Conectado com

Avicultura Avicultura

Princípios fisiológicos do trato gastrointestinal e sua relação com substituição de antibióticos promotores de crescimento

Ideal é adoção de programa envolvendo vários produtos para, em conjunto, contemplar benefícios semelhantes aos propiciados pelos antibióticos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Fernando Rutz, professor doutor do curso de Zootecnia da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel)

O uso de antibióticos como promotores de crescimento (APC), embora tenham sido úteis e eficientes durante muitos anos, também serviram para ocultar muitos equívocos de manejo. Junto a esse cenário, a descoberta da reação cruzada entre antibióticos da linha humana e da linha animal, bem como o desenvolvimento de alergias em humanos promoveram o banimento do uso de APC em vários países europeus. O início de banimento começou já na década de 80 na Suécia, depois em 1990 na Dinamarca e no restante da Europa em 2006. Hoje é uma tendência mundial, restando aos demais países se adequarem à situação por meio da utilização de novas alternativas para melhorar o desenvolvimento das aves.

Programa

A substituição de antibióticos como promotores de crescimento por um único componente é tarefa difícil. Portanto, o ideal é a adoção de um programa envolvendo vários produtos para, em conjunto, contemplar benefícios semelhantes aos propiciados pelos antibióticos.

Dr. Steve Collett, da Universidade da Georgia, propôs um programa compreendendo a aceleração da evolução da microbiota intestinal em pintinhos, bem como a sua reabilitação após desafios ou alterações de manejo em uma granja.

O programa proposto consiste em três etapas: semear matrizes e pintinhos com microrganismos favoráveis, alimentar os referidos probióticos (microrganismos vivos) e eliminar os microrganismos não favoráveis ou patogênicos.

A etapa denominada de “semear” consiste em oferecer microrganismos vivos em quantidade suficiente a fim de propiciar efeito benéfico às matrizes e aos pintinhos. Alguns fatos devem ser ressaltados no caso da relação matriz-pintinho. Um ovo contaminado com uma quantidade ainda que pequena de excreta, não significa que não vá eclodir. Pelo contrário: poderá eclodir e contaminar vários ovos ao redor. Assim, é importante se precaver oferecendo probiótico para matrizes.

Já para os pintinhos, é recomendada a utilização inicial de probióticos dentro dos incubatórios, como os via spray, uma vez que esperar para incluir os microrganismos vivos na granja pode ser tarde demais.

Alguns fatos precisam ser salientados:

1) A microbiota é verticalmente transmitida. O intestino de embriões com 16 dias de idade já apresenta microbiota no intestino.

2) A contaminação da casca é de 103-105 cfu por ovo em condições limpas e de 107-108 cfu em condições impróprias.

3) No nascedouro – as placas indicam quão estéril antes do nascimento, e são numerosos demais para contar após o nascimento.

Próximos passos 

Uma vez estabelecida a flora favorável, o próximo passo é alimentar a mesma, dar condições para a sua sobrevivência e, por outro lado, tentar impedir o desenvolvimento da microbiota desfavorável. Para isso, ácidos orgânicos são indicados para alterar a microbiota. Eles apresentam propriedades anti-bacterianas patogênicas. Por exemplo, a bactéria gram positiva denominada clostridium não tolera meio ácido, já a lactobacillus tolera o meio ácido. Uma das formas de inclusão dos ácidos orgânicos se dá por meio da adição em água ou nas dietas, podendo ser feita de forma continua ou estratégica: por exemplo, durante os primeiros 7 dias de vida dos pintinhos, durante períodos de estresse ou após a administração de antibióticos. Já as enzimas, especialmente proteases, visam auxiliar o organismo animal na digestão das proteínas e outros substratos, reduzindo a fração não digerida que chegaria a bactérias denominadas de clostridium, cuja principal localização é o intestino grosso. A ausência de substrato no intestino grosso desfavorece o desenvolvimento de clostridium e o aparecimento de enterite necrótica.

Já na etapa eliminar, vários agentes antimicrobianos podem ser usados. Dentre eles, os denominados óleos essenciais. Estes se caracterizam como uma mistura complexa dos metabólitos secundários das plantas: fenilpropenos e terpenos, obtidos por destilação. Dentre os vários mecanismos de ação dos óleos essenciais destacam-se a ação antibacteriana (mais gram-positiva do que gram-negativa), antiprotozoários, antimicóticos, antiviral, antihelmínticos, antioxidantes, inibidor de odor e controlador de amônia, etc.

