Conectado com

Notícias Produção Animal

Plantas forrageiras desenvolvidas nos últimos anos trazem mais ganhos para a pecuária de corte

Ensaios indicaram ganho de peso animal 63% maior com uso de uma cultivar de 2013 comparada a outra de 2006

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

A pecuária bovina no Cerrado evoluiu para o uso predominante de pastagens cultivadas e hoje o produtor tem acesso a um maior leque de espécies forrageiras adaptadas aos diversos ambientes e recomendadas para diferentes sistemas de produção.

No entanto, quando comparado o potencial produtivo das cultivares lançadas há mais tempo com aquelas mais recentes desenvolvidas pela Embrapa, o resultado em ganho de peso de bovinos em recria pode ser muito diferente. Por exemplo, a BRS Paiaguás, lançada em 2013, proporcionou um ganho de peso por animal 63% superior ao conseguido pela BRS Piatã (2006) no período da seca, ambas cultivares de Brachiaria brizantha. Entre cultivares de Panicum maximum, o híbrido BRS Quênia (2017) propiciou aumento de até 18% no ganho de peso dos animais em relação ao Mombaça (1993).

Os dados foram apresentados por Gustavo Braga, pesquisador da Embrapa Cerrados, durante uma palestra virtual. Segundo o pesquisador, os ensaios experimentais comparativos entre as cultivares foram conduzidos entre dois e três anos e por isso são dados bastante consistentes.

Em mais uma comparação entre cultivares de Panicum maximum, bovinos da raça Nelore mantidos em pastagens de BRS Tamani apresentaram melhor desempenho (11%) em relação ao capim Massai durante o período das águas. Ao longo do ano, a BRS Tamani propiciou 9% a mais em ganho de peso vivo por hectare.

Entre os novos materiais, Braga destacou as características de cinco espécies desenvolvidas pela Embrapa: as cultivares de gramínea BRS Paiaguás, BRS Ipyporã, BRS Zuri, BRS Tamani e BRS Quênia e a cultivar de leguminosa BRS Bela (Stylosanthes guianensis).

Braga também mostrou duas áreas – uma cultivada com BRS Paiaguás solteiro e outra com a cultivar consorciada com a BRS Bela. O ganho de peso dos bovinos em recria mantidos no consórcio foi cerca de 88% superior em relação à pastagem solteira durante o período da seca (maio a setembro). A BRS Bela é indicada para consórcios com gramíneas e, dentre os seus maiores benefícios, o pesquisador cita o aumento do valor nutritivo da dieta animal no período de déficit de forragem, o que impacta positivamente no desempenho animal.

Além disso, ele explica que durante a pesquisa para o desenvolvimento de uma nova espécie forrageira, busca-se uma série de características gerais, como produção, qualidade, resistência a pragas e doenças, adaptação e persistência, além de facilidade de manejo. Em casos mais específicos, o desenvolvimento de novas forrageiras é direcionado para características desejáveis que incluem seu uso como capineira, silagem, sistemas agrícolas, pastagens consorciadas, bancos de proteína, entre outros.

Dessa forma, a adoção de cultivares mais novas não traz grande impacto no custo da atividade, mas pode trazer uma grande diferença no desempenho do rebanho. O pesquisador explica: “O custo das sementes na formação ou renovação da pastagem é relativamente baixo em relação ao custo total, que envolve maquinário, mão-de-obra, corretivos, fertilizantes, entre outros. Custo de 10% a 15% no máximo. Portanto, mesmo se considerarmos um maior preço da semente das cultivares mais novas, os ganhos produtivos com o uso dos novos materiais no decorrer dos anos compensam muito em relação aos materiais mais antigos”, afirma o pesquisador.

As novas cultivares vão acumulando tecnologia em suas sementes, o que pode garantir maiores ganhos para os pecuaristas. “As novas cultivares podem proporcionar um benefício fantástico para o setor, e foram lançadas para atender as diferentes demandas do setor produtivo. Por outro lado, trazem mais desafios para os técnicos e profissionais do setor, na recomendação acertada de cada cultivar para as diferentes condições e circunstâncias existentes”, ressalta.

