Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas Segundo Embrapa

Para pecuarista do Brasil, baixa fertilidade do solo é maior desafio

Apesar das tecnologias já disponíveis, os resultados do levantamento apontam que o problema ainda está presente e demanda atenção especial

Publicado em

em

Ana Maio

Pecuaristas e técnicos brasileiros elegeram, em 2019, a baixa fertilidade do solo como o maior problema para o desenvolvimento da atividade no Brasil. O levantamento online foi feito pela Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – por meio de sua equipe de pastagens, e será utilizado para direcionar melhor a carteira de projetos de pesquisa com foco nas demandas do setor produtivo. A sondagem ouviu 712 produtores e profissionais que atuam na área entre julho e agosto. Do total, 42% indicaram esse desafio.

Também foram cotados como principais obstáculos o elevado custo de implantação ou substituição do pasto, a dificuldade de manejo, a elevada redução da produção dos pastos na seca e os baixos níveis de fósforo no solo.

Na época em que foi aplicada, a sondagem foi amplamente divulgada entre o setor produtivo e as respostas vieram de todas as regiões do Brasil. O processamento dos questionários ainda está em andamento, mas a presidente do Porftólio de Pastagens (conjunto de projetos de pesquisa dessa área) da empresa, Patrícia Menezes Santos, já tem dados por biomas. Ela é pesquisadora na Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos (SP).

Pragas e invasoras

A diversidade da percepção por regiões é visível e deve nortear as pesquisas da Embrapa sobre o tema. No bioma Amazônia, por exemplo, a baixa tolerância ou resistência às cigarrinhas e a elevada infestação das pastagens por invasoras são problemas relevantes, apontados por 34% dos respondentes. Nos outros biomas, as invasoras preocupam no máximo 20% dos consultados no Cerrado e 19% no Pampa.

Tecnologias

O levantamento também mostra as técnicas mais utilizadas nas pastagens formadas: pastejo rotacionado (62%), análise de solo (60%) e correção de solo com calcário (57%) foram as mais citadas.  Já as técnicas mais usadas na formação de pastagens foram o preparo do solo (aração e gradagem, por exemplo), citado por 73% dos respondentes; análise de solo (66%) e correção de solo (63%).

Forrageiras

Com exceção do Pampa, foi alto o índice de entrevistados que afirmou não utilizar ou recomendar forrageiras temperadas. Já entre as forrageiras tropicais, as mais usadas ou indicadas foram o Capim Marandu (Braquiarão), com 47%, e o Capim Mombaça, com 39%. Pampa e Caatinga foram os biomas que menos utilizam essas forragens. O Capim Buffel apareceu como o mais comum na Caatinga (42%) e o Tifton 85 como o mais usado no Pampa (29%).

Quase 68% dos respondentes disseram não usar ou recomendar leguminosas. Na Amazônia, esse índice chega aos 81%. As mais citadas foram Estilosantes Campo Grande, Leucena e Guandu BRS Mandarim.

Na pergunta sobre o uso de “outras forrageiras”, a mais citada foi o milho (44%), seguido de pasto nativo (30%) e sorgo (26%). O principal motivo que pesa na escolha da forrageira pelo pecuarista é a recomendação técnica, segundo 41% dos entrevistados.

Soluções

De acordo com Patrícia, a Embrapa e outras instituições do SNPA (Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária) já desenvolveram tecnologias que ajudam a solucionar parte dos problemas apontados pelos técnicos e produtores. A baixa fertilidade do solo, por exemplo, pode ser encarada a partir dos mapas de solo, de áreas degradadas e de capacidade do uso do solo. “São estudos em escala mais regional que nos ajudam a dimensionar o problema, identificar as regiões mais críticas e traçar estratégias de ação”, afirmou.

Outra solução é o desenvolvimento e recomendação de cultivares para condições específicas. “A Embrapa disponibiliza para produtores cultivares adaptadas a condições de baixa fertilidade de solo, como aquele com baixo fósforo, presença de alumínio, entre outros”, falou Patrícia. Além disso, a empresa de pesquisa fornece ao produtor informações para que ele possa escolher o material mais adequado para sua condição específica. Essas informações estão em publicações gratuitas, disponíveis no site e no aplicativo Pasto Certo.

A Embrapa também gera conhecimento sobre a resposta das cultivares aos nutrientes, o que serve de base para as recomendações de correção e adubação.

