Conectado com
LINKE

Notícias Produção Animal

Planejamento forrageiro incrementa em 40% a produção de leite no RS

Grande parte desse resultado se deve ao uso de pastagens perenes e precoces, capazes de resolver os vazios forrageiros nas entressafras

Publicado em

em

Adriana Vargas

planejamento forrageiro tem se mostrado eficiente para aumentar a produção leiteira em propriedades do Balde Cheio no Rio Grande do Sul. Dados de fazendas integrantes do programa indicam que o uso de pastagens perenes e precoces, além de outros ajustes tecnológicos no manejo animal, incrementaram em até 40% a produção de leite por vaca, trazendo um caráter inovador ao manejo forrageiro e animando os produtores que participam do projeto no estado.

Planejar a propriedade para o cultivo das pastagens é uma tarefa que exige conhecimento sobre o ambiente de produção e assessoria técnica. A análise do solo, para correção da acidez e adubação, por exemplo, é uma das tarefas básicas. Mas outro aspecto geral, além da busca pelo incremento da produção, tem avizinhado o trabalho de gestão dos pastos realizado nas propriedades do Balde Cheio no RS: os vazios forrageiros que ocorrem no estado nos períodos de transição entre as estações quentes e frias do ano.

A alternativa encontrada pelos técnicos para atacar o problema foi a perenização da produção forrageira, com o uso de pastagens como BRS Kurumi, BRS Capiaçu e tíftons (grama perene forrageira), além do capim-sudão BRS Estribo, que apesar de não ser perene, tem possibilidade de semeadura precoce e longo ciclo de produção. “O aspecto inovador está em oferecer pastagens perenes de verão como alternativa para vazios forrageiros, e por consequência, elas também fornecem pasto até o outono do ano seguinte, porque  concluem o ciclo com a chegada do inverno e a presença de geadas”, explica o analista da Embrapa Clima Temperado Sérgio Bender, um dos coordenadores do Balde Cheio no estado.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, que também é uma das coordenadoras do programa no RS, Renata Suñé, as plantas perenes apresentam muitos benefícios aos sistemas de produção. “Uma das vantagens das forrageiras perenes é que no começo da estação favorável, elas já estão estabelecidas e com seu sistema radicular desenvolvido. Isso possibilita a rápida produção de forragem e consumo. Além disso, embora tenham um custo inicial de implantação mais alto, nos anos seguintes o custo é muito baixo, já que

depende apenas da refertilização. Outra vantagem é que, por conta do sistema radicular mais robusto, elas protegem melhor o solo do pisoteio e, uma vez que são perenes, não apresentam períodos de solo descoberto, como no caso da implantação das anuais”, destaca.

Segundo a engenheira agrônoma Adriana Vargas, que representa a Fundação Maronna e atende uma propriedade do Balde Cheio em Alegrete (RS), o planejamento forrageiro é etapa fundamental para o sucesso da atividade leiteira, principalmente se o sistema de produção for à base de pastagem, como no caso da Fronteira Oeste do estado. “No projeto Balde Cheio é um dos fundamentos para se ter uma produção com baixo custo e estável ao longo do ano”, ressalta.

Nas propriedades atendidas, o planejamento é estruturado também para minimizar os efeitos negativos dos vazios forrageiros do outono e da primavera, bem como da estiagem. “O produtor é orientado pelos técnicos a implantar espécies e variedades que se adequem ao tipo de solo e sistema de produção da sua propriedade. As perenes de verão tífton 85 e BRS Kurumi são algumas variedades recomendadas, assim como o capim-sudão BRS Estribo, que tem se destacado como forrageira muito adaptável a diversos tipos de solo e fertilidade, principalmente pela sua tolerância ao déficit hídrico”, pontua Vargas.

Manejo anual de pastagens apresenta problemas nas entressafras

Historicamente os produtores de leite do RS utilizam pastagens anuais de verão e de inverno. No inverno, a preferência é por aveia e azevém e no verão, pelo milheto. “Essa estratégia de manejo gera um problema de vazio forrageiro nas entressafras, quando termina o ciclo de uma cultura e ainda não se iniciou o ciclo da outra”, explica Bender.

