Conectado com
OP INSTAGRAM

Colunistas Opinião

O agronegócio brasileiro, seus potenciais e desafios em meio à pandemia

Com o desempenho das lavouras brasileiras e o aquecimento no mercado mundial de carnes, o PIB do agronegócio brasileiro cresceu 23% em 2020, alcançando quase dois trilhões de reais.

Publicado em

em

Cesar da Luz. Diretor do Grupo Agro10

Na temporada 2019/2020, o Brasil teve safra recorde, com 255 milhões de toneladas de grãos. Já na safra atual, deve haver aumento em cerca de 4,6%, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e o país terá uma safra em torno de 268 milhões de toneladas.

É bom que se diga que o Brasil tem uma área agriculturável de 64 milhões de hectares, e produz em várias fronteiras agrícolas, como o Mato Grosso, Paraná, Goiás, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e na região do Matopiba, composta pela Bahia, Maranhão, Tocantins e Piauí.

Com o desempenho das lavouras brasileiras e o aquecimento no mercado mundial de carnes, em razão de eventos ocorridos recentemente na China, o PIB do agronegócio brasileiro cresceu 23% em 2020, alcançando quase dois trilhões de reais.

Nos últimos tempos, o país se consolidou como um dos grandes players do agronegócio mundial, ultrapassando inclusive os Estados Unidos na produção de soja.

Mas a pandemia do novo corona vírus, que pegou a todos de surpresa, mexeu não apenas com a saúde da população, mas também com a economia mundial, abrangendo todos os setores.

A alta na taxa cambial, com o dólar batendo na casa dos R$ 6,00, houve aumento no custo de produção, já que a maioria dos insumos agrícolas é negociada em dólar.

Também em razão da pandemia, os preços dos alimentos subiram muito, enquanto as commodities tiveram alta expressiva em seus preços. Na época da comercialização antecipada dos grãos, nos contratos de venda futura, a saca de soja estava cotada em torno de R$ 80,00, mas na hora da entrega, o preço praticamente dobrou, ficando entre R$ 150,00 e R$ 160,00.

Houve reflexos devido à restrição no fluxo de pessoas, com fechamento de cidades, lockdown e diversas medidas restritivas e de distanciamento social, e esse quadro de coisas resultou na descontinuidade no processo de produção em geral com sérias consequências no campo econômico no Brasil e no mundo, agravado até os dias atuais, em especial pelo fechamento de empresas, comércios e até de indústrias, acentuando o problema do desemprego, com milhões de famílias sem sua fonte de renda.

Na área da saúde, a pandemia colapsou o sistema, com o agravamento de um quadro que já existia, de falta de leitos e de esgotamento total do sistema. E isso se agravou ainda mais agora, com a chamada segunda onda.

Se é que podemos ver algo de bom em meio a isso tudo, observa-se que houve uma boa articulação entre a área responsável pela política agrícola brasileira, no caso o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com a iniciativa privada, e não houve até o momento, crise no abastecimento de alimentos, como em outros países, caso a Argentina, por exemplo. Ou seja, o Agro no Brasil não parou, o varejo seguiu abastecido e houve aumento expressivo das exportações brasileiras de carnes e de grãos.

Quanto ao ciclo atual da soja, apesar das chuvas que atrasaram a colheita, o panorama é favorável, os preços seguem atrativos e as exportações aquecidas. A demanda por alimentos se mantém crescente e a valorização da moeda norte-americana em alta diante do real, favorece a quem exporta.

Em se tratando de números, o Agro se apresenta com os mais excelentes indicadores, e mesmo nesse cenário extremamente favorável ao setor produtivo, os riscos pertinentes a quem produz a céu aberto persistem. Não podemos deixar de observar, por exemplo, a reação dos concorrentes mundiais do Brasil, muitos dos quais ainda sentindo os impactos do crescimento da participação brasileira no mercado internacional de alimentos.

De fato, o “gigante pela própria natureza”, cada vez mais desperto em termos de produção agropecuária, tem atraído as atenções do mundo, com acenos de medidas protecionistas por governos pressionados pelos produtores locais.

Sem contar que sempre tem alguém para dizer que o produtor rural brasileiro não respeita o meio ambiente, o que comprovadamente não é verdade. Mas esse discurso existe e é patrocinado por líderes mundiais de nações que perdem espaço para o Brasil e, através de políticas neoprotecionistas, criam regras e barreiras aos produtos brasileiros.

Interna ou externamente, o fato é que o Brasil tem no agronegócio um dos pilares da sua economia, enquanto muitas nações enfrentam dificuldades no que diz respeito à segurança alimentar.

