Conectado com

Notícias Segundo analistas

Plantio de milho do Brasil crescerá 3,46% em 2019/20, terá novo recorde

Expectativa de cenário de preços favoráveis para milho na nova temporada deve favorecer aumento de 3,46% no plantio do cereal no Brasil

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A expectativa de um cenário de preços favoráveis para o milho na nova temporada deverá favorecer um aumento de 3,46% no plantio do cereal no Brasil, diante de perspectivas de que o país feche 2019 com exportações recordes da commodity em meio a uma quebra de safra nos Estados Unidos.

Isso permitiria ao Brasil, segundo exportador global atrás dos EUA, colher uma safra de 101,91 milhões de toneladas em 2019/20, um novo recorde, de acordo com a média apurada em pesquisa da Reuters com nove especialistas e instituições, que em sua maioria basearam seus números em produtividades satisfatórias. Assim, a safra poderia crescer 2,6%, considerando a máxima histórica de 99,3 milhões de toneladas estimada nesta quinta-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para 2018/19.

A aposta no milho, cujo plantio nas safras de verão e inverno poderia somar área nunca vista de 17,93 milhões de hectares, segundo a média da pesquisa, ocorre diante de expectativas de que a produção dos Estados Unidos sofrerá perdas na temporada 2019/20, por problemas de enchentes na época da semeadura —isso permitirá ao Brasil exportações recordes em 2019.

“Com perspectiva de manutenção de preços relativamente atrativos aos produtores até o início do ano que vem, em função das perdas observadas nos EUA este ano, a perspectiva é de crescimento de área… A parte mais significativa desse incremento deve vir na segunda safra…”, afirmou o analista sênior do Rabobank, Victor Ikeda.

Ele avalia que o Brasil deverá aumentar a área em 500 mil hectares, mas entre os analistas consultados é o único que espera uma queda na produção ante 2018/19 na comparação com a projeção da Conab. “É importante observar que, apesar da área maior, a produção tende a ser menor com a volta da produtividade para uma linha normal de tendência, após um 2019 em que o clima foi praticamente perfeito para o desenvolvimento da safrinha”, disse Ikeda. O Rabobank estima uma produção de 93,20 milhões de toneladas para a nova safra.

Alguns analistas, embora não apostem em queda na produção, citaram sim preocupações climáticas. “Caso se confirme um padrão mais seco entre outubro-dezembro (no período de plantio/desenvolvimento da soja), teremos também problemas remanescentes para a safra inverno de milho, que terá uma janela de plantio mais apertada”, disse a Arc Mercosul.No Brasil, a maior parte do milho é plantado na segunda safra, após a colheita da soja, em um sistema de rotação de culturas.

Na temporada 2018/19, as chuvas de primavera chegaram em setembro e se regularizaram logo, permitindo rápido desenvolvimento do plantio e uma colheita mais antecipada de soja, que garantiu também ótima janela climática para o milho segunda safra.

Para 2019/20, explicou o meteorologista da Somar, Jonas Ribeiro, sob efeito de um El Niño enfraquecido, a tendência é de que as chuvas cheguem em setembro, mas se regularizem apenas em outubro, o que deve segurar a arrancada do plantio. “Não deve ter uma ausência de chuva, mas não vai ser regular nas áreas de plantio, vai ser mais espaçada… Vai se regularizar mais no início de outubro.”

1ª safra

A situação de mercado é considerada favorável ao milho a ponto de a Cogo Inteligência em Agronegócio prever um aumento no plantio também no verão, com crescimento em algumas áreas do Paraná e São Paulo, além do Rio Grande do Sul, que não faz segunda safra.

“Quem tem primeira safra, vai fazer um pouco mais, quem faz as duas, vai tentar fazer um pouco mais…”, disse o consultor Carlos Cogo, destacando que áreas que não plantam a segunda safra, que são regiões importadoras, não querem pagar mais caro e deverão apostar no milho de verão.

Além disso, ele também vê um mercado de milho mais firme que o da soja, considerando as fortes exportações do Brasil e as perdas nos Estados Unidos. “Os contratos mais distantes, a alta do milho é mais consistente, tem mais potencial, depois que surgirem os próximos relatórios de safra do USDA, isso vai ficar mais claro”, acrescentou ele, destacando que o cereal brasileiro está competitivo internacionalmente. “Está barato no porto (para exportação) e remunerando o produtor”, concluiu.

