Conectado com
OP INSTAGRAM

Bovinos / Grãos / Máquinas Bovinocultura

Pesquisas da APTA garantem mais produtividade, melhor qualidade da carne e menos impacto no ambiente

Em 14 de outubro é comemorado o Dia Nacional da Pecuária, data para lembrar dessa importante atividade, responsável por disponibilizar a população um alimento altamente nutritivo, a carne.

Publicado em

em

Divulgação

A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, realiza por meio do Instituto de Zootecnia (IZ), Instituto Biológico (IB) e unidades da APTA Regional pesquisas de ponta que garantem mais produtividade para o pecuarista, sanidade animal, mais qualidade para o consumidor e menos impacto para o ambiente.

O Instituto de Zootecnia tem a pecuária de corte como um dos seus carros-chefes. É reconhecido em todo o Brasil e no exterior por desenvolver pesquisas que visam a seleção de gado de corte. Os ganhos genéticos acumulados pelo processo de seleção do IZ no seu Centro Avançado de Pesquisa de Bovinos de Corte, resultaram em quatro arrobas a mais no peso da carcaça dos animais selecionados quando abatidos com 24 meses de idade. Além de produzirem carcaça mais pesada precocemente, os animais produzem carne com excelente parâmetro de qualidade.

Preocupado com a sustentabilidade da produção de carne no Brasil, o IZ inaugurou em julho deste ano o Laboratório de Fermentação Ruminal e Nutrição de Bovinos de Corte, um dos poucos do mundo com tecnologia para estudar o que ocorre dentro do rúmen dos animais, verificando o que se pode fazer para otimizar a fermentação ruminal e assim diminuir as emissões do metano entérico, natural no processo de fermentação dos bovinos.

Um dos projetos em desenvolvimento no laboratório é realizado em conjunto com as empresas SilvaTeam e a JBS e busca reduzir a emissão de metano na atmosfera a partir do uso de aditivos que tornam o processo de fermentação da dieta mais eficiente. “Temos em nosso laboratório um equipamento que simula as condições do rúmen, que é a parte anterior ao estômago do animal. Esse rúmen artificial permite que a gente acompanhe as transformações que ocorrem no processo de fermentação e meça com precisão o potencial de aditivos para reduzir as emissões”, conta a pesquisadora do IZ, Renata Helena Branco Arnandes, que é também diretora do Departamento de Gestão Estratégica da APTA.

De acordo com ela, um dos diferenciais do IZ é que as pesquisas iniciadas no laboratório depois são testadas no campo, com os animais em sistema de pasto e confinamento. Isso traz resultados mais consistentes para os estudos e para os usuários das tecnologias, uma vez que são validadas no laboratório e no confinamento.

Os recursos para a criação do laboratório foram aportados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), por meio do Plano de Desenvolvimento Institucional em Pesquisa (PDIP). A Secretaria de Agricultura e Abastecimento assinou também em julho deste ano protocolos de intenções com a JBS e SilvaTeam, visando ações conjuntas com o IZ para o desenvolvimento sustentável da pecuária paulista e nacional.

Novilhas precoces
A APTA Regional de Colina também tem forte atuação para a cadeia produtiva de bovinos de corte e contribuições marcantes para a pecuária, como o desenvolvimento do conceito do Boi 7.7.7, adotado em todas as regiões produtoras de gado de corte do Brasil.

Agora, os pesquisadores trabalham no desenvolvimento de um sistema de produção em que as bezerras desmamadas aos sete/oito meses com 170 kg atinjam 300 kg aos 14/15 meses de idade, momento que estariam prontas para ficarem prenhas – tempo 40% mais rápido do que a média alcançada pelos produtores brasileiros, que conseguem emprenhar as novilhas aos 24 meses. De acordo com os pesquisadores, o ciclo de produção mais rápido, reduz os custos da criação dos animais nas fazendas. A produção precoce é alcançada com a utilização estratégica de suplementação na alimentação dos animais, logo após o desmame.

As fêmeas que apesar de atingir o peso necessário não conseguirem emprenhar também podem ser usadas para aumentar os lucros dos produtores. A APTA desenvolve trabalho para engorda desses animais para um abate precoce, favorecendo a venda da carne no mercado gourmet.

