Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Pesquisador faz profunda análise a favor do Brasil em relação a outros países produtores

José Eustáquio Vieira Filho evidencia o cenário econômico e político com foco no agronegócio nacional.

Publicado em

em

Fotos: Shutterstock

“Quando eu era estudante de Economia, a primeira coisa que via nos manuais era que a agricultura é um modelo perfeitamente competitivo de oferta e demanda, e que o preço é dado pelo mercado. Quando estudava o desenvolvimento econômico, a agricultura era um setor marginal ao desenvolvimento econômico. Para um país para se desenvolver, tinha que desenvolver a agricultura, setor industrial e, por último, setor de serviços”, lembra José Eustáquio Vieira Filho, pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). “Então, basicamente, víamos isso nas universidades e eu percebia que essas coisas não batiam com a realidade prática”, lembra.

Pesquisador no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, José Eustáquio Vieira Filho: “O que está por detrás do sucesso agropecuário brasileiro é conhecimento e tecnologia, nada mais do que isso” – Foto: Francieli Baumgarten

Durante o Encontro Regional Abraves, realizado em Toledo, PR, o pesquisador ministrou palestra onde falou sobre o cenário econômico e político com foco no agronegócio. “Falar em agronegócio é muito mais do que falar em um produto, da questão do clima, rezar para que tenhamos boas chuvas, e tudo mais será doado da forma divina. Na verdade, o que está por detrás do sucesso agropecuário brasileiro é conhecimento e tecnologia, nada mais do que isso”, elucida o palestrante.

“O agro é muito importante, é o agro que move a economia do país, é o agro que paga os salários, é o agro que gera desenvolvimento econômico. Independente de governo A, governo B, o agronegócio é que move a economia”, destaca o profissional. “O plano safra sempre vai existir, o setor vai continuar crescendo e as coisas vão continuar no seu ritmo tradicional. A menos que venha um determinado presidente e queira acabar com o setor, mas acredito que isso não vai acontecer, porque seria como retroceder 50 anos”, expressa Vieira Filho.

Ele sugere questionar se existe futuro viável para o agronegócio e, particularmente, para a suinocultura. “Essa questão pode ser respondida por diferentes prismas. Inovação tecnológica, a questão sanitária, a sustentabilidade ambiental, a sucessão dos negócios, entre outros fatores. Busco focar a questão da inovação tecnológica como um fator central no que foi feito no Brasil”, argumenta.

Voltando no tempo

O pesquisador falou sobre a criação e a relevância da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), na década de 1970, mas argumenta que a instituição “não construiu isso sozinha”. “A Embrapa foi central em canalizar as principais demandas que o país tinha nos anos 70 e conseguiu organizar o país. É claro, junto com o ambiente institucional ao seu redor, isso ganhou corpo e fez com que houvesse uma evolução muito grande”.

Nos anos 1970, o Brasil enfrentava políticas que priorizavam a extração de renda da agricultura para subsidiar outros setores, como ressalta Vieira Filho. Essas políticas, muitas vezes negligenciadas nas discussões contemporâneas, incluíam práticas como taxas múltiplas de câmbio, que beneficiavam certos setores em detrimento da agricultura, um dos principais setores exportadores do país na época. “É claro que, naquele período, a agricultura era pouco diversificada comparando com a agricultura que a gente conhece hoje, mas era o setor que exportava, então ele era prejudicado”, acrescenta o palestrante. Ele aponta que “as taxas prejudicavam a agricultura, mas beneficiaram a indústria. A agricultura era penalizada nesse sentido”.

Durante o período do chamado “milagre econômico” entre 1968 e 1973, o Brasil experimentou um crescimento econômico notável, mas também enfrentou desafios, como a inflação decorrente da oferta inelástica de preços. “O país estava crescendo a taxas de dois dígitos, mais do que a China, levando em conta aquele período”, salienta. “E quanto maior a demanda, se você não tem oferta, os preços explodem, vem a inflação. E inflação nenhum governo gosta”. Eustáquio destaca o papel de Affonso Celso Pastore em mostrar que, na realidade, a produção agrícola poderia reagir aos preços, desde que houvesse investimentos em inovação e tecnologia, expandindo assim a oferta produtiva. E afirma: “Flutuações no preço podem sim influenciar a oferta ou a demanda dos produtos”.

Nesse contexto, dois importantes ministros, Cirne Lima da Agricultura e Delfim Netto da Economia, reconheceram a necessidade de abordar os problemas enfrentados pela agricultura brasileira. Enquanto parte da população defendia a reforma agrária como solução, outra parte argumentava a favor do investimento em tecnologia e capital humano para promover o crescimento da agropecuária. Essa dicotomia acentuada pelo pesquisador ecoa os debates contemporâneos. “A mesma discussão vemos hoje quando separamos os grupos ideológicos. Há quem pense que a reforma agrária é uma política importante, mas na prática, o que se mostrou no Brasil foi investimento em capital humano e tecnologia”, analisa.

A criação da Embrapa, em 1973, representou um marco nesse contexto. Como frisa o palestrante, o investimento na pesquisa agro foi justificado pelo reconhecimento da importância de fornecer conhecimento atualizado aos agricultores. O estudo realizado pelo professor Guilherme Dias, que demonstrou a defasagem no diálogo entre a extensão rural e os produtores, foi fundamental para embasar essa decisão. “Delfim Netto pegou o argumento desse estudo e utilizou para justificar o investimento na pesquisa. A criação da Embrapa tinha que ser justificada”, relata o doutor em Teoria Econômica.

Concentração

Ele também aborda a questão da concentração produtiva no setor agropecuário brasileiro, destacando números que revelam uma realidade desafiadora e apontam para possíveis caminhos de desenvolvimento. Segundo Vieira Filho, “em 2006, um texto clássico do doutor Eliseu, publicado no livro do IPEA, mostrou, pela primeira vez, que havia uma grande concentração produtiva no setor agropecuário brasileiro”. Os dados do Censo de 2017 confirmaram essa concentração, revelando que “9% dos estabelecimentos mais ricos respondem por 85% da produção, enquanto 91% dos estabelecimentos mais pobres respondem pela pequena parte de 15% da produção”. Essa realidade, enfatiza o palestrante, não é exclusiva do Brasil, persistindo também em economias como a americana e europeia.

Essa concentração, segundo doutor José Eustáquio, pode ser vista como parte dos modelos de desenvolvimento econômico, onde é necessário “que você tenha concentrações em determinados ramos produtivos para que você possa ter um start de alocação de investimento, crescimento, aumento da produtividade e expansão”. No entanto, o profissional também aponta para uma oportunidade de mudança. Ele sugere que “se você incorporar 1% dos estabelecimentos mais pobres dentro dessa faixa mais dinâmica, podemos não só dobrar, como até triplicar a produção brasileira, usando os mesmos recursos, usando os mesmos insumos tecnológicos”.

