Conectado com

Notícias

Possibilidade de oferta de créditos de descarbonização na bolsa de valores incentiva a produção e beneficia o meio ambiente

Os créditos de descarbonização (CBIO) são ativos emitidos por empresas chamadas “emissoras primárias”. Esta emissão tem como objetivo a compensação da produção de gás carbônico, por intermédio dos biocombustíveis. Conheça as vantagens deste crédito e um exemplo de empresa que aderiu à oferta de CBIO  

Publicado em

em

Divulgação/Usina Goianésia

Para viabilizar as obrigações assumidas pelo Brasil, na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015 (COP 21), foi estabelecida a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio – Lei n° 13.576/2017). Entre os esforços para cumprir os compromissos assumidos na COP 21, o Brasil estabeleceu metas anuais de descarbonização para o setor de combustíveis, com o objetivo de aumentar a participação de bioenergia na matriz energética brasileira para aproximadamente 18% até 2030.

O Crédito de Descarbonização (CBio) é um dos instrumentos adotados pela RenovaBio, como ferramenta para atingir as referidas metas. A emissão desse crédito se dá  por produtores e importadores de biocombustíveis, devidamente certificados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), com base em notas fiscais de compra e venda, e pode ser comercializado a partir da venda desses ativos na bolsa de valores [B3].

Conforme relatório divulgado, em agosto do corrente ano, pelo Conselho Consultivo de Crise Climática (CCAG, sigla em inglês), ainda que se findassem as emissões líquidas de gases de efeito estufa, que inclui o gás carbônico, até 2050,  seria  “tarde demais” para evitar um desastre global e não seria suficiente para atingir a meta de limitar o aquecimento global a 1,5ºC até o final do século, estabelecida no Acordo de Paris.

Com base nas descobertas publicadas recentemente, pelo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), os cientistas do CCAG afirmam que nunca tivemos tantas evidências científicas para demonstrar que estamos “no meio de uma emergência climática global”.

Diante deste cenário, o administrador de empresas, especialista em gestão do agronegócio e agente autônomo de investimento com certificação pela ANCORD, Cleiton de Araújo Mendes, a emissão dos créditos é uma tendência em todo o mundo, já que vários estudos e teóricos, principalmente, ambientalistas, apontam para o aquecimento do planeta em razão do aumento do gás carbônico, o famoso efeito estufa.

De acordo com ele, que é sócio fundador da Vertent Invest, plataforma de serviços financeiros, responsável por assessorar empresas no processo e na emissão dos certificados, cada CBio corresponde a uma tonelada de gás carbônico evitado na atmosfera. A quantidade é calculada a partir da diferença decorrente do biocombustível produzido (etanol, biodiesel, biometano, bioquerosene, entre outros).

Esta iniciativa é importante para o meio ambiente e também se torna uma fonte de renda, um incentivo, tornando mais viável economicamente a descarbonização, em sua visão. “Nesse sistema, especificamente, a busca é por interagir para a descarbonização da atmosfera. Isso é feito através de um sistema de compensação, até para compensar a receita dos produtores relacionados aos biocombustíveis”, declara.

Um dos exemplos de empresas que já estão realizando a emissão dos (CBios) é a Caramuru Alimentos S. A., que conta com a assessoria da Vertente Invest. Em maio de 2021, a usina de biodiesel da instituição, no município de Sorriso (MT), aderiu ao RenovaBio. Com isso, o setor passou a ter 28 usinas habilitadas e capacitadas para emitir cerca de 6,67 milhões de créditos de descarbonização (CBios) por ano, o que pode equivaler a  um quarto da meta do setor de distribuição, estipulado em 25,2 milhões neste ano.

Como potencial faturamento, a Caramuru pode emitir 86,2 mil CBios em 2021, o que corresponde a R$ 2,64 milhões no mercado de descarbonização da B3, responsável por disponibilizar a plataforma em que se dá o ambiente para emissão do crédito a ser negociado na bolsa de valores.

A Caramuru é uma importante fornecedora de biocombustível no Brasil. Esse biocombustível é aditivado ao diesel e teve a demanda ampliada, em decorrência  da mudança legislativa que alterou o percentual de composição de 1% para 12%.Este percentual gera um certificado que é referendado neste crédito de descarbonização, cujo parâmetro de precificação é da B3.