De igual forma, são recomendados na etapa eliminar, o uso de compostos extraídos da parede da levedura, denominados frações ativas de mananos, que promovem a adsorção de bactérias patogênicas gram-negativas (E. coli e salmonella), promovendo a sua eliminação via excreta.   Estas mesmas substâncias promovem a modulação do sistema imune, propiciando maior proteção ao hospedeiro. Investigações utilizando técnicas de nutrigenômica também observaram que o uso destas frações ativas de mananos estimula genes que se codificam para carreadores de nutrientes a nível intestinal. Esta ação indica o favorecimento na absorção de nutrientes, propiciando um melhor desempenho por parte do animal.

Além dos cuidados citados, é importante levar em conta a necessidade de aumentar a resiliência do animal, ou seja, colaborar para que ele mantenha o desempenho mesmo em condições adversas. Para isso, oferecer minerais na forma orgânica (selênio na forma de selênio-leveduras e quelatados de zinco, manganês e cobre na forma de proteinatos) e um excedente de vitaminas (E, A, D, C, entre outras) se caracterizam como excelentes alternativas para aumentar a imunidade e a resiliência do animal.

Aspectos outros, como poder oxidativo de algumas matérias-primas, erros de fábrica, granulometria e processamento dos ingredientes, qualidade de água (aspectos físicos, químicos e microbiológicos) devem ser levados em conta ao propor um programa de substituição aos antibióticos como promotores de crescimento.

Do ponto de vista de manejo, alguns aspectos devem ser contemplados, como cama, comedouros, bebedouros, temperatura, ventilação, cortinas, luz, biosseguridade, etc. Todos estes fatores circundam as aves e são passíveis, se mal manejados, de promover estresse. Em aves, o estresse promove a liberação de hormônios como a corticosterona, que é extremamente catabólico e imunossupressor, portanto, agindo adversamente no desempenho das aves.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de agosto/setembro de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 6 =

Avicultura Nova Gestão

Médico veterinário Luiz Carlos Giongo assume Presidência do Nucleovet

Inclusão e cooperação estão entre as metas da nova gestão, que segue a frente da entidade catarinense nos próximos dois anos

Publicado em

em

Divulgação

O Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) de Santa Catarina elegeu a nova Diretoria Executiva, Conselho Fiscal e Deliberativo para os próximos dois anos. A eleição realizada em Assembleia Geral Extraordinária, conforme Edital de Convocação previsto no estatuto da entidade, elegeu no final de 2019 a nova Diretoria que ficara à frente do Nucleovet na gestão 2020/21. A entidade que realiza anualmente os Simpósio Brasil Sul de Avicultura, Suinocultura e Bovinocultura de Leite, é uma das mais ativas do país, com atividades científicas, técnicas e sociais.

Para o médico veterinário Luiz Carlos Giongo, liderar o time de profissionais voluntários do Nucleovet será uma enorme honra e alegria. “Aqui trabalhamos unidos em prol de um bem maior, congregando veterinários e zootecnistas que atuam em diversas áreas, como a da cadeia de proteína animal, fiscalizatória e regulamentar, animais de companhia, saúde animal e, por extensão a saúde humana. Seremos uma Diretoria focada nos propósitos da entidade, buscando uma gestão participativa e inclusiva para ampliar ainda mais os nossos horizontes”, descreve Giongo.

Novo presidente 2020/2021

Giongo é médico-veterinário formado pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em 1999.  Na carreira profissional atuou principalmente junto a cadeia de proteína animal. “Percebi cedo que o caminho da gestão profissional de pessoas e projetos seria fundamental, então busquei especializações que atendessem esta necessidade. Para isso investi em cursos de Pós-Graduação Lato Sensu, Gestão do Agronegócio pelo Cefet-PR em 2003, depois MBA em Gestão Empresarial pela FGV em 2005 e Gestão de Sociedades Cooperativas pela Unoesc de Chapecó, em 2009”.

