Conectado com
LINKE

Notícias Segundo veterinário

Recuperação inicial da suinocultura na China deve levar no mínimo 24 meses

Médico veterinário Daniel Pigatto Monteiro esteve recentemente na China e comentou sobre como o país está

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

De acordo com o calendário chinês, 2019 é o ano do suíno. Segundo os caracteres do mandarim, uma das melhores maneiras para se descrever o termo “felicidade” é o desenho de uma casa e um suíno. Dessa tradição milenar, toda família do interior tem no quintal alguns suínos. Estas tradições mostram a importância do suíno para a China, que conta com 60% dos animais do mundo. Logo atrás vem a Comunidade Europeia, com 22%, Estados Unidos com 7% e o Brasil com 3% dos suínos do mundo. Segundo dados, esta é a proteína mais consumida na China.

Porém, este cenário tem se alterado nos últimos meses devido ao surto de peste suína africana que o país enfrenta. A doença provavelmente veio de regiões russas contaminadas por animais vivos, carcaças e cortes de carnes contaminadas. Segundo o médico veterinário Daniel Pigatto Monteiro, que esteve recentemente na China, o governo não divulga nem confirma, por questões de segurança alimentar e estratégia nacional, mas o setor de produção de suínos chinês (empresas de equipamentos, rações, vacinas, medicamentos, genética, etc), estimam entre 60 a 70% a matança de animais devido à peste.

“Parte foi morto e enterrado por ter contraído a doença, a outra parte foi apressadamente abatida e transformada em carne de consumo e dinheiro antes de contrair a doença. Essa parte abatida antes da hora inflou artificialmente os estoques locais, que entre dezembro e março sumirão das câmaras frias, freezers e das latas onde se mantém conservados na própria banha”, conta.

Ele diz que em uma previsão otimista, são 50% a menos de carne em um rebanho de 60% do mundial. “Isso significa um desaparecimento de 30% do suíno global”, diz. Já em uma previsão menos conservadora, metade do suíno do mundo já morreu.

Mercado

Segundo Monteiro, o quilo do suíno vivo na China antes da peste era tradicionalmente comercializado a USD 1,50/kg, enquanto o custo de produção se situava ao redor de USD 1,20/kg. Duas semanas atrás, a comercialização na China já havia rompido os USD 3,20/kg e nesta semana, inimagináveis USD 10/kg. “E com tendência altista no curto e médio prazo”, conta.

Além do mais, o médico veterinário comenta que conscientes de que os focos da peste ainda não foram controlados nem os animais positivos totalmente dizimados, e devido às dimensões continentais do país, os otimistas falam em 36 meses para uma recuperação. O grupo que afirma que metade do suíno do mundo já se foi, põe as fichas em cinco anos. “O que todos concordam é com o buraco mínimo de 24 meses para um esboço de uma recuperação inicial”, explica.

Possibilidades para o Brasil

Outro ponto que tem influenciado em muito o mercado internacional são as disputas entre americanos e chineses, que pode esfriar o abastecimento do mercado chinês via EUA. Além disso, a compra de carne da Rússia, pela peste e por outras razões, está abalada, muito embora seja o mercado fornecedor mais próximo. Sem contar que a queda na produção de suínos na China poderá diminuir o apetite deles tanto por milho quanto por farelo de soja.

Para o médico veterinário, a primeira reação chinesa, organizada ou independente, será substituir parte da carne suína desaparecida por organismos aquáticos, uma opção que agrada ao paladar da população local e que se traduzirá em menos reclamações de gente sem carne suína ao governo de Pequim.

“A tentativa de substituição por carne de frango importada ocorrerá somente em parte da oportunidade, mas não em escala para substituição total do consumo da carne suína desaparecida, pelos motivos de tradição milenar de consumo de carne suína, atrelado ao seu sabor e paladar”, explica.

A habilitação de mais frigoríficos brasileiros para exportação de carne suína diretamente para a China (não necessariamente via Hong Kong); e a assinatura de acordos que acelerem as negociações para desburocratizar os trâmites governamentais que possibilitem o maior afluxo de carne suína brasileira para a China são prioritários para o Brasil abastecer uma parte deste gigante mercado consumidor de carne suína, acredita Monteiro.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − catorze =

Notícias Paraná

Prazo para atualização cadastral de rebanho termina dia 30; parcial não chega a 50%

Atualização é fundamental para auxiliar a vigilância sanitária e garantir a manutenção do status internacional de área livre de febre aftosa

Publicado em

em

José Fernando Oura/AEN

Faltam apenas 17 dias para encerrar o prazo de atualização cadastral do rebanho paranaense. Diferentemente de 2020, quando houve duas etapas, neste ano o período único começou a ser contado em 1º de maio e termina em 30 de junho. Após isso, o trânsito não será possibilitado e o produtor poderá ser multado. A parcial desta segunda-feira (14) aponta 48,3% do rebanho já cadastrado.

