Conectado com

Notícias Opinião

O desafio de doar o que se precisa

A pandemia da Covid-19 tem oferecido uma demonstração efetiva de solidariedade como raras vezes se presenciou de forma tão maciça

Publicado em

em

Joanita Maestri Karoleski - Foto: Divulgação

Artigo escrito por Joanita Maestri Karoleski, diretora do programa de doações da JBS no Brasil 

A pandemia da Covid-19 tem oferecido uma demonstração efetiva de solidariedade como raras vezes se presenciou de forma tão maciça. No Brasil, é impressionante ver como o país vem se mobilizando. Todos estão empenhados em ajudar quem mais precisa.

No meio empresarial esse movimento tem se mostrado intenso. Uma amostra disso vem do Monitor das Doações Covid-19, mantido pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos. Dos praticamente R$ 6 bilhões doados até agora, 82% vieram das empresas.

Nesse contexto, o projeto de doações de R$ 400 milhões da JBS partiu de um duplo própósito: atender necessidades emergenciais – atender agora a quem mais precisa – e realizar ações que ajudem as comunidades hoje, no futuro e que fiquem como um legado.

A doação para ajudar o país a enfrentar essa pandemia foi uma decisão da empresa, mas a aplicação dos recursos decorre de um profundo estudo e diagnóstico, feito por times de especialistas, com um único objetivo prioritário: salvar vidas. Agora e no futuro.

Temos que planejar rápido e executar com mais rapidez ainda. Em somente três semanas, a JBS já tinha alocado 80% dos R$ 400 milhões que serão aportados. O planejamento definiu, por exemplo, como e onde destinar esse recurso e para que tenha o uso mais adequado não só hoje, mas também  possa se perpetuar e continuar beneficiando a todos depois que essa pandemia passar.

Para que isso fosse possível, foram definidos critérios técnicos e de viabilidade para que as doações fossem rapidamente transformadas em bens e serviços que pudessem rapidamente estar disponiveis à população e para que essa entrega possa, de fato, atender a quem mais precisa no menor tempo possível.

Foi a partir desses critérios, que realizamos um profundo diagnóstico local e entendemos as realidades de cada municipio e região. Esse alinhamento técnico e de priorização foi feito com a administração das instituições públicas de saúde dos municípios e dos estados e que serviu para orientar também para identificação dos projetos sociais e de apoio às instituições de pesquisa.

Para definir como transformar as doações no seu melhor uso possível, contamos com o olhar técnico de especialistas independentes. Esses profissionais, convidados especialmente para compor nossos comitês, trazem os conceitos adequiridos em sua longa experiencia profissional,  acadêmica e comunitária como base para a tomada de  decisão em atendimento ao duplo propósito que buscamos: a solução emergencial e também a que propicie frutos em longo prazo.

Na distribuição dos recursos a serem doados pela JBS, os R$ 20 milhões reservados a ONGs serão importantes para as famílias que tiveram suas fontes de sustento abaladas. Nosso comitê de assessoramento tem feito um trabalho criterioso para que as ações beneficiadas se traduzam em transformação social, além do apoio emergencial.

Buscamos projetos nas áreas de educação, promoção do trabalho e renda e empreendedorismo. Como ajuda imediata, também iremos apoiar as entidades que atuam na distribuição de alimentos e itens de higiene e limpeza para a população em situação mais vulnerável.

Em ciência e tecnologia, o programa da JBS vai aportar R$ 50 milhões. Essa é uma das maiores forças do programa. Sao as pesquisas cientificas e a evolução desses estudos que melhor definem a questão do aqui e agora – uma descoberta hoje muda o futuro para sempre. Os integrantes do comitê científico identificaram iniciativas relevantes e promissoras no controle, tratamento e prevenção da Covid-19 para que possamos incentivar com o programa de doações da empresa.

Para o setor de saúde reservamos R$ 330 milhões. Esses recursos vão beneficiar dezenas de municipios em boas partes do estados brasileiros, em todas as regiões. Um dos pontos altos do programa da JBS é o seu potencial de alcance  e sua capilaridade, além da alta capacidade de execução. A JBS está em mais de 100 cidades e já colocou todos os seus recursos à disposição – estrutura, logística, gente  e unidades produtivas.

Toda essa dinâmica remete à minha atividade profissional até o fim do ano passado. Estava no ápice de minha carreira como presidente da Seara quando decidi que iria me doar integralmente a projetos sociais. Ainda na empresa, que até por ser uma produtora de alimentos, eu tinha muito contato com instituições nessa área. Foi em meio à transição da minha vida executiva que surgiu essa pandemia e, em seguida, o plano das doações da JBS.

