Conectado com
FACE

Notícias Entrevista exclusiva

Queijo foi – e tende a continuar sendo – o queridinho do Brasil

Supervisor de Fomento e Política Leiteira na Frimesa, Eduardo Portugal, fez uma avalição de como está se comportando e o que esperar do mercado de lácteos

Publicado em

em

Divulgação

O mercado de lácteos é bastante variável. Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, ano de 2020 foi marcado por adversidades. Do lado da demanda, a pandemia de coronavírus resultou em mudanças bruscas no comportamento do consumidor. Do lado da oferta, o clima prejudicou a atividade, devido às irregularidades das chuvas e às secas extremas, especialmente no Sul do país. Esses dois fatores, combinados, proporcionaram um ano de desequilíbrios entre a oferta e a demanda e de elevação substancial dos preços no campo.

Já para 2021, o Cepea observa que a disponibilidade de matéria-prima deve permanecer limitada, especialmente no primeiro trimestre do ano, com volumes de leite abaixo da média registrada para o mesmo período de 2020. Esse cenário se deve ao clima desfavorável no ano passado (tempo seco e temperaturas elevadas, que prejudicaram as pastagens) e ao aumento contínuo nos custos de produção (os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, atingiram patamares recordes).

Para o supervisor de Fomento e Política Leiteira na Frimesa, presidente do Conselho de Sanidade de Marechal Cândido Rondon e participante do comitê técnica da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH), Eduardo Portugal, o queijo deve continuar sendo o “queridinho” neste ano, assim como os preços pagos aos produtores deve ser melhor para aqueles que focarem na qualidade do produto ofertado.

O Presente Rural – Estamos praticamente entrando fase crítica da pastagem e ela ainda é uma ferramenta importante na alimentação dos animais da produção de leite. Qual a perspectiva para os produtores de leite nesse inverno?

Eduardo Portugal – Nós temos que entender que o inverno sempre favoreceu a cadeia láctea total, do produtor até a indústria. Nós estamos vivendo um momento instável pela falta de chuvas e querendo ou não a nossa região (Oeste do Paraná) tem a cultura das pastagens de inverno. Então a necessidade de você ter uma comida disponível é fundamental. Então a gente está aguardando com essa expectativa do período de parição das vacas. Porque o inverno sempre elevou os preços do consumidor, porque consumidor brasileiro tem essa cultura de aumentar o consumo do café com leite, do queijo. Aliás, o queijo foi o produto da pandemia, o produto mais vendido no país durante a pandemia, o queridinho do Brasil. Dessa forma, deu esse boom do consumo e agora houve uma reação invertida pelo aumento da soja e do milho e o custo de produção da ração ficou muito caro. Mas existe um aumento relativo na entrada de leite. Para você ter uma ideia, se for comparar o trimestre janeiro, fevereiro e março de 2021 com o mesmo período de 2020 houve um aumento de 40% na entrada de leite.

O Presente Rural – A Frimesa hoje entrou em várias regiões do Paraná e outros Estados. Qual é a perspectiva do rebanho leiteiro nessas regiões onde a Frimesa atua?

Eduardo Portugal – Nós temos uma semente muito bem plantada, não somente no Oeste do Paraná, mas também no Sudoeste, nas cidades de Capanema e São João, em Santa Catarina, na cidade de Aurora, e no Mato Grosso do Sul, temos em Mundo Novo uma unidade nossa.

No Paraná tudo começou com a importação das novilhas uruguaias, lá no final dos anos 1980 quando importamos 14 mil novilhas uruguaias, junto com as cinco cooperativas filiadas. E concomitante a isso, no Governo do Estado entrou o PIA (Programa de Inseminação Artificial). A nossa região, naquela época, consumia 40% do sêmen do Estado. Então houve um boom, porque a nossa média de vaca há 30 anos era três litros de leite, a partir do momento que foi trazido animais de fora, com genética holandesa, e mais sêmen disponíveis foi aumentando. Quando o produtor viu uma novilha de primeira lactação chegando a 20, 25 litros ele não acreditava.

