Conectado com
LINKE

Empresas

Óleo essencial da casca de laranja beneficia lavouras no Brasil

Afinidade química permite plena absorção de agroquímicos em apenas 15 minutos, sem danos à camada cerosa das plantas.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Amplamente utilizado pelas indústrias farmacêutica e de cosméticos, o óleo essencial da casca de laranja também proporciona inúmeros benefícios nas lavouras, otimizando a aplicação de agroquímicos e ajudando a elevar a produtividade.

Diferente de óleos minerais e outros subprodutos do refino do petróleo, como os siliconados, o óleo essencial da casca de laranja é naturalmente assimilado pelas plantas, sendo rapidamente absorvido por elas, sem danos à camada cerosa.

Desta forma, gera-se uma translocação rápida para os sítios de ação dos herbicidas, fungicidas, acaricidas ou fertilizantes foliares misturados à calda de pulverização, atuando, também, como um grande aliado do Manejo Integrado de Pragas (MIP).

Um estudo conduzido pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, durante dois anos, confirmou que 15 minutos após uma aplicação o glifosato foi totalmente absorvido e translocado para toda a extensão da folha e, posteriormente, a toda a planta, com destaque para as raízes, mesmo que chova após este período. Veja o comparativo na figura.

Mas não somente nos centros de pesquisa os resultados aparecem, milhares de agricultores, em todo o Brasil, já comprovam a eficácia do óleo essencial da casca de laranja. E, além de tudo isso, a substância não altera o pH da água, como pode acontecer com os adjuvantes siliconados comuns ou subprodutos à base de petróleo.

Outro diferencial importante é que a altíssima capacidade de homogeneização impede a obstrução dos filtros e bicos das pontas do pulverizador. O produtor não precisa interromper a pulverização para fazer a manutenção do equipamento, reduzindo também os custos do processo.

O óleo essencial é extraído da casca de laranja durante extração do suco, em um processo realizado sem a utilização de produtos químicos. É considerado um produto nobre nas indústrias farmacêutica, alimentícia e cosmética, devido às aplicações antibacterianas, antioxidantes, antifúngicas e inseticidas atribuídas a ele.

Isso porque, diferente do D-Limoneno, subproduto do bagaço utilizado pela indústria, principalmente, como solvente, o óleo essencial da casca de laranja utilizado nas lavouras e pastagens possui mais de 100 compostos naturais.

“Importante não confundir o óleo da casca da laranja com produtos elaborados a partir do D-limoneno, que vão possuir apenas o aroma e a cor característicos”, adverte Fernando de Pieri Prando, gerente nacional de vendas da Oro Agri, multinacional cuja filial sul-americana é estabelecida em Arapongas (PR).

Segundo ele, é a integridade de compostos a responsável pelos diferenciais desta matéria-prima. Uma curiosidade interessante, conta Prando, é que os efeitos do óleo da casca de laranja na agricultura foram descobertos por acidente.

E quem descobriu foi o próprio fundador e, hoje, CEO da Oro Agri, Erroll Pullen, em 2002. O empresário sul-africano detém a patente do óleo da casca da laranja na agricultura e pecuária. Oro Agri é um acrônimo para Orange Oil for Agriculture ou Óleo de Casca de Laranja para Agricultura, traduzido para o português.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − três =

Empresas

Casale anuncia novo CEO

Após estruturado processo de sucessão familiar, Mario Casale Neto assume o comando da empresa líder em tecnologia para pecuária no Brasil

Publicado em

em

Mario Casale Neto

A Casale, líder em máquinas para pecuária no Brasil, acaba de anunciar Mario Casale Neto como seu novo CEO. Filho de Celso Casale, atual Presidente do Conselho e responsável pelo crescimento e fortalecimento da Casale desde 1981, Mario atua na companhia desde 2011 e sua ascensão ao comando da companhia é fruto de um estruturado processo de sucessão familiar.

Mario é formado em Engenharia de Produção Mecânica pela Universidade de São Paulo e tem passagens por grandes organizações, como Eaton, HSBC e Itaú BBA, o maior corporate & investment bank da América Latina, onde entrou como trainee e foi promovido a Officer Large Corporate, trabalhando no atendimento de clientes por mais de 3 anos. Desde 2011 na Casale, Mario atuou em diversas áreas da empresa sendo que suas 2 últimas funções foram de Diretor Comercial e Marketing e Diretor de Operações. Por enquanto acumula a função de CEO e Diretor de Operações, enquanto recruta um executivo para compor o time.

