Conectado com

Notícias

População rural envelhece e jovens são minoria no campo

Prévia do censo agropecuário do IBGE revela comportamento a partir de 2006, quando havia sido feito o último levantamento

Publicado em

em

A população rural está envelhecendo e os mais jovens continuam a migrar para centros urbanos de acordo com prévia do censo Agropecuário 2017 que deverá ser divulgado no próximo mês de julho ou agosto pelo IBGE. Pessoas com mais de 65 anos representam 21,4% dos moradores de áreas rurais, sendo que em 2006, quando foi realizado o último levantamento representavam 17,52%. Enquanto isso, os mais jovens, com idade entre 25 anos e 35 anos, são 9,48% do contingente, bem abaixo dos 13,56% do censo anterior. O grupo entre 35 e 45 anos de idade encolheu para 18,29%, quando em 2006 era de 21,93%.

Na faixa de 55 a 65 anos houve aumento de quatro pontos percentuais, passando de 20% para 24%. Os dados ainda parciais foram apresentados pelo coordenador do Censo Rural, Antonio Florido, em audiência na Câmara dos Deputados. “Em 23 de maio, registramos 5.067.656 estabelecimentos recenseados de um total previsto de 5.254.953 propriedades e podemos perceber o envelhecimento da população rural”, afirmou. “Detectamos também um aumento do número de recursos de aposentadorias e pensões no campo, o que reforça os dados de faixa etária confirmando que a população rural envelheceu, mesmo”, comentou o coordenador da pesquisa.

Sucessão familiar

Em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), a Secretaria de Mobilidade Social, do Produtor Rural e Cooperativismo (SMC) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento repassou R$ 1,5 milhão para capacitar jovens do meio rural e do setor pesqueiro catarinense. São 13 cursos, com duração de 18 meses para capacitar 350 jovens catarinenses, beneficiando indiretamente cerca de 2 mil pessoas.

Baseado em liderança, gestão e empreendedorismo de jovens rurais, no âmbito do associativismo e do cooperativismo, as aulas são ministradas em 13 centros de treinamento da Epagri, abrangendo dezenas de municípios. Um dos principais temas da capacitação é o conteúdo sobre Sucessão Familiar para estimular a participação e a permanência dos jovens no campo e na atividade pesqueira.

Na conclusão de todos os cursos, os alunos devem preparar um plano de negócio, o Plano de Vida. Os melhores trabalhos serão premiados com recursos para implementação dos projetos, que contarão com assessoria da equipe de extensionistas rurais da Epagri.

Fonte: Mapa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =

Notícias Mercado

Cenário para preço de grãos ganha força no Brasil após dados do USDA, diz Itaú BBA

Para o Brasil, a situação nos EUA permite fortalecimento de preços porque as altas na bolsa de Chicago puxam para cima as paridades de exportação

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O cenário para os preços dos grãos no mercado brasileiro ganhou mais força após o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) apontar estoques norte-americanos inferiores às expectativas, avaliou na quarta-feira (30) o gerente de Consultoria Agro do Itaú BBA.

O USDA informou na quarta-feira que os estoques de soja dos EUA somavam 523 milhões de bushels em 1º de setembro, as reservas de milho, 1,995 bilhão de bushels, e as trigo figuravam em 2,159 bilhões de bushels – nas três commodities, os volumes vieram abaixo das projeções.

“Veio um número que acabou surpreendendo o mercado… isso acaba tendo como consequência uma perspectiva de estoques de passagem para 2020/21 menores nos EUA, reduziu o conforto do balanço norte-americano, isso acabou abrindo espaço para altas nas cotações”, disse Guilherme Bellotti, à Reuters. Os contratos futuros de milho, soja e trigo negociados na bolsa de Chicago dispararam na quarta-feira.

Para o Brasil, a situação nos EUA permite fortalecimento de preços porque as altas na bolsa de Chicago puxam para cima as paridades de exportação. Isso, combinado com a taxa de câmbio, representa impulso adicional para as cotações do mercado brasileiro, comentou o consultor. “Quem tem soja, tem ouro”, afirmou ele, em referência aos baixos estoques da oleaginosa, após um ano de forte demanda externa e interna, que reduziu expressivamente os estoques.

