Conectado com
LINKE

Suínos / Peixes Bem-estar

O passo a passo para fazer a transição de baias individuais para coletivas

De acordo com a OIE (Organização Mundial de Saúde Animal), o conceito de bem-estar animal envolve a maneira como o animal lida com o seu entorno

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O Manual de Gestação de Matrizes Suínas – boas práticas para o bem-estar na suinocultura, lançado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, traz explicações sobre o motivo para a transição, demonstra desafios e oportunidades do sistema, mostra como formar os grupos, os sistemas de alimentação, o manejo diário, entre outras situações para quem quer fazer a transição nos próximos anos.

“O bem-estar dos animais de produção está diretamente relacionado à saúde das pessoas e à sustentabilidade. Nesse sentido, o conceito de “saúde única” tem como meta mitigar a resistência antimicrobiana e garantir a efetividade nos tratamentos de doenças infecciosas tanto em humanos quanto em animais. Com a crescente pressão dos consumidores por sistemas de produção de alimentos mais sustentáveis, vem se adotando, em maior escala, práticas de produção que utilizam técnicas de bem-estar animal e de redução do uso de antimicrobianos. Isso representa um importante fator para a melhoria da produtividade, da qualidade e da inocuidade dos alimentos, contribuindo com a segurança alimentar. Entender o conceito de saúde e de bem-estar animal e aplicá-lo na racionalização do uso de antimicrobianos é fundamental para o sucesso das ações.

De acordo com a OIE (Organização Mundial de Saúde Animal), o conceito de bem-estar animal envolve a maneira como o animal lida com o seu entorno. Um animal está em boas condições de bem-estar se estiver saudável, confortável, bem alimentado, seguro, em condições de expressar suas formas de comportamentos inatos e se não estiver sofrendo dores, medo ou angústia.

“As boas condições de bem-estar exigem prevenção de enfermidades, administração e tratamentos veterinários apropriados, abrigo, alimentação, manejo e abate humanitário. O conceito de bem-estar animal, portanto, refere- -se ao estado do próprio animal. A forma de tratar o animal se designa-se com outros termos, como cuidado com os animais, criação ou tratamento humanitário. Ampliando o entendimento sobre o tema, autores como Mellor e Reid (1994) estabeleceram a definição dos cinco domínios que podem afetar o bem-estar animal: nutrição, ambiente, saúde, espaço físico e, por fim, o estado mental. Neste contexto, o projeto Welfare Quality (www.welfarequality.net) desenvolveu um protocolo para a mensuração do bem-estar animal, definindo quatro princípios para que o bem-estar dos animais seja atendido: Os animais são alimentados de forma correta? Os animais são alojados de forma adequada? O estado sanitário dos animais é adequado? O comportamento dos animais reflete um estado emocional adequado?

Esses quatro princípios são o ponto de partida de um conjunto de 12 critérios em que qualquer sistema de mensuração do bem-estar dos suínos deveria se basear, tais como: Ausência de fome prolongada; Ausência de sede prolongada; Conforto em relação a área de descanso; Conforto térmico nas instalações; Facilidade de movimento; Ausência de lesões; Ausência de doenças; Ausência de dor causada por práticas de manejo (corte de cauda, desgaste de dentes); Expressão de comportamento social adequado, de forma que exista um equilíbrio entre os aspectos negativos (como agressividade) e positivos; Expressão adequada de outros comportamentos, de forma que exista um equilíbrio entre os aspectos negativos (como estereotipias) e positivos; Interação adequada entre os animais e seus tratadores, de forma que os animais não manifestem medo em relação às pessoas que os manejam; Ausência de medo”, introduz o material.

Gestação coletiva

De acordo com o documento, de 2018, “a gestação coletiva de matrizes suínas é o tema relacionado ao bem-estar mais debatido nos diferentes públicos que gravitam ao redor da produção desta espécie, desde produtores, agroindústrias, redes de varejo e de fast food, até o público consumidor. A razão do intenso debate deve-se, por um lado, ao impacto econômico acarretado pela mudança do sistema tradicional de produção em celas individuais para o modelo coletivo e, por outro, à degradação do bem-estar dos animais no sistema de produção convencional. A manutenção de fêmeas gestantes em celas individuais na condição de extremo confinamento não condiz com nenhum padrão ético nem científico de bem-estar animal. Isso porque submete os animais a condições que limitam movimentos e comportamentos fisiológicos inerentes da espécie, como o ato de deitar e levantar, a exploração do ambiente, a escolha voluntária de locais para defecar e urinar, e também a interação adequada com seus pares. A transição do sistema de gestação individual para a coletiva é uma demanda de mercado inadiável, com a qual o setor produtivo precisa se ajustar em favor da sobrevida de seu negócio. E ainda que se trate de uma mudança sem volta, ela representa uma oportunidade para a suinocultura brasileira demonstrar seu dinamismo frente a este novo desafio por meio de uma adesão rápida ao novo sistema, mantendo a competitividade da carne suína no mercado global”.

Boas práticas

“A adoção de boas práticas na suinocultura assegura a oferta de alimentos mais seguros para os consumidores e torna os sistemas de produção mais rentáveis e competitivos. Com base no avanço dos conhecimentos sobre fisiologia, etologia e produção suína, podemos estabelecer um comparativo entre os sistemas de produção em celas individuais e em baias coletivas”, diz o documento. Veja figura 1.

