Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas Oeste

Produtores de leite estão deixando atividade no Paraná

Segunda maior bacia leiteira do Estado vai, aos poucos, perdendo produtores por falta de sucessão, falta de investimentos em tecnologia e qualidade do leite

Publicado em

em

Leme Comunicação

Oscilação de preço, falta de sucessão familiar e necessidade de alto investimento em tecnologia. Esses são apenas alguns dos motivos que levaram, nos últimos anos, a uma significativa queda no número de produtores de leite em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná. O município é o segundo maior produtor de leite do Estado.

 Na Associação Leite Oeste, em três anos, o número de produtores associados caiu e 150 para 92. Já a Cooperativa Agroindustrial Leite Oeste (Coopermilch), que faz a venda do leite dos produtores cooperados a laticínios, teve baixas ainda maiores, de acordo com o presidente Alceu Bergmann. “Chegamos a reunir 200 cooperados, mas baixamos para uma média de 80 produtores. Em captação de leite, já chegamos a 45 mil litros por dia. Hoje estamos, em média, na casa dos 12 a 15 mil litros ao dia”, informa.

Esta é uma realidade que não se restringe apenas a Marechal Rondon. Um mapeamento da produção leiteira do município, junto a Toledo e Cascavel, que juntos formam a segunda maior bacia leiteira do Estado, revelou que existem hoje na região cerca de mil propriedades produtoras de leite. Juntas, elas produzem aproximadamente 350 milhões de litros ao ano, no entanto, o número de salas de ordenha já foi muito maior. “Muitos produtores saíram da atividade por diferentes fatores. Tivemos um período muito grande de oscilação no mercado leiteiro e houve um período em que o mercado do leite não atendeu mais o preço do campo, o que fez com que muitos produtores quebrassem e saíssem da atividade”, expõe Bergmann. 

Por ser uma tarefa bastante pesada, os produtores de mais idade também acabaram se aposentando e saindo da atividade. A falta de sucessão familiar, de acordo com o presidente da Associação Leite Oeste, Ervino Krause, foi outro fator determinante para a significativa redução de produtores de leite no município. “Além daqueles que não têm sucessão, os pequenos produtores que não tinham segurança para fazer investimento em tecnologia também deixaram de produzir”, aponta.

Apesar da redução na quantidade de produtores, o presidente da Leite Oeste opina que o leite foi parar, em sua maioria, em outros resfriadores. “O rebanho foi trocando de proprietário”, diz.

Tecnologia e qualidade

A necessidade de tecnificar a propriedade e cada etapa da produção leiteira, a fim de atingir os patamares de qualidade exigidos pela indústria e, principalmente, pelos consumidores, é outro motivo que levou à diminuição no número de produtores. “Tivemos uma recuperação no mercado, mas ainda há muita insegurança, por isso o produtor tem receio de investir”, avalia Bergmann.

Ele diz que hoje, com as novas normativas que entrarão em vigor acerca da qualidade do produto a ser entregue nos laticínios, é indispensável que o produtor faça investimentos em tecnologia para atender os requisitos de qualidade, tendo em vista que as normas são, de certa forma, rigorosas.

A falta de um controle rigoroso de qualidade no leite culmina em um produto rejeitado pelos compradores ou que sofre descontos no momento da venda. “Essa qualidade, porém, precisa existir em toda a cadeia. Não adianta o produtor se empenhar em cumprir todas as exigências e produzir um leite de extrema qualidade se o freteiro, por exemplo, não seguir este mesmo padrão. O fator qualidade é outro que levou à desistência de muitos, pois este é um produto muito perecível, que facilmente pega cheiro e gosto”, analisa Krause.

Com a diversificação de atividades nas propriedades, o leite tornou-se uma das opções entre tantas para quem quer viver no campo, não sendo mais a principal delas. A redução no número de produtores em Marechal Rondon, município que, no passado, teve sua economia pautada na produção leiteira e na troca do “cheque do leite”, preocupa os envolvidos na cadeia produtiva. “E não apenas nós que produzimos, mas todos aqueles que consomem e deve preocupar também quem vive aqui, pois sem dúvida a diminuição do número de produtores de leite impacta na economia local”, acredita Bergmann.

