Conectado com

Avicultura Bem-estar animal

Produtor de ovos deve se orientar pelo consumidor, não por ONGs, alerta Santin

Bem-estar animal é importante fator na produção de ovos, e que vem sendo muito discutido. Entidades defendem que a forma de produção deve ser feita para atender ao que o consumidor está exigindo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A produção de ovos no Brasil vem aumentando anualmente. Segundo dados divulgados em março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), através da pesquisa de Estatística da Produção Pecuária, em 2018 o país produziu 3,6 bilhões de dúzias de ovos de galinha, um aumento de 8,6% em relação a 2017. Para produzir tanto ovo são necessários dois itens importantes: demanda vindo do consumidor e trabalho duro do avicultor. Estes dois itens andam de mão dadas para atender a toda a cadeia produtiva.

Um ponto importante que vem sendo muito cobrado sobre mais informações do consumidor é quanto ao bem-estar animal, como estes ovos são produzidos. Dessa forma, para atender a todos os mercados, diferentes formas de produção vêm acontecendo: tradicional, cage-free, free-range, entre outras. “Nós respeitamos todas as formas de produção. São opções do consumidor, as alternativas e formas como ele quer que seu alimento seja produzido. Nós, como setor, apoiamos todas as formas. Porém, não existe uma que seja melhor que a outra”, opina o diretor executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e presidente do Conselho Diretivo do Instituto Ovos Brasil, Ricardo Santin.

Segundo o diretor, algo que o setor de produção de proteína animal vem enfrentando bastante, principalmente nos últimos anos, é quanto a grande exigência de bem-estar animal na produção da proteína, inclusive de ovos. “Existe uma opinião que às vezes vem do consumidor, às vezes de ONGs, no sentido de novas formas de produção que alguns entendem que são melhores formas de bem-estar. Porém, é importante entender que o bem-estar não se compõe somente de uma galinha estar ou não em determinada forma de criação, ou seja, ser livre ou não de gaiolas”, afirma.

Ele explica que é necessário que todos entendam que o bem-estar animal envolve diversos elementos, e não somente um único ponto. “BEA envolve também não faltar comida, estar em um ambiente com uma temperatura térmica adequada, ter cuidados sanitários, não deixar o animal ficar doente, e se ficar que não sofra. Tem uma série de itens e eles devem ser atendidos todos da mesma forma”, comenta.

Em relação à produção dos ovos, de acordo com Santin, isso varia bastante quanto ao mercado que está sendo atendido, ou seja, ao que o consumidor está buscando no momento da compra da proteína. “Há nichos de mercado em que os consumidores dizem querer ovo somente de galinhas de penas vermelhas, ou seja, o ovo vermelho. É sabido que o ovo vermelho e o branco têm absolutamente as mesmas características organolépticas e nutricionais, mas tem a cor diferente. Um é mais caro que o outro. Mas tem a ver com o que o consumidor quer”, comenta. Ele explica que o que a ABPA e o Instituto Ovos Brasil desejam mostrar é que as entidades respeitam todos os sistemas de produção. Porém, esta produção não pode ser determinada por um pequeno grupo de pessoas. “É o consumidor quem manda. Ele, quando compra e paga, muitas vezes mais pelo produto, é quem decide como vai ser. Então, se o consumidor não quer exercer esse pagamento a mais por conta deste tipo de produção, não é um pequeno grupo que vai determinar como o avicultor vai produzir ou como o consumidor vai consumir”, afirma.

Para Santin, este é o ponto principal que deve ser discutido na cadeia. “É importante frisar que não somos contra o bem-estar animal, bem o contrário disso. Não somos contra os protocolos de bem-estar. Nós buscamos atender ao máximo ao que é exigido. Mas é necessário ter atenção de que primeiro temos que pensar na eficiência disso, além da necessidade que temos em alimentar o Brasil e o mundo”, defende.

