Conectado com
FACE

Pet Atenção!

Páscoa requer cuidados com os pets

Consumo de chocolates é prejudicial para a saúde de gatos e cães

Publicado em

em

Divulgação

A Páscoa é uma celebração bastante presente nos lares brasileiros e, entre as tradições que ela traz, está o consumo de diversos pratos – como a tradicional bacalhoada – e também o protagonista da comemoração: ovos de chocolate. Porém todas essas delícias são uma verdadeira ameaça para a saúde dos pets.

Por isso, os tutores precisam ter cuidado redobrado com os gatos e cães durante as celebrações para que eles não sejam prejudicados, afinal, grande parte desses alimentos podem ser tóxicos para os pets.

Confira, abaixo, orientações da doutora Natália Lopes, médica veterinária e gerente de Comunicação Científica da ROYAL CANIN® Brasil, sobre alimentos vilões da Páscoa para os pets e, dicas de como o tutor deve proceder caso tenha algum problema com seu animal.

  • Chocolate

A teobromina, substância presente no cacau (em maior concentração nos chocolates do tipo amargo e de preparo culinário), pode causar intoxicação quando consumida mesmo em pequenas quantidades, acarretando vômito, diarreia, agitação, arritmia cardíaca, espasmos musculares e convulsões, podendo levar à morte.

Geralmente, os sintomas de intoxicação ocorrem cerca de 6 a 15 horas após o consumo de qualquer tipo de chocolate ou receitas com este ingrediente.

A teobromina é lentamente eliminada do organismo e possui um efeito cumulativo, o que significa que ingestões repetidas em quantidades menores (não tóxicas) ainda podem causar a intoxicação.

  • Alho e cebola

Há muitos anos é conhecida a sensibilidade dos cães e gatos ao alho e à cebola, sejam crus, cozidos ou desidratados. Essas substâncias provocam alterações nas hemácias (células sanguíneas) dos pets, levando-as à ruptura e, consequentemente, à anemia.

A gravidade do efeito é dose-dependente e mesmo quantidades muito pequenas podem ser tóxicas. Os sintomas são secundários à anemia, aparecem dias após a ingestão, e incluem membranas mucosas pálidas, taquicardia, taquipneia, letargia e fraqueza. Vômito, diarreia e dor abdominal também podem surgir. Casos graves evoluem para icterícia e insuficiência renal, podendo levar à morte.

  • Uvas e passas

Essas frutas são saudáveis para os seres humanos, mas são tóxicas para os pets. Por exemplo, cães acometidos pela intoxicação de uvas ou passas, normalmente, apresentam dores gastrintestinais seguidas por insuficiência renal aguda. Os sinais iniciais de toxicidade neste caso são vômito, seguido por letargia, anorexia, diarreia, dor abdominal, ataxia e fraqueza, que podem aparecer nas primeiras 5-6 horas após a ingestão. Os sinais da insuficiência renal aguda são menos frequentes e podem ocorrer com 24 horas ou dias depois, e se caracterizam por anorexia, apatia, vômito, diarreia, ataxia e convulsões.

  • Nozes e Sementes

Embora elas possam parecer saudáveis, evite, por exemplo, oferecer nozes ao pet. O tamanho delas representa um perigo de asfixia e elas possuem muita gordura, o que pode desencadear um mal-estar estomacal no animal. Em especial, as sementes de macadâmia mostraram-se altamente tóxicas para cães. Embora não tendam a resultar em mortes, elas podem fazer o cão sofrer com incapacidade de andar, vômitos, letargia e tremores.

  • Leite, creme e queijo

À medida que os pets atingem a idade adulta, a capacidade de digerir laticínios diminui conforme faltam as enzimas para isso. Isso significa que eles podem apresentar sinais de intolerância à lactose caso acabem ingerindo leite, creme ou queijo, como vômitos, diarreia e um mal-estar estomacal.

  • Alimentos fritos e gordurosos

Alimentos fritos e gordurosos podem ser ruins para os pets. Os altamente gordurosos podem causar mal-estar estomacal e também favorecer o surgimento de pancreatite. Além disso, o consumo regular desses tipos de alimentos pode levar à obesidade e problemas de saúde relacionados.

  • Adoçante

Para pets, xilitol é tóxico. É importante manter produtos que contenham o composto longe do alcance do animal para que ele não o consuma nem, mesmo acidentalmente.