Outra empresa, também assessorada pela Vertente Invest, que começa a negociar os créditos de descarbonização por biocombustíveis é a Usina Goianésia, empresa localizada no município de Goianésia (GO), que atua na produção de etanol e açúcar a partir da cana-de-açúcar, a Usina terá seus CBIOs negociados a partir de 2022, gerando uma nova fonte de receita a partir da venda desses instrumentos.

Assim sendo, é possível fazer a custódia de tal certificado, a partir do momento em que este é auditado torna-se apto, assim,  para possível negociação”, explica o sócio fundador da Vertente Invest que possui expertise no processo de custódia e venda do CBio das empresas.

Fonte: Comunicação Sem Fronteiras
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 11 =

Notícias

Autoridades reforçam importância do Brasil para garantir a segurança alimentar global na abertura do SIAVS 2022

Até a próxima quinta-feira (11) são esperados mais de 20 mil visitantes de 50 países no Parque Anhembi, na cidade de São Paulo (SP).

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

O Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS) reúne, a partir desta terça-feira (09), os principais elos da cadeia produtiva dos setores no Parque Anhembi, na cidade de São Paulo (SP). A cerimônia de abertura contou com a presença de lideranças dos Estados maiores produtores e exportadores, do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes, do presidente da República, Jair Bolsonaro, e demais autoridades.

Promovido pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o anfitrião do evento, presidente da entidade, Ricardo Santin destacou em seu discurso o status sanitário das cadeias de proteínas animal, livre de Peste Suína Africana e de Influenza Aviária enquanto várias nações do mundo sofrem e tentam recuperar os impactos destas doenças, reduzindo a oferta de comida.

Neste contexto, Santin lembrou, que a crise do Leste europeu se tornou um grande complicador. “Os impactos gerados na oferta internacional de insumos impulsionaram o quadro inflacionário que já abalava o desde a retomada pós-Covid. Assustadas pelos efeitos da inflação, algumas nações fecharam suas portas, isso é um grande erro, pois o protecionismo não é e nunca será o caminho para superação de crises, é por isso que tenho defendido mundo a fora não pode haver fronteiras para os alimentos, mas para isso precisamos preservar e ampliar a nossa capacidade competitiva”, enfatizou.

Estudo de competitividade

Registro da entrega do estudo sobre competitividade das cadeias produtivas ao presidente da República, Jair Bolsonaro

Em seguida, Santin apresentou um estudo de competitividade da cadeia produtiva do país. Dentre os principais pontos levantados estão os parâmetros de custos de produção como insumos e energia, gargalos logísticos e outros fatores, além de análises comparativas com grandes competidores globais dos setores de aves, ovos e suínos, documento esse entregue ao presidente Jair Bolsonaro durante a solenidade.

A relevância do estudo foi defendida pelo presidente da ABPA em seu discurso. “O estudo é uma diretriz que analisa, sob a perspectiva econômica, o que nos trava e o que nos coloca em vantagem no xadrez internacional, permitindo construir soluções mais assertivas para a manutenção de nossa posição como grandes produtores globais de alimentos”, ressaltou Santin.

Olhos do mundo estão voltados ao Brasil

Jair Bolsonaro destacou que as atenções do mundo estão concentradas no desenvolvimento pujante do agronegócio brasileiro. “Não somos mais um Brasil do futuro, somos um Brasil do presente. O mundo todo está interessado em nós, em especial no que nós temos aqui além das nossas riquezas minerais, em nossas universidades, no solo propício para a produção de alimentos e na competitividade que vocês produtores rurais estão colocando na produção de proteína animal e nos demais setores do nosso agronegócio. O Brasil é hoje um dos principais produtores do mundo para garantir a segurança alimentar, sem a produção brasileira o mundo passa fome”, declarou.

SIAVS 2022

Em mais de 20 mil metros quadrados de exposição, todas as grandes empresas de equipamentos para o setor, casas genéticas, laboratórios, rações e prestadoras de serviços participam da Feira de Negócios, junto com quase 50 agroindústrias de aves, suínos, ovos, peixes de cultivo, bovinos de corte e de leite, além do setor de bubalinos.