Mais vantagens

De acordo com a publicação, além de melhorar o bem-estar dos animais, o manejo das fêmeas suínas pelo sistema de gestação coletiva proporciona vantagens em produtividade e uma maior segurança para o trabalhador. “O Código Canadense de Boas Práticas enumerou uma série de pontos relacionados aos sistemas de alojamento na fase de gestação que devem ser considerados pelos técnicos e produtores do segmento (NFACC, 2014): É possível obter produtividade e saúde igual ou superior no alojamento coletivo; Os grupos estáticos são melhores que os dinâmicos em termos de bem-estar animal; O exercício físico durante a gestação melhora o desempenho das fêmeas no parto; No intervalo desmame cio, as fêmeas podem ser mantidas em celas ou em baias. Mas o estresse relacionado ao desmame, secagem do leite e entrada em estro associado a agressões do reagrupamento pode se tornar um desafio e afetar negativamente o bem-estar se essa fase não for bem manejada; As agressões entre as fêmeas de um mesmo grupo não podem ser eliminadas completamente, mas é possível proteger os indivíduos vulneráveis (nulíparas e primíparas); Leitoas que são reagrupadas três a quatro vezes antes do quinto mês de idade expressam menos agressividade que leitoas sem experiência prévia de reagrupamento”, cita.

Gráfico 1: redução significativa de estereotipias ao longo do tempo de gestação, segundo o tipo de alojamento. As estereotipias são comportamentos anormais ligados ao estresse crônico, e são indicativo importante, pois impactam a reprodução e a saúde dos animais.

Tendência global do mercado

“A mudança do manejo da gestação individual para um sistema de alojamento coletivo tem sido exigida em muitos países por meio de normativas de proteção e de bem-estar dos animais. Este sistema produtivo tornou-se uma premissa para a produção de suínos, tendo-se estabelecido datas limites para a conversão das unidades antigas, além da proibição da construção de novas granjas que utilizam o sistema de alojamento individual. A União Europeia está na vanguarda destas mudanças. Por meio da Diretiva 2008/120/CE, desde 2013 todas as matrizes suínas devem ser alojadas coletivamente.

Essa normativa é o marco mais importante na transição de sistemas de alojamento. Seguem essa tendência países como Canadá e Nova Zelândia, além de muitos Estados americanos. Há que se esclarecer, entretanto, que em alguns locais, o banimento das celas de gestação não compreende todo o período da gestação. Nesses locais, a normativa vigente prevê que parte do período gestacional ocorra em celas individualizadas. A normativa da União Europeia, por exemplo, permite que as fêmeas sejam alojadas em celas individuais até o 28º dia da gestação e nos últimos sete dias (ver figura 6)”.

Granjas novas e adaptadas

De acordo com o MAPA, diante da necessidade de se adotar o sistema de alojamento coletivo, o produtor terá duas opções: adaptar as unidades ainda em operação ou construir novas unidades a partir de um projeto integralmente concebido para esse sistema produtivo. Essa decisão deverá ser tomada de acordo com critérios como: vida útil da granja atual e amortização do investimento já realizado, prazo de conversão determinado pelo mercado, produção esperada e o custo de um projeto totalmente novo diante do tempo de amortização. Vale considerar que, embora o investimento em um projeto novo seja maior em comparação com a adaptação de uma unidade, os custos se diluem ao longo do período de amortização da granja, que gira em torno de 20 anos. No caso de se decidir por adaptar granjas em atividade, é preciso remover as celas ou deixá-las abertas, permitindo que as matrizes entrem e saiam quando desejarem. Também é necessário recalcular a produção a partir da área recomendada por matriz, adaptar os pisos e o sistema de escoamento dos dejetos e criar corredores de manejo. Nesta condição, ocorre redução do inventário, mas os impactos na produtividade durante a fase de transição podem ser reduzidos dependendo da capacidade técnica e de gestão da unidade. No contexto brasileiro, a dúvida incide sobre o custo da transição caso mantido o mesmo inventário”.

Superfície livre

“Independentemente de a granja ser nova ou adaptada, a superfície instalada de piso livre por matriz no sistema coletivo é a mesma. A legislação europeia recomenda 1,64 m2 por leitoa pós cobertura e 2,25 m2 para porcas gestantes. Estes valores, entretanto, podem variar em 10% para mais ou para menos de acordo com o tamanho do grupo (ver tabela 1). A superfície livre é a área disponibilizada ao animal sem obstáculos e que permite o seu movimento (levantar-se, deitar-se e descansar). Os espaços ocupados por comedouros, bebedouros e corredores de manejo, por exemplo, não devem ser contabilizados como superfície livre (ver figuras 7 e 8)”.

“No desenho do espaço livre deve-se considerar uma área coletiva maior e áreas de fuga menores, que auxiliam na dinâmica de interação dos animais e reduz brigas, principalmente quando há quebra da hierarquia social e disputa por ração e água. Na área maior acontecem as atividades principais, como alimentação e defecação. Já as baias menores são usadas para o descanso ou para a fuga. As baias menores também contribuem para a formação de subgrupos sociais entre as porcas que se mantêm próximas por afinidade”, sugere o MAPA.

