Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Artigo

O “pomar sadio” da produção de carne bovina brasileira

Alguns dados evidenciam nitidamente a evolução da performance da pecuária brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito por Guilherme Cunha Malafaia, pesquisador e Coordenador do Centro de Inteligência da Carne Bovina da Embrapa Gado de Corte

A evolução da pecuária de corte brasileira esteve sempre calcada em ativos estratégicos encontrados no país (condições climáticas favoráveis, disponibilidade de terras a preços baixos, oferta abundante de mão de obra, tecnologia de produção adaptada às condições do país, entre outros), o que determinou, de certa forma, a alavancagem da competitividade deste setor produtivo. Entretanto, na última década houve um movimento crescente de deterioração desses ativos, decorrente de uma forte pressão de custos, que por sua vez deriva de um grande aumento da remuneração e da escassez do fator de produção mão-de-obra, importante valorização das terras e crescentes restrições socioambientais.

Felizmente, nas últimas décadas, o modelo de produção pecuária no Brasil mudou sensivelmente e passou a priorizar tecnologias mais intensivas em capital – as chamadas tecnologias “poupa-terra”, com melhor desempenho técnico e econômico, e que geraram significativos ganhos de produtividade. Em 1995, iniciou-se o processo de recuo no uso de terras para pastagens, dando espaço às lavouras e áreas de preservação ambiental.

Gráfico 1. Uso de Terras para Agropecuária no Brasil – 1995 a 2017

Fonte: IBGE Stat, elaborado por CiCarne

O gráfico mostra que a produção pecuária brasileira se dá predominantemente a pasto e que preservação e produção de carne não são excludentes – afirmação facilmente verificável pelo aumento significativo das matas naturais, ao mesmo passo que se verificou aumento da produtividade da pecuária.

Dentre as soluções tecnológicas “poupa-terra” capazes de diminuir os impactos ambientais causados pela atividade pecuária e disponíveis e economicamente viáveis utilizadas nesse período, destacam-se os sistemas integrados de produção, melhoramento genético de animais, manejo e recuperação de pastagens, suplementação, boas práticas de produção, produção de novilho precoce, entre outras.

Alguns dados evidenciam nitidamente a evolução da performance da pecuária brasileira. Em 1997, o Brasil possuía uma produção de 20,57 kg de carcaça bovina por hectare. Atualmente, se produz 44,17 kg, ou seja, em 20 anos mais do que se dobrou o desempenho por área. Outro indicador positivo refere-se ao rendimento de carcaça no período mencionado: em 1997 foram produzidos 20,8 kg em média para cada animal, em 2018 foram 37,4 kg – um aumento de 80%, um bom indicativo do rendimento do rebanho na produção de carne bovina e do retorno do investimento dos produtores no aumento de sua eficiência. Embora o crescimento não tenha sido constante, houve aumento significativo ao final do período de 20 anos. Outro dado relevante, a média de peso da carcaça bovina por animal abatido passou de 227,9 kg (em 1997) para 249,3 kg (em 2020) – um aumento de 21,4 kg (9,4%) por animal abatido. Em 20 anos produzimos mais carne em menos área. E podemos aumentar consideravelmente a produção de carne bovina no Brasil sem aumentar área de pastagens ou desmatar. Apenas com a utilização de tecnologias “poupa-terra”, é possível passar de 67 kg/hectare/ano para 540 kg/hectare/ano.

No que se refere ao futuro, estudo elaborado pelo Centro de Inteligência da Carne Bovina (CiCarne), em parceria com Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), aponta para uma nova realidade na produção pecuária, tecnificada, intensificada, de ciclo curto, estabelecendo padronização de carcaças e fluxo contínuo de produção para atender mercados de valor agregado, e sinaliza ser o modelo predominante da pecuária de corte nas próximas décadas.