Condições influenciam a tecnologia

Para ele, a compreensão desse aspecto se tornou fundamental durante seu pós-doutorado na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, onde teve a oportunidade de colaborar com o professor Albert Fischer na elaboração do livro “Agricultura e Indústria no Brasil, Inovação e Competitividade”. “Percebi que tudo o que acontecia na agricultura era, não só semelhante, como idêntico ao que eles explicavam sobre os casos bem-sucedidos de inovação tecnológica na indústria”, sublinha. A análise comparativa entre setores industriais como o de petróleo, produção de aeronaves e o agronegócio revela padrões interessantes de evolução tecnológica e adaptação às condições específicas de cada segmento. “Comparamos então, três setores industriais. Setor de petróleo, o setor de produção de aeronaves e o agronegócio”, recorda.

Ele ilustra sua argumentação com exemplos concretos. No caso da indústria de aviação, enfatiza que a evolução tecnológica está intimamente ligada ao aumento de escala das

aeronaves. “O avião, para que se tenha uma evolução tecnológica, vai ampliando de tamanho. Ao ampliar de tamanho ele aumenta o peso, ao aumentar o peso as condições tecnológicas são outras. Dependendo da capacidade que se tem de absorção das tecnologias, tem-se capacidade de produzir aeronaves maiores. É algo muito complexo”, explica o pesquisador.

Ao abordar o setor de petróleo, o doutor menciona as diferenças entre as estratégias de exploração adotadas em diferentes regiões do mundo. Enquanto em lugares como o Oriente Médio ou Estados Unidos a presença de petróleo próximo à superfície facilitou a exploração, no Brasil o cenário foi distinto. “No Brasil, isso não aconteceu. E num determinado momento, o país resolveu procurar petróleo na costa litorânea brasileira”, relata. O surgimento de experiências bem-sucedidas de exploração offshore na década de 1960 marcou o início de um período de investimentos significativos no setor. “E depois que foi descoberto na Bacia de Campos, o Brasil começou a investir muito”, acrescenta.

O pesquisador salienta que, assim como na indústria aeronáutica e petrolífera, o agronegócio enfrenta desafios tecnológicos específicos à medida que amplia sua escala produtiva. “Explorar petróleo a cem metros é uma condição de temperatura e predição diferente do que explorar petróleo a dois mil metros, cinco mil metros de profundidade. É preciso novos materiais, novas tecnologias. A complexidade tecnológica é diferente. No agro é a mesma coisa”, diz.

Analisando dados dos Censos Agropecuários de 1995 e 2017, Eustáquio explora a relação entre tecnologia, escala produtiva e eficiência no setor. “Comparando os dois Censos, quanto maior eram as propriedades, maior eram os indicadores de potência”. Essa constatação evidencia a importância da escala na absorção tecnológica e no aumento da produtividade agrícola. O estudo revelou que, ao longo das décadas, a tecnologia desempenhou um papel cada vez mais significativo nos ganhos de produção. “Na década de 1990, a tecnologia já era responsável por, praticamente, 50% dos aumentos produtivos. E, no último Censo, essa participação se ampliou para algo em torno de 60,6%”, explica o pesquisador.

Uma tendência clara observada nos dados é a redução da participação do trabalho na produção agrícola, enquanto a utilização de tecnologia e insumos biotecnológicos vem ganhando espaço. “Cada vez mais uma atividade agropecuária é intensiva em tecnologia e pouco intensiva em trabalho. Intensiva em robótica, máquinas, além dos insumos biotecnológicos”, destaca Vieira. Entretanto, ele revela que “a participação do trabalho caiu de 31,3% para 19%. E a participação da terra é praticamente estável. Ressalto que o estudo não está dizendo que terra não é importante. O estudo diz que a participação da terra comparativamente a outros fatores produtivos tem uma contribuição menor”.

Efeito poupa floresta

Um dos pontos destacados pelo profissional é o “efeito poupa floresta”, um conceito que ressalta o impacto positivo da tecnologia na preservação ambiental. “Imagine que se tenha uma situação no passado, uma situação no presente e um contrafatual. Se observarmos passado e presente, há um pequeno aumento da área produtiva. Mas esse pequeno aumento em nada se compara com o que foi poupado ao longo do tempo, e essa poupança foi devido à tecnologia”, elucida.

Esses resultados têm implicações importantes para políticas públicas e estratégias de desenvolvimento agrícola. Segundo o palestrante, é fundamental que os países reconheçam o papel fundamental da inovação tecnológica no aumento da produtividade e na conservação ambiental. Em vez de simplesmente focar na distribuição de terras, investimentos em acesso e adoção de tecnologias eficientes podem ser a chave para impulsionar o crescimento sustentável do agronegócio.

O doutor José Eustáquio assegura que o “efeito poupa-floresta” representa menos fome do mundo, pois quanto mais tecnologia, menos é preciso desmatar áreas para produzir mais. Ele diz que “ao longo da década de 1990, para os dias atuais, o Brasil praticamente poupou 43% do seu território. Se compararmos com nossos principais críticos e competidores, o nosso indicador no último ano é muito maior do que, por exemplo, da Espanha, que só poupou 20,4% com a tecnologia, ou do que a França, que foi 2,4%”. Vieira conta também que descobriu, através de um estudo, em 2020, “que na Europa estava se criando um debate, uma crítica, dizendo que o estudo não podia ser feito dessa forma, porque parte de um ponto que, teoricamente, segundo os europeus, eles já são eficientes. E isso não é verdade. A verdade é que eles já desmataram tudo, não têm mais o que desmatar”, expressa.

A conta não fecha

Ao revelar que, segundo dados, dois terços do território brasileiro são preservados com matas nativas, o palestrante incita uma reflexão. “O continente europeu, por exemplo, não tem 10% de preservação. Como eles querem ditar ordem dentro do território brasileiro?”, questiona. Ele complementa que fez outro exercício, que consiste em dividir a produção por unidade de emissão. “Primeiro lugar, não acredito no que são essas emissões de CO2 equivalente na atmosfera. Pegam um monte de cientistas da Embrapa, de universidades financiadas por ONGs ou instituições internacionais, e dão um ar de cientificidade e chegam a um número de carbono. Milhões de toneladas de carbono. Supondo que essas estatísticas internacionais sejam verdadeiras. Analisei essas estatísticas para o Brasil e dividi produção por unidade e emissão, e fiz o mesmo para os nossos principais competidores. Pasmem, o Brasil foi o país que teve o melhor indicador de sustentabilidade nesse quesito” revela o pesquisador.