Segundo o pesquisador da APTA Regional de Colina, Flavio Dutra de Resende, as fêmeas têm mais facilidade para deposição de gordura, uma característica importante para esse nicho de mercado. “Por terem essa facilidade, podemos engordar com suplementação as fêmeas que não emprenharam, abatendo esses animais também jovens, com 19 meses. Enquanto a picanha de um boi de 23 arrobas ultrapassa 2 kg, essa novilha dá uma peça de 900 g a 1,1 kg, que é um tamanho de corte adequado, com nível de acabamento diferenciado. É a carne que o brasileiro mais gosta de comprar”, afirma.

O sistema de produção de novilhas precoces é uma das entregas tecnológicas dos Institutos de Pesquisa da APTA, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. As entregas fazem parte de um programa do Governo do Estado de São Paulo, que coloca como meta a disponibilização de 150 soluções tecnológicas pela APTA até 2022. Só neste ano, serão mais de 50 nas áreas de agricultura, pecuária, sanidade animal e vegetal, pesca e aquicultura, economia e processamento de alimentos.

Sanidade animal
A sanidade é outro fator fundamental para o avanço da pecuária. Por isso, o Instituto Biológico tem forte atuação nessa área, realizando diagnósticos com alto padrão de qualidade para diferentes atores da cadeia produtiva. Além dos diagnósticos, o IB realiza um outro importante trabalho, que é a produção dos chamados imunobiológicos, utilizados para diagnósticos de brucelose e tuberculose em animais, inclusive nos bovinos. Sem esses kits, não é possível o trânsito de animais no Brasil.

O IB é a única instituição brasileira autorizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a produzir esses imunobiológicos, atendendo ao Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT).

Desde 2019, o Instituto passa por atualização de seu portfólio, graças a investimentos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Os recursos foram fundamentais para que o IB aumentasse, em 2020, o prazo de validade dos frascos de tuberculina para triagem e confirmatório de tuberculose, que passaram a ter dois anos, o dobro do que era disponibilizado anteriormente. Para o AAT, o aumento na validade foi de seis meses, passando de 12 para 18 meses. “Isso tem ajudado muito na rotina de compra e de armazenamento dos produtos pelos profissionais que atuam no campo, além de também reduzir o desperdício”, afirma o médico-veterinário do IB, Ricardo Spacagna Jordão.

Em 2020, foram produzidas 5.484.430 doses de imunobiológicos no Instituto, um aumento de 20% em relação a produção de 2019. No mesmo período foram comercializadas, 4.995.680 doses, o que representou um crescimento de 46,6% na arrecadação total de 2020, em comparação ao ano anterior.

Fonte: Assessoria APTA
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =

Bovinos / Grãos / Máquinas Bovinocultura

Clima do verão pode ser aliado no controle de verminoses em bovinos

As verminoses são problema que se acentua nos períodos quentes e úmidos, porém essas condições também podem ser aliadas do pecuarista. O consultor técnico em saúde animal na unidade de negócios de Animais de Produção da Ourofino, Ingo Mello, explica como essa doença afeta o rebanho, como tratar e o quanto o clima interfere no controle parasitário.

Publicado em

em

Divulgação/Ourofino

As verminoses são problema que se acentua nos períodos quentes e úmidos, porém essas condições também podem ser aliadas do pecuarista. Confira as dicas que o consultor técnico em saúde animal na unidade de negócios de Animais de Produção da Ourofino Saúde Animal, Ingo Mello, preparou para os leitores do jornal O Presente Rural.

O Presente Rural O que são verminoses e de que maneira elas afetam os bovinos de corte e leite?
Ingo Mello – As verminoses são os principais parasitas dos ruminantes e afetam os rebanhos provocando diversos prejuízos para a pecuária de leite e de corte. As verminoses podem afetar diversos órgãos como sistema gastrintestinal, pulmões, fígado, rins e até mesmo a musculatura dos animais. Os sinais clínicos variam desde uma simples indigestão, diarreia, baixo desenvolvimento corporal e baixo ganho de peso, perda de peso, anemias e mortes, além de predispor os animais a outras enfermidades.

O Presente Rural – Quais são os vermes mais preocupantes para a bovinocultura?
Ingo Mello – As verminoses podem ser provocadas por vermes redondos, achatados em forma de folha e suas fases intermediárias. Os principais vermes são Cooperia, Haemonchus, Oesophagostomum e Dictyocaulus.