O convite para assumir a coordenação desse projeto foi irrecusável, pois ia ao encontro do que planejava. Mais do que isso, poucos projetos têm ou terão essa perspectiva de alcance – estamos considerando beneficiar mais de 63 milhões de pessoas no país em um curto espaço de tempo.  E, com a convicção do que será feito e da forma correta – tenho um time inteiramente dedicado a essa causa e mais de 130 mil colaboradores da JBS engajados nessa ação –, é muita gente com a convicção de que vai dar certo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 10 =

Notícias Piscicultura

Mercado registra aumento de consumo e de produção de pescado, peixes e camarões. Mas como ficará a situação pós-Covid-19?

Temos potencial para fazer a Aquacultura crescer no mercado doméstico

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por João Manoel Cordeiro Alves, gerente de produtos para Aquacultura da Guabi

O novo coronavírus – Covid-19 – mudou o mundo. Todas as áreas têm sido afetadas assim como o fornecimento de pescados para alimentação. Mas acredito que a aquacultura – produção de organismos aquáticos (peixes, crustáceos, moluscos, algas, etc) – terá um papel ainda mais importante neste novo cenário. Apesar de correntes contrárias, os pescados cultivados são mais sustentáveis e baratos, rastreáveis e tão nutritivos quantos os de extrativismo. Sem querer causar alarme, mas os peixes preferidos e oriundos da pesca são os carnívoros, o topo da cadeia alimentar e é no topo que se concentram todos os metais pesados e outros contaminantes cumulativos. Os pescados cultivados são alimentados com vegetais e são apenas o segundo elo da cadeia alimentar. As rações são feitas com subprodutos da agroindústria: grãos e farelos de grãos (primeiro elo) e subprodutos do abate de animais, principalmente, de aves e suínos (segundo elo).

E, hoje, mais do que nunca a segurança alimentar é uma pauta relevante. O consumidor está mais preocupado com a procedência do alimento, seu modo de fabricação e os prejuízos que podem causar tanto para sua saúde como para o meio ambiente. Sem dúvidas, temos um consumidor mais consciente de sua importância na preservação e perenização da vida com qualidade na Terra, trabalhamos para ter um planeta de abundância.

O consumo  de pescado aumentou de acordo com o relatório bianual sobre o estado da Pesca e Aquicultura Mundial (http://www.fao.org/state-of-fisheries-aquaculture), divulgado no final do primeiro semestre deste ano, pela FAO – Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, em Sophia, na Bulgária.  Os dados são referentes a 2018 e serão usados como principal fonte pelos pesquisadores de todas as áreas: aquicultura e pesca, economia, estatística, geopolítica, etc.

Em 2018, a produção global de pescados atingiu 179 milhões de toneladas, com faturamento de US$ 401 bilhões. A aquacultura foi responsável por 82 milhões de toneladas e US$ 250 bilhões. Do total produzido (pesca e aquicultura) 156 milhões de toneladas foram para consumo humano, o que representa um consumo médio global per capita de 20,5 kg. Os outros 22 milhões de toneladas foram usados, principalmente, para produção de farinha de peixe e óleo de peixe. A aquacultura produziu 46% do total e foi responsável por 52% do consumo humano.

A China, de acordo com o relatório, continua sendo o maior produtor com 35% do total. Exceto a China, a Ásia contribuiu com 34%, as Américas com 14%, a União Europeia com 10%, a África com 7% e a Oceania com 1%.

O consumo global de pescados (soma da pesca e aquacultura) cresceu na média anual 3,1% de 1961 para 2018 quase o dobro do que o crescimento da população e foi mais alta do que todas as outras proteínas de origem animal (bovina, suína, aves, leite, ovos, etc.). O consumo per capita foi de 9 kg para 20,5 kg de 1961 para 2018, média anual de crescimento próxima de 1,5% ao ano.

No Brasil não foi diferente. Nas décadas mais recentes houve ampliação da produção de pescados cultivados, estabilização da pesca extrativa, acréscimo das importações, resultando maior volume da oferta. Hoje temos, não apenas aumento da oferta, mas inúmeras variedades de pescados, visível aumento da qualidade e mais produtos semiacabados. E esta gama de produtos são oferecidos em todos os comércios, desde os açougues, que antes só vendiam carnes vermelhas, pequenas mercearias e supermercados de bairros até as grandes redes de atacadistas. Não há um bar, por mais simples que seja, que não ofereça uma porção de algum pescado. Até escolas servem pescado nas refeições dos alunos. Enfim, é um crescimento consistente, apesar das repetidas crises e dificuldades que a população brasileira enfrenta.

Piscicultura e carcinicultura

Conforme dados divulgados pelo Anuário 2020 da Peixe BR – Associação da Piscicultura – em 2019 foram produzidas 722.560 toneladas, com receita em média R$ 5,6 bilhões. O Brasil é o quarto maior produtor de tilápia, espécie que representa 55,4% da produção do país. Os peixes nativos, liderados pelo tambaqui, participam com 39,8% e outras espécies com 4,6%. Um mercado que gera em torno de 1 milhão de empregos diretos e indiretos.