Eustáquio acentua que, na produção agrícola, em 1990, um quilo de CO2 equivalente conseguia gerar 243 quilos de produtos agrícolas. Já em 2020, o mesmo quilo de CO2 equivalente conseguia produzir 748 quilos. “Então veja, nós estamos produzindo mais com a mesma emissão de carbono. Sendo assim, o Brasil, comparado aos nossos principais competidores, é o país com o melhor rendimento”, enfatiza.

Soja brasileira

O economista sublinha o impressionante crescimento da cadeia produtiva da soja no Brasil ao longo das últimas décadas. Em sua análise, revela números que ilustram a magnitude desse progresso. Em 1991, a produção nacional de soja totalizava 19,4 milhões de toneladas. Contrastando com os dados de 2022, esse número saltou para 154,6 milhões de toneladas, representando um aumento surpreendente de quase 700%. Como observa o palestrante, “a produção de soja foi multiplicada por oito ao longo desse período”.

Outro ponto de destaque é a relação entre a produção de soja e a produção total de grãos. Em 1991, os grãos atingiram 68,4 milhões de toneladas, enquanto em 2022 foram 319,8 milhões de toneladas. Vieira Filho afirma que “a produção de soja representa, praticamente, 50% da produção total de grãos”. Um aspecto importante também é o papel central da soja na cadeia produtiva agrícola. Em 2022, a produção de soja totalizou 154 milhões de toneladas, grande parte da qual é processada em farelo e óleo. O palestrante detalha que “63% da soja é exportada como excedente produtivo, enquanto 32% é consumida internamente”.

Eustáquio fala ainda sobre a questão do consumo per capita, e dá destaque ao aumento significativo ao longo dos anos. Desde 1991, o consumo per capita de soja aumentou 2,7 vezes, o de farelo 4,5 vezes, e o de óleo 2,2 vezes. Além disso, segundo o pesquisador, o consumo de carne de frango e suína também registrou aumentos substanciais, correlacionados com o crescimento das exportações. “Carne de frango, 30% exportado, o restante é consumido dentro do país, carne bovina, 27% é exportado, o restante é consumido dentro do país. Carne suína, 30% é exportado e o restante é consumido dentro do país”, aponta.

Exportações e segurança alimentar

Um ponto analítico importante levantado na palestra foi a relação entre exportações e segurança alimentar. Contrariando a noção de que as exportações comprometem a segurança alimentar interna, o profissional argumenta que “exportar não é ruim para a segurança alimentar do país”. Ele considera que políticas que visam taxar as exportações podem prejudicar o desenvolvimento econômico e que investimentos em inovação e tecnologia são fundamentais para garantir a segurança alimentar e impulsionar o crescimento da oferta.

Sobre o quadro de comércio exterior do país e a ascensão impressionante do setor agropecuário brasileiro, o pesquisador do Ipea afirma que “o Brasil é o líder em exportações líquidas de alimentos para o mundo”, ressaltando a posição de destaque que o país ocupa no cenário global. Ele explica que o Brasil figura como o terceiro maior exportador, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e Holanda, enquanto ocupa a 34ª posição em importações.

Uma das principais conquistas evidenciadas por Vieira Filho é o saldo superavitário da balança comercial brasileira, especialmente após 2015, comparado aos competidores latino-americanos. Ele salienta que “o Brasil se descola com um saldo superavitário da balança comercial global”, graças ao desempenho positivo do setor agropecuário. Sem esse saldo, o pesquisador argumenta que o país não seria capaz de contrabalançar os déficits em outras áreas da economia. O setor agropecuário desempenha um papel crucial nessa dinâmica, representando 50% das exportações totais do Brasil. Um estudo do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) citado por José Eustáquio aponta que, até 2027, a maior expansão da oferta produtiva ocorrerá principalmente no Brasil. Os principais destinos dessas exportações incluem a China (31,9%), União Europeia (16,1%) e Estados Unidos (6,6%).

O palestrante também enfatiza a diversificação do mercado brasileiro, apesar da concentração significativa na China. Ele ilustra esse ponto com o exemplo da carne suína, que saltou do 14º lugar, em 1995, para a terceira posição mundial em exportações até 2022. “O market share brasileiro, que era de 1% na década de 90, hoje representa 17% das exportações mundiais”, afirma.

Outro ponto-chave abordado por José Eustáquio é a relação entre a taxa de juros e o mercado internacional. Ele constata que “é errado tentar prever o mercado olhando só a taxa Selic e esquecendo o que acontece com o resto do mundo”, enfatizando a importância de comparar a taxa de juros real com a do mercado americano. Segundo ele, essa comparação é essencial para determinar a necessidade de ajustes na taxa de juros brasileira, visando atrair capital estrangeiro e manter a competitividade econômica.

Sobre a relação entre taxa de câmbio e exportações Vieira denota que “quanto maior as exportações, mais se diminui a taxa de câmbio”, explicando como a abundância de exportações pode influenciar na valorização da moeda nacional. No entanto, ele alerta para os potenciais impactos negativos dessa valorização excessiva sobre os produtores, defendendo a necessidade de estabilidade cambial para garantir previsibilidade aos agentes econômicos.

Brasil

Quanto ao desempenho econômico do Brasil, ele observa que o país vem apresentando sinais de recuperação, com o PIB crescendo após os impactos da crise pandêmica. Ele compartilha dados do último boletim Focus, que indicam um aumento da inflação em 2024, seguido de estabilidade em 2025, bem como um pequeno crescimento do PIB no mesmo período. Além disso, prevê uma taxa de câmbio relativamente estável nos próximos anos, com a taxa de juros em torno de 9%.

O pesquisador fez uma comparação entre a situação econômica do Brasil e da Europa, e aponta as diferenças nas políticas de subsídios e práticas sustentáveis. Enquanto o Brasil é reconhecido como um exemplo de competitividade com práticas sustentáveis, Eustáquio revela que a Europa enfrenta desafios relacionados à redução de subsídios e dependência dessas políticas para a produção agrícola.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural

Suínos / Peixes Crescimento na piscicultura

Copacol mudou o hábito alimentar do brasileiro ao incluir peixe em sua dieta

O pioneirismo da Copacol em atuar na piscicultura de forma integrada permitiu que muitos produtores passassem a acreditar e a produzir o peixe.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Comunicação Copacol

Através de um estudo sobre a viabilidade e a importância da piscicultura no Oeste do Paraná, foi implementada há 16 anos uma das atividades mais promissoras da Cooperativa Agroindustrial Consolata (Copacol), que hoje se posiciona como a maior cooperativa produtora de tilápia do Brasil. São 17 mil toneladas por ano, mas as ambições para 2024 são ainda maiores: chagar a 21 mil toneladas.

