Conectado com

Avicultura Avicultura

Orgulho de fazer bem feito

Produtor rural Sílvio Roes apostou na avicultura em 2017, não sem antes buscar a alta tecnologia para implantar suas granjas

Publicado em

em

Giuliano De Luca/OP Rural

Em Cianorte, no Noroeste do Paraná, o Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária em 2018 foi de R$ 716 milhões. Desse total, 68% é proveniente da atividade avícola. A produção de carne de frango nas regiões Noroeste e Norte é baseada em empresas privadas, ao contrário do Oeste e Sudoeste, que conta com sistemas cooperativos. No entanto, a relação entre produtores e empresas é similar, de integração. Esse modelo de produção transformou o Paraná em um dos maiores produtores de carne de frango do mundo. O Presente Rural foi até lá para conhecer a Avenorte e o produtor rural Sílvio Roes, que apostou na avicultura em 2017, não sem antes buscar a alta tecnologia para implantar suas granjas.

“Minha conversão alimentar já chegou a 1,64”, gaba-se o produtor. A conversão alimentar é o consumo de ração do animal em um período de tempo, dividido pelo seu ganho de peso neste mesmo período. Isso quer dizer que 1.640 quilo de ração foram necessários para o animal ganhar um quilo de peso. Segundo Roes, esse é um dos melhores índices entre todos os integrados da Avenorte, conquistado com práticas eficientes de manejo e dois aviários que contam com o que há de moderno em ambiência.

O Presente Rural foi até Jussara, município vizinho a Cianorte, onde ficam os aviários de Sílvio e do filho André. Estrutura de altíssima qualidade, novinha em folha, equipada com placas evaporativas para melhor refrigeração do ambiente, sistemas inlets para controlar melhor a quantidade e a qualidade do ar que é fornecido aos pintinhos e combater a condensação nos períodos mais quentes, aquecimento a gás para os períodos frios do ano, placas fotovoltaicas para produção de energia elétrica, controle de umidade e temperatura automatizados, a exemplo da alimentação, entre outros sistemas.

Cada aviário tem 160 metros de comprimento por 16 metros de largura e capacidade para 34 mil aves. “Quando decidi investir, corri atrás de informações, conversei com profissionais, visitei várias fazendas até encontrar um modelo que achei que era ideal para mim”, lembra Sílvio Roes, de 57 anos. “Entrei para o negócio (avícola) para fazer bem feito”, sustenta. Como a maior parte do sistema é automatizado, seja na alimentação ou controle de temperatura e umidade dentro dos galpões, dois funcionários são suficientes para cuidar das 68 mil aves. A ideia é produzir seis lotes por ano, ou aproximadamente 400 mil aves por ano, em lotes que variam entre 44 e 47 dias.

Para Sílvio, um dos diferenciais para seu bom desempenho, não está ligado à infraestrutura ou manejo, e sim às características geográficas de onde estão instaladas as granjas. “Um dos segredos é a minha localização. Os aviários foram construídos nessa área que tem vento constantemente. Isso é determinante para nós”, frisa. Vale lembrar que as entradas de ar inlets utilizam esse vento para controlar a qualidade do ar ofertado aos animais.

A decisão de entrar para a atividade aconteceu na segunda metade dessa década. Em 2017, saíram os primeiros lotes. “Comecei a produzir em 2017 para agregar valor à pequena propriedade que temos. Antes, plantava monocultura; soja e milho. Precisava de uma renda maior para a propriedade, que tem 13 alqueires. E os resultados vieram. Estou satisfeito”, garante o produtor rural, que ainda mantém oito alqueires de lavouras.

O produtor cita que o sistema vai ser amortizado em sete anos, antes dos dez inicialmente previstos. “Com a técnica que implantamos, vamos diminuir o tempo do financiamento de dez para sete anos”, aponta.

