Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Tecnologia

Plataforma blockchain desenvolvida pela JBS inicia operação

Novo ambiente permite que fornecedores da JBS incluam seus próprios fornecedores em cadastro com o objetivo de quem cumpram os critérios socioambientais de criação de bovinos no Bioma

Publicado em

em

Divulgação

Começou em abril uma etapa fundamental da implantação do projeto que permitirá avanços inéditos na rastreabilidade da cadeia produtiva de bovinos no Bioma Amazônia. Neste mês, iniciou-se o cadastro de produtores na Plataforma Pecuária Transparente, ferramenta que, com tecnologia blockchain, tornará possível estender aos fornecedores de seus fornecedores de gado para a indústria o monitoramento socioambiental com segurança dos dados, confiabilidade e engajamento dos produtores.

A adesão é voluntária. O produtor de bovinos que negocia animais diretamente com a JBS, empresa de alimentos que patrocina a iniciativa, vai informar a lista de seus fornecedores de animais na plataforma, desenvolvida pela empresa especializada Ecotrace, a partir de ferramenta blockchain. Como a plataforma é aberta, outras empresas podem fazer uso do sistema.

Os dados serão enviados eletronicamente para validação da Agri Trace Rastreabilidade Animal, sistema da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Uma vez autorizada pelo produtor, a CNA verifica se a lista de fornecedores está completa.

Empresas credenciadas na plataforma, como a Agrotools, processarão a análise de conformidade socioambiental com base nos mesmos critérios utilizados atualmente pela JBS em acordo com o Ministério Público Federal (MPF), para verificar a existência de:

  • desmatamento, respeitando o Código Florestal Brasileiro,
  • invasão de terras indígenas ou unidades de conservação ambiental,
  • trabalho análogo à escravidão e
  • uso de áreas embargadas pelo Ibama.

O resultado dessas análises será enviado diretamente ao fornecedor da JBS, que, pela primeira vez, terá visibilidade da conformidade socioambiental de toda sua cadeia de fornecimento. Com isso, poderá desenvolver planos para mitigar riscos e implementar ações para ajudar os produtores a regularizar as situações quando necessário.

Em nenhum momento a JBS terá acesso a informações sensíveis, tendo acesso apenas à análise consolidada de seus fornecedores. Graças à tecnologia blockchain, será possível manter o compromisso com a confidencialidade das informações de terceiros.

Como parte fundamental do projeto, está sendo desenvolvida uma estratégia de engajamento com a cadeia para acelerar a construção do cadastro positivo de produtores em conformidade com as normas socioambientais. Todos os fornecedores de bovinos da JBS deverão aderir ao programa até o fim de 2025.

Esse também é o prazo, conforme o compromisso Net Zero para 2040 anunciado pela JBS, para que a cadeia de fornecedores de bovinos da Companhia, incluindo os fornecedores de seus fornecedores, esteja livre de desmatamento ilegal no Bioma Amazônia. O mesmo deve ocorrer nos demais biomas no Brasil até 2030. A segunda maior empresa de alimentos do mundo e líder global em proteína se comprometeu a zerar o balanço das emissões de gases causadores do efeito estufa de toda sua diversificada cadeia de valor, reduzindo a intensidade de emissões diretas e indiretas e compensando toda a emissão residual.

A meta Net Zero da JBS inclui as operações globais da empresa, abrangendo produtores agrícolas e demais fornecedores, além de clientes, em seus esforços para chegar a emissões líquidas iguais a zero em 2040. Dessa forma, o monitoramento de toda sua cadeia produtiva na Amazônia é parte fundamental da estratégia da JBS rumo ao Net Zero.

A Companhia espera que, até o fim do ano, estejam cadastrados na Plataforma Pecuária Transparente produtores que movimentam um total de 1 milhão de animais.

Ferramenta robusta e segura 

Desde o lançamento do Programa Juntos pela Amazônia, em setembro do ano passado, a empresa trabalhou no sentido de desenvolver uma ferramenta robusta e segura, baseada em tecnologia blockchain, capaz de dar conta de uma tarefa complexa, tendo em vista a amplitude da cadeia produtiva da proteína bovina. Também nesse período foi desenvolvido o modelo dos Escritórios Verdes, que já estão em funcionamento.

Há mais de dez anos, a JBS monitora com êxito todas as fazendas fornecedoras de bovinos para a Companhia com um sistema que usa imagens de satélite, considerado um dos melhores e mais sofisticados da indústria. O monitoramento inclui mais de 540.000 km² (ou 54 milhões de hectares, mais que a área da Alemanha), e avalia mais de 60 mil potenciais fazendas fornecedoras todos os dias. A partir desse sistema, mais de 11 mil propriedades já foram suspensas por descumprirem a Política de Compra Responsável de Matéria-Prima da JBS.

É o maior programa do tipo no mundo, referência por sua eficiência e inovação. Os dados coletados por esse sistema são auditados de forma independente. A auditoria mais recente confirmou que 100% das compras diretas de bovinos da Companhia estavam em conformidade com suas rígidas políticas de aquisição de matéria-prima.

Processo de inclusão com os Escritórios Verdes 

Para Renato Costa, presidente da Friboi, a Plataforma Pecuária Transparente, que está aberta a qualquer produtor rural, vai contribuir para a visibilidade da indústria em relação à preservação do Bioma Amazônia e com o desenvolvimento de uma pecuária cada vez mais sustentável. “Estamos muitos confiantes. Queremos que seja um processo de inclusão, que auxilie todos os produtores”, define o executivo.

