Conectado com

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Perspectiva para suinocultura é de que bom cenário de 2019 se repita em 2020

Espera-se que a produção brasileira cresça 5% de 2019 para 2020

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Agentes do setor suinícola nacional estão com expectativas de que o balanço positivo observado em 2019 se repita em 2020. Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, o fundamento vem da redução na produção global de suínos, ocasionada pelos casos de Peste Suína Africana (PSA) na Ásia, o que deve continuar favorecendo o mercado brasileiro de carnes.

De acordo com dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), em 2020, prevê-se queda de 10% na produção mundial de suínos frente ao ano anterior, pincipalmente em função do declínio da oferta da China (de expressivos 25%), Filipinas (16%) e Vietnã (6%). Por outro lado, espera-se que a produção brasileira cresça 5% de 2019 para 2020. O USDA também estima aumento de 15% nas exportações brasileiras.

Nesse contexto, o bom relacionamento comercial com países asiáticos deve continuar beneficiando o Brasil. Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume de carne suína brasileira escoado para a China aumentou 60% de 2018 para 2019. O país asiático é o principal parceiro comercial do Brasil nesse mercado, sendo destino de 33,7% de toda a carne suína nacional exportada em 2019.

Sob a ótica do desempenho doméstico, partindo-se do pressuposto de que a agenda de reformas continue avançando, projeta-se um cenário macroeconômico favorável em 2020, o que pode beneficiar ou, ao menos, sustentar os atuais níveis de consumo. A projeção do mercado para o crescimento da economia brasileira em 2020 está em 2,3% segundo Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central (BC) no encerramento de dezembro.

Outros fatores que podem corroborar para um possível aumento no consumo de carne suína são os elevados patamares de preços da carne bovina. Com a cotação dessa principal concorrente em alta, consumidores tendem a migrar para outras fontes de proteína animal que apresentem valores mais competitivos.

Apesar de as perspectivas, de modo geral, serem favoráveis para o setor, os diferentes cenários que o mercado de grãos pode assumir preocupam agentes do mercado. A demanda internacional incerta e as tensões ou mesmo possíveis acordos comerciais entre China e Estados Unidos podem gerar movimentos distintos nos preços dos principais insumos da atividade, milho e farelo de soja.

Além disso, a concentração das exportações brasileiras em países asiáticos também tem gerado apreensões. Ainda que no curto prazo o Brasil tenha se beneficiado do contexto da peste suína, há o receio de que, no médio prazo, a oferta chinesa de carne se normalize, o que reduziria expressivamente as exportações brasileiras, impactando negativamente todo o setor.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 2 =

Suínos / Peixes Para especialistas

Brasil precisa resolver problemas internos para ser grande player mundial de pescado

Opinião é de lideranças do setor

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Ainda são muitos os gargalos enfrentados pela aquicultura para se tornar uma atividade tão competitiva quanto outras proteínas animais. Durante o International Fish Congress (IFC), que aconteceu em setembro em Foz do Iguaçu, PR, lideranças do setor discutiram estratégias e políticas para transformar o Brasil em um player mundial do pescado.

Quando o assunto é produção, o Brasil tem um bom destaque, segundo o presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros. “Em 2018 a produção de pescado, falando principalmente de tilápia e tambaqui, foram 722 mil toneladas, um crescimento de 4,5% em relação a 2017”, introduz. Somente a tilápia, informa, teve um crescimento aproximado de 12% neste período. “Nos últimos dois anos houve um aumento de mais de 27%, sendo que o Paraná assumiu a liderança de produção”, diz.

Já quando o peixe é o tambaqui, a geografia muda. “Os principais polos produtores são as regiões Centro-Oeste e Norte, com Rondônia na liderança absoluta na produção”, conta. Medeiros diz que em 2018 houve uma queda na produção do tambaqui em decorrência de uma série de fatores. “Mas todos estão fazendo o dever de casa no sentido de retomar os níveis de crescimento”, conta. Isso, porque no Brasil foi observado nos últimos anos um aumento do consumo. “Não tivemos problemas quando a isso, principalmente da tilápia. Mas temos outros problemas para enfrentar”, avisa.