“Meu pai desenvolveu um negócio sólido, calcado em inovação tecnológica, atendimento de excelência ao cliente e o posicionou como referência e sinônimo de qualidade. Tenho uma admiração enorme por ele e me sinto muito honrado em assumir a liderança executiva da empresa no seu lugar. É importante destacar que a sucessão só foi possível graças a um trabalho de anos em grande parceria com minha irmã Jaqueline, também diretora da empresa, e nosso time de gestores de altíssimo nível. Com nosso pai na presidência do Conselho trazendo sua visão estratégica e empreendedorismo, juntamente com a nossa irmã Erika e um Conselheiro externo, sentimos muita segurança em atuar para que a Casale tenha um novo salto nos próximos anos”, afirma Mario.

Passagem de bastão: processo profissional

A sucessão familiar é um processo complexo e demanda muito diálogo entre os envolvidos. Como está diretamente ligada a questões pessoais é recomendado que seja estruturada por terceiros, isentos aos quesitos familiares. A grande questão é que muitas organizações não consideram a ideia de planejamento e orientação profissional, o que traz grandes chances de ocasionar, além de danos patrimoniais, uma série de problemas emocionais e corporativos.

É importante ressaltar que a orientação profissional e o planejamento não evitam conflitos e desentendimentos, mas uma consultoria externa entenderá a fundo e de maneira apartidária quais são os desafios da organização, além de atenuar e administrar possíveis atritos, uma vez que todos os interesses são direcionados para tornar a família profissional, separando claramente os diferentes papéis que cada membro ocupa e com uma visão macro do negócio.

“Eu não queria herdeiros, queria sucessores”. É assim que Celso Casale define sua preocupação com o futuro da empresa. “Eu sempre pensei nisso, sempre. Eu trago meus filhos desde pequenos para que se acostumem com o ambiente. Também fui exigente quanto à necessidade de uma base acadêmica de excelência e experiências em grandes corporações. O trabalho aqui na Casale exigia isso e fico muito feliz que estejamos atingindo esse objetivo”, afirma.

Celso destaca ainda a preocupação em relação à parte emocional dos envolvidos na sucessão, e não apenas os trâmites legais. “Fazemos terapia há algum tempo e é nítida a nossa evolução. Acredito que nesse tipo de ação é primordial olhar para família e suas emoções, levando em conta o histórico de cada um, observando e ouvindo todos os lados, agregando conhecimento e sempre buscando o diálogo e entendimento entre as partes”, afirma.

Para ele, não foi um processo fácil, afinal são muitos anos à frente da empresa. “Falando de mim, posso dizer que foi muito difícil passar o controle da empresa, mesmo confiante e certo da decisão. Eu assumi a Casale em 1981 e estive na presidência por quase 40 anos, então o processo teve que ser aos poucos”, destaca. Durante o período do processo de sucessão familiar, Celso decidiu realizar um período sabático de 3 meses viajando com sua esposa e seus filhos ficaram responsáveis pela administração da empresa. “Acredito que isso foi fundamental e decisivo no meu processo de passagem de bastão”, enfatiza.

De acordo com Mario Casale, o processo de sucessão familiar vem sendo discutido ao longo de muitos anos. Para o executivo, foi preciso uma preparação profissional para que as coisas acontecessem como planejado. “Eu sempre soube o tamanho do desafio que viria e me preparei para isso. De maneira muito franca, sabia que ser o filho do dono não era uma prerrogativa que me sustentaria no cargo. Então fui estudar e trabalhar para me preparar”, explica.

Segundo o executivo, foi em 2015 que ele, sua irmã Jaqueline e o pai Celso, contrataram um profissional externo para apoiar na profissionalização da empresa e viabilizar o processo de sucessão familiar, projeto em conjunto com a Fundação Dom Cabral – FDC. “Profissionalizar a gestão foi a ação mais acertada, tanto para a empresa, como para a família”, avalia.

Luis Felipe Miranda, Professor Associado da Fundação Dom Cabral e um dos profissionais que ajudaram a Casale no processo, explica que o processo de sucessão familiar implica em alguns fatores, como o relacionamento pessoal-familiar, a governança e a estrutura organizacional. “Como já estamos realizando um trabalho de planejamento e de estratégias há alguns anos com a Casale, e esses fatores já são bem consolidados dentro da empresa, o processo de sucessão familiar fluiu de forma segura e tranquila”, explica.