“De modo geral, evite fornecer alimentos que não foram desenvolvidos especificamente para gatos e cães ou não prescritos pelo Médico-Veterinário. Além dos riscos citados acima, relacionados a intoxicações, outros alimentos podem provocar desconfortos digestivos, flatulência, vômitos e diarreia. Existem riscos relacionados à segurança do animal como por exemplo quando existe a ingestão de ossos e o risco de perfuração esofágica. Além disso, desenvolver este hábito de ceder alimentos de humanos aos pets também pode levar a uma desnutrição, já que isso pode provocar um desbalanço nutricional”, menciona a Dra. Natália Lopes.

Meu pet comeu alimentos proibidos, e agora?

Se o tutor vir ou suspeitar que seu pet tenha ingerido algum desses alimentos, ou qualquer outra coisa fora do habitual, deve conectar-se imediatamente com o Médico-Veterinário e explicar a situação. Caso perceba sintomas de intoxicação, o tutor deve levar o pet imediatamente à clínica veterinária para que o tratamento adequado possa ser realizado o mais rápido possível, para evitar danos à saúde do pet. Para agilizar o atendimento em caso de emergência, o tutor ou acompanhante pode ligar na clínica ou hospital veterinário enquanto se dirige até o estabelecimento, a fim de preparar a equipe para um atendimento de urgência, se for necessário. Por isso, é importante ter sempre em mãos o contato do profissional.

Não é recomendado a administração de qualquer substância ou medicamento que não tenham sido orientados previamente.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + dez =

Pet Cuidados

Veterinária dá dicas sobre cuidados importantes nos primeiros meses de vida do pet

Dicas ajudam a facilitar a adaptação do pet ao novo lar, contribuindo para que a relação tutor e pet dê certo logo no começo

Publicado em

em

Divulgação

Ao longo de 2021, a ROYAL CANIN®, marca que tem o compromisso de oferecer saúde através da nutrição a gatos e cães, está liderando conversas sobre a importância dos primeiros meses da vida de um filhote, já que este período influenciará diretamente sua saúde quando ele se tornar adulto.

Os tutores devem se preparar para a chegada do filhote e sua adaptação. Além de comprar os acessórios necessários para ele e cuidar dos preparativos adequados em casa, é vital levar o filhote ao Médico-Veterinário para uma verificação completa da saúde e para que possa tirar todas as dúvidas sobre o novo membro da família.

Confira, a seguir, dicas e orientações importantes da Dra. Priscila Rizelo, Médica-Veterinária e Coordenadora de Comunicação Científica da ROYAL CANIN® Brasil, que facilitarão a integração do pet e contribuirão para que a relação entre tutor e pet dê certo logo no começo.

1) Adaptação e alimentação

– O alimento para gatos e cães filhotes deve ser de alta qualidade e adequado à idade, raça ou porte. A ROYAL CANIN® possui fórmulas especialmente desenvolvidas para o crescimento e desenvolvimento saudável dos filhotes, que garantem uma nutrição especialmente desenvolvida para as necessidades específicas deste momento.

– Os pets adoram rotina. Por isso, uma boa dica é sempre fornecer o alimento no mesmo local e horário. Ao invés de deixar o alimento à vontade e disponível o tempo todo, respeite a quantidade indicada na embalagem e forneça em pequenas porções ao longo do dia, o que evitará o sobrepeso no filhote. Também é muito importante realizar a transição de alimentos de forma gradual quando a dieta do filhote mudar.

– Os filhotes são curiosos e gostam de explorar e, por isso, é importante garantir que a casa esteja segura antes de recebê-los. Cuidado com plantas tóxicas, objetos delicados e quebráveis. Restrinja o acesso à piscina e escadas. Telas nas janelas são fundamentais, especialmente para gatos.

– Verifique se possui tudo o que precisa para cuidar dele e ajudá-lo a se instalar no novo lar como, por exemplo: um local seguro e confortável para descanso, brinquedos interativos, comedouros e bebedouros, coleira e guia para os cães, material de limpeza seguros, equipamentos para higiene, etc.

2) Fornecimento de petiscos e recompensas alimentares

– Treinar o seu filhote é essencial para que ele se acostume com a guia e a coleira, aprenda a usar a caixa de transporte e saiba o local correto onde fazer suas necessidades. Petiscos são ótimas recompensas, mas lembre-se que as calorias devem ser contabilizadas no total diário. As calorias dos petiscos não devem exceder 10% do total de calorias ingeridas no dia.

– Outra possibilidade é utilizar croquetes da porção diária de seu alimento como recompensa, já que – dessa forma – o tutor não fornecerá calorias em excesso e manterá a dieta balanceada.

– Outras recompensas não relacionadas a alimentos podem ser elogios, atenção ou o brinquedo favorito dele. Tudo isso funcionará como um incentivo para ele repetir um bom comportamento.