Medeiros informa que atualmente há dois modelos de produção no Brasil, que é de integração, das cooperativas e agroindústrias, e das empresas verticalizadas. “Acreditamos que a indústria de processamento deve estar onde se produz o peixe. Hoje, especificadamente a tilápia, o ideal é que a distância não passe de 50 km. A partir disso, passa a ter perdas”, diz. Para ele, as indústrias que estão foram do núcleo de produção devem ir para onde elas estão. “Sistemas integrados e verticalizadas já não são maios uma previsão, elas já fazem parte da realidade do setor produtivo. O setor precisa se organizar nesse sentido para que possamos ganhar competitividade, e essas empresas que hoje estão verticalizadas e fazem integração são as mais competitivas do mercado”, afirma.

Entre as estratégias e soluções apontadas por Medeiros estão a campanha de aumento do consumo de carne de peixe, encabeçada pela Peixe BR, as ações junto à Embrapa para aumento das exportações e as estratégias para aumentar a produção e segurança ao produtor. “Com a campanha, estamos trabalhando diretamente com o consumidor final para mostrar para ele que o nosso produto é bom, barato e fácil de fazer”, explica. “Implantamos ainda o drawback da tilápia este ano, que nos proporcionou um aumento significativo das exportações, por exemplo”, informa.

Mercado internacional merece atenção

Segundo o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Pescado (Abipesca), Eduardo Lobo, US$ 163 milhões rodam no mercado mundial dos pescados. “Precisamos pensar o que vamos fazer para a gente participar desse mercado que é muito interessante. Porque se olharmos as condições e tamanhos dos países que são grandes players, nem sempre esses países vão ter o potencial que nós temos”, afirma. Ele mostra: “A Noruega tem uma troca comercial internacional de US$ 13,3 bilhões e é um país pequeno. Os EUA têm um troca comercial de US$ 28,6 bilhões”, diz.

De acordo com ele, algo interessante feito pela China e que deveria ser adotado pelo Brasil, é que a quantidade exportada de pescado pelo país asiático é similar à importada. “Precisamos de estratégia, planejamento, o governo intercedendo cada vez menos, que então a coisa acontece, não da noite para o dia, mas acontece com planejamento”, afirma.

Lobo reitera o planejamento deve acontecer, principalmente, porque segundo pesquisas a produção de captura e cultivo no Brasil vai aumentar 89% nos próximos 10 anos. “E se não tivermos planejamento e competitividade internacional, a gente vai colocar todo esse produto no mercado interno? O que vai acontecer com o preço do pescado capturado se de uma hora para outra aumentar intensamente essa captura? A gente vai colocar esse pescado por um preço inviável para o produtor”, diz. O presidente comenta que a cadeia precisa crescer e produzir, mas isso com cuidado e planejamento. “Se a gente aumentar a produção em 20% ou termos uma superprodução de peixes e não estivermos competitivos e preparados para exportar toda essa proteína, esse peixe vai ficar aqui dentro”, analisa.

Para Lobo, existem alguns pilares na cadeia que devem ser refletidos. O primeiro deles é o ordenamento inteligente. “Ou seja, estatísticas, entender que o mundo mudou, o clima também, que nem sempre as espécies migram onde migravam, reproduzem na época que reproduziam. Temos que entender que algumas espécies mudaram, mas nós por falta de informação ficamos no passado, em um modelo engessado”, comenta. Além disso, ele diz que existe uma grande preocupação em pensar no artefato da pesca. “Não é importante como vamos tirar o peixe da água. O que interessa é quanto vamos tirar”, afirma.

Outro pilar é o planejamento aquícola. “Que é o que acabei de comentar, de sabermos o quanto exatamente devemos ou podemos produzir nos próximos anos, onde produzir e processar, para quem vender e a que preços. Além de entender o preço internacional”, diz. Lobo acrescentou ser importante não pensar somente em aumentar a produção visando somente o mercado interno. “Nenhuma atividade se sustenta somente no mercado interno de larga escala. O fomento industrial, a industrialização é a espinha dorsal e que cria inovação e assegura qualidade para distribuir o produto ao mundo”, reitera.

