Conectado com

Empresas

Pra frente Polinutri!

Tema da campanha da Convenção Polinutri 2020

Publicado em

em

Equipes comerciais, representantes e distribuidores de todo Brasil estiveram presentes na Convenção Polinutri 2020 somando 154 profissionais, evento que aconteceu nos dias 11 e 12 de março no Hotel Rancho Silvestre (Embu das Artes/SP). Um encontro que teve como pano de fundo uma paixão nacional: o futebol.

No primeiro dia (11) o apito inicial contou com apresentação do CEO da Polinutri, Paulo Roberto Oliveira de Andrade, que, após as boas vindas, explanou sobre as conquistas e desafios sob a ótica da nova estruturação da empresa que agora conta com um board composto por profissionais de mercado e traçou para as equipes de todos os segmentos de negócios – aquicultura, avicultura, suinocultura, bovinos e pet – os próximos passos da empresa. “Queremos pavimentar todo o caminho da profissionalização e revisão processual da empresa, de forma transparente e alinhada com a nossa equipe, a fim de que todos estejam engajados e habilitados a buscarem resultados ainda mais expoentes para todas as nossas unidades de negócios”, detalhou o CEO.

Na sequência os participantes conferiram as estratégias da Diretoria Administrativo Financeira, representada pelo Mauricio Palmieri, explicando a abordagem que tem adotado nas áreas sob sua competência. Segundo o executivo, existe um grande processo de aculturação em marcha, onde cada indivíduo do time, no reconhecimento do seu papel, ressignifica as suas atividades à luz de um questionamento fundamental: “Como a minha função agrega valor aos clientes da Polinutri e a faz avançar em novos mercados? ”. De acordo com Maurício, este novo olhar tem auxiliado no desenvolvimento de muitos projetos interessantes, envolvendo: novas modalidades de financiamento, aperfeiçoamento do processo de análise de crédito, melhoria substancial no processo de recrutamento e seleção, dentre outros.

Logo após, foi a vez de Humberto Saad, Diretor de Operações, que destacou que o primeiro grande passo de sua gestão foi o de priorizar os projetos de operações de acordo com as principais demandas da área comercial, ou seja, indústria e campo alinhados, trazendo mais clareza e informações relevantes para aumento de produtividade, redução de custos e melhoria do atendimento da Polinutri.

Por fim, o recém-chegado Diretor Comercial e de Marketing Otavio Fregonesi abordou que a empresa desenvolverá projetos estratégicos comerciais e de marketing, tendo em vista temas de suma importância, como: precificação, segmentação de mercado, revisão do portfólio de produtos e serviços, reestruturação do papel técnico-consultivo tudo com a finalidade de oferecer uma plataforma de negócios completa para os clientes Polinutri.

Para fechar o debate dos temas globais entrou em cena a palestra magistral do ex-presidente executivo da ABPA, Francisco Turra, com a apresentação ampla do setor com a palestra “Perspectivas para o mercado de proteína animal”.

Ainda no primeiro dia, após as atividades conjuntas, as equipes foram direcionados para salas e trabalharam demandas específicas de cada área de negócios Polinutri.

O segundo tempo (12) pela manhã, foi realizada a palestra motivacional com o Nélio Bilate, profissional com vasta experiência corporativa e que apresentou “A mentalidade certa para vencer – Felicidade e propósito”.

No período da tarde, a equipe de Marketing da Polinutri preparou a 1ª Copa Polinutri. Na ocasião, os participantes foram divididos em 9 agremiações com as seleções Respeito, Superação, Garra, Foco, Compromisso, Disposição, Integridade, Sucesso e Atitude com a participação de um super craque por equipe: Biro Biro, Careca, Silas, Dinei, Ezequiel, Nilson, João Paulo, Zenon e Rosemiro. Os times disputaram um campeonato eliminatório, onde o objetivo não era apenas ser campeão, mas fazer com que todos os envolvidos na equipe, mesmo aqueles que não estiveram dentro das quatro linhas, fossem inseridos e reconhecidos por seu papel. “A nossa proposta foi clara e a mensagem do vencer em grupo foi entregue para a nossa equipe. Conseguimos mostrar que mesmo em uma partida de futebol, onde ganhar ou perder está em voga, quando todos transpiram o mesmo objetivo, todos saem vencedores”, declarou o Gerente de Marketing da Polinutri, Luis Gustavo Lemos.

Fonte: Assessoria da Polinutri
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + nove =

Empresas Avicultura

Vetanco apresenta App para controle de cascudinhos no Paraná

Essa é uma ferramenta exclusiva da Vetanco, disponibilizada por meio de um App, para apoiar as práticas de gestão sanitária, organizando e definindo as melhores estratégias para o controle do inseto

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O novo aplicativo da Vetanco para o controle de cascudinhos, o Vetancid App, foi apresentado recentemente numa oficina para profissionais da empresa Levo Alimentos, em Umuarama, no Paraná.