Piso

“A recomendação da Diretiva Europeia é de uso de pisos ripados com no mínimo 80 mm de largura das vigas (ripas) e 20 mm máximo das aberturas de drenagem. Tal requisito é válido tanto para porcas como para leitoas no período de gestação. Vale pontuar que produtores brasileiros e norte-americanos obtiveram bons resultados em termos de drenagem de dejetos e de limpeza dos animais utilizando pisos de 150 mm de largura de vigas com até 27 mm de aberturas de drenagem. De qualquer maneira, para obter bons resultados técnicos e de conforto para os animais não basta apenas um bom projeto dos pisos, mas também garantir a qualidade fabril e a resistência dos ripados. Na prática, os mesmos não podem ter arestas cortantes e desníveis. Devem ter aberturas uniformes, que facilitam a caminhada dos animais e o desgaste uniforme dos cascos, além de evitar com que as unhas fiquem presas”.

Climatização

Ainda de acordo com o MAPA, o investimento em climatização é outro ponto que merece ser analisado, tanto nos projetos de adaptação como nas unidades novas. “O conforto térmico proporciona um aumento do bem-estar dos animais e também dos funcionários, resultando em uma melhora na produção. Para o clima brasileiro, o uso de sistema de ventilação por pressão negativa torna-se uma boa alternativa visando à manutenção da zona de conforto térmico das fêmeas. Buscar entender o comportamento dos animais dentro das instalações é fundamental na avaliação de conforto térmico: matrizes ofegantes apresentam estresse oriundo do calor, matrizes com pelos arrepiados ou amontoadas demonstram estresse por frio. Em ambos os casos, é fundamental realizar medidas corretivas para melhorar o bem-estar dos animais.

Alimentação das matrizes na fase de gestação

“As matrizes de linhas genéticas selecionadas para produzir maior rendimento de carne e menor deposição de gordura necessitam de controle individual do consumo de ração para evitar a obesidade. O que é um controle relativamente fácil em alojamento individual, torna-se um desafio no alojamento coletivo em decorrência da competição pelo alimento – dependendo do sistema de alimentação este desafio será maior ou menor. A Diretiva 2008/120 orienta que as fêmeas gestantes recebam uma quantidade suficiente de alimentos volumosos ou ricos em fibras voltadas para amenizar a sensação de fome e suprir a necessidade de mastigação.

“O alto teor de fibra alimentar na dieta aumenta o tempo de ingestão e a saciedade, proporcionando uma redução na frequência das estereotipias, conforme resultados descritos por Ramonet et al (1999) e Bernardino et al (2016). Com este propósito, a Alemanha exige e especifica que o conteúdo de fibra na matéria seca seja de pelo menos 8%, garantindo que a fêmea ingira um mínimo de 200 gramas de fibra diariamente. Nas condições em que se utilizam materiais comestíveis e de qualidade superior como enriquecimento, a exemplo da palha e do feno, as quantidades ingeridas podem cumprir a função de componente fibroso da dieta, pois apoiam tanto na redução da saciedade, quanto no comportamento inato da espécie de exploração pela busca pelo alimento. Nesses casos, recomenda-se a disponibilização para cada matriz de um mínimo de 100 gramas de fibra por dia”, orienta o documento do MAPA.

Tipos de grupos de fêmeas no alojamento coletivo

“Os modelos de alojamento em grupo para fêmeas suínas gestantes recebem duas classificações baseadas no manejo: os estáticos e os dinâmicos.

Sistemas estáticos

“Os grupos estáticos são aqueles formados por fêmeas de mesma idade gestacional e mantidos sem a incorporação de novas matrizes durante todo o período de gestação (ver figura 11). Neste sistema, é possível adotar o manejo “todos dentro/todos fora”, em que todos os animais entram e saem ao mesmo tempo da baia alojada. Para estabelecer os grupos, é recomendável formar unidades pequenas e homogêneas, de no máximo 20 indivíduos, considerando a fase de gestação, a idade e a condição corporal das matrizes. Neste modelo, só se excluem os animais que abortam ou que, por problemas de saúde, precisam ser removidos para as baias enfermaria. Este tipo de manejo apresenta uma menor incidência de lesões, conforme descrito por Li e Gonyou (2013)”.

Sistemas dinâmicos

Os grupos dinâmicos são aqueles formados por matrizes em diferentes períodos gestacionais e que permitem a introdução e a saída dos animais para proporcionar aproveitamento máximo do lote. O sistema possibilita a formação de grupos maiores, de até 240 indivíduos, mas requer a adoção de equipamentos de alimentação eletrônica. O inconveniente deste sistema é a constante alteração do quadro hierárquico entre os animais, pelo que o controle da agressividade torna-se um desafio, conforme demonstrado na tabela 2. Para reduzir as interações negativas neste sistema, recomenda-se que a introdução de novos indivíduos seja realizada em grupos de, no mínimo, três animais (ver figura 12).

Sistemas de alojamento coletivo mais adotados no Brasil – sistemas tradicionais

“O modelo tradicional de gestação coletiva é composto por baias com um número reduzido de animais, formado por grupos estáticos e com fornecimento de ração de forma manual ou automática. Nesta situação, a ração é oferecida em quantidades iguais para todas as fêmeas do grupo, porém a ingestão varia segundo a hierarquia dos animais. Este modelo não é novidade para a suinocultura brasileira, pois é utilizado há várias décadas pelos produtores. O principal desafio neste modelo é a manutenção do escore corporal adequado dos animais e a gestão do desperdício de alimento”, diz o MAPA.