Consumidor decide

Ele justifica que atualmente o avicultor está produzindo uma proteína que é acessível a toda a população, essencial para o bom desenvolvimento das crianças e que ajuda na velhice. “E vem um pequeno grupo que exige que a proteína seja produzida de uma determina forma ou outra, fazendo assim com que o produto fique mais caro e as pessoas, principalmente de baixa renda, não consigam mais consumir”, afirma. Segundo ele, é este tipo de exigência que as entidades não irão permitir que sejam impostas sobre o produtor. Santin destaca que atender a determinadas exigências faz com que o custo de produção do avicultor aumente, e assim, consequentemente, também o custo que é repassado ao consumidor.

O diretor reitera que o avicultor está atendendo as normas mínimas de bem-estar animal. “Eu não estou falando que fazer cage-free ou free-range não é bem-estar. Mas temos que ver certos pontos que são importantes”, destaca. Entre os detalhes citados por ele estão, por exemplo, na utilização do free-range o produtor abrir mão da sanidade, uma que vez que ele perde o controle de contato com aves silvestres, doenças ou mesmo com algo que o frango pode vir a comer.

De acordo com Santin, o setor de produção da proteína deve entender que é necessário produzir aquilo que o consumidor quer comprar. “Nessa forma de produção, se vou fazer em gaiolas, cage-free, free-range ou orgânico, o importante é fazer da forma que o cliente irá comprar e da forma que ele está disposto a pagar. O setor como um todo vai produzir o que o consumidor quer, e não o que alguns poucos vão dizer como deve ser feito”, afirma.

O ovo no Brasil

Além do aumento de 8,6% na produção de ovos, o Brasil vem também aumentando anualmente o seu consumo per capita da proteína. “O crescimento do consumo nos últimos 10 anos foi bastante significativo. Há uma década o consumo era de aproximadamente 120 ovos per capita. Hoje esse número aumentou para 212 ovos per capita. Isso, principalmente, porque caiu o mito de que o ovo produz colesterol, de que é uma proteína que faz mal”, comenta. Santin afirma que existe algo chamado qualificação de consumo, e atualmente o consumo de ovo pelo brasileiro é bastante qualificado, já que as pessoas comem ovo porque sabem que faz bem.

O diretor informa que o objetivo é fazer com que o país melhore a exportação de ovo, seja in natura ou processado. “Porque hoje ele é menor que 1%”, diz. Este é um quesito que vem sendo muito trabalhado para acontecer, conta Santin. “O país tem esse potencial. O Brasil, quando se trata de produzir alimentos, sempre tem um potencial bastante impressionante, relevante e positivo. Na exportação de ovo, que ainda não é tão relevante, o país tem potencial de crescer. Vamos investir, buscando que isso aconteça”, finaliza.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 11 =

Avicultura Mercado

Cooperativa Dália Alimentos inicia atividades na avicultura de corte

Cooperativa gaúcha está fazendo investimentos de quase R$ 200 milhões em seu Complexo Avícola e todo Programa Frango de Corte; inauguração é em outubro

Publicado em

em

Divulgação

A avicultura é um setor que vem chamando a atenção de muitos investidores. A Cooperativa Dália Alimentos, de Encantado, no Rio Grande do Sul, é um deles. Em outubro, a cooperativa irá inaugurar um Complexo Avícola em Linha Palmas, no município de Arroio do Meio. O complexo é uma das etapas do Programa Frango de Corte, estruturado pela Dália Alimentos para viabilizar toda a cadeia produtiva avícola. O investimento é de R$ 96 milhões.

De acordo com a cooperativa, o Complexo tem uma área construída de aproximadamente 18 mil metros quadrados. É constituído por uma unidade frigorífica com capacidade para abater 55 mil frangos/dia, expandindo futuramente para outros dois módulos de abate: 110 mil frangos/dia e 165 mil frangos/dia.

O primeiro módulo entra em operação já na segunda quinzena de outubro deste ano e deverá demandar mão-de-obra de 350 funcionários. Além disso, compõem o complexo a Fábrica de Farinhas de Origem Animal e a Fábrica de Rações, também em Arroio do Meio, além do Incubatório, em fase de construção no município de Mato Leitão, com investimento também por parte da cooperativa no valor de R$ 12 milhões.