O país tem solo, água e condições climáticas adequadas, além de gente trabalhadora no campo, determinada a manter o abastecimento, além do maior ativo ambiental do planeta, com os biomas da Amazônia e do Pantanal. Aliás, dados apontam que temos 66% do nosso território com matas nativas e que usamos apenas 9% para a produção agrícola, com reserva legal entre 20% e 35% dentro das propriedades rurais brasileiras.

Na área ambiental, temos um excelente Código Florestal, além da Política Nacional do Meio Ambiente, cuja finalidade é regulamentar as várias atividades que envolvam o meio ambiente, para que haja preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental.

Dessa forma, podemos afirmar que o agronegócio do Brasil é competente, eficaz e produz alimentos de qualidade, com sanidade, responsabilidade social e sustentabilidade. Aqui se pratica a Agricultura Sustentável e a Pecuária Legal.

O desempenho da produção nacional se deve à tecnologia de precisão, com produtores cada vez mais capacitados, que consegue promover uma Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC), “Produção PLF”, de Pasto, Lavoura e Floresta, e políticas de descarbonização, com produção de biocombustíveis líquidos pelas usinas de Etanol que avançam pelo país. E assim caminha o Agronegócio brasileiro, contribuindo para a segurança alimentar, em meio à pandemia que se instalou no planeta terra.

* Cesar da Luz é Diretor do Grupo Agro10 (www.agro10.com.br).

Fonte: Assessoria.
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =

Dilvo Grolli Opinião

O pedágio e as questões não explicadas

O desafio dos líderes do Oeste nessa missão é mudar a proposta do Ministério de Infraestrutura

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Dilvo Grolli, presidente da Cooperativa Coopavel

A proposta apresentada pelo Ministério de Infraestrutura para a licitação das concessões do pedágio no Paraná deixou muitos questionamentos. Assim, somos obrigados a algumas considerações:

Primeiro: O Ministério de Infraestrutura apresentou uma estimativa de arrecadação, nos próximos 30 anos de concessões, de R$ 156 bilhões, sofrendo reajustes baseados na inflação. Desses valores prevê-se destino de R$ 42 bilhões para obras e manutenção.

Segundo: O INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor -, no período de 2010 a 2020, teve aumento de 75%. Vamos que esse índice permaneça nos próximos períodos, só aí é possível perceber que os valores de arrecadação do pedágio de 2021 a 2051 serão de aproximadamente R$ 400 bilhões e não de R$ 156 bilhões divulgados pelo Ministério de Infraestrutura. Onde está a lógica?

Há que se considerar ainda que no período (2010 a 2020) o PIB – Produto Interno Bruto -, no Brasil, cresceu 2,7%, índice que não servirá para o reajuste dos valores do pedágio que serão, de acordo com a proposta, corrigidos pela inflação que chegou a 75%.

Isso se traduz em perda de competitividade aos nossos produtos e serviços e na transferência de patrimônio da sociedade paranaense para as concessionárias. Algo muito grave!

Terceiro: Os investimentos divulgados pelo Ministério de Infraestrutura a serem feitos no período de 2021 a 2030 importam em R$ 42 bilhões e serão totalmente acrescidos aos valores do pedágio até 2051. Isto é: todos os investimentos serão reembolsados para as concessionárias nos pagamentos das tarifas das praças de pedágio feitos pelos usuários.

Quarto: A população do Paraná é de 11,6 milhões de habitantes, com uma frota de 8 milhões de veículos, isto é, uma média 1,5 habitante/veículo. Temos de considerar ainda os veículos que são emplacados em outros estados e aqueles que transitam pelas rodovias paranaenses que vem de outras regiões do País, e que passarão pelas 42 praças de pedágio dos 3.327 quilômetros de estradas pedagiadas. Projetando um crescimento anual de 80 mil veículos, quantos veículos serão em 2051? Então, de quanto será a arrecadação total das concessionárias de 2021 a 2051?

Quinto: O modelo proposto pelo Ministério de Infraestrutura é mais desastroso e muito mais nocivo que o atual por vários aspectos:

1º – aumento de 2.800 para 3.327 quilômetros de rodovias pedagiadas;

2º – aumento de 27 para 42 praças de pedágio;

3º – projeção de arrecadação que pode ultrapassar R$ 400 bilhões;

4º – inexplicavelmente, os valores do pedágio no Paraná continuarão como os maiores do Brasil.

Isso é absurdo e inaceitável. Será o comprometimento do futuro de duas gerações de indivíduos e a lenta destruição da economia do Paraná.

O Oeste do Estado, grande produtor de bens e serviços, com ações focadas e determinadas pela necessidade de competitividade, vive e manifesta a imensa preocupação com o futuro da região, com os valores do novo pedágio e com a logística para a comercialização da sua produção.