Desde sua fundação, a Copacol tem registrado um crescimento consistente, fundamentado em pilares de inovação e sustentabilidade. Em entrevista exclusiva ao Jornal O Presente Rural, o presidente Valter Pitol revela as estratégias por trás dessa trajetória de sucesso, os desafios superados ao longo dos anos e as perspectivas para a tilapicultura paranaense e brasileira.

Pioneira no sistema integrado de piscicultura no Brasil, a atividade se tornou uma alternativa de renda e diversificação da propriedade rural para 286 cooperados da Copacol. “Prestes a completar 16 anos, a atividade se tornou o sustento de muitas famílias, além de uma opção para a diversificação na propriedade, com a agricultura, avicultura, suinocultura e a bovinocultura de leite” menciona Pitol.

Com o maior volume de abate de tilápia da América do Sul, a cooperativa processa 190 mil tilápias ao dia nas unidades industriais de Nova Aurora e Toledo. Em 2023, foram abatidos 55,3 milhões de peixes, totalizando 16,9 mil toneladas do produto.

Para atender a essa demanda, a Copacol conta com duas Unidades de Produção de Alevinos (UPA), uma instalada em Nova Aurora e outra em Quarto Centenário, que produziram juntas 56,2 milhões de alevinos no ano passado. “O pioneirismo da Copacol em atuar na piscicultura de forma integrada permitiu que muitos produtores passassem a acreditar e a produzir o peixe” conta Pitol.

O início de tudo

Com forte atuação em grãos e na avicultura, o presidente da Copacol menciona que a ideia de atuar também na piscicultura veio a partir de um trabalho de conclusão de uma pós-graduação ofertada pela cooperativa para colaboradores, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. “Um dos grupos estudou a viabilidade e importância da atividade para diversas famílias da região. O trabalho foi apresentado em 2006 e dois anos depois, em junho de 2008, a Unidade Industrial de Peixes de Nova Aurora foi inaugurada” relembra Pitol, enfatizando que o investimento, na época, foi de R$ 15 milhões em uma área de 2,3 mil metros quadrados, gerando mais de 100 empregos. “A capacidade de abate era de 10 toneladas de tilápia por dia. Hoje, nesta estrutura são abatidas em média 150 mil tilápias/dia, com mais de 1,2 mil colaboradores”, diz orgulhoso da trajetória da cooperativa na atividade.

Inovações tecnológicas e sustentabilidade

No Oeste do Paraná, polo da produção de tilápias no Brasil, a Copacol iniciou em 2023 a operação da UPA de Quarto Centenário com um sistema inovador, inspirado em uma tecnologia israelense, no Oriente Médio, região em que a água doce é extremamente escassa. A estrutura foca no reaproveitamento máximo da água usada nos processos, por meio de um tratamento altamente eficiente com filtros, meios de sedimentação e clarificação, voltando aos tanques produtivos.

Presidente da Copacol, Valter Pitol: “O modelo de integração garante a eficiência e a qualidade de produção”

A obra com 22 mil metros quadrados preza pela biosseguridade aliada à economia de água e energia. Foram R$ 60 milhões destinados ao projeto. Os ciclos ocorrem dentro de estufas, com total controle produtivo, em uma área menor quando comparada aos projetos tradicionais. Além disso, as barreiras são mantidas com rigor de visitantes – e até mesmo dos colaboradores -, tanto na entrada, quanto na saída.

Com um consumo médio de água de apenas 83 metros cúbicos, equivalente a 10% do volume utilizado em sistemas tradicionais, a instalação se destaca como referência em eficiência hídrica. “A água é reutilizada após passar por filtros, meios de sedimentação e clarificação, voltando aos tanques produtivos” explica Pitol.

Com a operação de duas UPAs, a Copacol se tornou autossuficiente no fornecimento de alevinos aos produtores, com controle de 100% do banco genético e capacidade anual de 100 milhões de unidades produzidas.

Outro fator importante é a utilização de poços artesianos para abastecer os tanques elevados, o que reduz de forma significativa os riscos de contaminação. O sistema de aeração por ar difuso e aerotube proporciona baixo consumo de energia na aeração da água, benefício também oferecido pelo sistema Airlift, que recircula 100% da água dos tanques. Considerada uma das mais modernas do mundo, a estrutura é totalmente automatizada, permitindo o controle em tempo real de parâmetros como oxigenação e temperatura.

Suporte técnico e desenvolvimento dos cooperados

Engenheiro de Pesca e gerente de Integração Peixes Copacol, Nestor Braun: “Precisamos produzir tilápia que atendam a um conjunto de requisitos e que façam brilhar os olhos dos clientes”

Com uma equipe técnica qualificada, com engenheiros de pesca e extensionistas, a cooperativa oferece todo o suporte técnico necessário para os cooperados. O sistema de integração desenvolvido pela cooperativa em suas atividades garante que o cooperado receba o alevino, ração e a assistência necessária para a produção. Constantemente os cooperados participam de treinamentos e capacitações para se desenvolverem na atividade, como a Tecnotilápia, evento destinado aos piscicultores durante o Copacol Agro, maior evento da família cooperada; e o Conecta Peixe, projeto desenvolvido com os filhos e netos de cooperados para conhecerem melhor as atividades e novidades da piscicultura, além de visitas técnicas a espaços da cooperativa para conhecerem o processo produtivo completo.

Foco na tilápia e diversificação de produtos

No sistema de integração, em que o cooperado recebe o alevino, ração e toda assistência técnica, desde o recebimento do alevino, passando pela despesca até a comercialização, a tilápia é a única espécie cultivada pelos 286 cooperados integrados à Copacol. “O modelo de integração garante a eficiência e a qualidade de produção. No entanto, a cooperativa também oferece um catálogo diversificado de produtos de revenda sob a sua marca, com alimentos de procedência e certificações de qualidade. Entre as espécies disponíveis estão bacalhau, camarão, merluza, cação, sardinha e salmão. Esses produtos são oferecidos em diversas gramaturas e embalagens, que atendem tanto refeições quanto porções para até quatro pessoas, adaptando-se às demandas do mercado”, salienta Pitol.

Marca preferida dos consumidores

Em uma pesquisa realizada em parceria com a Nestlé, a Copacol foi eleita a marca preferida de pescados congelados pelos consumidores brasileiros. Com uma ampla variedade de produtos, a cooperativa possui três linhas diferentes em peixes: Tilápia, Mar e Rio.

