Conectado com
FACE

Pet

Professor Aulus Carciofi dá detalhes sobre temas e palestras do Congresso CBNA Pet

Evento inicialmente seria realizado no mês de maio e agora deve acontecer nos dias 21 e 22 de outubro de 2020

Publicado em

em

Divulgação

Por motivo de força maior, já divulgado e conhecido por todos, a Diretoria do Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA), precisou adiar a realização do XIX Congresso CBNA Pet. O evento inicialmente seria realizado no mês de maio e agora deve acontecer nos dias 21 e 22 de outubro de 2020, no Expo D. Pedro, em Campinas, SP. O encontro, no entanto, já tem o temário pronto e muito assunto para ser discutido e aproveitado, antes mesmo de sua realização.

O Professor Aulus Carciofi, da FCAV/ UNESP, é o Coordenador da Comissão Pet do CBNA, composto por 10 membros, a maioria ligada à indústria pet no Brasil e alguns professores universitários. Todas as decisões para a organização do CBNA Pet, incluindo a grade horária, os temas a serem abordados, os melhores palestrantes para falarem sobre os temas escolhidos, coffee breaks e outras, são tomadas coletivamente. Acompanhe abaixo um bate papo com Aulus, em que ele trata de detalhes sobre o XIX Congresso CBNA Pet.

A quais fatores deve-se o sucesso do Congresso CBNA Pet?

O sucesso do CBNA Pet deve-se à pluralidade de visões e experiências de todos, que se somam para alcançar uma pauta de assuntos atual, alinhada com o mercado e também com a formação continuada dos nutricionistas de cães e gatos no Brasil. Os membros provêm de diferentes segmentos da indústria e apresentam diferentes formações acadêmicas, como agrônomos, zootecnistas, médico-veterinários, biólogos, engenheiros de alimentos que atuam junto à indústria de produtos acabados (pet food), ingredientes, aditivos e mesmo máquinas e equipamentos, como extrusores e secadores. Contando com esta diversidade de aptidões e experiências tem sido possível estabelecer excelentes trocas de ideias, que resultam em programações técnicas com boa base científica e que tem colaborado com a missão do CBNA, que é divulgar a boa nutrição animal e colaborar na formação continuada de seus associados.

A programação já está pronta? 

A programação deste ano está pronta, já foi definida no ano passado. Geralmente estabelecemos com antecedência os temas. O evento se divide em quatro blocos temáticos: nutrição, processamento, segurança alimentar e mercado. Temos também uma mesa redonda, sobre um tema atual e que requer mais uma conversa do que uma exposição.

Por vezes empresas desejam participar da programação, dividindo seu know how por meio de palestrantes que pertencem ao seu quadro funcional, ou consultores ligados à universidades. A ideia e bem-vinda, mas sempre depende da aprovação do comitê, que busca tratar temas estratégicos, que não se repitam em anos próximos e sejam considerados de interesse geral. É recomendável que a empresa se programe com antecedência de 2 anos. Nosso compromisso é sempre com o temário do evento, para que seja completo, consistente, científico e não apresente característica comercial.

Pode nos destacar duas ou três palestras e seus palestrantes que são de importância para o segmento e os motivos?

Gostaria de destacar o tema “Gorduras e ácidos graxos para cães e gatos”, no bloco de nutrição. Faremos uma experiência nova na programação deste ano, que será dividir este tema em 5 palestras diferentes e complementares, uma sobre matérias primas fontes de gordura, outra quanto a sua função nutricional, outra sobre ácidos graxos como nutracêuticos, uma sobre sua inclusão nas formulações e seu efeito como palatabilizante e uma abordagem específica sobre sua adição na ração, por se tratar de ingrediente líquido que apresenta aplicação especial. Por fim, haverá uma última abordagem, sobre a epidemia de obesidade e sua relação com as formulações e a inclusão de gordura nas rações. Desta forma, associando visões especificas relativas a diferentes especialidades, pretendemos transmitir ao público uma visão abrangente que permita uma compreensão mais aprofundada, o que não seria possível em apenas uma ou duas palestras.

As palestras foram montadas atendendo as necessidades do produtor de pet food?

Pretendemos atender um público eclético que inclui consultores, técnicos do governo, estudantes de graduação e pós-graduação, professores, empresas de matérias-primas, embalagens, equipamentos e agências de mercado. Mas o maior percentual de participantes pertence aos diversos segmentos da indústria pet food, como nutricionistas, responsáveis por marketing, gerenciamento, processamento e qualidade.

Qual é o principal ponto chave e a questão principal envolvendo o setor pet?