Chama atenção

É claro que com índices tão robustos e aviários que podem servir de modelo para muita gente que está pensando em entrar na atividade os aviários de Sílvio e do filho chamaram a atenção. “Tem muita gente que vem aqui para ver como é nossa produção. Já veio produtor da nossa região, de Goiás, da Argentina e até da Alemanha”, orgulha-se (com motivos) o produtor rural.

O futuro

Para ele, a produção de carne é o grande negócio para o produtor rural nos próximos anos. De acordo com as expectativas de Roes, o consumo de proteína animal vai aumentar e isso sustenta seu investimento. Aliado a isso, cita a abertura de novos mercados para a carne brasileira como incentivo ao avicultor. “O mercado está bom, o mercado externo abriu mais as portas para nossas carnes. O agronegócio como um todo, especialmente a produção de carne de aves e suínos, é a bola da vez. Com a abertura de mercado asiático e do oriente médio, com o sistema que o governo está implantando, 2020 e os próximos anos vão ser muito favoráveis para nós. O mundo está consumindo mais carne, apesar dos vegetarianos. Há grande demanda mundial por proteína animal, principalmente na China, Índia e Oriente Médio. Temos um cenário promissor”, aponta o avicultor paranaense.

Relação de confiança

No entanto, para Roes, para que o negócio seja sustentável economicamente, o pilar não é a boa infraestrutura, o manejo adequado com o ambiente, a nutrição, tampouco o vento constante na abençoada propriedade rural, e sim a relação de confiança entre produtores e a empresa integradora. Ele tem essa preocupação porque, em sua opinião, algumas agroindústrias da região têm dificuldades de relacionamento com seus produtores integrados.

“O suporte dado pela integração é similar ao sistema cooperativo. Para trabalhar, a gente tem que ter transparência, segurança e um relacionamento íntimo com a empresa integradora. Integração é trabalhar juntos. Os dois lados têm que cobrar resultados”, sustenta o empresário rural.

Outras notícias você encontra na 8ª edição do Anuário do Agronegócio Paranaense

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + catorze =

Avicultura Saúde Animal

Avicultura a serviço da vida

Muitos não sabem, mas algumas vacinas são produzidas a partir de ovos de galinha, como é o caso da Influenza; neste ano, em especial, essa imunização tem sido fundamental em meio à pandemia de coronavírus

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A pandemia da Covid-19 fez inúmeros pesquisadores se debruçarem em cima de estudos em uma verdadeira corrida contra o tempo na tentativa de descobrir uma vacina que seja capaz de controlar o avanço da doença pelo mundo. Enquanto alguns estudos de vacinas levaram anos para serem concluídos – contra o sarampo foram dez anos e contra ebola as pesquisas somaram 20 anos -, a fórmula capaz de travar a disseminação do coronavírus parece cada vez mais próxima.

A fase de testes em humanos já começou no Brasil, inclusive no Paraná, e o Ministério da Saúde acredita que até o fim do ano as primeiras doses estarão disponíveis.

Mas quem vê as campanhas de vacinação sendo realizadas anualmente e quem vai até o posto de saúde para ser imunizado, muitas vezes nem imagina a forma como é feita a produção de uma vacina. A maioria das pessoas sequer sabe que, além de alimentar milhões de pessoas, a avicultura também está a serviço da vida.

Isto porque alguns tipos de vacina, como contra a Influenza e a febre amarela, são feitas a partir dos ovos de galinha. Mas engana-se quem pensa que o processo é simples. Trata-se de uma etapa que exige meses de preparação, além de uma exigência sanitária de alto nível. Até por isso os ovos são chamados de “controlados”, conforme normativa do Ministério da Saúde.

O Instituto Butantan, de São Paulo, está em uma das linhas de frente nos trabalhos de pesquisa em busca de uma vacina contra a Covid-19, onde aumentou a capacidade de produção de vacina de Influenza de 55 milhões para 80 milhões de doses por ano, ampliando seus fornecedores de ovos controlados.

