Conectado com

Empresas

Os cuidados no plantio que ajudam a alcançar bons resultados na colheita

O agricultor brasileiro dispõe de inúmeras ferramentas e tecnologias para auxiliá-lo no campo, porém o sucesso de sua lavoura continua a depender, em grande parte, da atenção, monitoramento e dos cuidados em cada fase do plantio

Publicado em

em

Por Marcelo Segalla*

Para atingir potenciais bons resultados no final da safra, é preciso que os agricultores conheçam detalhadamente todas as variáveis que podem gerar impactos na lavoura, a começar pelos processos que envolvem o plantio da cultura escolhida. Pensando nisso, existem estratégias, ferramentas e boas práticas agronômicas que não podem ser deixadas de lado para se obter um plantio eficiente.

Quando falamos em plantio direto, a dessecação antecipada é um exemplo de boa prática agronômica e uma etapa essencial do processo. Entre seus benefícios, é possível destacar o controle de pragas e de plantas daninhas, a prevenção de problemas como alelopatia, mobilização de nitrogênio e matocompetição, além de favorecer o estabelecimento inicial da cultura, tendo em vista que as culturas antecessoras, plantas daninhas e a própria cobertura podem funcionar como hospedeiras naturais para pragas residentes. Assim, o manejo antecipado constitui uma das mais importantes ferramentas do manejo integrado de pragas (MIP), prática importante na agricultura moderna que adota estratégias de menor impacto ambiental e com melhor potencial de retorno sobre os investimentos do agricultor.

É importante lembrar que o número de dias entre a dessecação e o plantio pode variar de 20 a 50 dias, conforme a cultura de cobertura e o seu estágio de desenvolvimento e as condições climáticas no período. Por conta disso, o recomendado é que sejam feitas duas dessecações: a primeira com, aproximadamente, 30 dias antes do plantio, o que evita a presença de massa verde; e a segunda logo antes da semeadura, para controlar o primeiro fluxo de plantas daninhas após a dessecação inicial.

O passo seguinte, o plantio, também exige grande atenção. Para o sucesso desta etapa, a semeadora e seus componentes devem estar em pleno funcionamento, já revisado e regulado, conforme expectativa de distribuição de sementes para o ambiente de produção daquele talhão.

Chega hora de conferir o campo: é importante verificar as condições de umidade do solo para evitar a adesão aos mecanismos da semeadora ou ao sistema limitador de profundidade. A compactação também deve ser avaliada, pois a disposição das sementes no sulco é prejudicada em solos com baixa umidade, principalmente, por conta do excesso de torrões.

No momento de semear, é importante prestar atenção na profundidade de semente – de dois a quatro centímetros para soja e de três a cinco centímetros para milho. Além disso, é necessário checar a abertura e o fechamento do sulco para evitar bolsas de ar no entorno da semente e impedir que os grãos fiquem expostos, prejudicando sua emergência. É preciso também que a semente no sulco esteja em perfeito acondicionamento para garantir, assim, a emergência uniforme das plantas.

A fase de germinação e emergência acontecem em condições favoráveis de umidade e de temperatura, que varia de 10ºC a 42ºC, já que a germinação é iniciada apenas após o grão absorver uma quantidade de água que varia de 30% a 40% de sua massa. Essa etapa pode durar de três a quinze dias. Aqui, a população de plantas ideal é ajustada por híbrido e por ambiente de produção, plantio uniforme, tratamento de sementes e, por fim, pela qualidade das sementes. Vigor e germinação são pontos cruciais que favorecem a uniformidade de estabelecimento da lavoura e ajudam a minimizar o percentual de plantas dominadas que constituem um dos principais indicativos de vigor de lavoura, e impactam diretamente no rendimento final.

O agricultor brasileiro dispõe de inúmeras ferramentas e tecnologias para auxiliá-lo no campo, porém o sucesso de sua lavoura continua a depender, em grande parte, da atenção, monitoramento e dos cuidados em cada fase do plantio. A adoção de estratégias e boas práticas agronômicas, conhecendo o ambiente de produção ao qual está inserido, poderá resultar em uma safra produtiva e potencialmente mais rentável.