O papel do professor, além das questões de negócios, é ser um mediador durante essa jornada, ou seja, responsável por garantir um resultado o mais profissional possível e equilibrado. “O desafio da maioria das empresas é disputa pessoal, brigas e o relacionamento familiar. Na Casale existe uma ligação de parceria e respeito muito forte entre os familiares, o que torna todo o processo menos traumático e eficaz”, completa Miranda.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Roboagro

A vez da suinocultura de precisão

Ferramentas da Suinocultura 4.0 são as principais armas do produtor para enfrentar o aumento dos insumos

Publicado em

em

Divulgação Roboagro

Ainda que desafiador, o ano de 2020 foi de crescimento para a suinocultura. Conforme projeção do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado em novembro, as exportações de carne suína devem fechar o ano com um crescimento de cerca de 49%, impulsionadas principalmente pelos embarques para a China. Em contrapartida, o custo dos insumos também sofreu acréscimos, subindo em média 14,98% em outubro e cerca de 40,69% no acumulado do ano, conforme dados da central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa (CIAS). Panorama que coloca produtores e integradores frente a um desafio: como aproveitar a crescente demanda e se manter competitivo, mesmo com a inflação dos insumos?

A resposta não é simples, mas um caminho promissor e que já vem dando ótimos resultados é a robotização dos tratos e processos relacionados a suinocultura 4.0, acelerando a modernização de granjas e integradoras. Com as novas tecnologias de robotização, gestão e inteligência artificial, aliadas a coleta de informações precisas e em tempo real de cada granja, baia e trato, o suinocultor tem o controle rigoroso de todo o processo, principalmente do consumo de ração. Um ponto crucial, já que cerca de 70% do custo de produção da carne suína está diretamente ligado a alimentação, que por se tratar de uma commodity, está vulnerável as oscilações do mercado impactando significativamente os resultados.

A robotização dos tratos, aliada a tecnologias de enriquecimento sensorial nas granjas, traz a possibilidade do criador ou da integradora ajustar a sua produção conforme as variações do mercado e dos custos dos insumos, melhorando significativamente a conversão animal e, por consequência, os resultados financeiros. O que deixa a proteína produzida no país mais competitiva frente a outros mercados, mesmo com o aumento constante no valor da ração animal.

Movimento que já começa a tomar forma na região sul, responsável por 66% da produção nacional. Somente a ROBOAGRO, empresa de Caxias do Sul-RS especializada na robotização de tratos de suínos, já conta com cerca de 500 unidades em operação na região e viu o número de pedidos dobrar em 2020. Exemplo esse, que evidencia o caminho para o qual o mercado vai se voltar nos próximos anos, com cada vez mais tecnologia inserida nas granjas (sensoriamento de consumo de água, temperatura, ventilação, sanidade, entre outros) e um controle rigoroso do arraçoamento, principal gargalo enfrentado pelos suinocultores locais. A suinocultura de precisão já é uma realidade, uma nova forma de pensar o setor e mudar o panorama da proteína produzida no Brasil, posicionando o mercado local para uma retomada com maior qualidade e competitividade no mercado internacional.

Giovani Molin – Diretor Roboagro – MBA em Gestão Empresarial pela FGV

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas

A caminho da China

Este é o resultado do trabalho de equipe e parceiros  que permitiram a Choice atingir o sucesso nessa área, especialmente em tempos de Covid-19.

Publicado em

em

Divulgação Choice

A empresa Choice Genetics tem muito orgulho em anunciar o primeiro carregamento de suínos destinados a reprodução para a China saindo da França. Depois de diversas exportações dos EUA nos últimos anos, é aberta agora uma segunda rota para atender o mercado chinês pela Choice Genetics. Graças a nossa excelente genética e elevado status sanitário, um dos principais grupos na indústria chinesa de alimentos nos reconheceu como o parceiro certo. O carregamento saiu do aeroporto de Paris-Vartry na  quinta-feira, dia 26 de novembro. Este é o resultado do trabalho de equipe e parceiros  que permitiram a Choice atingir o sucesso nessa área, especialmente em tempos de Covid-19.

Thomas de bretagne, CEO da Choice Genetics disse, “Nosso posicionamento de marca na Choice é cuidar da vida. Cuidar da vida é cuidar das pessoas enquanto alimentamos o planeta. Esse é um passo importante que confirma a Choice Genetics como um dos principais players do mundo em genética de suínos”.

Jim Shirmer, Diretor para desenvolvimento de negócios na Ásia disse: “Estamos honrados por este carregamento de sucesso. Ser uma das principais empresas de genética de suínos no mercado chinês reconhece as vantagens dos produtos e serviços da Choice Genetics. A Choice expandiu sua capacidade de multiplicação e aplicou medidas para fornecer mais suínos para a China, sem afetar as vendas previstas para 2021”.

O ano de 2020 ainda não esta finalizado: estamos preparando outro carregamento para a China. Uma próxima carga está programada para daqui 15 dias e muitas mais durante 2021.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.