Conectado com

Notícias

Presidente da BRF e ministro da Agricultura discutem Operação Trapaça

Presidente-executivo global do grupo BRF Foods ressaltou que o episódio não tem relação com as fases anteriores da Operação Carne Fraca, deflagrada há um ano

Publicado em

em

O presidente-executivo global do grupo BRF Foods, José Aurélio Drummond Jr., se reuniu na terça-feira (06), em Brasília, com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para discutir os desdobramentos da Operação Trapaça, deflagrada na segunda-feira (05). Na 3ª fase da Operação Carne Fraca, a Polícia Federal investiga fraudes em resultados de análises laboratoriais relacionados à contaminação de carne pela bactéria Salmonella spp.

Estão na mira da investigação quatro plantas industriais (frigoríficos ou abatedouros) da BRF, uma das maiores empresas do setor de alimentos no mundo e dona das marcas Sadia, Perdigão e Qualy. Duas unidades investigadas abatem frango – em Rio Verde (GO) e em Carambei (PR). Outro alvo da investigação é um frigorífico de peru, localizado em Mineiros (GO); além de uma fábrica de rações da empresa em Chapecó (SC).

As quatro unidades tiveram as atividades de exportação suspensas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para 11 países e União Europeia, onde são exigidos requisitos sanitários específicos de controle e tipificação da Salmonella, já que existem mais de duas mil variedades da bactéria, sendo que duas são preocupantes para a saúde animal e duas para a saúde pública.

Após a reunião com o ministro da Agricultura, Drummond Jr. evitou fazer comentários sobre a investigação em andamento, mas ressaltou que o episódio não tem relação com as fases anteriores da Operação Carne Fraca, deflagrada há um ano. “Por tudo o que nós ouvimos até agora, na sua maior parte, são episódios que aconteceram anteriormente aos eventos da Carne Fraca de 2017”, disse.

Sobre a conversa com Blairo Maggi, o presidente-executivo da BRF destacou a preocupação do ministro com os efeitos de mais essa investigação sobre as empresas do setor. “As operações da companhia são muito relevantes para as exportações brasileiras. É importante cuidar para que não ocorra impactos que não sejam necessários”, argumentou. Drummond Jr. estava acompanhado do presidente do conselho de administração da BRF e ex-ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan.

Por meio de sua assessoria, o ministro Baliro Maggi disse que não iria comentar a reunião com os executivos da companhia e informou que fará uma um novo comunicado nesta quarta-feira (07), dirigido aos mercados interno e externo, e reforçar as ações do governo para assegurar a qualidade e o controle sanitário adequados dos alimentos de origem animal produzidos no país.

Em vídeo divulgado na terça-feira, Maggi garantiu que não há risco no consumo de aves no país e que a bactéria eventualmente encontrada na carne é destruída quando o alimento é cozido ou frito.

A Justiça Federal decretou a prisão temporária por cinco dias de 11 pessoas, entre elas o ex-diretor-presidente global da BRF Brasil, Pedro de Andrade Faria, e o ex-diretor de operações da empresa, André Luís Baldissera. Faria deixou o comando da empresa em dezembro do ano passado, justamente para dar lugar ao atual dirigente, José Aurélio Drummond Jr.

Fonte: Agência Brasil

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − três =

Notícias Segundo Secex

Exportação de milho do Brasil reduz ritmo na 3ª semana de outubro

Exportação de milho do Brasil somou 266,7 mil toneladas na média diária até a terceira semana de outubro

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

A exportação de milho do Brasil somou 266,7 mil toneladas na média diária até a terceira semana de outubro, em ritmo inferior ao verificado até a segunda semana do mês (293,75 mil toneladas/dia), de acordo com dados divulgados na segunda-feira (19) pelo governo.

Com isso, a média diária no acumulado do mês ficou abaixo das 273,8 mil toneladas/dia de outubro de 2019, quando o Brasil exportou ao todo cerca de 6 milhões de toneladas do cereal, segundo números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Já a exportação de soja do Brasil atingiu 145,1 mil toneladas na média diária até a terceira semana do mês, ante 230,74 mil toneladas/dia da média de outubro de 2019.

A média de embarques, contudo, ficou acima da verificada até a segunda semana deste mês (134,7 mil toneladas/dia).