O Presente Rural – Hoje, qual a média da produção?

Eduardo Portugal – Hoje há aproximadamente 1,1 milhão de produtores de leite no país. Para se ter uma ideia, 30% destes produtores produz 70% da produção nacional. Então ainda estamos tecnificando a atividade. Temos que aumentar.

Temos que entender que a atividade do leite, é a única atividade mensal, tirando hortifrúti granjeiro é a única atividade que o produtor sabe que existia o famoso cheque do leite alguns anos atrás. Isso dá uma sustentação grande do giro do dinheiro.

O Presente Rural – Quais são as perspectivas de preço para o produtor? São boas?

Eduardo Portugal – Quando você fala em $2 $2,15 você analisa quando vê um caixinha de leite longa vida a $4,50, isso é 50% do valor numa caixinha. Então o problema não é o que ele recebe, é o que sobra no momento pelo custo do insumo alto. A gente tem que lembrar que para cada quilo de ração que o produtor deixa de dar para vaca é de 2,5 a três litros a menos que ele produz por quilo de ração, dependendo do nível genético do animal. Então para você ver agora, vai haver, já está havendo, uma seleção natural. Vimos que no suíno houve esse crescimento, as grandes propriedades de terminação, em aves hoje vemos aviários com 25 mil aves e daí você fala com todo sentimento, produtor de 30 litros por dia. Para os players hoje de leite no Brasil o assunto mais discutido entre as grandes empresas é o sistema de captação. É ali que tem impacto. Se você pega uma empresa que tem custo de recepção de leite de R$ 0,4. Então o que acontece, aí você tem custo de R$ 0,10. Imagina dentro da cadeia láctea na hora que chega no ponto de venda a sua competitividade. Então agora houve uma evolução grande.

O Presente Rural – Tendência produtor de leite é seguir essa tendência dos suíno e aves?

Eduardo Portugal – Com certeza. Diminuir o número de propriedades e aumentar o volume. Porque inclusive, a pedido do diretor executivo (da Frimesa), Elias Zydeck, hoje já estou trabalhando focado em certificação da propriedade. Onde está o leite que eu preciso. A gente acompanha o processo de evolução. A Frimesa fez em abril a primeira exportação de queijo para China. Já temos contato com México, para o leite condensado. No ano passado, quando houve um boom da nossa unidade, que cresceu, tivemos parceira com a Coreia por dois anos, vendemos por dois anos queijo para Coreia. Então vai haver essa seleção natural, a gente vê o crescimento das empresas.

O Presente Rural – Todos os derivados de animais houve evolução de preços, conforme matéria prima. O leite não tem isso, por quê?

Eduardo Portugal – O que acontece, ele passou pelo boom, agora está nós mesmos estamos lançando produtos, como iogurtes, entramos nos gregos, lançamos alguns tipos de queijos diferentes, existe evolução de parcerias. Você precisa ter parceria. Temos produtos finos, agora atinge quem? Qual a camada da população? Leite atinge todas as camadas, porque tem produtos de preços variáveis. Agora atinge de menos renda, como o leite, iogurte, existe alguns produtos mais finos e maios caros, tanto é que o que fez os R$ 600, as seis parcelas, do auxílio emergencial, isso o leite foi o produto maios vendido durante a pandemia. Isso mostrou que o leite é um gênero de primeira necessidade, se o capital fosse, já saiu as outras parcelas do auxílio emergencial, então eu tenho certeza de que por entender qual consumo familiar, o leite vai se destacar. Não com a mesma intensidade do ano passado.

O Presente Rural – Há perspectivas de novos investimentos na Unidade de Marechal Cândido Rondon da Frimesa?