“Neste sistema de arraçoamento no chão, é importante haver uma distribuição uniforme dos drops de alimentos, que devem estar dispostos na área compacta. Isso permite um melhor aproveitamento da ração e reduz as disputas entre os animais. Os bebedouros devem ser alocados na área ripada, uma vez que as matrizes tentem a defecar nas áreas mais úmida da baia.

Sistema em minibox

“Neste sistema, a ração é fornecida em comedouros lineares com divisórias individuais ou diretamente no piso, por meio da utilização de drops. As divisórias individuais são metálicas e reduzem as disputas no momento do arraçoamento, tornando mais uniforme a alimentação entre os indivíduos”, entende o MAPA.

Para cada matriz, é necessário assegurar que exista um miniboxe de 45 a 50 cm de largura, com a altura da espalda do animal (ver figura 17). Essas dimensões impedem que duas fêmeas entrem juntas no boxe ou desloquem a outra durante a alimentação. O sistema possibilita melhor controle do escore corporal, porém deve ser manejado em grupos estáticos e pequenos de animais, permitindo a manutenção constante da hierarquia. No sistema de minibox é fundamental separar as fêmeas por tamanho, mantendo nulíparas e primíparas em grupos distintos. Uma das principais vantagens deste sistema é a facilidade de manejo dos animais nas baias”.

Sistemas com alimentação eletrônica

“Conhecido como ESF (do inglês electronic sow feeding), ou estação com controle eletrônico de alimentação, este sistema dispõe de um chip eletrônico aplicado na orelha do animal. Este chip é lido pelo sensor presente na entrada da estação de alimentação, que assim fornece uma quantidade de ração determinada pelo operador do sistema integrado da granja e ajustada à necessidade de cada matriz. No sistema ESF, trabalha-se com a curva de alimentação individual. Isso significa que as matrizes receberão uma dieta específica de acordo com o período da gestação, o estado corporal do animal e o ciclo de parição. O controle alimentar resulta em maior uniformidade da leitegada e em redução dos desperdícios com ração. Este modelo é voltado para uma produção em maior escala, pois permite a formação de grupos maiores em sistema dinâmico, otimizando a capacidade da instalação e reduzindo espaços ociosos.

O principal desafio neste sistema é o treinamento dos animais para a alimentação através das máquinas. É importante atentar-se à recomendação do fabricante a respeito do número de fêmeas por cada estação de alimentação, uma vez que a disputa na entrada do comedouro culmina em agressões no momento de maior busca por comida”, diz o MAPA.

“Um outro modelo já disponível no mercado, entretanto, simplifica o treinamento dos animais, sem impactar na precisão da alimentação individual. Na estação eletrônica de livre acesso, a alimentação também é controlada a partir das informações do chip aplicado na orelha da matriz, mas o treinamento do animal resume-se à sua saída da gaiola.

Treinamento de leitoas

“Nos sistemas ESF é necessário realizar o treinamento das leitoas para que elas aprendam a entrar na máquina para se alimentar (ver figura 25 e 26). Portanto, o treinamento das leitoas é uma etapa essencial para garantir o sucesso na implantação do sistema. Esse treinamento costuma ser dividido em três fases:

  • Fase 1 (duração de 1-2 semanas)

Com a máquina desligada, estimula-se a passagem das matrizes uma ou duas vezes ao dia para que elas aprendem a se alimentar dentro do equipamento. Nesta etapa, os animais perdem o medo do equipamento e associam a informação de que há comida dentro dele.

  • Fase 2 (duração de 1-2 semanas)

Com uma parte das funções da máquina acionada, estimula-se a passagem das leitoas uma ou duas vezes ao dia para que elas acostumem a se alimentar desta forma.

  • Fase 3 (duração de 2-3 semanas)

Com todas as funções do equipamento ligadas, assegura-se que as leitoas tenham se adaptado plenamente à máquina.

“Nas fases 1 e 2 é fundamental que o manejador auxilie e estimule a condução das leitoas através da máquina por meio de incentivos positivos, permitindo que elas percam o medo do equipamento e das pessoas que trabalham no processo de condução e verificação dos animais. Para o sucesso do treinamento, recomenda-se a disponibilidade de uma equipe direcionada para este fim, na proporção de um colaborador para um plantel de 2000 matrizes”.

Enriquecimento ambiental na gestação coletiva

“O enriquecimento ambiental tem como objetivo atender à necessidade de explorar dos suínos – um comportamento natural da espécie. Este é um importante requerimento para o bem-estar de animais criados em sistemas confinados tradicionais. Essa prática reduz interações negativas, como agressões e mordedura de vulva, diminui as estereotipias, aumenta os comportamentos positivos e, assim, melhora a qualidade de vida dos animais. O enriquecimento ambiental ajuda a manter as fêmeas “dominantes” mais ocupadas e diminui o assédio entre as colegas de grupo.