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Safra 2020/2021

Imea prevê avanço no plantio de soja em Mato Grosso com chegada das chuvas

Conforme o Imea, o Estado havia semeado 8,2% da área projetada até a última sexta-feira,

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Produtores de soja de Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, deverão avançar com o plantio de soja com a chegada de chuvas e previsão de mais precipitações nesta semana, avaliou na segunda-feira (19) o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Com mais umidade, produtores poderão recuperar parte do expressivo atraso inicial.

Conforme o Imea, o Estado havia semeado 8,2% da área projetada até a última sexta-feira, ante 41,8% no mesmo período do ano passado, o que deverá resultar em uma colheita mais tardia no ciclo 2020/21.

“CHUVA!!! Depois de muita expectativa (e preocupação), a chuva chegou de forma mais intensa em várias regiões do Estado. De acordo com o Aproclima/TempoCampo, os volumes do dia 8 ao dia 18 de outubro alcançaram 35,58 mm, ficando próximo do percebido no último ano”, afirmou o Imea em boletim.

Segundo o instituto, sojicultores procuram alternativas para que a “janela” da segunda safra não fique tão prejudicada. Produtores plantam milho ou algodão após a colheita da soja. “Alguns destes, por exemplo, ainda buscam no mercado sementes de ciclo mais precoce para trocar pelos materiais já adquiridos”, afirmou, ressalvando que, dependendo de como for o clima na fase reprodutiva da cultura, materiais precoces podem apresentar redução de produtividade.

O Ministério da Agricultura divulgou nota na segunda-feira que aponta que a semana deverá ter chuvas em praticamente todo o país. Segundo boletim do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), citado pelo ministério, a região Sul deve ter os maiores acumulados de chuva no centro do Estado do Paraná, que poderão ficar em torno de 80 mm.

No Sudeste, “não estão descartadas tempestades, com ocorrência de chuva forte, granizo e rajadas de vento, mas as chuvas serão mais escassas no norte de Minas Gerais”.

Na região Centro-Oeste, as chuvas terão maior volume no norte do Mato Grosso do Sul, sul de Goiás e leste do Estado de Mato Grosso.

“Há possibilidade de ocorrência de chuva forte e rajadas de vento em algumas áreas da região”, diz o boletim meteorológico do instituto.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Clima

Inmet prevê chuva em todo o país nos próximos 15 dias

Na Região Nordeste, as chuvas devem ser em menor volume de 27 de outubro a 4 novembro

Publicado em

em

Divulgação

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ligado ao Mapa, divulgou na segunda-feira (19) a previsão do tempo no país entre os dias 19 e 26 de outubro. De acordo com o instituto, a semana deverá ter chuvas em praticamente todo o país.

Na Região Sul, a previsão é de maiores acumulados de chuva no centro do estado do Paraná, que poderão ficar em torno de 80 mm. No Sudeste, não estão descartadas tempestades, com ocorrência de chuva forte, granizo e rajadas de vento, mas as chuvas serão mais escassas no norte de Minas Gerais.

Na Região Centro-Oeste, as chuvas terão maior volume no norte do Mato Grosso do Sul, sul de Goiás e leste do estado de Mato Grosso. “Há possibilidade de ocorrência de chuva forte e rajadas de vento em algumas áreas da região”, diz o boletim meteorológico semanal nº 41.

No Norte, os acumulados deverão variar entre 10 e 90 mm no Amazonas, sul do Pará e em Rondônia.

Figura 1: Previsão de chuva para 1ª semana. Fonte: Inmet

No período de 27 de outubro a 4 de novembro de 2020, “a semana deverá ter chuvas em todo o Brasil, mas em menor volume, na Região Nordeste”.

“Na Região Sul a tendência é de chuvas volumosos especialmente no oeste dos estados da região e, os acumulados podem chegar aos100 mm. A Região Central e também a Região Sudeste deverão ter chuvas intensas, principalmente nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, onde os acumulados poderão ultrapassar os 120 mm. No Matopiba, as chuvas deverão variar entre 20 e 40 mm, com maior probabilidade de ocorrência em Tocantins e no oeste da Bahia”.

Temperatura

Em relação às temperaturas, haverá pequenas variações no período de 19 a 25 de outubro.

Figura 2: Previsão de temperatura mínima para o dia 20 de outubro às 6 horas. Fonte: Inmet

Fonte: MAPA
Continue Lendo
Evonik Guana

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.