Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas

Nutrição no período de transição é estratégica para eficiência de vacas e bezerros

Ter atenção em todas as fases de produção do animal e bom manejo nutricional garantem maior produção e lucratividade para o pecuarista

Publicado em

em

O grande diferencial de vacas saudáveis e produtivas é o bom manejo nutricional. Um importante fator para garantir lucratividade e produção é a correta nutrição das vacas em todas as fases de vida do animal. Fazer o correto acompanhamento e definir estratégias nutricionais são alguns dos fatores que o pecuarista pode se atentar para garantir uma boa produção o ano inteiro. O planejamento nutricional deve ser preciso antes e após o parto.

O médico veterinário Ricardo Rocha explica que a vida produtiva da vaca é dividida em dois períodos, sendo eles o seco, em que a vaca não está em fase produtiva de leite, e o período de lactação, que representa a fase produtiva da vaca. “Podemos dividir o período seco em duas fases de acordo com o nível de exigência nutricional e desafios metabólicos”, explica. De acordo com Rocha, a fase 1 do período seco inicia no momento da secagem da vaca, ou seja, quando encerra a lactação (aproximadamente 60 dias antes da data prevista para o parto) e se estende até os 30 dias que antecedem o parto. “Nesta fase, comumente comete-se um erro no manejo nutricional de vacas leiteiras, pois como os requerimentos e os desafios metabólicos são baixos, muitas vezes por restrição na quantidade e na qualidade de alimentos os animais são mantidos com alimentação abaixo da exigência para esta fase”, comenta.

Fase dois

Ele diz que é verdade que a exigência nesta fase é baixa, no entanto, também é verdade que este é o momento de preparação das vacas para a período de pré-parto imediato. “Sendo assim, a manutenção de um rúmen saudável – adaptado à dieta de lactação – e o atendimento dos requerimentos nutricionais – energia, proteína, minerais, vitaminas – são fundamentais para garantir uma boa formação de colostro e uma lactação futura com bom desempenho”, comenta.

Já fase 2 do período seco, cita o profissional, inicia 30 dias antes da data prevista do parto e tem duração até o evento do parto. “Chamada de período pré-parto imediato, é um dos pontos mais críticos da atividade leiteira, quando a transição da fase não lactante para lactante representa mudanças nas exigências nutricionais, no metabolismo de hormônios, na capacidade que a vaca tem de ingerir alimento e consequentemente na suscetibilidade a doenças”, conta.

Rocha informa que estratégias nutricionais nesta fase envolvem o adensamento de dieta (uso de concentrados) para o atendimento de ingestão de matéria seca, preparação do rúmen e também de alguns componentes da dieta como nível proteico, uso de dietas aniônicas com o  objetivo de reduzir a ocorrência, principalmente, de hipocalcemias e assim reduzir os casos de cetose, retenções de placenta, infecção uterinas e desordens do trato digestório, como por exemplo o deslocamento de abomaso. “Alternativas nutricionais para esta fase também envolve a redução do grau de imunossupressão, em especial no que se refere a melhoria nas condições do sistema de defesa antioxidante, diminuindo o impacto negativo do estresse oxidativo que é característico desta fase”, informa.

Lactação

Já para o período de lactação, o médico veterinário conta que a divisão é feita em três fases produtivas, facilitando o atendimento dos requerimentos nutricionais e otimizando os recursos nutricionais da fazenda para cada fase. A fase 1 Rocha explica que tem início no parto e encerramento aos 100 dias de lactação (DEL100). “É a fase de maior exigência nutricional e, especialmente no início, o momento de menor ingestão de matéria seca, ou seja, é necessário o adensamento da dieta nesta fase para conseguirmos atender os requerimentos nutricionais”, diz.

A fase 2, que é dos 100 aos 200 dias de lactação, Rocha conta que é uma fase intermediária em relação à exigência, quando as vacas que tendem a ter permanência de pico de lactação continuam com requerimentos próximos à fase 1. E a fase 3 de lactação são os animais que já entram na fase de declínio de produção, ou seja, requerimento menor, e os ajustes nutricionais para esta fase servem para não haver incremento na condição corporal (não ganhar peso). “Esta separação de fases de lactação é importante juntamente com o controle leiteiro (saber a produção das vacas), controle reprodutivo (conhecer o DEL – dias em lactação) para definir a formação dos lotes de produção”, diz.