Ao longo da carreira profissional, Giongo participou de inúmeros treinamentos técnicos para atualização e aperfeiçoamento profissional. Foram 20 anos ligados à Cooperalfa, cooperativa do Sistema Aurora, inicialmente atuando na extensão rural a campo com orientação técnica e supervisão de equipe, depois atuando mais fortemente na coordenação da atividade de suinocultura da Alfa. Nos últimos 12 anos atuou na Gerência técnica, com todos os profissionais de campo, na produção agropecuária de suínos, leite e produção de grãos da cooperativa, frente a mais de 250 pessoas na gestão direta. O médico-veterinário assumiu no início do mês a Gerência de Suinocultura da Cooperativa Central Aurora para atuar com todo o sistema cooperativo.

Nucleovet na era da inclusão e atuação social

A base forte da entidade que esteve pautada no relacionamento e integração profissional, social e na realização dos eventos técnicos de qualidade e referência, deve ampliar a sua atuação junto à sociedade e ao setor. “Pretendemos ainda avançar em outras áreas do conhecimento, da atuação social e comunitária frente a sociedade em geral, ampliando a base de associados, realizando eventos esportivos internos, entre outros”, afirma Giongo.

Para o presidente da entidade, o espaço da sede é ótimo e está em construção para o bom convívio social, para atividades profissionais e para o uso de toda a família de associados e amigos. “Precisamos agregar, aumentar a participação e buscar o avanço da entidade, preservando os valores do Nucleovet. Nosso lema será: trabalho profissional e ético com cooperação”.

Sobre o envolvimento social e atuação junto à classe, Giongo destaca: “Por princípio e desde a formação universitária, tenho utilizado parte do tempo para trabalhos de organização da classe profissional em trabalhos voluntários. Na vida acadêmica com a promoção de eventos na universidade que gerassem a aproximação dos universitários com o mercado de trabalho (semanas acadêmicas). Depois na vida profissional atuei junto aos eventos da Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos – Abraves, vindo a ser vice-presidente durante dois anos. Foi também nesta época, por volta do ano de 2004, que comecei a participar do Nucleovet, no início mais focado nos simpósios de suínos”.

A frente de um grupo de voluntários do Nucleovet, Giongo fala sobre o desafio de presidir a entidade que participa há mais de 15 anos. “Agora me foi confiada a tarefa de presidir a associação com a participação de profissionais voluntários do Nucleovet, o que representa uma enorme satisfação. São veterinários e zootecnistas de diversas áreas, que atuam em cooperação e alinhados em prol de um bem maior: o desenvolvimento profissional, social e recreativo das classes profissionais afins” reflete.

Confira a entrevista com o novo presidente do Nucleovet, Luiz Carlos Giongo.

Qual o desafio junto ao Nucleovet como instituição e como organizadora de três eventos técnicos como SBSA, SBSS, SBSBL?

Giongo – O Nucleovet é composto por profissionais ligados as diferentes áreas da produção animal e tem como uma de suas funções sociais oportunizar o aperfeiçoamento profissional. Os eventos técnicos cumprem com excelência essa função ao trabalhar temas relevantes para mercado profissional das cadeias produtivas de aves, suínos e leite, e só ocorrem desta forma, graças a dedicação voluntária de dezenas de colegas.

O desafio é oferecer aos participantes o que tem de mais atual e inovador na área científica, aperfeiçoamento pessoal e profissional, comportamento do mercado global e normativas e procedimentos legais. Precisamos surpreender positivamente, por isso é de suma importância termos o apoio de toda cadeia produtiva.

Qual a importância do associativismo da classe de veterinários e zootecnistas e seu papel na cadeia produtiva?

Giongo – Em geral, como seres humanos, felizmente sempre buscamos nos relacionar com outros que têm interesses em comum. Dar espaço para o novo, se permitir olhar para o lado e trabalhar em cooperação possibilita termos acesso a diferentes experiências, pontos de vista e alcançar resultados que sozinhos não alcançaríamos.

A realidade é que no geral a classe veterinária não é tão unida como outras classes profissionais. O Nucleovet tem demonstrado que é possível trabalharmos juntos, em prol de uma causa comum.

Nós acreditamos poder agregar e gerar ainda mais coesão. Estamos aqui para isso. A história de nossa associação demonstra que todo esforço é válido, pois muitos frutos já foram colhidos e continuamos a plantar para continuar essa trajetória de sucesso.

Com os princípios de integração, respeito, comprometimento e justiça social, o Nucleovet busca proporcionar a difusão do conhecimento na cadeia produtiva e o fortalecimento da classe.