Além disso, para incentivar o consumo de pescados, a Copacol tem o portal DiadePeixe.com.br que conta com dicas e receitas que simplificam a rotina na cozinha. Cozinhar se torna uma atividade mais divertida e prazerosa e não apenas uma obrigação. Lá o consumidor encontra receitas completas, combinações com bebidas e dicas de como fazer receitas, além de dicas, por exemplo, como eliminar o cheiro de peixe da cozinha e qual o tempero ideal.

Atualmente, a cooperativa exporta para sete países. Entre os produtos exportados estão o filé refrigerado, além de pele e escamas.

Oeste do Paraná: berço da tilapicultura no Brasil

Fatores como clima favorável, água em abundância, incentivos governamentais e o forte sistema cooperativista abriram caminho para o Paraná se tornar o berço da tilapicultura no Brasil. Antes da atuação das cooperativas, a produção de peixes em tanques era realizada sem planejamento adequado, muitas vezes se limitando a pesca-pagues, em que os produtores não tinham garantia de venda e enfrentavam problemas com excedentes. Conforme explica Pitol, essa atividade se tornou inviável sem um suporte completo, que envolve desde a produção até a comercialização.

Através de um estudo aprofundado, a Copacol estabeleceu metas de implementação de uma piscicultura de forma estruturada, organizada e sustentável na região Oeste paranaense. “Investimos em toda a cadeia produtiva, que envolve genética, desenvolvimento de rações, infraestrutura industrial, assistência técnica a campo e estratégias de comercialização. Esse investimento consolidou a Copacol como uma das maiores produtoras comerciais de tilápias do Brasil” ressalta.

A abundância de recursos hídricos é um dos grandes diferenciais da região, tendo muitas propriedades rurais margeadas por ​rios de água limpa, fundamentais para a produção de peixes de alta qualidade. “Esse foi um fator determinante, pois com água boa se produz peixe bom”, frisa Pitol, salientando que a cooperativa atua de forma intensiva na preservação dos rios antes mesmo da implantação da piscicultura. “Possuímos um trabalho intenso na preservação de nossos rios, um trabalho iniciado muito antes da implantação da piscicultura na nossa cooperativa, o que garantiu essa abundância de água nas propriedades, com matas ciliares e reservas legais adequadas”.

Pitol menciona que propriedades rurais que antes tinham áreas subutilizadas, como várzeas sem valor econômico significativo, foram transformadas em fontes de renda. “Com a escavação adequada e a criação de tanques, pequenos produtores rurais alcançaram uma nova atividade lucrativa. Essa atuação valorizou de maneira significativa as áreas rurais da região”, afirma.

No entanto, a mudança mais significativa ocorreu no campo, com os produtores alcançando uma nova fonte de renda e melhores condições de vida. “A cooperativa trouxe oportunidades para famílias que agora enxergam futuro na propriedade: os filhos estão cursando ou concluindo graduações em áreas como Agronomia e Medicina Veterinária, alinhando suas carreiras com o propósito de permanecer e prosperar no campo”, assegura Pitol.

Avanços na criação sustentável de tilápias

Com foco em práticas que unem eficiência e sustentabilidade ambiental, a Copacol tem alavancado sua produção de tilápias, consolidando sua posição no mercado. De acordo com o engenheiro de Pesca e gerente de Integração Peixes Copacol, Nestor Braun, a criação de peixes deve ser estruturada de acordo com os órgãos regularizadores do meio ambiente. “Os peixes são rigorosamente avaliados pelo Ministério da Agricultura e Pecuária e precisam atender a todos os padrões de qualidade exigidos para o consumo”, evidencia, enaltecendo: “O sucesso do nosso negócio depende da escolha estratégica de locais onde o projeto será desenvolvido. A qualidade da infraestrutura é primordial e diversos fatores devem ser considerados e analisados antes de sua implantação, como relevo, acesso, disponibilidade hídrica e energia elétrica”.

Braun também destaca que fatores biológicos como a qualidade da água e do ambiente desempenham um papel primordial na obtenção de um arraçoamento ideal e, consequentemente, de um desempenho superior na produção de tilápias de alta qualidade. “Precisamos produzir tilápia que atendam a esse conjunto de requisitos e que façam brilhar os olhos dos clientes” reforça.

A tecnologia tem sido uma aliada fundamental na transformação do setor de aquicultura, impulsionando práticas mais sustentáveis ​​e eficientes. “A tecnologia, engloba conhecimento científico, e consciência social e ambiental, que convergem para melhorar o produto, de maneira que não cause impactos à natureza” afirma Braun, acrescentando: “A necessidade de preservação dos recursos naturais, aliada à otimização do uso do solo e da água na produção, tem resultado na implantação de sistemas mais sustentáveis de cultivo”.

Inovações como o uso de fontes de energia renováveis ​​e tecnologias avançadas de rastreabilidade do produto não só aumentam a confiança dos consumidores, mas também são positivas para um processo produtivo mais responsável e transparente. Braun destaca que essas mudanças não são apenas demandas do mercado consumidor, mas também uma evolução necessária na indústria alimentícia, que busca alternativas modernas e elevadas para atender às expectativas cada vez mais exigentes dos consumidores conscientes.

Crescimento e expansão no mercado de piscicultura

Em 2023, a Copacol produziu quase 17 mil toneladas de carne de peixe e para 2024 a meta é ainda mais ambiciosa: atingir a marca de 21 mil toneladas. Conforme o presidente da Copacol, o processo de produção é contínuo e ajustado de acordo com a demanda do mercado, acompanhando o crescimento do consumo. “Avançamos muito no setor: quando a Copacol iniciou a produção de tilápias, as gôndolas ofereciam pouco espaço para peixes congelados. Hoje, muito além da geração de renda para famílias produtoras e colaboradores, a cooperativa se orgulha em saber que também contribuiu de maneira significativa para uma mudança no hábito alimentar dos brasileiros, com uma proteína saudável. Esse pioneirismo abriu portas para o setor como um todo, conquistando paladares com uma enorme variedade de produtos” enfatiza Pitol.

A produção da Copacol não se limita ao mercado interno. Atualmente, uma parte expressiva é destinada à exportação, atendendo a mercados internacionais como dos Estados Unidos, China, Japão, Curaçao nas Antilhas Neerlandesas, Aruba, Taiwan e Coreia do Sul.

Desafios atuais e futuros

Apesar do crescimento, a Copacol enfrenta desafios como restrições e custos de capital, governança e regulamentação, desenvolvimento de novas tecnologias, volatilidade do mercado, mudanças climáticas, além de práticas de manejo não guiadas e não monitoradas.

