Conectado com

Notícias

Qualificação eleva produtividade agropecuária brasileira

Investimento em pesquisa, inovação e a transferência de tecnologias nas cadeias produtivas agropecuárias – especialmente na avicultura, suinocultura e pecuária leiteira – foram fundamentais para chegar neste patamar.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os investimentos em formação profissional e agregação de tecnologia foram fundamentais para colocar o Brasil na condição de líder mundial do crescimento em produtividade. A avaliação é do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), José Zeferino Pedrozo, ao mencionar que o país cresce o dobro da média mundial, conforme estudo divulgado, na última semana, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Essa liderança é oriunda da transformação tecnológica aliada ao aumento da produtividade constatada nas propriedades rurais brasileiras Os investimentos em mecanização e biotecnologia nos últimos 20 anos foram decisivos para o crescimento da produtividade da agricultura brasileira, levando o Brasil a liderar o ranking com 187 países. No comparativo internacional, o Brasil apresentou um crescimento da PTF (Produção Total dos Fatores) de 3,2% ao ano, enquanto a média mundial ficou em torno de 1,7%. Atrás do Brasil, vêm a Índia (2,93%) e Portugal (2,22%).

O estudo do IPEA revela ainda que o Brasil começou a liderar a produtividade mundial a partir dos anos 2000, quando passou a crescer acima da taxa apresentada pelos principais produtores mundiais, como Estados Unidos, China, Argentina, Nova Zelândia, Austrália, Canadá e Chile, dentre outros.

Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), José Zeferino Pedrozo: “qualificação profissional dos produtores e o crescente emprego de tecnologia estão permitindo aumentar a produção, a produtividade e a qualidade final do produto agrícola” – Foto: Divulgação/FAESC

Pedrozo assinalou que o investimento brasileiro em pesquisa, inovação e a transferência de tecnologias nas cadeias produtivas agropecuárias – especialmente na avicultura, suinocultura e pecuária leiteira – foram fundamentais.

O estudo constata o papel da biotecnologia e seu impacto na produção agrícola, aumentando a produtividade. A aplicação de biotecnologia permite reduzir o uso de defensivos agrícolas, além de outros custos inerentes aos cuidados necessários para o desenvolvimento da produção. O uso de tecnologia e novos sistemas de produção, aliada às condições tropicais do Brasil, resultou na alta produtividade e competitividade alcançadas.

O estudo elaborado pelo IPEA concluiu que a qualificação dos recursos humanos do campo foi o caminho para o avanço da mecanização e, consequentemente, da produtividade. Para corroborar com essa constatação, o presidente da FAESC menciona o programa de assistência técnica e gerencial (ATeG) do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) em Santa Catarina.

Desde que foi criado em 2016, o programa ATeG na área de pecuária de leite atendeu mais de 5200 produtores em 202 municípios catarinenses. Atualmente, a iniciativa contabiliza 72 grupos com 2050 produtores no Estado. O presidente também mencionou números do ATeG na pecuária de corte: desde que foi criado em 2016, o programa atendeu mais de 3000 produtores em 197 municípios catarinenses, onde foram formados 56 grupos com 1680 produtores.

“A qualificação profissional dos produtores e o crescente emprego de tecnologia estão permitindo aumentar a produção, a produtividade e a qualidade final do produto agrícola e agropastoril”, encerrou o dirigente.

Fonte: Com assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =

Notícias

Aurora Coop celebra Dia C com ações em diversas cidades do país  

Além das comemorações presenciais, a programação nas unidades conta com mobilização dos colaboradores para doação de sangue e de alimentos não perecíveis.

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) preparou uma programação especial para comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado neste sábado (02). A iniciativa integra as ações do dia Dia C — programa de reponsabilidade social do cooperativismo criado pelo Sistema OCB para incentivar o voluntariado.

O diretor presidente executivo, Neivor Canton, destaca que a data representa um momento para celebrar e reconhecer o importante papel do cooperativismo para o desenvolvimento econômico e social de toda a comunidade. “Será um dia para comemorar e reforçar que os movimentos de cooperação e intercooperação representam atos simples, mas com um significado grandioso na vida das pessoas”.

