Conectado com
LINKE

Notícias Opinião

O desafio de doar o que se precisa

A pandemia da Covid-19 tem oferecido uma demonstração efetiva de solidariedade como raras vezes se presenciou de forma tão maciça

Publicado em

em

Joanita Maestri Karoleski - Foto: Divulgação

Artigo escrito por Joanita Maestri Karoleski, diretora do programa de doações da JBS no Brasil 

A pandemia da Covid-19 tem oferecido uma demonstração efetiva de solidariedade como raras vezes se presenciou de forma tão maciça. No Brasil, é impressionante ver como o país vem se mobilizando. Todos estão empenhados em ajudar quem mais precisa.

No meio empresarial esse movimento tem se mostrado intenso. Uma amostra disso vem do Monitor das Doações Covid-19, mantido pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos. Dos praticamente R$ 6 bilhões doados até agora, 82% vieram das empresas.

Nesse contexto, o projeto de doações de R$ 400 milhões da JBS partiu de um duplo própósito: atender necessidades emergenciais – atender agora a quem mais precisa – e realizar ações que ajudem as comunidades hoje, no futuro e que fiquem como um legado.

A doação para ajudar o país a enfrentar essa pandemia foi uma decisão da empresa, mas a aplicação dos recursos decorre de um profundo estudo e diagnóstico, feito por times de especialistas, com um único objetivo prioritário: salvar vidas. Agora e no futuro.

Temos que planejar rápido e executar com mais rapidez ainda. Em somente três semanas, a JBS já tinha alocado 80% dos R$ 400 milhões que serão aportados. O planejamento definiu, por exemplo, como e onde destinar esse recurso e para que tenha o uso mais adequado não só hoje, mas também  possa se perpetuar e continuar beneficiando a todos depois que essa pandemia passar.

Para que isso fosse possível, foram definidos critérios técnicos e de viabilidade para que as doações fossem rapidamente transformadas em bens e serviços que pudessem rapidamente estar disponiveis à população e para que essa entrega possa, de fato, atender a quem mais precisa no menor tempo possível.

Foi a partir desses critérios, que realizamos um profundo diagnóstico local e entendemos as realidades de cada municipio e região. Esse alinhamento técnico e de priorização foi feito com a administração das instituições públicas de saúde dos municípios e dos estados e que serviu para orientar também para identificação dos projetos sociais e de apoio às instituições de pesquisa.

Para definir como transformar as doações no seu melhor uso possível, contamos com o olhar técnico de especialistas independentes. Esses profissionais, convidados especialmente para compor nossos comitês, trazem os conceitos adequiridos em sua longa experiencia profissional,  acadêmica e comunitária como base para a tomada de  decisão em atendimento ao duplo propósito que buscamos: a solução emergencial e também a que propicie frutos em longo prazo.

Na distribuição dos recursos a serem doados pela JBS, os R$ 20 milhões reservados a ONGs serão importantes para as famílias que tiveram suas fontes de sustento abaladas. Nosso comitê de assessoramento tem feito um trabalho criterioso para que as ações beneficiadas se traduzam em transformação social, além do apoio emergencial.

Buscamos projetos nas áreas de educação, promoção do trabalho e renda e empreendedorismo. Como ajuda imediata, também iremos apoiar as entidades que atuam na distribuição de alimentos e itens de higiene e limpeza para a população em situação mais vulnerável.

Em ciência e tecnologia, o programa da JBS vai aportar R$ 50 milhões. Essa é uma das maiores forças do programa. Sao as pesquisas cientificas e a evolução desses estudos que melhor definem a questão do aqui e agora – uma descoberta hoje muda o futuro para sempre. Os integrantes do comitê científico identificaram iniciativas relevantes e promissoras no controle, tratamento e prevenção da Covid-19 para que possamos incentivar com o programa de doações da empresa.

Para o setor de saúde reservamos R$ 330 milhões. Esses recursos vão beneficiar dezenas de municipios em boas partes do estados brasileiros, em todas as regiões. Um dos pontos altos do programa da JBS é o seu potencial de alcance  e sua capilaridade, além da alta capacidade de execução. A JBS está em mais de 100 cidades e já colocou todos os seus recursos à disposição – estrutura, logística, gente  e unidades produtivas.

Toda essa dinâmica remete à minha atividade profissional até o fim do ano passado. Estava no ápice de minha carreira como presidente da Seara quando decidi que iria me doar integralmente a projetos sociais. Ainda na empresa, que até por ser uma produtora de alimentos, eu tinha muito contato com instituições nessa área. Foi em meio à transição da minha vida executiva que surgiu essa pandemia e, em seguida, o plano das doações da JBS.

O convite para assumir a coordenação desse projeto foi irrecusável, pois ia ao encontro do que planejava. Mais do que isso, poucos projetos têm ou terão essa perspectiva de alcance – estamos considerando beneficiar mais de 63 milhões de pessoas no país em um curto espaço de tempo.  E, com a convicção do que será feito e da forma correta – tenho um time inteiramente dedicado a essa causa e mais de 130 mil colaboradores da JBS engajados nessa ação –, é muita gente com a convicção de que vai dar certo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − treze =

Notícias Mercado

Vendedor limita oferta e preços do milho se mantêm firmes

Resultado está atrelado principalmente aos reajustes negativos nos rendimentos do Sudeste e do Sul, de 3% e 4,9%, respectivamente

Publicado em

em

Divulgação

Chuvas foram registradas em algumas regiões produtoras de milho do País na semana passada. As precipitações, no entanto, ainda ocorreram de forma insuficiente para sanar as preocupações quanto ao déficit hídrico, especialmente no Paraná, em Mato Grosso do Sul e algumas áreas do Sudeste.

