Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Bovinos

Prejuízos do calor são muito maiores do que se pensa

Nos últimos 5 anos o estudo do impacto do stress por calor sobre a saúde e desempenho de bovinos leiteiros avançou muito

Publicado em

em

Foto: Divulgação
Alexandre M. Pedroso – Consultor Técnico Bovinos Leiteiros Nutron/Cargill

Que o stress por calor afeta duramente o desempenho das vacas leiteiras, ninguém discute. No entanto, pesquisas realizadas nos últimos 5 anos têm mostrado claramente que os prejuízos são bem maiores do que se imaginava, e que não apenas as vacas foram impactadas pelo stress calórico. Neste cenário, o que o produtor pode fazer? Em primeiro lugar, ter a noção exata do tamanho do desafio, e depois identificar a severidade dos problemas que há em sua propriedade e as oportunidades para melhorar, colocando em prática as ações corretivas necessárias. Para isso, a metodologia CowSignals® é uma grande aliada!

Nos últimos 5 anos o estudo do impacto do stress por calor sobre a saúde e desempenho de bovinos leiteiros avançou muito, um grande número de trabalhos de pesquisa foi publicado mostrando de forma contundente como a negligência na prevenção desse problema gera enormes prejuízos às fazendas, que vão muito além da redução na produção de leite e piora nos índices reprodutivos.

Trabalhos recentes desenvolvidos por equipes das universidades da Florida e Georgia nos EUA (Dahl et al. 2017; Tao et al. 2020) – duas regiões onde o calor é intenso em boa parte do ano – mostram que o calor prejudica a proliferação de tecido mamário no período seco e o desenvolvimento e desempenho de bezerras cujas mães são submetidas a stress calórico no final da gestação. São dados muito robustos e preocupantes. Ou seja, pensando nas condições climáticas observadas em nosso país durante quase todo o ano, é impensável não investir em soluções para combater esse problema.

Infelizmente ainda veja muitas fazendas hesitando em fazer investimentos nessa área. Muitos produtores e técnicos ainda subestimam o strees pelo calor. A aplicação da metodologia CowSignals® nos ajuda muito a identificar a ocorrência de stress calórico nos rebanhos leiteiros, os sinais que os animais mostram são muito evidentes e de fácil interpretação, e isso pode ajudar muito os produtores a tomarem a decisão de investir no resfriamento dos animais. Os sinais que mais observamos para identificar ocorrência de stress por calor nos rebanhos leiteiros são a frequência respiratória das vacas, o índice de ocupação da cama e o “bunching” – aglomeração de animais.

Com relação à frequência respiratória das vacas, diferentes trabalhos científicos já mostraram que há uma relação direta e muito próxima entre esse parâmetro e a temperatura corporal dos animais. Toda vez que a frequência respiratória fica acima de 60 movimentos por minuto, o animal está em stress por calor. É um parâmetro muito fácil de mensurar, basta observar os animais – preferencialmente quando estão deitados – e contar o número de movimentos respiratórios a cada minuto. Fazer essa observação em 20-25% dos animais de cada grupo é suficiente para ter uma noção exata da intensidade do problema. Em minhas apresentações e treinamentos na metodologia CowSignals sempre mostro a tabela abaixo:

Quando as fazendas começam a avaliar esse parâmetro, normalmente surpreendem-se com o grande número de animais em stress severo, mesmo quando as pessoas entendem que não está muito calor. Os animais ruminantes sofrem muito mais do que nós com o calor, pois parte do seu processo digestivo se dá por fermentação anaeróbia, com grande produção de calor endógeno. Sempre é preciso levar isso em conta!!!

Para avaliar quanto as condições ambientais podem desafiar os animais, monitoramos o THI ou ITU – índice temperatura/umidade – parâmetro bastante conhecido por produtores e técnicos. Toda vez que esse THI estiver acima de 68, os animais estarão sob stress por calor. E THI de 68 equivale a 22°C com Umidade Relativa do ar de 50%, condição que para a imensa maioria das pessoas é bastante confortável. Eu recomendo enfaticamente que as fazendas passem a mensurar a frequência respiratória com regularidade. Os sinais das vacas não mentem!