A Diretiva 2008/120/CE da União Europeia traz orientações a respeito do uso de materiais de enriquecimento ambiental recomendados para suínos de todas as idades. Os materiais indicados são palha, feno, madeira, serragem, compostos de champignon, turfa ou uma mescla de todos. Para haver uma expansão no uso dos materiais de enriquecimento ambiental para suínos de diferentes idades, é necessário encontrar soluções econômicas, funcionais e sanitariamente adequadas. Caso a granja tenha dificuldade de implantar o uso dos materiais considerados ideais, alternativas devem ser buscadas. As características ideais dos materiais de enriquecimento ambiental são: mascáveis, comestíveis, investigáveis e manipuláveis. Entre os materiais que também podem ser utilizados estão as cordas de sisal ou de algodão, madeiras penduradas, maravalha, casca de arroz e cana de açúcar”.

Formação dos grupos

De acordo com o Manual do Mapa, o momento para a formação dos grupos de matrizes gestantes em relação ao ciclo produtivo, ou seja, a transferência das fêmeas das celas individuais para as baias coletivas, deve ocorrer fora da fase mais crítica para a sobrevivência do embrião, que é entre o sétimo e o vigésimo quarto dia de gestação. “Durante este período, o risco de perdas reprodutivas, como reabsorção e abortos, é muito alto (Souza, 2009). Consequentemente, devemos transferir as fêmeas antes ou depois dessa fase crítica.

Transferência pré-implantação (cobre e solta)

“As legislações do Reino Unido e da Suécia determinam a manutenção das fêmeas em grupos durante todo o período de gestação, o que apresenta vantagens e desvantagens. Nestas situações, as matrizes são transferidas para as baias de gestação logo após a última inseminação – um sistema conhecido como cobre e solta. Para o sucesso deste modelo, as fêmeas devem ser soltas, no máximo, dois dias após o fim da inseminação para que as brigas oriundas do processo de formação de hierarquia aconteçam antes da implantação do embrião”.

Vantagem do sistema cobre e solta

“Estabelecimento precoce do quadro hierárquico do grupo, mantendo-se mais estável ao longo da gestação; Menos riscos de reabsorções embrionárias por estresse, uma vez que as brigas ocorrem nos primeiros cinco dias da formação do grupo. Neste período, o embrião não sofre influência dos hormônios maternos; Eliminação total do sistema de celas na fase gestacional”.

Desvantagem do sistema cobre e solta

“Necessidade de mais espaço; Menor controle sobre o estado corporal; Maior suscetibilidade a erros de agrupamento”.

Principais falhas observadas nos sistemas coletivos

De acordo com o MAPA, algumas falhas de manejo e estrutura podem comprometer os resultados produtivos e de bem-estar esperados com o alojamento coletivo. “O simples fato de as matrizes estarem livres em uma baia não garante a elas, necessariamente, condições melhores do que no alojamento individual. A seguir destacamos pontos que devem ser considerados para evitar falhas no alojamento coletivo: Falta ou má qualidade de treinamento das leitoas nos sistemas de alimentação eletrônicos; Falta de checagem e atendimento individualizado das fêmeas que não estão consumindo ração; Falta de inspeção diária dos grupos e tomada de ações corretivas com os animais que apresentam problemas; Falta de manutenção dos equipamentos eletrônicos; Densidade inadequada das baias de alojamento (superlotação); Grupos de gestantes desuniformes em tamanho, ordem de parto e condição corporal; Falta de um número suficiente de baias hospital para alocar as fêmeas que apresentam problemas e que não podem permanecer nas baias coletivas; Desenho inadequado das baias, que dificulta a formação de hierarquia e definição de zonas de alimentação, defecação e descanso; Pisos de má qualidade ou com necessidade de manutenção; Falha na detecção de retorno ao estro, resultando na identificação tardia de porcas vazias; Falha na manutenção da saúde dos cascos dos animais”, orienta o Manual.

Aspectos comportamentais que afetam os resultados

Ainda segundo o Manual do MAPA, “o ponto chave para o sucesso do manejo coletivo está em compreender o comportamento normal das matrizes e saber como fornecer as condições apropriadas para os animais manifestarem um comportamento adequado, culminando em boas condições de bem-estar e, consequentemente, na expressão de todo seu potencial produtivo. “É essencial compreender os aspectos a seguir e tomar as medidas necessárias para evitar perdas em decorrência de manejos que não respeitam o comportamento natural dos suínos: Na natureza, as matrizes permanecem em grupos pequenos de seis a oito indivíduos, juntamente com suas leitegadas mais jovens. Os cachaços sexualmente ativos não ficam juntos, mas se aproximam quando as fêmeas apresentam cio. Os suínos são animais gregários, ou seja, fazem praticamente tudo juntos: exploram o ambiente à procura de alimento, descansam, dormem e comem em grupo. Existem animais definidos como líderes e animais dominantes. Animais líderes são aqueles que iniciam a busca por um recurso. Os dominantes são os que iniciam a disputa pelo recurso. Ao agrupar animais que não se conhecem, eles disputam a liderança entre si. Por até cinco dias ocorrem brigas para a definição da hierarquia, sendo as mais intensas nas primeiras 72 horas. A intensidade das disputas se reduz na medida em que o grupo estabelece o quadro hierárquico. Em ambientes confinados, quando o alimento é fornecido de forma restrita e consumido em poucos minutos, as porcas não têm sua fome saciada, o que pode exacerbar os episódios de agressividade. É necessário formar os grupos de gestantes por tamanho e ordem de parto para evitar que as fêmeas menores e submissas sofram agressões. Não se deve introduzir um número inferior a três porcas nos grupos de gestantes já formados. É preciso alimentar as matrizes antes de reagrupá-las, pois as disputas pelo alimento serão mais intensas ao se alimentar matrizes famintas em grupos recém-formados. Como medida para reduzir a agressividade, é possível aumentar a quantidade de ração fornecida nos primeiros dois ou três dias após reagrupamento. O estabelecimento de grupos estáticos é sempre preferível quando se prima pelo bem-estar dos animais. As fêmeas devem ter a possibilidade de escaparem das agressões por meio da instalação de anteparos (zonas de fuga). A adoção de sistemas de alimentação que promovam menos competição, como o ESF ou minibox, traz benefícios de ordem produtiva, econômica e de bem-estar, além facilitar o manejo alimentar. A oferta de bons materiais de enriquecimento ambiental aprimora o conjunto de ações necessárias para atingir um bom status de bem-estar. Independente do sistema adotado, uma equipe treinada e capacitada é fundamental para o bom manejo e resultado zootécnico da granja”, são orientações do MAPA.