De acordo com o profissional, esta estratégia de manejo nutricional é uma das mais relevantes em uma fazenda de leite, já que possibilita o ajuste de dieta para os diferentes níveis produtivos, atendendo assim o requerimento nutricional e otimizando os recursos alimentares e financeiros.

Não errar no suplemento

Quando se fala em suplementos na ração animal, Rocha alerta que é importante ter bem claro o significado das palavras suplemento e aditivo. “Ambas têm por objetivo atender e/ou suprir alguma falta que a dieta básica não está atendendo. Muitas vezes os suplementos e os aditivos são confundidos como substitutos de ingredientes de uma dieta e assim o efeito desejável destas substâncias não ocorrer é muito alto e por vezes condenando a tecnologia. Um exemplo disso é o uso de tamponantes exógenos da dieta de vacas em lactação”, comenta.

O médico veterinário diz que pela evolução do nível produtivo das vacas leiteiras e consequentemente nos requerimentos nutricionais e necessidade de adensamento de dieta, o uso de tamponantes e estabilizantes em um “cardápio” é indispensável para atender em torno de 10% da capacidade tamponante em um rúmen. Porém, o profissional alerta que se não houver uma análise criteriosa do estímulo de ruminação que representa 80% da capacidade tamponante (CNF, amido, FDN e terceira refeição) não se pode esperar do suplemento/aditivo uma ação milagrosa. “Mas, infelizmente, é o que se busca muitas vezes, um pó milagroso e não ajustar as condições nutricionais básicas para uma vaca”, afirma.

Rocha cita que outros aditivos e suplementos podem gerar um efeito benéfico para a vaca como também para o consumidor. “Exemplo disso é o uso de um adsorvente de micotoxina que melhora condição de saúde geral da vaca em função na inibição do efeito das micotoxinas no organismo (imunossupressão, problemas reprodutivos, etc.) e reduzem a eliminação de micotoxinas através do leite”, conta.

Além do mais, o aumento de saúde para a vaca pode vir através do uso de suplementos e aditivos que melhoram a absorção de minerais (sistema de proteção de micro minerais), pela presença de blend de antioxidantes, reduzindo assim efeitos nocivos dos radicais livres de imuno moduladores, com o AGCM – ácidos graxos de cadeia média, levedura, etc., explica. “Algumas vitaminas, como exemplo a biotina (formação de glicose no fígado) e a colina (precursor do VLDL), são importantes para o metabolismo energético, promovendo efeitos benéficos na produção, reprodução e status metabólico”, conta.

Melhor manejo nutricional = mais nutrição

Rocha explica que a nutrição correta associada a um manejo nutricional correto e à interação destes com o ambiente possibilita que o animal expresse seu potencial produtivo. “Muitos fatores estão envolvidos para que se tenha sucesso na lactação de uma vaca de leite. Alguns pontos são extremamente importantes de serem verificados ao se implantar um programa nutricional em uma fazenda de leite”, informa. Entre os pontos citados pelo médico veterinário estão a disponibilidade de água, sendo este um ponto crítico nas fazendas, especialmente naquelas com sistema semi intensivo; o planejamento forrageiro, para garantir que a fazenda tenha alimento para todo o ano, de preferência com sobra; o investimento em um ambiente agradável para a vaca; e definição de um plano nutricional para cada uma das fases produtivas.

Além do mais, o profissional cita que a fase com maior impacto na produção de leite e que merece mais atenção é o período de transição, aquele que compreende os últimos 30 dias de gestação e as três primeiras semanas de lactação. “Uma falha de manejo ou nutricional especialmente no período de pré-parto (fase 2 do período seco) irá influenciar de forma negativa a lactação, ou seja, podemos dizer que uma lactação de sucesso depende de um período pré-parto de sucesso”, comenta.