A motivação para a execução desse programa, conforme o presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos, Gilberto Antônio Piccinini, tem origem no fato de os associados da cooperativa serem, em sua maioria, pequenos produtores e necessitarem de opções para a formação de renda, além do leite e dos suínos. “A Dália Alimentos entende que o frango de corte é compatível com as duas atividades já praticadas, resultando a motivação para a estruturação de um programa de produção cooperada de frango de corte”, conta.

Ainda neste ano também deverão começar alguns dos nove condomínios para produção dos frangos que irão abastecer a unidade frigorífica. Os condomínios estão localizados nos municípios de Anta Gorda, Cruzeiro do Sul, Encantado (com duas unidades), Mato Leitão, Marques de Souza, Venâncio Aires, Vespasiano Corrêa e Relvado. Piccinini informa que todos seguem o mesmo padrão de construção, com oito aviários cada e capacidade para alojar 275 mil frangos. Ele explica que as obras estão em andamento, com alguns mais adiantados e outros dentro do cronograma estipulado.

Esses núcleos, esclarece o presidente, são propriedade de nove associações constituídas por famílias de associados, em número médio de 20 cada, mais a cota da cooperativa, que participa em cada um dos empreendimentos. O investimento dos nove núcleos juntos, acrescenta, soma R$ 67,5 milhões. Além disso, Piccinini comenta que também faz parte deste parque industrial o Matrizeiro, localizado no município de Vale Verde e de responsabilidade da Empresa ASA – América Sociedade Avícola, formada por um grupo de funcionários da cooperativa, responsáveis pelo investimento de R$ 15 milhões no projeto.

O presidente informa que a linha frango Dália já está no mercado, com a assinatura “Golden Chicken”. “Inicialmente está sendo produzida no sistema de intercooperação, pela cooperativa Languiru, de Teutônia, em fase experimental, para estabelecer a primeira sondagem do mercado consumidor”, esclarece.

Estruturação do programa

Piccinini explica como cada um dos projetos está sendo realizado. Ele conta que o matrizeiro está sendo construído em Vale Verde. Fazem parte desta sociedade 37 funcionários da Dália Alimentos, mais a cota da cooperativa. O investimento será de R$ 15 milhões. Já o incubatório está em fase de construção no município de Mato Leitão. Ali, estão sendo investidos R$ 12 milhões por parte da cooperativa.

Quanto aos Condomínio Avícola para Produção de Frango de Corte, estão sendo constituídos por produtores rurais associados à Dália. O presidente conta que em cada um dos empreendimentos a cooperativa possui uma cota e o investimento em cada condomínio girará em torno dos R$ 7,5 milhões, valor investido pelos associados.

A Cooperativa

A Cooperativa Dália Alimentos, situada em Encantado, na região do Vale do Taquari, possui 72 anos de história, completados em 15 de junho. Possui 3,1 mil famílias associadas em 130 municípios do Estado do Rio Grande do Sul e 2,2 mil funcionários nas áreas administrativas e nas indústrias. No exercício de 2018 o faturamento foi de R$ 1,1 bilhão.

Tem como atividades a suinocultura (com abate diário no frigorífico localizado em Encantado, de 2,7 mil suínos) e a produção de leite (com duas unidades localizadas em Arroio do Meio, sendo a unidade principal localizada em Palmas e com capacidade de recebimento para 1,1 milhão de litros/dia).