Esta Diretoria está focada no trabalho através da gestão participativa e inclusiva. Estaremos atuando com o propósito de evoluir e inovar nos três simpósios Simpósio Brasil Sul de Avicultura, Simpósio Brasil Sul de Suinocultura e Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite; engajar, aproximar e ampliar a base de sócios; promover eventos esportivos e recreativos; realizar ações e campanhas informativas com a sociedade; realizar parcerias no campo de formação profissional; estruturar projeto de pesquisa direcionada aos interesses da cadeia produtiva, em parceria com outras instituições; completar a estruturação da sede social da entidade, para uso em diferentes fins (social, recreativo, profissional, etc.); e dar início ao projeto de evento na área pet.

Qual o maior desafio do profissional veterinário e zootecnista hoje?

Giongo  –  Impossível apontar um só elemento, mas pode-se listar alguns dos principais, como o conceito one health, de pensar a saúde humana e animal como interdependentes e ligadas a saúde dos ecossistemas, tendo os profissionais uma visão global desde a produção pecuária até a saúde humana. Também é ponto importante lidar com a pressão do mercado consumidor e adaptar-se às mudanças tecnológicas da área de produção. Outro ponto é a necessidade de atualização constante, atitude proativa e ter iniciativa para assim poder agir da melhor forma diante dos desafios profissionais e pessoais do dia a dia. Neste ponto, os simpósios organizados pelo Nucleovet têm ajudado muito na formação, atualização e qualificação dos profissionais da avicultura, suinocultura e bovinocultura de leite. Um papel que o Nucleovet procurou desenvolver e no qual vai seguir evoluindo com a ampla visão de sanidade e saúde global.

Nova diretoria

Presidente: Luiz Carlos Giongo

Vice-presidente: Lucas Piroca

1º Secretário: Guilherme Bernardo

2ª Secretária: Letícia De Toni Jirkowsky Canfield

1º Tesoureiro: Tiago José Mores

2º Tesoureiro: Mateus Castro e Silva

Conselho Fiscal: Sarah Bif Antunes (titular), João Romeu Fabrício (titular), Denoir Graciolli (titular), Alessandro Crivellaro (suplente), Edson Klein (suplente) e Gilmara Adada (suplente)

Conselho Deliberativo: Luiz Carlos Giongo, Denis Cristiano Rech, Airton Vanderlinde, Gersson Antonio Schmidt, Henrique Zamoner, Juliano Fiorini, Marcos Cortina, Antonio Carlos Zanini e Silvana Giacomini Collet.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Copagril começa revolução para dobrar produção de frango e entrar no mundo da piscicultura

Presidente Ricardo Chapla, destaca mudanças no modelo de gestão da empresa e revela os planos da cooperativa cinquentenária paranaense

Publicado em

em

Divulgação

Os planos da Copagril para os próximos anos são audaciosos. A cooperativa com sede em Marechal Cândido Rondon e atuação na região Oeste do Paraná e Sul de Mato Grosso do Sul chega aos seus 50 anos em 2020, com propostas que vão elevar a cooperativa a outro patamar. Começar a produção de peixes e duplicar a produção de carne de frango são algumas delas. O faturamento de R$ 1,7 bilhão deve ficar significativamente mais robusto nos próximos anos. Em entrevista exclusiva ao jornal O Presente Rural, o presidente Ricardo Chapla, fala do novo ambiente político no Brasil, da recuperação que o agronegócio teve no segundo semestre de 2019, destaca mudanças no modelo de gestão da empresa e revela os planos da cooperativa cinquentenária paranaense.

O Presente Rural (OP Rural) – Presidente, faça um balanço de 2019, tanto do agronegócio como da cooperativa Copagril?

Ricardo Sílvio Chapla (RSC) – Podemos dizer que estamos chegando em um dos melhores finais de ano para o agronegócio no Brasil. O ano passado foi difícil, especialmente para quem tem a parte pecuária, como nós temos. Infelizmente, na nossa área de atuação, Paraná e Mato Grosso do Sul, tivemos uma perda muito grande na safra de verão, perdemos a metade. E isso, evidentemente, faz falta para todos, faz falta para o produtor e para a cooperativa também. É um faturamento que você poderia ter e não teve, mas, mesmo assim, nós vamos fechar o ano com um faturamento maior do que o ano passado e com um resultado muito melhor do que foi ano passado. Isso é muito importante para nós.