De acordo com ele, esta afirmação se dá em função de que havendo falhas nesta fase, a ocorrência de doenças é maior – como a retenção de placenta, infecções uterinas, cetose, deslocamento de abomaso, metrites – e consequentemente a produção de leite será inferior. “Os impactos negativos de uma transição de uma vaca gestante para uma vaca lactante envolvem a perda da eficiência reprodutiva de um rebanho, o que resulta em vários problemas como, por exemplo, aumento de DEL e assim diminuição na rentabilidade da atividade em função da redução na produção e perdas na qualidade de leite”, afirma.

Para Rocha, na atividade leiteira, quando se fala em nutrição é preciso fazer o simples bem feito, ou seja, em primeiro lugar atender as condições de exigências nutricionais e de manejo para vacas leiteiras. “A partir disso, existem estratégias nutricionais, chamados de pacotes tecnológicos – suplementos e aditivos – que têm por objetivos possibilitar que as vacas expressem seu potencial produtivo com saúde e garantia de um produto saudável ao consumidor”, aponta.

Mais informações você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de agosto/setembro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + 16 =

Bovinos / Grãos / Máquinas Em 1º de junho

Paulo Martins apresenta desafios e oportunidades da cadeia leiteira 4.0 no Dia do Leite

Palestra com o economista inicia às 11 horas e será transmitida ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Publicado em

em

Doutor em Economia Aplicada e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins: “A pecuária leiteira já está absorvendo as mudanças promovidas pela disseminação das tecnologias da comunicação e informação (TICS), como a robótica e a inteligência artificial” - Foto: Marcos La Falce/Embrapa Gado de Leite

A cadeia do leite emprega cada vez mais soluções tecnológicas para otimizar atividades do dia a dia, que beneficiam desde o grande até o pequeno produtor, proporcionando aumento de margens de lucro, melhora da produtividade e redução de custos. E para aprimorar ainda mais a produção leiteira no país, o setor adotou há alguns anos estratégias com o conceito 4.0, que alia tecnologia, inteligência e automação, dando um salto em modernidade e produtividade. Esse tema será abordado no Dia do Leite pelo doutor em Economia Aplicada e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, na palestra sobre “Leite 4.0: desafios e oportunidades”, que terá início às 11 horas.

Promovido pelo Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa, a primeira edição do Dia do Leite será realizada no formato híbrido no dia 1º de junho, em Marechal Cândido Rondon (PR), com participação presencial para convidados e com transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Foto: Divulgação

Martins vai apresentar um panorama da atividade leiteira diante das transformações tecnológicas que o mundo, cada vez mais conectado, está passando. “Assim como em outras áreas, a pecuária leiteira já está absorvendo as mudanças promovidas pela disseminação das tecnologias da comunicação e informação (TICS), como a robótica e a inteligência artificial”, enfatiza.

O pesquisador também destaca que os consumidores mudaram, o que traz impactos imediatos na lógica de produção. Aspectos como produção limpa, reciclagem, desperdício, bem-estar animal, rastreabilidade, preço justo, preocupação com as comunidades e cuidado com os produtores, entre outros, são cada vez mais levados em consideração. “Pensar em novas soluções para o leite e reposicionar o setor passa ser o caminho, para isso é preciso articulação e união de produtores, indústrias, investidores, transportadores, empresas públicas e privadas de pesquisa e tecnologia e conhecimento de biólogos, zootecnistas, agrônomos, veterinários, físicos, matemáticos, economistas, dentre outras áreas”, evidencia.

Idealizador do Ideas For Milk, o primeiro ecossistema de inovação criado no agronegócio brasileiro, Martins se dedica a estudar a competitividade do setor leiteiro. Atualmente atua também como professor dos cursos de MBA e mestrado em Administração da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF/MG).

Ele também foi por 11 anos chefe-geral da Embrapa Gado de Leite (2004 a 2008 e 2014 a 2021) e pelo mesmo período foi membro da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (CSLEI/Mapa), integrou a equipe de assessoria do Governo de Minas Gerais e participou da direção da Itambé Alimentos por três anos.

Ciclo de palestras
O Dia do Leite inicia às 09 horas com o credenciamento. Após, às 09h30, está marcada a solenidade de abertura com o presidente da Frimesa, Valter Vanzella.

O ciclo de palestras começa às 10 horas, com o secretário de Agricultura e do Abastecimento do Estado do Paraná, Norberto Anacleto Ortigara, que vai tratar sobre a “Importância do status sanitário das propriedades leiteiras no Paraná”.