Os sistemas de Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF) têm alta probabilidade de aumentarem mais do que o dobro de sua área atual até 2040. Seu crescimento se deve à sua lucratividade e apelo ambiental. Da forma como é organizado, é possível variar a rentabilidade da propriedade e ainda cuidar do meio ambiente. A maior profissionalização da pecuária, a evolução do mercado madeireiro e de celulose, concomitante à pressão dos consumidores pelas questões ambientais e à racionalização do uso de terra serão importantes propulsores para que este evento se materialize.

A adoção de ILPF, o melhor aporte nutricional aos bovinos e a recuperação de áreas degradadas pela pecuária no passado, auxiliarão na amenização das emissões de gases de efeito estufa pela pecuária de corte em 2040. Esta preocupação internacional com o meio ambiente ultrapassa a discussão técnica e pressiona fortemente os interesses comerciais brasileiros. O custo de aquisição, implantação e uso de tecnologias “poupa terra” dificulta a sua adoção, mas acredita-se que a maior produtividade conseguida com a intensificação da produção pecuária levará maior rapidez aos ciclos pecuários, reduzindo a emissão de gases de efeito estufa por quilo de carne produzida no Brasil e consumida aqui e cada vez mais no mundo todo.

Um outro modelo de sistema intensivo de pecuária de corte que ganhará força, principalmente no Centro-Oeste, é a integração com a cadeia produtiva de etanol de milho. O modelo fomenta a verticalização da produção primária, transformando milho em uma fonte de energia limpa, além do estímulo que os coprodutos do processo produtivo trazem à produção de proteína animal, com a oportunidade de intensificação da produção pecuária e disponibilização de novas áreas para o plantio de grãos, em um círculo virtuoso de desenvolvimento econômico e social de forma sustentável, trazendo uma nova perspectiva aos reflorestadores, com a demanda de biomassa para geração de vapor e cogeração de energia, desenvolvendo um novo “cluster” de produção nas terras marginais de baixa fertilidade.

A pecuária de corte está diante de uma grande oportunidade de crescimento nas próximas décadas, mas para que o setor consiga aproveitar esse momento, deverá superar alguns desafios importantes, como aumentar a produtividade, preservar o meio ambiente, o bem estar animal, implantar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia de produção, garantir a qualidade e segurança dos produtos finais, contribuir para a inclusão social e responder aos questionamentos dos formadores da opinião pública, minimizando preconceitos e desinformações instaladas na comunidade acadêmica e em organismos multilaterais.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − seis =

Notícias Safra de inverno

Santa Catarina amplia em 15% área plantada de trigo

Com a safra encerrada no final de janeiro, a expectativa é de que tenham sido colhidas 171 mil toneladas

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A alta nos preços estimulou o plantio de trigo em Santa Catarina. Com a safra encerrada no final de  janeiro, a  expectativa é de que tenham sido colhidas 171 mil toneladas, cultivadas em aproximadamente 58 mil hectares – um aumento de 15% na área plantada em relação ao ano anterior. A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural vem estimulando a produção de trigo nas lavouras catarinenses como alternativa para reduzir a crescente dependência de milho para ração animal.

“Embora com uma queda na produtividade, tivemos um resultado muito positivo na safra de trigo 2020/2021. Estamos estimulando a pesquisa para o desenvolvimento de novos cultivares, queremos ampliar ainda mais a área plantada com cereais de inverno em Santa Catarina. Temos áreas pouco utilizadas, com lavouras disponíveis para o plantio de trigo, triticale e cevada, por exemplo, que podem ser utilizados na fabricação de ração animal. Com isso, conseguiremos agregar mais uma fonte de renda para o produtor rural”, destaca o secretário da Agricultura, Altair Silva.

Em algumas regiões como Canoinhas e São Bento do Sul, o aumento da área plantada chega a 40%. Segundo o analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) João Rogério Alves, os bons preços praticados no início da safra levaram os produtores a investir na atividade e ampliar suas áreas de cultivo.

As estimativas são de que os catarinenses tenham colhido 171,3 mil toneladas de trigo na safra 2020/21, uma alta de 11% em relação ao ano anterior. Boa parte da produção está concentrada na região de Canoinhas e Chapecó.