Impasses do mercado interno

Neste mesmo painel, o presidente do Comitê de Aquicultura da CNA, Eduardo Ono, apresentou algumas estratégias e políticas que podem transformar o Brasil e fazê-lo ocupar a vaga que tenha condição de alcançar que é de grande player de mercado mundial do pescado. Para ele, o essencial a ser feito é aumentar a competitividade do pescado nacional. “Hoje a grande dificuldade que temos em transformar o pescado brasileiro em um grande player ou transformar o Brasil em um player internacional é justamente a falta de competitividade na nossa produção”, afirma.

Para ele, a primeira coisa a ser feita para acabar com esta falta de competitividade é combater o chamado custo Brasil. “Isso penaliza toda a cadeia de produção, não somente a aquicultura”, diz. “Temos problemas de infraestrutura para escoamento do grão, que encarece a produção. Nós somos, junto com outras proteínas, vítimas desse custo Brasil por questão de falta de infraestrutura, logística e custos processuais”, conta. Segundo Ono, esta é uma armadilha que foi criada pelo próprio setor produtivo.

Outro problema enfrentado pela cadeia é quanto a alta burocracia que existe no Brasil. “Nós temos um arcabouço legal gigantesco. A CNA fez um levantamento que mostrou que existem mais de 60 mil dispositivos que regulam a agropecuária brasileira. Se olharmos desde a década de 1950 até hoje esta é a quantidade que regulam nossa agropecuária”, mostra. Além desse grande número de dispositivos, Ono destaca que muitos deles são antagônicos. “Temos normas da década de 1960 que ainda são vigentes, mas que é contradita por uma outra norma que é da década de 1990. E as duas estão vigentes. Então, qual a segurança jurídica que tem o empresário quando entra nesse meio?”, questiona. Para ele, a falta de segurança jurídica para quem investe é um problema seríssimo para o setor e que precisa ser resolvido.

Outro ponto que merece atenção de todo o setor é quanto ao crédito no Brasil. “Precisamos desburocratizar isso, que ainda é muito caro e difícil”, afirma. Ono diz que a pergunta que deve ser feita é quanto custa o dinheiro lá fora e quanto custa no Brasil. “Lá fora as linhas de crédito são para 20 anos e para pagar 2% de juros ao ano. Como somos competitivos com o nosso crédito que tem que pagar bem mais rápido e caro? Isso tudo entra no contexto da competitividade”, reitera. Ele diz que outros países têm crédito de pagamento de longo prazo, sendo tempo de pagamento e retorno maiores torna a atividade viável. “Agora, no Brasil, dependendo da linha de crédito que é pega não há tempo, você precisa devolver o dinheiro antes do negócio se pagar”, conta.

Outro problema é quanto a área de tecnologia, segundo Ono. “Precisamos de mais foco e agilidade. A nossa pesquisa ainda é muito difusa, tem milhares de linhas de pesquisa diferentes que, muitas vezes, não se conversam e não chegam onde precisam chegar”, explica. Segundo ele, esta parte é importante porque o setor precisa de pessoas qualificadas no campo. “Com poucos locais de exceção, temos um problema sério de falta de conhecimento no campo, técnicas antigas sendo propagadas e assim muita coisa está sendo perdida”, diz.

Segundo Ono, um segundo eixo importante que deve ser feito é o aumento das exportações. “Claro, precisamos melhorar o consumo doméstico, o consumidor brasileiro ainda não sabe nem cozinhar ou fritar um peixe, temos o nosso dever de casa para fazer. Mas isso não anula as ações no mercado internacional. Não precisamos primeiro esgotar o mercado nacional para partir para o internacional”, esclarece. De acordo com ele, os dois mercados andam juntos. “No Brasil temos uma visão equivocada que só se exporta o que tem de excedente. Não é isso, nós temos que exportar, independente de ser excedente ou não. Temos que ser exportadores e importadores de pescado ao mesmo tempo, o mercado internacional funciona assim”, explica.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Mercado

“Dependência gera mais vantagens que desvantagens”, defende Piva

Para José Piva, da PIC, dos Estados Unidos, existem diversas vantagens em um mercado ser dependente de outro

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Um assunto que sempre causa muita discussão nos agentes da cadeia produtiva é quanto a dependência que pode existir sobre um único mercado. A suinocultura conhece bem isso, sendo que em 2017 o maior mercado brasileiro da proteína era a Rússia. Porém, em 2018 o país deixou de exportar do Brasil, o que, segundos muitas opiniões, foi um problema para o Brasil. Mesmo com este fato, para José Piva, da PIC, dos Estados Unidos, existem diversas vantagens em um mercado ser dependente de outro. E foi esta visão que ele mostrou para os participantes do 19º Congresso Nacional Abraves, que aconteceu em outubro, em Toledo, PR.