E no período da tarde, a partir das 13h30, o engenheiro agrônomo, mestre em Economia Rural, e atual coordenador da Câmara do Leite da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Vicente Nogueira Netto, vai ministrar a palestra “Reflexões sobre o mercado do leite”.

O encerramento da programação do Dia do Leite está previsto para as 15 horas.

Quem faz acontecer
O Dia do Leite é uma realização do Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa. O evento tem patrocínio ouro da Sicredi; prata da Biochem, Imeve e Prado Saúde Animal; e bronze da AB Vista, Anpario e Syntec. E conta ainda com o apoio do Sistema Ocepar, Câmara do Leite, Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa e da Associação Brasileira do Produtores de Leite.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

A importância do zinco na nutrição dos bovinos

Bovinos bem suplementados com zinco são mais tolerantes à fotossensibilização hepática, doença causada pela ingestão de fungos das pastagens, responsáveis por lesionar o fígado dos animais

Publicado em

em

Muitas vezes nos deparamos com dúvidas de pecuaristas e até de alguns técnicos sobre a importância e o porquê suplementar microminerais para bovinos, uma vez que, por muitos anos, o fósforo foi classificado como o maior macromineral limitante na nutrição desses animais.

Com a evolução das pesquisas científicas ficou evidente a importância dos microminerais. Por isso, neste texto vamos falar sobre o zinco e a sua importância na nutrição dos animais de produção, tendo como foco os bovinos.

O zinco se encontra deficiente em praticamente todas as forrageiras utilizadas no território brasileiro. Em média, sua a concentração está entre 18 mg/kg e 28 mg/kg de matéria seca das forragens, sendo que as exigências estão entre 35 mg/kg e 60 mg/kg, conforme a categoria animal e o estágio de produção. Percebe-se então que as pastagens oferecem em torno de 50% do necessário para uma plena saúde e produção do rebanho.

Para entender a dimensão dessa circunstância, vamos analisar um pouco mais o papel biológico e as funções desse mineral no organismo e nas respostas produtivas.

O zinco está presente em mais de 300 enzimas de organismos vivos. Nas enzimas antioxidantes, por exemplo, atua para reduzir os radicais livres. Além disso, ele favorece a resposta imune, é indispensável na síntese do DNA, protege contra células cancerígenas e formação de células espermáticas e atua na regeneração de células e tecidos, sendo fator importante na cicatrização.

O mineral tem papel fundamental no transporte de vitamina A, na estrutura de cascos e na manutenção e recuperação da mucosa. Ele também está presente em todos os tecidos do organismo, principalmente no cérebro, fígado, músculos, ossos e rins.

No sistema de produção, a deficiência do zinco em qualquer intensidade compromete o crescimento e o ganho de peso, reduz a saúde e aumenta a mortalidade de animais jovens, reduz a resposta vacinal, aumenta a morte embrionária, reduzindo a taxa de parição, favorece a retenção de placenta, aumenta os problemas de cascos, prejudica a qualidade do sêmen e pode alterar a expressão genética, prejudicando o melhoramento zootécnico do rebanho.

Bovinos bem suplementados com zinco são mais tolerantes à fotossensibilização hepática, doença causada pela ingestão de fungos das pastagens, responsáveis por lesionar o fígado dos animais. Neste caso, o micromineral atua como mecanismo de desintoxicação do fígado.

O zinco também estimula a resposta imune, reduz as infecções clinicas e subclinicas no caso de rebanhos leiteiros, e tem reflexo positivo na redução de células somáticas no leite.

Considerando todos esses benefícios, fica evidenciada a importância desse mineral em concentrações adequadas nos suplementos destinados aos rebanhos.

É muito importante verificar se a concentração do zinco e seu consumo indicado atendem às exigências complementares. É aconselhável também verificar as fontes do mineral contida em sua composição básica, já que a fonte via sulfato de zinco é duas vezes mais absorvível que o óxido de zinco.

Em determinadas circunstâncias, combinações de sulfatos com fontes orgânicas podem ser interessantes.

Em rebanhos de cria a deficiência até mesmo moderada de zinco na fase pós diagnóstico de prenhez influencia em aumento de perdas embrionárias.