Outra forma de avaliar o impacto do calor é observar o índice de ocupação das camas das vacas. Por cama, entendam o local onde as vacas deitam. Pode ser Free-Stall, Compost-Barn, Piquete, Pasto, etc., o conceito não muda. Sempre que estão sofrendo com o calor os animais tendem a ficar mais tempo em pé, pois é uma forma de ajudar na dissipação do calor interno. Para avaliar esse parâmetro é preciso observar as vacas num momento em que espera-se que a grande maioria delas esteja deitada, o que normalmente acontece cerca de 2h depois dos tratos.

Segundo a metodologia CowSignals, devemos observar um grupo ou lote de vacas e contar quantas estão deitadas e quantas estão em pé. As que estiverem no cocho se alimentando ou bebendo água não devem entrar na conta. O ideal é que pelo menos 80% das vacas consideradas na avaliação estejam deitadas, mas acima de 75% já é um bom número. Quando os animais estiverem sob stress por calor será comum haver menos de 50% de vacas deitadas, esse é um bom indicativo do problema. Se além disso, houver número significativo de vacas com frequência respiratória acima de 70, o desafio é grande.

Outro sinal claro de que os animais estão sofrendo com o calor é aglomeração de vacas num local específico da instalação, como mostra a foto.

Além de estarem praticamente todas em pé, percebe-se claramente a aglomeração no fundo do barracão. Quando essa foto foi tirada, essa instalação era nova, ainda não tinham sido instalados os ventiladores, e o desconforto pelo calor era evidente. As vacas buscaram aquele local no fundo do barracão porque lá havia uma corrente de ventilação natural que ajudava a aliviar um pouco, então a maioria delas procurou aquele local. Esse é mais um sinal claro de que os animais estão desconfortáveis.

Recentemente a Prof. Fernanda Ferreira da Universidade da Califórnia nos EUA apresentou uma palestra para o mercado brasileiro com o título “Consequências do estresse térmico em sistemas de produção de leite”, na qual mostrou que o tempo de retorno sobre investimentos em sistemas de resfriamento é muito curto, sempre vale a pena investir em bons sistemas. Salas de banho na espera da ordenha e a colocação de aspersores e ventiladores nas linhas de cocho são grandes aliados na batalha contra o calor.

Além disso, há diversas ações que o produtor pode e deve colocar em prática para ajudar os animais a lidarem melhor com o desafio do calor, tais como:

• Garantir que todo o rebanho tenha acesso irrestrito a água de beber, limpa e de boa qualidade. Essa é a principal estratégia para alívio do stress por calor! O consumo de água pelos animais chega a dobrar de volume nas épocas e horários mais quentes, se houver restrição de volume ou qualidade da água o impacto negativo será enorme.

• Garantir que todos os animais tenham acesso a sombra em local limpo e seco, seja qual for o tipo de sistema de produção. O impacto positivo da sombra sobre a saúde e desempenho dos animais é muito grande, rebanhos que têm acesso restrito a áreas sombreadas normalmente apresentam índices elevados de doenças e distúrbios metabólicos, bem como baixo desempenho produtivo e reprodutivo.

• Oferecer ao rebanho alimentação que permita maximizar a saúde e minimizar a geração de calor interno. O uso de gordura inerte é uma excelente ferramenta para aumentar a concentração energética das dietas, sem impactar a produção de calor endógeno.

• Uso de aditivos que comprovadamente melhoram a imunidade e saúde dos animais. Atualmente há excelentes tecnologias disponíveis, que podem ajudar bastante no alívio do stress por calor, inclusive aditivos que diretamente reduzem a temperatura corporal dos animais.

Costumo dizer que em nosso país o combate ao stress por calor nas fazendas leiteiras não é uma opção, é obrigação para que se os rebanhos possam ser saudáveis e alcancem elevados níveis de desempenho. A metodologia CowSignals ajuda muito na identificação de sinais claros de que os animais possam estar em sofrimento, todas as fazendas deveriam colocar isso em prática imediatamente!

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + nove =

Empresas Bovinos

Graciele e Thaize Enéias, pecuaristas com muito orgulho e competência

“Nossa primeira sensação foi de: Uau! Nós estamos entre grandes da pecuária. Depois que a ficha caiu, pensamos: Fizemos por merecer”.

