Conectado com

Notícias 12ª edição

Produtor do PR colhe mais do que o dobro da média nacional e é campeão do Desafio CESB

Sojicultor teve produção de 118,82 sacas por hectare na safra 2019/2020

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Mais uma vez o Desafio CESB de Máxima Produtividade de Soja, promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB), traz números que ultrapassam a média nacional de produção de soja. O produtor Laercio Dalla Vechia, de Mangueirinha (PR), é o grande campeão nacional do concurso, com 118,82 sacas de soja por hectare (sc/ha) produzidas na safra 2019/2020. Esse número é mais do que o dobro da média nacional estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra atual, que ficou em 55,5 sc/ha.

O sojicultor campeão destaca que, para atingir um alto nível de produtividade, utilizou o chamado “tripé básico” da agricultura. “Unimos os trabalhos nas condições físicas, biológicas e químicas do solo para conseguir um bom resultado. É o básico bem feito”, destaca Dalla Vechia. Ele conquistou a categoria nacional no plantio em sequeiro. “Choveu um pouco abaixo da média, mas foi o suficiente para a planta se manter no início do cultivo. Além disso, nessa safra fez mais calor na nossa região, o que nos beneficiou, pois ajudou na fotossíntese da planta”, revela. “Podemos fazer mais, fazendo o básico bem feito”, afirma.

Esse foi o quinto ano que o produtor paranaense se inscreveu ao Desafio do CESB. “Ano após ano eu mudo algo no meu manejo para tentar elevar o patamar. Tenho o Desafio como inspiração, vejo os outros produtores alcançando altos níveis e me pergunto: como eu faço para conseguir melhorar a minha lavoura e chegar a esses níveis também?”, reflete o campeão da 12ª edição do concurso.

O presidente do CESB, Leonardo Sologuren, lembra que os sojicultores enfrentaram dificuldades nessa safra. Análises feitas pelo sistema de precisão meteorológica Agrymax, levantados pelo CESB, demonstraram que os sojicultores tiveram quebras de produtividade de até 63%. “Porém vemos o ótimo trabalho que os produtores tiveram para contornar essa situação, alcançando altos níveis de produtividade. Nessa safra tivemos 284 sojicultores chegando a resultados acima de 90 sc/ha”, afirma.

Campeões regionais

Além do campeão nacional, o CESB também premia os sojicultores que se destacaram em suas respectivas regiões. O segundo maior patamar de produtividade foi registrado pelo produtor Antonio Quedes de Oliveira Neto, de Patrocínio (MG), com o índice de 118,63 sc/ha. Ele é o campeão da região Sudeste. “O que me levou a chegar a essa produtividade foi a aplicação da tecnologia no campo, agregando conhecimento, e também a ajuda dos nossos consultores”, relata Neto.

Além disso, o sojicultor destaca a questão da criação do perfil de solo. “Tivemos um trabalho muito forte na agricultura de precisão, chegando a uma excelente estrutura de solo para plantar, o que fez a diferença”, ressalta.

Já o produtor Eliseu José Schaedler, de Boa Vista das Missões (RS), conseguiu a produção de 111,93 sacas por hectare e se consagrou o campeão da categoria irrigada e do Sul. “Há 11 anos estamos trabalhando na construção de um solo saudável e unificado. Tivemos bastante trabalho, mas buscamos informação e respaldo na tecnologia para atingir o nosso objetivo de elevar a produtividade”, informa.

Ele destaca os problemas com o clima nessa safra, em que houve bastante seca na região. “Porém, sempre procuramos usar as tecnologias disponíveis, em todas as áreas, análise de solo, plantio, pulverização, colheita e monitoramento da lavoura, para contornar essa situação”, declara Schaedler.

No Centro-Oeste, quem se destacou foi o produtor Elton Zanella, de Campos de Júlio (MT). Em sua fazenda foram produzidas 103,19 sacas de soja por hectare, garantindo o prêmio naquela região.

O que mais o ajudou a chegar a esse resultado foi a construção do perfil de solo em profundidade, manejo de nematoides com planos de cobertura para auxiliar no combate a pragas e a escolha de uma semente com alto potencial produtivo. “Ganhar o Desafio veio para efetivar o trabalho de toda a equipe, que está sempre engajada no propósito de bater recordes de produtividade. Descobrimos muitos aprendizados que são aplicados em outros talhões da fazenda, para alcançarmos altas produtividades como um todo”, declara.

