Conectado com

Notícias Qualidade do Leite

Produtores de leite devem se adaptar a novas regras de produção

Em novembro, foi aprovada uma atualização na norma de produção de leite no Brasil que altera valores de referência

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Segundo o veterinário da APCBRH (Associação Paranaense de Criadores Bovinos da Raça Holandesa), Avelino Manoel Figueiredo Correa, é obrigatório que toda indústria de leite envie amostras do tanque de cada propriedade coletada para um dos laboratórios credenciados pela RBQL (Rede Brasileira de Qualidade do Leite) para que seja feita uma análise da qualidade do leite.

Em novembro de 2018, foi aprovada uma atualização na norma de produção de leite no Brasil que altera valores de referência utilizados para indicar se o leite está bom para o consumo. O mais impactante é a contagem bacteriana. A partir de maio de 2019, caso o tanque do produtor apresentar um valor superior à de 300 mil de contagem bacteriana, por 3 meses consecutivos, o produtor não poderá comercializar mais o seu leite.

A APCBRH tem feito um trabalho que auxilia os produtores no monitoramento da qualidade do leite. O produtor pode enviar para o laboratório amostras do leite tendo um retorno em cerca de 5 dias do resultado. O veterinário ressalta que o laboratório faz a análise do tanque, mas também fazem análises de amostras individuais por animal, “com isso serão identificadas quais as vacas que estão realmente impactando na qualidade do leite do produtor”, afirma Avelino.

Em parceria com a Coopavel, Cooperativa Agroindustrial de Cascavel, serão feitas coletas das amostras individuais dos associados uma vez por mês na cooperativa. Sem custo nenhum para o produtor. Cooperados interessados podem entrar em contato com seu técnico da Coopavel para obter mais informações de como isso funciona.

Figueiredo comenta ainda que esse trabalho de coleta de amostras individuais irá beneficiar o produtor não apenas por auxilia-lo a se adequar com a legislação, mas também poderá resultar em uma maior produtividade de leite. Com a análise será possível identificar algumas doenças que causam perda de produção da vaca leiteira, ou seja, com o controle da sanidade do leite, o produtor poderá aumentar a produção de seu rebanho. Além disso, algumas indústrias pagam de 8% a 10% a mais de acordo com a qualidade do produto.

Para mais informações, Avelino e outros veterinários estão presentes no Show Rural Pecuário dentro da feira tecnológica. A APCBRH possui um estande montando próximo ao pavilhão C.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 15 =

Notícias Mercado

Preços do boi gordo passam por correção após disparada

Dificuldade em repassar altos custos no mercado doméstico resultou na necessidade dos frigoríficos de reavaliar preços de venda no atacado

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve preços expressivamente mais baixos nas principais regiões produtoras do país na primeira semana de dezembro, em movimento de correção após os recordes registrados nos últimos meses. “O singular aumento nos preços superou todas as expectativas, e movimentos tão agressivos assim sugerem uma correção. E foi isso o que exatamente ocorreu nessa primeira semana do mês”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, a dificuldade em repassar os altos custos no mercado doméstico resultou na necessidade dos frigoríficos de reavaliar seus preços de venda no atacado, mudando também a postura na compra de gado. Apesar disso, os negócios seguiram fluindo com bom volume, ao mesmo tempo que o pecuarista continuou trabalhando com boas margens apesar da queda nos preços

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 05 de dezembro:

  • São Paulo (Capital) – R$ 205 a arroba, contra R$ 233 a arroba em 28 de novembro, caindo 12%.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 199 a arroba, ante R$ 220 a arroba (-9,5%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 204 a arroba, contra R$ 230 a arroba (-11,2%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 198 a arroba, ante R$ 221 a arroba (-10,3%).
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 196 a arroba, ante R$ 217 a arroba (-9,6%).

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 755,8 milhões em novembro (20 dias úteis), com média diária de US$ 37,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 155,6 mil toneladas, com média diária de 7,8 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.857,60.