Segundo Piva, é normal que países sejam dependentes de outros mercados. “O que eu gostaria de frisar é que a dependência de mercado sozinha não pode causar uma interrupção de mercado. Existem outros aspectos que são importantes para nós nos preocuparmos”, afirma. Ele informa que outros países, como EUA, Canadá e Chile também tem dependência de outros mercados, seja japonês, coreano, chinês ou mexicano. “Cada mercado tem uma certa dependência de outros, mesmo que não seja total, mas tem. Quando isto acontece em longo prazo, tem mais efeitos positivos do que negativos na parte comercial”, avalia.

A dependência de mercado, como regra, deixa o comércio mais competitivo, comenta. “A dependência de longo prazo faz parte das relações globais. Na minha visão eu vejo como uma oportunidade de trazer mercados disponíveis, mesmo que haja uma certa dependência. Esta é uma estrada de duas vias, que tem seus aspectos positivos e negativos”, diz. “Mesmo com dependência, é melhor participar do mercado do que não estar presente”, afirma.

A primeira vantagem citada por Piva foi que as empresas que exportam sempre são mais valorizadas. “Sem dúvida participar do mercado internacional ajuda”, conta. Ele ainda acrescenta que estar participando do mercado, mesmo que seja com certa dependência, ajuda a agregar valor, elevar padrões de qualidade e ajuda na biosseguridade.

Para Piva, existem oportunidades diretas e indiretas para toda a cadeia. “Os desafios e as dificuldades fazem a cadeia se estruturar melhor. Ou seja, faz com que o sistema seja melhor, abre portas para novos mercados, como aconteceu com o chinês, nos dá suporte financeiro, ajuda a definir exigências de um mercado. E é também uma oportunidade para aprender e descobrir”, avalia. Segundo ele, certamente que o mercado externo, mesmo que tenha dependência, favorece na transparência, agrega valor aos produtos, dá visibilidade ao setor, estimula a criatividade e tira a cadeia do status quo. “Mesmo que estejamos em um mercado dependente ficamos pressionados a fazer com que as empresas, pessoas, universidades, todos saiam deste status quo. Todos são forçados a buscar melhorias, seja no transporte, indústria, frigoríficos”, diz.

Desvantagens

Mas, mesmo com todos os argumentos citados por Piva, ele admite que existem as desvantagens em ser dependente de um mercado. “Quando se está dependente, dificulta o planejamento. Em momento de suspensão de exportação por motivos sanitários, políticos ou econômicos culminam em uma oferta a mais, ou seja, não tem para onde enviar esta carne e isso faz com que haja queda de preço e perda de negócios”, comenta. Outro ponto negativo, é que gera expectativa. “Nem sempre elas são sustentáveis. São feitos investimento com base em uma situação de momento”, diz.

A dependência ainda faz com que o país perca o poder de barganha, tem que competir com outras empresas que também querem exportar para aquele mercado, se expõe a volatilidade do campo e não é um negócio fixo. Além disso, é ainda preciso seguir padrões de mercado, e, para Piva, nem sempre isso é 100% positivo. “Há uma exposição de regras do mercado, especialmente o regulatório, e a gente tem que abrir e ficamos expostos”, informa. Há ainda a limitação do uso de tecnologias, como por exemplo a ractopamina, produção confinada e, até mesmo, a edição de genes. “São coisas que alguns mercados e consumidores simplesmente não aceitam”, diz. Nisso, entra ainda a limitação do uso de certos produtos, e há os preços que nem sempre são competitivos quando se vive de dependência de mercado.

