Conectado com
Minuto Agro

Notícias Apontam analistas

Perspectiva para safra de soja do Brasil se consolida em torno de 114 mi t

Trata-se ainda de um ligeiro corte ante os 114,59 milhões de toneladas apontados no levantamento de fevereiro

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A colheita da safra de soja 2018/19 do Brasil se encaminha para o fim com o mercado consolidando suas projeções em torno de 114 milhões de toneladas, já que a regularização climática a partir de fevereiro ajudou a estancar as fortes perdas observadas na virada de ano, mostrou uma pesquisa da Reuters na quarta-feira (27).

Na média de estimativas de 12 consultorias e entidades do mercado, o Brasil, maior exportador global de soja, produzirá no ciclo vigente 114,24 milhões de toneladas da oleaginosa, volume 4,2% menor na comparação com o recorde de 2017/18. Trata-se ainda de um ligeiro corte ante os 114,59 milhões de toneladas apontados no levantamento de fevereiro.

Caso se confirme, a quantidade seria a segunda maior da história, superando por pouco os 114,1 milhões de toneladas de 2016/17. “Com a colheita de soja já bastante avançada, sobretudo nas maiores praças produtoras, como Mato Grosso, estimamos que boa parte das perdas de produtividade da safra 2018/19 já foram contabilizadas”, afirmou Daniely Santos, analista da Céleres.

Esperava-se, inicialmente, que o Brasil produzisse mais de 120 milhões de toneladas de soja na atual temporada, graças a um plantio histórico de 36 milhões de hectares regado a boas condições climáticas. Mas uma estiagem marcada por altas temperaturas entre dezembro e janeiro jogou por terra esse prognóstico.

As precipitações voltaram à normalidade a partir de fevereiro, evitando mais perdas de produtividade, mas não compensando os problemas anteriores. O resultado é uma safra marcada por expressiva desuniformidade no que tange ao rendimento da soja.

“Mato Grosso do Sul e Paraná têm perdas de produtividade próximas de 15%, na média, em relação ao último ciclo. No Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), observou-se um cenário de produtividade 13% abaixo do ano passado, mas, ainda assim, 9% acima da média dos últimos cinco anos. Em termos gerais, Mato Grosso teve produção muito próxima da do ano passado e o Rio Grande do Sul tem perspectivas acima do último ano”, afirmou o analista Victor Ikeda, do Rabobank.

Mais de dois terços da área plantada com soja no Brasil em 2018/19 já foram colhidos, segundo a consultoria AgRural. Há ainda trabalhos de campo principalmente no Rio Grande do Sul e no Matopiba, regiões que plantam mais tarde, bem como no Paraná, que viu as atividades perderem ritmo nas últimas semanas por causa da chuvarada.

De acordo com previsão do Agriculture Weather Dashboard, do Refinitiv Eikon, as chuvas ficarão dentro ou abaixo da média em praticamente todo o centro-sul até meados de abril. No Matopiba, porém, deve chover até mais de 200 milímetros acima do normal, potencialmente atrapalhando a colheita de soja.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 2 =

Notícias Segundo especialista

A suinocultura é uma grande aliada do meio ambiente

Várias ações são feitas, nas granjas, para preservar o meio ambiente e as riquezas naturais

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A atividade suinícola, ao longo das décadas, vem investindo na preservação do meio ambiente e dos recursos naturais, do planeta. A proteção, dos solos e das nascentes, garante a vida e a sustentação natural da biodiversidade. Engajados nesse objetivo em comum, suinocultores contam com o apoio de profissionais da área ambiental que atuam, diretamente, nas granjas e no seu entorno.

O consultor Luís Alberto Miranda Pacheco, da MP Engenharia, destaca ações que fazem parte da rotina das granjas, todas elas com foco na preservação ambiental. “As granjas utilizam o sistema de fertirrigação, técnica para utilização dos efluentes gerados para aplicação no solo, onde não há nenhum tipo de lançamento de efluente gerado dentro da granja”, destacou Luís Alberto. Este sistema melhora a pastagem, aumentando a capacidade de gado por hectare.

Na maioria das granjas a água utilizada vem de poços rasos ou artesianos, onde a rede de canos que leva água é cuidadosa e frequentemente avaliada. Com isso, há uma redução considerável no desperdício de água e, também, se utiliza uma prática de regulagem dos bicos das baias que contribui para evitar o desperdício deste recurso natural tão importe e vital no funcionamento das granjas. Todo resíduo sólido como lixo doméstico, resíduo de frascaria, pipetas e agulhas (contaminados), papel e plásticos, é enviado para as empresas licenciadas com emissão de certificados e comprovados nos órgãos ambientais.