Checagem diária e manejo das baias hospital

“A rotina diária do setor de gestação deve prever a checagem individual da saúde e do bem-estar das leitoas, matrizes e cachaços, além da pronta tomada de decisão a respeito dos animais que apresentam problemas. A inspeção diária dos animais é um fator crítico para o sucesso do sistema de gestação coletiva, reduzindo o número de perdas recorrentes do mau manejo. No desenho da granja deve-se considerar o tempo gasto diariamente pelo operador para este fim, sendo estimado em torno de três segundos por fêmea alojada. A avaliação precisa ser realizada por um tratador experiente, observando os aspectos comportamentais. Entre os pontos de atenção, estão aspectos como o consumo adequado de ração e água, se os animais caminham naturalmente, se apresentam lesões ou escoriações, se há a presença de abortos, entre outros”.

Baias hospital

“Os problemas mais frequentes que exigem a transferência para as baias hospital são: condições corporais inadequadas (fêmeas muito magras), claudicações, doenças como diarreia aguda, problemas respiratórios graves, mordidas de vulva, lesões de pele e escoriações por brigas. As baias hospital devem oferecer melhores condições de conforto que as baias comuns. Recomenda-se que sejam pequenas, representando um volume de até 5% do inventário de matrizes. Elas devem estar próximas das baias comuns, com baixa lotação de animais com problemas equivalentes e ter bebedouros e comedouros bem acessíveis e funcionais. Quando as matrizes apresentam problemas de claudicação, as baias devem obrigatoriamente conter cama”.

Escolha do sistema de alojamento

“Na hora de escolher o sistema de alojamento que melhor adapte-se à realidade da granja, devem ser consideradas muitas variáveis de ordem prática, estruturais e econômicas. Esta análise pode ser feita tanto para a adaptação, quanto para a construção de uma nova unidade. Vários fatores devem ser considerados na construção das instalações, entre eles: recursos financeiros, o tamanho do grupo a ser alojado, o tipo de arraçoamento, a disponibilidade de mão-de-obra, a definição do layout das baias (projeto com áreas de fuga para a formação de grupo menores, baias maiores retangulares ou quadradas), a presença de material de enriquecimento e o sistema de tratamento de dejetos para facilitar a limpeza e qualidade do ar no ambiente.

As informações apresentadas na tabela 3 a seguir podem auxiliar nesta reflexão. Para ilustrar, imagine uma pequena unidade de produção. Baseie sua escolha em uma maior disponibilidade de mão-de-obra em proporção ao número de matrizes alojadas. Para uma grande unidade produtiva, avalie opções automatizadas”.

Considerações finais

Em suas considerações finais, o Manual do MAPA sugere: “A competitividade no agronegócio passa obrigatoriamente pelo alinhamento entre a atuação das cadeias produtivas e a visão do consumidor. No segmento da proteína animal, o conhecimento e a aplicação das boas práticas resultam na harmonia entre uma produção ética de carne suína e os anseios de uma sociedade que prima pela qualidade de vida dos animais. A difusão de boas práticas relacionadas à gestação coletiva de matrizes suínas e a capacitação de trabalhadores das unidades produtivas, dos técnicos que atuam no segmento, dos produtores de suínos e dos demais agentes da cadeia sobre tais práticas são fundamentais para garantir uma produção mais ética. Diante de tantas opções, uma análise criteriosa de investimento e dos resultados esperados deve ser feita antes de se decidir pelo modelo mais adequado de produção em gestão coletiva de matrizes suínas.