Em outubro de 2019 a Dália Alimentos ingressará na atividade avícola, quando inaugurará seu Complexo Avícola e todo Programa Frango de Corte, um investimento total de aproximadamente R$ 200 milhões.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Tecnologia no campo

Produtores modernizam aviário e colhem resultados já no primeiro lote

Família que optou por adotar novas tecnologias no aviário percebeu diferença de produção logo nos primeiros lotes

Publicado em

em

Divulgação

Na última década, o segmento avícola conquistou uma fantástica evolução genética, nutricional e tecnológica no que se refere aos equipamentos disponíveis para aviários. Assim, a ave ampliou sua capacidade de desempenho, foi aumentando o potencial nutricional da alimentação produzida e os equipamentos disponíveis no mercado estão muito mais automatizados, permitindo melhor controle de ambiência.

Por outro lado, as estruturas de muitos aviários permanecem sendo as mesmas de 10 anos atrás ou mais. Diante disso, constata-se uma necessidade latente de modernização dos galpões, já que eles tendem a depreciar, perdendo sua efetividade em vários aspectos que interferem nos resultados dos lotes. Ao longo do tempo, as estruturas tendem a perder suas condições de controle da ambiência (temperatura, umidade relativa, qualidade do ar), o que reflete na sanidade, conforto térmico e consumo de ração.

Uma alternativa para retomar a qualidade da estrutura é realizar a reforma do aviário, atitude adotada pelo produtor integrado da Cooperativa Copagril, Valmor Ademir Escher, em conjunto com a esposa Marli e os filhos Rafael e Fernando. A propriedade da família fica na Linha Ajuricaba, em Marechal Cândido Rondon, PR, onde estão instalados dois aviários: um deles já era no sistema dark house e o outro era modelo convencional. Com a necessidade da reforma aproveitou-se para transformar o convencional também em dark house. Antes  e depois da reforma a mudança é evidente, como o peso médio, que saltou de 3,165 quilos para 3,566 quilos.

Melhorias

A reforma realizada no aviário da propriedade abrangeu várias mudanças nas instalações, com ampliação da quantidade de exaustores, modernização do sistema de nebulização, adequação do sistema de painéis evaporativos, novas cortinas, instalação de inlets, nova fiação elétrica e aumento da quantidade de comedouros e bebedouros. Esse aumento se deve à capacidade maior de alojamento de aves no sistema dark house. No caso da família Escher a estrutura passou a alojar quatro mil aves a mais por lote.

De acordo com Rafael, a decisão de realizar a reforma foi uma decisão relativamente fácil, pois já havia diversas evidências dessa necessidade. “Como nós temos um barracão dark e tínhamos outro convencional era muito evidente a diferença de resultados dos dois, sendo que o dark geralmente tinha os melhores índices. Além disso, o aviário convencional já estava dando muita manutenção e constatamos que estava na hora de promover melhorias”, relata.

Desempenho

O técnico da Copagril, Carlos Magnum Egerts, explica que uma boa estrutura é fundamental para ter bons resultados de lote. “É muito importante oferecer um ambiente de qualidade para as aves para que elas possam expressar o seu potencial genético. Por isso é necessário oferecer conforto para os animais”, ressalta.

Segundo ele, quando a ave está na sua zona de conforto ela consegue direcionar os nutrientes do alimento consumido para manutenção das funções vitais do organismo e para ganho de peso, o que é o ideal. “Quando a ave direciona as quantidades certas para cada necessidade ela não perde desempenho. Já quando o ambiente gera desconforto, seja por frio ou calor, por exemplo, o corpo do animal redireciona a nutrição para atender aquela necessidade extra e acaba perdendo desempenho”, conta Carlos.

Resultados

A melhora no desempenho do lote foi percebida imediatamente no caso da família Escher. Uma comparação simplificada entre o último lote alojado antes da reforma e o primeiro lote após as obras mostra claramente os resultados alcançados.