Já a carcinicultura brasileira (criação de camarões) enfrentou grandes desafios como doenças, ação antidumping pelos pescadores de camarão dos Estados Unidos e efeitos do câmbio nos últimos 15-20 anos. É uma atividade relativamente nova no Brasil, mas está se recuperando. Segundo a ABCC – Associação Brasileira de Criadores de Camarão – em 2019, foram produzidas 90 mil toneladas.

Tanto a piscicultura quanto a carcinicultura foram duramente afetados pelo fechamento geral da rede de food service (bares, restaurantes, cozinhas industriais, etc.), principal canal de vendas de pescados. Para fomentar o consumo, os produtores se reinventaram e começaram a atender pedidos menores para mercados mais próximos da produção. Mas a comercialização já está no caminho de volta com o relaxamento da quarentena em muitos estados.

O Brasil é o país do Agro, somos responsáveis pela alimentação de boa parte da população do planeta. Além de grãos, estamos entre os maiores produtores e exportadores de proteínas de origem animal. Temos potencial para fazer a Aquacultura crescer no mercado doméstico, cujo crescimento de consumo está limitado à oferta, mas temos oportunidades para exportação também. O Brasil exporta pescados oriundos da pesca, mas a produção de pescados no Brasil é competitiva em muitos mercados e alguns negócios estão sendo fechados neste início de ano, principalmente tilápias e camarão.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Artigo

A safra está chegando

Chegou a hora de pensar na próxima safra, que tecnicamente se iniciou em julho passado

Publicado em

em

Cleverson Beje

Artigo escrito por Pedro Abel Vieira, pesquisador da Embrapa; Antônio Marcio Buainain, professor do Instituto de Economia da Unicamp; Elisio Contini, pesquisador da Embrapa; e Roberta Grundling, analista da Embrapa

Mais uma vez o agro é a exceção aos infortúnios da pandemia. Em ambiente de recessão econômica, o PIB da agropecuária brasileira aumentou 0,4% no segundo trimestre de 2020. Com a primeira e a segunda safras colhidas, a produção de grãos em 2020 já superou os 250 milhões de toneladas, aumento de 4,8% em relação à safra anterior, podendo chegar a 260 milhões de toneladas, a depender do desempenho da terceira safra e da safra de inverno.

Chegou a hora de pensar na próxima safra, que tecnicamente se iniciou em julho passado. São previstos 270 milhões de toneladas de grãos e com a conjugação do aquecimento do mercado internacional e a desvalorização cambial, estima-se rentabilidade cerca de 20% maior que na safra que se encerra.

A euforia reina no agro conforme indicam as operações de crédito e as antecipações na comercialização. A comercialização antecipada da safra de soja 2020/2021 já chegou próximo a 50%, o maior nível histórico, e as operações de crédito têm se concentrado no investimento. Bom sinal, revela confiança no futuro e cria condições para manter o ritmo de crescimento dos últimos anos; porém, é preciso melhor qualificar essa euforia.

No que diz respeito à produção, as perspectivas são positivas. As informações divulgadas por instituições como o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos e o National Oceanic and Atmospheric Administration não sugerem anomalias climáticas extremas durante os próximos meses.

Quanto ao mercado, a variável cambio deverá se manter favorável durante a safra que se inicia. Independente da valorização cambial ocorrida nos últimos dias em função do ambiente externo mais favorável e do possível encaminhamento das reformas econômicas no Brasil, não é esperada apreciação cambial além de R$ 4,50 durante a safra que se inicia. Se, por um lado, a taxa cambial prevista é um fator inflacionário suficiente para que setores do governo flertem com o controle de preços dos alimentos, expondo assim a falta de atenção com a segurança alimentar do país, ela garante maior receita aos agricultores.

Do lado da demanda, o rastro de destruição deixado pela Covid 19 não foi suficiente para inibir o apetite dos compradores internacionais. Os dados disponibilizados pelo Trade statistics for international business development, indicam que, após uma redução drástica entre janeiro a abril de 2020, as importações globais de alimentos processados e produtos agrícolas já igualaram os valores de julho de 2019. Dos 10 maiores compradores mundiais (União Europeia, Estados Unidos da América, China, Japão, Canada, Coreia, Rússia, Austrália, Singapura, Malásia e Tailândia) de alimentos processados e produtos agrícolas, apenas Japão (-11%), Canada (-3%), Rússia (-2%) e Austrália (-3%) não retomaram os valores de julho de 2019. Desse grupo, apenas o Japão apresentou redução significativa em relação ao mesmo período de 2019, porém, a retomada japonesa está sendo vigorosa com aumento de 17% entre maio, pior mês das importações, a julho de 2020.