A atualização é fundamental para auxiliar a vigilância sanitária e garantir a manutenção do status internacional de área livre de febre aftosa. A certificação foi concedida em 27 de maio pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), depois de mais de 50 anos de esforço conjunto de entidades públicas e privadas e da cooperação de produtores.

“Conquistar foi um árduo trabalho, manter também é uma tarefa difícil porque a gente não conta mais com a vacina”, alertou o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Segundo ele, o Estado optou por não impor custo ao produtor com a colocação de brinco ou chip para identificar cada animal.

“Apenas precisamos, como medida adequada do ponto de vista sanitário, saber quantos são e onde estão os animais”, disse. “É um ato a favor do negócio do criador”.

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária, Otamir Cesar Martins, reforçou os benefícios que a atualização cadastral trará ao produtor. “Com as informações registradas temos melhores condições de agir rapidamente em eventuais casos de focos de qualquer doença, e não apenas a aftosa”, afirmou. “O nosso apelo é para que intensifiquem a declaração dos rebanhos nesta reta final da campanha”.

Penalidades

A falta da atualização tem consequências para o produtor. Uma delas é o impedimento para emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), documento imprescindível para qualquer movimentação entre propriedades ou para abate em frigoríficos. Além disso, a legislação prevê autuação e pagamento de multa de uma Unidade Padrão Fiscal por cada animal. Em junho, o valor da UPF no Paraná é de R$ 113,54.

O gerente de Sanidade Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias, salientou que a intenção do órgão não é multar, mas reforçar cada vez mais a necessidade da atualização do rebanho: “A expectativa é que consigamos abrir novos mercados e com isso melhorar as condições de nossos produtores, mas para que a gente mantenha esse novo status, é preciso que os produtores rurais atualizem o cadastro na Adapar”, afirmou.

Atualização

A atualização é exigida para todas as espécies animais existentes na propriedade (bovinos, búfalos, equinos, asininos, muares, suínos, ovinos, caprinos, aves, peixes e outros animais aquáticos, colmeias de abelhas e bicho-da-seda).

Os produtores podem fazer de forma direta por meio do link www.produtor.adapar.pr.gov.br/comprovacaorebanho ou em uma das Unidades Locais da Adapar, Sindicatos Rurais ou Escritório de Atendimento de seu município (prefeituras). Para fazer a comprovação, o produtor deve ter o CPF cadastrado. Nos casos em que seja necessário ajustar o cadastro inicial, o telefone para contato é (41) 3200-5007.

Segundo balanço parcial, os únicos municípios com 100% de cadastro já efetuado são São Carlos do Ivaí e São Manoel do Paraná. Os piores indicadores são Contenda (4,7%), Colombo (8%) e Quatro Barras (11,2%).

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo

Notícias Produção Agropecuária

Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve registrar aumento real de 11,8 %

Lavouras tiveram um aumento do VBP de 15,8%. A pecuária, 3,8%. Essas duas atividades obtiveram neste ano o mais elevado valor em 32 anos

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de maio deste ano atingiu o valor de R$ 1,11 trilhão. A cifra é 11,8% superior ao obtido em 2020, que foi de R$ 993,9 bilhões. As maiores contribuições para o crescimento são observadas em arroz, milho, soja e carne bovina, que tiveram dois anos consecutivos de forte aumento de preços reais.

As lavouras tiveram um aumento do VBP de 15,8%. A pecuária, 3,8%. Essas duas atividades obtiveram neste ano o mais elevado valor em 32 anos.

Os produtos que tiveram os maiores acréscimos do VBP foram arroz (5,7%), milho (20,3%), soja (31,9%) e trigo (35,1%). Com crescimento mais modesto, encontram-se cacau e cana de açúcar.