Conservando a mesma idade (47 dias), os dois lotes apresentaram várias melhorias, como o aumento do ganho de peso das aves e a redução da taxa de conversão alimentar. Além de receber mais pelo lote que teve melhor desempenho, também foi um lote maior, com quatro mil aves a mais. “Bastou fazermos algumas contas para percebermos que somente o fato de podermos alojar mais aves já cobriria o custo do investimento na reforma. E a melhoria de desempenho era algo que queríamos muito alcançar, em termos de conversão alimentar. Hoje temos certeza de que foi uma decisão certa”, sustenta Rafael. Os bons resultados animam os produtores, por isso, em breve a família terá quatro aviários.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Mercado

“Novos” concorrentes da avicultura brasileira tomam crescimento do mercado para si

Segundo especialista, novos mercados estão surgindo e o Brasil precisa competir com esses “novos jogadores”

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado é dinâmico. Ele está sempre em constante mudança e evolução. Por conta disso, é preciso que o setor pecuário esteja atento a estas mudanças e ao que está acontecendo em todo o cenário mundial. Isso porque o mercado muda a partir do que os consumidores pensam a respeito de determinados produtos. Na avicultura, a situação não é diferente e as empresas devem estar atenta a estas mudanças e se aproveitar de cada situação para continuar competitiva. Com mais gente no mundo e pessoas com mais renda, há maior demanda de carnes, um espaço que pode ser ocupado por Brasil ou outros jogadores, como Turquia, Ucrânia e Tailândia.

O consultor doutor Antônio Mário Penz Júnior citou algumas das mudanças que estão acontecendo no cenário mundial atualmente e como elas estão afetando diretamente o consumo e a avicultura em geral. O profissional esteve em Marechal Cândido Rondon, PR, durante o Seminário Anual de Produtores de Aves, realizado pela Cooperativa Copagril, falando sobre o assunto.

Segundo ele, é preciso que o produtor entenda o cenário mundial para saber como lidar com as mudanças que estão acontecendo. Ele explica que atualmente a geração Y, também conhecida como os Millennials, que são as pessoas entre 18 e 34 anos, são quem estão dominando o mundo. “Dados dos Estados Unidos de 2015 mostram que 23% da população norte-americana é formada por millennials. Lá, quase 70% da população ativa atualmente faz parte dessa juventude que não compra carro, que mudou muita coisa, mas que tem poder aquisitivo. É uma sociedade nova que precisamos entender”, afirma.

Apesar disso, Penz diz ser necessário olhar para o outro lado do mundo, que ainda é diferente. “A população da Índia deverá ultrapassar a da China nos próximos anos. Daí vocês acham que o senhor indiano está preocupado com as mesmas coisas que os jovens norte-americanos? Não! Nós, como brasileiros, vamos alimentar os millennials, mas também temos que entender que existe esse povo que precisa se alimentar também”, conta. Ele acrescenta que atualmente no mundo existem quase 1,4 bilhão de pessoas, e mesmo existindo quase seis milhões de vegetarianos, o restante ainda consome aproximadamente dois quilos per capita/ano de carne de frango. “Eles vão comer, porque muitos estão saindo do meio rural para ir para o urbano, deixando de ser produtores para ser consumidores”, explica.

As mudanças no mundo ao longo dos anos foram grandes, afirma Penz. Ele informa que o consumo na África tem aumentado. “Então, os africanos, mesmo com todas as dificuldades financeiras, são grandes consumidores de carne. O consumo de carne é absolutamente impressionante. Eles, assim como em outros países, são aqueles que os millennials não se dão conta de que uma em cada 10 pessoas não tem acesso a comida suficiente”, mostra. O consultor afirma que a África é um local em que não somente a população, como também o consumo irá crescer. “E nessa hora nós estaremos prontos para atendê-los”, diz.

Novo mundo, novas tendências

De acordo com Penz, é importante que o produtor se de conta de algumas “loucuradas” que estão surgindo no mundo. Ele cita algumas, como por exemplo a famosa campanha do Beatle Paul McCartney que em 2009 criou a “Segunda sem carne”. “Isso é basicamente em que todas as segundas-feiras não se come carne. E o que é mais surpreendente é que em alguns locais, como em Porto Alegre, por exemplo, existem pessoas que querem implantar esse projeto em escolas”, comenta.