Os preços da soja no Brasil estão próximos aos maiores patamares da história, sendo cotados no porto de Paranaguá perto de 150 reais a saca. Isso se reflete nos derivados, com o óleo no maior nível em quase 18 anos. No caso do milho, a realidade é semelhante, mais há mais disponibilidade, comentou ele, lembrando da segunda safra recém-colhida.

“Pode abrir espaço para aumentar as exportações, o fato é que o mercado doméstico está comprando bastante, o resultado é preço bastante alto no Brasil”, disse Bellotti, ao ser questionado se as vendas externas do cereal poderiam surpreender, diante da situação relatada nos EUA.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Sanidade

Brasil tem 36 casos de pacotes oriundos da Ásia com sementes não solicitadas

Entre as origens dos pacotes, que chegam pelos correios, estão China, Malásia e Hong Kong

Publicado em

em

Divulgação/Adapar

O Brasil registrou até o momento o recebimento de 36 pacotes originados de países asiáticos contendo sementes não solicitadas por residentes locais, em ocorrências que já foram confirmadas em oito Estados, informou o Ministério da Agricultura na quarta-feira (30).

Entre as origens dos pacotes, que chegam pelos correios, estão China, Malásia e Hong Kong, disse o ministério, que tem orientado os cidadãos que recebem as sementes a não plantá-las, dado que “ainda não é possível apontar os riscos envolvidos”. “O material foi enviado para o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária (LFDA) de Goiânia para as análises técnicas”, disse o ministério em nota enviada à Reuters.

De acordo com o governo, o recebimento das sementes foi verificado na Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. “Caso a pessoa não tenha feito compra online ou não reconheça o remetente, não utilize as sementes e leve o pacote para uma das unidades do Mapa em seu Estado ou entre em contato por telefone relatando a situação”, apontam as orientações do governo.

O ministério ressaltou que a entrada de sementes no Brasil só pode ser originária de fornecedores de países com requisitos fitossanitários estabelecidos junto à pasta, mediante análise de riscos sobre as pragas que podem ser introduzidas por cada vegetal. “A importação de vegetais sem autorização pode facilitar a entrada de pragas ou doenças que não existem ou estão erradicadas no país, além de causar prejuízos econômicos”, acrescentou o governo.

Entidades de âmbito estadual, como a unidade mineira da Emater, também divulgaram comunicados a respeito dos casos.

Em nota publicada na quarta, a Emater-MG destacou que os pacotes podem conter ervas daninhas, que se espalham sem controle, ou até mesmo vírus, fungos ou bactérias capazes de infectar e provocar danos à produção local.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias

Avicultura latino-americana promove maior prêmio científico do setor continental

Esta é a maior premiação científica do setor na América Latina

Publicado em

em

Divulgação/ABPA

Estão abertas as inscrições para o Programa de Apoio à Pesquisa em Ciências Aviárias, prêmio científico promovido pelo Comitê Técnico Científico (CTC) da Associação Latino-americana de Avicultura (ALA), com o apoio da U.S. Poultry & Egg Association (USPOULTRY).

Maior premiação científica do setor na América Latina, o programa é amplo e permite inscrições individuais e em grupos de quaisquer profissionais e acadêmicos que tenham acesso a infraestrutura de uma instituição de ensino superior ou de pesquisa para o desenvolvimento das atividades durante o período de execução do projeto.

Os trabalhos serão avaliados por técnicos do CTC da ALA, por representantes das regiões sobre as quais se referem as pesquisas e por membros da USPOULTRY. As melhores apresentações poderão ter seus projetos financiados ao longo de 12 meses com valores que podem chegar até US$10 mil.

“O Projeto busca fomentar novos trabalhos e estimula a interação entre estudantes e pesquisadores com a ciência avícola, reconhecendo pesquisas que podem servir como melhorias no desenvolvimento das indústrias”, analisa a diretora técnica da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Sula Alves.

As inscrições devem ser submetidas à ABPA – representante da ALA no Brasil – até o dia 30 de outubro. O regulamento e mais informações podem ser solicitados à eduarda.xavier@abpa-br.org.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.