O produtor deve entender e respeitar o comportamento do animal para obter sucesso no manejo do sistema, evitando assim ser penalizado por dificuldades inerentes ao comportamento gregário da espécie. No desenvolvimento dos projetos, sejam eles novos ou de adaptação, é preciso ir a fundo nos detalhes construtivos. Uma mão-de-obra treinada e qualificada faz toda a diferença para a funcionalidade do sistema. As falhas mais comuns são aquelas relacionadas à falta de treinamento adequado da equipe ou à inadequação do número de pessoas para trabalhar no sistema. Trocar informações e experiências com produtores que já realizaram a transição é uma prática altamente recomendável para evitar falhas previsíveis e tornar o processo mais efetivo”, pontua o Manual. As referências bibliográficas podem ser consultadas no Manual de Gestação de Matrizes Suínas – boas práticas para o bem-estar na suinocultura.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de fevereiro/março de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =

Suínos / Peixes Suinocultura

ABCS lança campanha “Carne de porco: bom de preço, bom de prato”

Campanha conta com selo e jingle, além de amplo material publicitário que terá como foco o aumento do consumo da carne suína pelo brasileiro

Publicado em

em

Divulgação

De forma inédita, a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) lançou nesta sexta-feira (09) uma campanha nacional para a promoção de carne suína junto aos pequenos e médios varejistas. A campanha é intitulada “Carne de porco: bom de preço, bom de prato”. O trabalho foi pensado em consonância com os desafios econômicos enfrentados pelos brasileiros nos últimos anos, que fizeram com que as práticas de consumo e hábitos alimentares fossem repensadas.

De acordo com a diretora de Marketing e Projetos da ABCS, Lívia Machado, a carne suína tem conquistado mais espaço na mesa dos consumidores brasileiros, especialmente agora com o aumento expressivo da carne bovina. “O brasileiro tem a tradição de comer carne bovina porque ela sempre foi a proteína mais barata. Agora, com este aumento que vemos que vem acontecendo, nós podemos aproveitar o momento em que o preço é algo essencial para o brasileiro, mostrando uma alternativa de proteína para consumir”, conta.

Segundo dados mostrados pela diretora, enquanto no mundo outros países consomem 45 quilos per capita de carne suína (43%) o Brasil consome apenas 17 quilos per capita (15%). “Então nós precisamos trabalhar muito para mudar isso. Dessa forma, baseado nisso tudo, lançamos essa campanha inédita da ABCS e do FNDS (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura) para alcançar o pequeno e o médio varejo”, diz.

Como a ABCS já conta com diversas outras campanhas com parceria com grandes parceiros do varejo, como Grupo BIG e o GPA, esta visa exclusivamente os pequenos varejos. Além disso, a parceria é para que associações estaduais e demais parceiros também sejam adeptos dessa nova campanha para incentivar o consumo da carne suína.

Lívia explica que a escolha em colocar “carne de porco” ao invés de “carne suína” é que, segundo uma pesquisa realizada, a maioria dos brasileiros conhecem a proteína como carne de porco. “Queremos dessa forma aproximar a campanha ainda mais do consumidor”, informa.

Selo e jingle

Para complementar a campanha que está sendo lançada, foi criado um selo e um jingle, além de um amplo material publicitário para ser divulgado nos comércios e redes sociais. A campanha irá atuar em diversas frentes midiáticas como PDV, redes sociais e diversas mídias digitais com uma linguagem visual e popular em conjunto com textos leves e informativos, que irão instigar a alternativa suína como melhor opção para qualquer hora.

Os pilares dessa comunicação são quatro frentes de conteúdo: economia, comparativos de cortes, bom humor e um foco especial em churrasco. Além disso, a campanha vem assinada por um selo de qualidade que acompanha todas as peças. Todo o Sistema ABCS, associações regionais, estaduais e contribuintes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (FNDS), estarão unidos e engajados.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Mercado

Produção de suínos e frangos deve manter estabilidade no mercado interno de carnes

Índice tende a superar quantidade registrada em 2020, quando país teve 14,68 milhões de toneladas de frangos e 4,25 milhões de toneladas de suínos produzidos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A quantidade de carnes disponível no mercado interno permanece dentro de uma estabilidade, apesar das variações existentes. De acordo com o quadro de suprimentos do produto, atualizado na quarta-feira (07) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de suínos e aves apresentou crescimento nos últimos anos, garantindo o abastecimento. Para 2021, a estimativa é de um novo recorde na produção de frangos e suínos, chegando a 14,76 milhões de toneladas e 4,35 milhões de toneladas, respectivamente. O índice tende a superar a quantidade registrada em 2020, quando o país teve 14,68 milhões de toneladas de frangos e 4,25 milhões de toneladas de suínos produzidos.

Esses aumentos compensam a ligeira redução verificada para bovinos, com uma produção esperada próxima a 8,31 milhões de toneladas neste ano, volume pouco abaixo do consolidado em 2020. Com isso, a disponibilidade interna total de carnes, somando aves, suínos e bovinos se manteve estável em 2020, na comparação com o ano anterior. Tendência que deve se repetir em 2021, uma vez que a expectativa aponte para uma leve redução no volume total ofertado, em torno de 1%.

No caso da avicultura de corte, a distribuição per capita do alimento tende a manter a estabilidade, atingindo os patamares mais elevados desde o início da série histórica, iniciada em 1996. Se em 2020 o índice esteve em 49,9 quilos por habitante por ano, em 2021 a estimativa está em 49,7 quilos. A ligeira queda é explicada pela expectativa de aumento tanto das exportações como da população brasileira. Só as vendas para o mercado externo devem chegar a 4,15 milhões de toneladas neste ano, podendo superar o volume embarcado do produto em 2020, quando foram destinados 4,12 milhões de toneladas ao exterior.