As pastagens anuais de verão encerram o ciclo de produção até o mês de abril e as pastagens anuais de inverno iniciam o ciclo a partir do mês de maio. Assim os meses de abril e maio são um período crítico na Região Sul do País. Da mesma forma, os meses de outubro, novembro e dezembro também vão apresentar uma falta de alimento no campo. “É necessário ter pastagens implantadas para esse período de entressafras. As pastagens precoces e perenes vêm demonstrando bom desempenho nos experimentos de pesquisa para a produção de leite”, pondera o analista.

O diferencial das pastagens precoces e perenes

Para o inverno, os trigos de duplo propósito, como os materiais genéticos da Embrapa BRS Tarumã e BRS Pastoreio, podem ser alternativas para o planejamento forrageiro. Essas variedades forrageiras precoces podem ser plantadas no mês de março, com a opção de estarem disponíveis no mês de abril, e ainda aptas para o pastejo em maio e junho. “Após a liberação dessa área, pode-se retirar o rebanho leiteiro e permitir que a planta siga o seu ciclo até alcançar o estágio de grão, o qual pode ser armazenado seco, para produzir ração, ou mesmo para cortar e fazer silagem, antes de chegar o seu período de maturação”, observa Bender.

Na primavera, o que pode ser modificado é o uso de pastagens perenes de verão, porque já estão estabelecidas na área. Em setembro, são mais quentes e com maior período de luz, possibilitando que as pastagens comecem a vegetar. Ao chegar outubro, já estão disponíveis para os animais pastejarem com qualidade e com volume, ao passo que uma pastagem anual de verão demandaria uma espera até outubro para início do plantio, para apenas em dezembro a pastagem ser oferecida.

Resultados são destacados na produção de leite

O projeto Balde Cheio tem um ano de execução no Rio Grande Sul, e após a tecnificação continuada de técnicos e produtores (mesmo com a pandemia houve o acompanhamento virtual),  uma das propriedades integrantes, na localidade de Barão, região da Serra Gaúcha, vem aumentando sua produção ao conquistar 1.350 litros de leite a mais por mês.

Segundo o técnico capacitado pelo projeto Leison Prediger, isso significa que houve um acréscimo de 40% em média de aumento de produção por vaca. “A implantação do projeto resultou também em economia de alimento para mais vacas, pois o rebanho foi reduzido em cinco vacas (foi avaliado o desempenho reprodutivo e leiteiro desses animais e os que não produziam eram descartados), sobrando alimento para as demais. Outro fator positivo desse resultado de produção é a maior disponibilidade de matéria seca pela escolha de alternativas forrageiras de melhor qualidade”, analisa.

Os técnicos Ederson de Andrade e Jaqueline Bernardi apontam também significativa mudança em uma das propriedades participantes, localizada em Soledade, também na região da serra. Há um ano, o produtor contava com 10 vacas, alcançando entre sete e oito litros por vaca/dia, mas perdeu dois desses animais. Dedicava apenas um hectare de pastagens para alimento das vacas leiteiras e oferecia campo nativo, sendo que havia uma parte da propriedade arrendada para plantio de soja. Com as estratégias de manejo do projeto, o produtor conseguiu adquirir mais duas vacas, e assim voltou a ter um rebanho com 10 animais, além de adquirir mais cinco bezerras para criação ao melhorar a genética das vacas, usando técnicas de inseminação.

“O produtor rural recuperou sua área, aumentou a disponibilidade de campo nativo e pôde plantar pastagens de inverno utilizadas nesta estação de 2020. Com novas adoções tecnológicas em planejamento forrageiro, neste inverno, ele conquistou a produção em média de 18 litros por vaca/dia”, relata Ederson.

“O produtor triplicou sua produção e reconquistou a confiança na tecnologia e isso justifica os investimentos que foram feitos e vividos pela família, que também conseguiu fazer melhorias em sua residência. Eles passaram de uma comercialização de leite entre 1.800 e 2 mil reais por mês, chegando hoje a 6.500 a 7 mil por mês”, completa o técnico.

A propriedade com 15 hectares agora tem novo desenho agrícola: seis hectares para cultivo de pastagens, um hectare de milho para produção de silagem, e os demais hectares para pastejo do rebanho leiteiro em campo nativo.

Também presente na Fronteira Oeste gaúcha, em Alegrete, o Balde Cheio entrega resultados. Segundo o instrutor técnico do projeto Juliano Alarcom Fabrício, o planejamento forrageiro vem fazendo a diferença na região. “Em uma Unidade Demonstrativa de 100 hectares, iniciamos com o cultivo de aveia, azevém e sementes melhoradas em apenas sete hectares, saindo de uma produção leiteira de sete litros/dia/vaca e passando, no inverno de 2020, a 30 litros/dia/vaca”, conta.