Com um olhar para o futuro, a Copacol aposta no progresso tecnológico contínuo para manter seu crescimento e consolidar sua posição de liderança no mercado de piscicultura e avicultura no Brasil e no exterior. “Como a Copacol tem uma grande proporção de pequenas propriedades familiares, promover a inovação que leva a um maior crescimento da produção é essencial para garantir um manejo produtivo e sustentável. A longo prazo, o crescimento da produtividade na aquicultura como um todo requer progresso tecnológico contínuo” enfatiza Pitol.

Atuação da Copacol

Com atividades de agricultura e integração, a Copacol atua em municípios do Oeste e do Sudoeste do Paraná, com indústrias para processamento de aves e peixes, matrizeiros, incubatórios, laboratórios, indústria de processamento de soja, unidades para produção de alevinos e suínos, graneleiros, fábricas de rações, centros de distribuição e estações de tratamentos de resíduos. Com mais de seis décadas de atuação, a cooperativa possui Unidades de Vendas em Bebedouro (São Paulo), Cafelândia (Paraná), Campo Grande (Mato Grosso do Sul), Brasília (Distrito Federal), Curitiba (Paraná), São Paulo (São Paulo), Rio de Janeiro (Rio de Janeiro) e Dubai (Emirados Árabes Unidos).

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor cooperativista, acesse a versão digital de especial cooperativismo, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Implicações econômicas

Aumento na mortalidade de leitões eleva custo de produção em 1%

Leitões que demonstram baixo tônus muscular, palidez ou sinais de hipóxia durante o parto têm taxas de mortalidade mais elevadas.

Publicado em

em

Fotos: Shutterstock

O melhoramento genético na criação de suínos para aumento do tamanho de leitegada tem sido uma conquista significativa nos últimos anos. No entanto, esse avanço não vem sem seus próprios desafios. A jornada para otimizar esse progresso e garantir que ele contribua para a produtividade e rentabilidade da indústria suína é uma tarefa complexa, que demanda um equilíbrio delicado entre seleção genética e cuidados ambientais.

Embora esse progresso seja positivo, ele trouxe consigo desafios adicionais, como aumento da duração de parto, aumento da competição por colostro e, se não bem trabalhado no índice de seleção de cada linhagem, pode também ocasionar maior variação de peso ao nascimento e aumento na ocorrência de neonatos de baixa vitalidade. “Esses desafios podem aumentar a probabilidade de mortalidade pré-desmame em programas genéticos que não são balanceados. Além disso, diversos outros fatores, relacionados à fêmea, aos leitões e ao ambiente, podem afetar direta ou indiretamente os índices de mortalidade” adverte a médica-veterinária, com mestrado e doutorado em Ciências Veterinárias pelo Setor de Suínos, Kelly Jaqueline Will, em entrevista exclusiva ao Jornal O Presente Rural.

A especialista enfatiza que a perda de leitões reduz o potencial de desmame, diminuindo o número de leitões desmamados por fêmea/ano o que, consequentemente, impacta na lucratividade do produtor. “Além disso, altas taxas de mortalidade muitas vezes implicam em custos adicionais e esforços extras de mão-de-obra” ressalta Kelly, que será uma das palestrantes do 16º Simpósio Internacional de Suinocultura (Sinsui), evento que O Presente Rural é parceiro de mídia.

Em sua palestra, a especialista vai tratar sobre “Desafios de manejo da mortalidade pré-desmame: como a análise de fatores de risco pode nos auxiliar?”. O Sinsui será realizado entre os dias 23 e 25 de julho no Centro de Eventos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Implicações econômicas

Médica-veterinária, com mestrado e doutorado em Ciências Veterinárias pelo Setor de Suínos, Kelly Jaqueline Will: “Garantir que as fêmeas estejam em ótimas condições no parto, com cuidados físicos, nutrição adequada e condições sanitárias ideais, ajuda a promover um parto bem-sucedido e reduzir natimortos” – Foto: Arquivo pessoal 

Um estudo realizado em 2023 revelou que cada aumento de 1% na mortalidade pré-desmame resulta em um aumento de 1% no custo de produção por leitão desmamado. “Se o número de tetos das fêmeas não é adequado, se faz necessário uma maior quantidade de mães de leite, que é um fator que implica em maior mão de obra, acarretado em um custo elevado ao produtor, para evitar uma maior mortalidade pré-desmame” expõe a médica-veterinária.

Segundo a profissional, a análise de fatores de risco ou associados podem maximizar a eficiência e a lucratividade do sistema de produção, pois ao identificar e compreender esses fatores os produtores podem direcionar seus esforços de forma mais assertiva, mesmo que isso não garanta uma precisão absoluta. “Essa abordagem permite uma alocação mais estratégica de recursos, concentrando-os em áreas onde as decisões são baseadas em probabilidades e na avaliação da sua própria realidade e desafios, em vez de apenas em intuição ou empirismo. Isso pode resultar em decisões mais informadas e, em uma intervenção mais eficiente e lucrativa” considera Kelly.

Fatores de risco

A análise de fatores de risco é essencial para os produtores identificarem e lidarem com as principais causas de mortalidade pré-desmame em suas instalações, uma vez que permite a identificação de variáveis importantes associadas à mortalidade, características dos animais, manejo, condições das instalações, ambiência, saúde e nutrição.

No entanto, dada a complexidade do problema, Kelly menciona que encontrar os fatores controláveis pode ser desafiador, já que muitas vezes estão interligados e podem se manifestar em conjunto, dificultando a separação de seus efeitos isolados e a determinação das áreas prioritárias para intervenção. “Nesse contexto, a análise multivariada surge como uma ferramenta interessante para elucidar essas interações e desenvolver estratégias de manejo mais eficazes, visando à redução consistente da mortalidade pré-desmame” expõe a doutora em Ciências Veterinárias.

Quando associados à mortalidade pré-desmame em suínos, os fatores de risco podem ser agrupados em três categorias principais: fatores relacionados aos leitões, às fêmeas e ao ambiente. Kelly explica que em relação aos leitões o peso ao nascimento e a vitalidade são de extrema importância. “Neonatos com baixo peso ao nascer e aqueles com baixa vitalidade têm maior chance de não sobreviverem. Especificamente, leitões que demonstram baixo tônus muscular, palidez ou sinais de hipóxia durante o parto têm taxas de mortalidade mais elevadas. Por isso é importante trabalhar o fator genético relacionado à uniformidade e maior peso ao nascimento, mesmo em leitegadas mais numerosas” pontua.