O Assistente Técnico da Vetanco, Rodrigo Cesarin, apresentou a novidade para 13 profissionais da empresa, entre eles médicos veterinários, supervisores e estagiários, que puderam interagir em demonstrações práticas do controle da praga, num aviário da empresa paranaense.

Essa é uma ferramenta exclusiva da Vetanco, disponibilizada por meio de um App, para apoiar as práticas de gestão sanitária, organizando e definindo as melhores estratégias para o controle do inseto, sempre com foco na biosseguridade, especialmente no controle de enteropatógenos que são comprovadamente veiculados por este inseto.

O cascudinho é uma das principais pragas da avicultura de corte, pois é um vetor de doenças como a salmonella, podendo comprometer um lote e trazer prejuízos para o produtor e a agroindústria.

A Vetanco desenvolveu e comercializa um eficiente produto para o combate do inseto, o Vetancid. Durante a oficina, o palestrante demonstrou como aplicar de forma mais eficiente o produto e também como o aplicativo pode auxiliar no monitoramento dos cascudinhos.

O Vetancid App gera gráficos de fácil visualização, comparando os níveis de infestação em relação a lotes anteriores, o que traz informações rápidas para o produtor tomar a melhor decisão no controle da praga.

Por isso, a Levo Alimentos fez uma parceria com a Vetanco para capacitar seus profissionais.

A Levo é uma empresa que surgiu de uma aliança entre duas grandes empresas da avicultura nacional, a C. Vale e o Grupo Pluma. De acordo com os organizadores da oficina, a empresa está em franco crescimento e tem trajetória bem sucedida devido ao alto grau de engajamento e profissionalismo de seus colaboradores.

Já a Vetanco, é uma empresa presente em mais de 40 países e que há mais de 30 anos desenvolve soluções para a saúde e produção animal. Tem como objetivo desenvolver produtos que contribuam para que o consumidor tenha um alimento seguro e de qualidade em sua mesa.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Veterinários

MCassab reafirma compromisso com saúde única e homenageia médicos veterinários

Cada vez mais, o médico veterinário é importante para o conceito de saúde única, que alia saúde humana, animal e ambiental

Publicado em

em

Médico veterinário Fábio Martinho - Foto: Divulgação

Em 09 de setembro foi comemorado o Dia do Médico Veterinário. A profissão, ao contrário do que muitos pensam, extrapola o campo da saúde animal. Cada vez mais, o médico veterinário é importante para o conceito de saúde única, que alia saúde humana, animal e ambiental.

Para comemorar a data, a MCassab convidou um de seus profissionais para responder à pergunta: Para você, o que é ser médico veterinário?

“Ser médico veterinário é cuidar dos animais e contribuir para saúde e nutrição de todos, produzindo alimentos seguros e de forma sustentável. Saúde dos plantéis significa saúde dos seres humanos”. A afirmação é do médico veterinário Fábio Martinho, que atualmente é o gerente da Unidade de Negócios Aves com os Portfólios de Saúde Animal, Especialidades e Manufaturados Aves. Ele iniciou no Grupo MCassab como nutricionista para atender a demanda do segmento de avicultura.

“A crescente demanda para redução dos antibióticos traz oportunidades para novas soluções e hoje o maior desafio está em reposicionar a empresa para as próximas décadas, com produtos inovadores e que atendam à crescente demanda do mercado, sempre aderente às exigências das novas legislações”, afirma.

Sempre se destacando pela qualidade, inovação e equipe altamente capacitada, a área de Nutrição e Saúde Animal do Grupo MCassab completou 50 anos de forma consolidada no mercado brasileiro em 2019 trazendo ainda mais tecnologia, inovação e conhecimentos para os clientes e parceiros.

“Neste ano fizemos o lançamento da linha PoultryMIX, com soluções nutricionais completas para maximizar os resultados da avicultura e o Programa Plantel Sadio com o objetivo de oferecer soluções inovadoras para atender as necessidades dos nossos clientes com monitoramento e suporte em todas as fases através da implantação de tecnologias oferecendo um serviço técnico integral, desenvolvendo programas nutricionais e sanitários personalizados para promover alta produtividade, qualidade e segurança alimentar”, destaca Fábio.