 Para falar a respeito da produção destes ovos, a reportagem do Jornal O Presente entrevistou a médica veterinária Nayra Magnusson. Ela é consultora avícola com 15 anos de experiência no setor, sendo 12 anos dedicados à produção de ovos controlados. Foi Nayra, inclusive, quem ajudou a implantar na Globoaves, que tem sede em Cascavel, toda a parte de biotecnologia.

A empresa possui uma unidade específica no interior de São Paulo para fornecer ovos controlados ao Butantan.

Preparação na granja

Para produzir ovos controlados, as barreiras e controles sanitários estão em um grau mais elevado em comparação com matrizeiro, onde são produzidos ovos para pintinhos de engorda ou para postura comercial. “Para visitar as granjas de ovos controlados é preciso respeitar um tempo mínimo de vazio sanitário. São sete dias em que não podemos ter nenhum contato com outra ave, de qualquer espécie. Sendo uma poedeira comercial, um frango de corte, não existe essa barreira sanitária em termos de dias de vazio sanitário, embora o acesso não seja tão livre como antigamente”, diz Nayra.

Outro cuidado especial é com relação ao limite periférico da propriedade até o núcleo, que deve respeitar a distância de 500 metros – na granja matriz a distância é de 200 metros. “Há, ainda, o cuidado com a qualidade do ar no aviário. É obrigatório o galpão ser fechado e ter o fluxo de ar unidirecional, o qual contribui para melhor qualidade do ambiente quanto à temperatura do aviário, redução da concentração de CO² e monitoramento”, explica a médica veterinária.

Quer mais um diferencial? As aves não podem receber vacinação contra salmonela. “O grande diferencial é o rigor na parte sanitária. Isso é fundamental para manter as aves livres dos patógenos, principalmente salmonela, pois existem mais de três mil tipos. Essa ave tem que ser negativa para salmonela total. Esse é o maior desafio: manter livre de Mycoplasma e Salmonela e também livres de anticorpos para o vírus da Influenza, Laringotraqueite, Leucose e Reticuloendoteliose. E é onde entra o rigor sanitário”, frisa a consultora avícola, que complementa: “São normas que visam um elevado grau sanitário, justamente para ter essa cautela”.

Ovos

Desde a criação das aves há um grande cuidado com a parte sanitária. E o cuidado com os ovos não poderia ser diferente. Afinal, eles que serão a peça-chave para produção, posteriormente, da vacina contra Influenza e febre amarela.

Com o objetivo de evitar ao máximo uma possível contaminação cruzada, o contato manual com os ovos controlados é o menor possível e a maioria das granjas são automatizadas. “A coleta dos ovos é feita a cada uma hora para que tenha menos contato no ninho. Neste tipo de ninho automático, as aves não têm contato com os ovos, pois eles caem em uma esteira e isso ajuda na parte de prevenção às bactérias. Os ovos são embandejados automaticamente e o contato manual é bastante reduzido para evitar possível contaminação”, enaltece Nayra.

A profissional menciona que em no máximo uma hora depois da coleta é realizado o trabalho de desinfecção dos ovos, os quais, na sequência, seguem para o incubatório. “Na granja só se coloca a mão nos ovos sujos ou trincados, que são retirados da esteira”, expõe.

Incubatório

Os ovos ficam 11 dias no incubatório. Nesta etapa é feita a ovoscopia em 100% da produção. O método verifica internamente o ovo para classificar aquele que é viável. “Os ovos inférteis, que não foram fecundados, e com mortalidade embrionária são descartados. São enviados (para o Butantan) apenas os ovos em que houve fecundação e que o embrião se desenvolveu e está vivo, apto para receber o vírus”, explica a consultora.