Serão diversas ações em várias cidades onde a Aurora Coop possui unidades, realizadas em parceria com as cooperativas filiadas, entidades e prefeituras, visando promover um dia de lazer, diversão, voluntariado e promoção da saúde e qualidade de vida das pessoas. Confira abaixo a lista de cidades e as ações que serão realizadas.

Além das comemorações presenciais, a programação nas unidades conta com mobilização dos colaboradores para doação de sangue e de alimentos não perecíveis. As ações tiveram início no dia 16 de maio e seguem até 30 de junho e os itens arrecadados serão destinados a entidades beneficentes. A iniciativa conta com a parceria das cooperativas filiadas e da Fundação Aury Luiz Bodanese.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias ESG em pauta

Edição Especial de Cooperativismo está disponível na versão digital

Material traz reportagens sobre como a agenda ESG está movimentando o cooperativismo agropecuário brasileiro, o que algumas das maiores cooperativas do país estão fazendo para promover sustentabilidade e muito mais.

Publicado em

em

A 9ª edição Especial de Cooperativismo produzida pelo Jornal O Presente Rural já está disponível na versão digital. Neste ano estampa a capa a manchete “Cooperativismo tem em seu DNA as bases para modelo mais sustentável de produção”.

Os princípios cooperativistas estão intimamente ligados à sustentabilidade, no sentido mais amplo da palavra. Cuidar do meio ambiente, ter uma administração de excelência e olhar para as pessoas e para as comunidades é o que todo mundo tem falado com a agenda ESG e que há muito tempo é empregado pelas cooperativas agropecuárias em todo o Brasil.

É claro que há muito a ser feito, há muito a ser melhorado, há muito a ser desenvolvido. As questões sociais, ambientais e de governança serão cada vez mais aperfeiçoadas no meio agro, garantindo não somente acesso a mercados ou a preferência do consumidor, mas especialmente produzindo alimentos para deixar o mundo melhor.

Nesta edição o Jornal O Presente Rural conta um pouco de como a agenda ESG, em pauta “agora”, está movimentando o cooperativismo brasileiro. São histórias que inspiram e demonstram, mais uma vez, que o agronegócio e o cooperativismo brasileiro sempre estão na vanguarda.

O acesso é gratuito e a edição Especial de Cooperativismo pode ser lida na íntegra on-line clicando aqui.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Notícias Incremento de 46%

Contratações do BRDE no Paraná somam R$ 738,3 milhões no primeiro semestre

Um dos destaques foi o atendimento com crédito pelo Banco do Agricultor Paranaense. Nos três estados do Sul o volume de contratos chegou a R$ 1,65 bilhão – aumento de 46% em relação ao mesmo período de 2021.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul superou sua própria marca no primeiro semestre de 2022. As contratações no mesmo período do ano passado foram de R$ 1,12 bilhão, enquanto nesse ano chegaram a R$ 1,65 bilhão, o que representa um incremento de 46% em valores financiados. Desse total, R$ 738,3 milhões foram contratados pela agência paranaense do banco e destinados a financiamento de projetos que contemplam o agronegócio, comércio e serviços e infraestrutura, de todos os portes.

O Plano Safra também bateu recorde. Nas contratações que equivalem ao período de 12 meses (1º de julho de um ano a 30 de junho do ano seguinte), o BRDE passou de R$ 1,17 bilhão para 1,64 bilhão.

“No Paraná a meta foi ultrapassada, era de R$ 461,4 milhões e chegou a R$ 680 milhões, como parte da estratégia do BRDE como Banco do Agricultor Paranaense, fortalecimento das parcerias com as cooperativas e os diversos fundos que pulverizam o crédito e distribuem de forma equilibrada aos municípios, ao produtor rural e ao crescimento da cadeia produtiva do Estado”, analisou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

No Plano Safra ainda se destacam as operações do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, com 83,5% de incremento. O Pronaf é destinado para custeio e investimentos em implantação, ampliação ou modernização da estrutura de produção, beneficiamento, industrialização e de serviços no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas, visando à geração de renda e à melhoria do uso da mão de obra familiar.

Banco verde

Dentro de suas ações de um novo comportamento sustentável, o BRDE se posiciona na trilha de se tornar o primeiro Banco Verde do País. Cerca de 75% dos projetos financiados estão ligados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), nas operações diretas em toda carteira da instituição.