De acordo com Fabrício, na mesma propriedade, na primavera, foi possível minimizar os vazios forrageiros desse período pelo uso de irrigação sob as áreas de pastagens. Nessas propriedades foram usadas pastagens perenes, gramíneas tifton, forrageira que também contribuiu para o desempenho dos animais, que passaram a ser lotados a campo sob pastejo entre sete e dez vacas/ha, propiciando o uso das demais áreas para outros cultivos.

Em busca do crescimento da pecuária leiteira

A Região Sul do País ocupa a segunda colocação na produção brasileira de leite, em 2020. Ao atingir metas de produção superiores às esperadas, o agro brasileiro se destaca com índices de crescimento constante e permanente durante o período da pandemia de Covid-19. Esse fato tem estimulado a cadeia produtiva, já que em 2019 o Relatório Socioeconômico da Cadeia Produtiva do Leite do Rio Grande do Sulrealizado pela Emater/RS, apontou uma perda de cerca de 46 mil produtores de leite, entre os anos de 2015 e 2019, uma redução de 23,16%. Segundo a empresa de assistência técnica e extensão rural, esse mesmo estudo faz uma projeção para que nos próximos dez anos 138 mil produtores abandonem o setor leiteiro.

Diante dessa problemática, a Embrapa surge com soluções tecnológicas de forma a tecnificar o produtor de leite para que permaneça na atividade. A partir do Balde Cheio, é realizada em todo o Brasil a capacitação continuada de técnicos, dentro das propriedades rurais leiteiras, envolvendo a parceria entre instrutores técnicos e produtores rurais. O programa retornou ao sul do País em agosto de 2019, em duas regiões do RS: Serra Gaúcha, ao contemplar os municípios de Nova Petrópolis, Soledade, Barão e Vila Flores, com apoio da Cooperativa Piá; e a Fronteira Oeste, centralizada no município de Alegrete, a qual integra sete propriedades rurais, em parceria com a Associação dos Produtores de Leite – Acripleite, e inclui a área de produção de leite experimental da Fundação Maronna. O projeto no estado é identificado como Balde Cheio no Rio Grande do Sul.

O trabalho desenvolvido com a tecnologia do planejamento forrageiro, por exemplo, é uma alternativa levantada pela pesquisa agropecuária para esse setor e é aplicada dentro do projeto. Por meio dessa adoção tecnológica, a alimentação não é mais uma dificuldade para a produção dos animais, pois há diferentes cultivares de forrageiras oferecidas para atender às variadas necessidades de cada sistema de produção.

Fonte: Embrapa Clima Temperado e Embrapa Pecuária Sul
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 − um =

Notícias

Programa Aprendiz Cooperativo

Coopeavi forma 1ª turma do ES e contrata estudantes

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

A Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) formou, nesta terça-feira (23), a primeira turma do Espírito Santo do programa “Aprendiz Cooperativo”. São 13 jovens que aprenderam sobre cooperativismo ao longo de um ano e três meses e deram o primeiro passo para seguir carreiras profissionais.

A parte teórica do programa teve início dia 4 de novembro de 2019, em Santa Maria de Jetibá, região serrana do Estado. Vinte e dois estudantes matriculados regularmente no ensino médio e com idade entre 15 e 17 anos foram aprovados em processo seletivo. A seleção foi realizada pela Coopeavi juntamente com o Sistema OCB-ES e o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) entre filhos de colaboradores e cooperados, além de moradores da comunidade.

Com carga total de 1.040 horas, o programa precisou se adaptar à quarentena quando se iniciaria a parte prática. Assim como boa parte das equipes da Coopeavi, os jovens aprendizes participaram das atividades em home-office. Gestores e especialistas apresentaram cada setor da cooperativa durante encontros on-line semanais.

“Isso foi positivo, porque os jovens acabaram conhecendo todas as áreas da Coopeavi, o que ajuda a abrir a mente para saber onde se encaixam conforme a vocação e pensar no futuro profissional”, destaca a assistente de Recursos Humanos da Coopeavi, Patrícia Canal.

