Conectado com
LINKE

Empresas

Nutrição no período seco exige atenção especial para suprir as exigências das vacas leiteiras

Publicado em

em

Divulgação Auster

A nutrição das vacas leiteiras em período seco exige atenção. “De 45 a 60 dias antes do parto, as vacas deixam de ser ordenhadas e são preparadas para a próxima lactação. Nesse período, ao mesmo tempo em que as glândulas mamárias descansam, os nutrientes – antes voltados para a produção de leite – são destinados à formação final dos bezerros”, explica Iago Melo, zootecnista da Auster Nutrição Animal. “É importante ter atenção à nutrição porque os animais passam por grandes mudanças fisiológicas e metabólicas em curto período de tempo”, complementa o especialista.

“Do ponto de vista nutricional, o período seco tem cerca de 60 dias e é dividido em duas fases: pós-secagem, quando as vacas recebem dieta de baixa energia e alta fibra, facilitando o manejo do processo de secagem; e os 21 dias que antecedem o parto, na qual os teores energético e proteico da dieta aumentam em comparação aos fornecidos durante a primeira fase”, afirma o zootecnista da Auster.

Iago Melo explica que, durante o período seco, as vacas têm necessidades nutricionais diferentes das fêmeas em lactação. Para evitar ou amenizar qualquer desbalanceamento, orienta-se a ingestão de 1,8% a 2,1% de matéria seca por peso vivo; 3% de extrato etéreo; 12% a 13% de proteína bruta; 10% a 16% de amido; e FDN (fibra em detergente neutro) inferior a 35%. Tais nutrientes visam melhorar a qualidade e a quantidade de colostro, maior produção de leite na lactação seguinte e recuperação de escore corporal da vaca antes do parto.

Para o zootecnista da Auster, o produtor deve se adequar às demandas nutricionais desse período, visto que o manejo inadequado pode gerar aumento de casos de balanço energético negativo no pós-parto, além de doenças metabólicas, como acidose, laminite, deslocamento de abomaso, retenção de placenta, metrite e febre do leite.

“Porém, o maior desafio ocorre no final do período seco. Nesse momento, a vaca passa por alterações hormonais e metabólicas decorrentes da proximidade do parto, ocasionadas pelo aumento na demanda de nutrientes, crescimento acelerado do feto, síntese de colostro pela glândula mamária, depressão da imunidade, mudanças de ambiente e a inevitável queda no consumo de alimentos”, alerta Iago Melo.

Durante o período seco e o pré-parto, é comum as vacas apresentarem redução de ingestão de matéria seca, fazendo-se necessária a tomada de medidas para que o consumo seja o menos afetado possível. Entre elas, Melo recomenda dieta com inclusão de fibras, aumentando o enchimento ruminal e alcançando o escore ideal; aumento da concentração da dieta em açúcares, amido, minerais e vitaminas; sombra; cuidado com a superlotação dos lotes; separação de novilhas de vacas, se possível; evitar grandes mudanças de ambiente; fácil acesso à água limpa e fresca; espaçamento de cocho no mínimo de 80cm por vaca; e ambiente limpo e seco.

Iago Melo ressalta, também, a importância do resfriamento dessas vacas durante o período seco, de maneira a ter efeito positivo no alívio do estresse térmico, visto que submetê-las apenas ao sombreamento pode não ser suficiente para impedir o estresse em altas temperaturas e alto teor de umidade. ”Vacas submetidas a esse estresse tendem a produzir cerca de 3,5kg-4,0kg à menos na lactação subsequente em relação a vacas que são resfriadas”, acrescenta o zootecnista.