Fonte: O Presente Rural com Informações da Assessoria MCassab
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Cobb discute controle de ventilação para melhor eficiência das aves e redução de custos

Especialista em Ambiência da Cobb na América do Sul, José Luís Januário, destaca controle de ventilação em granjas de reprodutoras durante webinar promovido pela empresa para América Latina 

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Atualizações de ventilação e melhora de ambiente para reprodutoras (matrizes) que produzem os pintinhos de frango de corte, foram apresentadas pelo especialista em Ambiência da Cobb-Vantress na América do Sul, José Luís Januário, em webinar promovido pela empresa. O manejo de ventilação e ambiência é parecido com o manejo de frangos, com algumas especificidades apenas e comportamento das matrizes. Para se ter uma ideia, a reprodutora pode chegar próximo a 2,2 quilos com 20 semanas, enquanto o frango chega a esse peso em cinco semanas. Por isso, todo o sistema produtivo, como manejo de ventilação e dieta, deve ser bem controlado e instalado para um ciclo mais longo e com as restrições de alimento que fazemos para as matrizes. Januário lembrou que, além de eficiência em produtividade, usar as melhores tecnologias no momento ideal é fundamental para reduzir custos de produção e ter eficiência financeira.

“Precisamos conhecer as necessidades das aves, qual é o custo operativo (de cada sistema de ventilação), como manter o ambiente controlado, com manejo de temperatura e umidade”, iniciou. Pontos críticos para o manejo da ventilação são a velocidade do vento e o controle de umidade”, mencionou. De acordo com ele, os pintinhos desde o nascimento e até o quarto dia, devem ter temperatura corporal ao redor de 40 a 40,6°C. “Muito acima ou muito abaixo podem ser fatais. Aos 36°C, eles só dormem, com 44 graus podem sofrer consequências adversas à saúde”, disse Januário. Ele destaca que além do ambiente, a temperatura da cama deve estar controlada, “entre 32 e 40 graus”. Até os 21 dias, as aves geralmente recebem calefação satisfatória de acordo com a idade e setup de temperatura. As temperaturas desejadas são: entre 33 a 34°C para aves de um a três dias. De quatro a sete dias, 32°C, para as de oito a dez dias, 31°C e para as aves de 11 a 15 dias, 30°C. E ainda: 29°C na terceira semana, 28°C na quarta semana, 27°C na quinta semana, 26°C na sexta semana, e, da sétima até a 24ª semana, a temperatura pode variar de 24 a 25°. Januário afirma que é preciso controlar a relação de calor de dentro e de fora do galpão, utilizando a ventilação, isolamento e a vedação das granjas, para isso.

São três os tipos ou módulos de ventilação: a ventilação mínima, para suportar a qualidade de ar, onde se trabalha junto com inlets, onde se tem,  e manejo de cortinas nos aviários convencionais, a ventilação de transição, também junto com inlets e cortina de entrada de ar, aumentando a extração, a velocidade do vento sem aumentar a sensação térmica de frio, o que melhora a troca de ar, e a ventilação túnel, quando se necessita velocidade de vento, “seja ventilação ou extração no fundo dos galpões”. Segundo ele, a ventilação ajuda ainda a controlar gases indesejados, como amoníaco, CO2 e CO. Em sua palestra, o especialista em ambiência citou que ventiladores misturadores de ar na parte perto do teto dos galpões, instalados nas partes mais altas, assim usamos a física para mesclar o ar, e promover um menor gasto de energia, como gás ou lenha, pois usam o calor de cima do galpão (o ar quente sempre fica acima do ar frio) e o espalha para baixo, onde estão os animais.

Como uma ferramenta de ventilação, para fazer uma ventilação natural, e para tirar calor do galpão, destacou que o uso correto das cortinas laterais pode ajudar, e o fazemos com uma relação de abertura de um lado respeitando uma proporção entre os lados, sendo uma parte para quatro partes do lado oposto, ou abertos seja: se abrir a cortina em cinco centímetros de um lado, do lado do vento predominante, 20 centímetros podem ser abertos do outro para ajudar a forçar o ar quente a passar pelo galpão e sair pelo outro lado junto com os gases indesejados e umidade também. Da mesma forma, para granjas mais modernas, deu dicas para o manejo com inlets para controlar o ar que entra na granja da maneira mais correta, ajudando no controle de umidade e o ambiente de maneira geral.

Mencionou ainda como usar as placas evaporativas e aspersores, “nunca antes que a temperatura esteja abaixo de 28°C dentro do galpão”, e os exaustores e ventiladores para aumentar o poder de ventilação em túnel, usando toda a estrutura, e sempre buscando gastar o menos possível de seu aparato energético para retira com eficiência o calor produzido pelas aves e também o calor que vem de fora. Para isso, sustentou também a importância do isolamento de telhado, das cortinas laterais, para controlar melhor o ambiente. Nas condições ideais, sustentou Januário, a troca total de ar num aviário de matrizes, deve ocorrer ao redor com 50 segundos entre a entrada e saída do ar, e como comparativo em frangos ao redor de 40-45 segundos de troca de ar. Para isso, sustentou, “podemos usar as tecnologias disponíveis, sejam simples como ventiladores e aspersores”. E para ele, é preciso lançar mão das tecnologias que estão disponíveis nas empresas, onde estão as granjas e que tenham boa relação entre custo e benefício.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ALLFLEX – Novo Site

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.