O SIAVS 2022 vai receber decisores de compras dos frigoríficos, produtores integrados e independentes das agroindústrias, importadores de mercados alvo para as proteínas do Brasil, supermercadistas de atacado e varejo, entre outros clientes.

Com linhas de crédito especiais para o público do agro, às instituições financeiras do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal estão presentes no evento com suas unidades itinerantes

Até a próxima quinta-feira (11) são esperados mais de 20 mil visitantes de 50 países, no Parque Anhembi, na cidade de São Paulo (SP).

O Jornal O Presente Rural é parceiro de mídia do SIAVS 2022 e fará a cobertura completa do evento, que você confere pelos nossos canais de comunicação e na nossa próxima edição.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Notícias Especial Cooperativismo

Sustentabilidade vai virar vantagem competitiva, avalia Frimesa

Boas práticas de gestão e produção exigem mudança e inovação no setor cooperativista.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

“Sempre praticamos a sustentabilidade com ênfase no social e ambiental, sem deixar de viabilizar economicamente o agronegócio”, avalia o diretor-executivo da Frimesa Cooperativa Centra, Elias Zydek, em referência a agenda ESG no cooperativismo.

Segundo Zydek, as cooperativas, pela natureza do sistema, são pioneiras em governança corporativa, atuam fortemente no social e agem com práticas ambientalmente corretas. “O que acontece agora é o aperfeiçoamento desse sistema para que obtenham vantagens competitivas. A agenda ESG avançará na avaliação e competitividade do agronegócio, desta forma as cooperativas poderão liderar as práticas do ESG”, ressalta.

Elias Zydek, diretor-executivo da Frimesa: “As cooperativas do Paraná estão avançando com rapidez na adoção das práticas preconizadas pelo ESG. A Ocepar lidera e estimula as orientações e preparação do sistema cooperativista para a aceleração das ações”

Conforme Zydek, a cooperativa possui uma área de Gestão de Risco e Integridade (GRI) conduzida por um gerente com equipe especializada, onde trata-se de compliance, sustentabilidade e governança. “A importância para os negócios com a agenda ESG crescerá cada vez mais. Não vemos interferências negativas em relação ao ESG”, afirma.

De acordo com Zydek, o desafio dos negócios, hoje e no futuro, está na sustentabilidade. “A questão básica é garantir a perenidade das empresas num ambiente de mudanças e inovações”, aponta. Para ele, a agenda ESG estabelece o roteiro e os pilares da sustentabilidade. A despoluição, a economia circular, a ética nos negócios, o comprometimento social, são contribuições e diretrizes que as cooperativas e empresas devem seguir. “Essa será a grande contribuição para um ambiente de bem-estar e paz social para todos”, afirma.

Social

A Frimesa atua em duas instâncias sociais: uma interna, com seus colaboradores e fornecedores de leite e suínos. Outra externa, que envolve instituições e as comunidades onde atua. Entre as ações, destaque para a distribuição de resultado anual, doações de alimentos, auxílios em planos de saúde e seguro, transportes, bonificações por conformidade, contribuições com escolas, hospitais e igrejas. Além de doações para pesquisas, subsídios aos estudos e aperfeiçoamentos.

De acordo com o presidente, a Frimesa contempla em seu planejamento estratégico, no orçamento anual, projetos e ações voltados a oportunidades e benefícios aos públicos envolvidos. “São investimentos no bem-estar dessas pessoas envolvidas com nossa cooperativa”, ressalta.

Governança

A gestão de qualquer empresa, pública ou privada, exige comprometimento e atenção a detalhes que requerem ajustes finos para evitar perdas financeiras e desgaste na imagem da instituição. No cooperativismo não é diferente, e talvez as exigências sejam ainda maiores do que em outros setores.

A Frimesa possui como órgão máximo a AGO (Assembleia Geral Ordinária), onde presta contas anualmente. Tem ainda um Conselho Fiscal, auditorias externas e internas, Conselho de Administração, Diretoria Executiva e Gerências profissionais.

Segundo Zydek, a ferramenta de gestão é o Planejamento Estratégico que estabelece as metas e os níveis de controle.