Além dos encontros, a Coopeavi nomeou 12 “padrinhos cooperativos” para acompanhar as atividades. Segundo Patrícia, além da formação dos jovens, foi uma oportunidade de “trabalhar lideranças pensando no futuro da cooperativa”.

 

Aproveitamento

E a primeira turma do programa “Aprendiz Cooperativo” tem muito o que comemorar. Dos 13 jovens formados, cinco foram contratados pela Coopeavi e outros três, por empresas parceiras da cooperativa. Um ótimo índice de aproveitamento no mercado de trabalho regional.

A mentora da turma, a professora instrutora de ensino e aprendizagem em serviços do CIEE de Santa Maria de Jetibá, Gabrielly Nascimento de Souza, avalia que o grupo pioneiro apresentou um nível elevado.

“É incrível como esses adolescentes têm intelecto avançado, além de maturidade e responsabilidade. Senti um grupo bastante participativo, dedicado e pontual, que levou a sério o programa. E mais ainda, jovens com visão de futuro e que sabem realmente o que querem. Espero que a próxima turma tenha o mesmo perfil”, diz.

Um novo processo seletivo com 23 vagas está em aberto para Santa Maria de Jetibá. A próxima turma a se formar será a de Nova Venécia, noroeste capixaba, com atividades previstas até abril deste ano.

A analista de Desenvolvimento Humano do Sistema OCB/ES, Bianca Rocha, espera que os estudantes difundam os princípios e valores do cooperativismo. “Mesmo com o desafio da pandemia no ano de 2020, conseguimos adaptar as atividades e continuar com o Programa Jovem Aprendiz Cooperativo. Essa turma da Coopeavi foi a primeira do estado, exclusivamente formada por jovens que trabalharam em uma cooperativa.  Esperamos que eles tenham vivenciando na prática o diferencial que é trabalhar em uma cooperativa e que, além de saírem com experiência e mais capacitados para o mercado de trabalho, levem consigo os princípios e valores do cooperativismo”.

 

Inspiração

O presidente da Coopeavi, Denilson Potratz, o vice-presidente, Argêo Uliana, e o diretor administrativo comercial, Ederson Jacob, participaram da solenidade de formatura da primeira turma na última terça-feira (23). Potratz ressaltou a que a cooperativa sempre ofereceu perspectivas de crescimento aos colaboradores, citando como inspiração o executivo corporativo da Coopeavi, Marcelino Bellardt.

“Marcelino começou aos 14 anos ensacando ração na fábrica e hoje é o nosso principal executivo. Ele abraçou a oportunidade e estudou para estar onde está. Que vocês levem esse exemplo com vocês seja aqui na Coopeavi, em outra empresa ou no próprio negócio de vocês”, disse o presidente aos jovens.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Pioneirismo brasileiro em rastreabilidade é arma para alimento seguro!

Cadeia produtiva de carne bovina vai usar um dos maiores bancos de informação e identificação individual de bovinos do mundo para aumentar as exportações para mercados exigentes e oferecer mais qualidade à proteína comercializada dentro do país

Publicado em

em

A Certificação mira a fazenda, a indústria, a cadeia e o consumidor final. - Fotos: Divulgação

É uma nova fase no processo de modernização da Pecuária do Brasil. Que acompanha a chegada das vacinas contra a Covid-19 em diversos países do planeta e o controle mínimo da pandemia. Depois de o Brasil bater novo recorde de vendas internacionais de carne bovina em 2020, com mais de dois milhões de toneladas, em 2021 pode avançar ainda mais nos negócios com os importadores e no próprio mercado interno. Usando duas importantes armas. A primeira é o arsenal imenso de dados coletados nas duas últimas décadas pelo Sistema de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos (SISBOV), criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como ferramenta de controle sanitário e fiscalização das propriedades rurais que cumprem protocolos internacionais e exportam a mercados mundiais mais exigentes, como a União Europeia.

Um sistema de rastreamento individual dos animais que vigora há vinte anos, com milhões de cabeças de gado registradas, do nascimento ao abate. Um banco de dados sem comparação entre os maiores países produtores e exportadores do planeta. Uma certificação que, atualmente, permite ao pecuarista receber até R$ 4 a mais por arroba comercializada, levando mais lucro para toda a cadeia, premiando o produtor, valorizando os negócios dos frigoríficos, obtendo proteína de qualidade para comercialização e ganhando a confiança dos consumidores internacionais.

