Conectado com

Notícias Leite

Qualidade ainda é preocupação para plantas habilitadas para exportar à China

Apesar do otimismo, empresas mantêm cautela

Publicado em

em

Divulgação

Os produtos lácteos do Paraná estão perto de chegar ao maior mercado consumidor do mundo. No fim de julho, a China habilitou 24 estabelecimentos brasileiros, que se tornaram, então, aptos a exportar derivados de leite ao país asiático. Quatro plantas sediadas no Paraná estão nesta lista, o que, na avaliação de integrantes do setor, abre boas perspectivas ao Estado. Ao mesmo tempo, no entanto, líderes e empresários veem o movimento com cautela: mesmo com a oportunidade, é preciso que a cadeia produtiva se aprofunde em qualidade para fazer frente a concorrentes internacionais.

Três das empresas habilitadas no Paraná ficam em Marechal Cândido Rondon, no Oeste, e uma em Rio Azul, no Sudeste. Entre os produtos que podem ser exportados pelos estabelecimentos do Paraná estão o leite condensado, soro de leite em pó, queijos e whey protein. Além do Paraná, os outros dois Estados na região Sul também tiverem estabelecimentos credenciados: seis no Rio Grande do Sul e dois em Santa Catarina.

Hoje as exportações brasileiras de lácteos ainda não são significativas. Mas para os próximos anos o mercado internacional é visto como uma meta indispensável e ponto estratégico para manter o equilíbrio da atividade. Isso porque as projeções apontam o aumento contínuo da produção. Segundo a Aliança Láctea Sul Brasileira, em menos de uma década, os três Estados da região Sul vão responder pela metade da oferta de leite no Brasil.

“Nossa produção é quase que exclusivamente voltada ao mercado interno. Com essa projeção de aumento da produção, temos que mirar o mercado externo para manter a atividade sustentável. É uma porta muito promissora que se abre. Agora, temos que fazer nosso dever de casa”, expõe o coordenador-geral da Aliança Láctea Sul Brasileira, Airton Spies.

A ressalva nesse cenário fica por conta da força de concorrentes mundiais, como é o caso da Nova Zelândia, país reconhecido pela qualidade do leite produzido e que tem vantagens logísticas, como a proximidade com a China. Por isso, líderes do setor lácteo da região Sul do país apontam que o setor deve aproveitar essa janela internacional para investir em qualidade, organizando a cadeia de acordo com parâmetros nacionais (como as Instruções Normativas 76 e 77) e globais.

“A abertura do mercado chinês vem a corroborar essa tendência de que as exportações também sejam vistas como uma prioridade. É uma abertura que exige cautela, planejamento e adequação ao mercado internacional. Com certeza, o grande desafio do nosso setor para os próximos anos é se consolidar como um player internacional”, aponta Ronei Volpi, assessor técnico da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) e recém-indicado à presidência da Câmara Setorial do Leite, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). “O setor leiteiro irá passar por um movimento semelhante ao que passou a avicultura, a suinocultura e a bovinocultura de corte”, completa.

Como trunfo, pesa nessa balança o fato de as plantas paranaenses terem sido credenciadas para exportar produtos como leite condensado e leite em pó, em que os brasileiros conseguem se impor com competitividade. A expectativa é de que assim que este canal se consolidar haja um maior investimento em qualidade por parte das empresas sediadas no Estado.

“No caso do leite condensado, somos fortes porque temos boa oferta de leite, açúcar e embalagens. Com isso, ganhamos em custos”, exemplifica Volpi. “Com esse fluxo comercial estabelecido, o que se espera é um aporte principalmente no segmento do leite em pó”, avalia.

Expectativa

Segundo o Mapa, o processo de habilitação dos estabelecimentos brasileiros para exportar para a China começou em 2007. Por causa da demora, muitas das empresas chegaram a engavetar projetos que haviam sido criados especificamente para chegar ao gigante asiático. Agora, a tônica entre as empresas é de retomada do planejamento e de observar o mercado com cautela. Por hora, os grupos habilitados evitam fazer projeções de exportações ou falar em aumento da captação, embora apontem como positiva a abertura chinesa.

