Conectado com

Notícias Trabalho

População ocupada no agro inicia 2020 estável

Número de ocupados aumentou nos segmentos industriais, mas diminuiu no segmento primário e ficou estável nos agrosserviços

Publicado em

em

Divulgação

A população ocupada no agronegócio se manteve praticamente estável na comparação entre os primeiros trimestres de 2019 e 2020, segundo pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. O total no período foi de 17,97 milhões de pessoas, baixa, provavelmente não significativa estatisticamente, de ligeiro 0,53% no período. No Brasil como um todo, o número de ocupados teve crescimento ainda menor no mesmo período, de 0,39%. Dessa forma, a participação do agronegócio no mercado de trabalho brasileiro se manteve praticamente estável, passando de 19,66% para 19,48% entre os primeiros trimestres de 2019 e 2020.

Segundo pesquisadores do Cepea, o número de ocupados aumentou nos segmentos industriais (insumos e agroindústria), mas diminuiu no segmento primário e ficou estável nos agrosserviços. Há uma tendência de queda no número de ocupados no agronegócio, influenciada pelo segmento primário, que recuou 1,97% na comparação entre o primeiro trimestre de 2020 e o mesmo período de 2019. Esse resultado “dentro da porteira” é reflexo da redução de 2,75% (143 mil pessoas) nas atividades agrícolas, uma vez que houve apenas ligeira queda de 0,61% (18 mil pessoas) nas atividades pecuárias.

Perfil

Em relação ao nível médio de instrução, dados do Cepea mostram que houve redução do número de trabalhadores sem instrução ou com ensino fundamental (completo ou não) e aumento do número de trabalhadores com ensino médio ou superior (completo ou não). Esses movimentos refletem, entre outros fatores, o processo de modernização da produção agropecuária, que impõe o aumento gradativo da mão de obra qualificada, e uma mudança na composição da mão de obra do setor, com elevações de representatividade das ocupações industriais e de serviços em comparação com as agropecuárias.

Quando analisadas a posição na ocupação e a categoria do emprego dos trabalhadores do agronegócio, entre os primeiros trimestres de 2019 e de 2020, houve aumento na formalização, com crescimento do número de empregos com carteira assinada e leve redução do número de empregos sem carteira assinada.

Quanto à variação do número de ocupações de acordo com o gênero, registrou-se queda para homens e mulheres, sem mudança expressiva, portanto, na taxa de participação feminina no setor.

Rendimentos 

Para as pessoas ocupadas no agronegócio, entre os primeiros trimestres de 2019 e 2020, houve praticamente estabilidade real dos rendimentos médios mensais habituais dos empregados e aumentos reais de 1,26% para os trabalhadores por conta própria e de expressivos 7,9% para os empregadores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − um =

Notícias Mercado

Exportações de milho e soja dos EUA batem recorde em julho com demanda chinesa

Recentes compras de milho norte-americano pelos chineses parecem superar as expectativas do mercado para o período

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

Os portos dos Estados Unidos devem se manter bastante ativos na parte final deste ano, com compras agressivas de milho e soja pela China atingindo em julho níveis recordes para os tempos modernos e potencialmente máximas históricas, depois de mínimas de vários anos registradas pelas vendas externas na temporada anterior.

As recentes compras de milho norte-americano pelos chineses parecem superar as expectativas do mercado para o período, e as aquisições de soja para o ano que vem atingiram máximas de seis anos — embora ainda haja um longo caminho para que as metas projetadas sejam batidas.

As vendas de milho e soja dos EUA para outros países continuam em linha com o normal, e os exportadores norte-americanos ainda precisam competir com rivais clássicos, como o Brasil.

É difícil comparar as exportações com anos muito distantes, de uma ou duas décadas atrás, já que os EUA perderam uma parcela significativa do mercado global de milho e soja no período. Os últimos anos são uma melhor comparação, pois refletem a dinâmica cada vez mais competitiva do mercado de exportações.

Explosão do milho

Neste mês, os EUA já estavam em ritmo recorde nas vendas de milho, acumulando 5,1 milhões de toneladas até 23 de julho — na última década, as vendas totais de julho não costumavam ir muito além dos 5 milhões de toneladas.