Atenta às necessidades nutricionais das vacas durante o período seco, a Auster Nutrição Animal oferece os produtos da linha Númia, recomendando Númia VL de 30 a 60 dias antes do parto; Númia Primo, Númia Primo Cocho e Númia RPC Completo.  De 30 a 21 dias antes do parto é recomendado núcleos aniônicos, tais como: Númia VL Pré-Parto, Númia Primo Pré-Parto e Númia Pré-Parto pH menos. A linha Númia é indicada para o balanceamento da dieta total dos animais, tornando-a mais atrativa e melhorando o status nutricional para auxiliar no controle do pH ruminal, produção de AGV’s (ácidos graxos voláteis), balanceamento de minerais, aminoácidos e vitaminas, durante as etapas que antecedem o parto.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + doze =

Empresas Avicultura

Sistema AVIS, da Phibro, oferece assistência veterinária, monitoramento sanitário e gestão da informação

A plataforma AVIS, exclusiva da Phibro, permite que informações colhidas por meio de necropsias de frangos de corte

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O monitoramento de informações do campo é essencial para o manejo eficaz de problemas que prejudicam a alta performance da avicultura brasileira. Por isso, a Phibro Saúde Animal disponibiliza o sistema de Assistência Veterinária e Integralidade Sanitária (AVIS), um sistema de monitoramento sanitário para frangos de corte, através de necropsias, com plataforma exclusiva para lançamento de dados e geração de relatórios personalizados para melhor gestão da informação e consequentemente tomadas de decisões mais ágeis.

“A monitoria sanitária de campo, através de necropsias, é uma importante ferramenta para verificação da performance de programas preventivos em uso (anticoccidianos, vacinas e outros) e da saúde geral dos plantéis. A execução de monitorias de forma regular e sistematizada permite gerar informações, verificar tendências e comportamentos e ajuda a evitar prejuízos, como por exemplo, no caso da coccidiose, que causa perdas de até US$ 13 bilhões por ano no mundo, segundo estudos recentes e atualizados”, afirma a gerente técnica de avicultura da Phibro, Patrícia Tironi Rocha, que é mestre em sanidade animal pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

A plataforma AVIS, exclusiva da Phibro, permite que informações colhidas por meio de necropsias de frangos de corte – tanto pela equipe PHIBRO quanto pelas equipes da empresa/cliente – sejam tabuladas, gerando relatórios completos e personalizados sobre a situação das aves, bem como gráficos que revelam o panorama da ocorrência dos achados nos plantéis. Tudo isso auxilia na gestão da informação para a implementação de programas de prevenção a doenças.

“Entre os tópicos analisados pela monitoria AVIS estão saúde intestinal, coccidiose e lesões causadas por micotoxinas, além de problemas nos sistemas imunológico, respiratório e locomotor, sendo que este último tópico inclui os diversos problemas no desenvolvimento dos animais”, detalha Patrícia.

Criado há cerca de dois anos, a plataforma AVIS tem atualmente cerca de 300 usuários pertencentes a 80 empresas cadastradas, não só no Brasil, mas também em outros países da América Latina. Esse grupo de usuários conta com acesso não apenas ao módulo de inserção e gestão de dados de monitoria sanitária de campo (necropsias), mas acessam também o módulo de programas anticoccidianos, uma ferramenta de visual prático e autoexplicativo sobre a eficácia anticoccidiana das moléculas disponíveis no mercado brasileiro e que conta também com os LMRs limites máximos de resíduos  dos principais países importadores de frango do Brasil.

“Uma das soluções anticoccidianas que a Phibro oferece é Aviax Plus, que em 10 anos já tratou mais de 12 bilhões de aves. Produzido em solo nacional – em Bragança Paulista (SP) – é a associação de nicarbazina com ionóforo mais eficaz contra a Eimeria maxima, espécie que mais ocasiona prejuízos zootécnicos aos plantéis de frango de corte.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Laringotraqueíte infecciosa: a prevenção da doença favorecendo a performance zootécnica e financeira das granjas

Para evitar os prejuízos causados pela doença, granjas de posturas de todo o País aderem à estratégia de prevenção e controle para resultados positivos dos seus negócios

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Entender os impactos negativos causados pela Laringotraqueíte Infecciosa no Brasil nos últimos anos abriu inúmeros precedentes para que especialistas se debruçassem sobre o problema e apresentassem soluções inovadoras para o mercado avícola. A Ceva Saúde Animal é um exemplo, única empresa no território nacional que por meio da sua estrutura científica de pesquisa trouxe para o segmento efetivas soluções para mitigar a problemática mirando a produção nacional.