Uma das habilitadas no Paraná, a Alibra, chegou a participar de feiras na China no ano passado e a identificar clientes que se interessaram por um dos produtos oferecidos pela empresa. Como não havia habilitação, a negociação não foi adiante. Todo este trabalho deve ser retomado, a partir de agora, pela empresa.

“Como não saía a habilitação, muitos projetos foram colocados em stand by. Agora, com o credenciamento, vamos retrabalhar este mercado, revendo todos esses contatos e voltando a fazer essa negociação”, diz a gerente de exportação da Alibra, Débora Lapa. “Mas não será uma venda imediata. Vamos ver como o mercado irá se comportar para definir as ações”, acrescenta.

Outra credenciada a exportar, a Frimesa tem como meta voltar 30% de sua produção ao mercado externo e, neste sentido, a China se apresenta como uma “grande oportunidade”. Por outro lado, o diretor-executivo do grupo, Elias Zydek, também adota um tom mais comedido ao comentar o impacto da abertura da janela para o mercado chinês. “A partir da habilitação é que se iniciam os contatos comerciais para especificações dos produtos. Além dos procedimentos legais e comerciais, temos a questão da viabilidade dessas exportações”, avalia. “As perspectivas de volume e valores dependem da competitividade, principalmente em relação à Austrália e à Nova Zelândia. A cautela ainda é grande em relação à viabilidade dessas exportações”, aponta.

A Sooro, outra habilitada, já exporta seus produtos para o Paraguai. A empresa espera utilizar essa experiência para acessar o maior mercado importador de lácteos do mundo. “A China, com uma modificação crescente nos hábitos alimentares, cada vez mais ocidentalizados, é um grande potencial para importar as proteínas concentradas, o soro e o permeado de soro. Nossa empresa busca, no momento, uma internacionalização no nosso portfólio de clientes, visando uma maior independência do mercado doméstico”, destaca Claudio Hausen de Souza, diretor comercial e supply chain da Sooro, localizada em Marechal Cândido Rondon. “Não temos como precisar [o início das exportações para China]. Mas iniciamos o processo imediatamente, e aguardamos os trâmites burocráticos, as licenças”, comenta.

Fonte: O Presente
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + 8 =

Notícias Capacitação

Marcos Jank discute “Dinâmica global do agronegócio e oportunidades para o Brasil”

Geopolítica dos alimentos, percepção sobre Saúde, Sanidade e Sustentabilidade e as medidas para o fortalecimento do setor serão alguns tópicos abordados

Publicado em

em

Divulgação

Nos dias 3 e 4 de dezembro, o Grupo Conecta, levará para centenas de produtores, no Hotel Royal Palm Hall, em Campinas (SP), uma série de palestrantes renomados que difundirão conhecimento e informações que agregam valor para esse público que fomenta a economia do país. O Encontro Nacional Top Farmers contará com painéis, cases e palestras de suma importância. Entre os palestrantes está o professor sênior de agronegócio global do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Marcos Jank, que no primeiro dia (3) palestrará sobre “Dinâmica global do agronegócio e oportunidades para o Brasil”.

Sobre o tema, Marcos Jank ressalta que a guerra hegemônica EUA-China vai ser longa e penosa para o mundo, podendo ajudar ou prejudicar o Brasil. “Nesses tempos turbulentos, tudo indica que a demanda será dirigida pela geopolítica do comércio administrado e não pelas vantagens comparativas à la David Ricardo. Ocorre que a demanda potencial do mundo é praticamente infinita, mas apenas uma pequena parte dela é acessível para as nossas exportações por conta de inúmeras barreiras tarifárias e não-tarifárias, técnicas, sanitárias, burocráticas, etc”, explica.

Na visão de Jank, em um momento que a geopolítica retorna com vigor, o primeiro desafio será construir demandas consistentes para os produtos. Por isso, ele sugere ações como mapear os interesses de curto e longo prazo nas principais macrorregiões do mundo emergente. “O holofote de hoje está no Leste e Sudeste da Ásia e no Oriente Médio, regiões que somam 2,6 bilhões de habitantes e 54% das exportações brasileiras no agro. Porém, o nosso futuro está depositado no Sul da Ásia (leia-se o subcontinente indiano) e na África – na soma, 3 bilhões de habitantes em rápido crescimento demográfico, mas que hoje respondem por apenas 12% das nossas exportações”.