Mas vendas recordes para a China nos últimos dias ampliaram essa marca para mais de 7 milhões de toneladas. Na quinta-feira, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) anunciou uma compra de 1,937 milhão de toneladas de milho pela China para entrega no novo ano comercial, que começa em 1º de setembro.

Foi a terceira maior venda única de milho dos EUA já registrada e a maior já fechada com a China, superando uma maior marca anterior com os chineses de 1,762 milhão de toneladas em 14 de julho.

Em 23 de julho, as vendas de milho à China para a temporada 2020/21 totalizavam 3,8 milhões de toneladas. Com o registro de quinta-feira, o nível agora atinge 5,7 milhões de toneladas, ou 225 milhões de bushels, uma marca atipicamente alta para qualquer comprador neste período do ano.

O USDA vê as importações de milho pela China em 2020/21 em 7 milhões de toneladas, e parece que os EUA já asseguraram a maior parte desses negócios.

Soja renasce 

Até 23 de julho, as vendas de soja dos EUA no mês totalizavam 7,6 milhões de toneladas, o dobro da média de dez anos para o período e em nível muito superior ao visto nos meses de julho em outros anos.

O USDA surpreendeu na quinta-feira ao comunicar ao mercado 3,34 milhões em vendas líquidas de soja da nova safra— se somados negócios pela safra anterior, essa foi a mais forte semana de vendas da oleaginosa pelos EUA em mais de oito anos.

A China respondeu por 59% dessas compras, enquanto 37% foram para compradores não revelados.

A China e destinos desconhecidos (muitos dos quais provavelmente referem-se ao próprio país asiático) guiaram as fortes vendas de soja dos EUA neste mês, embora a comercialização para outros países tenha ficado em mínimas de cinco anos.

No Brasil, enquanto isso, as exportações de soja atingiram recordes impressionantes nos últimos meses, enquanto o país colhe no momento o que pode ser uma safra recorde de milho. Os embarques do cereal já começaram a ganhar ritmo e devem atingir o ápice nos próximos três meses.

A China representa mais de 75% das exportações de soja do Brasil, nível superior ao equivalente norte-americano antes da guerra comercial, de 60%. Mas os embarques brasileiros para outros compradores também bateram recordes.

Entre fevereiro e junho, o Brasil exportou 22% mais soja à China do que no recorde anterior para o período. Embarques para outros países foram 47% superiores à máxima anterior —e é importante que isso seja monitorado, porque se os negócios dos EUA com a China “secarem” ou as tensões entre os países escalarem, a oleaginosa norte-americana terá de procurar por outros destinos.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mato Grosso

Itamar Canossa é reeleito presidente da Acrismat

Suinocultor da cidade de Sorriso foi reeleito para comandar a associação para o biênio 2020/2022

Publicado em

em

Divulgação

Itamar Canossa, atual presidente da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), foi reeleito por unanimidade em votação aberta a associados da entidade. Canossa ressaltou que para o próximo mandato as questões a cerca do milho, um dos componentes da ração dos suínos, deverá receber atenção especial de trabalho da diretoria. A eleição aconteceu na última sexta-feira (24), quando foi definida também a composição da diretoria para gestão do biênio 2020/2022.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a eleição foi realizada também virtualmente, além das urnas presenciais na sede da associação em Cuiabá e no núcleo localizado em Sorriso.

Canossa, que já foi diretor do Núcleo Regional de Sorriso e membro do Conselho Fiscal Efetivo, avalia como positiva a primeira gestão e conta com o apoio dos membros da diretoria e de todos os suinocultores para desenvolver ainda mais o setor nos próximos anos. “A questão do milho é uma das quais precisamos nos atentar e dedicar esforços para trabalhar em curto prazo. O milho está cada vez mais escasso no mercado, e o próprio mercado está agindo de forma diferente em relação ao grão, tanto que o preço tem subido muito nos últimos meses e isso para a suinocultura é preocupante”, afirma.

Ainda de acordo com o presidente, o custo de produção da carne suína em Mato Grosso aumentou consideravelmente com o direcionamento de parte da safra de milho colhida no Estado para a produção de etanol. Além do cereal, o presidente reforçou as questões sanitárias que serão intensificadas para manter o Estado com o status de zona livre da Peste Suína Clássica.