Se enquadram ainda como soluções as recomendações sobre uso correto de corretivos e fertilizantes em pastagens e o desenvolvimento e recomendação de cultivares de leguminosas forrageiras, que fixam nitrogênio atmosférico no solo.

Apesar das tecnologias já disponíveis, os resultados do levantamento feito pela Embrapa apontam que o problema ainda está presente e demanda atenção especial. A pecuária de precisão, o desenvolvimento de cultivares forrageiras, de bioinsumos e novos fertilizantes para pastagens e a adaptação das recomendações técnicas de correção e adubação do solo à realidade dos sistemas de produção nas diferentes condições brasileiras podem contribuir para solucionar o problema e deverão ser foco da agenda de pesquisa da Embrapa sobre o tema Pastagens nos próximos anos.

Fonte: Embrapa Pecuária Sudeste
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =

Bovinos / Grãos / Máquinas Segundo Conab

Produção de grãos sinaliza recorde final de 253,7 milhões de toneladas

Isto representa um crescimento de 4,8% ou o equivalente a 11,6 milhões de toneladas sobre a produção da safra passada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A produção de grãos da safra 2019/20 do Brasil caminha para o desfecho final de mais um recorde, com a marca de 253,7 milhões de toneladas. Isto representa um crescimento de 4,8% ou o equivalente a 11,6 milhões de toneladas sobre a produção da safra passada. O carro-chefe dos grãos é comandado pela soja e milho, que garantem quase 90% da produção nacional. Os dados podem ser conferidos no 11º Levantamento de Grãos realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado nesta terça-feira (11).

Com o final próximo da colheita da primeira e segunda safra das commodities, o estudo passa a analisar as culturas de terceira e de inverno, de olho no comportamento climático que vem favorecendo as lavouras até agora. A soja já tem garantida a produção recorde estimada em 120,9 milhões de toneladas,  com  ganho de 5,1%.

Também o milho total, recorde assegurado pelos seus 102,1 milhões de toneladas, já encerrou a primeira safra e caminha para o fechamento da segunda, dependendo de 1,5% da contribuição das lavouras cultivadas na região do Sealba (Sergipe, Alagoas e nordeste da Bahia).

Enquanto isso, as culturas de inverno (aveia, canola, centeio, cevada trigo e triticale) finalizam o plantio neste mês. A estimativa é de crescimento de 12,1% na área plantada, com destaque para o trigo, que sinaliza um crescimento de 14,1% e alcance de 2,33 milhões de hectares. A depender da ajuda climática, a produção deve chegar a um recorde de 6,8 milhões de toneladas. O Brasil só ultrapassou a marca dos 6 milhões de toneladas de trigo em 4 ocasiões na série histórica, sendo esta a maior, caso se confirmem as estimativas.

Os demais produtos que integram a cadeia de grãos, como algodão, arroz e feijão, caminham também para a finalização da colheita, com um desempenho de produção acima do produzido no último período. O arroz deve crescer 6,6% e colher 11,2 milhões de toneladas. Dessas, 10,3 milhões em áreas de cultivo irrigado.

Por sua vez, o algodão aumenta 5,4%, prevendo uma produção de 2,93 milhões de toneladas de pluma. E o feijão total cresce 5,4%, alcançando 3,18 milhões de toneladas, dependendo da terceira safra que está em fase de colheita. Mais da metade dessa colheita (1,9 mi t) é da espécie comum cores.

Exportações

A história de recordes da safra continua. No caso da soja, o mercado indica uma estimativa de exportações sem igual este ano, com 82 milhões de toneladas, devido à expectativa de câmbio elevado e as negociações antecipadas que estão ocorrendo.

Também o arroz tem boas perspectivas de mercado, com exportações recordes e crescimento do consumo interno, o que leva à redução nas estimativas de estoques de passagem do setor. Para a safra atual, com uma balança comercial superavitária estimada em 400 mil toneladas e crescimento do consumo, projeta-se preço elevado ao longo de todo o período de comercialização da nova safra.