Outros exemplos citados pelo consultor foi a Nestlé, que é uma grande produtora de alimentos a base de leite, lançou uma linha vegana de hambúrgueres; a JBS também lançou um hambúrguer vegano e a Mantiqueira apresentou um ovo vegano. “É um mundo louco que estamos vivendo, mas que precisamos entender que a população precisa de comida”, diz.

Carne de frango é sustentável

Penz comenta que não está preocupado quanto ao consumo de carne de frango no mundo. Isso, porque os países em desenvolvimento, segundo ele, comerão o dobro de carne. “Porque sabemos que quanto maiores os recursos financeiros, a primeira coisa que acontece é aumentar o consumo de alimentos, principalmente de carne”, afirma. Além disso, o frango tem uma vantagem que outras proteínas não têm: não há restrição religiosa. “O suíno, por exemplo, tem, mas o frango não. Não tem nenhuma restrição que diga que não pode comer carne de frango”, comenta.

Outro detalhe citado por ele é o quanto a avicultura é, muitas vezes, mais sustentável que outras cadeias produtivas. “Várias instituições de pesquisa mostram que para se produzir um quilo de frango são gastos quatro mil litros de água. Esse cálculo vem desde a produção do milho, o gasto com caminhão, eles somam tudo. Então, cada vez que você come um quilo de frango, quatro mil litros de água foram gastos. Mas, se formos comparar, no bovino esse número sobre para 17 mil”, mostra. Então, de acordo com Penz, visto por este ângulo o frango consome pouca água. “Isso também pode ser visto, por exemplo na emissão de CO². O frango gasta muito menos. Então, sob o ponto de vista de preservação do meio ambiente, nós temos condições de dizer que somos pró meio-ambiente. Não podemos ser taxados de destruidores do ambiente, porque não somos”, diz.

Mercado é dinâmico

Quanto ao Brasil, diversas mudanças ocorreram ao longo dos anos, segundo Penz. “A produção da carne brasileira vinha bem até 2011, 2012, depois não aumentou mais. O consumo, a mesma coisa, vinha crescendo até 2011 e depois estagnou”, informa. “Por que parou? Porque até mesmo os mais favorecidos ficaram sem dinheiro”, explica.

O consultor informa que o mercado é dinâmico e é preciso que o Brasil esteja atento a isso. “A Europa briga tanto conosco porque no ano passado eles aumentaram em 6% as exportações. Isso é 1/3 da nossa, por isso eles estão tão desesperados”, diz. Porém, apesar disso, é preciso que o Brasil fique atento porque outros mercados estão surgindo. “A Tailândia aumentou as exportações em 8%, a Turquia em 15% e a Ucrânia aumentou 21%. Ou seja, há novos jogadores nesse mercado”, afirma.

Penz reitera a necessidade de o Brasil estar mais atento quanto a estes novos mercados pelo fato deles estarem de olho nos atuais mercados que são do Brasil. “Por isso, ou matamos a salmonella ou ela nos mata. Eu vou mostrar um caso: a doença da vaca louca aconteceu em 2003 nos Estados Unidos. A doença foi detectada em um animal, não em um milhão; em um. Por conta disso, as exportações de carne bovina deles caíram em mais de um milhão de toneladas. Um animal gerou um milhão de toneladas em prejuízos de exportação. Que, aliás, nunca mais voltou, porque quando os norte-americanos perderam esse espaço, quem ocupou foi o Brasil”, conta.

Outro exemplo citado foi quanto aos casos de Influenza Aviária, também nos EUA. “Os norte-americanos perderam 2% da exportação mundial. Quem pegou? O Brasil. Mas, em 2016 tivemos todos os problemas da Operação Carne Fraca, com salmonella e o que aconteceu? Estes novos jogadores que citei ocuparam esse mercado deixado aberto por nós. Por isso é preciso que nós, avicultores, tenhamos responsabilidade e cuidemos melhor da nossa biosseguridade, que é o nosso maior bem”, aponta.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
AB VISTA Quadrado
Mais carne
Biochem site – lateral
PSA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.