Conectado com
FACE

Notícias Paraná

Parque tecnológico pretende gerar 30 mil empregos

O Biopark, na Região Oeste do Paraná, tem como meta até final de 2021, ter 300 empresas instaladas, além de gerar 30 mil novos postos de trabalho em aproximadamente 30 anos

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A Região Oeste do Paraná tem números expressivos, seus municípios destacam-se na produção agrícola, principalmente de suínos e aves, e estão entre os mais inteligentes do país, de acordo com o Conected Smart Cities. A região também está se consolidando como polo de pesquisa, desenvolvimento e tecnologia, graças à atuação do Biopark, parque tecnológico privado, localizado em Toledo (PR), que tem o objetivo de impactar vidas, principalmente com a formação de mão de obra altamente qualificada e geração de empregos.

De acordo com Luiz Donaduzzi, fundador e presidente do Biopark, a meta é ter 300 empresas instaladas até dezembro de 2021, e gerar 30 mil novos postos de trabalho em aproximadamente 30 anos.

Em troca dos benefícios oferecidos, as empresas assumem um compromisso de crescimento e geração de novos empregos. “Para nós o Biopark tem o significado de sentido de vida e queremos que todos ganhem com a sua consolidação. As empresas que estão conosco, principalmente as pequenas e médias, têm que crescer pelo menos 100% ao ano, porque terão as ferramentas para isso”, explica Luiz Donaduzzi que fundou o empreendimento ao lado da esposa Carmen.

Atualmente, o parque abriga mais de 100 empresas, incluindo as internacionais, e quatro universidades em uma área total de mais de 5 milhões de m², que está recebendo mais de R$ 300 milhões em investimento. Por meio de várias âncoras e da integração entre indústrias, instituições de ensino, pesquisa e negócios, o empreendimento visa ter representatividade não só na Região Oeste do estado, mas em todo o país.

“Acreditamos que a única forma de ajudar o país é atuar na formação de profissionais qualificados e na geração de empregos. Por isso, quanto mais empresas tivermos aqui, mais oportunidades teremos. Tivemos um salto de duas empresas no início de 2019 para 100 no mês de novembro de 2020 e as empresas estão vindo porque encontram inúmeros benefícios”, afirma Luiz Donaduzzi.

Com a atração de empresas e novas frentes de trabalho, o Biopark tem avançado na meta de gerar novos postos de trabalho. Somente as empresas residentes geram cerca de 300 empregos diretos, além dos mais de 120 gerados pelo empreendimento. Neste ano, esse número deve crescer, tanto pela atração de novas empresas e empreendimentos, como em projetos específicos, como o Programa Trainee para desenvolvedores de TI, em que os profissionais selecionados devem atuar em empresas do ecossistema e no Biopark.

Local onde as empresas crescem

Para gerar empregos, o Biopark atua na atração de empresas para o seu território e isso acontece principalmente por meio do Programa de Residências para Empresas, que oferta diversos benefícios, como estrutura física sem custo de aluguel pelo período de um ano em espaços que vão desde salas exclusivas para escritórios, áreas industriais ou coworking. Outro benefício são as mentorias gratuitas ofertadas nas mais diversas áreas por profissionais experientes.

O programa tem refletido nos resultados que as empresas estão alcançando, como é o caso da 7CNC, empresa que trabalha com a fabricação de robôs cartesianos, principalmente voltados para o setor de ourivesaria. “Durante a pandemia conseguimos triplicar o nosso faturamento, e, sem dúvida, isso teve a participação do Biopark, que tem nos ajudado com o espaço físico e com as mentorias”, explica Evan Goes, diretor da empresa.

Além de empresas brasileiras, organizações internacionais têm visto no empreendimento uma grande oportunidade de crescimento, como é o caso das chilenas PGA Group, Biosamer e Bitácora.

O Biopark também abriga investimentos robustos de empresas que viram no território excelentes oportunidades de crescimento, como o Complexo Hospitalar e de Saúde do Grupo Sempre Vida, que irá construir um hospital com 164 leitos, há também o Centro de Distribuição de Medicamentos da Prati-Donaduzzi, que já está com obras avançadas.

Além disso, estão confirmadas as instalações de um shopping center, posto de combustível e hotel, o que amplia a economia da região, atraindo investidores e consequentemente elevando a taxa de empregos para Toledo e região.

Desde que foi fundado, em 2016, o empreendedor Luiz Donaduzzi já investiu cerca de R$140 milhões no projeto, em áreas como infraestrutura, prédios, laboratório de queijos finos, biomateriais, nutracêuticos, e estrutura para receber empresas.