Assim, vendedores consultados pelo Cepea seguiram atentos aos impactos do clima sobre a produtividade e, com isso, limitando a oferta de novos lotes no spot. Muitos compradores com necessidade de repor estoques de curto prazo, por sua vez, acabam cedendo aos maiores preços.

Nesse cenário, as cotações se mantiveram em alta na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Relatório divulgado na semana passada pela Conab indica que a produtividade média nacional pode cair 3,3% nesta safra frente à anterior.

Esse resultado está atrelado principalmente aos reajustes negativos nos rendimentos do Sudeste e do Sul, de 3% e 4,9%, respectivamente. Agentes consultados pelo Cepea aguardam ainda novas quedas na produtividade nos próximos relatórios da Conab, fundamentados no clima desfavorável.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Cooperativismo

Copagril realiza Seminário de Leite de forma online e gratuita

Evento será realizado de forma online, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Cooperativa

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperativa Agroindustrial Copagril realizará nesta terça-feira (18) o Seminário de Leite 2021. O evento direcionado aos cooperados e clientes Copagril no segmento de produção de bovinos de leite é tradicional e tem por objetivo apresentar informações técnicas sobre a atividade. Em decorrência das ações de restrição de público por causa da pandemia do Coronavírus o seminário de 2021 será realizado de forma online, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Cooperativa (Facebook e Youtube).

O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, comenta sobre o tradicionalismo do evento e do modelo de 2021. “Realizamos o seminário aos produtores do setor leiteiro todos os anos, mas em 2020 não foi possível por causa do Coronavírus e neste ano esperávamos poder fazer de forma presencial, mas infelizmente não houve a diminuição dos casos como era a expectativa. Por isso devemos ter o cuidado para com todos e assim faremos o Seminário de Leite de forma online. O objetivo é sempre trazer mais informações para os produtores, para que possam, em suas propriedades, produzir melhor, com qualidade melhor e assim, com lucratividade melhor. Sabemos que não podemos parar, por isso temos que fazer uso dos canais de comunicação que estão a nossa disposição”, reforça Chapla.

A programação do seminário contempla palestra com Alexandre Pedroso, pós-doutor em Nutrição de Ruminantes e consultor técnico em bovinos de leite da Nutron. Ele falará sobre Conforto animal: produtividade e qualidade do leite. A transmissão ainda terá a divulgação dos melhores cooperados nos resultados do último ano em qualidade do leite, volume de produção e qualidade de silagem.

O Seminário de Leite iniciará às 14 horas, com transmissão no Youtube e Facebook oficiais da Copagril e haverá sorteio para quem acompanhar e participar da transmissão ao vivo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado

Aurora assume hoje as operações avícolas da Agrodanieli

Transação recebeu aprovação do CADE, órgão do Governo Federal responsável por zelar pela livre concorrência no mercado nacional

Publicado em

em

Divulgação

Após concluir a aquisição da estrutura de produção de aves do GRUPO AGRODANIELI, sediado no município sul-rio-grandense de Tapejara, a Cooperativa Central AURORA ALIMENTOS prepara-se para assumir efetivamente as operações industriais. Nesta segunda-feira (17) assume o comando das unidades e, quatro dias depois, em 21 deste mês iniciará o abate para o processamento de produtos da marca Aurora. O anúncio foi feito pelo presidente Neivor Canton.

A transação recebeu a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), órgão do Governo Federal responsável por zelar pela livre concorrência no mercado nacional.

Entraram no negócio quatro unidades produtivas instaladas no município de Tapejara: o Frigorífico de aves localizado na comunidade de São Domingos, com capacidade para abate de 155 mil aves/dia; o Frigorífico de aves situado em São Silvestre, com capacidade de abate de 50 mil aves/dia; a Fábrica de subprodutos e a Fábrica de rações com capacidade estática de produção para 70 toneladas/hora.

Também foi adquirido o Incubatório de Aves localizado no município vizinho de Ibiaçá (RS), com capacidade aproximada de 1,7 milhão de ovos/semana.

Fez parte do negócio, ainda, a aquisição de uma estrutura de armazenagem de grãos com capacidade de 110.000 toneladas.

A força de trabalho atualmente ocupada no segmento de aves da AGRODANIELI será mantida. Os cerca de 2.000 trabalhadores diretamente empregados nessa estrutura de produção estão sendo transferidos para o novo proprietário.

Investimentos

A Aurora prepara um plano de investimentos nas unidades incorporadas para execução em médio prazo. A unidade de aves de São Silvestre terá seu abate ampliado para 155 mil aves/dia, igualando-se em capacidade à planta de São Domingos. Todas as unidades passarão por melhorias com o objetivo de ampliar a produção e diversificar o MIX de produtos a base de carne de frango que as plantas podem gerar.

O presidente Canton assinalou que as melhorias fazem parte do programa de investimentos para modernização das indústrias, aperfeiçoamento de processos e melhoria contínua das condições de produção e trabalho.

Outro avanço previsto é a qualificação da planta localizada em São Silvestre para hospedar o SIF (Serviço de Inspeção Federal) e receber habilitação para o mercado externo. No momento ela opera com o SISBI (Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal). A outra unidade avícola já tem SIF.

A Aurora Alimentos abate cerca de 1 milhão de cabeças de aves por dia. Com a aquisição, aumentará de imediato em 20% o processamento industrial de aves.

Base no campo

Com a transferência da estrutura de produção avícola para a Cooperativa Central Aurora Alimentos, os criadores de aves que formam a base produtiva da AGRODANIELI associar-se-ão a uma das cooperativas agropecuárias do Sistema Aurora e, assim, se tornarão produtores rurais cooperados.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.