Para a carne suína, a disponibilidade interna se mantém acima de 15 quilos por habitante no ano. O resultado é atingido mesmo com o aumento de 34,7% nas exportações em 2020, superando 1 milhão de toneladas. Para este ano, a tendência é que as vendas para o exterior se mantenham em patamares elevados, sendo a China o principal consumidor.

Já o setor de carnes bovinas registra aumento significativo nas exportações nos últimos anos. Se compararmos o volume comercializado para fora do país em 2017 com o registrado em 2020, há um aumento de aproximadamente 37%, o que representa 723,7 mil toneladas a mais embarcadas. “Se analisarmos os dados a partir de 2015, percebe-se tendência de crescimento nas exportações e manutenção na oferta interna até o ano de 2018. A partir de 2019, a taxa de disponibilidade interna vem apresentando ligeiras reduções, muito em função dos abates de matrizes em anos recentes”, explica o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Sergio De Zen.

“Entre outros fatores que explicam essa diminuição, vale lembrar que, em meados de 2018, a China, maior consumidor de carnes no mundo, e responsável por praticamente metade do consumo de carne suína, registrou um surto de peste africana, que desequilibrou a oferta e demanda internacional do produto, gerando pressão em vários mercados”, ressalta De Zen.

“Devido ao curto ciclo de produção, as aves respondem mais rapidamente às flutuações de mercado. Já o processo de produção de carne suína e bovina tende a ter um tempo maior de adaptação, influenciando em nosso mercado. Além desse tempo necessário de ajuste entre oferta e demanda, com maiores quantidades exportadas, observa-se que outros importantes países, como Argentina, Austrália e a União Europeia, têm apresentado uma diminuição no consumo de carne bovina”, explica.

Os números da Companhia acompanham o cenário verificado pela Pesquisa de Abates de Animais divulgada trimestralmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostrou uma queda de 8,5% no abate de bovinos em 2020, enquanto de frangos e suínos atingiram os maiores níveis, totalizando novos recordes de 6 bilhões e 49,3 milhões de abates, respectivamente.

Metodologia

O cálculo de produção de carne bovina tem como base as informações da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais e da Pesquisa Trimestral do Couro, ambas divulgadas pelo IBGE. A partir da obtenção de dados de abate e peso médio de cada tipo de rebanho (bois, vacas, novilhos e novilhas), e considerando os dados de abates aparentes de cada tipo é obtido a produção de carne para cada tipo de rebanho.

Fonte: Conab
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suínos

Três passos para transformar a água da sua granja

Veja três passos principais para transformar a água de bebida de qualquer granja em um nutriente de alto valor e resultado

Publicado em

em

Foto: Divulgação MS Schippers

Autoria: equipe técnica MS Schippers Brasil. Acesse o #msblog para ler mais artigos como este.

Além da limpeza (tratamento) da água, estratégias como a acidificação aumentam a ingestão de água pelos animais contribuindo para que eles consumam mais ração e ganhem mais peso. Veja abaixo os três passos principais para transformar a água de bebida de qualquer granja em um nutriente de alto valor e resultado:

1) Estrutura do sistema de abastecimento

O primeiro passo para uma água de boa qualidade é a avaliação da estrutura das instalações, como por exemplo o material dos canos utilizados, o diâmetro desses canos, o tipo e posição das caixas d’água, a presença de pontos de acúmulo de biofilme na linha, entre outros. Quando tudo isso está ajustado, a vazão e pressão da água são mais adequadas para prevenir a formação de biofilme e suprir a necessidade dos animais ao longo do dia.

2) Tratamento

Uma vez ajustada a estrutura, o segundo passo é garantir que a água captada se torne potável para consumo dos animais ao final da linha, lá nas chupetas. Isso é importante pois nem sempre a fonte de água é um problema, mas sim o trajeto que ela percorre pelos canos contaminados até chegar aos animais (especialmente quando se utiliza aditivos via água de bebida). Nós já falamos aqui no blog sobre os 3 tipos de tratamento mais comuns para desinfetar a água e as diferenças entre eles, clique aqui para ler essa matéria. Reforçamos também que é importante conhecer a natureza da água na fonte para avaliar a presença de metais em excesso ou a necessidade de instalação de filtros específicos (como a estação de filtragem Dosamax 40).

3) Acidificação

Por fim, mas não menos importante, quando a água de bebida já está limpa e descontaminada, podemos torná-la um ingrediente ainda melhor para a nutrição dos suínos e aves através da acidificação. Reduzir o pH da água é importante para otimizar a digestão e saúde intestinal, além da própria ingestão pelos animais. Essa estratégia, no entanto, só trará resultados concretos quando a água em si estiver livre de biofilme e contaminantes que causem diarreias nos animais, entre outras doenças.

Fale com a nossa equipe e agende uma visita na sua granja para avaliar o sistema de água. Este pode ser um desafio de biosseguridade que passa despercebido e reduz os seus resultados e lucros.

Acesse o blog da MS Schippers para ler mais posts sobre biosseguridade, qualidade da água de bebida, limpeza e desinfecção, e manejo de suínos. Trabalhar com higiene é a melhor forma de trazer mais resultados e lucros.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.