Quanto às fêmeas, o comportamento desempenha um papel fundamental, visto que matrizes com pouca habilidade materna ou que estão sob condições de estresse têm maior probabilidade de esmagar os leitões. Além disso, fêmeas agitadas podem ter menos tempo de exposição dos tetos, o que afeta a capacidade dos leitões de consumir colostro e leite. “A produção adequada de colostro e leite, em termos de quantidade e qualidade, é determinante para a imunidade e desenvolvimento dos leitões. O número e qualidade dos tetos da fêmea devem ser condizente ao tamanho da leitegada. Leitegadas maiores podem prolongar o parto e reduzir a vitalidade dos leitões, aumentando a competição por colostro/leite, elevando as taxas de mortalidade, especialmente se houver um número insuficiente de tetos” explica Kelly.

O terceiro ponto diz respeito ao ambiente. A profissional salienta que temperaturas extremas podem aumentar as taxas de mortalidade, uma vez que o frio pode levar os leitões a se agruparem, aumentando o risco de esmagamento, enquanto o calor pode afetar a ingestão de ração e a produção de leite das fêmeas, predispondo também a esmagamentos devido à agitação. “A relação entre mão de obra e tamanho do plantel é também relevante, pois pode resultar em negligência de cuidados na maternidade, contribuindo para o aumento da mortalidade pré-desmame” observa Kelly.

De acordo com a especialista, monitorar regularmente esses fatores, através de análises da condição física e da saúde dos animais, inspeções das instalações e avaliações das práticas de manejo e nutrição, é essencial para identificar áreas de melhoria e implementar medidas preventivas. Além disso, oferecer assistência ao parto, auxílio para a primeira mamada e aquecimento de neonatos com baixa vitalidade podem ser determinantes para a sobrevivência desses leitões. “É fundamental adaptar essas práticas de acordo com os desafios específicos de cada realidade” sugure Kelly.

Métricas e indicadores para análise de fatores de risco

Segundo a médica-veterinária, ao analisar os fatores de risco da mortalidade pré-desmame, é importante considerar diversos indicadores para uma compreensão completa e identificação de áreas para melhoria. “Sabemos que a disponibilidade de dados pode variar, podendo ser obtidos de forma individualizada, semanalmente, por lotes ou de outras maneiras, mas é fundamental reunir o máximo de dados possível” ressalta.

Kelly menciona alguns exemplos de métricas e indicadores importantes, entre os quais incluem taxa de mortalidade pré-desmame, duração do parto, número de nascidos, peso médio ao nascimento, consumo de colostro, condição corporal das fêmeas, descrição da infraestrutura, protocolos de manejo, índices produtivos, temperatura, umidade, manejo nutricional e padrão sanitário. “Avaliar a porcentagem de mães de leite também é essencial para eficiência do sistema, já que um grande uso delas pode representar perda de eficiência e maior demanda de mão de obra, que está cada vez mais escassa” pontua, acrescentando: “Ao acompanhar sistematicamente essas métricas e indicadores de forma contínua, os produtores podem identificar padrões, tendências e áreas de preocupação, permitindo intervenções direcionadas e eficazes para reduzir a mortalidade pré-desmame e melhorar o desempenho geral”.

Redução de riscos de mortalidade pré-desmame

Kelly destaca que a implementação de protocolos de biosseguridade desempenha um papel fundamental na redução dos riscos de mortalidade pré-desmame, especialmente relacionados a doenças entéricas em leitões, que podem resultar em altas taxas de mortalidade.

Ao adotar medidas como limpeza e desinfecção regular das instalações e equipamentos, controle de acesso de pessoas e veículos, monitoramento frequente do status sanitário do plantel e implementação de protocolos vacinais, os produtores podem mitigar os riscos e proteger a saúde dos animais, ajudando a reduzir as perdas pré-desmame.

Saúde das matrizes e suas leitegadas

De acordo com a médica-veterinária, para reduzir a mortalidade pré-desmame e melhorar o bem-estar dos suínos, é necessário focar em dois pontos principais: a condição da fêmea e a vitalidade dos neonatos. “Garantir que as fêmeas estejam em ótimas condições no parto, com cuidados físicos, nutrição adequada e condições sanitárias ideais, ajuda a promover um parto bem-sucedido e reduzir natimortos” afirma.

Neste contexto, Kelly reforça que a seleção genética também desempenha um papel importante, influenciando a resistência a doenças, o desempenho do parto e a produção de colostro e leite de qualidade. “Estudos mostram que a herdabilidade do prolapso chega a 35%, destacando a importância da seleção genética para enfrentar esse desafio” aponta.

Outro aspecto que a profissional destaca é a importância de garantir a vitalidade dos neonatos, não apenas que os leitões nasçam vivos, mas também que possam mamar colostro e se desenvolver adequadamente. “Medidas práticas incluem assistência durante o parto, garantindo acesso ao colostro e fornecendo fontes adicionais de calor, dada a imaturidade do sistema de termorregulação dos leitões” evidencia Kelly, enfatizando: “Embora esses pontos possam parecer simples, na prática diária da granja, garantir seu cumprimento muitas vezes é um grande desafio, desde a seleção da linhagem genética até a decisão do manejo adequado. Portanto, concentrar esforços nesses aspectos básicos é fundamental para aumentar as taxas de sobrevivência dos neonatos antes de considerar estratégias mais elaboradas”.

Identificação precoce dos problemas de saúde

A análise de dados, o desenvolvimento de modelos de predição, e o uso de tecnologias de monitoramento têm um potencial enorme para auxiliar os produtores na identificação precoce de problemas de saúde e bem-estar que possam levar à mortalidade pré-desmame.

No entanto, a doutora em Ciências Veterinárias diz que esse potencial ainda é pouco explorado. “Muitas vezes, ocorre o registro inadequado das informações nas granjas, sem seguir um padrão definido, o que pode levar a erros na tomada de decisão. Nesse contexto, destaco a relevância crítica do registro preciso e padronizado de todas as informações. Isso não apenas assegura a qualidade dos dados, mas também a confiabilidade das respostas obtidas por meio das análises realizadas” reforça.

Além disso, a especialista menciona que ainda há poucas pessoas com habilidades para realizar análises mais complexas aplicadas a produção de suínos, o que limita ainda mais a capacidade dos produtores de aproveitar ao máximo essas ferramentas poderosas de identificação precoce de desafios.