*Marcelo Segalla é líder dos agrônomos para Dekalb, Agroeste, Semente Agroceres e La Tijereta para América do Sul

 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 3 =

Empresas

Rota da Sanidade Ceva Aves considera positivo o balanço das ações do primeiro semestre

No dia 13 de abril e 5 de maio a Unidade de Negócios Aves da Ceva realizou as primeiras paradas do ano da caravana nas cidades de Santa Maria de Jetibá (ES) e Santo Antônio do Monte (MG), levando conhecimento e informações de alto nível direcionadas para a necessidade de cada região

Publicado em

em

A Rota da Sanidade Ceva Aves, projeto iniciado em 2021 para levar até o avicultor de postura troca de experiências e informações técnicas direcionadas aos desafios de cada região encerrou suas ações no primeiro semestre com chave-de-ouro. “Nossas duas primeiras paradas deste ano foram nas cidades de Santa Maria de Jetibá (ES) e Santo Antônio do Monte (MG), destacados polos produtores de ovos, em que os participantes puderam acompanhar palestras do nosso time e de outros destacados profissionais da avicultura, participar de discussões técnicas de alto nível, além de se aprofundarem de todos os benefícios e possibilidades da Novamune, primeira vacina desenvolvida exclusivamente para poedeiras com a capacidade efetiva de interromper o ciclo de Gumboro nas granjas”, destaca o Gerente de Marketing Aves Ciclo Longo da Ceva Saúde Animal, Felipe Pelicioni.

A Rota da Sanidade Ceva Aves retomará seu trajeto a partir do segundo semestre em outras regiões, sempre atento aos desafios locais, e logo serão anunciados.

“De 2021 até momento este espaço técnico itinerante percorreu diversas regiões do Brasil e saímos de cada lugar com a certeza do quanto o projeto se tornou agregador para a avicultura”, inclui Felipe.

A exemplo da etapa em Santa Maria de Jetibá (ES). Segundo a Gerente Nacional de Vendas da Ceva, Polyana Arruda, o feedback foi extremamente positivo. “Tivemos a chance de explanar temas práticos e pontuais em linha às necessidades do público participante. Percebemos o interesse técnico e a satisfação dos presentes, em especial o reconhecimento do trabalho realizado pela Ceva e seu compromisso com os seus negócios através do fornecimento programas, serviços e tecnologias em vacinas em linha às suas necessidades produtivas”, salienta Polyana.

Ainda, segundo a Gerente Nacional de Vendas, “o grande diferencial da Rota da Sanidade Ceva Aves está em sua programação. Isso porque os temas foram personalizados às necessidades locais visando a manutenção da lucratividade dos nossos clientes”, completa Polyana.

A Gerente Nacional de Vendas e Distribuição da Ceva, Priscilla Rocha, compartilha a mesma opinião: “Em Santo Antônio do Monte (MG), cidade considerada um importante polo avícola da postura comercial, o evento foi um sucesso, contamos com a participação de mais de 40 produtores da região entusiasmados com as informações e atentos a biosseguridade de suas granjas”, destaca Priscilla Rocha.

Felipe Pelicioni enfatiza que a Rota da Sanidade Ceva Aves encerrou a primeira etapa do ano com a sensação de dever cumprido. “Mais uma vez nossa caravana técnica atingiu o objetivo levando conhecimento de valor direcionado, abordagens relevantes visando resultados ainda mais eficientes, melhorando a produtividade dos nossos clientes neste momento de mercado tão desafiador”, conclui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Cobb-Vantress premia Grupo Alvorada por desempenho de lote em SP

Grupo Alvorada recebe, pelo segundo ano consecutivo, o Prêmio de Melhores Lotes Regionais na categoria Produção de Ovos Totais por Fêmea do Estado de São Paulo com 189,95 ovos totais por matriz alojada    

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

O Grupo Alvorada recebeu, pela segunda vez consecutiva, a premiação de Melhores Lotes Regionais realizada pela Cobb-Vantress. A categoria premiada foi Produção de Ovos Totais por Fêmea do Estado de São Paulo com um índice de 189,95 ovos totais por matriz alojada em 2021 e 196,31 ovos totais por fêmea em 2020, ano em que a empresa teve o segundo melhor desempenho do país, anunciou o biólogo, mestre em Nutrição e Produção Animal e gerente Regional da Cobb-Vantress, André Murcio.