Separamos este ano um assunto importante para a mesa redonda, que com certeza figura entre os desafios polêmicos: a responsabilidade ambiental e o uso de recursos naturais. A indústria utiliza muitos recursos, em forma de matéria-primas, energia, material de embalagens e água. Isso tudo gera também resíduos, como as embalagens de ração. O público consumidor, constituído por proprietários de cães e gatos tem pressionado a indústria, frente à atual vivência de elevado grau de humanização dos cães e gatos. Fórmulas com ingredientes consumidos pelo ser humano (tubérculos, frutas, vegetais, grão de bico, aveia, formulações grain free e carne fresca) elevam o impacto ambiental do setor pet food, que por vezes passa a competir com a nutrição humana por matérias-primas com considerações em sustentabilidade e ética. São assuntos polêmicos, que requerem uma boa conversa.

Qual é a importância e o tamanho do setor de pet food no Brasil? Qual é a posição do Brasil a nível mundial na produção de pet food? 

O faturamento do setor é bastante elevado. No Brasil temos mais lares com cães e gatos do que com crianças. São mais de 60 milhões de cães e gatos. O setor supera os 20 bilhões de reais em faturamento anual, com produtos alimentares correspondendo a pelo menos 65% deste montante. Para atender todo este universo consumidor, o Brasil ocupa hoje o segundo lugar no mundo em volume de alimento produzido, e provavelmente o terceiro ou quarto lugar do mundo em faturamento. É bastante coisa, temos muitos animais nos lares brasileiros, alegrando e fazendo parte de nossas famílias.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =

Pet Cuidados

Veterinária dá dicas sobre cuidados importantes nos primeiros meses de vida do pet

Dicas ajudam a facilitar a adaptação do pet ao novo lar, contribuindo para que a relação tutor e pet dê certo logo no começo

Publicado em

em

Divulgação

Ao longo de 2021, a ROYAL CANIN®, marca que tem o compromisso de oferecer saúde através da nutrição a gatos e cães, está liderando conversas sobre a importância dos primeiros meses da vida de um filhote, já que este período influenciará diretamente sua saúde quando ele se tornar adulto.

Os tutores devem se preparar para a chegada do filhote e sua adaptação. Além de comprar os acessórios necessários para ele e cuidar dos preparativos adequados em casa, é vital levar o filhote ao Médico-Veterinário para uma verificação completa da saúde e para que possa tirar todas as dúvidas sobre o novo membro da família.

Confira, a seguir, dicas e orientações importantes da Dra. Priscila Rizelo, Médica-Veterinária e Coordenadora de Comunicação Científica da ROYAL CANIN® Brasil, que facilitarão a integração do pet e contribuirão para que a relação entre tutor e pet dê certo logo no começo.

1) Adaptação e alimentação

– O alimento para gatos e cães filhotes deve ser de alta qualidade e adequado à idade, raça ou porte. A ROYAL CANIN® possui fórmulas especialmente desenvolvidas para o crescimento e desenvolvimento saudável dos filhotes, que garantem uma nutrição especialmente desenvolvida para as necessidades específicas deste momento.

– Os pets adoram rotina. Por isso, uma boa dica é sempre fornecer o alimento no mesmo local e horário. Ao invés de deixar o alimento à vontade e disponível o tempo todo, respeite a quantidade indicada na embalagem e forneça em pequenas porções ao longo do dia, o que evitará o sobrepeso no filhote. Também é muito importante realizar a transição de alimentos de forma gradual quando a dieta do filhote mudar.

– Os filhotes são curiosos e gostam de explorar e, por isso, é importante garantir que a casa esteja segura antes de recebê-los. Cuidado com plantas tóxicas, objetos delicados e quebráveis. Restrinja o acesso à piscina e escadas. Telas nas janelas são fundamentais, especialmente para gatos.

– Verifique se possui tudo o que precisa para cuidar dele e ajudá-lo a se instalar no novo lar como, por exemplo: um local seguro e confortável para descanso, brinquedos interativos, comedouros e bebedouros, coleira e guia para os cães, material de limpeza seguros, equipamentos para higiene, etc.

2) Fornecimento de petiscos e recompensas alimentares

– Treinar o seu filhote é essencial para que ele se acostume com a guia e a coleira, aprenda a usar a caixa de transporte e saiba o local correto onde fazer suas necessidades. Petiscos são ótimas recompensas, mas lembre-se que as calorias devem ser contabilizadas no total diário. As calorias dos petiscos não devem exceder 10% do total de calorias ingeridas no dia.

– Outra possibilidade é utilizar croquetes da porção diária de seu alimento como recompensa, já que – dessa forma – o tutor não fornecerá calorias em excesso e manterá a dieta balanceada.

– Outras recompensas não relacionadas a alimentos podem ser elogios, atenção ou o brinquedo favorito dele. Tudo isso funcionará como um incentivo para ele repetir um bom comportamento.