Processo

Já no Instituto Butantan, um equipamento com microagulhas injeta em cada ovo o vírus. Em seguida, os ovos retornam para a incubadora, onde permanecem por mais 72 horas visando replicar a carga viral. “Para a produção de vacinas são utilizados somente ovos de galinha. Não são usados ovos de pato, ganso, marreco, apenas galinha”, informa.

A etapa seguinte consiste em colher o líquido alantóico que envolve o embrião, o qual é centrifugado, concentrado, fragmentado e inativado, originando uma suspensão da vacina monovalente. A mistura das suspensões de cada monovalente resulta assim na vacina trivalente.

Cada ovo rende em média uma dose de vacina. No entanto, o Instituto Butantan tem feito estudos para aumentar este número. “O vírus injetado é inativado. Muitas pessoas falam que foram vacinadas e tiveram reação, mas não há como dar reação, pois o vírus está inativo. Existem muitos tipos de vírus da gripe. Então às vezes pega um resfriado ou gripe, mas não é o mesmo vírus daquele da vacina. Muitas pessoas confundem isso”, garante a médica veterinária.

Planejamento

Conforme Nayra, o mais demorado neste processo de produção de vacina contra Influenza é a preparação das aves. “São quase cinco meses somente de preparação das aves para iniciar a produção de ovos. Depois que começa a produzir, a sequência é rápida”, detalha. “O Ministério da Saúde faz esse planejamento de vacina com o Instituto Butantan, que solicita aos fornecedores de ovos. O planejamento é de no mínimo sete meses”, emenda.

Além disso, o maior medo dos fornecedores, que são os produtores de ovos, e do cliente, que é o Instituto Butantan, é haver uma doença sanitária capaz de impedir a entrega da produção e afetar o comprometimento na fabricação de vacinas. “Para isso, é feita uma estratégia de granjas backup para garantir o fornecimento dos ovos. Sempre se trabalha com essa segurança sanitária para garantir a entrega dos ovos”, ressalta.

Gripe

A consultora avícola expõe que para a vacina de Covid os pesquisadores não têm utilizado ovos de galinha, pois há outros métodos que são mais eficazes dependendo do tipo de cada vírus. “A vacina contra Influenza usou neste ano três cepas diferentes. Não é só H1N1, que causou mais mortalidade por sua agressividade, mas tem outras cepas na mesma vacina, que são todas destinadas para combater a gripe humana”, diz.

De acordo com ela, a imunização contra Influenza foi importante, em especial neste ano, devido à circulação do coronavírus no país. Apesar de não proteger contra a Covid-19, a imunização auxilia os profissionais da saúde na exclusão do diagnóstico da gripe, já que os sintomas são parecidos, salienta.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Menos energia e mais aminoácidos

Especialista defende tendências para redução de custos de dietas de frangos

Uma oportunidade para reduzir ainda mais os custos no Brasil, em sua opinião, é aumentar os níveis de aminoácidos, como a lisina

Publicado em

em

Divulgação

Os mais recentes estudos para formulações de dietas de frangos com custos mais baixos foram destacados pelo médico veterinário e especialista em Nutrição Vitor Hugo Brandalize em webinar promovido por uma multinacional fornecedora de genética avícola para profissionais da avicultura. A transmissão foi feita ao vivo para Peru, Bolívia, Equador, Chile, Paraguai, Venezuela, Argentina e Uruguai.

 Durante o debate, o especialista defendeu uma tendência de redução dos níveis de energia acompanhada de aumento nos níveis de aminoácidos em dietas de frangos como estratégia para redução de custos da dieta. Brandalize salienta que é importante que o nutricionista esteja atento a fatores como conversão alimentar e manejo adequado.

O especialista abriu sua apresentação destacando três fatos que ocorrem no mundo que mudam os rumos da humanidade: guerras, pandemias e revoluções. “As coisas mudam mais rápido depois desses problemas. E essa pandemia vai afetar todo o nosso negócio. Todos as pessoas (do negócio) terão efeito negativo. Mas a coisa boa é que depois disso deveremos mudar mais rápido”, pontuou. Por isso, pensa, é um momento importante para fazer mudanças rápidas na vida e nos negócios.