Com esse objetivo, a Companhia instalou 13 Escritórios Verdes em unidades de processamento espalhadas pelo país: em Marabá e Redenção (PA), Porto Velho e São Miguel do Guaporé (RO) e mais seis em Mato Grosso: Alta Floresta, Barra do Garças, Confresa, Diamantino, Juara e Pontes e Lacerda. A iniciativa também chegou a Goiânia e Mozarlândia (GO) e Campo Grande (MS). As equipes vão ajudar principalmente os fornecedores dos fornecedores a regularizar sua situação ambiental.

“O monitoramento de toda a cadeia de fornecimento de carne bovina é uma tarefa complexa e um desafio para todo o setor”, explica Renato Costa. Para Márcio Nappo, diretor de Sustentabilidade da empresa, “a JBS está colaborando com uma solução robusta, baseada em uma abordagem de melhoria contínua”.

Agora, a JBS avança em seu objetivo de levar esse mesmo controle para as fazendas que fornecem bezerros e gado magro para seus fornecedores. Trata-se de um grande desafio do setor. Portanto, esse trabalho é um passo decisivo que vai beneficiar toda a cadeia produtiva.

Para acessar a Plataforma Pecuária Transparente: https://www.pecuariatransparente.org.br/

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − 3 =

Notícias Suínos

Poder de compra frente a insumos cresce

Principais componentes utilizados na ração da suinocultura, o milho e o farelo de soja, estão em queda no mercado brasileiro

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

De acordo com pesquisas do Cepea, a maior procura por novos lotes de suínos para abate, verificada especialmente no início do mês, elevou os preços médios do animal vivo no mercado independente em outubro frente aos de setembro.

Já os valores dos principais componentes utilizados na ração da suinocultura, o milho e o farelo de soja, estão em queda no mercado brasileiro.

Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário vem favorecendo o poder de compra de suinocultores em outubro quando comparado com o mês anterior.

Já em relação a outubro do ano passado, o poder de compra atual frente aos dois insumos está menor.

Fonte: Cepea 
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do boi e da carne seguem em queda

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do boi gordo, as cotações têm sido pressionadas pelo afastamento de grande parte dos compradores

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Os valores da arroba do boi gordo e da carne seguem recuando. No entanto, levantamento do Cepea mostra que os preços do animal para abate vêm caindo de forma um pouco mais intensa que os da proteína negociada no atacado.

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do boi gordo, as cotações têm sido pressionadas pelo afastamento de grande parte dos compradores. Esses agentes evitam adquirir grandes lotes de animais, diante da manutenção da suspensão dos envios de carne à China, o maior destino internacional da proteína brasileira.

Além disso, pesquisadores do Cepea indicam que a oferta de animais de confinamento tem crescido, reforçando o movimento de queda nos preços da arroba. Ressalta-se que esse cenário vem reduzindo as margens de pecuaristas, sobretudo os que utilizam o sistema de confinamento, que apresenta custos bastante elevados.

Quanto à carne negociada no atacado, o aumento na oferta de animais se soma ao poder de compra fragilizado da maior parte da população brasileira.

Fonte: Fonte: Cepea 
Continue Lendo

Notícias Consulta Pública

Mapa propõe melhorias na regulamentação da identidade e qualidade do hambúrguer

As alterações propostas são aplicáveis ao hambúrguer produzido em estabelecimento com SIF e buscam atender às demandas atuais dos consumidores.

Publicado em

em

iStock/Mapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, na quarta-feira (20), a portaria nº 420 que submete à consulta pública, pelo prazo de 60 dias, a proposta de portaria sobre os Requisitos de Identidade e Qualidade (RTIQ) do Hambúrguer. A nova norma revogará o anexo IV da Instrução Normativa nº 20/2000.

Entre as melhorias propostas estão a previsão de moldagem do hambúrguer em formas diversas, além da tradicional em disco; a padronização para indicação na rotulagem do corte cárneo utilizado para obtenção do hambúrguer e a padronização para a denominação do produto quando utilizada carne de mais de uma espécie. Segundo a proposta, no caso de produto que contenha indicação dos cortes utilizados, não será permitida a adição de proteína vegetais. Outra mudança é o aumento do limite máximo de gordura permitida, de 23% para 25%.

“A proposta de revisão normativa busca harmonizar o RTIQ com o Decreto 9.013/2017 e suas alterações, bem como busca englobar atualizações necessárias levantadas pelo setor e pelo próprio Mapa ao longo dos últimos anos”, destaca a diretora do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Ana Lúcia Viana.

As alterações propostas, aplicáveis ao hambúrguer produzido em estabelecimento com SIF, buscam atender às demandas atuais dos consumidores, garantir a segurança e inocuidade dos produtos, manter as características do produto, padronizar entendimentos e atender às demandas do setor produtivo.

As sugestões tecnicamente fundamentadas deverão ser encaminhadas por meio do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman), da Secretaria de Defesa Agropecuária, por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/sisman/. Para ter acesso ao Sisman, o usuário deverá efetuar cadastro prévio no Sistema de Solicitação de Acesso (SOLICITA), por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/solicita/.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
ABPA – PSA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.