Educação para a vida

O Biopark possui quatro universidades instaladas, sendo o campus de medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que teve a doação do terreno e prédio feita pelo casal de empreendedores Carmen e Luiz, com um valor de R$ 22 milhões; o Instituto Federal do Paraná (IFPR), com o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas; a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), com mestrado profissional em Tecnologias e Biociências e que agora recebeu a doação de uma área de mais de 37 mil m², e deverá ofertar em 2021 uma pós-graduação na área de Ciência de Dados e Inteligência Competitiva.

Há também a iniciativa própria de ensino do empreendimento, o Biopark Educação, em parceria com a UniAmérica, onde são ofertadas graduações, cursos técnicos e especializações. Com a aplicação de metodologias ativas de ensino, os alunos trabalham com a inovação dentro da sala de aula, formando profissionais com competências verdadeiramente adequadas ao que o mercado de trabalho exige. Os cursos de graduação, por exemplo, têm alcançado índices de empregabilidade superiores a 94%.

Pesquisa com aplicabilidade

Quando se trata da área de Pesquisa e Desenvolvimento, são realizados projetos nas áreas de Biomateriais em parceria com a Université Laval, de Quebec (Canadá), o Instituto Erasto Gaertner, de Curitiba, além de outros parceiros, e Manufatura Aditiva que possui foco na área da saúde através da produção de próteses e órteses em impressoras 3D. Destaca-se ainda o laboratório de pesquisa na área de Queijos Finos – projeto que visa elevar a bacia leiteira regional a outro patamar por meio da transferência de tecnologia para produção de queijos com alto valor agregado. Atualmente um tipo de queijo fino desenvolvido por uma produtora do projeto já está sendo comercializado e outros tipos devem chegar em breve ao mercado.

Viver no Biopark

Com quatro instituições de ensino em atividade e recebendo uma nova empresa a cada 72 horas, há no local uma alta demanda por moradias, instalação de estabelecimentos comerciais e de serviços, o que consolida o empreendimento também como um local para se viver. Para incentivar a atração de investidores, o Biopark lançou uma ação que garante o aluguel de mil apartamentos construídos e que serão entregues até junho de 2023.

“Dificilmente encontramos em alguma cidade um terreno que esteja ao lado de tantas âncoras que trazem progresso. Mas não é apenas isso, hoje as pessoas querem um local agradável para morar, criar os filhos, com acesso fácil a serviços de qualidade, ter boas oportunidades de trabalho, segurança, além de boas opções para se divertir e envelhecer tranquilamente – todo o ecossistema do Biopark é planejado para isso”, assegura Luiz Donaduzzi.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − quatro =

Notícias Milho

Preços do milho seguem sustentados com dólar firme e foco na soja

Mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez

Publicado em

em

Siglia Souza

O mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez. A volatilidade no dólar agitou o mercado, embora o ritmo de negócios tenha sido lento. A firmeza no dólar e o foco na colheita e comercialização da soja mantiveram as cotações sustentadas nas principais praças de comercialização.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, a logística segue voltada toda para a soja, com fretes subindo e dificuldades para o fluxo do milho. Assim, há suporte para as cotações do cereal. “Apenas no Rio Grande do Sul, onde a colheita é mais tardia, a situação ainda é mais cômoda”, comenta.  Com o milho deixado “de lado”, a oferta reduz e os preços se mantêm.

No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (25 de fevereiro) e a quinta-feira (04 de março), o preço do milho em Campinas/CIF subiu na venda de R$ 90,00 para R$ 92,00 a saca, elevação de 2,2%. Na região Mogiana paulista, o cereal avançou na venda de R$ 87,00 para R$ 88,00 a saca, aumento de 1,1%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço seguiu estável em R$ 83,00 a saca. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação avançou de R$ 74,00 para R$ 75,00 a saca, elevação de 1,3% no balanço semanal. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, a cotação se manteve estável em R$ 85,00 a saca.

Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho subiram de R$ 76,00 para R$ 80,00 a saca, alta de 5,3%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado avançou no comparativo de R$ 77,00 para R$ 80,00 a saca, subindo 3,9%.

Exportações

As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 178,586 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 9,921 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 822,892 mil toneladas, com média de 45,716 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 217,00.