Relatório do governo dos Estados Unidos, amplamente aguardado, atualizará na próxima segunda-feira as estimativas para as áreas norte-americanas de milho e soja, em meio a avaliações muito diferentes dentro do próprio mercado, após as chuvas excessivas na época do plantio.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 19 =

Notícias Segundo Cepea

PIB agro segue em alta em maio e crescimento no ano é de 4,62%

Pelo quinto mês consecutivo, o PIB do agronegócio cresceu em maio, 0,78%

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Pelo quinto mês consecutivo, o PIB do agronegócio cresceu em maio, 0,78%, de acordo com cálculos do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, realizados em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Assim, o setor amplia o avanço no ano (de janeiro a maio) para 4,62%.

Entre os ramos do agronegócio, o agrícola voltou a subir em maio, 0,75%, acumulando aumento de 2,51% em 2020. O pecuário mantém o ritmo de crescimento mensal, com elevação de 0,9% em maio e de expressivos 9% no ano.

Segundo pesquisadores do Cepea, ainda como efeito da covid-19, o PIB da agroindústria, segmento mais prejudicado pela pandemia, foi o único a recuar em maio, 0,68%, tornando negativo o resultado do acumulado do ano, em 0,24%. Assim como observado em abril, a agroindústria foi pressionada em maio pelos setores industriais de base agrícola, já que o desempenho da indústria pecuária seguiu positivo.

Já o avanço mais intenso entre os segmentos foi observado para o primário, que cresceu 3,08% em maio, acumulando alta de 11,67% no ano. No mês, o PIB do segmento primário agrícola registrou alta de 4,62% e no ano, de expressivos 15,17%. Pesquisadores do Cepea indicam que, entre os produtos, os destaques em termos de altas de preços foram: milho, café, cacau, arroz, soja e trigo, todos com elevações superiores a 15%. No caso do segmento primário pecuário, o PIB cresceu 0,54% no mês e 6,20% de janeiro a maio, impulsionado pelos maiores preços, principalmente de boi gordo, suínos e ovos. Pesquisadores do Cepea indicam que o elevado patamar dos preços pecuários nos primeiros meses de 2020 ainda refletiu um efeito inercial da forte elevação ao longo de 2019 reforçada pela baixa oferta de bovinos para abate e pelo elevado ritmo de exportações de carnes ao longo deste ano.

O segmento de agrosserviços também cresceu em maio e no ano, apesar da pandemia. De acordo com pesquisadores do Cepea, esse resultado reflete, por um lado, o fato de que não houve paralisação do agronegócio ou problema de distribuição e abastecimento de alimentos para os supermercados e a população brasileira e, por outro, o forte ritmo de exportações do agronegócio no período.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

São Paulo espera colher safra recorde de 300 mil toneladas de trigo

Relato das cooperativas indicou expectativa de boa colheita se o clima colaborar nas próximas semanas

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O setor triticultor paulista se reuniu na manhã de 05 de agosto para o segundo encontro da Câmara Setorial do Trigo no estado, que desta vez, por conta da pandemia da Covid-19, foi realizado remotamente.

“Mesmo online esse encontro é muito importante para dividirmos os desafios e as necessidades dos segmentos que atuam com o cereal no estado, entendendo como está o mercado e promovendo a união do setor como um todo”, destacou o presidente da Câmara Setorial do Trigo de São Paulo, Victor Oliveira.

As quatro maiores cooperativas do estado, Cooperativa Agro Industrial Holambra, Castrolanda, Capal e a Cooperativa Agrícola de Capão Bonito estiveram presentes na reunião e destacaram a boa evolução das lavouras, devido ao clima favorável e as chuvas dos últimos meses.

“De acordo com o levantamento feito por meio do reporte dos representantes das cooperativas temos potencial para um volume estimado de trigo em São Paulo acima da casa das 300 mil toneladas, se o clima permitir. Ainda existe uma pequena necessidade de chuva para o mês de agosto, e por outro lado, há preocupações com as chuvas previstas para setembro, período de ampla colheita do trigo e que pode prejudicar a qualidade e a produtividade do grão”, afirmou Oliveira.

Ainda de acordo com as cooperativas, devido ao início tardio do semeio da cultura no estado, a colheita será realizada entre os meses de setembro e outubro. “As lavouras estão indo muito bem e temos a expectativa de obter um trigo de boa qualidade. Claro que dependemos muito do fator clima, mas a tendência é que tenhamos uma safra muito boa este ano”, reforça o presidente da Câmara.