Completando o time de campeões do Desafio CESB está o condomínio Milla, administrado pelos produtores Ernest e Robert Milla, de Baixa Grande do Ribeiro (PI). Ele conquistou a marca de 101,79 sc/ha, sendo o campeão do Norte/Nordeste.

Os produtores contam que enfrentaram irregularidades com as chuvas nessa safra, mas conseguiram contornar o empecilho com um bom manejo químico e físico do solo. “É uma área que estamos trabalhando há 15 anos e vemos que deu resultado. A equipe está engajada em atingir esses altos níveis, por isso conquistar esse prêmio é muito gratificante”, afirma Ernest.

Altos índices

Todos os resultados são auditados de forma independente e seguindo rigorosos critérios, para garantir a veracidade dos números alcançados. Nessa edição do Desafio, o CESB registrou um número recorde de auditorias realizadas, chegando a 909 propriedades de sojicultores visitadas pela equipe técnica em todo o Brasil.

O diretor-executivo do CESB, Luiz Antonio da Silva, ressalta os altos índices de produtividade que os sojicultores vêm apresentando ao longo dos anos no Desafio. Nesta safra de 2019/2020, a média de produtividade alcançada pelos participantes do concurso foi de 83,1 sc/ha, enquanto a nacional, de acordo com a Conab, foi de 55,5 sc/ha. Na safra passada (2018/2019), o comitê registrou a média de 80 sc/ha, e a nacional foi de 53 sc/ha. Já na safra de 2017/2018, o CESB registrou média de 83 e a nacional foi de 53.

“Nesta edição do Desafio vemos que todos os campeões bateram a marca de 100 sacas por hectare, o que é algo a ser comemorado, diante de tantos obstáculos que apareceram. Portanto, seguimos com o objetivo de compartilhar informações, para que o Brasil continue se destacando ainda mais mundialmente no cultivo de soja”, conclui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − seis =

Notícias Mercado

Mercado suíno aposta em demanda aquecida até metade de agosto

Primeira semana de agosto foi muito positiva para o mercado brasileiro de suínos em termos de demanda e de avanço nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A primeira semana de agosto foi muito positiva para o mercado brasileiro de suínos em termos de demanda e de avanço nos preços. A aposta é de que esse cenário se estenda ao longo da primeira metade de agosto. O analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, sinaliza que há relatos de boa fluidez de negócios ao longo da cadeia e a oferta ajustada de animais garante suporte aos preços. “A entrada da massa salarial, o dia dos Pais, o processo de flexibilização da quarentena e os altos preços da carne bovina são fatores favoráveis no curto prazo ao consumo de carne suína”, sinaliza.

Maia salienta que os animais permanecem sendo abatidos com pesos leves em grande das praças acompanhadas, o que ajuda no ajuste da disponibilidade da carne. “Além disso, os granjeiros estão em busca de reajustes para o suíno vivo em todo o país por conta do alto custo de produção, que está em tendência de alta acompanhando o preço do milho e do farelo de soja”, afirma.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil avançou 4,75% ao longo da semana, de R$ 5,62 para R$ 5,89. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado passou de R$ 9,63 para R$ 10,01, aumento de 4,01%. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,65, ante os R$ 9,06 praticados na semana passada, com valorização de 6,48%.

Outro ponto que ajuda a manter o mercado brasileiro com uma oferta enxuta é o forte ritmo de exportações, puxadas pelas compras da China. As exportações de carne suína fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 191,569 milhões em julho (23 dias úteis), com média diária de US$ 8,329 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 90,222 mil toneladas, com média diária de 3,922 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.123,30.

Na comparação com julho de 2019, houve avanço de 36,12% no valor médio diário exportado, ganho de 46,74% na quantidade média diária e retração de 7,23% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 123,00 para R$ 136,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,30 para R$ 4,40. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 5,95 para R$ 6,20.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração teve alta de R$ 4,40 para R$ 4,50. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 6,05 para R$ 6,50. No Paraná o quilo vivo aumentou de R$ 6,00 para R$ 6,10 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo avançou de R$ 4,40 para R$ 4,45.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração subiu de R$ 4,40 para R$ 4,50, enquanto em Campo Grande o preço avançou de R$ 5,10 para R$ 5,50. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 6,80 para R$ 7,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno passou de R$ 7,00 para R$ 7,40. No mercado independente mineiro, o preço subiu de R$ 7,10 para R$ 7,50. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo na integração do estado aumentou de R$ 4,20 para R$ 4,40. Já em Rondonópolis a cotação passou de R$ 5,20 para R$ 5,60.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do milho seguem trajetória altista com oferta controlada

Mercado brasileiro de milho não alterou o cenário de preços firmes nesta última semana

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho não alterou o cenário de preços firmes nesta última semana. Em todas as regiões houve avanços bem significativos nas cotações, refletindo um quadro de oferta controlada pelos vendedores, mesmo em meio à evolução da colheita da safrinha.

Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, os produtores estão restringindo a oferta, vendendo apenas o suficiente para o curto prazo. “O volume de lotes acaba sendo pequeno ao longo do dia e a procura acaba fazendo o preço”, afirma.

As recentes altas do dólar também elevam as cotações nos portos e influenciam o mercado físico. Mesmo com a colheita da safrinha, o produtor mostra-se capitalizado e assim dosa as negociações.

No balanço da semana, o preço do milho na base de compra no Porto de Paranaguá subiu de R$ 50,00 para R$ 54,00 a saca, alta de 8,0%.

Já no mercado disponível, o preço do milho em Campinas/CIF subiu na base de venda na semana de R$ 53,00 para R$ 55,00 a saca de 60 quilos, alta de 3,8%. Na região Mogiana paulista, o cereal passou de R$ 51,00 para R$ 53,00 a saca no comparativo, valorizando na semana 3,9%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço avançou de R$ 47,00 para R$ 49,00 aa saca na base de venda, alta de 4,3%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação subiu de R$ 41,00 para R$ 45,00 a saca, elevação de 9,8%. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve alta de R$ 52,50 para R$ 55,00 (+4,8%).

Em Uberlândia, Minas Gerais, a cotações do milho subiram na semana de R$ 45,00 para R$ 50,00 a saca, valorização de 11,1%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado passou de R$ 43,00 para R$ 46,00 a saca (+7,0%).

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Mercado de frango registra demanda aquecida no Brasil

Mercado brasileiro de frango vivo registrou mais uma semana de preços firmes

Publicado em

em

Divulgação/Alltech

O mercado brasileiro de frango vivo registrou mais uma semana de preços firmes, com leves mudanças nos valores praticados para o quilo vivo. “A tendência de curto prazo ainda remete para um cenário de alta nas cotações, em linha com a reposição ao longo da cadeia produtiva na primeira quinzena do mês”, avalia o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

No que tange aos custos de nutrição animal, a situação do farelo de soja ainda é preocupante, com preços bastante acentuados neste momento, o que leva a um aumento na busca por produtos substitutos, como a farinha de vísceras, farinha de sangue e do DDG´s. “A situação do milho também é atípica, diante da estratégia de retenção adotada pelos produtores, o que resulta em um descolamento dos preços e na busca por produtos substitutos, como a polpa cítrica”, avalia.

Iglesias afirma que o mercado atacadista se depara com preços firmes também e a expectativa ainda aponta para reajustes no curto prazo, em linha com a boa reposição entre atacado e varejo na primeira metade de agosto. “Além disso, a celebração do Dia dos Pais produz um interessante repique de consumo, o que pode motivar novos reajustes nos preços no curto prazo”, destaca.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços não tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado seguiu em R$ 5,00, o quilo da coxa em R$ 5,10 e o quilo da asa em R$ 10,00. Na distribuição, o quilo do peito permaneceu em R$ 5,20, o quilo da coxa em R$ 5,20 e o quilo da asa em R$ 10,20.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de estabilidade nos preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito permaneceu em R$ 5,10, o quilo da coxa em R$ 5,20 e o quilo da asa em R$ 10,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 5,30, o quilo da coxa em R$ 5,30 e o quilo da asa em R$ 10,30.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 446,877 milhões em julho (23 dias úteis), com média diária de US$ 19,429 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 337,480 mil toneladas, com média diária de 14,673 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.324,20.

Na comparação com julho de 2019, houve queda de 28,90% no valor médio diário, baixa de 9,23% na quantidade média diária e retração de 21,67% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo permaneceu em R$ 3,70. Em São Paulo o quilo vivo continuou em R$ 3,65.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 3,00. No oeste do Paraná o preço na integração avançou de R$ 3,50 para R$ 3,60. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo se manteve em R$ 3,40.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango se manteve em R$ 3,65. Em Goiás o quilo vivo continuou em R$ 3,65. No Distrito Federal o quilo vivo seguiu em R$ 3,65.

Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 4,45. No Ceará a cotação do quilo vivo permaneceu em R$ 4,40 e, no Pará, o quilo vivo prosseguiu em R$ 4,50.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.