3) Dicas de treinamento

– Dê o tempo necessário para o filhote conhecer a casa e vá, aos poucos, liberando o acesso aos diferentes cômodos. Supervisione para que ele não se perca e não acesse locais inadequados. Gatinhos, por exemplo, adoram se esconder dentro de armários ou dentro do forro do sofá.

– Mostre ao filhote onde fica sua área de dormir, área de alimentação e de necessidades. Esses locais devem ficar distantes uns dos outros.

– Para que o cão aprenda a ficar sozinho, introduza o distanciamento aos poucos para que ele não associe a uma experiência negativa.

– Gatos devem ter, diariamente, brincadeiras que simulam a caça. Use brinquedos como ratinhos, bolinhas e varinhas. Alimentos úmidos são as recompensas ideais para finalizar a “caçada”.

– É importante reforçar as ações desejadas e parabenizar o filhote por isso. Reforce sempre o comportamento positivo.

– Não castigue ou repreenda um filhote que tenha cometido um “acidente”. Em vez disso, ignore as ações indesejadas.

– As sessões de treinamento não precisam ser complicadas ou durar horas. Depois de um tempo, a atenção do filhote pode começar a se desviar. Portanto, faça sessões de treinamento curtas e frequentes, mesmo que seja necessário repetir a mesma sessão algumas vezes.

– Para ajudar o filhote a entender, é vital ser consistente. Por exemplo, você não deve permitir algo um dia e proibir em outro. Quando se trata de treinamento, a melhor abordagem é sempre usar as mesmas palavras para os mesmos comandos e incentivar os membros da família a fazerem o mesmo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Pet Dicas

Veterinário dá dicas importantes de como cuidar de cães e gatos com a continuação do isolamento social

Tutores precisam estar atentos a saúde do animal, como parasitas, mesmo dentro de casa

Publicado em

em

Divulgação

A continuação do isolamento social em muitos estados brasileiros impacta diretamente na vida das pessoas e também dos animais, que seguem sendo a companhia de muita gente nesse período. No entanto o que pouca gente sabe é que alguns cuidados, como a utilização de antiparasitários, devem continuar sendo realizados com os cães e gatos. De acordo com Ahmed A. Álvarez, médico-veterinário e gerente de produto pet da MSD Saúde Animal, não é porque eles estão mais em casa que não estão expostos às doenças. Assim, separamos algumas dicas para o tutor ficar atento e continuar garantindo uma vida melhor ao pet neste isolamento social.

Pulgas e carrapatos vivem dentro de casa!

Você sabia que as pulgas e carrapatos vivem mais dentro do que fora de casa? Então, se você acha que, fazendo isolamento social, seu pet não está arriscado a contrair esses parasitas, você está errado. De acordo com o pesquisador Nicolau Serra-Freire, do Laboratório de Diversidade Entomológica do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), apenas 5% deles estão no animal, enquanto 95% estão no ambiente, e a melhor maneira de prevenir a infestação é manter o lugar limpo e higienizado.

Para isso, além da limpeza tradicional, é preciso que o tutor utilize um medicamento antiparasitas, alerta Ahmed. “É muito importante que o dono administre um produto com rápida eficácia e longa duração. Assim, além de cuidar do animal, também está protegendo o lar e a família”, explica.

Além disso, o veterinário ressalta que a atenção deve ser mantida tanto com os cães quanto com os gatos, que, por serem animais mais independentes e caseiros, algumas pessoas acreditam serem insuscetíveis aos parasitas. Então, fica a dica: para ajudar na aplicação, existe até um produto transdermal, colocado no pescoço do felino, o que evita o estresse da administração.

Carteira de vacinação em dia, hein?!

Não deixe de conceder as doses de vacinação e prevenção ao seu pet. Esse controle é muito importante para manter o sistema imunológico do animal bem e livre de inúmeras doenças.

“Manter a carteira de vacinação em dia é muito importante. Mas é sempre bom ter em mente que cada cachorro ou gato possui perfil, comportamento, raça e necessidades diferentes. Por isso a sugestão é que cada calendário vacinal seja avaliado e montado diretamente com o profissional de veterinária, para que assim ele possa montar um plano preciso para cada pet”, orienta o especialista.

Dica final do vet

Aproveite o momento para ficar ainda mais pertinho do seu pet. Além de ele ser especial, transmitir amor e carinho, diversas pesquisas comprovam que ele pode ajudá-lo neste momento tão delicado. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, em 2019 o Brasil foi o país com mais pessoas ansiosas do mundo, cerca de 18,6 milhões, e, olha que bacana, o convívio com animais de estimação estimula a produção e a liberação de endorfina e serotonina, o que proporciona sensação de bem-estar e relaxamento. Então, desfrute desse benefício!