Ela acrescenta ainda que o Brasil terá de aprender a lidar com a China, e isso demanda um relacionamento estratégico e equilibrado que gere maior diversificação e valor adicionado no comércio. Isso é urgente porque, segundo Marcos Jank, os chineses já respondem por um terço das exportações do agro, porém altamente concentradas na soja em grãos.

Outra medida na visão do professor é intensificar e dar um novo rumo para as relações com os Estados Unidos, perdidas após duas décadas de desconfianças mútuas. “No agro, os EUA são nosso maior concorrente, mas também um dos importadores mais promissores e sofisticados do planeta, ao lado da China e da União Europeia, com crescimento de 4% ao ano. Mas para os EUA exportamos apenas US$ 7 bilhões no agronegócio, quatro vezes menos que a nossa exportação de soja em grão para a China”. Ainda de acordo com Jank, o Brasil precisa avançar com o projeto de abertura comercial brasileira.

Saúde, Sanidade e Sustentabilidade 

E os desafios continuam. Marcos explica que o grande gargalo global decorre das ações e repercussões das nossas políticas em três grandes áreas do agro: Saúde, Sanidade e Sustentabilidade. “Os maiores problemas de saúde e nutrição são a combinação perversa da falta de alimentos com a má nutrição – 2,1 bilhões de pessoas com obesidade e doenças crônicas. Na sanidade, vemos a eclosão de graves doenças e o desafio da eficiência do sistema sanitário. Na sustentabilidade os temas mais importantes para o Brasil são uso da terra e de insumos, desmatamento, clima e biodiversidade”, avalia.

Em suma, Marcos Jank enfatiza que sobre a geopolítica dos alimentos é fundamental construir visões estratégicas de longo prazo com base em estudos detalhados e montar uma estrutura de negociação em cada frente relevante. Já quanto à percepção sobre Saúde, Sanidade e Sustentabilidade é necessário contar com bons dados, presença qualificada e uma sólida estratégia de representação e diálogo no exterior. “Esses foram os principais fatores que motivaram a criação do Insper Agro Global, um centro que analisará temas complexos da agenda internacional do agronegócio, desenvolvendo estudos estratégicos, debates qualificados, apoio no desenho de políticas e formação de pessoas. A reputação não é o que achamos de nós mesmos, mas sim o que nossos parceiros e interlocutores pensam da gente, mesmo que altamente influenciados por mídias sociais”, analisa.

Por fim, Jank diz que comparando com outros grandes exportadores, a maior falha não está nas políticas e ações de campo, mas sim na nossa incapacidade de se fazer presente no exterior, ouvindo, entendendo e dialogando com os clientes e consumidores nas diferentes regiões que atuamos. “Se antes falávamos em oferta e produtividade, hoje é preciso pensar em demanda dirigida pela geopolítica e pelas múltiplas percepções dos nossos clientes, sejam elas verídicas ou não”, aponta.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Cooperativismo

Fórum discute a logística do Paraná amanhã

Finalidade do Fórum é criar uma reflexão sobre como as cooperativas podem se preparar para os desafios e oportunidades na logística

Publicado em

em

Divulgação

Líderes do setor cooperativista e integrantes do movimento em todo o Paraná vão participar de um evento especial nesta quinta-feira (21), a partir das 9h, na Associação de Funcionários da Coopavel, em Cascavel – BR-467, na saída para Toledo. Eles estarão no Fórum de Logística do Cooperativismo Paranaense, organizado pelo Sistema Ocepar (Fecoopar, Ocepar, Sescoop-PR) e Movimento SomosCoop com apoio da Cotriguaçu.