“Vamos continuar investindo na fiscalização em parceria com o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), em conter a entrada de animais de áreas consideradas não livres desta doença. Para isso a construção e reforma de postos de fiscalização são fundamentais e a Acrismat reconhece e trabalha na solução deste problema”, explica.

Diretoria para o biênio 2020/2022

Diretor presidente – Itamar Antônio Canossa

Diretor vice-presidente – Moisés Sachetti

Diretor secretário – Matheus Pereira de Morais

Diretor 2º secretário – Aréssio José Paquer

Diretor tesoureiro – Raulino Teixeira Machado

Diretor 2º tesoureiro – Luiz Antônio Ortolan Salles

Conselho fiscal efetivo – Paulo Cezar Lucion

Conselho fiscal efetivo – Ailor Carlos Anghinoni

Conselho fiscal efetivo – Frederico W. F. Tannure Filho

Conselho fiscal suplente – Daiane Gebert

Conselho fiscal suplente – José Tirloni

Conselho fiscal suplente – José Luiz Serra

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Com pouca soja disponível, preços sobem em julho no Brasil

Mercado brasileiro de soja apresentou preços em elevação, mas poucos negócios em julho

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado brasileiro de soja apresentou preços em elevação, mas poucos negócios em julho. O mês foi marcado pelo distanciamento entre a paridade de exportação e os preços no interior, decorrência da falta de produto e da posição mais retraída por parte dos produtores.

O vendedor aproveitou as condições favoráveis da primeira metade do ano – particularmente maio, quando o dólar encostou em R$ 6,00 – e negociou quase toda a safra 2019/20 e boa parte da soja que ainda nem foi plantada. Como consequência, o produtor está bem capitalizado e espera por cotações ainda melhores.

A demanda segue firme e, em função disso, os preços não param de subir, mesmo com o recuo do dólar em julho e com a leve alta dos contratos futuros em Chicago. Os prêmios de exportação subiram, refletindo esse quadro de escassez de produto.

No Rio Grande do Sul, a saca de 60 quilos saltou de R$ 114,50 para R$ 117,50 em Passo Fundo em julho. Em Rio Grande, o preço pulou de R$ 117,50 para R$ 119,00. No Paraná, a cotação subiu de R$ 110 para R$ 112,00 em Cascavel e de R$ 117,00 para R$ 118,00 no Porto de Paranaguá.

Em Rondonópolis (MT), o preço avançou de R$ 109,00 para R$ 111,00 no período. Em Dourados (MS), cotação aumentou de R$ 105,00 para R$ 113,00. Em Rio Verde (GO), a saca passou de R$ 105,00 para R$ 109,00.

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em novembro tiveram valorização de 0,68% em julho, encerrando o mês a US$ 8,88 ¼. Durante julho, o preço chegou a superar US$ 9,00 por bushel, em meio a sinais de recuperação da demanda americana, apesar das previsões favoráveis para a safra americana, em fase de desenvolvimento.

O dólar comercial teve baixa de mais de 5%, encerrando o mês a R$ 5,159. A injeção de recursos em importantes economias mundiais e informações favoráveis em torno de uma vacina para combater o coronavírus ajudar a pressionar a moeda, mas as incertezas globais ainda merecem atenção.

Plantio

Os produtores brasileiros de soja deverão cultivar 37,804 milhões de hectares em 2020/21, a maior área da história, crescendo 1,8% sobre o total semeado no ano passado, de 37,152 milhões. A projeção faz parte do levantamento de intenção de plantio de SAFRAS & Mercado.

Com uma possível elevação de produtividade, de 3.379 quilos para 3.501 quilos por hectare, a produção nacional deve ficar acima da obtida nesta temporada. A previsão inicial é de uma safra de 131,691 milhões de toneladas, 5,4% maior que o recorde de 124,913 milhões obtido neste ano.

“Mais uma vez, a ótima rentabilidade anotada na cultura surge como o grande fator de incentivo para a elevação da área brasileira. Com um consumo interno crescente e exportações cada vez mais fortes, a oferta de soja na nova temporada deverá alcançar um novo recorde”, destaca o analista de SAFRAS, Luiz Fernando Roque.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.