Fique atento à suplementação dos microminerais. São pelo menos sete ao todo, que podem fazer toda a diferença na produção do rebanho.

 

Lauriston Bertelli Fernandes é zootecnista e diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Premix

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Em 1º de junho

Dia do Leite apresenta cenário de desafios e oportunidades do setor para a cadeia produtiva

Inédito em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, evento será realizado no formato híbrido, com participação presencial para convidados e com transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Publicado em

em

O Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa, promove o Dia do Leite em 1º de junho. Um evento inédito em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, que será realizado no formato híbrido, com participação presencial para convidados e com transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Para trazer uma visão ampla do cenário atual da bovinocultura leiteira, apresentando os desafios e oportunidades do setor, o Dia do Leite terá três palestras com profissionais reconhecidos a nível nacional, com relevante atuação na cadeia produtiva.

O evento inicia às 09 horas com o credenciamento. Após, às 09h30, está marcada a solenidade de abertura com o presidente da Frimesa, Valter Vanzella.

O ciclo de palestras inicia às 10 horas, com o secretário de Agricultura e do Abastecimento do Estado do Paraná, Norberto Anacleto Ortigara, que vai tratar sobre a “Importância do status sanitário das propriedades leiteiras no Paraná”.

Com uma vasta experiência no âmbito da agricultura, Ortigara é técnico agrícola e economista, com especialização em Economia Rural e Segurança Alimentar. Desde 1978 é servidor público da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), onde ocupou as funções de pesquisador, gerente, coordenador, analista, diretor do Departamento de Economia Rural (Deral), diretor-geral e secretário de Estado de janeiro de 2011 a abril de 2018, cargo que voltou a ocupar a partir de janeiro de 2019. Também já foi secretário municipal de Abastecimento de Curitiba por cinco anos.

Leite 4.0

Em seguida, a partir das 11 horas, o economista doutor em Economia Aplicada e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, abordará o tema “Leite 4.0: desafios e oportunidades”. Professor nos cursos de MBA e mestrado em Administração da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Martins se dedica a estudar a competitividade do setor leiteiro e foi idealizador do Ideas For Milk, o primeiro ecossistema de inovação criado no agronegócio brasileiro.

Ele também já foi chefe-geral da Embrapa Gado de Leite por 11 anos (2004 a 2008 e 2014 a 2021) e pelo mesmo período foi membro da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (CSLEI/Mapa), integrou a equipe de assessoria do Governo de Minas Gerais e participou da direção da Itambé Alimentos por três anos.

Mercado do leite

A programação segue, a partir das 13h30, com a palestra “Reflexões sobre o mercado do leite”, ministrada pelo engenheiro agrônomo, mestre em Economia Rural, e atual coordenador da Câmara do Leite da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Vicente Nogueira Netto.

Netto está à frente da Cooperativa dos Produtores Rurais do Triângulo Mineiro (Cotrial), é representante da OCB na CSLEI/Mapa e sócio-diretor da Tropical Genética de Embriões. Também já foi chefe do Departamento Econômico da Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e presidente da Federação Pan-Americana de Leite (Fepale).

O encerramento do evento está previsto para as 15 horas.

Quem faz acontecer

O Dia do Leite é uma realização do Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa. O evento tem patrocínio ouro da Sicredi; prata da Biochem, Imeve e Prado Saúde Animal; e bronze da AB Vista, Anpario e Syntec. E conta ainda com o apoio do Sistema Ocepar, Câmara do Leite, Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa e da Associação Brasileira do Produtores de Leite.

 

Programação Dia do Leite

09h – Credenciamento

09h30 – Presidente da Frimesa, Valter Vanzella

10h – Palestra “Importância do Status Sanitários das Propriedades Leiteiras do Paraná”, ministrada pelo Secretário de Agricultura do Estado do Paraná, Norberto Ortigara

11h – Palestra “Leite 4.0. Desafios e Oportunidades” ministrada pelo pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins

12h – Almoço

13h30 – Palestra “Reflexões sobre o mercado de leite”, ministrada pelo Coordenador da Câmara do Leite, da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Vicente Nogueira Netto

15h – Encerramento

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
suinfair 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.