Outra ferramenta é uma data histórica para a pecuária brasileira, a carne bovina e a comercialização de alimento de qualidade nas fazendas do país. Em fevereiro, o MAPA finalizou o processo de transição da gestão do SISBOV para a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), que já vinha atuando desde 2009 na gestão de protocolos no país. “O Brasil é pioneiro em rastreabilidade, possui um dos maiores bancos de informação de bovinos do mundo, mas ainda não explora devidamente esta rica fonte de dados. Precisamos usá-los de forma global, e para o produtor também, que está na lida, no dia a dia, para ele ter mais ganhos, maior competitividade e mudar efetivamente o seu negócio”, explica o Vice-Presidente da Associação Brasileira de Empresas de Certificação (ABCAR), Aécio Flores, entidade criada no início de 2019 e que congrega 90% das empresas do setor, incluindo os produtos orgânicos, e a maioria dos fabricantes de equipamentos e acessórios. A associação também tem vaga garantida na Câmara Temática da Agricultura Orgânica, na Câmara Setorial da Carne Bovina, e representa os pecuaristas clientes junto às outras entidades, como a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC) e o próprio MAPA. “É uma nova sistemática em processos de certificação. Uma visão construída e sedimentada ao longo desses últimos dez anos. O Governo Federal segue como o responsável perante os outros países, mas cada vez menos na operação propriamente dita. São quase vinte anos com a cadeia produtiva exportando carne bovina de qualidade para a Europa. Trabalho de pecuaristas, certificadoras, fabricantes de equipamentos, o MAPA, agentes particulares e várias entidades de classe. O Ministério tem o objetivo final de apenas emitir o certificado internacional, que é competência da autoridade governamental. É uma dinâmica melhor, mais rápida. O protocolo conduzido pela classe produtiva e pelas empresas que fizeram história na Certificação Europa vai chegar a uma aplicabilidade mais eficiente na fazenda, auxiliando ainda as empresas e a indústria do setor. E também poderemos atuar no sentido de criar novos protocolos. Estamos vivendo uma nova realidade”, analisa o Médico Veterinário, Presidente da ABCAR e um dos pioneiros da criação do SISBOV, Luis Henrique Witzler.

As empresas certificadoras têm aproximadamente dois mil clientes que exportam carnes para a Europa, o continente mais rigoroso na compra de carne bovina, com rastreabilidade dos rebanhos no período de confinamento (100 dias) e a partir da desmama (Cota Hilton). No Sisbov, são 120 mil toneladas por ano. Na Cota Hilton, mais exigente, não consegue ocupar totalmente o limite de comercializar 65 mil toneladas anuais. “A certificação é um procedimento importante para acessar qualquer mercado. É um procedimento sem igual no mundo. Não é amostragem. Todos os animais são rastreados. E ainda possibilita às fazendas ganhos paralelos na gestão do negócio, comercialização dos animais, nos preços mínimos maiores, controles sobre ração, nas dietas, na armazenagem, seleção dos animais e nos custos gerais”, acrescenta Aécio Flores, um administrador de empresas, gaúcho de Esteio, dono da Planejar, que atua há trinta anos, no Brasil inteiro, no segmento de Certificação. “Comecei a trabalhar em 1994, criando soluções e sistemas para a Agropecuária, sobre controle de custos de produção. Com a chegada do Sisbov, desenvolvemos habilidades para a certificação de bovinos e propriedades dentro do programa do Ministério. Era uma época em que ninguém se preocupava com números na fazenda. E sempre entendi que uma boa informação poderia ajudar o pecuarista a comprar e vender bem seus animais. A gestão ainda é fraca na cadeia bovina brasileira inteira, porém está em pleno andamento um processo de modernização. Hoje, a cadeia tem o controle. Temos um volume pequeno de comercialização com a Europa, que exige rastreabilidade e paga bem pela carne bovina. Mas poderia ser bem maior pela nossa capacidade de produção e excelência de animais. Precisamos entender que o que fazemos é bom, valorizar nosso trabalho, expandir o número de fazendas que utilizam o sistema. O processo da rastreabilidade e da certificação é para dar segurança a todos os elos da cadeia. Todos ficam seguros. E os frigoríficos conseguem atingir os mercados mundiais que pagam mais. É questão de atender a demanda. E a exigência sanitária de produtos alimentares não é o futuro. É o presente. O mundo exige cada vez mais segurança sobre o que consome. O próprio brasileiro persegue mais segurança. Todos querem saber onde está o animal, se é bem tratado, se tem problema de zoonose, se tem controle”, acrescenta.

