Conectado com

Notícias Postura

Programa Ovos RS avança no desenvolvimento de certificadora

Todo o processo de desenvolvimento da certificadora deverá ser concluído até o final de 2020

Publicado em

em

Divulgação

Na terça-feira (30) ocorreu a segunda reunião do comitê consultivo da Certificadora da Qualidade de Ovos que está sendo desenvolvida pela ASGAV e Programa Ovos RS, cujo nome já está em processo de registro. Depois de cinco meses desde a primeira reunião realizada com o comitê consultivo, os trabalhos de revisão das legislações e normativas pertinentes e construção de diretrizes e metodologia de certificação foram executados conforme o cronograma previsto.

O Instituto SENAI de Alimentos e Bebidas do RS foi contratado pela ASGAV e Programa Ovos RS para conduzir a elaboração da metodologia de certificação, atuar na seleção e treinamento de auditores e posteriormente será responsável pela execução das auditorias in loco como Organismo de Certificação. Os membros do comitê foram convidados a participar deste processo de construção das metodologias e através de suas competências e experiências em diferentes áreas de atuação no contexto da Postura Comercial estão contribuindo nas demandas técnicas com envio de sugestões e informações pertinentes, bem como validação de critérios de avaliação.

Na reunião foi abordada e avaliada toda a metodologia descrita permitindo a realização de ajustes de acordo com as considerações do comitê. “Desta forma, buscamos adequar a metodologia de avaliação às normativas vigentes, aplicação prática e atendimento das necessidades dos diferentes sistemas de produção, sempre com foco na qualidade dos ovos produzidos, sanidade dos plantéis e respeito ao bem-estar animal”, comenta a consultora Técnica do Programa Ovos RS, doutora Raquel Melchior.

Como sequência das atividades, os critérios elencados serão formatados como check list de avaliação, a elaboração das diretrizes do processo de certificação avançará incluindo a conclusão das etapas de registro da marca, e serão definidos os critérios para a seleção e treinamento dos auditores que atuarão realizando as auditorias in loco. Está prevista também uma etapa de validação da metodologia junto ao Serviço Oficial.

“O desenvolvimento de todo conteúdo, diretrizes e conceitos da certificadora vem atendendo cronograma previsto, contamos também com apoio de IEC com disponibilidade de informações sobre certificações no setor em diversos países, assim, acredito que no final deste ano atingiremos nossa meta”, informa o diretor executivo da ASGAV e coordenador do Programa Ovos RS, Eduardo Santos.

Todo o processo de desenvolvimento da certificadora deverá ser concluído até o final de 2020 e o serviço de certificação de estabelecimentos interessados estará disponível a partir de 2021.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =

Notícias Mercado Interno

Com pouca soja disponível, preços sobem em julho no Brasil

Mercado brasileiro de soja apresentou preços em elevação, mas poucos negócios em julho

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado brasileiro de soja apresentou preços em elevação, mas poucos negócios em julho. O mês foi marcado pelo distanciamento entre a paridade de exportação e os preços no interior, decorrência da falta de produto e da posição mais retraída por parte dos produtores.

O vendedor aproveitou as condições favoráveis da primeira metade do ano – particularmente maio, quando o dólar encostou em R$ 6,00 – e negociou quase toda a safra 2019/20 e boa parte da soja que ainda nem foi plantada. Como consequência, o produtor está bem capitalizado e espera por cotações ainda melhores.

A demanda segue firme e, em função disso, os preços não param de subir, mesmo com o recuo do dólar em julho e com a leve alta dos contratos futuros em Chicago. Os prêmios de exportação subiram, refletindo esse quadro de escassez de produto.

No Rio Grande do Sul, a saca de 60 quilos saltou de R$ 114,50 para R$ 117,50 em Passo Fundo em julho. Em Rio Grande, o preço pulou de R$ 117,50 para R$ 119,00. No Paraná, a cotação subiu de R$ 110 para R$ 112,00 em Cascavel e de R$ 117,00 para R$ 118,00 no Porto de Paranaguá.

Em Rondonópolis (MT), o preço avançou de R$ 109,00 para R$ 111,00 no período. Em Dourados (MS), cotação aumentou de R$ 105,00 para R$ 113,00. Em Rio Verde (GO), a saca passou de R$ 105,00 para R$ 109,00.

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em novembro tiveram valorização de 0,68% em julho, encerrando o mês a US$ 8,88 ¼. Durante julho, o preço chegou a superar US$ 9,00 por bushel, em meio a sinais de recuperação da demanda americana, apesar das previsões favoráveis para a safra americana, em fase de desenvolvimento.

O dólar comercial teve baixa de mais de 5%, encerrando o mês a R$ 5,159. A injeção de recursos em importantes economias mundiais e informações favoráveis em torno de uma vacina para combater o coronavírus ajudar a pressionar a moeda, mas as incertezas globais ainda merecem atenção.

Plantio

Os produtores brasileiros de soja deverão cultivar 37,804 milhões de hectares em 2020/21, a maior área da história, crescendo 1,8% sobre o total semeado no ano passado, de 37,152 milhões. A projeção faz parte do levantamento de intenção de plantio de SAFRAS & Mercado.

Com uma possível elevação de produtividade, de 3.379 quilos para 3.501 quilos por hectare, a produção nacional deve ficar acima da obtida nesta temporada. A previsão inicial é de uma safra de 131,691 milhões de toneladas, 5,4% maior que o recorde de 124,913 milhões obtido neste ano.