As importações da UE28 (US$ 29 milhões) e dos EUA (US$ 8,5 milhões) igualaram a marca de 12 meses atrás, enquanto o terceiro maior importador mundial, a China (US$ 5,1 milhões), aumentou em quase 10% o valor das suas importações. O desempenho da China é um sinal importante para a agropecuária brasileira, porém, é preciso atenção com a disputa geopolítica entre EUA e China.

A disputa geopolítica Sino Americana chegou a um acordo histórico, denominado por Fase Um, sobre reformas estruturais e mudanças no regime econômico e comercial da China nas áreas de propriedade intelectual, transferência de tecnologia, agricultura, serviços financeiros. A Fase Um também inclui o compromisso de a China aumentar as compras dos EUA nos próximos anos.

O Capítulo de agricultura da Fase Um, que tem o ano de 2017 como base, prevê que a China faça compras adicionais de produtos agrícolas (carnes, frutos do mar, arroz, lácteos, fórmulas infantis, produtos hortícolas, ração animal e produtos de biotecnologia agrícola) dos EUA ao longo de dois anos. O Acordo previa aumento de US$ 12,5 bilhões durante 2020, em relação a 2017. Até julho de 2020, as importações chinesas de produtos agrícolas cobertos pelo Acordo foram de US$ 9,9 bilhões.

Considerando que menos de 50% do capítulo agrícola do Acordo foi cumprido, são esperadas novas tensões. Não era um problema de demanda, pelo contrário, a recomposição dos rebanhos suínos na China produz forte demanda por soja. A questão é que, enquanto outros grandes produtores de soja, como o Brasil, registravam números recordes de exportação para a China no primeiro trimestre deste ano, as vendas dos Estados Unidos se reduziram. O Departamento de Agricultura dos EUA reconheceu em um relatório recente que os compromissos de exportação para a China continuam a ficar atrás dos níveis de 2018 e 2017.

A grande questão do momento não é se o acordo comercial sobreviverá, mas, que forma este confronto comercial tomará em face dos interesses eleitorais da próxima eleição presidencial nos Estados Unidos. A eleição de novembro avaliará a capacidade dos candidatos em se posicionar com relação à China. Não serão aceitos os ‘abusos’ cometidos pela China ou ideias vagas sobre como trabalhar com aliados para fazer oposição à China.

O desempenho do comércio global de alimentos é um sinal auspiciosos para a safra que se inicia no Brasil. Todavia, isso não significa que os efeitos da política internacional e da pandemia não vão atingir a agricultura brasileira nas safras subsequentes. A questão não está apenas na capacidade de produção e/ou de comercialização do Brasil, mas também no poder de negociação internacional do País, face aos conflitos geopolíticos existentes. China e Estados Unidos é um deles.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo

Notícias Vigilância

Governo Federal autoriza contratação de 140 médicos veterinários para Affa

Profissionais reforçarão a Defesa Agropecuária do país, principalmente o Serviço de Inspeção Federal

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O presidente Jair Bolsonaro autorizou na quarta-feira (23) a nomeação de 140 médicos veterinários aprovados em concurso para o cargo de Auditor Fiscal Federal Agropecuário (Affa) realizado em 2017. Esses profissionais reforçarão a Defesa Agropecuária do país, principalmente o Serviço de Inspeção Federal. A ministra Tereza Cristina deu a notícia através de suas redes sociais. “Estou aqui para dar uma boa notícia. Acabamos de receber, depois de muito trabalhar, a boa notícia de que fomos autorizados a chamar os 140 veterinários do concurso do Mapa para inciarmos o processo de chamamento para contratação”, afirmou.

“A ministra Tereza Cristina levou essa pauta da Defesa Agropecuária para o presidente, que entendeu a necessidade e após estudos técnicos da área econômica decidiu aprovar essa nomeação”, conta o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Guilherme Leal.

Segundo o secretário, os trâmites para alocação das vagas já estão adiantados e o processo de convocação dos veterinários será feito o mais rápido possível. “O serviço está muito estrangulado, principalmente com o afastamento de alguns colegas em função do grupo de risco da covid-19. Os profissionais que estão chegando vão permitir que a gente mantenha o controle necessário à saúde pública e a segurança e qualidade dos produtos, que são verificadas pelos Affas, tanto para o mercado interno quanto para as exportações”, diz José Guilherme Leal.

O concurso havia sido homologado em 2018 e ofertava 300 vagas para o cargo.  No ano passado, foi autorizado o provimento de 100 novas vagas. Agora, são mais 140 profissionais.

Fonte: O Presente Rural com informações do Anffa Sindical
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.