Iniciamos 2019 com a mudança de governo. A gente tinha expectativas, mas não sabia o que iria acontecer. Iniciamos 2019 com receio, mas podemos dizer que estamos chegando no final do ano com um dos melhores resultados para o agronegócio e para a cooperativa.

OP Rural – A que o senhor atribui essa arrancada no segundo semestre?

RSC – Vários fatores têm proporcionado no mínimo manter o faturamento e até crescer. Uma é que nós participamos mais do mercado, a Copagril dentro de seus negócios teve crescimentos de alguns negócios. Outra parte que também proporcionou isso a nós é a evolução do preço das carnes. Como trabalhamos com um volume grande de carne de frango e temos produção de suínos, isso também nos ajudou na evolução do faturamento. São dois fatores que nos ajudaram. Estamos felizes porque nós, queira ou não queira, crescemos dentro de todos os negócios que a Copagril tem. As atividades tiveram um crescimento dentro do mercado como um todo.

OP Rural – O que a China tem a ver com essa evolução?

RSC – A china tem muito a ver. A gente, como ser humano, não quer que ninguém tenha nenhum tipo de desgraça, mas o que aconteceu na China para nós foi muito benéfico. Eles tiveram uma perda muito grande na produção de suínos com doenças que eliminaram um volume muito grande de animais (40% do rebanho). A China sozinha produz e consome a metade ou mais dos suínos do mundo. Eles tiveram essa infelicidade da Peste Suína Africana, o que provocou uma corrida maior para eles poderem se abastecer com carne, especialmente carne suína, mas de frango também. Hoje está saindo um volume maior de frango do Brasil para a China, e com preços melhores. Esse, eu diria, é o principal fator da mexida (no preço) das carnes, o fator China, isso é o que influenciou.

OP Rural – Hoje a Copagril comercializa seus produtos principalmente para qual país?

RSC – Hoje, na parte de carne de frango, nós exportamos o maior volume para China e Japão, e aí, claro, nós temos inúmeros países para onde vai a carne, mas são compras menores. Os mais significativos são esses dois. Nós temos nossa central Frimesa, na qual a Copagril tem, inclusive, o maior percentual de capital. O suíno e o leite são repassados automaticamente para a central, que industrializa e também exporta.

OP Rural – A Copagril já planeja aumentar o plantel de suínos com essa nova indústria da Frimesa de abate de suínos em Assis Chateaubriand?

RSC – Como ano passado foi um ano muito ruim, tivemos que segurar o planejamento, tanto é que também foi segurado o investimento (na planta industrial), mas agora as projeções que nós temos é de que vai se retomar o investimento no início do ano que vem por parte da Frimesa. Automaticamente, estamos retomando o crescimento da nossa suinocultura. Então, vamos ter sim oportunidades para produtores que já são iniciadores e que querem ampliar. Alguns já estão com projetos, alguns já estão em andamento. Tendo mais leitões, vão vir oportunidades para investimento em crechários e terminação. Hoje, nosso sistema tem pouco mais de 300 associados que estão envolvidos na suinocultura.

OP Rural – E a ideia é chagar a quanto? Tem isso já em mente?

RSC – Não, em números de produtores e associados nós não temos, mas em número de produção sim, porque muitos dos que estão hoje vão ampliar, mas, claro, vai ter oportunidades para novos também, sempre atendendo a avaliação e aos critérios que nós temos. Mas isso envolve várias questões. Cada produtor tem sua maneira, seu jeito e sua capacidade de investimento. Tudo isso tem que ser levado em consideração, mas nós já estamos bem adiantados.

OP Rural – A Copagril tem feito uma reestruturação nas equipes e modelo de gestão. Fale mais sobre isso?

RSC – As vezes as pessoas que estão do lado de fora não têm o conhecimento. Nós somos uma grande empresa, nós fazemos muitas atividades, lidamos com produções, industrializações, varejo, enfim. E é evidente que precisamos estar inovando, buscar caminhos diferentes, inclusive na gestão. A gestão que se tinha há alguns anos servia, mas hoje já não serve, temos de modificar isso. O próprio mercado impõe isso. Nós nunca desprezamos nem vamos desprezar ninguém que tenha feito parte da Copagril, mas começamos estamos dentro desse processo (mudança nas equipes) desde o ano passado e ainda não estamos concluídos.