Publicado em

em

Fotos : Divulgação

A frase de Graciele Enéias, uma das proprietárias da Fazenda Ipê (Santa Fé do Araguaia, TO), refere-se ao evento de entrega dos prêmios da primeira edição (2019) do Programa de Eficiência de Carcaça (PEC), iniciativa da Minerva Foods, Phibro e Biogénesis-Bagó, que contribui para a pecuária atingir um novo patamar de eficiência, com a disseminação de boas práticas, integração dos elos da cadeia produtiva e apoio aos pecuaristas para produzir mais e melhor, atendendo às necessidades da indústria frigorífica e satisfazendo as crescentes exigências dos consumidores finais.

Graciele e a irmã Thaize, que dividem a gestão da fazenda, receberam o troféu Ouro como as melhores entre todos os fornecedores de gado para abate na unidade de Araguaína (TO), da Minerva Foods. A Fazenda Ipê tem 1.500 hectares e rebanho total de 2.000 animais – genética Nelore, Angus e Hereford. O abate é de perto de 500 cabeças por ano.

“Nós percebemos ali que produzir bem, com responsabilidade ambiental e foco nos atributos de desempenho do gado, independem de gênero. Nós, mulheres, também somos ótimas gestoras de pecuária”, complementa a irmã Thaize.

E elas fizeram por merecer o prêmio, que veio como recompensa de um trabalho de três décadas.

“Meu pai faleceu no final dos anos 80 e deixou a propriedade para os filhos: eu, Thaize e um irmão. Até então, nós só íamos para a fazenda visitar, nos divertir. Meu irmão preferiu sair do negócio, mas eu e Thaize gostamos da ideia de tocar o gado. Mas, desde o início, pensamos: ‘Se vamos fazer, tem de ser bem feito’”, diz Graciele.

Bioquímica de formação, Thaize levou o projeto a sério e saiu de Almenara (Norte de Minas Gerais) e foi morar em Araguaína. Graciele, formada em fisioterapia, ficou na cidade e passou a cuidar da gestão e administração.

Cada uma com suas responsabilidades, construíram um negócio produtivo e rentável. “Fizemos tudo o que era curso de pecuária, de gestão, de novas tecnologias. Melhoramos a genética, intensificamos o manejo dos pastos e a suplementação e cuidamos da saúde, sem nos descuidar da sustentabilidade”, detalha Graciele.

Ainda tinha muito a fazer. “Começamos a apurar o gado, nos preocupar com precocidade, qualidade da carcaça, rendimento no gancho, até a importância do pH da carne nós aprendemos. Ué, e não é que deu resultado! De repente, estávamos produzindo o gado do futuro, como diz o PEC”, ri Graciele.

Ao mesmo tempo em que a Fazenda Ipê progredia Graciele e Thaize se afastavam de suas atividades de formação e se tornaram ainda melhores pecuaristas. “A pecuária exige muito de nós. Eu e Thaize sempre gostamos de nos envolver, de fazer direito, de estudar, buscar, conquistar. E já caminhamos bastante, o que dá uma satisfação danada!”.

Essa exposição positiva das irmãs do Tocantins abriu novas frentes. Graciele e Thaize passaram a transitar em grupos de mulheres do agro e da pecuária, são convidadas para eventos nos quais contam sua história de luta, investimentos e conquistas.

“A gente sabe que a pecuária é dinâmica. O que é ótimo hoje pode não ser nem bom amanhã. Não se pode parar. Por exemplo: no PEC 2020 nós não ficamos entre os top 3. Mas não pense que isso nos desanimou. Já nos inscrevemos no PEC 2021 e, quem sabe, pode vir algo bom para a gente este ano”, provoca Graciele.

Thaize concorda. Ela diz que o PEC mostra que o investimento em novas tecnologias, em nutrição de qualidade, em genética diferenciada, em manejo e em gestão contribuem para a produção de gado precoce, bem terminado e que rende muito no frigorífico. “Além disso, o Prêmio Ouro no PEC 2019 também mostra que as mulheres também sabem fazer pecuária de qualidade.

“Fica aqui um recado para todas as mulheres que, assim como nós, amam a pecuária. Acreditem em vocês. Vocês podem. Nós podemos. Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive na pecuária”, arremata Graciele Enéias.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Oportunidade

GTFoods oferta vagas de emprego em Maringá e outras unidades do Paraná

Empresa abre, mensalmente, postos para cargos operacionais, técnicos e/ou administrativos

Publicado em

em

Divulgação

Para quem está em busca de colocação no mercado de trabalho em Maringá e outras regiões do Paraná, a GTFoods, uma das gigantes do setor avícola, oferece, periodicamente, diversas oportunidades de contratação. Mensalmente, são efetivados em torno de 220 colaboradores. As vagas são para funções operacionais, cargos técnicos e/ou administrativos.