Implementação de estratégias de manejo

Segundo Kelly, os desafios práticos na implementação de estratégias de manejo para reduzir a mortalidade pré-desmame são diversos. Em primeiro lugar, a médica-veterinária diz que é preciso capacitar os profissionais para o uso eficaz dessas ferramentas de análise e expandir o conhecimento sobre elas, uma vez que atualmente há uma escassez de profissionais que dominam e aplicam essas ferramentas na produção de suínos, o que limita a sua adoção e impacto. “Embora seja coletada uma quantidade considerável de dados, muitas vezes não os utilizamos plenamente para gerar informações úteis e auxiliar na tomada de decisões. Em vez disso, frequentemente nos concentramos em corrigir problemas imediatos, negligenciando a análise da relação complexa entre vários fatores. Isso resulta em uma abordagem reativa em vez de proativa, comprometendo nossa capacidade de prevenir ou mitigar os riscos de mortalidade pré-desmame” detalha.

Outro desafio significativo está relacionado a realização consistente e eficiente de práticas básicas de manejo. Embora muitos procedimentos possam ser eficazes individualmente, sua implementação precisa ser feita de forma coerente e integrada para alcançar bons resultados. “Os principais fatores de risco para a mortalidade pré-desmame são dinâmicos e variam conforme o período, a granja, a região e outros fatores. Por isso é essencial adotar uma abordagem flexível e adaptativa, capaz de ajustar as estratégias de manejo de acordo com as condições específicas. Superar esses desafios requer educação contínua, aprimoramento das práticas de manejo e integração eficaz de dados e análises para orientar as decisões. Escolher uma linhagem genética alinhada aos objetivos da granja também é fundamental para a sustentabilidade e rentabilidade a longo prazo” salienta.

Melhorias devem ser contínuas

A mortalidade pré-desmame é um desafio persistente na produção de suínos. Para melhorar esse índice, é fundamental implementar práticas básicas de manejo eficazes, como garantir condições ideais durante o parto para as fêmeas e a vitalidade dos leitões recém-nascidos. “A seleção genética cuidadosa de fêmeas com alta habilidade materna, o correto consumo de colostro pelos leitões e o fornecimento de fontes adicionais de calor são medidas essenciais para diminuir a mortalidade pré-desmame” afirma Kelly.

No Brasil, a diversidade de instalações, práticas de manejo e condições climáticas pode afetar a mortalidade pré-desmame de forma direta ou indireta. “Compreender as particularidades de cada sistema e os principais desafios em diferentes contextos é essencial para garantir uma boa produção”, pontua, destacando que apesar da abundância de dados disponíveis, muitas vezes técnicos e produtores falham em utilizá-los de forma eficaz. “É fundamental coletar e analisar cuidadosamente esses dados para identificar os desafios específicos de cada sistema e desenvolver estratégias direcionadas. Ferramentas de análise de fatores de risco e modelos de predição desempenham um papel importante nesse contexto. É essencial expandir o conhecimento e promover o uso rotineiro desses métodos no campo” salienta.

Kelly ainda lembra a importância da colaboração entre produtores, pesquisadores e profissionais da indústria para buscar estratégias para enfrentar os desafios da mortalidade pré-desmame de forma eficaz. “Ao compartilhar conhecimentos, experiências e resultados, podemos desenvolver soluções mais robustas e sustentáveis para garantir o sucesso de todo o sistema de produção de suínos”, ressalta.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Como a imunidade herdada e modulada na maternidade interfere na resposta vacinal?

Temática será tratada pelo doutor em Saúde Suína, Geraldo Alberton, no dia 14 de agosto durante o 16º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, em Chapecó (SC).

Publicado em

em

Doutor em Saúde Suína, Geraldo Alberton, integra grupo de palestrante do SBSS - Foto: Arquivo pessoal

A transferência de imunidade materna das fêmeas para os leitões pode ser determinada, entre outros fatores, pelo nível de imunidade da matriz, pelo momento da ingestão do colostro após o nascimento e pela quantidade e qualidade de colostro consumido. A imunidade passiva robusta resulta em uma proteção fundamental para os leitões nas primeiras semanas de vida, porém, se não levarmos em conta às devidas recomendações técnicas de protocolos de vacinação, esta imunidade passiva pode comprometer a resposta vacinal.

No entanto, uma boa imunidade vai além do tradicional. Há dados que demonstram que ela pode ser modulada entre gerações. Possíveis interferências na resposta imune serão discutidas pelo doutor em Saúde Suína, Geraldo Alberton, em sua palestra no 16º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS). A preleção “Como a imunidade herdada e modulada na maternidade interfere na resposta vacinal?” ocorre no segundo dia de evento, quarta-feira (14 de agosto), às 16h30, durante o Painel Imunidade e Microbiota.

O SBSS, evento promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet), acontece nos dias 13, 14 e 15 de agosto, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó (SC). Concomitantemente acontecerá a 15ª Brasil Sul Pig Fair.

Em sua 16ª edição, o SBSS é considerado um dos principais fóruns de discussão do setor na América Latina. Reúne especialistas brasileiros e internacionais e contribui para o aprimoramento de médicos veterinários, zootecnistas, consultores, pesquisadores, profissionais da agroindústria, produtores rurais e demais profissionais envolvidos com a ampla e multifacetada cadeia da suinocultura.

Para o presidente da Comissão Científica do SBSS, Paulo Bennemann, a discussão acerca de considerar a imunidade materna ao planejar e implementar programas de vacinação é de suma importância, pois pode garantir saúde e proteção eficaz aos leitões jovens. “Os anticorpos herdados fornecem proteção inicial aos leitões contra diversas doenças infecciosas durante as primeiras semanas de vida. Entender essa dinâmica pode ajudar a determinar o momento ideal para a vacinação e, até mesmo, proporcionar ajustes de manejos específicos, garantindo assim uma imunidade robusta”, explana o presidente.

Sobre o palestrante

Geraldo Alberton é médico veterinário, com mestrado e doutorado na área de Saúde Suína. Atuou por 30 anos no curso de Medicina Veterinária da UFPR. Atualmente é sócio da Propig Soluções e da Granja Experimental Bom Sucesso do Sul, onde desenvolve pesquisas de campo e em consultoria na área da suinocultura.

Inscrições

As inscrições para o evento estão no segundo lote. O investimento é de R$ 680,00 para profissionais e de R$ 420,00 para estudantes. Para os congressistas que se inscreverem no Simpósio, o acesso à Pig Fair é gratuito. O valor para participar somente da 15ª Brasil Sul Pig Fair é de R$ 100,00 até o dia 25 de julho.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições para o SBSS serão concedidos códigos-convites bonificados. Associados do Nucleovet, profissionais de agroindústrias, órgãos públicos e grupos de universidades têm condições diferenciadas. As inscrições podem ser realizadas no site: www.nucleovet.com.br.

Fonte: Assessoria Nucleovet
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.