Às vezes não é tão fácil trabalhar a cabeça das pessoas, têm pessoas que se adaptam e aceitam as mudanças, mas têm aquelas que não, isso é natural do ser humano. Nos últimos anos nós visitamos muitas universidades no mundo, onde a gente sempre tem observado e buscado ideias do que está vindo pela frente. A velocidade das mudanças está cada vez maior e vai acontecer, independente se as pessoas querem ou não.

Como a grande empresa que somos, precisamos estar atentos. Temos mudanças muito significativas dentro da empresa, mas sempre olhando para ela ser uma empresa inovadora e competitiva dentro do mercado.

OP Rural – E as perspectivas para 2020?

RSC – A perspectiva nossa para o ano que vem é totalmente diferente do que foi, por exemplo, de 2018 para 2019. Nós estamos otimistas que no ano que vem iniciaremos o ano diferente, já bem positivo, estamos esperando muitas coisas positivas em termos de ajustes no nosso país. Consequentemente a isso, há uma possibilidade de nós termos um crescimento da economia, com o PIB crescendo, e isso mexe nos investimentos. Esse ano iniciamos meio desconfiados, meio esperando o que iria acontecer, mas podemos dizer que agora, no final do ano, estamos chegando com resultados bons e muito otimismo para 2020.

OP Rural – Quais os projetos e investimentos da Copagril para os próximos anos?

RSC – Sempre vai ter investimento, não tem como parar. Às vezes se acelera mais ou menos, com investimentos maiores ou menores. Quando a maioria deles é pequeno, as pessoas muitas vezes nem percebem, mas nós temos produções para os próximos anos de investimentos bastantes significativos, bastante altos. No ano que vem, é um ano que vai ter investimentos mais pontuais, deve ter algo no frigorífico, temos que investir na ampliação de alguns setores lá.

Devemos colocar em funcionamento um novo supermercado em El Dourado, Mato Grosso do Sul, talvez até antes da Páscoa. Há outros investimentos menores, mas são coisas essenciais, como substituição de equipamentos, modernização de alguma unidade de recebimento de grãos. Falando em mais prazo, sem ser prazo determinado, temos coisas grandes. A Copagril tem projeção de dobrar ou mais do que dobrar o frigorífico de aves. Essa é uma projeção para os próximos anos. Nós não estipulamos prazos, vai depender de várias coisas, mas isso é certo que vai ter. A Copagril nos próximos anos vai ter até quem sabe desativado

Temos a ideia de desativar uma unidade de recebimento e construir uma nova, dentro de sua área de atuação, por questões de logística, de funcionabilidade, questões de licenciamento. Isso tudo está dentro da nossa projeção para os próximos anos.

Ainda, é claro, desde os nossos negócios de varejo aqui na cidade, os dois supermercados da Copagril vão ser ampliados. Queremos aumentar o número de clientes, apesar de estarmos muito felizes com a clientela que nós temos.

Temos também, nas atividades de suinocultura, a precisão de crescer na produção, junto com nosso associado. Outras atividades devem ter ampliação, estamos em pleno projeto de ampliação da unidade de recebimento de Oliveira Castro, por exemplo, na secagem, especialmente de milho. Temos várias unidades também projetadas para os próximos anos, vamos estar modernizando as que já temos. Em termos de investimento, a Copagril sempre vai ter todo ano vários milhões de investimentos.

A hora em que nós implementarmos efetivamente nosso projeto de duplicação do nosso abatedouro – falamos duplicação, mas vai ser mais do que isso -, isso vai proporcionar oportunidades para os associados e produtores que queiram ter um atividade a mais ou, para aqueles que já têm, ampliar. Aí teremos novos investimentos em aviários e assim por diante. Uma coisa puxa a outra, nós precisamos ter a industrialização para poder propiciar essa oportunidade para os associados.

Como um todo, temos projeções muito grandes para os próximos anos, mas não estipulamos prazos, porque são vários fatores que levamos em conta. Nós temos vários interesses em parcerias que, no futuro, podem acontecer. Precisamos estar atentos ao mercado como um todo e dentro das possibilidades que alguns setores podem nos oferecer.

