vez consecutiva, a premiação de Melhores Lotes Regionais realizada pela Cobb-Vantress. A categoria premiada foi Produção de Ovos Totais por Fêmea do Estado de São Paulo com um índice de 189,95 ovos totais por matriz alojada em 2021 e 196,31 ovos totais por fêmea em 2020, ano em que a empresa teve o segundo melhor desempenho do país, anunciou o biólogo, mestre em Nutrição e Produção Animal e gerente Regional da Cobb-Vantress, André Murcio.

Ele destaca o trabalho de excelência realizado pela equipe bicampeã do Grupo Alvorada. “As equipes são bem treinadas, atuam com manejo de qualidade, além de ter sanidade e nutrição muito bem controladas. Tudo isso aliado às melhores técnicas de manejo preconizadas pela linhagem refletiu nos bons resultados alcançados nos últimos dois anos”.

O diretor Comercial e de Serviços da Cobb-Vantress na América do Sul, Bernardo Gallo, participou da premiação e destacou a alegria da empresa com esta premiação. “Estamos muito satisfeitos com estes resultados. O trabalho da equipe da Alvorada reforça o grande potencial reprodutivo da nossa fêmea, que vem demonstrando aumento significativo nos melhores resultados dos últimos anos”.

A premiação de Melhores Lotes realizada pela Cobb-Vantress envolve seus clientes, levando em conta critérios técnicos e objetivos. Além de premiar os destaques em suas categorias por região, os resultados também servem de indicadores para fomentar e motivar a melhoria da produção das empresas e seus produtores.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Combinação de ingredientes ativos auxilia o manejo eficiente de vermes e carrapatos na pecuária

Publicado em

em

Divulgação Vetoquinol

Quarenta quilos a menos por bovino por ano. Esse é o prejuízo estimado provocado por verminoses e carrapatos no gado de corte. Mais do que impacto ao bem-estar animal, esse número representa severas perdas econômicas para as propriedades de pecuária brasileiras – sejam de pequeno, médio ou grande porte. “Para minimizar essas perdas, o melhor caminho é investir em soluções que combinem ingredientes ativos de alta performance para defender os animais contra esses parasitas”, recomenda Antônio Coutinho, gerente de marketing para animais de produção da Vetoquinol Saúde Animal.

“Os vermes e os carrapatos são inimigos antigos dos pecuaristas brasileiros, especialmente porque se desenvolvem com facilidade no clima tropical do nosso país. Sua disseminação rápida também se reflete nos prejuízos, que são gigantescos e superam a marca dos R$ 12 bilhões ao ano. É preciso apostar em um manejo eficiente ou fazer contas das perdas”, ressalta o especialista da empresa, uma das 10 maiores indústrias veterinárias do mundo.

Ele explica que os parasitas internos e externos colocam em xeque a produção de carne bovina e de leite, também de outros produtos, como o couro – que tem sua qualidade sensivelmente afetada pelo ataque dos carrapatos, restringindo o seu valor.

“Em razão das altas perdas, o pecuarista precisa estar atento às melhores formas de manejo sanitário. A combinação dos ingredientes ativos ivermectina e fluazuron tem se mostrado extremamente eficaz, oferecendo dupla proteção efetiva. Juntos, esses ativos inibem o desenvolvimento de parasitas internos (vermes) e externos (carrapatos). Dessa forma, evitam que a saúde do animal seja afetada, garantindo a produtividade do projeto pecuário”, destaca Coutinho.

A Vetoquinol recorreu à ciência para juntar os dois ingredientes ativos no inovador antiparasitário Contratack® Injetável. “Esta é a única solução disponível no mercado contra vermes e carrapatos à base de ivermectina de longa duração associada a fluazuron. Testado e altamente seguro, o produto garante que o rebanho fique limpo por dentro e por fora, mantendo o bem-estar e a saúde intactos para proporcionar produtividade, lucratividade e qualidade da carne e do leite”, finaliza o especialista.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
suinfair 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.