Brandalize mostrou que, na avicultura, os custos aumentaram enquanto o consumo e os preços reduziram. Com informações do Fundo Monetário Internacional (FMI), ele alertou que a pandemia é um choque muito grande, já que ninguém sabe sua duração e intensidade e defendeu medidas de contenção. “Por essas incertezas, é importante reduzir os custos de produção”. No entanto, sugere, o consumo de ovos e carne de frango tem um diferencial entre outras proteínas, que é o custo acessível. “O consumo de frango sempre seguirá forte”, reforçou.

Energia e Aminoácidos

O impacto da energia na nutrição foi realçado diante do aumento nos custos do milho e da soja. “Os custos dos grãos deverão se manter em níveis mais altos”, apontou o especialista lembrando que o Brasil tem um dos milhos mais baratos entre os produtores. “O Brasil tem custo médio de US$ 200 dólares por tonelada de ração. Nos Estados Unidos este valor é de US$ 228 e no México chega a US$ 252”, exemplificou destacando que, desde 2014, está produzindo dietas mais baratas e que “hoje, Brasil e Estados Unidos têm os mesmos níveis de energia nas rações”.

Uma oportunidade para reduzir ainda mais os custos no Brasil, em sua opinião, é aumentar os níveis de aminoácidos, como a lisina. No entanto, por ter mais músculos a cada ano, a ave precisa de aminoácidos. Por isso, destacou, geneticistas estão debruçados sobre a conversão alimentar. “A energia e a proteína (grãos e aminoácidos), que custam 85% da dieta, não devem voltar a patamares mais baratos. Por isso, é preciso focar nos 15% restantes, que incluem, em boa parte, o manejo dos animais. Se os frangos não têm enfermidades, estão em bom ambiente, é uma forma de economizar energia para síntese de tecidos”, defendeu.

Brandalize apontou que em aves mais jovens, a energia corporal é mais baixa. Depois, ela tende a aumentar, pois aumenta a deposição de gordura quando ele é mais velho e a gordura tem mais energia. A partir dos 25 dias, aproximadamente, ele responde melhor aos níveis de energia. Por isso, sustentou, é melhor investir em energia (grãos) quando o animal é mais velho, pois come mais e melhora a conversão alimentar. Frisou, no entanto, que há de se fazer avaliação nas dosagens, que estão cada vez menores.

“O cenário é desafiador e a tendência é formular dietas com níveis cada vez menores de energia. Estamos reduzindo energia e aumentando os aminoácidos a cada ano”, pontua.

Segundo Brandalize, o peito do frango tem em média 22% de proteína. “E o aminoácido mais importante é a lisina”, reforçou. Apresentou estudos recentes nos quais um aumento na formulação de lisina significou aumento nos custos, mas também maior ganho de peso, melhor conversão alimentar e melhora do rendimento de carcaça.

Em outro experimento sobre aminoácidos conduzido nos Estados Unidos, destacou que o ganho de peso e a conversão alimentar foram maior com aumento de aminoácidos. “É uma grande oportunidade que temos aqui”, cravou. “Quando aumentamos aminoácidos, aumentamos o rendimento de peito”, ampliou. “Aumentando aminoácidos e reduzindo a energia é um tratamento mais econômico”, sugeriu Brandalize.

Promotores de crescimento

Usar ou não promotor de crescimento é uma decisão comercial, mas as primeiras empresas pensaram em agregar valor aos produtos. “Foi marketing”, pontuou. De acordo com ele, hoje 55% dos frangos são produzidos em sistema livre de antibióticos.

Para Brandalize, uma boa saúde intestinal da ave é fundamental para economizar o consumo de energia da dieta. “Porque os promotores de crescimento são importantes? Por que os sistemas gastam muita energia. A grande concentração do sistema imune está no intestino. Quando temos desafio, há gasto de energia. É importante proteger o intestino para prevenir gasto de energia”, aponta.