Eduardo Portugal – Nós já elevamos a nossa capacidade. Foram comprados cinco silos de 90 mil litros e três de 125 mil litros. Estamos reestruturando, já foi montado. Nós temos que ter processos de melhoramento sempre.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 3 =

Notícias Mercado

Paraná assume liderança na exportação de tilápia no segundo trimestre

Com faturamento de US$ 1,22 milhão de abril a junho, o estado superou o Mato Grosso do Sul

Publicado em

em

Divulgação

O Paraná assumiu a liderança nas exportações de tilápia no segundo trimestre de 2021. Com faturamento de US$ 1,22 milhão de abril a junho, o estado superou o Mato Grosso do Sul, cujas vendas internacionais somaram US$ 993,9 mil no mesmo período, e Santa Catarina, terceiro lugar, com US$ 763,37 mil.

Na comparação com o primeiro trimestre, quando o faturamento das exportações de tilápia somou US$ 747 mil, o crescimento foi de 63%, enquanto as perdas se aproximaram de 20% no MS.

Os dados são do Ministério da Economia e foram elaborados pela Embrapa Pesca e Aquicultura. A divulgação é feita em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR).

No primeiro semestre de 2021, o Paraná foi responsável por 32% do faturamento brasileiro pelas exportações de tilápia, com US$ 1,97 milhão, atrás do Mato Grosso do Sul (37%), com US$ 2,21 milhão e na frente de Santa Catarina (19%), com US$ 1,18 milhão. Apenas Bahia e São Paulo também contam com fatia do mercado.

Quanto aos subprodutos da tilápia paranaense que mais cresceram entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano, o destaque ficou com o filé congelado, que passou de US$ 168,00 para US$ 59.563,00 (11,9 toneladas), crescimento de 35.354%. Já o valor das exportações da tilápia inteira congelada passou de US$ 232.380,00 no primeiro trimestre para US$ 512.690,00 no segundo (260,2 toneladas), aumento de 121%.

Quanto aos tipos de produtos da tilápia paranaense comercializados para outros países no período, 40% dizem respeito àqueles não destinados à alimentação humana; 38% correspondem às tilápias inteiras congeladas; seguido por filés frescos ou refrigerados (19%) e 3% aos filés congelados.

“Os resultados demonstram a força da nossa cadeia produtiva e das cooperativas, atentas ao comércio global e à qualidade do produto paranaense”, diz o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

Carne de peixe

O volume total de carne de peixe exportado pelo Paraná no primeiro semestre atingiu 751 toneladas, representando uma alta de 201% quando comparado ao montante de 249 toneladas exportado no mesmo período de 2020, segundo a Secretaria de Agricultura e do Abastecimento. Do volume, 53% corresponde à tilápia, enquanto que o principal destino foi os EUA.

Brasil

As exportações brasileiras de peixes de cultivo, lideradas pela tilápia, cresceram 158% em junho em comparação ao mesmo mês do ano passado. Considerando o segundo trimestre, o avanço nas vendas internacionais foi de 83% em relação a igual período de 2020 e de 22% frente ao trimestre anterior. O faturamento nesse período atingiu US$ 3,9 milhões.

Entre os clientes da tilápia brasileira, os Estados Unidos lideram, seguido por China e Chile. O resultado nacional acumulado do primeiro semestre soma US$ 7,2 milhões em receita, com aumento de 35% sobre o mesmo período de 2020. Os produtos de tilápia, especialmente filé fresco e congelado, representaram 84% das vendas internacionais.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo

Notícias Suinocultura

Nutrição de precisão estará em debate no 13º Simpósio de Suinocultura

Palestra sobre o tema será no dia 12 de agosto, às 13h35, com o engenheiro agrônomo e PhD em Nutrição, Mário Penz

Publicado em

em

Divulgação

As necessidades nutricionais estão ligadas ao bem-estar dos animais e, na produção industrial de suínos, a alimentação está diretamente relacionada ao desempenho dos animais. A alimentação é o componente mais oneroso da produção e trabalhar de forma eficiente contribui para otimizar o retorno econômico ou até mesmo a sustentabilidade da atividade. Neste contexto, a nutrição de precisão compreende o uso de técnicas que permitem o fornecimento diário adequado de nutrientes para os suínos.