O Presente Rural – O calor e/ou a umidade alta agravam o aparecimento de verminoses? Explique.
Ingo Mello – O período quente e úmido favorece a manutenção das verminoses na fase de vida livre ou no ambiente. Os ovos e larvas encontram condições favoráveis para cumprirem o ciclo de vida livre em busca do hospedeiro (bovinos). A rotação de pastagens no Brasil é uma estratégia que ajuda na garantia de nutrição animal, mas pouco contribui para o controle de parasitas.

O Presente Rural – O período de chuvas (verão) dificulta o controle?
Ingo Mello – Durante o verão (período quente e úmido) é favorável ao aumento da infestação ambiental, mas um bom protocolo de controle parasitário permitirá um controle eficiente. Fortes chuvas também prejudicam a viabilidade de muitos parasitas devido à destruição do bolo fecal, lavagem e encharcamento do solo. O período seco do ano é um grande desafio para os parasitas na fase de vida livre, ficam mais fragilizados, expostos a radiação solar, altas temperaturas, inversões térmicas noturnas e baixa umidade, neste contexto é recomendável intensificar as vermifugações e controle de parasitas, pois estes se encontram mais fragilizados, garantindo maior eficiência dos tratamentos e redução das infestações futuras.

O Presente Rural – Quais os sintomas (sinais clínicos e/ou subclínicos) causados por verminoses?
Ingo Mello – A Cooperia e o Oesophagostomum parasitam os intestinos, provocando irritação, inflamação e baixa eficiência ali-mentar, diarreia, desidratação e anorexia, o Haemonchus parasita o estomago dos ruminantes e provoca forte anemia, além da inflamação e irritação, sendo uma das mais preocupantes. O Dictyocaulus é o parasita dos pulmões e provoca irritação e pneumonia. Outras verminoses menos frequentes podem provocar grandes prejuízos para a pecuária quando aparecem nos rebanhos, é o caso da Fascíola hepática que provoca lesões no fígado e ductos biliares, a cisticercose bovina (fase larval ou intermediária da solitária ou teníase humana).

O Presente Rural – Quais os problemas que podem acontecer no desempenho zootécnico (carne e leite)?
Ingo Mello – Baixa eficiência alimentar, atrasos/perdas de peso: 10 a 25% (cria) (Rehagro Ensino, 2018), atrasos de 40 a 44kg na engorda (Bianchin et al.,1996), redução média de 20% na produção de leite, atrasos no desenvolvimento corporal e na puberdade, reduzindo a capacidade reprodutiva do rebanho e anemias e mortes (Bianchin et al.,1996).

O Presente Rural – Como as verminoses afetam o bem-estar do animal?
Ingo Mello – As lesões, a desidratação, a dor e a inflamação prejudicam a saúde e o bem-estar dos animais.

O Presente Rural – Como evitar verminoses no rebanho?
Ingo Mello – Através de protocolos e calendários de vermifugação. O exame amostral das fezes de alguns animais pode ajudar a desvendar o perfil de verminose dos lotes e rebanhos trazendo maior assertividade nos esquemas de vermifugação e na escolha do vermífugo/endectocida mais eficaz. Recomendamos a vermifugação de controle estratégico, mais intensificada no período seco do ano e nas transições (entrada, meio e final do período seco). A entrada de animais novos na propriedade requer uma vermifugação planejada para reduzir novas infestações ambientais. O período pré-parto é de alta importância a vermifugação das fêmeas gestantes (são muito sensíveis as verminoses), reduzindo as infestações ambientais na maternidade. Outra estratégia muito importante é a alternância de bases químicas no controle da verminose.

O Presente Rural – Como tratar as verminoses em um rebanho?
Ingo Mello – Os animais devem ser vermifugados periodicamente, principalmente no período seco utilizando bases químicas de amplo espectro de ação. Animais jovens (3 a 24 meses) devem ser vermifugados pelo menos 3 vezes ao ano, fêmeas gestantes devem ser vermifugadas no pré-parto. Animais com idade superior a 24 meses devem ser vermifugados estratégicamente no período seco.

O Presente Rural – Em que períodos da vida dos bovinos as verminoses são mais comuns?
Ingo Mello – As verminoses são mais frequentes nos animais mais jovens, bezerros durante a fase de cria e recria são mais severamente acometidos.