Monitorar a qualidade do solo é outra ação determinante quando focamos na preservação do meio ambiente. “O monitoramento do solo é feito periodicamente, de 6 em 6 meses, onde avaliamos como está a qualidade do solo que é realizado a fertirrigação”, explicou Luís Alberto que completou que existe, também, um acompanhamento sistemático das análises à montante e à jusante dos cursos d’água, para constatar que não há contaminação.

Outro sistema muito utilizado, nas granjas, são as barraginhas – pequenas bacias que captam águas da chuva, preservam o solo e evitam erosões, proporcionando infiltração da água no terreno o que contribui para a recarga dos lençóis freáticos, que abastecem nascentes, córregos e rios. “As barragens, nas propriedades, ajudam a armazenar água de chuva, melhorando o lençol freático e repondo a recarga hídrica dos poços que são utilizados”, detalhou Luís Alberto.

A técnica mais recente e que vem ganhando espaço cada vez maior nas granjas, são os sistemas conhecidos como biodigestores – sistema que mitiga do mau cheiro, evita a propagação de doenças, preservação do meio ambiente, produção de adubo líquido e do gás metano. “Os biodigestores são realizados com finalidade de melhoria no sistema de tratamento e geração de gás. A energia gerada através do gás, atualmente, é distribuída na rede das concessionárias de energia elétrica como crédito e, também, pode ser vendido através das cooperativas ou consórcios”, finalizou Luís Alberto.

Fonte: Assessoria Assuvap
Continue Lendo

Notícias Mercado

Mesmo com exportação aquecida, preços internos da carne de frango registram queda em maio

Enquanto as vendas nacionais foram marcadas pela menor liquidez, as exportações estiveram aquecidas

Publicado em

em

Divulgação/Alltech

O mercado de carne de frango registrou movimentos distintos entre as negociações domésticas e as exportações em maio, de acordo com pesquisas do Cepea. Enquanto as vendas nacionais foram marcadas pela menor liquidez, as exportações estiveram aquecidas, registrando o maior volume de proteína avícola escoado pelo Brasil desde julho de 2018. Neste caso, a demanda chinesa intensa é quem tem impulsionado os embarques totais do Brasil ao longo dos últimos meses.

Na Grande São Paulo, o frango inteiro congelado se desvalorizou 3,4% de abril para maio, com a média a R$ 4,10/kg no último mês. Além disso, a média de maio ainda esteve 14,7% abaixo da verificada em maio de 2019, em termos nominais. Para o produto resfriado na mesma região, a cotação foi a R$ 3,96/kg, quedas de 3,2% frente à de abril e de 17,4% na comparação com maio de 2019.

No front externo, segundo dados da Secex, o Brasil exportou 372,5 mil toneladas de carne de frango in natura em maio, volume 16,1% acima do verificado no mês anterior e ainda 4,3% maior que em maio de 2019. Com incremento no volume e o câmbio bastante elevado, a receita em Reais obtida pelo setor subiu com força, atingindo novo patamar recorde, de R$ 2,82 bilhões.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Plantio de trigo da Argentina tem forte avanço diante de previsão de chuvas

Agricultores do país promoveram um avanço semanal de 16,6 pontos percentuais no plantio dos 6,8 milhões de hectares previstos para a safra

Publicado em

em

Divulgação

O plantio de trigo 2020/21 da Argentina teve forte avanço na última semana, diante da aproximação de chuvas que podem dificultar os trabalhos de semeadura, disse na quinta-feira (04) a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA) em relatório semanal de cultivos.

A Argentina é uma importante exportadora global do cereal e, segundo a instituição, os agricultores do país promoveram um avanço semanal de 16,6 pontos percentuais no plantio dos 6,8 milhões de hectares previstos para a safra, cuja semeadura atingiu 30% do projetado.

O ritmo veloz de plantio “responde à necessidade de se utilizar a umidade remanescente (no solo) e de se antecipar às chuvas previstas para este fim de semana”, disse a bolsa, acrescentando que os trabalhos na atual temporada estão 10 pontos percentuais à frente do ritmo do ciclo anterior. No mês passado, a BCBA projetou a safra de trigo da Argentina em um recorde de 21 milhões de toneladas.

No que diz respeito à soja 2019/20, cuja produção foi estimada em 49,5 milhões de toneladas, a bolsa disse que a colheita da oleaginosa atingiu 98,6% da área prevista. A Argentina é a maior exportadora de óleo e farelo de soja do mundo.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Evonik Biolys

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.