Para aprofundar as discussões sobre esse tema, o 13º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS) traz a palestra “Nutrição de precisão: em busca da máxima eficiência”. O tema será abordado no dia 12 de agosto, no Painel Nutrição, pelo engenheiro agrônomo Antônio Mário Penz Junior, às 13h35.

O presidente da Comissão Científica do SBSS, Paulo Bennemann, frisa que o tema merece atenção dos profissionais. “Cada vez mais se leva em consideração, para definir uma dieta, as interações do ambiente no qual o animal está e as características do suíno em relação a seu estado de saúde, crescimento, estado hormonal e metabólico, entre outros aspectos. Essa palestra trará importante atualização sobre o assunto. Mário Penz tem amplo conhecimento e compartilhará suas experiências com o público do Simpósio”.

O Simpósio Brasil Sul de Suinocultura é promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e está programado para o período de 10 a 12 de agosto. Paralelamente ocorrerá a 12ª Brasil Sul Pig Fair virtual. Os dois eventos serão realizados totalmente on-line, com geração e transmissão a partir de Chapecó.

A edição deste ano terá 11 palestras, divididas em cinco blocos que abordarão tendências de futuro, biosseguridade, uso prudente de antimicrobianos, nutrição e sanidade. As palestras serão transmitidas em alta definição, com tradução simultânea do português para o espanhol, e ficarão disponíveis para acesso após o evento durante 30 dias.

Além da programação científica, haverá um pré-evento no dia 9 de agosto e eventos paralelos de empresas parceiras nos dias do Simpósio. Os inscritos somente para a Pig Fair virtual também poderão acessar esses eventos.

Sobre o palestrante

Mário Penz é mestre em Agronomia, Área de Concentração Zootecnia, é PhD em Nutrição e pós-doutor em Nutrição de Aves. Foi professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, orientador, com teses concluídas, de 28 alunos de mestrado e nove de doutorado. Apresentou 505 palestras em 30 países. É autor e co-autor de 394 trabalhos e sumários científicos publicados no Brasil e no exterior, foi presidente da Sociedade Brasileira de Zootecnia e recebeu homenagens de diversas entidades pela sua atuação profissional.

Foi diretor técnico da Nutron Alimentos, empresa brasileira de nutrição animal, de 1995 até 2008; diretor técnico da Provimi América Latina, empresa latino-americana de nutrição animal, de 2008 até 2010; e diretor mundial de aves da Provimi, de 2010 até 2011. Desde 2012 é diretor mundial para Contas Estratégicas da Cargill Animal Nutrition.

Inscrições 

A venda do segundo lote das inscrições para o 13º SBSS segue até o dia 4 de agosto, com os seguintes valores: R$ 440 para profissionais; R$ 340 para estudantes; R$ 200 para associados do Nucleovet; R$ 330 para agroindústrias e órgãos públicos, com pacotes a partir de dez inscrições; e R$ 300 para universidades, também com possibilidade de pacotes. O terceiro lote será comercializado a partir do dia 5 de agosto e durante o evento. Os pacotes podem ser parcelados em até três vezes.

As inscrições podem ser feitas no site https://nucleovet.com.br/.

O 13º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de SC (CRMV/SC), da Embrapa, da Prefeitura de Chapecó, da Unochapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Formação

Programa de Liderança Feminina incentiva participação das mulheres no agronegócio

As aulas do Programa são realizadas online e trazem temas relacionados ao agronegócio

Publicado em

em

Divulgação

Mesmo em meio a pandemia de Covid-19 que já dura mais de um ano no Brasil, a Comissão Mulher Cooperativista da Castrolanda segue com atividades voltadas a aumentar a presença feminina nos negócios do campo. O Programa de Liderança Feminina no Agronegócio, realizado atualmente em formato online, é um exemplo disso.