“Mais uma vez, a ótima rentabilidade anotada na cultura surge como o grande fator de incentivo para a elevação da área brasileira. Com um consumo interno crescente e exportações cada vez mais fortes, a oferta de soja na nova temporada deverá alcançar um novo recorde”, destaca o analista de SAFRAS, Luiz Fernando Roque.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Com oferta restrita, suíno vivo acumula alta de 27,76% em julho

Preços do suíno vivo e dos principais cortes do atacado apresentaram movimento agressivo de alta em todo o país no mês de julho

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços do suíno vivo e dos principais cortes do atacado apresentaram movimento agressivo de alta em todo o país no mês de julho58. Segundo levantamento de SAFRAS & Mercado, os preços do quilo vivo no Centro-Sul chegam ao último dia do mês acumulando uma valorização de 27,76%. Para o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, o movimento é justificado pela redução da disponibilidade da carne no mercado doméstico, com declínio do peso médio dos animais em vários estados, como Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina.

Além disso, as exportações estão aquecidas, atingindo marcas históricas, reduzindo ainda mais a oferta disponível, principalmente em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, estados que concentram as plantas habilitadas a exportar para a China. Parte dos reajustes nas cotações se deram também pela busca dos produtores por correções, dado o alto custo de produção, com milho e farelo de soja em patamares elevados no país.

A expectativa para a primeira quinzena de agosto é de preços firmes, com avanço da reposição devido à entrada da massa salarial, da comemoração do Dia dos Pais, do bom volume esperado para as exportações e da melhora no consumo, com o processo de reabertura da economia.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil avançou de R$ 4,40 para R$ 5,62 ao longo de julho. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado passou de R$ 8,56 para R$ 9,63, aumento de 12,43%. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,06, ante os R$ 7,10 praticados no fechamento de junho, com valorização de 27,64%.

As exportações de carne suína fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 162,636 milhões em julho (18 dias úteis), com média diária de US$ 9,035 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 76,563 mil toneladas, com média diária de 4,254 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.123,60.

Na comparação com julho de 2019, houve avanço de 47,66% no valor médio diário exportado, ganho de 59,15% na quantidade média diária e retração de 7,22% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise mensal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 90,00 para R$ 123,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,15 para R$ 4,30. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 4,30 para R$ 5,85.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração teve alta de R$ 4,20 para R$ 4,40. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 4,40 para R$ 6,05. No Paraná o quilo vivo aumentou de R$ 4,20 para R$ 6,00 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo avançou de R$ 4,20 para R$ 4,40.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração subiu de R$ 4,10 para R$ 4,40, enquanto em Campo Grande o preço avançou de R$ 4,25 para R$ 5,10. Em Goiânia, o preço passou de R$ 5,10 para R$ 6,80. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno aumentou de R$ 5,40 para R$ 7,00. No mercado independente mineiro, o preço passou de R$ 5,30 para R$ 7,10. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo na integração do estado aumentou de R$ 3,80 para R$ 4,20. Já em Rondonópolis a cotação passou de R$ 3,95 para R$ 5,20.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Retomada da economia aquece mercado de frango em julho

Mercado brasileiro de frango registrou mais uma semana de firmeza nos negócios e encerra o mês de julho com um saldo positivo nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de frango registrou mais uma semana de firmeza nos negócios e vai encerrando o mês de julho com um saldo positivo nos preços. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, a recuperação nas cotações ao longo do mês é um desdobramento da retomada das atividades em relevantes centros de consumo do país, com ênfase para a cidade de São Paulo.

O analista destaca que os custos de nutrição permanecem acentuados ao longo do mês, com maior preocupação com a situação do farelo de soja neste momento, diante da escassez de oferta interna.

Iglesias afirma que o mercado atacadista apresentou um quadro de sustentação nos preços no decorrer da semana e o ambiente de negócios sugere uma continuidade do movimento de alta nas cotações na primeira quinzena de agosto. “O Dia dos Pais deve contribuir para manter o mercado de frango aquecido, assim como a retomada mais efetiva do funcionamento dos restaurantes na cidade de São Paulo, movimentando a reposição entre atacado e varejo”, sinaliza.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo de julho. O quilo do peito no atacado seguiu em R$ 5,00, o quilo da coxa passou de R$ 5,00 para R$ 5,10 e o quilo da asa subiu de R$ 9,30 para R$ 10,00. Na distribuição, o quilo do peito permaneceu em R$ 5,20, o quilo da coxa em R$ 5,20 e o quilo da asa avançou de R$ 9,50 para R$ 10,20.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de poucas mudanças nos preços ao longo do mês. No atacado, o preço do quilo do peito permaneceu em R$ 5,10, o quilo da coxa subiu de R$ 5,10 para R$ 5,20 e o quilo da asa avançou de R$ 9,40 para R$ 10,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 5,30, o quilo da coxa em R$ 5,30 e o quilo da asa aumentou de R$ 9,60 para R$ 10,30.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 363,009 milhões em julho (18 dias úteis), com média diária de US$ 20,167 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 274,992 mil toneladas, com média diária de 15,277 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.320,10.

Na comparação com julho de 2019, houve queda de 26,20% no valor médio diário, baixa de 5,49% na quantidade média diária e retração de 21,91% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento mensal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo permaneceu em R$ 3,70. Em São Paulo o quilo vivo avançou de R$ 3,50 para R$ 3,65.

Na integração catarinense a cotação do frango passou de R$ 2,95 para R$ 3,00. No oeste do Paraná o preço na integração seguiu em R$ 3,50. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo subiu de R$ 3,30 para R$ 3,40.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango se manteve em R$ 3,65. Em Goiás o quilo vivo continuou em R$ 3,65. No Distrito Federal o quilo vivo seguiu em R$ 3,65.

Em Pernambuco, o quilo vivo passou de R$ 4,00 para R$ 4,45. No Ceará a cotação do quilo vivo subiu de 4,00 para R$ 4,40 e, no Pará, o quilo vivo aumentou de R4 4,15 para R$ 4,50.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.