Conectado com

Notícias Mercado

Provável aumento de casos de coronavírus no Brasil deve empurrar dólar para cima

Especialista avalia ainda que mercado deve ter fuga de investidores e que atividade econômica de alguns setores pode se retrair

Publicado em

em

Divulgação

O anúncio do primeiro caso do coronavírus (Covid-19) no Brasil bagunçou ainda mais com o mercado financeiro, que já não andava bom. O dólar, que já havia batido a casa dos quatro reais, agora chega perto dos cinco, em cotação recorde desde a criação da moeda, com o Plano Real. E a tendência é que a situação ainda piore um pouco, enquanto a epidemia no mundo não é deflagrada com respostas médicas eficazes. Essa é a avaliação do especialista em direito empresarial, Marcelo Godke Veiga, professor de Direito Comercial e doutorando da Universiteit Leiden, na Holanda.

“Numa crise mundial, a tendência é que os operadores internacionais façam o movimento chamado flight-to-quality, isto é, vendem o que consideram investimentos de maior risco e compram investimentos mais seguros. Nesse sentido, o dólar costuma se valorizar em relação a todas as moedas e não somente em relação ao real”, explica Godke.

Segundo ele, as próximas semanas serão cruciais para avaliar maiores riscos do mercado financeiro como um todo, que já sofre consequências imediatas. “O dólar ainda deve subir mais e os papéis irão se desvalorizar. Para quem atua no mercado, a queda pode ser uma boa oportunidade de compra, para aguardar uma revalorização. Mas tudo vai depender da resposta dos governos, e também do comportamento do vírus nas próximas semanas”.

O momento também não é bom para quem estava planejando comprar dólar, devido à alta. Fora do mercado financeiro, a economia no Brasil também pode sofrer alguns baques, como o setor de turismo, devido à diminuição de viagens internacionais. E como a China é um grande produtor industrial, a diminuição de sua atividade econômica não é nada alvissareira para a economia mundial. E muito menos para o Brasil. “Exportamos muitos commodities para a China, como alimentos. Esse setor pode ter um impacto grande, assim como o de turismo. Outro impacto direto para o Brasil deve ser a importação. Importamos muita farinha de trigo e muito aço, esse especialmente da China. Com a disseminação do vírus pelo mundo, os negócios podem ser afetados e os preços, subirem. É um efeito cascata”, avalia Godke.

A maneira como os governos estão enfrentando a situação, segundo o advogado, também influencia os mercados. “A impressão é que o governo brasileiro passa segurança em suas medidas. Isso ajuda a diminuir a sensação de medo e acaba afetando os mercados. Na verdade, a maneira como os governos de todos os países estão lidando com a situação influencia muito os mercados. Dizem que teremos uma vacina daqui a um ano. Teremos que esperar outras respostas da medicina e aguardar para ver como o vírus se comporta”, conclui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 7 =

Notícias Climatempo explica

O que esperar da chuva de abril no Brasil?

De acordo com o Climatempo, deve chover com certa regularidade em todas as regiões do país

Publicado em

em

Divulgação

Um quesito importante para a agricultura, o tempo no Brasil no mês de abril ainda deve ficar úmido, segundo boletim do Climatempo. De acordo com a instituição, deve chover com certa regularidade em todas as regiões do país. Porém, dentro de cada região, algumas áreas terão chuvas mais volumosas e frequentes que outras.

“Climatologicamente abril é um mês de chuva na costa norte e na costa leste do Nordeste e no norte da Região Norte. Mas a chuva diminui bastante no Sudeste, no Centro-Oeste e no interior do Nordeste e na porção sul da Região Norte. Em anos normais, o Sul continua tendo eventos de chuva em abril, com a passagem de frentes frias”, diz o boletim.

Quando vai esfriar?

Em relação à temperatura, o boletim informa que não há expectativa da entrada de massas de ar muito frias sobre o país em abril. “Alguns dias podem ser amenos em áreas do Sul e do Sudeste, mas principalmente pelo excesso de nebulosidade e chuva e nem tanto pela presença de ar frio de origem polar. A primeira massa de ar frio de origem polar realmente forte deve ocorrer em maio”, informa o Climatempo.

Região Sul

Segundo o Climatempo, em abril a previsão é de melhora no quadro de chuva da Região, que vem vivenciando uma estiagem desde dezembro de 2019. “A expectativa é de que a chuva retorne principalmente sobre o Rio Grande do Sul. Apesar da melhora, a previsão é de que o Estado ainda termine abril com chuva abaixo da média”, explica.

Já para Santa Catarina e Paraná, a expectativa é de que chova mais do que a média na faixa centro-leste dos Estados, que inclui as capitais.

Região Sudeste

Para a região Sudeste, o Climatempo conta que o corredor de umidade convergente sobre a região enfraquece e a atmosfera vai ficando mais seca em abril. “Mas ainda há previsão de chuva acima da média em toda a Região Sudeste. Logo no início do mês, o avanço de uma frente fria provoca nebulosidade e chuva que persiste por dois dias. Após esse período, a atmosfera fica mais seca, mas ainda não se descartam alguns temporais localizados, gerados por calor e por umidade. A chuva de abril deve se concentrar na primeira quinzena do mês”, informa o Boletim.

Região Centro-Oeste

Em abril a previsão é da diminuição de chuva em toda a Região Centro-Oeste, informa o Climatempo. “O tempo fica mais seco em relação aos meses anteriores, de forma geral. Apesar disso, em comparação à média histórica, ainda se espera chuva acima da média em Brasília e em Goiás”, diz.

