Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Painel online

Produtividade e eficiência no manejo do solo são propostas de evento da ESALQ/USP

Programa SolloAgro da ESALQ/USP promove Painel Online gratuito sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os investimentos em conhecimento e especialização para o desenvolvimento sustentável e crescimento da agricultura brasileira têm sido cada vez mais fundamentais para que a atividade agrícola do país atinja os resultados desejados, tanto em produtividade quanto em benefícios para o produtor.

Com o objetivo de contribuir para que esse processo seja realizado de forma assertiva, o Programa SolloAgro de Educação Continuada em Agricultura Sustentável, do Departamento de Ciência do Solo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), promoverá, no dia 27 de março, um painel online sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades.

Serão três palestras de trinta minutos cada, com temas interligados. Na sequência, acontecerá uma mesa redonda de mais trinta minutos, coordenada por um moderador, com discussão entre os palestrantes e respostas aos questionamentos dos participantes.

Os palestrantes convidados para o painel são o Prof. Pedro T. Yamamoto, do Departamento de Entomologia e Acarologia (ESALQ/USP), , que falará sobre o Manejo de Pragas, o Prof. Pedro J. Christoffoleti, do Departamento de Produção Vegetal (ESALQ/USP), explorando o tema Manejo de Plantas Daninhas, além do professor Prof. José Octávio M. Menten, do Departamento de Fitopatologia e Nematologia (ESALQ/USP), que abordará o Manejo de Doenças e Registros de Produtos.

De acordo com o professor Yamamoto, o conceito de Manejo Integrado de Pragas (MIP) foi desenvolvido para diminuir ou eliminar os efeitos colaterais indesejáveis da utilização indiscriminada de produtos fitossanitários, tais como resistência de praga, surtos de pragas secundárias e ressurgência da praga alvo de controle. Com isso, é possível evitar a contaminação ambiental, a presença de resíduos em alimentos e no solo, além da morte de organismos não-alvos. “O MIP busca a estabilidade do agroecossistema e  menos efeitos danosos das pragas, com melhoria do equilíbrio biológico e da sustentabilidade do sistema. O produto final que se espera é a menor dependência”, explica.

Já, segundo o professor Christoffoleti, o objetivo da agricultura moderna é produzir mais por menos, procurando preservar a sustentabilidade dos sistemas produtivos, tanto no aspecto ambiental quanto econômico. “Para obtenção deste propósito é essencial que as tecnologias estejam pautadas em genética avançada, melhoria da eficácia de uso dos recursos do ambiente de produção e manejo inteligente dos fatores redutores de produtividade”. Acrescenta que, neste último fator, destacam-se as perdas provocadas pelas plantas daninhas, que podem ser da ordem de 35%. “Para seu controle, o manejo integrado é com certeza a melhor alternativa, porém a principal ferramenta utilizada são os herbicidas. Assim, é fundamental conhecer o comportamento dos herbicidas nas plantas e no solo, sua eficácia de controle e sua seletividade para as culturas”, avalia.

No quesito manejo de doenças e registros de produtos, o professor Menten destaca que as doenças de plantas causam danos de cerca de 15% no rendimento de culturas agrícolas. “Dentre os diversos métodos de manejo, os fungicidas têm papel importante. Caso não sejam usados, os prejuízos médios podem chegar a 20%. Fungicidas mais novos são mais eficientes, usados em menores doses e com menores toxicidade e efeitos ambientais adversos. São mais amigáveis”. Ainda, segundo Menten, os fungicidas só podem ser comercializados e utilizados após serem registrados. “Um dos grandes problemas é a morosidade de registro de novos fungicidas, em especial com novos mecanismos de ação. Há necessidade de se modernizar a legislação e os procedimentos de registro no Brasil”, observa.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =

Notícias Evento

É amanhã! Começa dia 12 o congresso de tecnologia do CBNA

O evento será 100% online

Publicado em

em

Divulgação

Você já está preparado? Nos dias 12 e 13 de maio acontece o V Congresso sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais, organizado pelo Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA).

Realizado no ambiente virtual, para garantir que mesmo nesse momento em que não é possível realizar eventos, o CBNA continua disseminando conhecimento e inovações. Temas como análise de ração, inovações e análises na indústria de rações, peletização, NIRS, processos na fábrica de rações e software entre outros.

Participe do evento!!! Conheça o programa completo e outras informações em:  www.cbnatecnologia.com.br 

Patrocinadores

AB VISTA; AMANDUS KAHL: BIOCAMP; BRUKER DO BRASIL; BÜHLER; CPM BRASIL; EVONIK; FERRAZ MÁQUINAS; FOSS DO BRASIL; NUTRON, MARCA DE NUTRIÇÃO ANIMAL DA CARGILL; PANCOSMA BRASIL; SINDIRAÇÕES e TROUW NUTRITION.