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Pet Nutrição

Quais os nutrientes ideais para o alimento do pet?

Cães e gatos têm necessidades nutricionais específicas, que podem ser atendidas com alimentos completos e balanceados

Publicado em

em

Divulgação

Uma boa alimentação e escolha dos alimentos para os pets busca não apenas o atendimento mínimo das necessidades nutricionais, mas sim um balanceamento ideal dos nutrientes. Além de alimentar, o objetivo é proporcionar saúde e bem-estar, de modo que cães e gatos vivam mais e melhor junto aos seus tutores.

A formulação de um alimento completo para os pets tem como princípio básico garantir que os nutrientes que eles precisam sejam incluídos na alimentação em quantidades adequadas.

“Embora atualmente existam muitas opções de alimentos para cães e gatos, nem todas atendem plenamente suas necessidades nutricionais. Por isso, é válido saber quais são os principais nutrientes que compõem a fórmula de um alimento e que fazem toda a diferença nos produtos de alta qualidade”, afirma Flavio Silva, mestre em nutrição de cães e gatos e supervisor de capacitação técnico-científica da PremieRpet®.

Antes de escolher o alimento para o cão ou gato, é indicado consultar um médico-veterinário, que vai prescrever a dieta levando em conta uma série de informações sobre o pet. Um filhote, por exemplo, necessita de um nível mais alto de proteínas e energia do que um adulto. Um animal castrado, por sua vez, demanda redução na ingestão calórica para evitar o ganho de peso. São diversas as especificidades que precisam ser levadas em conta.

“A ciência de nutrição evoluiu muito e hoje temos alimentos específicos para diferentes faixas etárias, portes, raças, para animais castrados e até para apoiar no tratamento de algumas doenças”, aponta Flavio Silva.

Principais nutrientes que devem ser observados no alimento

Nutriente
Para que serve?
Informações

 

 

 

Proteínas
Constituem as estruturas corporais do animal, como músculos, tendões, pelos e órgãos. Formam hormônios, enzimas, anticorpos e fornecem energia.
Podem ser de origem vegetal (soja e milho) ou animal (carnes, peixes, ovos, leite e frango). Ingredientes ricos em proteína de alto valor biológico: proteína isolada de soja, ovo integral em pó, farinha de vísceras de frango, farelo de glúten de milho 60, proteína concentrada do soro do leite, plasma suíno em pó e farelo de glúten de trigo.

 

 

 

Gorduras
Fazem parte da constituição de todas as células do corpo e são fonte de energia. Fornecem os ácidos graxos essenciais (ômega 6 e 3) e permitem a absorção das vitaminas A, D, E e K.
Podem ser de origem animal (gordura de frango, gordura suína e óleo de peixe) ou vegetal (óleo de linhaça e óleo de soja).

 

 

 

Carboidratos
Fornecem energia ao organismo.
Podem ser encontrados em cereais, tubérculos e frutas. O milho integral moído e a quirera de arroz são as fontes mais comuns de carboidrato em alimentos para cães e gatos.

 

 

 

Fibras
Regulam o intestino, dão consistência às fezes, auxiliam no controle de calorias do alimento e no controle de bola de pelos nos gatos.
Podem ser encontradas na parte estrutural de plantas, como a polpa de beterraba branca, arroz e aveia.

 

 

 

Vitaminas e minerais
Reforçam o sistema imunológico, auxiliam na produção de energia, fortalecem os ossos, a visão e o crescimento dos animais, além de possuir atividade antioxidante e fatores de coagulação.
Alguns são sintetizados pelo corpo e outros devem ser obtidos através da alimentação. São incorporados e balanceados nos alimentos comerciais através de um ingrediente chamado Premix.

Além disso, alimentos classificados como Super Premium, Premium Especial e Premium possuem também os chamados ingredientes funcionais, ou seja, nutrientes que quando consumidos produzem benefícios extras à saúde. Entre eles, destacam-se:

MOS, FOS, GOS: Prebióticos que promovem maior equilíbrio e saúde intestinal, melhora o aproveitamento dos alimentos e reduz o odor de fezes;

Hexametafosfato de sódio: Promove a saúde oral, reduzindo a formação de tártaro e prevenindo o mau hálito;

BCAA: Auxilia no ganho de massa muscular e diminui o dano muscular após exercícios;

Extrato de Yucca: Reduz o odor das fezes.

Flavio Silva reforça que os alimentos de alta qualidade, e nas quantidades certas, proporcionam a cães e gatos uma boa nutrição ao longo de toda a vida. “Tutores que têm o cuidado de oferecer um alimento super premium para seus pets, sem dúvida estão garantindo a eles uma vida mais saudável e feliz”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.