Fonte: Conab
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Tecnologia

Pesquisa mostra o retrato da agricultura digital brasileira

Ausência de infraestrutura de conectividade é o maior entrave da agricultura digital para 61% dos entrevistados

Publicado em

em

Divulgação/iStock

Uso de ferramentas digitais para comercialização, interesse por soluções digitais, gargalos em infraestrutura de conectividade e falta de conhecimento sobre as tecnologias disponíveis são alguns tópicos extraídos da pesquisa realizada com mais de 750 participantes entre produtores rurais, empresas e prestadores de serviço sobre tendências, desafios e oportunidades para a agricultura digital no Brasil. O trabalho foi feito por meio de parceria entre a Embrapa, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e revelou que 84% dos agricultores brasileiros já utilizam ao menos uma tecnologia digital como ferramenta de apoio na produção agrícola

Os resultados, recém-consolidados, mostram que a facilidade de comunicação e de acesso à informação, proporcionada pela internet, são a porta de entrada hoje para introduzir o agricultor nessas novas tecnologias. Mas aplicações mais especializadas, capazes de ampliar o acesso a mercados, reduzir custos ou ainda agregar valor à produção já estão no radar dos produtores rurais, com potencial de expansão.

Por meio de painéis interativos (dashboards), é possível analisar todos os resultados da pesquisa de forma estratificada. A consultas podem ser feitas a partir das informações sobre o perfil do agricultor e do prestador de serviço, como tamanho da área cultivada e tempo na atividade, para cada unidade da federação. Os dados completos também estão disponíveis para consulta no sumário executivo. O estudo foi realizado no âmbito do projeto de cooperação  “Inteligência estratégica para pequenos negócios rurais: agregação de valor e tecnologia”, coordenado pela Secretaria de Inovação e Negócios (SIN) da Embrapa e firmado em parceria com o Sebrae. Seu objetivo é ajudar a orientar novas pesquisas e inovações além de subsidiar estratégias de mercado.

A pesquisa amostral, aplicada por meio de um questionário on-line, ficou disponível entre abril e junho deste ano e contou com a participação de 504 agricultores, de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal. A maioria deles, 72%, cultivam áreas de até 50 hectares, com agricultura, pecuária e silvicultura, e 69% têm mais de dez anos de experiência na atividade rural.

Seja para agilizar a comunicação na hora de contratar um serviço, pesquisar o preço de um insumo ou para enxergar a propriedade com outros “olhos”, mapeando a lavoura e planejando a atividade, a pesquisa mostra um retrato atual de como esses produtores rurais estão utilizando a internet, aplicativos de celular, drones, entre outras tecnologias, e também um panorama das suas expectativas e dificuldades.

Mais de 70% dos produtores rurais que responderam à pesquisa disseram que acessam a internet para interesses gerais sobre agricultura. Já as redes sociais, como o Facebook, e os serviços de mensagem, como o WhatsApp, foram apontados por 57,5% deles como meios utilizados para obter ou divulgar informações relacionadas à propriedade, comprar insumos ou vender sua produção.

“Essas ferramentas são utilizadas em atividades gerais com o objetivo de ajudar no planejamento e na gestão da propriedade, mas foi possível observar também que uma boa parte dos produtores rurais já utiliza outras aplicações a partir de sensores remotos e de campo, eletrônica embarcada, aplicativos ou plataformas digitais para fins específicos em uma cultura ou sistema de produção”, explica o pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária (SP) Édson Bolfe, que coordenou o estudo.

Cerca de 40% dos produtores disseram que vêm usando essas novas tecnologias como canal para a compra e venda de insumos e da produção e, ainda, em torno de um terço deles utiliza soluções digitais com o objetivo de mapear a lavoura e a vegetação e para a previsão de riscos climáticos. “Outras aplicações das tecnologias aparecem em número menor, mas vemos como áreas com tendência de crescimento aquelas voltadas para o bem-estar animal, citada por 21,2% dos respondentes; e para certificação ou rastreabilidade dos alimentos, mencionada por 13,7% deles”, completa Bolfe. Ele ressalta ainda que 95% dos produtores registraram na pesquisa que desejam mais informações sobre agricultura digital.

Informação

Se os produtores se mostram ávidos pelas tecnologias digitais, algumas barreiras ainda desestimulam sua adoção. Os resultados da pesquisa indicam que o valor do investimento para a aquisição de equipamentos e aplicativos assusta o agricultor. Esse aspecto  é apontado por 67,1% deles como uma das dificuldades. A questão aparece à frente de problemas estruturais, como a qualidade de conexão na área rural.

Para o engenheiro-agrônomo e sócio da startup IZagro Murilo Bettarello, a preocupação vem da visão de que essas novas tecnologias foram feitas somente para produtores rurais com alta capacidade de investimento. “Há ainda a percepção de que são tecnologias caras, mas existem muitas aplicações de baixo custo que já fazem a diferença e podem iniciar o agricultor nessa jornada da agricultura digital”, acredita. Segundo ele, falta a informação sobre avanços tecnológicos chegar ao produtor, principalmente médios e pequenos.