É por isso que nos envolvemos e insistimos nessa bandeira crucial para o nosso futuro. Entendemos que a população precisa ser conscientizada da importância do debate sobre a nova concessão e sobre as tarifas do pedágio. É importante ressaltar que a economia do Oeste do Paraná e do estado do Paraná será entregue ao capital especulativo das futuras concessionárias.

Elas querem potencializar o retorno econômico para as suas corporações. E toda a sociedade ficará dependente dessas concessionárias, como estamos desde 1997, sendo explorados pelas atuais detentoras das concessões. E muita atenção, porque elas querem permanecer na exploração e parece que as coisas se alinham para tal.

O desafio dos líderes do Oeste, tendo à frente o POD – Programa Oeste em Desenvolvimento -, a Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná), as Cooperativas e os políticos e os empresários empenhados nessa missão é mudar a proposta do Ministério de Infraestrutura.

Temos apenas 60 dias de prazo para a desconstrução do modelo proposto do Ministério de Infraestrutura e criarmos um modelo justo para a sociedade, que não seja uma sangria de recursos, mas que ofereça condições de logística e estratégias propositivas para melhorar a competitividade dos produtos e a prosperidade do estado do Paraná.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Zeferino Pedrozo Opinião

Há muita tecnologia no campo

A tecnologia empregada no campo vem de várias fontes, como as universidades e os centros de pesquisas públicos e privados

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Zeferino Pedrozo, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (FAESC) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC)

O sucesso no campo é orientado pela ciência. Os resultados obtidos em melhoria da sanidade e no aumento da produtividade, da produção e da qualidade nas áreas da agricultura, da pecuária, da piscicultura, da silvicultura e do extrativismo, entre outros, são integralmente devidos ao emprego de tecnologia.

A tecnologia empregada no campo vem de várias fontes, como as universidades e os centros de pesquisas públicos e privados. Empresas privadas de setores avançados – entre eles a avicultura, suinocultura e os cereais – têm investido em anos de pesquisas, o que permitiu oferecer produtos de vanguarda, invariavelmente à frente da Academia. As novas tecnologias permitem ao produtor um maior controle sobre a produção, otimização dos recursos da propriedade e aumento da lucratividade.

A revolução do conhecimento que a indústria e demais setores da economia absorveram também chegou ao campo para torná-lo mais eficiente. Será cada vez mais frequente, no futuro próximo, o uso da inteligência artificial, do big data (estuda como tratar, analisar e organizar informações), das impressões 3D, da internet das coisas (uso de sensores para colher dados), blockchain (permite rastrear o envio e recebimento de dados pela internet), automação parcial, identificação e controle por radiofrequência (RFID), realidade aumentada, visão computacional etc. É notório que o emprego articulado dessas tecnologias tem impacto transformador nas cadeias produtivas.

A questão central que se apresenta é como viabilizar que o produtor, na condição de pequeno ou médio empresário rural, tenha acesso a todas essas tecnologias. As agroindústrias têm sido as parcerias mais tradicionais na transferência de tecnologias ao campo, pois são as maiores beneficiadas pelos seus resultados. Em decorrência das tecnologias surgem melhorias intrínsecas nas matérias-primas que recebem, de sua base produtiva no campo, para processamento industrial. Nesse caso, geralmente a base produtiva está organizada pelo sistema de integração – uma modalidade que está regulada em lei federal e é muito comum nas cadeias de aves, suínos, leite e fumo – e na qual as empresas suportam a maior parte do investimento.

Mas é preciso pensar em novas formas de financiamento e, ao mesmo tempo, ampliar os canais de transferência de conhecimento entre a universidade pública e o agronegócio.

A liderança que o Brasil conquistou na esfera planetária decorreu da associação entre recursos naturais (solo, água, clima) com vocação laboral (recursos humanos) e uso de tecnologia (a ciência aplicada ao desenvolvimento). O principal desses fatores, de forma cada vez mais acentuada, é e será a tecnologia.

Outro ponto essencial é qualificar o usuário final  – o produtor/empresário rural  – para o uso adequado das tecnologias disponíveis e acessíveis. Essa deve ser uma prioridade cogente dos formuladores de políticas para o agro. Nesse aspecto, o Sistema S tem sido pródigo na criação e oferta de produtos para formação, qualificação e requalificação profissional.