Atualmente, a empresa possui mais de 200 vagas disponíveis, distribuídas nas unidades de Maringá, Paranavaí, Paraíso do Norte, Mirador, Douradina, Indianópolis, Marilena, Quatro Pontes, Rondon, São Manoel do Paraná e Terra Boa.

A Coordenadora de Desenvolvimento Humano Organizacional Gente & Gestão da GTFoods, Deni Juncanssi, relata que as pessoas contratadas possuem oportunidades de crescimento e desenvolvimento dentro da empresa. “Trabalhamos internamente com divulgação de vagas, a fim de ofertar a possibilidade de crescimento e desenvolvimento aos nossos colaboradores, como por exemplo, a efetivação de um aprendiz. Colaboradores que entram na empresa, podem, futuramente, atingir cargos administrativos e/ou de liderança”, explica.

A empresa oferece também outros benefícios para colaboradores admitidos. “Além da remuneração e potencial de crescimento interno, a contratação possui atrativos como: alimentação no local, prêmios de assiduidade, plano médico e odontológico, parcerias com universidades e convênios com farmácias, escolas e outros estabelecimentos”, complementa Deni.

Processo seletivo

As vagas possuem etapas seletivas diferentes, que vão de acordo com o cargo concorrido. Os interessados podem procurar a Agência do Trabalhador da cidade em que deseja se candidatar ou comparecer em uma das unidades da empresa e preencher a ficha de cadastro solicitada. Além disso, as inscrições podem ser realizadas também pelo site da GTFoods (http://www.gtfoods.com.br/) ou por envio de currículo no e-mail: recrutamento@gtfoods.com.br.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Mulheres

Gerente de unidade chave da BRF espelha o avanço feminino

Executiva em Videira/SC retrata o aumento de mulheres em postos de liderança na Companhia, perto de atingir a meta de 30% de presença feminina no comando

Publicado em

em

Lucineia Antunes Valtte Leidens ( Foto: Divulgação)

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, tem a valorização da diversidade como um dos seus princípios, e o aumento da liderança feminina como compromisso público. Até 2025, a meta é atingir a proporção de 30% de mulheres em posições executivas.A Companhia está perto de atingir esse percentual: comparadaa 2018, a presença de mulheres em cargos executivos saltou de 15% para 22%, conforme os dados de fevereiro de 2021.

Esse avanço da liderança feminina, que se refleteinclusive na alta direção, com o exemplo de Grazielle Parenti, desde janeiro vice-presidente Global de Relações Institucionais, Reputação e Sustentabilidade, encontra-setambém no dia a dia de uma unidade chave para a BRF. A gerência industrial em Videira (SC), terra natal da Perdigão, uma das empresas que formaram a BRF, está desde o final do ano passado nas mãos de uma mulher.

Lucineia Antunes Valtte Leidens é uma das protagonistas do movimento de valorização de lideranças femininas que a BRF acelerou nos últimos anos.  Formada em Administração de Empresas, com MBA em Gestão de Pessoas, Lucineia está há 26 anos na BRF. Começou pela área de recursos humanos em Videira e foi promovida para o cargo de gerente regional Sul de RH após a consolidaçãoda fusão com a Sadia, em 2014. Dois anos depois, assumiu a gerência industrial de Campos Novos, dirigindo também a planta de Herval d’Oeste.

Com a equipe, Lucineia Valtte conseguiu colocar a unidade em destaque nos níveis de qualidade, gestão de pessoas e resultados, lucratividade e ampliação no número de habilitações para exportações de suínos. “Campos Novos se tornou uma referência pelos resultados alcançados no Sistema de Excelência Operacional em 2019 e recebeu troféus nos pilares pessoas, saúde, segurança e meio ambiente, sustentabilidade, operações industriais e gestão”, lembra.

Com aproximadamente 41% de mulheres entre mais de 90 mil colaboradores ativos no Brasil, a BRF entende que o conhecimento e o desenvolvimento das pessoas, um ambiente que valoriza a diversidade e relações baseadas em honestidade e respeito garantem o bom funcionamento da BRF e sua evolução constante.

Fonte: Ass. BRF
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.