Em relação a fevereiro de 2020, houve alta de 155,55% no valor médio diário da exportação, ganho de 141,85% na quantidade média diária exportada e desvalorização de 5,66% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Consumo de frango segue aquecido e preços avançam no atacado

Mercado de frango vivo voltou a se deparar com preços firmes no decorrer da semana

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado de frango vivo voltou a se deparar com preços firmes no decorrer da semana, em linha com a boa reposição no decorrer da primeira quinzena do mês, o que pode favorecer novos ajustes de preço no curto prazo, segundo a avaliação do analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

Ele alerta, por outro lado, que os custos de nutrição animal seguem como uma preocupação recorrente, diante do recente comportamento dos preços do milho, que se mostram bem elevados.

No atacado, o mercado voltou a apresentar alta em seus preços no decorrer da semana e o ambiente de negócios sugere uma continuidade do movimento, em linha com a entrada dos salários na economia, motivando a reposição entre atacado e varejo. “É importante ressaltar que a carne de frango segue ganhando mercado em detrimento da carne bovina, que permanece em patamar bastante proibitivo”, disse.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 6,90 para R$ 7,00, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,20 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,00 para R$ 10,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,10 para R$ 7,20, o quilo da coxa de R$ 6,30 para R$ 6,40 e o quilo da asa de R$ 10,20 para R$ 10,30.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi modificações nos preços durante o mês de fevereiro. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 7,00 para R$ 7,10, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,30 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,10 para R$ 10,20. Na distribuição, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,20 para R$ 7,30, o quilo da coxa de R$ 6,40 para R$ 6,50 e o quilo da asa de R$ 10,30 para R$ 10,40.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 472,860 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 26,270 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 323,838 mil toneladas, com média diária de 17,991 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.460,20.

Na comparação com fevereiro de 2020, houve queda de 7,66% no valor médio diário, baixa de 1,14% na quantidade média diária e retração de 6,59% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo se manteve R$ 4,25. Em São Paulo o quilo vivo seguiu em R$ 4,30.

Na integração catarinense a cotação do frango permaneceu em R$ 3,30. No oeste do Paraná o preço na integração continuou em R$ 4,60. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo prosseguiu em R$ 4,20.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 4,30. Em Goiás o quilo vivo se manteve em R$ 4,25. No Distrito Federal o quilo vivo continuou em R$ 4,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo se manteve em R$ 5,20. No Ceará a cotação do quilo continuou em R$ 5,20 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 5,40.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços da soja sobem no Brasil, seguindo dólar e Chicago

Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de soja teve uma semana de negócios moderados e preços firmes. Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações. Mas o ritmo da comercialização seguiu lento, com os produtores atentos à colheita, que permanece atrasada em decorrência do excesso de chuvas.

Em Passo Fundo (RS), a cotação subiu de R$ 166,00 para R$ 171,00 a saca de 60 quilos entre os dias 26 de fevereiro e 4 de março. No mesmo período, o preço subiu de R$ 157,50 para R$ 158,00 em Cascavel (PR). No Porto de Paranaguá, a saca avançou de R$ 167,50 para R$ 171,00.

Em Rondonópolis (MT), o preço passou de R$ 157,50 para R$ 163,00. Em Dourados (MS), a saca avançou de R$ 153,00 para R$ 154,00. Em Rio Verde (GO), a cotação subiu de R$ 156,00 para R$ 160,00.

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em maio tiveram uma valorização de 0,44%, encerrando a quinta a US$ 14,10 ½ por bushel. O cenário fundamental seguiu dando sustentação às cotações. O atraso na colheita no Brasil e a estiagem na Argentina garantiram a valorização, além da alta do petróleo e dos sinais de aperto nos estoques e continuidade da demanda nos Estados Unidos.

O dólar comercial subiu 1,03% no período, fechando a quinta a R$ 5,66. Nesta sexta, o dólar já opera acima de R$ 5,70, em meio as preocupações com o futuro da economia brasileira. No exterior, o aumento da aversão ao risco completou o cenário negativo.

Exportações

O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, projeta a exportação de 15,497 milhões de toneladas de soja em grão para março, conforme levantamento realizado por SAFRAS & Mercado. No mesmo mês do ano passado, exportações somaram 13,314 milhões de toneladas segundo a estimativa.

Em fevereiro, foram 5,131 milhões de toneladas. Para abril, o line-up indica volume de 820,312 mil toneladas.

De janeiro a fevereiro, o line-up apontou o embarque de 5,184 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, foram embarcadas 8,155 milhões de toneladas. A Secretaria do Comércio Exterior (Secex) indicou o embarque no período em 1,298 milhão de toneladas.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
SBSA 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.