A iniciativa é ofertada pela intercooperação entre Castrolanda, Frísia e Capal para que mulheres das três cooperativas possam aprofundar os conhecimentos na área. Com apoio financeiro do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), as aulas são realizadas por videoconferência e contam com profissionais de diversas instituições com experiência teórica e prática em gestão, governança, sucessão familiar, legislação, planejamento estratégico, entre outros temas relacionados ao agronegócio.

O Analista de Cooperativismo da Castrolanda, William Santos, conta que a iniciativa partiu do princípio de aumentar a diversidade na governança da Cooperativa. “Buscamos formas de proporcionar capacitação para as mulheres de diversas maneiras, e uma delas é ter uma formação mais robusta, com foco em liderança, que envolve a capacidade de gerir o negócio, de se posicionar perante os demais e do envolvimento com a Cooperativa. Com isso, a gente traz essa formação um pouco mais longa, que quem se inscreve realmente está interessado em se desenvolver enquanto liderança, que vai ter uma dedicação para isso. O objetivo é ter um número maior de mulheres capacitadas e que, a médio e longo prazo, elas consigam chegar em cargos de liderança dentro da Cooperativa, trazendo mais diversidade para os nossos comitês e conselhos”.

Atualmente, 45 mulheres participam da formação. Entre elas, a cooperada Rosilda Finta, que com as aulas, melhorou bastante a organização financeira do seu negócio. “Eu aprendi sobre controle de custos, estoque de insumos, planejamento de produção, registro de informações produtivas, reserva financeira. No primeiro momento, eu não fazia nada disso, o pessoal começava a trabalhar e a gente não tinha controle. A partir do curso, já aprendi a fazer o registro e vi que eu só consigo ter resultados positivos se eu tiver um controle financeiro. Outra aula que eu gostei muito foi sobre inteligência artificial, que é algo fantástico e que eu pretendo trabalhar mais. Acredito que o treinamento está sendo muito produtivo, comigo funcionou muito bem, porque estou usando os conhecimentos no dia a dia do meu negócio e vendo que dá resultado”.

Lila Kugler é filha de cooperado e, há um ano, passou a se envolver mais com os negócios da família. Ela conta como o programa tem ajudado na gestão da propriedade. “Para mim, está sendo ótimo, porque eu ainda não havia trabalhado diretamente com lavoura. Agora eu moro na chácara e trabalho na parte financeira, então, estou tendo esse contato mais de perto e aprendendo muita coisa.  Dos meus irmãos, eu sou a que a menos tinha conhecimento nessa área, mas estamos trabalhando juntos e, com as explicações do curso, eu consigo visualizar bem melhor o leque para as possibilidades que podemos trabalhar. É uma oportunidade para abrir a área para as mulheres”.

Isabela Nocera também é filha de cooperado e, para ela, o curso traz mais conhecimento sobre temas do seu interesse, como a sucessão familiar. “Cada aula é uma nova visão de diferentes pessoas que entendem como funciona o agronegócio, estamos sempre aprendendo e levando o conhecimento para a propriedade. É um aprendizado muito bom, principalmente para as mulheres, filhas de cooperados, porque nos dá um embasamento para a sucessão familiar. Também gostei muito das aulas sobre tecnologia do campo e finanças. Cada aula faz você pensar sobre como está trabalhando dentro da sua propriedade”.

Sobre a atuação da Comissão Mulher Cooperativista nessas formações, Isabela destacou a importância de fortalecer a participação feminina no agronegócio. “A Comissão da Castrolanda é bem atuante, está sempre realizando atividades diferentes para a Cooperativa e trazendo a mulher para o agronegócio, e não apenas como coadjuvante, mas como protagonista.”

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Simp. Brasil Sul de Suínos 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.