Contexto da pecuária no Cerrado

O pesquisador Gustavo Braga lembra que durante muitos anos a pecuária de corte no Brasil foi em parte dependente de pastagens nativas de baixa capacidade de suporte e baixo valor nutritivo. “Um dos grandes motores para o aumento da produtividade foi o uso de forrageiras em pastagens cultivadas. Por isso a

importância dos programas de melhoramento genético de plantas forrageiras, que dão segurança ao setor”, explica.

Apesar desse aumento de produtividade, atualmente entre 5 a 6 arrobas de carcaça por hectare por ano, ela ainda é muito baixa em relação ao elevado potencial de produção das cultivares de gramíneas tropicais utilizadas no País. Nesse sentido, o pesquisador também ressalta a importância do manejo, que definirá a qualidade da produção de forragem e pode influenciar na adaptação e persistência do capim e até mesmo na sua resistência a pragas e doenças.

O gerente-executivo da Unipasto, Marcos Roveri, que também  participou do evento, destacou o cenário dos atuais 120 milhões de hectares de pastagens cultivadas no País, as quais apresentam baixa diversidade de espécies, sendo uma das maiores monoculturas do mundo. “Hoje isso traz prejuízos para o País, comprometendo nossa soberania quanto ao fornecimento de carne. Praticamente 90% de toda carne produzida no País provém desses sistemas de produção a pasto, com taxas variáveis de degradação”, alerta.

Ele lembra que o Brasil tem o terceiro maior banco de germoplasma do planeta, com uma ampla variedade de espécies. Para fortalecer a agropecuária nacional e levar inovação ao setor por meio da inovação, Roveri destaca o papel da pesquisa para a pecuária brasileira: “Hoje temos materiais forrageiros com características desejáveis e de excelente valor”.

Outro ponto que deve ser ressaltado é o papel do melhoramento das forrageiras no contexto da mitigação dos gases de efeito estufa, uma vez que a maior taxa de lotação, bem como o maior ganho de peso, que possibilita encurtar o tempo para o abate, e o desenvolvimento de cultivares de maior qualidade por meio da biotecnologia influenciam na quantidade de gases emitidos pela atividade pecuária.

Fonte: Embrapa Cerrados
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 3 =

Notícias 53 anos

Bet, nos 53 anos da Alfa: “Honestidade, ética e humildade, são tudo”

Cooperativa tem previsão de obter receita bruta, em 2020, 21% superior a 2019( que foi de R$ 3,7 Bi)

Publicado em

em

Presidente Romeo Bet - Foto: Divulgação

Em 19 de outubro, a Alfa chegou aos 53 anos, com previsão de obter receita bruta, em 2020, 21% superior a 2019( que foi de R$ 3,7 Bi). Aqui, o presidente Romeo Bet, relata o atual estágio de crescimento e aponta rumos.

 

História bonita

“É uma história muito bonita. Passamos por várias etapas, de dificuldades e vitórias, de algumas paradas e, outras, de maior velocidade, porém, sempre com ímpeto de todas as diretorias que passaram, dos funcionários e associados, de tocar o barco adiante. Foi muito trabalho e muita dedicação, de muita gente”.

 

Uma grande sacada

“Quando a cooperativa começou a perceber que haviam várias outras pequenas com dificuldades, iniciou as incorporações, visando o fortalecimento e, também, para salvaguardar o próprio sistema associativo. Um exemplo foi a junção da então CooperChapecó com a CooperXaxiense, em 1975, gerando o nome ALFA. Isso tomou corpo e vieram mais estruturas em seguida”.

“Quem não cresce, ou fica estagnado, ou regride”. Romeo Bet

 

A modernização

“Outra estratégia excelente, foi o ingresso na industrialização, em 1977, com a indústria de milho, depois trigo e em 1983 a soja. Mais adiante as fábricas de ração. De alguma forma, a modernização foi um importante pilar. A cada pouco tempo, de lá para cá, há ampliação de área e mais incorporações, como a CooperCanoinhas e a ida ao MS há cinco anos. No RS, em 2017, alugamos parte das estruturas da Cotrel. Tudo isso para fazer frente ao aumento dos custos que, só tendem a baixar com novas frentes, novos negócios, mantendo os mesmos níveis de rentabilidade, ou ampliando-os. Quem não cresce, ou fica estagnado, ou regride”.