Essa demanda por mais informação já era percebida pelo Sebrae e aparece agora na pesquisa. A falta de conhecimento sobre quais são as tecnologias mais apropriadas foi mencionada como uma dificuldade por quase 41% dos produtores rurais. “Existem muitas ferramentas que o agricultor desconhece ou não compreende para que servem”, afirma o analista de Competitividade no Agronegócio do Sebrae Victor Ferreira. Uma das estratégias que serão desenvolvidas a partir do estudo é a criação de conteúdos para melhorar a informação para o agricultor sobre as soluções digitais disponíveis. As informações ficam no portal e em outros canais de acesso, como a plataforma de apoio à inteligência DataSebrae.

De acordo com a pesquisa, 40,5% dos agricultores utilizam tecnologias digitais para atividades de compra e venda. Segundo o analista do Sebrae, os produtores estão descobrindo novas formas de comunicar o seu produto, por meio de mídias sociais digitais e plataformas de marketplace, e isso tem feito com que se posicionem de maneira diferente, seja no negócio, na própria família ou com os clientes. Essa demanda por ferramentas para comercialização da produção acelerou ainda mais com a pandemia do novo coronavírus e as medidas de distanciamento social.

É o caso de agricultores do norte da Bahia, organizados na Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc). Por meio da parceria com startups de Salvador e São Paulo, eles estão conseguindo levar seus produtos a base de frutas nativas, como umbu e maracujá da caatinga, para novos mercados. “O uso das ferramentas digitais foi intensificado e a resposta tem sido muito interessante durante a pandemia, quando reduziram as vendas para lojas físicas”, explica a presidente da Coopercuc, Denise Cardoso. A queda chegou a quase 70%, mas ela estima que com a comercialização em plataformas digitais já foi possível reverter essa perda em torno de 30%.

Conectividade se reflete na produtividade

Além de ouvir os produtores rurais, a pesquisa também teve a participação de 249 empresas e prestadores de serviços. Mais da metade atua de alguma forma associada a cooperativas ou outras entidades ligadas ao produtor, oferecendo, entre as principais soluções, aquelas voltadas para o planejamento das atividades, para mapeamento e planejamento do uso da terra, gestão da propriedade, estimativas de produção ou produtividade e compra e venda de insumos, de produtos e da produção.

Fatores ligados ao investimento por parte dos agricultores para ter acesso às tecnologias, falta de capacitação dos usuários e dificuldades com mão de obra foram algumas das limitações apontadas para expandir o setor. De acordo com Victor Ferreira, há exemplos de tecnologias digitais que já tiveram seus custos reduzidos, que podem beneficiar pequenos e médios produtores e abrir mercado para as empresas e prestadores de serviço. Uma das estratégias propostas para aprimorar a conexão com as necessidades do agricultor é por meio de um programa de consultoria em inovação e tecnologia, o Sebraetec. “Queremos colocar essas novas tecnologias no portfólio do programa e oferecer, por exemplo, subsídios para facilitar que cheguem ao agricultor”, completa.

No entanto, a deficiência na infraestrutura de conectividade nas áreas rurais ainda é o principal entrave hoje para o desenvolvimento da agricultura digital, mencionada por 61,4% dos profissionais da área que responderam à pesquisa. Neste momento, somente os grandes produtores estão conseguindo investir em soluções para melhorar o acesso à internet nas propriedades.

“Quando o assunto é expansão da digitalização no campo, a principal barreira ainda é a conectividade. A extensa dimensão territorial do Brasil, a falta de infraestrutura nas zonas rurais e o alto investimento, fator que inviabiliza principalmente pequenos e médios produtores de terem acesso à internet, ainda permanecem sendo os principais impeditivos dessa expansão”, afirma Sergio Rocha, fundador e CEO da Agrotools, agtech que fornece soluções digitais baseadas em plataforma geográfica.

Segundo ele, incentivar a conectividade no campo é essencial para garantir o aumento de produtividade. “O desenvolvimento de novas tecnologias não deve parar. São elas que provam que vale a pena investir na conectividade no campo, pois, com ela, a acessibilidade do produtor a soluções de produtividade, de inteligência, de gestão vai aumentar muito, visto que trazem muitos benefícios”, prevê.