Região Nordeste

De acordo com o boletim, a chuva vai diminuindo em grande parte da Região Nordeste durante o mês de abril. Mas a costa norte nordestina ainda recebe muita influência ZCIT – Zona de Convergência Intertropical. “Por isso, a costa norte do Nordeste, entre o Maranhão e o Rio Grande do Norte, ainda podem ter episódios de chuvas intensas, fazendo com que o acumulado final de abril fique acima da média”, explica o Climatempo.

Região Norte

Em abril, a previsão para a Região Norte ainda é de muita instabilidade, principalmente na faixa norte da Região, explica o boletim. “A ZCIT – Zona de Convergência Intertropical continua ativa na costa norte do Brasil e influencia bastante as condições de tempo, provocando eventos de chuva volumosa. A região de Belém já teve muita chuva em março e continua sujeita a chuva volumosa em abril”, finaliza.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Notícias Proteção no campo

Como se proteger do coronavírus dentro da porteira?

Uso de água sanitária, assistência técnica remota e isolamento compõem alguns hábitos benéficos que ajudam a manter a doença longe do campo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Enquanto o restante do país para diante do risco de uma contaminação em massa, o campo segue trabalhando e produzindo. Junto com profissionais da saúde, segurança e outros serviços essenciais, o meio rural é muito importante em momentos de crise em função de produção de alimentos para população. Dessa maneira, o produtor rural, mais do que ninguém, não pode ficar doente. Por isso, mudar alguns hábitos dentro da porteira pode ser crucial neste momento.

De acordo com a médica veterinária Roberta Züge, diretora administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), além da função essencial que desempenham, os agropecuaristas são mais frágeis num contexto de pandemia. “De modo geral, os produtores dependem do SUS [Sistema Único de Saúde] e, às vezes, estão em municípios sem estrutura hospitalar para atender casos como esse [do coronavírus]. Outro ponto é a média de idade dos produtores, mais alta na área rural”, afirma ao referir-se à população mais vitimada pela nova doença: os idosos.

Independente da atividade desempenhada, uma regra geral deve ser respeitada: evitar o contato com quem vem de fora. Alguns setores, por natureza, são mais expostos ao contato interpessoal que outras. Um produtor de leite, por exemplo, precisa entregar seu produto cotidianamente, enquanto um avicultor leva, em média, 45 dias para alojar um novo lote. O perigo sempre vem de fora e é aí que o produtor deve se proteger.

“Se tiver alguma coisa que exige a presença do produtor, como durante uma entrega de leite para o caminhão do laticínio, além de manter a distância da pessoa que vem de fora, depois que ela for embora é preciso higienizar tudo que ela trouxe e também o local onde ela esteve”, orienta a médica veterinária. Para isso, uma solução barata, segundo a especialista, seria o hipoclorito, usado para limpar locais e objetos (nunca a pele), feito com uma parte de água sanitária para nove partes de água.

Porém, o ideal é que o trânsito de pessoas de fora seja evitado o máximo. “Já existem alguns processos que não exigem ser presencial. Já tem aplicativos que permitem isso. Aquilo em que é imprescindível a presença física, por exemplo, uma entrega de sêmen bovino, o ideal é tentar concentrar tudo numa compra só. Também pode eleger um local para a entrega, em que não precisa estar presente”, sugere. “Da mesma forma com a assistência técnica, hoje muita coisa pode ser resolvida via aplicativo de celular”, observa a diretora do CCAS.

Dentro da porteira algumas práticas também devem ser incorporadas. “Se existem funcionários que moram na propriedade, orientá-los a não ficar trazendo visitas, que não saiam muito. Também cada um tem que ter seu copo, talheres e outros utensílios pessoais. E a roda de chimarrão tem que acabar de vez”, sentencia Roberta.

Na opinião da médica-veterinária, a bovinocultura de leite seria um dos setores em que os produtores estariam mais expostos ao vírus, por conta do contato mais frequente com pessoas de fora. Por conta disso, seria necessário estabelecer protocolos de higiene pelos laticínios para reforçar a defesa contra o vírus. “Imagine se um motorista está doente? Vai contaminar a rota dele inteira”, adverte.

Em outros setores pecuários como a avicultura e a suinocultura, as próprias exigências de sanidade animal, de restrição de acesso de pessoas aos galpões, e outras práticas, já reforçam a defesa contra o novo coronavírus. Ainda, os mesmos cuidados para com esta nova doença são benéficos para evitar outras enfermidades.

“Estamos acostumados a ter pavor em relação à febre aftosa, peste suína, pois sabemos a facilidade que estas doenças têm de se espalhar e causar prejuízos. Ora, se temos uma preocupação desta com a pecuária, temos que ter com as pessoas também”, arremata a diretora do CCAS.

Fonte: Sistema Faep
Continue Lendo

Notícias Estimativa

Brasil produzirá 74,7 mi t de milho na 2ª safra 19/20, diz Agroconsult

Número representa um recuo de 2,6% em relação à segunda safra temporada passada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A segunda safra de milho do Brasil deverá somar 74,7 milhões de toneladas em 2019/2020, disse na terça-feira (31) a consultoria Agroconsult, revisando estimativa de 74 milhões de toneladas realizada antes do Rally da Safra.

O número representa um recuo de 2,6% em relação à segunda safra temporada passada, acrescentou a empresa.

Além disso, a área plantada com milho “safrinha” no Brasil foi estimada em 13,1 milhões de hectares, ante 13 milhões de hectares previstos em janeiro, pré-Rally da Safra. A cifra atualizada mostra um avanço de quase 4% na comparação anual.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.