De acordo com ele, uma inflamação leva a ave a reduzir o consumo de alimento e, consequentemente, seu desempenho. “Antibióticos controlam as bactérias, agem como anti-inflamatórios”, reforçou. Para ele, sanidade, matéria-prima de qualidade, bom manejo e trabalho em equipe são estratégicos para melhorar a relação de custos em dieta.

Para encerrar a webinar, o palestrante Vitor Hugo Brandalize respondeu algumas das dezenas de perguntas que foram enviadas durante a transmissão. Outras perguntas foram respondidas posteriormente aos internautas.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de junho/julho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Expansão silenciosa da avicultura

Com frigoríficos distribuídos em vários municípios do Oeste do Paraná, produtores têm opções diferenciadas para ingressar na atividade

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Atividade considerada de bom desempenho e uma alternativa de renda a eventuais quebras nas safras de grãos, milho ou soja, nas quais os agricultores dependem do fator tempo para obter resultado satisfatório, a avicultura tem atraído cada vez mais adeptos nos municípios da microrregião de Marechal Cândido Rondon, Oeste do Paraná.

Há frigoríficos de abate de frangos instalados em Marechal Rondon, Palotina, Toledo, entre outras cidades, com atividades coordenadas por empresas privadas ou cooperativas. No caso da Copagril, que em abril deste ano completou 15 anos de operação da Unidade Industrial de Aves (UIA), a planta instalada no município rondonense abate atualmente de 170 mil a 180 mil aves ao dia, contudo o plano é aumentar significativamente estes números.

Dados da cooperativa de abril apontam 208 integrados na atividade com 360 aviários em diversos municípios.

Também há produtores que fornecem aves a outras cooperativas, como C.Vale, de Palotina, Lar, com sede em Medianeira, e Copacol, sediada em Cafelândia, bem como para a empresa BRF (antiga Sadia), em Toledo.

Assim como muitos associados a estas cooperativas estão entrando na avicultura, outros investem na construção de novos aviários, ou seja, buscam aumentar o trabalho e, com isso, ampliar a produção. Isso tudo leva a uma expansão silenciosa da avicultura na região Oeste do Paraná.

Prestes a “inaugurar”

 Morador de Marechal Rondon, o engenheiro agrônomo Cristiano Buss formou parceria com seu pai, Márcio, diretor-secretário da Copagril, e nos últimos meses tem “respirado” avicultura.

Márcio possui propriedade na Linha São Marcos, interior de Mercedes, na qual trabalha desde 2005 com avicultura de corte. Lá, possui dois galpões com capacidade de alojamento de 27 mil aves cada um, além de outros três que abrigam 22,5 mil aves cada.

Com a parceria de ambos surgiu um novo núcleo no lado de cima da propriedade, com quatro aviários medindo 150×16 metros, onde cada um poderá alojar 35 mil aves. A produtividade no núcleo superior, de pai e filho, é de 270 mil aves por ciclo. Já no núcleo debaixo, exclusivo de Márcio, a estimativa é de 130 mil aves por ciclo.

Ao O Presente, Cristiano destaca que o primeiro lote de aves deve ser alojado nos quatro novos aviários na sexta-feira (31). “A média é de 45 dias de alojamento das aves entre recebimento e entrega para o abate, somando uma faixa de seis lotes ao ano. Os dois núcleos devem totalizar 1,5 milhão de aves ao ano, mas o de baixo é exclusivo do pai. Nos quatro aviários de cima, onde trabalhamos juntos, devem ser fornecidas em torno de 840 mil aves por ano”, expõe.