Alta nos preços de trigo

A manutenção dos preços do trigo em patamares elevados se deve a vários fatores, entre eles a produção nacional insuficiente para atender a demanda, já que mais da metade do volume consumido pelo mercado brasileiro é importado. Outro aspecto relevante é o mercado internacional, com o dólar elevado e a implementação de barreiras tarifárias impostas por importantes países exportadores.

Estímulo ao plantio de grãos de inverno

Com uma cadeia produtiva de carnes em constante crescimento, Santa Catarina busca alternativas para reduzir a dependência de milho e diminuir os custos de produção. A Secretaria de Estado da Agricultura pretende reforçar o apoio para o plantio de trigo, triticale e cevada.

A Secretaria da Agricultura já desenvolve um Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno, que pretende ampliar em 120 mil hectares a área plantada com esses grãos no estado. A intenção é ocupar as áreas de cultivo também nesta estação, trazendo uma alternativa de renda para os produtores e mais competitividade para a cadeia produtiva de carnes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Pecuária

Comprador pressiona, mas baixa oferta de animais limita queda do indicador

Esse posicionamento reflete a dificuldade em vender a carne nos atuais patamares de preços

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

Neste início de março, frigoríficos seguem cautelosos para novas aquisições de animais, tentando evitar abrir preços maiores aos pecuaristas. Segundo colaboradores do Cepea, esse posicionamento reflete a dificuldade em vender a carne nos atuais patamares de preços.

No entanto, a oferta limitada de animais para abate tem diminuído a força da pressão compradora. De 24 de fevereiro a 3 de março, o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 (estado de São Paulo, à vista) permaneceu praticamente estável (-0,45%), fechando a R$ 298,15 na quarta-feira (03).

Quanto às vendas ao mercado internacional, o menor número de dias úteis em fevereiro e o ano novo chinês reduziram os embarques da carne bovina brasileira para o patamar registrado em janeiro/19. Mesmo assim, as exportações seguem acima das 100 mil toneladas mensais desde o começo de 2018, mostrando que o mercado externo continua importante para o Brasil. Em fevereiro, o Brasil exportou 102,12 mil toneladas do produto in natura, baixas de 4,85% em relação a janeiro/21 e de 7,64% em comparação a fevereiro do ano passado (dados da Secex).

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias ANTT

Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete

Tabela foi publicada na quarta-feira (03) no Diário Oficial da União

Publicado em

em

Gervásio Baptista/Agência Brasil

O transporte rodoviário de carga tem novo piso mínimo de frete. A tabela com os valores específicos foi publicada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no Diário Oficial da União de quarta-feira (03).

Conforme diz a nota técnica que antecedeu a portaria, a Lei nº 13.703/2018 determina que, quando ocorrer no mercado nacional oscilação no preço do óleo diesel superior a 10% (para mais ou para menos), uma nova norma com pisos mínimos deverá ser publicada pela agência do setor.

Essa equação considera alguns coeficientes relativos aos custos de deslocamento, de carga e de descarga. Tais custos contemplam tanto custos operacionais como mercadológicos. Entre os elementos considerados estão os de aquisição do veículo, preço do óleo diesel, pneus e salário dos motoristas. O atual reajuste não inclui o IPCA, segundo a ANTT.

A tabela apresenta os novos pisos mínimos para os mais diversos tipos de frete – diferenciados por tipo de carga, coeficiente de custo e número de eixos carregados. O cálculo apresentado na nota técnica leva em consideração o resultado de um levantamento de preços feito pela Agência Nacional do Petróleo, tendo como período observado o relativo a 22 e 27 de fevereiro, quando o valor médio do diesel S10 aumentou de R$ 3,663 para R$ 4,25.

Em termos percentuais, esse aumento equivale a 16,03%. Percentual acima dos 10% usados como espécie de gatilho para a revisão da tabela, pela agência.

Fonte: Agência Brasil
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.