Ainda vale a pena

Ele comenta que, apesar dos aspectos negativos, ainda vale a pena produzir leite, especialmente aos pequenos produtores que têm como foco entregar um produto de qualidade. “O pequeno produtor sempre vai ter uma renda mensal, o que era conhecido no passado como cheque do leite, diferente de outras atividades como frango e suínos que demandam de altos investimentos e um ciclo de produção mais demorado”, compara. “Não tem nada que se pague tão rápido como uma vaca de leite. Uma vaca em uma lactação, no valor bruto, se paga e ainda sobra dinheiro”, afirma.

Krause opina que quem melhor sobrevive na atividade hoje é o tirador de leite. Entretanto, este tipo de produção deve acabar com o tempo, tendo em vista a resistência à tecnificação. “O pequeno produtor tem a mesma chance que o grande produtor tem, mas falta muita iniciativa em buscar treinamento de mão de obra e melhorar a forma de produzir, por isso é importante se atentar para como melhorar dentro de sua propriedade”, enaltece.

Mesmo que o produtor esteja recebendo menos do que há alguns anos, o presidente da Leite Oeste afirma que há projeção de aumento para o momento, o que reforça o fato de ser viável a produção de leite para aqueles que primam por qualidade e tecnologia em sua propriedade. “O que dita esse preço para nós é a oferta e a demanda e a demanda vai se dar pelo poder aquisitivo médio/alto de quem vai consumir doce de leite, queijo, os produtos industrializados. O leite fluído tem uma oscilação de consumo muito pequena”, menciona.

O que pode melhorar a condição de renda dos produtores hoje, salienta Krause, é o fim da vacina contra febre aftosa, que poderia garantir ao Paraná status de zona livre de febre aftosa sem vacinação – objetivo que os setores público e privado trabalham para conquistar. “Hoje o produtor está recebendo, em média, R$ 1,30, mas já chegamos a receber R$ 1,70, todavia, como trata-se de um alimento, jamais o preço do leite irá disparar”, avalia.

Fonte: O Presente
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + seis =

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição

Minerais orgânicos “turbinam” absorção de nutrientes pelo gado

Fontes orgânicas de minerais têm sido bastante estudadas, e os resultados comprovam que são mais biodisponíveis

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Ricardo Fasanaro, zootecnista 

A evolução constante da agropecuária brasileira é consequência de investimentos em nutrição, genética, manejo, sanidade e ambiência, que resultam na melhora do desempenho animal. Um dos principais focos das pesquisas é a nutrição mineral, geralmente incluída nas rações por meio de fontes salinas inorgânicas simples, como os sulfatos, óxidos, carbonatos e cloretos.

Atualmente, as fontes orgânicas de minerais têm sido bastante estudadas, e os resultados comprovam que são mais biodisponíveis. Quando utilizamos esse termo, biodisponibilidade, nos referimos à quantidade de um nutriente ingerido pelo animal que realmente é absorvida, ficando disponível ao animal.

Nem todo nutriente que forneço ao meu animal é utilizado por ele. Para serem absorvidos, os minerais (e demais nutrientes) precisam alcançar os enterócitos. Os enterócitos são células presentes no intestino, responsáveis por absorver os nutrientes e enviá-los para a corrente sanguínea, que fará a distribuição pelo organismo.

Antes de alcançarem essas células no intestino, os minerais inorgânicos atravessam uma camada de água e uma camada de muco, que representam obstáculos. Na camada de água podem se ligar à fatores dietéticos (ex.: fitato), formando complexos não absorvíveis, são as interações negativas. A camada de muco possui elétrons negativos, tornando difícil para os minerais inorgânicos com cargas positivas (ex.: Zn2+, Fe2+) atravessá-la.

Quando finalmente alcançam os enterócitos, há o antagonismo, ou seja, os minerais competem entre si para acessarem os locais de absorção, limitando ainda mais a absorção. Dessa forma, grande parte dos minerais fornecidos aos animais não são absorvidos, sendo excretados nas fezes.

Por que é diferente com os minerais orgânicos?