OP Rural – O senhor está falando na produção de peixes, de filé de tilápia?

RSC – Peixe não está descartado, sempre está no nosso radar. Aliás, até já temos área disponível para isso, se for o caso, ao lado do que nós temos hoje o abatedouro de aves.

OP Rural – Área para uma planta de abate de peixes?

RSC – Sim. Para construir o abatedouro futuramente, mas não temos definido o prazo. E automaticamente, se vai aumentar a produção de carnes, nós precisamos aumentar as indústrias de produção de ração.

OP Rural – E o Brasil? Está no caminho certo?

RSC – A linha do governo federal, na nossa opinião, é a correta, observando com o que temos visto em outros países do mundo. O Brasil é talvez um dos países mais ricos do mundo em questões naturais, mas é pobre. Então tem coisa errada. Na nossa opinião, a gestão pública brasileira é muito ruim, muito fraca, mas agora pegou uma nova linha. Há muitos anos se implantou, na verdade, um socialismo, e isso em lugar nenhum no mundo serve. Precisamos valorizar o capital, porque as pessoas dizem que não tem emprego, mas só vai ter emprego se alguém tiver capital, investir e gerar emprego.

O poder público virou um inchaço, nós temos muitas pessoas que vivem sem trabalhar, vivendo com bons salários, outros trabalham muito pouco.

Na nossa avaliação, temos a melhor equipe de ministros dos últimos anos. São pessoas qualificadas e que não têm, digamos assim, conchavos políticos ou interesses políticos. Felizmente isso hoje nós temos no Brasil, mas infelizmente temos um Congresso que trava muito. Se nosso Congresso não fosse travar todas as vezes que trava, o país já estaria bem mais avançado. Nós achamos que a população brasileira, na grande maioria, vai cada vez mais pressionar e os congressistas terão de rever sua forma de agir. Tem muito congressista que ainda hoje não percebeu que a população quer mudança e que não quer mudar. Aquela velha política tem que acabar, temos que ter uma visão diferente das coisas.

Nós, como contribuintes, estamos cansados de pagar cada vez mais impostos. Em primeiro lugar, tem que enxugar a máquina pública, de cima até embaixo. Essa estrutura leva a custos demasiados e não sobra dinheiro para investimento. Se nós tivéssemos uma estrutura mais enxuta, sobraria dinheiro para investir. E se o poder público investir, o privado também investe.

Um problema é o judiciário se envolvendo (no governo), querendo legislar, o que está errado. Hoje os ministros (do STF) têm uma opinião, amanhã têm outra. Prende um dia, solta depois. E aí o negócio é realmente complicado.

Temos que querer produzir, querer evoluir em todos os sentidos. A parte privada está fazendo sua parte. O poder público age em algumas situações, em outras não; precisa evoluir.

Felizmente, estamos vendo que esse ano, com os novos governos a nível federal e estadual, estão havendo coisas muito positivas com esses dirigentes, que têm uma cabeça um pouco diferente do que governantes tinham no passado recente. A gente espera que realmente nós possamos superar as dificuldades. O Brasil está no caminho certo.

Outras notícias você encontra no Anuário do Agronegócio Paranaense de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Alta demanda interna de ovos diminui exportações em janeiro

Em receita, o saldo das exportações totalizou US$ 863 mil, número 48% menor que o obtido no primeiro mês do ano passado

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os embarques brasileiros de ovos (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram 821 toneladas em janeiro, volume 48% inferior às 1.579 toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Em receita, o saldo das exportações totalizou US$ 863 mil, número 48% menor que o obtido no primeiro mês do ano passado, com US$ 1.659 mil.

Segundo o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin, esse movimento de queda nas exportações de ovos é decorrente da alta na demanda interna, além das sazonalidades do mercado internacional.

“O mercado interno tem absorvido praticamente toda a produção. É um fato histórico para o país, pois o Brasil alcançou a média mundial de 230 unidades consumidas por pessoa em 2019, demonstrando confiar na proteína do ovo, uma alternativa saudável para a boa alimentação”, analisa o diretor.

Dentre os principais destinos, o bloco dos Emirados Árabes se destacou com a compra de 602 toneladas em janeiro e um saldo de US$ 621 mil. Outros destinos da Ásia, como Barein e Arábia Saudita contribuíram para as vendas no período.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.