Tecnologias que devem revolucionar o campo

Bolfe conta que os agricultores e prestadores de serviços que participaram da pesquisa colocaram nos primeiros lugares da lista de desejos as soluções para melhorar o planejamento e a gestão da propriedade, que devem vir principalmente por meio de aplicativos e plataformas web. “Mas há também uma forte expectativa por tecnologias que dependem de inovações em sensores e outros equipamentos e técnicas mais avançadas, como inteligência artificial, internet das coisas, automação, robótica, big data, criptografia e blockchain”, destaca o pesquisador.

São soluções com potencial de provocar grande impacto nos sistemas produtivos, em termos de aumento da produtividade, eficiência e redução de custos, qualidade da produção, redução de impacto ambiental e acesso ao mercado. “É a nova agricultura. Existe uma projeção para 2030 indicando que haverá uma intensa revolução no campo e ela já começou”, comenta Francisco Severino, gerente técnico corporativo da Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo (Coplacana). A Cooperativa firmou uma parceria com a Embrapa no fim de 2019 para inovar o modelo de trabalho, melhorando a produtividade e, consequentemente, a renda dos produtores, com o uso de tecnologia blockchain e soluções em sensoriamento remoto.

Satélites e drones em expansão no agro 

 Outro exemplo de tecnologia que avança em conhecimento e tem grande potencial de expansão nos próximos anos são as baseadas em dados ou imagens geradas por sensores remotos, como os satélites e drones. Cerca de 37% das empresas e prestadores de serviços entrevistados atuam nessa área. A tecnologia também já é utilizada por 17,5% dos produtores rurais.

Para a pesquisadora do Inpe Ieda Sanches, o levantamento mostrou ainda um interesse bastante relevante em várias soluções para a agricultura que podem ser viabilizadas com a ajuda do sensoriamento remoto, tanto aéreo quanto orbital. São aplicações para detecção e controle de plantas daninhas, pragas e doenças, falhas de plantio e para estimativa de produção e produtividade.

Essa demanda real do produtor e dos prestadores de serviços, segundo ela, vai contribuir para que sejam aprofundadas ainda mais as pesquisas nessa área do conhecimento. Os resultados também devem ajudar em novas ações na área de ensino e capacitação. “Existem muitas ferramentas gratuitas, como imagens e sistemas de processamento, que nem sempre são do conhecimento de todos”, afirma ela, que acredita que é preciso ampliar a divulgação das técnicas já consolidadas.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Instrumentação (SP) Lúcio André de Castro Jorge, o mercado global de drones de 2016 a 2020 foi da ordem de US$ 32,4 bilhões, especificamente para agricultura. “Nesse período, o aumento no uso de drones na agricultura foi de 172%. A projeção da expansão até 2025 é exponencial”, revela.

Para ele, a pesquisa mostrou essa tendência. “Se considerarmos novos lançamentos de sensores previstos nos nanosatélites e nos microsatélites, em 2022 deverá haver um salto significativo no uso dessas tecnologias”, calcula.

O pesquisador lembra que recentemente houve uma explosão de demandas por uso de drones na pulverização agrícola e no controle biológico.“Com a regulamentação da legislação para uso dos drones nessas aplicações [em consulta pública neste momento] espera-se que haja uma melhor utilização da tecnologia. Acredita-se que os pulverizadores costais sejam substituídos por drones, principalmente pela redução de contaminação de operadores e melhor eficiência das aplicações. No controle biológico, várias culturas se beneficiarão da tecnologia, inclusive com menos impacto ambiental”, explica.

Para ele, os pequenos e médios produtores dependem muito de políticas públicas que favoreçam a inserção de tecnologias como essa. Uma alternativa apontada pelo pesquisador para os pequenos é a adoção da tecnologia via cooperativas de crédito e prestadores de serviço, que poderão atender vários grupos de uma região.

Castro Jorge informa que o mercado relativo apenas à fabricação de drones é de 12 bilhões de dólares em negócios, com geração de emprego para mais de 100 mil profissionais no Brasil, sendo 26% só na agricultura, um negócio de US$ 2 bilhões no País até 2020. Assim, o pesquisador acredita que os preços dos veículos aéreos não tripulados devem se tornar mais acessíveis, com a disponibilização de treinamentos acompanhando a demanda, permitindo a adoção pelos pequenos produtores.