Os minerais orgânicos apresentam o elemento mineral ligado a moléculas orgânicas (aminoácidos, proteínas, carboidratos). Essa ligação faz com que os elétrons não fiquem mais disponíveis, impedindo que ocorram as interações negativas, facilitando a passagem pela camada de muco e evitando o antagonismo, uma vez que, agora, os minerais não precisam mais competir pelos locais de absorção, são absorvidos junto com as moléculas orgânicas às quais estão ligados, como se estivessem “mascarados”. Assim, os minerais orgânicos são mais absorvidos, ou seja, mais biodisponíveis.

Existem 5 tipos de minerais orgânicos, que diferem entre si em tamanho, moléculas orgânicas utilizadas como ligantes (carboidratos, aminoácidos, proteínas), tipos de ligações químicas e estabilidade das ligações.

  1. Complexo Metal Aminoácido;
  2. Complexo Metal Aminoácido Específico;
  3. Quelato Metal Aminoácido;
  4. Metal Proteinato;
  5. Metal Polissacarídeo.

Qual a relação entre a biodisponibilidade dos minerais e a minha produtividade?

A utilização dos minerais orgânicos na nutrição animal permite que os nutricionistas trabalhem com menores níveis suplementados, reduzindo os custos. Por serem melhor aproveitados, os minerais orgânicos resultam em melhor desempenho zootécnico dos animais, aumentando a produção de carne e leite e, ainda, melhorando a qualidade desses produtos.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Apoio à agricultura e pecuária

Plano Safra 2019/2020 é lançado com R$ 225,59 bilhões

Ministra Tereza Cristina destacou que o plano atenderá pequenos, médios e grandes produtores

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O governo federal lançou nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o Plano Safra 2019/2020, que irá atender pequenos, médios e grandes produtores, todos juntos em um único plano após 20 anos. O plano prevê R$ 225, 59 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional. Do total, R$ 222,74 bilhões são para o crédito rural (custeio, comercialização, industrialização e investimentos), R$ 1 bilhão para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) e R$ 1,85 bilhão para apoio à comercialização.

“Toda a agricultura, independentemente  de seu porte,  desempenha papel fundamental para garantir a nossa segurança alimentar e de nossos 160 parceiros comerciais. Então essa é a primeira vez, depois de muito tempo, que lançamos um único Plano Safra. Fato que merece ser realçado: temos enfim uma só agricultura alimentando com qualidade o Brasil e o mundo”, destacou a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) no anúncio, acompanhado por diversos ministros, secretários do ministério, parlamentares e representantes dos setores agrícola e pecuário.

O presidente Jair Bolsonaro elogiou a construção conjunta da equipe de governo para o Plano Safra e destacou inovações como a disponibilização de recursos, R$ 500 milhões, para os pequenos produtores aplicarem na construção e reforma de suas casas. “Foi uma construção que passou por muita gente. Eu fico muito feliz de estar à frente de um governo onde todos se falam entre si. Aqui não há briga política, apenas para que cada um possa servir o Brasil”, disse Bolsonaro.

De acordo com o Ministério, foram liberadas mais verbas para subvenção do crédito dos pequenos produtores. E os médios produtores serão beneficiados com aumento de 32% nas verbas de custeio e investimento, a taxas compatíveis com o negócio. Também pela primeira vez, os pequenos agricultores vão poder usar recursos do Plano Safra para construir ou reformar suas casas. Outra novidade é que o agronegócio passa a ter mais opções de financiamentos em bancos.

Entenda alguns pontos do Plano Safra:

  • O Plano Safra 2019/2020 contará com R$ 225,59 bilhões para apoiar pequenos, médios e grandes produtores. A maior parte será destinada para crédito rural e com taxas de juros em níveis que permitem adequado apoio ao produtor rural;
  • O plano traz mais oportunidades para pequenos e médios produtores. Os beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar terão R$ 31,22 bilhões à disposição. E as verbas para o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural cresceram 32%, passando para R$ 26,49 bilhões;
  • Será destinado R$ 1 bilhão para subvencionar a contratação de apólices do seguro rural em todo o país. Esse é o maior montante que o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) já recebeu;
  • Os recursos da LCA para o crédito rural foram ampliados para R$ 55 bilhões. Haverá ainda permissão para que a CPR seja emitida com correção pela variação cambial;
  • O Plano Safra 2019/2020 prevê R$ 53,41 bilhões para investimentos. Para os programas, a taxa de juros varia de 3% ao ano a 10,5% ao ano. Uma das novidades é a mudança no limite de crédito do Moderinfra;
  • O produtor rural poderá acessar dados do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) por meio de aplicativo para tablets e smartphones: o Zarc Plantio Certo. Assim, com uma consulta mais fácil e rápida, poderá saber qual a melhor época do ano para o plantio.