Vacas no terço final de gestação
É importante que os animais recebam pelo menos uma vez ao ano o tratamento com vermífugos/endectocidas mais concentrados (ex.: Ivermectina 4%) e a alternância de bases químicas (associações de ivermectina e sulfóxido de albendazole).

Fonte: OP Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas VII RPCS

Evento debate alta produtividade e conservação do solo

Em formato on-line, VII Reunião Paranaense de Ciência do Solo contará com a presença de um time de profissionais qualificados para discutir o tema, nos dias 17 e 18 de novembro. Prazo para inscrições e submissão dos trabalhos foi prorrogado até 18 de outubro.

Publicado em

em

Romulo Penna Scorza Jr.

Com o tema “Alta produtividade aliada à conservação do solo”, a VII Reunião Paranaense de Ciência do Solo (RPCS) está com uma programação especial. O evento ocorrerá nos dias 17 e 18 de novembro próximo, em formato on-line, das 08h às 17h30. O prazo para inscrições e submissão dos trabalhos foi prorrogado até 18 de outubro.

A VII RPCS é um evento técnico-científico promovido pelo Núcleo Paranaense de Ciência do Solo vinculado à Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (NEPAR-SBCS) e organizado pelo Grupo de Solos da Universidade Estadual do Centro-Oeste – Unicentro-PR. O principal objetivo é discutir a interação das várias áreas da ciência do solo em busca de alta produtividade agrícola, aliada à conservação do solo e produção sustentável.

A programação será aberta pelo presidente do NEPAR-SBCS, Adriel Ferreira da Fonseca, e pelo presidente da Comissão Organizadora, professor Cristiano Potti. Durante os dois dias serão realizadas quatro mesas redondas, formadas por um time de profissionais especialistas no tema. Entre eles o pesquisador da Embrapa Florestas, Gustavo Ribas Curcio, que profere a palestra de abertura “Solos do Paraná: heranças e responsabilidades”.

A primeira mesa-redonda sobre “Manejo e Conservação do Solo” inicia às 10 horas com a participação de duas pesquisadoras. Graziela Barbosa, pesquisadora do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), antigo Iapar, vai falar sobre a “Rede de Agro Pesquisa do Paraná em Conservação do Solo: estado da arte”, e a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Nerilde Favaretto, conduzirá a palestra “Manejo do Solo e Perdas de Nutrientes”. Após a explanação será aberto o debate. No período da tarde, a programação inicia às 13h30 com apresentação oral dos trabalhos de destaques – também haverá apresentação às 17 horas.  No segundo dia as apresentações ocorrem das 08h às 08h30, das 13h30 às 14 horas e das 17h às 17h30. Ao todo serão 12 trabalhos selecionados pela Comissão Técnico-Científica.

Ainda no dia 17, a partir das 14 horas, terá início a segunda mesa-redonda com o tema “Fertilidade do Solo, Nutrição de Plantas e Agricultura de Precisão”. Entre os palestrantes estão o professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Eduardo Caires, que vai abordar o “Manejo da acidez no perfil do solo sob plantio direto”; o pesquisador da Embrapa Soja, César de Castro, que vai falar sobre “Adubação e nutrição para altas produtividades e sustentabilidade” e o pesquisador Fabrício Povh, da Fundação ABC, com a palestra “Fertilidade do solo e nutrição de plantas na agricultura de precisão”.

No segundo dia as apresentações dos trabalhos começam às 08 horas e, logo em seguida, às 08h30, inicia a mesa-redonda “Biologia do Solo” conduzida por três pesquisadores. George Brown, da Embrapa Florestas vai falar sobre “Fauna edáfica como indicadora da sustentabilidade”; o pesquisador do IDR-PR (antigo Iapar) Arnaldo Colozzi abordará a “Microbiologia como indicador de sustentabilidade” e Marco Nogueira, da Embrapa Soja, traz o tema “Bioinsumos para alavancar a produtividade com sustentabilidade”.

No período da tarde, a programação segue com o tema “Física do Solo”. Esse debate contará com a presença do professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Moacir Tuzzin de Moraes, que vai mostrar os “Desafios da física do solo para alta produtividade: o sistema radicular das culturas”.

E ainda para falar sobre a “Compactação e erosão do solo: desafios para o manejo conservacionista em sistemas intensivos de produção” também foi convidada a professora Karina Cavalieri Polizeli, da UFPR. A professora Rachel Guimarães, da UTFPR, finaliza com a palestra “Como métodos de avaliação visual podem auxiliar no manejo do solo”. O encerramento será às 17 horas.