Fonte: Embrapa Informática Agropecuária
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição

Os benefícios da inclusão de ácidos graxos essenciais na dieta de bovinos

Inclusão dos ácidos graxos essenciais na dieta dos animais tem sido vista como uma opção promissora e vantajosa para o produtor

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

 Artigo escrito por Luis Eduardo Ferreira, biomédico, doutor em Biotecnologia e analista de Pesquisa e Desenvolvimento na Premix

A oferta de uma dieta balanceada aos bovinos é fundamental para suprir as necessidades nutricionais do rebanho. Tal condição se torna importante para a manutenção da integridade fisiológica e bioquímica dos animais, além do fortalecimento do sistema imunológico (defesa) do organismo, preservando assim a saúde e o bem-estar de todo o plantel. Por esse motivo, a nutrição é um dos principais fatores para a maximização do desempenho metabólico dos animais, favorecendo não apenas o aumento da produção de leite, carne e acabamento de carcaça no período da engorda, mas também um auxílio ao sistema reprodutivo das matrizes na fase de cria e, principalmente, no crescimento na fase de recria.

Antigamente, a nutrição dos animais era vista de uma forma mais ampla, conduzida de maneira genérica com manejo subsistente e sem importância produtiva. Porém, na atualidade, os avanços nos estudos em zootecnia estão mais direcionados para a manutenção da saúde intestinal, associada a modernas práticas de manejo, contribuindo para uma pecuária mais segura, eficiente e produtiva.

Nesse contexto, os estudos em biotecnologia aplicados à nutrição animal tem possibilitado que este segmento evolua para uma era mais avançada no desenvolvimento de novos ingredientes e suplementos minerais, com melhores taxas de absorção e efeitos biológicos nos animais. Além disso, uma nova geração de aditivos naturais, mais modernos e seguros, está disponível no mercado para oferecer ao pecuarista aumentos nas taxas de produtividade e sustentabilidade. Sendo assim, diversos estudos em Química, Biologia Molecular, Nanotecnologia e outras áreas prometem não apenas enxergar o animal como um todo, mas também tornar o segmento de nutrição ainda mais específico e eficiente, suprindo todas as necessidades fisiológicas, especialmente no nível bioquímico celular.

Na procura por novos ingredientes e aditivos, os ácidos graxos essenciais têm ganhado destaque, estando cada vez mais presentes na composição da dieta dos animais. Sabemos que o nosso organismo, assim como o dos animais, é capaz de sintetizar uma parte das gorduras necessárias para o metabolismo. No entanto, alguns ácidos graxos, embora sejam importantes para o organismo, não são produzidos naturalmente, devendo então ser acrescentados à dieta dos animais.

Em linhas gerais, os ácidos graxos são gorduras obtidas a partir do processamento de matérias-primas naturais, na maioria das vezes de origem vegetal, como são os casos dos óleos de girassol, canola, linhaça, algodão, soja, milho, mamona e castanhas, entre outros. Esses compostos também podem ter origem animal, quando obtidos a partir de peixes e de alguns frutos do mar. Dentre os principais ácidos graxos, podemos citar os ácidos linoleico (ômega-3), linoleico (ômega-6), oleico (ômega-9), palmítico e esteárico, além de muitos outros que integram a constituição biológica dos óleos vegetais e animais citados.

As vantagens da inclusão destes compostos na dieta dos animais têm sido consideradas essenciais, pois geralmente, quando associados a outras gorduras, os ácidos graxos são utilizados para aumentar a densidade energética da dieta e suprir as necessidades nutricionais dos animais em todas as fases produtivas, como cria, recria e engorda. Além disso, a presença dos ácidos graxos pode interferir no equilíbrio da flora microbiana e, assim, manipular a fermentação no rúmem e aumentar as proporções dos ácidos graxos de cadeia curta, produtos resultantes do metabolismo ruminal.

Trabalhos científicos mostram que alguns microrganismos são mais sensíveis à presença dos ácidos graxos como, por exemplo, algumas espécies de bactérias e de protozoários. Por este motivo, diferentes efeitos sobre o metabolismo ruminal podem ser verificados após o fornecimento destes compostos à dieta dos ruminantes. Isso acontece devido ao fato de, no rúmem, os ácidos graxos aderirem à superfície da partícula do alimento, podendo inibir o contato direto das células e enzimas microbianas com o substrato. No entanto, vale ressaltar que nem todas as espécies microbianas no rúmem são sensíveis a essa condição. Ao mesmo tempo, é possível constatar que o crescimento de outras espécies mais relacionadas à digestão de fibras é favorecido.