Em um cenário geral, o representante da Gavilon, Pedro Sampaio apresentou na reunião um panorama do grão no Brasil e no mundo, destacando o aumento da produção de trigo no Brasil, o que pode representar uma redução no volume a ser importado da Argentina e de outros países, como a Rússia, EUA ou Ucrânia.

Incremente de nova área de trigo em SP

A equipe da Biotrigo também participou do encontro online e apresentou um estudo que indica a possibilidade de crescimento da área de trigo no estado, visando atender quase que totalmente o volume de moagem dos moinhos paulistas.

“São Paulo é um case de sucesso em termos de ampliação de área e de melhora da qualidade do trigo no país. Acreditamos que há a possibilidade de aumentar a área de produção no estado e com isso oferecer trigo de qualidade aos moinhos e rentabilidade aos produtores paulistas”, ressaltou a supervisora de qualidade industrial da Biotrigo Genética, Kênia Meneguzzi.

Segundo os dados apresentados, o estado possui 20 moinhos em atividade, que consomem cerca de 12% da demanda por trigo no Brasil, o que significa algo em torno de 1,6 mi toneladas. São Paulo possui hoje uma área de produção de aproximadamente 85 mil ha, o que segundo a Biotrigo poderia ser ampliado de maneira significativa, explorando outras regiões que já foram triticultoras no passado, mas que hoje perderam atratividade para outras culturas.

“Esse é um estudo muito positivo, pois nos apresenta um potencial grande para o crescimento de área e produção, que seria facilmente absorvido pelos moinhos paulistas, além de oferecer uma oportunidade rentável aos produtores do estado. Nós como Câmara Setorial seguiremos apoiando este trabalho, visando ampliar a presença do trigo nos campos paulistas”, finalizou Oliveira.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Pecuária

Associação de Girolando encerra 1º semestre com aumento no número de Registro Genealógico e de associados

Número de Registros Genealógicos efetuados em rebanhos de todo o país foi de 46.790, entre janeiro a junho

Publicado em

em

Divulgação

O primeiro semestre de 2020 foi de crescimento para a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando. O número de Registros Genealógicos efetuados em rebanhos de todo o país foi de 46.790, entre janeiro a junho, um crescimento de 4,26% em comparação ao mesmo período de 2019 e de 21,21% em relação a 2018.

Separando esse volume por categoria, o desempenho foi o seguinte: 12.430 registros de CGD – GD (Genealogia Desconhecida); 16.538 registros de CGD/RGD – GC (Genealogia Conhecida); 17.822 registros de CGN/RGN  (Registros de Nascimento).

De acordo com o coordenador operacional do Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando (SRGRG), Edivaldo Ferreira Júnior, esse crescimento pode ser atribuído a fatores de mercado e ações de incentivo promovidas pela Girolando. “O momento que vivemos na cadeia produtiva do leite, com aumentos consecutivos no preço do leite pago ao produtor e as perspectivas de novos aumentos, está refletindo na procura pelo serviço de registro. Os preços dos animais também estão em elevação”, explica o coordenador do SRGRG.

Segundo ele, há uma grande procura por bovinos mais especializados para produção de leite. “Mesmo os produtores que ainda não são associados da Girolando estão buscando animais que tenham genealogia conhecida, o que aquece o mercado e gera demanda pelos serviços da Associação”, diz Edivaldo Júnior. Uma das ações desenvolvidas no primeiro semestre pela entidade foi a campanha de novos associados, que ofertou desconto, atraindo 150 novos criadores para os quadros associativos da Girolando, que hoje conta com quase 4 mil associados. Também foram concedidos descontos em determinadas categorias de registro, com descontos progressivos de acordo com o volume de exemplares registrados no rebanho, além de descontos em multas.

A expectativa da entidade é encerrar 2020 com um crescimento em torno de 7%, somando todas as categorias. No ano passado, o total de registros foi de 81.412. De acordo com o presidente da Girolando, Odilon de Rezende Barbosa Filho, a entidade vem investindo para oferecer aos associados ferramenta de seleção capazes de acelerar o melhoramento genético dos rebanhos. “O Brasil está bem próximo de atingir a autossuficiência na produção de leite. Isso só reforça o relevante papel do associado da Girolando dentro da cadeia produtiva do leite, principalmente se levarmos em conta que 80% do leite produzido no País vem de rebanhos Girolando”, assegura o presidente.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.