“Internamente temos a Gerência de Riscos e Integridade que conduz também o programa de Compliance e Sustentabilidade. A nível estadual pertencemos ao programa de Autogestão da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), que avalia o sistema de gestão. Tem ainda o Canal de Denúncias, gerido por empresa externa, bem como o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

A cooperativa tem todos os processos administrativos sistematizados, digitalizados e integrados em tempo real, e os Fundamentos Corporativos contendo o Código de Conduta orientam e regulamentam as ações dos colaboradores, explica Zydek. “Todos os indicadores são acompanhados e avaliados pelas áreas e consolidados pela nossa controladoria”, expõe.

Respeito ao meio ambiente

Uma das premissas da Frimesa é respeitar e preservar o meio ambiente em todas as atividades desenvolvidas pela cooperativa. O reflorestamento de áreas com eucalipto para abastecer as caldeiras das indústrias é uma prática recorrente, e, segundo Zydek, a cooperativa pretende ampliar essas áreas para atingir a autossuficiência em biomassa. “Implantamos nos principais frigoríficos o sistema de biodigestor com geração de gás para uso nas operações e destino dos resíduos para adubação orgânica”, explica.

Parque Ambiental Frimesa é um local rico em biodiversidade e aspectos histórico-culturais, voltado à educação ambiental – Fotos: Divulgação/Frimesa

De acordo com Zydek, através da redução na compra de gases como CO2 e GLP de uso nas indústrias e da captação de gás carbônico pelos reflorestamentos, “estamos contribuindo com a melhoria do meio ambiente e atenuando as mudanças climáticas no planeta”, destaca.

A cooperativa também reutiliza as águas dos processos indústrias e capta água das chuvas nos telhados das instalações, e todos os efluentes industriais são tratados antes do lançamento nos corpos hídricos.

Outra ação que impacta de forma positiva o meio ambiente é a implantação de uma usina para geração de energia solar, com o objetivo de reduzir o consumo da rede elétrica fornecedora.

A Frimesa também pratica a logística reversa através da participação econômica com as entidades que recolhem e reciclam as embalagens descartadas.

A cooperativa pretende ainda desenvolver ações nas propriedades rurais que produzem suínos e leite. A meta é conseguir a certificação delas para o manejo ambientalmente correto.

Outra iniciativa apontada por Zydek e que pode trazer ótimos resultados para a cooperativa é a produção de GNV (gás natural veicular), a partir do biogás. “Estamos analisando a viabilidade dessa produção”, sustenta.

Para saber um pouco mais de como a agenda ESG está movimentando o cooperativismo brasileiro acesse a versão digital da edição Especial de Cooperativismo clicando aqui.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Notícias Nesta terça-feira

Ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, abre programação de palestras do SIAVS2022

 Maior feira de aves e suínos do país contará com ampla programação e tem prevista a presença do presidente Jair Bolsonaro na cerimônia de abertura.

Publicado em

em

Foto: Sérgio Lima

Maior produtor e exportador de carne de aves e quarto maior produtor e exportador de carne suína do mundo, o Brasil sedia, a partir desta terça-feira (09), o Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS). Promovido pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o evento, que acontece até a próxima quinta-feira (11), no Anhembi Parque, em São Paulo (SP), deve contar, durante a cerimônia de abertura, com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Além de Bolsonaro, a solenidade de abertura, que será realizada a partir das 10h30, contará com a presença das principais autoridades dos Estados maiores produtores e exportadores. Fica, assim, reforçado como diferencial, o peso político e o papel do evento como principal ponto de debate dos rumos dos setores. Após a cerimônia, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente da ABPA, Ricardo Santin, seguirão em caminhada ao lado dos convidados pelos corredores da exposição comercial do SIAVS.

Antes da solenidade, às 09h30, acontecerá a palestra de abertura do SIAVS, que será realizada pelo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, com o tema “Sustentabilidade e a Produção de Alimentos”.

Maior feira das cadeias produtivas e exportadoras de aves, suínos e ovos do país, o SIAVS já acumula recordes antes mesmo do início. Os organizadores registraram crescimento de mais de 30% em relação à última edição, em 2019, e o salão terá o dobro de tamanho sobre a edição anterior, em 2017. Assim, a edição 2022 do salão contará com a adesão de mais de 200 empresas e organizações em mais de 20 mil metros quadrados de exposição.