Na comparação com outubro, houve alta de 14% no valor médio diário da exportação, ganho de 4,9% na quantidade média diária exportada e alta de 8,6% no preço. Na comparação com novembro de 2018, houve ganho de 45% no valor médio diário, alta de 19,3% na quantidade média diária e ganho de 21,6% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Com fim da colheita de trigo em novembro, agentes avaliam qualidade

Levando em conta a menor produtividade e o pouco volume de melhor qualidade, há necessidade de importações

Publicado em

em

Divulgação/SECS

Com a colheita do trigo já encerrada no Paraná e quase finalizada no Rio Grande do Sul, o mercado avalia a qualidade do grão colhido. Esta é bastante variada devido às oscilações climáticas ao longo da safra.

Levando em conta a menor produtividade e o pouco volume de melhor qualidade, há necessidade de importações, buscando atender à demanda interna. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, em paralelo a isso, o mercado volta suas atenções ao câmbio atualmente elevado, que aumenta representativamente os custos de aquisição do trigo no mercado externo, pelas paridades de importação. “Isso gera um ganho de competitividade ao trigo nacional, frente ao importado, abrindo espaços para maiores elevações no mercado doméstico, além do fator de oferta reduzida, devido as quebras de produtividade”, disse.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita do trigo no Paraná foi finalizada na área, estimada em 1,023 milhão de hectares, contra 1,102 milhão de hectares em 2018, queda de 7%.

A safra 2019 de trigo do Paraná deve registrar uma produção de 2,132 milhões de toneladas, abaixo das 2,808 milhões de toneladas colhidas na temporada 2018. A produtividade média é estimada em 2.208 quilos por hectare, abaixo dos 2.567 quilos por hectare registrados na temporada 2018.

Rio Grande do Sul

A colheita do trigo no Rio Grande do Sul atinge 98% da área. Os trabalhos avançaram 7 pontos percentuais na semana. Em igual período do ano passado, cobriam 96%. A média para o período é de 96%. Restam apenas algumas lavouras, principalmente na região serrana. A área implantada com o cereal nesta safra é de 757.320 hectares.

Argentina

A colheita da safra 2019 de trigo da Argentina atinge 31,1% da área. Os trabalhos avançaram 10,9 pontos percentuais desde a semana passada e estão 0,9 pontos atrasados em relação ao ano passado.

A superfície total é estimada em 6,6 milhões de hectares, 400 mil hectares acima do ano passado e a maior área em 18 anos. A área apta para colheita é de 6,547 milhões de hectares. A projeção para a produção fica em 18,5 milhões de toneladas. Em números absolutos, foram colhidas 5,255 mil toneladas em 2,034 milhões de hectares.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Segundo Safras

Produção brasileira de soja deve romper 125 mi de t em 2019/20

No relatório anterior, divulgado em outubro, SAFRAS apostava em produção de 125,754 milhões de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de alguns problemas pontuais, o plantio e o desenvolvimento inicial da safra brasileira de soja vão ocorrendo de forma satisfatória. Até o momento, as perspectivas são extremamente favoráveis e a produção deverá romper 125 milhões de toneladas, consolidando a primeira posição do Brasil no ranking mundial.

Os produtores brasileiros de soja deverão colher 125,465 milhões de toneladas em 2019/20, com crescimento de 5,2% na comparação com o ano anterior, quando a safra ficou em 119,306 milhões de toneladas. A projeção faz parte do mais recente levantamento de SAFRAS & Mercado.

No relatório anterior, divulgado em outubro, SAFRAS apostava em produção de 125,754 milhões de toneladas.

SAFRAS trabalha com área de 37,032 milhões de hectares, com aumento de 1,8% sobre o ano anterior e batendo novo recorde. No ano passado, a área ocupou 36,384 milhões de hectares. A produtividade está estimada em 3.405 quilos por hectare, superando o rendimento médio de 3.296 quilos obtido no ano passado.

Segundo o analista de SAFRAS, Luiz Fernando Roque, foram feitos apenas alguns ajustes pontuais em estimativas de áreas e produtividades estaduais. “Apesar de haver registros de problemas devido ao clima irregular em alguns estados, ainda é cedo para se falar em perdas relevantes”, avalia Roque.

Foram feitos ajustes negativos pontuais nas produtividades médias esperadas para os estados do Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia. Em contrapartida, alguns estados tiveram suas estimativas de produtividades elevadas, caso de São Paulo e Minas Gerais. “Daqui para frente, se o clima for positivo, entendemos que os problemas serão superados”, disse.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Mais carne
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.