Ele destaca o trabalho de excelência realizado pela equipe bicampeã do Grupo Alvorada. “As equipes são bem treinadas, atuam com manejo de qualidade, além de ter sanidade e nutrição muito bem controladas. Tudo isso aliado às melhores técnicas de manejo preconizadas pela linhagem refletiu nos bons resultados alcançados nos últimos dois anos”.

O diretor Comercial e de Serviços da Cobb-Vantress na América do Sul, Bernardo Gallo, participou da premiação e destacou a alegria da empresa com esta premiação. “Estamos muito satisfeitos com estes resultados. O trabalho da equipe da Alvorada reforça o grande potencial reprodutivo da nossa fêmea, que vem demonstrando aumento significativo nos melhores resultados dos últimos anos”.

A premiação de Melhores Lotes realizada pela Cobb-Vantress envolve seus clientes, levando em conta critérios técnicos e objetivos. Além de premiar os destaques em suas categorias por região, os resultados também servem de indicadores para fomentar e motivar a melhoria da produção das empresas e seus produtores.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Combinação de ingredientes ativos auxilia o manejo eficiente de vermes e carrapatos na pecuária

Publicado em

em

Divulgação Vetoquinol

Quarenta quilos a menos por bovino por ano. Esse é o prejuízo estimado provocado por verminoses e carrapatos no gado de corte. Mais do que impacto ao bem-estar animal, esse número representa severas perdas econômicas para as propriedades de pecuária brasileiras – sejam de pequeno, médio ou grande porte. “Para minimizar essas perdas, o melhor caminho é investir em soluções que combinem ingredientes ativos de alta performance para defender os animais contra esses parasitas”, recomenda Antônio Coutinho, gerente de marketing para animais de produção da Vetoquinol Saúde Animal.

“Os vermes e os carrapatos são inimigos antigos dos pecuaristas brasileiros, especialmente porque se desenvolvem com facilidade no clima tropical do nosso país. Sua disseminação rápida também se reflete nos prejuízos, que são gigantescos e superam a marca dos R$ 12 bilhões ao ano. É preciso apostar em um manejo eficiente ou fazer contas das perdas”, ressalta o especialista da empresa, uma das 10 maiores indústrias veterinárias do mundo.

Ele explica que os parasitas internos e externos colocam em xeque a produção de carne bovina e de leite, também de outros produtos, como o couro – que tem sua qualidade sensivelmente afetada pelo ataque dos carrapatos, restringindo o seu valor.

“Em razão das altas perdas, o pecuarista precisa estar atento às melhores formas de manejo sanitário. A combinação dos ingredientes ativos ivermectina e fluazuron tem se mostrado extremamente eficaz, oferecendo dupla proteção efetiva. Juntos, esses ativos inibem o desenvolvimento de parasitas internos (vermes) e externos (carrapatos). Dessa forma, evitam que a saúde do animal seja afetada, garantindo a produtividade do projeto pecuário”, destaca Coutinho.

A Vetoquinol recorreu à ciência para juntar os dois ingredientes ativos no inovador antiparasitário Contratack® Injetável. “Esta é a única solução disponível no mercado contra vermes e carrapatos à base de ivermectina de longa duração associada a fluazuron. Testado e altamente seguro, o produto garante que o rebanho fique limpo por dentro e por fora, mantendo o bem-estar e a saúde intactos para proporcionar produtividade, lucratividade e qualidade da carne e do leite”, finaliza o especialista.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
ANPARIO 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.