“Participar do mercado global, mesmo que seja com certa dependência, tem seu custo. Mas, sem dúvida, aprendemos muito mais quando estamos envolvidos. Não tenho dúvida que sobre o aspecto técnico e de negócio, estamos muito mais visíveis e temos mais oportunidades”, afirma. Segundo Piva, para mercado emergentes e competitivos, a dependência pode ser uma porta de entrada para novos mercados. “A não dependência de produto de um único cliente não significa ausência de desafio. Ou seja, mesmo que o mercado não seja dependente, existem os desafios”, comenta. Para ele, a dependência cria oportunidades e relações comerciais. “Todos os grandes exportadores têm uma certa dependência. Embora não favorável, a dependência gera mais vantagens que desvantagens”, reitera.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Para vice-presidente da Abipesca

Burocracia e custos elevados de produção limitam aquicultura

Estes são dois dos principais fatores que impedem que setor pesqueiro cresça e aumente o consumo de peixe no Brasil, segundo liderança

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Atualmente uma das maiores dificuldades na piscicultura está no aumento do consumo. Mesmo sendo uma proteína que faz bem para a saúde, e o consumidor sabe disso, impasses como preço, nomenclatura e burocracia fazem com que esta proteína ainda seja pouco consumida pela população. Saber quais são estas dificuldades e como enfrentá-las foi o que o vice-presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca), Thiago De Luca, apresentou durante o International Fish Congress (IFC), que aconteceu em setembro em Foz do Iguaçu, PR.

“Eu trouxe uma visão da indústria com relação às dificuldades que temos em aumentar o consumo de peixe”, introduz. O primeiro ponto que ele mostrou foi quanto a comunicação com o consumidor final. “Não conseguimos mostrar para ele aquilo que estamos vendendo”, afirma. Outra dificuldade e que, para De Luca, atrapalha muito o setor, é quanto a nomenclatura. “Nós não podemos usar nomes em inglês. Outras proteínas têm mais facilidade quanto a colocar nomes estrangeiros, mas o pescado não pode”, informa. Outro ponto ruim, segundo a liderança, é sobre a dificuldade de inovação que o setor tem. “Hoje, se alguém do pescado quer incluir algum produto premium, não pode usar esse nome. Não podemos usar também “gourmet”. Existe uma restrição para nomes e nós não podemos usar. Dessa forma, não conseguimos diferenciar o nosso produto”, conta.

Um exemplo dado por ele foi na nomenclatura utilizada no peixe-panga. “Um dos grandes problemas que aconteceram na legislação era quanto a como íamos vender o panga com capa de gordura e sem. Demorou anos para o Mapa (Ministério da Agricultura) definir isso. Mas agora o que temos é panga com ventrecha e sem ventrecha. Eu não sei o que é ventrecha, mas agora temos o panga com e sem. Em outras proteínas sabemos que há maneiras muito mais fáceis de comunicar ao consumidor final”, desabafa.

A forma porcionada como o peixe pode ser vendido é também algo que atrapalha o setor. “Quando duas pessoas vão em um restaurante e pedem o mesmo prato, elas esperam receber o produto com a mesma forma e quantidade. Estamos falando de porção. Mas, no Brasil, nós não podemos usar porção, porque o significado de “porção” não está definido na nossa legislação. Então, o que temos que fazer é colocar “filé de peixe em pedaço”. Mas pedaço pode ser qualquer coisa”, argumenta. De acordo com De Luca, utilizar esta nomenclatura faz com que jogue o setor para baixo. “Toda a nossa inovação, progresso e desenvolvimento vão lá pra baixo, porque você não consegue desenvolver nenhum tipo de trabalho diferente”, diz.

Outro problema que demorou anos para ser resolvido foi quanto ao peso do produto que saía da indústria e chegava para o supermercado. “A gente tinha esse problema porque a indústria é a responsável por colocar o peso líquido no produto. Mas nós não queríamos isso porque quando o produto chega no supermercado ele é novamente pesado para que se coloque o preço. E o que acontecia? A balança tem um erro e esse peso nunca batia. Demorou cinco anos para resolvermos um problema que é tão simples”, incomoda-se. Segundo o vice-presidente, a proposta feita para resolver a questão foi que a quantidade de camada de gelo protetora está inserida junto na tara. Então, agora o supermercado pesa e desconta a tara e vai achar o peso líquido para precificar. “Demoramos anos para resolver isso porque precisávamos do Mapa, Ministério da Justiça, Procon, Inmetro e Mercosul”, explica. “Então, temos esse grande problema de legislação, que está sendo resolvido, mas infelizmente mais morosamente do que gostaríamos”, lamenta.