De acordo com o coordenador de Avaliação de Políticas e Informação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Garcia Gasques, alguns grupos vêm trazendo contribuições negativas ao crescimento da agropecuária, como a batata-inglesa, café, feijão, laranja, tomate, uvas e na pecuária, leite, suínos e ovos. Isso ocorre, segundo ele, devido a efeitos de menores preços ou de menores quantidades produzidas.

Apesar de terem existido períodos de seca que afetaram lavouras, como milho e feijão, os preços têm contribuído para reduzir esse impacto. Esses efeitos foram sentidos, principalmente, no Paraná e em Mato Grosso. O milho foi particularmente prejudicado. A segunda safra, que é a mais importante, teve uma redução em relação a 2020, de 5 milhões de toneladas, e menor produtividade de grãos.

O crescimento do VBP pode ser atribuído, como destacado em relatórios anteriores, ao excepcional desempenho das exportações de soja em grãos e carnes, preços favoráveis e a safra de grãos, que apesar de problemas de falta de chuvas ocorridos, mesmo assim as projeções da Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab) e do IBGE são de uma safra expressiva.

Os dados regionais do VBP continuam mostrando a liderança de Mato Grosso com participação de 17,2% no valor, Paraná 13,2%, São Paulo 11,2%, Rio Grande do Sul 10,8%, e Minas Gerais 10%.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Custo do trigo tem alta de 31% mas relação de troca é favorável

Segundo estimativas da FecoAgro/RS, apesar da elevação no custo, preços trazem melhor vantagem na cultura desde 2013

Publicado em

em

Paulo Pires/Divulgação

O segundo levantamento de custo de trigo safra 2021, apurado pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), aponta que os custos totais, incluindo gastos com insumos, manutenção de máquinas e equipamentos entre outros, para plantar um hectare de trigo nesta safra é de R$ 4.305,01, considerando a produtividade de 60 sacas por hectare. Com isso, o custo por saca ficou em R$ 71,75. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira, 14 de junho, em encontro virtual com a imprensa.

Isso representa um aumento de 31,74% frente aos R$ 3.267,78 gastos por hectare na safra passada. Considerando somente o desembolso, o produtor vai ter um custo de R$ 3.187,02 por hectare, elevação de 32,48% em um ano. O produtor vai precisar colher 37,94 sacas de trigo para cobrir o desembolso e de 51,25 sacas por hectare para cobrir o custo total. Entretanto, o estudo aponta uma melhora substancial na relação de troca desde a safra 2013, reduzindo em 16,88% o número de sacas de trigo para cobrir os custos de produção, levando em conta o preço do trigo de R$ 84,00 a saca em primeiro de junho de 2021.

Na avaliação do economista da FecoAgro/RS, Tarcisio Minetto, os produtos que têm custos em dólar foram os que sofreram maior impacto. “Esses custos dolarizados tiveram impacto forte trazendo reflexo direto no custo. A cada safra o produtor vem antecipando a compra dos insumos e, com isso, conseguem preços inferiores aqueles que deixam para adquirir mais próximo ao período de plantio do trigo”, salienta, acrescentando ainda que os insumos, combustíveis e máquinas e equipamentos estão entre os ítens que mais subiram em 12 meses.

Para o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, os produtores estão sendo incentivados a aumentar o plantio em função dos preços atrativos e também por estarem mais capitalizados devido aos bons preços e a boa safra de verão, assim como pela expectativa de demanda forte tanto no mercado de panificação bem como no setor de proteína animal, que está vendo nos cereais de inverno, incluindo o trigo, uma  alternativa de matéria-prima no uso da ração, o que é tradicional na Europa.

Pires pontua ainda que é preciso baixar os custos do seguro agrícola para a produção de grãos devido ao alto risco, como medida protetiva ao produtor de possíveis frustrações diante dos recursos gastos por hectare cultivado de trigo, que não é pouco, conforme indica o estudo da federação. “Outro fator que o produtor precisa levar em conta é o aproveitamento da estrutura existente na propriedade, otimizando a utilização da mesma com cultivos de inverno, gerando renda, protegendo o solo e diluindo custos fixos das culturas de verão”, observa.

Na avaliação da FecoAgro/RS, ainda, o Rio Grande do Sul poderá colher uma safra superior a 3,5 milhões de toneladas de trigo, com aumento de área de mais de 15%, acima de um milhão de hectares, o que há seis safras não acontece no Estado. Caso se confirmem as estimativas e as condições normais de lavoura até a colheita, os gaúchos poderão ter a maior safra de trigo da história.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.