3) Dicas de treinamento

– Dê o tempo necessário para o filhote conhecer a casa e vá, aos poucos, liberando o acesso aos diferentes cômodos. Supervisione para que ele não se perca e não acesse locais inadequados. Gatinhos, por exemplo, adoram se esconder dentro de armários ou dentro do forro do sofá.

– Mostre ao filhote onde fica sua área de dormir, área de alimentação e de necessidades. Esses locais devem ficar distantes uns dos outros.

– Para que o cão aprenda a ficar sozinho, introduza o distanciamento aos poucos para que ele não associe a uma experiência negativa.

– Gatos devem ter, diariamente, brincadeiras que simulam a caça. Use brinquedos como ratinhos, bolinhas e varinhas. Alimentos úmidos são as recompensas ideais para finalizar a “caçada”.

– É importante reforçar as ações desejadas e parabenizar o filhote por isso. Reforce sempre o comportamento positivo.

– Não castigue ou repreenda um filhote que tenha cometido um “acidente”. Em vez disso, ignore as ações indesejadas.

– As sessões de treinamento não precisam ser complicadas ou durar horas. Depois de um tempo, a atenção do filhote pode começar a se desviar. Portanto, faça sessões de treinamento curtas e frequentes, mesmo que seja necessário repetir a mesma sessão algumas vezes.

– Para ajudar o filhote a entender, é vital ser consistente. Por exemplo, você não deve permitir algo um dia e proibir em outro. Quando se trata de treinamento, a melhor abordagem é sempre usar as mesmas palavras para os mesmos comandos e incentivar os membros da família a fazerem o mesmo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Pet Dicas

Veterinário dá dicas importantes de como cuidar de cães e gatos com a continuação do isolamento social

Tutores precisam estar atentos a saúde do animal, como parasitas, mesmo dentro de casa

Publicado em

em

Divulgação

A continuação do isolamento social em muitos estados brasileiros impacta diretamente na vida das pessoas e também dos animais, que seguem sendo a companhia de muita gente nesse período. No entanto o que pouca gente sabe é que alguns cuidados, como a utilização de antiparasitários, devem continuar sendo realizados com os cães e gatos. De acordo com Ahmed A. Álvarez, médico-veterinário e gerente de produto pet da MSD Saúde Animal, não é porque eles estão mais em casa que não estão expostos às doenças. Assim, separamos algumas dicas para o tutor ficar atento e continuar garantindo uma vida melhor ao pet neste isolamento social.

Pulgas e carrapatos vivem dentro de casa!

Você sabia que as pulgas e carrapatos vivem mais dentro do que fora de casa? Então, se você acha que, fazendo isolamento social, seu pet não está arriscado a contrair esses parasitas, você está errado. De acordo com o pesquisador Nicolau Serra-Freire, do Laboratório de Diversidade Entomológica do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), apenas 5% deles estão no animal, enquanto 95% estão no ambiente, e a melhor maneira de prevenir a infestação é manter o lugar limpo e higienizado.

Para isso, além da limpeza tradicional, é preciso que o tutor utilize um medicamento antiparasitas, alerta Ahmed. “É muito importante que o dono administre um produto com rápida eficácia e longa duração. Assim, além de cuidar do animal, também está protegendo o lar e a família”, explica.

Além disso, o veterinário ressalta que a atenção deve ser mantida tanto com os cães quanto com os gatos, que, por serem animais mais independentes e caseiros, algumas pessoas acreditam serem insuscetíveis aos parasitas. Então, fica a dica: para ajudar na aplicação, existe até um produto transdermal, colocado no pescoço do felino, o que evita o estresse da administração.

Carteira de vacinação em dia, hein?!

Não deixe de conceder as doses de vacinação e prevenção ao seu pet. Esse controle é muito importante para manter o sistema imunológico do animal bem e livre de inúmeras doenças.

“Manter a carteira de vacinação em dia é muito importante. Mas é sempre bom ter em mente que cada cachorro ou gato possui perfil, comportamento, raça e necessidades diferentes. Por isso a sugestão é que cada calendário vacinal seja avaliado e montado diretamente com o profissional de veterinária, para que assim ele possa montar um plano preciso para cada pet”, orienta o especialista.

Dica final do vet

Aproveite o momento para ficar ainda mais pertinho do seu pet. Além de ele ser especial, transmitir amor e carinho, diversas pesquisas comprovam que ele pode ajudá-lo neste momento tão delicado. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, em 2019 o Brasil foi o país com mais pessoas ansiosas do mundo, cerca de 18,6 milhões, e, olha que bacana, o convívio com animais de estimação estimula a produção e a liberação de endorfina e serotonina, o que proporciona sensação de bem-estar e relaxamento. Então, desfrute desse benefício!