O presidente da Comissão Organizadora, Cristiano Pott, destaca o alto nível dos palestrantes, assim como a pauta diversa, que mescla discussões sobre fertilidade e nutrição de plantas, do ponto de vista químico, físico e biológico. “Esse triângulo será o cerne da discussão do tema principal”, diz Pott.

Segundo ele, a conferência de abertura dará um panorama geral dos solos no Paraná, tanto do ponto de vista de produtividade quanto de suscetibilidade à erosão ou degradação. Destaca também o trabalho da Rede de Agro Pesquisa do Paraná, instituída pelo governo, na qual pesquisadores trabalham de forma interdisciplinar com foco na conservação do solo.

A RPCS já é considerada um dos eventos mais tradicionais que ocorrem no Estado sobre solo, reunindo pesquisadores, extensionistas, técnicos, representantes e empresários do setor agropecuário, além de acadêmicos da graduação e pós-graduação das áreas de Ciências Agrárias.

Eleição NEPAR
No primeiro dia do evento acontece a assembleia para a escolha da nova diretoria do Núcleo Estadual do Paraná de Ciência do Solo – Sociedade Brasileira da Ciência do Solo (NEPAR-SBCS) para o período de 01 de janeiro de 2022 a 31 de dezembro de 2023. Será das 18h às 19 horas. Participam somente associados do Nepar.

Fonte: NEPAR-SBCS
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Em novembro

8º Congresso Brasileiro de Fertilizantes evidencia expectativas do setor e sua contribuição para a evolução do agro nacional

Considerado um dos principais eventos do calendário nacional, toda sua programação será no formato on-line. Para participar, os interessados podem realizar sua inscrição gratuita pelo site www.congressoanda.com.br.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A 8ª edição do Congresso Brasileiro de Fertilizantes, que será realizada em 23 de novembro, vai tratar sobre a discussão dos principais temas que envolvem o setor, responsável por contribuir para o desenvolvimento sustentável do agronegócio brasileiro. Organizado e promovido pela Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA), é considerado um dos principais eventos do calendário nacional.

O evento on-line terá início com a solenidade de abertura, que contará com a participação de Eduardo de Souza Monteiro, presidente do Conselho de Administração da ANDA, e importantes representantes do governo e do agronegócio, e marcará o lançamento oficial do Prêmio “Carlos Florence”.

A programação do 8º Congresso Brasileiro de Fertilizantes terá três painéis, que serão compostos por uma palestra e um debate, coordenados por um presidente de uma indústria do setor. A moderação ficará a cargo do jornalista William Waack.

No primeiro painel “Mercado Brasileiro e Mundial de Fertilizantes”, a apresentação será proferida por Alzbeta Klein, CEO e diretora geral da International Fertilizer Association IFA e a coordenação será feita por Corrine Ricard, sênior VP e presidente da Mosaic Fertilizantes Brasil e terá como debatedores: Carlos Cogo, fundador da Cogo Inteligência em Agronegócio e Kauanna Navarro, jornalista especializada em agronegócios da Argus Media Brasil.

O palestrante do segundo painel “A Economia no Brasil e as Expectativas para o Agronegócio” será Marcos Jank, coordenador do Centro Insper Agro Global e Olaf Hektoen, presidente da Yara Fertilizantes Brasil, fará a coordenação. Para os debates estarão Guilherme Bastos Filho, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Marcello Brito, presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG).

Por fim, o terceiro painel “Logística e Infraestrutura como Desenvolvimento do Agro Brasileiro” será coordenado por Lieven Cooreman, CEO da EuroChem Fertilizantes Tocantins, e terá as participações, como debatedores, de José Velloso, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) e do ex-ministro Roberto Rodrigues, coordenador do FGVAgro.

O 8º Congresso Brasileiro de Fertilizantes deverá ser seguido por mais de 800 pessoas, entre os principais formadores de opinião, executivos que atuam no mercado brasileiro e internacional de fertilizantes, além de profissionais, técnicos, acadêmicos e demais públicos ligados ao agro. Para participar, os interessados podem realizar sua inscrição gratuita pelo site www.congressoanda.com.br.

Fonte: Associação Nacional para Difusão de Adubos
Continue Lendo
ABPA – PSA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.