Algumas hipóteses apontam que os ácidos graxos, quando combinados quimicamente a outros coadjuvantes tecnológicos, podem apresentar ação antimicrobiana e se comportar como um aditivo zootécnico, modulando positivamente a flora ruminal e melhorando as condições da fermentação, permitindo a obtenção de bons resultados no desempenho metabólico dos animais. Estudos já realizados mostram que a ação biológica dos compostos consiste em causar alterações na permeabilidade da membrana celular até destruir, por hidrólise, a parede celular de microrganismos, principalmente os metanogênicos. Nesse sentido, os ácidos graxos podem também reduzir a produção de metano no rúmem e a liberação desse gás para o meio ambiente, minimizando os danos causados pelo aquecimento global.

Outra hipótese, na qual os ácidos graxos inibem a produção de gás metano (CH4) durante a fermentação no rúmem, é viabilizada por meio de um processo chamado de “biohidrogenação”. Sabemos que um dos subprodutos do metabolismo ruminal é o gás hidrogênio (H2), sendo que os microrganismos metanogênicos são responsáveis por metabolizar este subproduto e liberá-lo para o meio ambiente na forma de gás metano. Neste caso, a reação de biohidrogenação se torna importante, pois ao invés do gás H2 ser utilizado na síntese de metano via metanogênese, este será transferido e incorporado à estrutura da molécula do ácido graxo insaturado. Dessa forma, ocorrerá a redução do gás H2 disponível no rúmem para a síntese na forma de gás metano.

No nível bioquímico, os ácidos graxos já citados (ômega-3, ômega-6, e ômega-9) são essenciais, pois também constituem a base precursora para a formação das células responsáveis pela síntese de prostaglandina, tromboxanos e leucotrienos, mantendo a integridade e a fluidez da membrana plasmática de cada uma destas células. A importância deste grupo de células no organismo se verifica por este fazer parte das reações plaquetárias para coagulação sanguínea, reação inflamatória e imunologia, influenciando profundamente nas funções leucocitárias e acelerando o processo das reações de defesa contra diversos patógenos.

Recentemente, alguns trabalhos têm mostrado que a suplementação dessas gorduras na dieta dos animais pode, inclusive, reduzir as infestações por carrapatos (Rhipicephalus ssp). Tais estudos concluíram que os organismos dos animais suplementados com estes compostos foram capazes de inibir a evolução das fêmeas do ectoparasita, mostrando eficácia acima de 50% na redução das contagens de parasitas, comparados com um grupo de controle. Os resultados sugerem que a inclusão desses compostos na dieta dos animais pode fortalecer o sistema imunológico e aumentar os mecanismos naturais de resistência dos animais em relação a estes ectoparasitas. Sendo assim, esta prática tende a se tornar o manejo mais sustentável por reduzir a demanda por aplicação de agentes carrapaticidas nos animais (minimizando riscos de intoxicação por estes agentes químicos) e permitir a evolução da resistência ao longo do tempo.

Uma vantagem adicional conferida pelos ácidos graxos está relacionada ao fato de que estes compostos são considerados seguros e confiáveis. Além disso, estão perfeitamente alinhados às novas tendências de mercado por associarem produtividade, rentabilidade e sustentabilidade à preservação do meio ambiente. Outro fator que incentiva a suplementação da dieta ora proposta é a facilidade de extração desses ácidos a partir de matérias-primas 100% cultivadas em território nacional. Na condição de um recurso renovável extraído da natureza, torna-se autossustentável por ter baixos custos de obtenção e produção, sendo ainda de fácil processamento industrial.

Portanto, considerando-se todos esses aspectos, a inclusão dos ácidos graxos essenciais na dieta dos animais tem sido vista como uma opção promissora e vantajosa para o produtor, deixando a pecuária cada vez mais sustentável e eficiente. Quando combinadas a outras tecnologias, tais como probióticos, prebióticos e outros minerais orgânicos (a exemplo do Fator P), podemos incluir este produto na mesma linha dos novos conceitos de aditivos naturais. De fato, temos visto inúmeras vantagens na aplicação dessas novas tecnologias, tanto na melhoria da saúde e do bem-estar de todo o plantel quanto, em especial, no desempenho produtivo dos animais, com um manejo de baixo investimento, o que tende a ampliar a rentabilidade do pecuarista.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.