Fonte: O Presente Rural com informações do Mapa
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Genética

Seleção de touro reprodutor influencia no melhoramento genético do rebanho

Avaliação de um bom reprodutor deve ser fenotípica e reprodutiva

Publicado em

em

Ricardo Paino Beltrame

A escolha de um bom reprodutor começa cedo. De acordo com a pesquisadora Cintia Marcondes, da Embrapa Pecuária Sudeste, já no lote da desmama o pecuarista precisa ficar atento ao bezerro macho que se mostrar superior em peso, conformação e perímetro escrotal.

Um reprodutor influencia no melhoramento genético e nos índices reprodutivos do rebanho. Segundo o pesquisador Alexandre Rossetto Garcia, apesar da contribuição genética do touro e da vaca ser igual nos bezerros (50% de cada), o macho é responsável por mais de 90% do material genético do rebanho. Isso porque um touro é acasalado com várias fêmeas, deixando muitos filhos a cada ano.

A avaliação de um bom reprodutor deve ser fenotípica e reprodutiva. O primeiro passo é analisar as características zootécnicas. O animal que passar por esta fase, deve ser avaliado do ponto de vista reprodutivo.

Dentre os critérios fenotípicos, devem-se observar várias características. Aprumos, cascos e articulações sem defeitos, por exemplo. É fundamental que o prepúcio seja curto para diminuir a incidência de parasitas e lesões no campo. Atributos que indiquem tolerância ao calor, como pelagem curta e pele pigmentada, também precisam ser consideradas. “Dessa maneira, para um reprodutor que serve a campo, temos a garantia de que estará mais apto para aguentar as condições tropicais, já que o estabelecimento da Estação de Monta coincide com o período de temperaturas mais altas na região Centro-Sul”, esclarece Cintia.

Outro critério é ver se o animal se enquadra nos padrões raciais estabelecidos pelas associações nacionais das raças, o que pode ser feito por meio de vistoria dos técnicos ligados a cada Associação.

Para facilitar a escolha do pecuarista, várias características são avaliadas por programas de melhoramento e estão disponíveis para reprodutores ou sêmen. O uso dessas informações é recomendado. “A escolha vai depender de quais as DEPs (Diferenças Esperadas na Progênie) são as ideais para os objetivos de seleção da fazenda. Características de crescimento (DEP para peso ao desmame), de precocidade (DEP para perímetro escrotal) ou de carcaça (DEP para musculatura e conformação) são alguns exemplos”, explica Cintia.

A libido e a capacidade de serviço também são pontos para serem levados em consideração. Ou seja, o touro precisa ter a capacidade de identificar vacas em cio e realizar a monta.

Já, em relação às características reprodutivas, a fertilidade é essencial. Garcia destaca que na hora da escolha de um reprodutor é necessária a avaliação clínica andrológica. Nesse teste, o médico veterinário analisa, primeiramente, as características físicas externas. Caso haja alguma anomalia morfológica, o animal é desclassificado. Na sequência, é realizado o exame do sistema reprodutivo externo e interno. No externo, é observada a conformação dos órgãos reprodutivos. Também são realizadas medidas de escroto e testículos. Os órgãos sexuais internos são avaliados por palpação e ultrassonografia. Após é coletado sêmen para análise da quantidade e da qualidade seminal para conhecer a potencial fertilidade do touro. Com o atestado andrológico positivo, o touro está apto para a reprodução.

Para seleção do reprodutor é essencial que a decisão do pecuarista seja tomada com base em critérios focados para o alcance dos resultados esperados no sistema de produção. Hoje, o mercado disponibiliza touros avaliados com preços acessíveis ao pecuarista.

Fonte: Embrapa Pecuária Sudeste
Continue Lendo
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral
Evonik – Aminored

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.