BRDE incrementa 46% de contratos no primeiro semestre de 2022 em relação ao ano passado –

Em maio, a agência de Curitiba do BRDE recebeu um carro elétrico do projeto VEM PR, iniciativa que envolve o Governo do Estado, por meio da Superintendência Geral de Inovação, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (FPTI). O objetivo é estimular a adoção de políticas sustentáveis e a difusão de modelos inovadores de gestão governamental.

A Universidade Federal do Paraná emitiu um relatório de emissão de gases do efeito estufa, quando apontou os passivos ambientais da agência de Curitiba, incluindo o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões e a partir desse dados, foram reforçadas as campanhas de reciclagem de materiais diversos, parcerias em eventos que estimulem a sociedade a ter comportamento socioambiental, além dos ajustes finais da criação do fundo verde.

Esse fundo consiste no dinheiro dos resultados operacionais para apoiar a iniciativa privada e a sociedade organizada, por meio de recursos não reembolsáveis (fundo perdido), para que possa haver desenvolvimento de algumas ações que tenham esse viés. “A outra é criar uma esteira diferenciada, que exista uma precificação específica para aquele empresário que assumir o compromisso do carbono zero, podendo ter um ganho financeiro. Manteremos as duas esteiras, a convencional e essa especial, aquelas que tenham esse comportamento se direcionam a esse trabalho”, explicou Lipski.

Confira os programas de 2019 a 2022:

BRDE Labs

O BRDE Labs foi criado com o objetivo de acelerar o ambiente de inovação da Região Sul do Brasil, ao unir empresas consolidadas a startups que possuem soluções inovadoras. Em 2022, o BRDE Labs do Paraná se lança também como âncora com outras nove empresas, cujos desafios estão ligados ao tema ESG (tradução para governança ambiental, social e corporativa. Apenas em 2021, no Paraná, o programa teve 177 startups inscritas. Dezoito delas passaram pela fase de pré-aceleração e nove pela de aceleração.

Incentivos fiscais

Nos últimos três anos, o valor aplicado pelo banco através dos mecanismos de renúncia fiscal ultrapassou a marca de R$ 3,7 milhões, em 95 projetos no Paraná.

Banco do Agricultor Paranaense

Criado em junho de 2021, o Banco do Agricultor Paranaense garante taxa de juros menor aos produtores rurais ou, em alguns casos, zera as alíquotas. O BRDE alcançou R$ 70 milhões em contratação nas mais diversas linhas disponibilizadas pelo Governo do Estado do Paraná, sendo R$ 29 milhões neste primeiro semestre de 2022.

Com a participação do Banco do Brasil, do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e de cooperativas de crédito, tem como objetivo ajudar pequenos e médios agricultores a investir. É um instrumento criado pelo governo estadual com o objetivo de incentivar investimentos no setor rural. Para isso, o Estado assume o pagamento de parte ou do total da taxa de juros. A concessão de subvenção econômica é feita com recursos do Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE), gerido pela Fomento Paraná.

Fungetur

Sob o amparo dessa linha de crédito destinada às empresas do setor de Turismo, o BRDE no Paraná aplicou R$ 177,6 milhões em quase 99 projetos desde o início de 2019.

Mulheres empreendedoras

O Programa Empreendedoras do Sul, do BRDE, soma R$ 71,7 milhões em contratações no Paraná.

O objetivo é promover o empreendedorismo feminino, com uma linha de crédito para investimentos fixos e capital de giro, para pequenas e microempresas. Além de aplicar recursos próprios do banco, o BRDE opera com fundings nacionais tradicionais e captação de fundos internacionais.

Esse atendimento é destinado para empresas de diferentes portes e no mínimo 50% do capital social de sócias mulheres. O crédito para capital de giro é disponibilizado apenas para pessoas jurídicas com receita operacional bruta de no máximo R$ 90 milhões no ano anterior ao da solicitação de financiamento.

Jovem empreendedor

Promovido em uma parceria entre a Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Fomento Paraná, a iniciativa oferece linhas de crédito para incentivar a geração de emprego e o desenvolvimento de negócios para pessoas de 18 a 29 anos.

Os créditos disponibilizados variam segundo o perfil da empresa. Para as microfinanças são disponibilizados até R$ 200 mil; para produtores rurais até R$ 1 milhão; e para micro, pequenas e médias empresas, até R$ 5 milhões.

Fonte: AEN Paraná
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.