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Pet Nutrição

Quais os nutrientes ideais para o alimento do pet?

Cães e gatos têm necessidades nutricionais específicas, que podem ser atendidas com alimentos completos e balanceados

Publicado em

em

Divulgação

Uma boa alimentação e escolha dos alimentos para os pets busca não apenas o atendimento mínimo das necessidades nutricionais, mas sim um balanceamento ideal dos nutrientes. Além de alimentar, o objetivo é proporcionar saúde e bem-estar, de modo que cães e gatos vivam mais e melhor junto aos seus tutores.

A formulação de um alimento completo para os pets tem como princípio básico garantir que os nutrientes que eles precisam sejam incluídos na alimentação em quantidades adequadas.

“Embora atualmente existam muitas opções de alimentos para cães e gatos, nem todas atendem plenamente suas necessidades nutricionais. Por isso, é válido saber quais são os principais nutrientes que compõem a fórmula de um alimento e que fazem toda a diferença nos produtos de alta qualidade”, afirma Flavio Silva, mestre em nutrição de cães e gatos e supervisor de capacitação técnico-científica da PremieRpet®.

Antes de escolher o alimento para o cão ou gato, é indicado consultar um médico-veterinário, que vai prescrever a dieta levando em conta uma série de informações sobre o pet. Um filhote, por exemplo, necessita de um nível mais alto de proteínas e energia do que um adulto. Um animal castrado, por sua vez, demanda redução na ingestão calórica para evitar o ganho de peso. São diversas as especificidades que precisam ser levadas em conta.

“A ciência de nutrição evoluiu muito e hoje temos alimentos específicos para diferentes faixas etárias, portes, raças, para animais castrados e até para apoiar no tratamento de algumas doenças”, aponta Flavio Silva.

Principais nutrientes que devem ser observados no alimento

Nutriente
Para que serve?
Informações

 

 

 

Proteínas
Constituem as estruturas corporais do animal, como músculos, tendões, pelos e órgãos. Formam hormônios, enzimas, anticorpos e fornecem energia.
Podem ser de origem vegetal (soja e milho) ou animal (carnes, peixes, ovos, leite e frango). Ingredientes ricos em proteína de alto valor biológico: proteína isolada de soja, ovo integral em pó, farinha de vísceras de frango, farelo de glúten de milho 60, proteína concentrada do soro do leite, plasma suíno em pó e farelo de glúten de trigo.

 

 

 

Gorduras
Fazem parte da constituição de todas as células do corpo e são fonte de energia. Fornecem os ácidos graxos essenciais (ômega 6 e 3) e permitem a absorção das vitaminas A, D, E e K.
Podem ser de origem animal (gordura de frango, gordura suína e óleo de peixe) ou vegetal (óleo de linhaça e óleo de soja).

 

 

 

Carboidratos
Fornecem energia ao organismo.
Podem ser encontrados em cereais, tubérculos e frutas. O milho integral moído e a quirera de arroz são as fontes mais comuns de carboidrato em alimentos para cães e gatos.

 

 

 

Fibras
Regulam o intestino, dão consistência às fezes, auxiliam no controle de calorias do alimento e no controle de bola de pelos nos gatos.
Podem ser encontradas na parte estrutural de plantas, como a polpa de beterraba branca, arroz e aveia.

 

 

 

Vitaminas e minerais
Reforçam o sistema imunológico, auxiliam na produção de energia, fortalecem os ossos, a visão e o crescimento dos animais, além de possuir atividade antioxidante e fatores de coagulação.
Alguns são sintetizados pelo corpo e outros devem ser obtidos através da alimentação. São incorporados e balanceados nos alimentos comerciais através de um ingrediente chamado Premix.

Além disso, alimentos classificados como Super Premium, Premium Especial e Premium possuem também os chamados ingredientes funcionais, ou seja, nutrientes que quando consumidos produzem benefícios extras à saúde. Entre eles, destacam-se:

MOS, FOS, GOS: Prebióticos que promovem maior equilíbrio e saúde intestinal, melhora o aproveitamento dos alimentos e reduz o odor de fezes;

Hexametafosfato de sódio: Promove a saúde oral, reduzindo a formação de tártaro e prevenindo o mau hálito;

BCAA: Auxilia no ganho de massa muscular e diminui o dano muscular após exercícios;

Extrato de Yucca: Reduz o odor das fezes.

Flavio Silva reforça que os alimentos de alta qualidade, e nas quantidades certas, proporcionam a cães e gatos uma boa nutrição ao longo de toda a vida. “Tutores que têm o cuidado de oferecer um alimento super premium para seus pets, sem dúvida estão garantindo a eles uma vida mais saudável e feliz”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.