V Congresso sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais 

12 e 13 de maio

100% online

Atendimento

Fone: 19-3232-7518 cbna@cbna.com.br e cbna@lexxa.com.br

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Certificação

BRF conquista selo Certified Humane de bem-estar animal

Produtores parceiros receberam reconhecimento internacional concedido pela ONG Humane Farm Animal Care

Publicado em

em

Divulgação

Produtores rurais integrados, que fornecem aves de corte à BRF para a linha Sadia Bio, acabam de recebera recertificação do selo internacional Certified Humane.O reconhecimento, da ONG Humane Farm Animal Care, é concedido àqueles que aplicam boas práticas de bem-estar animal e, para obtê-lo, as granjas precisam prover um ambiente que estimule o comportamento natural das aves, tais como, ciscar, espojar e bater asas. Ao todo, os 14 produtores integrados obtiveram a recertificação, em 24 núcleos de produção, em 192 aviários, o que beneficia cerca de 26 milhões de aves ao ano.

As aves que vivem nas granjas certificadas são alimentadas com ração vegetal, apenas com cereais, minerais e vitaminas e não recebem nenhum tipo de substância promotora de crescimento, antibióticos preventivos ou mesmo terapêuticos. Desde 2020, a certificação foi ampliada, triplicando o volume de produtos adequados ao protocolo da Certified Humane, endossando o compromisso de evolução do tema na Companhia.

“O conforto e o enriquecimento ambiental são princípios básicos do ambiente de criação das aves. Os produtores parceiros possuem em suas propriedades planos de emergência para direcioná-los em relação ao que fazer em caso de sinistros e recebem treinamentos constantes para assegurar o melhor cuidado com os animais”, explica Mariana Modesto, diretora de Sustentabilidade da BRF. “Além disso, os estoques mínimos de água e ração de qualidade são garantidos. Para água, o estoque é suficiente para 24 horas e, para ração, a capacidade mínima de armazenamento garante um dia de consumo na semana que antecede o abate em 100% das propriedades. Somado aos demais procedimentos, a Companhia está garantindo o atendimento das necessidades das aves de forma constante”, finaliza.

Além do selo Certified Humane, a BRF possui ainda outras certificações que atestam as boas práticas de bem-estar animal, entre elas, Global G.A.Pe National Chicken Council, onde os padrões são avaliados por auditores certificados PAACO (Professional Animal Auditor Certification Organization).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado

Exportações de carne suína crescem 35,1% em abril

Setor amplia vendas para nações da Ásia, África e América

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne suína (incluindo todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram 98,3 mil toneladas em abril, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O saldo supera em 35,1% os embarques realizados no mesmo período do ano passado, quando foram embarcadas 71,8 mil toneladas.

O resultado das exportações de abril chegou a US$ 232,3 milhões, número 40,6% superior ao registrado no mesmo período de 2020, quando foram obtidos US$ 165,2 milhões.

No acumulado do ano (janeiro-abril), as exportações de carne suína alcançaram 351,8 mil toneladas, volume 25,29% maior em relação ao primeiro quadrimestre de 2020, quando foram exportadas 280,8 mil toneladas.

A receita acumulada no mesmo período chegou a US$ 826,4 milhões, índice 27,1% superior ao efetivado entre janeiro e abril do ano passado, com US$ 650,3 milhões.

Na análise por país, a China, carro-chefe das exportações brasileiras, importou 51,5 mil toneladas em abril (+50,5% em relação ao mesmo período de 2020). Outros destaques foram Hong Kong, com 14,6 mil toneladas (+4,9%), Chile, com 5,4 mil toneladas (+130,9%), Angola, com 3,4 mil toneladas (+3,8%), Filipinas, com 2,4 mil toneladas (+623,4%) e Argentina, com 2,2 mil toneladas (+84,3%).

Também em abril, Santa Catarina, principal estado exportador, exportou 50,1 mil toneladas (+41,73% em relação ao mesmo período de 2020). Em seguida vieram Rio Grande do Sul, com 26,3 mil toneladas (+45,33%) e Paraná, com 12,4 mil toneladas (+11,34%).

“Além das expressivas vendas para o mercado chinês, temos observado o aumento das exportações para outras regiões do planeta, incluindo mercados vizinhos ao Brasil. Em meio à forte pressão gerada pelos custos internos de produção, o bom desempenho destas exportações diminuem perdas e melhoram o quadro para as indústrias  que atuam no mercado internacional”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.