De Luca comenta ainda que, além de todas as dificuldades que o setor passa para se comunicar com o consumidor, agora ainda é preciso lidar com “as imitações de proteína”. “E o pior é que estas proteínas fazem parte de outra divisão de inspeção de produtos, que são os produtos vegetais e não animal. Então, eles têm outra maneira de trabalhar. Eles não têm problema em usar nome em inglês, colocar letras pequenas na embalagem, que são coisas que nós não podemos fazer”, argumenta.

Para a liderança, o outro grande gargalo do setor pesqueiro é quanto ao preço do produto. “O peixe deve ser mais barato. Não adianta a gente ficar discutindo um monte de coisas sobre a proteína para o nível de preço que vendemos”, afirma.

Inspeção e confiança

De Luca informa que em uma atitude inovadora, o Mapa conseguiu fazer um esquema de monitoramento do DNA de cada pescado para evitar fraude por espécie. “Em 2015, quando foi a primeira medida, tivemos 23% de fraude. A fraude aqui é dizer que é um peixe na embalagem e colocar outro”, explica. Segundo ele, em 2017 o número caiu para 3% e em 2018 subiu para 9%. “Mas isso são das indústrias que estão sob o Serviço de Inspeção Federal. Quando vamos para empresas que estão sob inspeção municipal ou estadual, esse número sobe para 55%. Isso quer dizer que os consumidores quando vão no mercado e compram um peixe que está no SIM ou SIE tem mais da metade de chances de estar levando “gato por lebre” (uma espécie por outra)”, informa.

Dessa forma, o vice-presidente reitera que é preciso que o setor público ajude os empresários sérios que querem que haja aumento do consumo de peixe. “Porque, como vamos investir em inovação, maquinário e automação da indústria se vamos competir lá na ponta com uma pessoa que está vendendo um produto dizendo que é outro?”, questiona. Este tipo de atividade, para ele, inibe e inviabiliza o investimento e a geração de empregos no setor.

Além de enfrentar este problema, o setor ainda sofre com os fatores econômicos no país. “A gente está acostumado a ver o crescimento do PIB do Brasil que sempre parece que está bom. Mas quando reparamos se essa projeção do governo de 2020 e 2021 estiverem corretas, estamos falando de 2 a 2,5% de crescimento. Então, se olharmos ao longo dos anos podemos perceber que no final de 2021 vamos estar no mesmo nível de produção que estávamos no fim de 2014. A gente vai ter andado sete anos para chegar ao que a gente foi em 2014”, mostra.

Ele reitera que caso o brasileiro esteja sem dinheiro no bolso, as opções de compra dele vão mudar. “Brasileiro gosta de peixe, mas quando está com dinheiro no bolso para comprar a proteína, que é caríssima. Por isso a importância de diminuir o preço dessa proteína”, afirma.

Pacto nacional

De Luca apresentou algumas soluções que podem ajudar o setor. “Eu acho que precisamos um pacto nacional de toda a cadeia. Eu gostaria de sugerir que toda a cadeia e entidades pudessem sentar e fazer um pacto nacional para reduzirmos os custos. É isso que precisamos para fazer com que a nossa proteína cresça (consumo)”, afirma.

Ele reitera que desburocratização e segurança jurídica para todo o setor investir também são pontos essenciais para o setor. “Tem muito trabalho para fazer, mas precisamos de uma forma de incentivo do governo. Precisamos de diálogo”, avalia. Além disso, ele acrescenta que até 2030 a expectativa é que a população cresça 26%. “Por isso, precisamos baratear esse preço”, diz.

Uma última solução que, para De Luca é essencial, são campanhas de incentivo e conscientização do consumidor. “Precisamos mostrar o que podemos fazer por esse mercado e que eles podem confiar no produto que estamos oferecendo”, enfatiza.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.