A finalidade do Fórum é criar uma reflexão sobre como as cooperativas podem se preparar para os desafios e oportunidades na logística. A abertura oficial da programação vai ser feita pelo presidente da Coopavel, Dilvo Grolli. O primeiro painel está marcado para as 9h30, sobre Logística no Brasil e no Paraná, com mediação do superintendente do Sistema Ocepar, Robson Mafioletti.

Três especialistas no assunto vão, na sequência, apresentar informações detalhadas que enriquecerão o painel. O pesquisador da Esalq Log, Abner Matheus João, falará sobre Panorama da logística no Brasil; Cristiano Donatti, da área de projetos estratégicos da Rumo, abordará sobre Perspectivas da Rumo Logística, e João Arthur Mohr, do Conselho Temático de Infraestrutura da Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), detalhará sobre concessões rodoviárias.

Cases

Depois do almoço, ocorrerá a apresentação de cases de logísticas cooperativas, com mediação do gerente do Getec Sistema Ocepar, Flávio Turra. Contribuirão com o debate o presidente da Coopavel e da Cotriguaçu Dilvo Grolli e o superintendente da Cotriguaçu Gilson Anizelli, que falarão sobre Logística de Cascavel ao Porto. O superintendente da Coamo, Airton Galinari, exporá sobre Coamo – Aplicativo e gestão de frota, e, por sua vez, o presidente da Rodocoop e vice da Cocari, Marcos Trintinalha, e o analista técnico do Gecoop Ocepar, Jessé Rodrigues, informarão sobre Cooperativas do Ramo Transporte.

As inscrições para participar do Fórum de Logística do Cooperativismo Paranaense podem ser feitas pelo telefone (41) 3220-1133 ou pelo endereço de e-mail jessica.costa@sistemaocepar.coop.br .

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Divulgação da Proteína

AVES realiza diversas ações e atividades durante a Semana do Ovo

AVES em parceria com IOB desenvolveu diversas ações e atividades para comemorar a Semana do Ovo

Publicado em

em

Divulgação

Durante todo o último mês de outubro, a AVES, em parceria com o Instituto Ovos Brasil (IOB), desenvolveu diversas ações e atividades para comemorar a Semana do Ovo, que é promovida em todo o país pelo IOB desde 2007 com o objetivo de divulgar os benefícios dos ovos a saúde humana.

No Espírito Santo, a programação começou no dia 21 de setembro, com a AVES apoiando o projeto “Seu reciclável vale ovo”, que foi desenvolvido dentro das comemorações do evento “Cidadania em ação”, organizado pela Prefeitura de Santa Maria de Jetibá.

Durante a ação, o público participante pôde trocar materiais recicláveis por ovos de 11 produtores e empresas do setor de produtivo de ovos do município. Em contrapartida, todo o material arrecadado na ação foi destinado à Associação de Catadores Recicláveis de Santa Maria de Jetibá (ASCA SAMAJET), com destaque para garrafas pets recolhidas, que foram enviadas para a reciclagem no espaço Casa Bom Samaritano, entidade sem fins lucrativos que atende usuários de álcool e dependentes químicos da cidade.

Foram arrecadados cerca de 580 quilos de materiais recicláveis e cada pessoa recebeu uma quantidade de dúzias conforme a tabela de equivalência utilizada pela associação de catadores recicláveis do município, levando em conta a pesagem e os valores para cada material reciclável.

Contribuíram com a iniciativa as seguintes empresas do setor avícola do município: Ovos Santa Maria; Kerovos Alimentos; Ovos Pommer; Granjas Caramuru; Bergegg’s; BL Alimentos; Nutriovos; Coopeavi; Granja Avícola EP; Granja Krause e Proovo.

Dia Mundial do Ovo

Para comemorar o Dia Mundial do Ovo de um jeito bem interativo e voltado para o público infantil, a AVES promoveu no dia 11 de outubro, em Santa Maria de Jetibá, a peça teatral com fantoches “Ovo, o tesouro da galinha”, sob o comando da equipe Cia de Bonecos Tio Diu.

Realizadas no EEEFM “Graça Aranha”, as apresentações contaram com a participação de mais de 500 alunos das turmas do primeiro ao sexto ano, que tiveram a oportunidade de conhecer os benefícios do ovo por meio de dinâmicas e histórias educativas.