 

Alfa repaginada

Quando assumi, no início de 2009, depois de três mandados expansionistas de Mário Lanznaster – que sucedeu a ao saudoso Aury Luiz Bodanese -, a Alfa já estava muito bem, já vinha num ritmo crescente. Lógico que, o tempo foi passando e as estruturas já não davam mais conta. Assim, ao longo dos últimos 12/13 anos, fomos ampliando silos, lojas e mercados, novos mixes de mercadorias e melhorando o entrosamento das equipes.

“O crescimento da Alfa se deve, em grande parte, à confiança que os associados depositaram em nós e nas gestões anteriores. Creio que o jeito simples de administrar, focando a rentabilidade, os novos nichos de mercado que se apresentaram, a atualização tecnológica com pés no chão, tudo isso gerou um enorme salto de qualidade e, também, em solidez financeira” (Romeo Bet)

 

R$ 400 milhões em dois projetos

“Somente o novo projeto da Linha Tomazelli, Chapecó (que vai processar 2 mil toneladas de soja/dia a partir de 2022), mais a UPL em Sidrolância – MS (que vai abastecer com suínos o frigorífico Aurora de São Gabriel do Oeste), deverão consumir cerca de R$ 400 milhões. Por isso, este ano, estamos tendo um certo cuidado com outros investimentos. Contudo, alguns são inevitáveis, como é o caso do novo Superalfa e Loja em São Lourenço do Oeste – e em Itaiópolis – ambos em SC, onde também não temos estrutura própria”.

 

A transformação das pessoas

“Já no início da década de 1970, começou a assistência técnica, o preparo das pessoas, os sistemas de comunicação e isso nunca parou justamente por sermos uma cooperativa. De um lado, o caixa precisa ser forte; de outro, o preparo das pessoas deve ser permanente, olhando-se para as tecnologias viáveis. Uma cooperativa jamais deve esquecer seu trabalho social.  Treinamentos, programas com jovens, mulheres, casais de líderes, novos associados, campos demonstrativos, com temas sempre voltados ao interesse do associado, para que sua família também dê seus saltos evolutivos. Isso tudo vai ampliando a confiança e a segurança dos cooperados, nos negócios da Alfa. Se a confiança se vai, estaríamos fadados a sucumbir. Assim que a pandemia permitir, deveremos desencadear vários eventos presenciais, com segurança extrema, até porque, teremos um fim de ano com encaminhamentos bem importantes, por conta das eleições do Conselho em fevereiro de 2021”.

 

E o ´coração´?

A grande maioria notabiliza a Cota-Capital e o elevado grau de consultoria técnica que ofertamos. O mesmo ocorre com a pontualidade nos pagamentos e aplaude o trato feito e cumprido. A alfa está bem conceituada com o quadro social, os funcionários, os parceiros, os terceirizados, os clientes e a comunidade em geral.

“Quando se fala em associado, estamos falando do ‘coração´ do sistema; o cooperado representa tudo para a cooperativa. Ao longo dos anos, os laços foram se fortalecendo. É motivo de alegria ver o associado satisfeito com sua entidade, por se abastecer de insumos e mercadorias na própria casa, bem como a comercialização da produção. É entendível, num universo de mais de 20 mil famílias, um ou outro caso apresentar, eventualmente, alguma insatisfação, especialmente quando acontecem oscilações de preços na produção. Preciso lembrar que isso é reflexo do mercado, e não da Alfa”. (Romeo Bet)

 