Eficiência

Segundo ele, a construção dos novos aviários foi possível ao acessar o plano agrícola do governo via instituição de crédito. “Temos equipamentos de última geração, o que existe de melhor no Brasil. Pensamos em ter muita qualidade em termos de fitossanidade, tanto que tem barreira fitossanitária bastante eficiente para evitarmos a entrada de algum patógeno”, salienta.

O agrônomo e avicultor comenta que o objetivo é empregar mais tecnologia e mão de obra mais qualificada, uma vez que o manejo correto é fundamental para uma conversão eficiente, resultando em frangos com média de três quilos rumo ao abate. “A Copagril hoje tem resultado bastante eficiente e remunera melhor o produtor, com média de R$ 1,20 por ave, descontando ração e insumos, que são por conta da cooperativa. Outros investimentos cabem ao avicultor, que desconta desse valor”, pontua.

Com números empolgantes, pai e filho pretendem expandir a atividade futuramente. “Nossa intenção é expandir daqui algum tempo. Temos terraplanagem praticamente pronta, mas não há prazo definido porque precisamos dar início ao trabalho nos novos aviários”, menciona.

Cristiano avalia que a avicultura é interessante aos produtores rurais. “Sabemos de muita liberação para construir aviários na região. Um dos fatores que influenciam é que o frango você produz o ano todo, então é uma segurança. Já na agricultura, que é uma atividade a céu aberto, você não tem controle sobre umidade e temperatura”, pontua.

Postura

O empresário rondonense César Rieger também considera a atividade interessante. Ele trabalha com avicultura de postura junto com o pai, Arnildo, em uma propriedade no interior do município de Pato Bragado.

Segundo Rieger, seu pai atua com avicultura de corte há cerca de 35 anos e anos atrás parou com a suinocultura e transformou os galpões em aviários.

O rondonense conta que a família – ele, seus pais e seus irmãos – possuem propriedades em três linhas bragadenses, tanto com avicultura de corte quanto postura. Um novo projeto, voltado à avicultura de corte, vem sendo realizado na Linha Itapiranga. Já os dois empreendimentos em atuação – corte e postura – estão instalados nas linhas XV de Novembro e São Francisco.

Rieger diz que há dez anos seu pai decidiu ingressar na parte de postura, com a produção de ovos férteis. Uma granja com três aviários para corte foi transformada em granja de postura, tendo somado outros três aviários mais tarde.

“Após oito anos com a BRF na área de postura, no ano de 2019 o pai e eu ampliamos a granja e entramos na Lar. O plantel hoje é de 65 mil aves na granja de postura, de onde são retirados em média 55 mil ovos ao dia que são levados ao incubatório em Santa Helena ou Itaipulândia. Fazemos a parte de processos, os barracões e colaboradores são despesas nossas. A integradora traz as galinhas e os suprimentos, como ração e medicamentos, mas a estrutura e a parte operacional são nossas. O trabalho na granja de postura é mais detalhado, exige muita qualidade e eficiência, pois o ovo é algo sensível. Temos cerca de 20 funcionários, ou seja, um custo operacional alto”, ressalta.

De acordo com o rondonense, a postura é o início da cadeia da avicultura. “Se não trabalharmos bem na produção de ovos, algo manual e delicado, lá na parte final a ave não produz o resultado esperado na conversão alimentar e em carne”, observaressalta.

O empresário e produtor comenta existir porcentagem que a cooperativa paga ao integrado sobre a produção total, retira custos e repassa margem sobre isso.

Ampliação

Conforme ele, a Lar quer expandir a produtividade na região, o que vai exigir mais integrados, aumento no número de aviários para abrigar um plantel significativo para atender a demanda.

“Na transição da BRF para a cooperativa Lar nós vimos um novo horizonte, estamos contentes, tanto que ano passado surgiu um projeto de uma nova granja de postura. Serão seis aviários com 60 x 14 metros e 65 mil aves no total, dessa vez com toda família. As obras estão na fase de terraplanagem. É interessante e rentável”, destaca César.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.