Todas as grandes empresas de equipamentos para o setor, casas genéticas, laboratórios, rações e prestadoras de serviços participarão da feira, junto com quase 50 agroindústrias de aves, suínos, ovos, peixes de cultivo, bovinos de corte e de leite, além do setor de bubalinos. O SIAVS 2022 deverá receber decisores de compras dos frigoríficos, produtores integrados e independentes das agroindústrias, importadores de mercados alvo para as proteínas do Brasil, supermercadistas de atacado e varejo, entre outros clientes.

O SIAVS 2022 também contará com a participação do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Com linhas de crédito especiais para o público do agro, às instituições financeiras levarão unidades itinerantes, que estarão estacionadas em meio à feira. São esperados mais de 20 mil visitantes de 50 países, de acordo com a expectativa da ABPA. “A feira contará com diversas atrações exclusivas, voltadas para o estímulo à tecnificação, inovação e desenvolvimento do setor de proteína animal. São esperados milhões de reais em negócios durante o evento, que marcará a retomada do maior evento da avicultura e da suinocultura. Estamos motivados por isso”, saúda o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Lançamentos

A maior feira dos setores no Brasil reunirá lançamentos em tecnologia e serviços voltados para as cadeias produtivas de proteína animal, das granjas e unidades produtoras às plantas frigoríficas, além da participação exclusiva das agroindústrias produtoras e exportadoras de proteína animal — ou seja, todos os elos da cadeia produtiva em um único espaço.

MultiProteínas

Além de empresas de aves, suínos, ovos e material genético, o SIAVS contará nesta edição com empresas dos setores de peixes de cultivo, bovinos de corte, lácteos e bubalinos. O formato de participação é semelhante ao que é realizado em feiras internacionais, com a promoção de encontros de negócios com clientes do mercado interno e potenciais importadores. As entidades parceiras também realizarão encontros com stakeholders internos e internacionais.

SIAVS Talks

Iniciativa inédita no evento, o SIAVS Talks reunirá incubadoras de empresas, instituições de pesquisa e acadêmicos, além de empresários do setor em um espaço exclusivo, em meio à exposição comercial. Com apresentações inspiradas no formato TED – falas curtas, com média de 40 minutos de duração – o SIAVS Talks realizará a propagação de boas ideias com a apresentação de iniciativas inovadoras dentro do setor ou voltadas para a cadeia produtiva.

SIAVS Experience

Com o objetivo de promover uma imersão na cadeia produtiva, o SIAVS Experience – nome dado ao espaço – contará com uma área de mais de 70 metros quadrados destinados exclusivamente para a experiência. Serão diversas telas gigantes de LED em um labirinto com jogos de espelhos, além de uma sala com projeção mapeada que promove uma ilusão de ótica em 3 dimensões. A experiência é completa pela sonorização e pelo cheiro de terra molhada, que é liberado estrategicamente por odorizadores espalhados pelo espaço. A experiência será pautada por apresentações sobre os setores, a produção de alta qualidade, o papel do país como parceiro pela segurança alimentar e a importância da superação das barreiras para a produção e distribuição dos alimentos no mundo.

O SIAVS

Realizado pela ABPA, o principal encontro da avicultura e da suinocultura do Brasil será ainda maior que a edição anterior, realizada em 2019. A área comercial foi expandida em 30%, adicionando novos anexos ao espaço tradicionalmente ocupado pela feira. A comercialização de espaços já foi praticamente encerrada.

Além das oportunidades de negócios, o SIAVS será palco do maior congresso técnico do setor, com intensa programação e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países.

O peso político do evento é outro diferencial. São esperadas autoridades dos poderes executivo e legislativo nacional e dos estados, ampliando o papel do evento como principal ponto de debate dos rumos dos setores.

Em 2019, o evento recebeu mais de 20 mil visitantes de 50 países, com mais de 170 expositores. Nas dezenas de salas do congresso ocorreram apresentações de mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países para 2,4 mil congressistas.

O Jornal O Presente Rural é parceiro de mídia do SIAVS 2022 e fará a cobertura completa do evento, que você confere pelos nossos canais de comunicação e na nossa próxima edição.

Fonte: Ascom
Continue Lendo
Yes 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.