Os espelhos

“Espelhando-se o País e a esfera púbica, com a Alfa e seus times, vejo que há gestores e políticos corretos, que fazem o bem para a sociedade. Contudo, muitas atitudes na esfera pública são perversas. Percebo uma Cooperalfa e sua gente, com retidão. Para mim, ética, humidade e honestidade, é tudo; são qualidades preponderantes para pessoas e corporações. Desejo vida longa à cooperativa, transparência, sem acomodação, que continuemos pagando a cota em dia, inovando com consciência e que as próximas cinco décadas sejam tão profícuas quanto foram os primeiros 53 anos. Que nossas raízes fiquem bem firmes a quem virá, seja um filho, um neto. Que o Menino Jesus nos abençoe e que possamos nos cuidar para a travessia do momento”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Exportação

Maior volume e dólar alto sustentam faturamento recorde neste ano

Volume exportado pelo agronegócio brasileiro cresceu mais de 16% frente ao mesmo período de 2019

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

As exportações do agronegócio brasileiro seguem demostrando excelente desempenho ao longo deste ano. Pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, realizadas com base em dados da Secex mostram que, de janeiro a setembro de 2020, o volume exportado pelo setor cresceu mais de 16% frente ao mesmo período de 2019, atingindo recorde da série histórica.

Quanto ao faturamento em dólar, nos primeiros nove meses de 2020, somou 79 bilhões, 8% acima do registrado entre janeiro e setembro de 2019. Esse aumento no montante, por sua vez, está relacionado ao maior volume exportado, tendo em vista que os preços médios em dólar recuaram 6% nos nove primeiros meses de 2020 frente ao mesmo período do ano anterior. Em moeda nacional, o faturamento cresceu 26% na mesma comparação, favorecido pela desvalorização do Real frente ao dólar, de quase 16%.

Produtos exportados

Pesquisadores do Cepea indicam que o aumento das vendas externas se deve a incrementos nos embarques dos produtos do complexo da soja, das carnes, do setor sucroalcooleiro, algodão, frutas e madeira.

No caso dos produtos do complexo da soja, os crescimentos nos embarques em 2020 foram de 32% para soja em grão e de 7% para o farelo e para o óleo. O açúcar tem sido grande destaque neste ano, com forte avanço de 71% nas exportações, devido à aquecida demanda internacional – as vendas externas de etanol cresceram 27%. As exportações de algodão em pluma seguem apresentando bom desempenho, com alta de 59%. As carnes também têm passado por bom período de vendas ao exterior, com altas de 47% para a suína, de 18% para a bovina e de 3% para a de aves. Aumentaram também os embarques de frutas (8%), madeira (5%) e café (1%). Já os produtos que registraram quedas nos embarques foram:  papel e celulose (-2%), suco de laranja (-9%) e milho (-30%)

Destino

A China, a cada ano, tem aumentado sua participação nas vendas totais do Brasil. De janeiro a setembro, 37% do total vendido pelo agronegócio brasileiro ao exterior teve como destino a China. Os países da Zona do Euro mantiveram participação de 14,3%, e os Estados Unidos, de 6,3%

Perspectivas

Caso o clima não atrapalhe, a elevada produção brasileira e o câmbio alto devem seguir favorecendo as vendas externas dos produtos do agronegócio nos próximos meses. Assim, tanto o volume quanto o faturamento em Reais com as exportações brasileiras do agronegócio podem atingir recordes em 2020.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Colheita do trigo se aproxima do final no PR; preço segue em alta

Alta nos preços externos e a estimativa de redução na safra da Argentina também sustentam as cotações no Brasil

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A colheita da nova safra de trigo caminha para o fim no Paraná, maior estado produtor do País. No Rio Grande do Sul, as atividades de campo se aproximam de 1/3 da área.

Apesar disso, pesquisas do Cepea mostram que os valores do trigo e dos derivados continuam avançando no Brasil, influenciados, especialmente, pela retração das vendas por parte de produtores.

Além disso, a alta nos preços externos e a estimativa de redução na safra da Argentina também sustentam as cotações no Brasil.

Entre 19 e 26 de outubro, os preços do trigo no mercado de lotes subiram 5,05% no Paraná e 8,8% no Rio Grande do Sul, fechando respectivamente a R$ 1.343,56/tonelada e R$ 1.311,2/t nessa segunda-feira (26).

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.