Para auxiliar a pecuária brasileira moderna e o sistema de informação do segmento, a ABCAR projeta para 2021 um período de subir degraus, vencer os desafios, juntar empresas similares de atuação, mostrar que a rastreabilidade não onera o produtor. “Temos assentos nas câmaras que são fundamentais para a tomada de decisões nas áreas de carne bovina e orgânicos. Queremos valorizar o mercado e trazer benefícios para o produtor que nos contrata porque ele é quem tem o nosso serviço, é o maior beneficiado do processo. A ABCAR está ao lado da CNA e do pecuarista para uma parceria mais estruturada. Conversamos bastante e costuramos uma parceria positiva para todos os elos da cadeia produtiva. É um novo momento, um avanço para o setor, que assume os reais benefícios e custos da operação. Com informação, transparência e união. Um passo importante na modernização da Pecuária do Brasil”, concluiu.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Aurora investe R$ 28,6 mi na unidade industrial de suínos de Erechim

Essa é a segunda indústria a receber ampliações e melhorias, neste ano, em Erechim. Investimentos priorizam o conforto e o bem-estar dos trabalhadores

Publicado em

em

O Frigorífico tem capacidade de abate de 1.708 suínos por dia e geração de 139 toneladas/dia de produtos cárneos - Fotos: Divulgação

A Cooperativa Central Aurora Alimentos – terceiro grupo agroindustrial de carnes do País – concluiu um conjunto de obras e melhorias na unidade de abate e processamento de suínos em Erechim (RS), voltadas para o conforto e o bem-estar dos trabalhadores. Essa é a segunda indústria a receber investimentos no município.

Os investimentos na planta de suínos totalizam R$ 28,6 milhões e estão concentrados em novo restaurante industrial, áreas de descanso e de apoio. Os principais beneficiados são os 1.327 empregados diretos do Frigorífico Aurora Erechim II (FAER II).

Em janeiro já haviam sido inauguradas ampliações semelhantes na unidade de aves, a FAER I, que absorveram recursos da ordem de R$ 19 milhões.

O presidente Neivor Canton assinalou que os investimentos visam melhorar ainda mais a convivência entre as pessoas que trabalham na empresa, em momentos importantes da rotina diária. “Proporcionamos refeições de qualidade em um local agradável e seguro e, também, descanso em área estruturada de convivência”. Destacou que os novos ambientes incorporam as medidas de proteção à saúde em face da pandemia do novo coronavírus.

As obras iniciaram em abril do ano passado. O prédio que abriga os novos setores tem área total construída de 3.874 metros quadrados.

A principal melhoria é o novo restaurante industrial com área de 436 metros quadrados, com capacidade para 288 pessoas se alimentarem simultaneamente e estrutura para preparar e servir 2.800 refeições por dia, entre café, almoço e jantar. O ambiente está equipado com o que há de mais moderno em cozinha industrial, incluindo panelas à vapor, fornos, fogões, câmaras frias, bufês etc.

O setor de descanso tem 492 metros quadrados de área, na qual estão dispostas cadeiras espreguiçadeiras, mesas para jogos ou outras atividades escritas, bancos, áreas de sanitários e higiene bucal.

Também foi construída uma área de apoio para toda a operação da unidade de suínos com 1.225 metros quadrados, utilizada para administração, manutenção, segurança do trabalho, enfermaria, fonoaudiologia, consultório médico, sala de procedimentos e fisioterapia.

O programa de investimentos na unidade contempla, ainda, outras obras (executadas ou em execução) como o auditório, vestiários, prédio de manutenção, área de medicina e saúde, controle de qualidade, controle de produção, supervisão de produção, reforma de almoxarifado industrial, adequações e ampliação de cozimento de embutidos, cozidos e área administrativa.

Essa planta foi adquirida pela Aurora em 2017 e pertencia à Cooperativa Tritícola Erechim (Cotrel). O Frigorífico tem capacidade de abate de 1.708 suínos por dia e geração de 139 toneladas/dia de produtos cárneos.

O gerente geral da unidade é Adriano Tomalok.

Fonte: MB Comunicação
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.