A ação, que contou com a realização da AVES e da Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi), teve o apoio do Instituto Ovos Brasil (IOB) e ajudou a quebrar mitos e fake news que são criadas sobre o ovo, deixando as pessoas esclarecidas sobre o melhor alimento, depois do leite materno.

Especialista esclarece dúvidas sobre os benefícios do ovo

Outra ação que teve como objetivo desmistificar vários mitos, esclarecer dúvidas e ressaltar a importância e os benefícios do ovo na alimentação, foi a entrevista da nutricionista do Instituto Ovos Brasil, Lúcia Endriukate, concedida ao programa “Bom Dia Espírito Santo”, da TV Gazeta, no dia 23 de outubro, em uma feira livre no capital Vitória.

A profissional do IOB também concedeu uma entrevista para a equipe de comunicação da Coopeavi, com o objetivo de destacar, por meio de vídeos que serão divulgados pelos canais de comunicação da cooperativa, as proteínas e as vantagens que o ovo pode promover a alimentação humana.

Na oportunidade, Lúcia explicou as diferenças entre os ovos brancos, vermelhos e caipiras; enfatizou as proteínas do alimento; rechaçou a imagem do ovo como vilão do colesterol e detalhou outras potencialidades que o alimento pode agregar a vida humana.

Workshop sobre os benefícios do ovo

Para fechar a sequência de atividades da Semana do Ovo, entre os dias 21 e 23 de outubro, em mais uma parceira com o Instituto Ovos Brasil, a AVES apresentou o workshop “Benefícios do ovo para a saúde”, que contou com a participação de alunos dos cursos de nutrição e gastronomia de duas faculdades, além da equipe de merendeiras, nutricionista, coordenação e gestores da secretaria da educação da prefeitura de Santa Maria de Jetibá.

Sob o comando da médica veterinária da AVES, Carolina Covre, e da nutricionista do Instituto Ovos Brasil, Lúcia Endriukate, os participantes puderam conhecer mais sobre a produção de ovos, desde o trabalho nas granjas até a mesa do consumidor, e também sobre a importância do ovo na saúde por meio do aspecto cognitivo.

Além da explanação para os profissionais do município de Santa Maria de Jetibá, o workshop foi apresentado no Centro Universitário São Camilo, em Cachoeiro de Itapemirim, e na Faculdade Multivix, em Cariacica. Após as palestras, foram realizados super egg-breaks, nos quais os participantes puderam provar diversas receitas com o ovo sendo o grande destaque.

Semana do Ovo 2019

Promovida desde 2007 pelo Instituto Ovos Brasil (IOB), a Semana do Ovo deste ano apresentou, entre os 7 e 11 de outubro, várias ações promocionais, palestras, distribuições de brindes e degustações em algumas empresas que atuam no segmento, com o objetivo é ampliar a comunicação sobre o potencial nutritivo do ovo e destacar como este é um alimento muito importante para a alimentação humana.

O presidente do conselho diretivo do IOB, Ricardo Santin, destacou a importância da Semana do Ovo e a celebração desta proteína em todos os lugares do mundo. “Por aqui divulgamos materiais promocionais e folders, distribuímos papel bandeja, fazemos ações de promoção em diversos locais e uma ampla divulgação do ovo e todas as suas propriedades nutricionais para diversos públicos. Sabemos, por exemplo, que o ovo ajuda a evitar a degeneração macular, na melhor idade e que melhora o desempenho cognitivo das crianças. Para 2020, vamos continuar com foco nas crianças, mulheres, atletas e idosos. O ovo é um alimento que é quase um remédio”, conta Santin.

Além da AVES, a campanha deste ano o IOB contou com parceria de outras entidades estaduais do setor avícola: Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), Associação Goiana de Avicultura (AGA), Associação Baiana de Avicultura (ABA), Associação Cearense de Avicultura (Aceav), Associação Paulista de Avicultura (APA), Associação de Avicultores de Minas Gerais (Avimig) e Associação Avícola de Pernambuco (Avipe).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Mais carne
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.