Quem abre este tema para contar os avanços e soluções no campo de postura é o doutor em patologia e médico veterinário com vasta experiência em Bronquite Infecciosa e Laringotraqueíte, Jorge Luís Chacón, que atualmente ocupa a posição de Gerente Nacional de Serviços Técnicos da multinacional francesa. “A Laringotraqueíte é uma doença presente em todos os países com indústria avícola afetando três tipos de aves comerciais: frango de corte, matrizes e poedeiras. No Brasil a maior incidência está em regiões com alta densidade populacional de postura com programa de biosseguridade inferior”, destaca.

De acordo com o especialista, a LTI, como é conhecida a Laringotraqueíte Infecciosa, acomete o sistema respiratório em aves jovens e adultas (velhas) e traz consigo um elevado índice de mortalidade, entre 10 a 30% dos lotes. “Temos que ter em mente que além da doença em si, a ave exposta ao vírus também pode ser assintomática fazendo com que o vírus se perpetue nas granjas em especial nas de ciclo longo”, enaltece Jorge e alerta que em granjas com aves de várias idades o vírus é transmitido dos lotes mais velhos para os mais novos e com isso o ciclo viral impede a máxima performance das propriedades.

Por estes motivos o controle estratégico e o uso da tecnologia capaz de elevar a resistência das aves são os caminhos trilhados pela equipe técnica da BU Avicultura Ceva. “Só assim teremos a diminuição da circulação do vírus”, explica o médico veterinário e Gerente Técnico Aves de Postura Fernando Resende.

Por estas razões, explica Jorge, nos últimos meses, empresas brasileiras – granjas – passaram a adotar a estratégia da prevenção pelo uso de vacinas mesmo em lotes ainda negativos. “Essas empresas entenderam que o controle é algo difícil, por esta razão partiram para um sistema de uso de vacinas”, destaca e lembra que antes disso é necessário evitar o ingresso. “Vemos que as granjas positivas conseguem controlar a doença, ou seja, onde se usa a vacina vemos a doença controlada pela aplicação de programas preventivos.”

Todas essas preocupações estão alicerçadas nos números do setor. A produção nacional projetada para 2021 segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (São Paulo/SP) será de 56,2 bilhões de unidades, número 5% superior ao previsto para 2020 e com um consumo saindo de 250 ovos per capta para 265 unidades para o ano corrente.

Números que sustentam o compromisso da multinacional segundo o Gerente de Marketing de Aves de Ciclo Longo da Ceva, Felipe Pelicioni. “Não medimos esforços para colocar à disposição do mercado vacinas diferenciadas e serviços capazes de suportar os desafios da avicultura de postura nacional e com isso entregar para os avicultores parceiros inúmeros benefícios zootécnicos e econômicos.”

O desenvolvimento das vacinas Vectormune HVT LT e a FP LT atestam este compromisso da multinacional. A primeira, HVT LT é uma vacina viva congelada que contém o vírus da doença de Marek HVT (Sorotipo 3), geneticamente modificado para expressar um antígeno chave para proteção contra o vírus da Laringotraqueíte Infecciosa. Já a FP LT é uma vacina viva onde o vírus da Bouba Aviária foi modificado para conter e expressar importantes antígenos protetores de Laringotraqueíte Aviária. “Somos a única empresa no mercado com duas tecnologias voltadas para a LTI”, destaca Fernando.

Somente com essas tecnologias utilizadas de acordo com um programa vacinal específico para cada realidade, avalia Jorge, é que as aves, em todo o ciclo produtivo, estarão imunizadas. A vacina de Bouba (Vectormune FP-LT) quando aplicada confere para a ave proteção rápida e forte, mas ao longo das semanas tem sua imunidade reduzida. Já a de Marek (Vectormune HVT-LT) garante resposta imunológica estendida. “Estamos falando de um vírus capaz de afetar aves jovens e adultas que podem ser criadas por mais de 100 semanas. Ao mesmo tempo precisamos criar imunidade forte e duradoura. Duas vacinas com comportamentos diferentes e complementares”, encerra Jorge.