Há um outro nó górdio a desatar. Hodiernamente, quase todas as tecnologias estão ancoradas na internet. Da mesma forma, os programas educacionais/instrucionais dependem de plataformas disponibilizadas na rede mundial de computadores. Assim, fica patente que internet de boa qualidade é uma condição sine qua non para o desenvolvimento das regiões agrícolas, sem a qual não terá acesso ao conhecimento científico – seja na forma de tecnologia ou de cursos de capacitação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

João Carlos Marchesan Opinião

Os desafios da agricultura do futuro

Essas tecnologias mudam a forma de como encaramos o processo de produção

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por João Marchesan, administrador de empresas, empresário e presidente do Conselho de Administração da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos

Estamos vivendo um novo momento da agricultura com as máquinas agrícolas se modernizando cada vez mais, ou seja, com máquinas autônomas que serão totalmente movidas a energia elétrica em um futuro bem próximo, construindo assim para diminuição da poluição.

Além das máquinas, nós temos muito mais tecnologia de todos os implementos para o preparo do solo a fim de que o agricultor tenha mais economicidade, eficiência, produtividade na distribuição dos fertilizantes e na deposição das sementes. Tudo isso aliado a uma agricultura de precisão que tem feito a diferença dentro daquilo que nós chamamos de agricultura 4.0 e a quarta revolução agrícola.

Essas tecnologias mudam a forma de como encaramos o processo de produção, abrindo novos mercados e gerando melhores produtos e oportunidades. Isso explica boa parte dos bons resultados colhidos pelo agronegócio brasileiro.

Além disso, a evolução 4.0 pressupõe vários benefícios entre eles os financeiros e esta é a alavanca que deve acelerar a adoção das novas tecnologias. Esta revolução propicia gestão de grande volume de dados e desenvolvimento de sistemas de informação de apoio à tomada de decisão, e também máquinas cada vez mais flexíveis, adaptáveis, autônomas e inteligentes, com leitura ambiental em tempo real e respostas imediatas. Tudo isto irá melhorar a eficiência dos processos, nas dimensões mecânica/eletrônica, agronômica e financeira, resultando em ganhos de produtividade e melhoria nos aspectos de sustentabilidade no campo.

Apesar desse progresso, nós temos que entender que hoje no Brasil tem aproximadamente um 1,2 milhão de máquinas agrícolas e metade delas têm mais de 10 anos de idade e isso implica dizer que nós precisamos renovar o nosso parque o mais rápido possível. O agricultor hoje com mais renda, com condições de financiamentos que necessita pode modernizar esse parque o mais rápido possível para dar uma evolução tecnológica do que eles precisam.

Outro aspecto que impacta o avanço do agro 4.0 é a questão da conectividade no campo que é ainda o grande gargalo e pode ser solucionado com a liberação de redes Rede LPWAN (LoRa , SigFox, Ingenu, NB-IoT, LTE-M ), satélites, ampliadores de sinal e banda de 450 mhz e a implementação de faixas privadas de 5G.

A falta de acesso à internet é uma restrição ao processo de envio de dados para nuvens. Mesmo o agricultor podendo armazenar os dados nas próprias máquinas e depois descarregar nos pontos de internet nas sedes das fazendas, porém ao optar por essa alternativa o produtor perde o benefício dos dados online em tempo real.

Para se ter uma ideia dessa realidade, o Censo Agropecuário de 2017, elaborado pelo Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE), revelou que o Brasil tem 5,07 milhões de estabelecimentos rurais e 71,8% desses não têm acesso à internet (3,64 milhões de propriedades). Já estudo do AgroHUB mostrou que apenas 14% das propriedades rurais têm alguma cobertura para internet. Então fica o desafio para todos nós de como ampliar a conectividade no campo.

Outro grande desafio na modernização no campo para o uso adequado destas tecnologias é a capacitação ou educação na utilização de todas as ferramentas que estão disponíveis para os produtores. Esta capacitação é necessária em várias frentes, iniciando pelo gestor ou proprietário da fazenda que deve ter conhecimento das inovações e disposição para aplicá-la na propriedade. Os operadores de máquinas é outra frente que deve ser capacitada, e principalmente, os técnicos das ciências agronômicas que terão pela frente a análise dos dados gerados.

Para a indústria de máquinas agrícolas, mas especificamente, também há um grande desafio de levar estas tecnologias de ponta que estão muito concentradas nas grandes máquinas, para máquinas médias e pequenas e proporcionar ao pequeno e médio agricultor o uso destas novas tecnologias. O desafio é adaptar os softwares a custo competitivo para pequenas propriedades.

Com a digitalização nunca mais veremos o campo da mesma maneira. A transição 4.0 será gradual, e a velocidade de implantação vai depender não apenas da tecnologia, mas também de fatores econômicos e estratégicos de cada país e de cada organização, como custo brasil, educação e infraestrutura digital. O Brasil pode aproveitar essa oportunidade e pode liderar essa nova onda tecnológica, depende de nós.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.