“Toda esta tecnologia coloca a Ceva em destaque em todo o território nacional por contribuir para a prevenção e controle desta enfermidade”, completa Felipe.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Normatização de práticas de bem-estar animal favorece modernização na suinocultura

Conceitos da suinocultura 4.0 como robotização e enriquecimento sensorial auxiliam enquadramento de produtores na Instrução Normativa nº 113

Publicado em

em

Divulgação Roboagro

O ano de 2021 começou com a normatização de boas práticas de manejo e bem-estar animal nas granjas de suínos de criação comercial. A Instrução Normativa nº 113 (IN 113) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), publicada no final de dezembro de 2020, moderniza as práticas da suinocultura no país. A adoção de técnicas e ambientes que priorizam a sustentabilidade e permitem ao suíno demonstrar o comportamento típico da espécie – minimizando os eventos estressantes – abre espaço para o uso cada vez maior da tecnologia.

Entre as principais evoluções está a melhoria das estruturas das granjas brasileiras. O texto normativo traz orientações como: uso de sistemas de criação que reduzam riscos de lesões, doenças e estresse; instalações climatizadas e automatizadas, comedouros de fácil acesso e que reduzam a disputa no momento da alimentação. Bem como adoção de maquinários que minimizem a emissão de ruídos e a redução de animais por baia em todos os períodos de criação. Questões que estão no foco dos principais players da suinocultura 4.0.

“Técnicas de robotização e outras ferramentas da suinocultura de precisão já têm um impacto altamente positivo nas propriedades onde estão implantadas. Além de melhorar a produtividade e a qualidade das carcaças, essas técnicas auxiliam no melhor manejo dos lotes de forma que os animais fiquem menos estressados e não haja competição pelo alimento, por exemplo”, explica Giovani Molin, diretor da ROBOAGRO.

Ações de manejo que também tem destaque na IN 133. Entre as principais orientações estão o desuso de identificações que causem mutilação no animal, como a mossagem (piques ou sinais feitos nas orelhas do suíno para controle dos lotes), e o acesso a quantidades adequadas de alimentos frescos e nutrientes. Além disso, o texto orienta, entre outros pontos, o uso de anestesia e analgesia na castração cirúrgica de machos e também recursos para enriquecimento ambiental dos suínos, como baias com objetos que o animal possa interagir e utilização de música na hora do trato. Ações que reduzem comportamentos anormais ou agressivos da espécie e deixam o animal mais relaxado. As adequações para o novo formato possuem prazos distintos para cada demanda. Algumas passam a vigorar já a partir de fevereiro de 2020 e outros têm até 25 anos para serem realizadas.

No âmbito econômico, como aponta Cleandro Pazinato Dias, especialista em bem-estar animal com mais de 25 anos no setor de suínos, afirma que uma das principais consequências da adoção desses processos é a melhora na qualidade do produto.

“Via de regra, quando se melhora o bem-estar dos animais, melhora-se também a produtividade. Então, indiretamente teremos melhores resultados zootécnicos, menos perda de peso dentro do processo e muito mais qualidade na carne produzida aqui no país”, aponta Dias.

Melhorias que elevam o status do produto brasileiro ao mesmo patamar de países da comunidade europeia, Canadá, Austrália, Chile e alguns estados dos EUA, locais mais avançados na normatização do manejo sustentável de suínos. Atualmente, o Brasil é o 4º maior produtor e exportador de carne suína com mais de 3,1 mil granjas de produção e 15 mil granjas de engorda.

Suinocultura 4.0

A robotização da produção, conhecida como Suinocultura 4.0, já é novo padrão para o mercado brasileiro. Essa prática consiste no uso de ferramentas e tecnologias que possibilitam otimizar todas as etapas do processo produtivo. Segundo levantamento do Sebrae, na região sul, a principal produtora e exportadora de suínos do país, aproximadamente 81% dos suinocultores seguem um modelo de produção integrada, onde uma cooperativa ou agroindústria fornece todos os insumos para a produção. Muitas cooperativas e agroindústrias já adotaram de forma exclusiva a utilização do robô alimentador de suínos na fase de crescimento e terminação. Cabendo ao produtor gerenciar o consumo de ração e o crescimento dos animais que serão enviados para o abate.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.