Conectado com
O Presente Rural Youtube

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária

Nutrição de precisão para a saúde animal

Conceito da Nutrição de Precisão pode, e deve, ser implementada em qualquer tamanho e modelo de fazenda, trazendo benefícios a todos os elos da cadeia produtiva leiteira

Publicado em

em

Divulgação

 Artigo escrito por Nelson Ferreira Jr., zootecnista e gerente de Negócios Ruminantes AB Vista

A nutrição animal sempre foi uma área fascinante e obviamente eu, como zootecnista, sou suspeito para falar, mais ainda por trabalhar com ruminantes, onde temos que alimentar as bactérias ruminais para que mantenham a harmonia entre os trilhões de “habitantes” do rúmen para extrair o máximo do alimento e maximizar a performance zootécnica e lucratividade da atividade.

Apesar de não ter evoluído na mesma velocidade da nutrição de monogástricos, a nutrição de vacas leiteiras se modernizou bastante e a seguir vamos detalhar algumas das principais etapas.

Nutrição para performance

Talvez seja o conceito mais difundido e uma das primeiras preocupações dos antigos nutricionistas, que tinham o objetivo maior de aumentar a produção de leite. Objetivo este fácil de atingir, teoricamente, se o tripé genética, alimentação e ambiência permitirem.

Conseguimos fazer as vacas leiteiras produzir muito leite, sendo o recorde mundial de produção de uma vaca que produziu em 24 horas, 127kg de leite, ou falando em rebanhos, animais com lactação de mais de 30.000kg por lactação.

Mas junto com o leite, vieram os desafios de longevidade e/ou saúde em geral. Chegamos ao extremo de descartar vacas antes dela atingir seu máximo produtivo, como por exemplo os rebanhos de altíssima produção na Califórnia- EUA que tinham, em média, vida útil de menos de 2 lactações/vaca.

Nutrição para longevidade

Totalmente ao contrário do visto na Califórnia, abaixo o gráfico mostra a vida útil dos rebanhos da Holanda, com uma média de 5,8 lactações. Comparando-se países e fazendas com os extremos em longevidades, passou-se a pensar tanto no uso de genética quanto da nutrição para atingir-se vacas mais longevas, pois assim temos tempo de diluir o custo de recria da bezerra e novilha leiteira em algumas lactações. Passou-se então a “forçar” menos a vaca para focar em saúde.

No Brasil, onde temos grandes desafios devido ao calor, começamos a estudar conceitos e produtos que minimizassem os efeitos do estresse térmico para que as vacas sentissem menos os efeitos do calor, minimizando a queda na produção de leite e principalmente, mantendo a saúde. Dentre os principais conceitos, podemos citar o uso de balanço eletrolítico, leveduras e betaínas.

Nutrição e reprodução

Com vacas já produtivas e longevas, uma parte das pesquisas se voltou para os efeitos da Nutrição na Reprodução, já que se as vacas forem produtivas, mas não emprenharem, não temos um novo parto e, consequentemente, não teremos produção de leite.

A nutrição tem importante impacto sobre o desempenho reprodutivo dos bovinos. A energia é o principal nutriente de que os bovinos adultos necessitam e a ingestão inadequada de energia tem impacto prejudicial sobre a atividade reprodutiva das fêmeas. As vacas em balanço energético negativo têm longos períodos de anestro, que é ampliado pela perda de condição corporal durante o período pós-parto inicial. A retomada dos ciclos ovulatórios está associada ao balanço energético, mas o grande desafio é fornecer o nível energético ideal para que a vaca não emagreça, sem que ela tenha uma ingestão muito alta de amido, que tem efeitos maléficos na reprodução. Pode parecer um contrassenso, mas essa é a biologia!

Além da energia, outro nutriente bastante impactante na reprodução é a proteína, ou mais especificamente, o nitrogênio ureíco circulante. Ao mesmo tempo que dietas com baixa proteína limitam o crescimento de proteína microbiana, altos níveis de proteína da dieta podem levar a aumentos nas concentrações de amônia e ureia no leite e no sangue, que são usadas como marcadores de fertilidade reduzida.

Nutrição de precisão

O grupo de trabalho em Manejo da Nutrição de Precisão da Universidade de NY – EUA, define Nutrição de Precisão como “o contínuo processo de promover um adequados, mas não excessivos, nutrientes ao animal, obtendo a maioria dos nutrientes de alimentos ‘cultivados em casa’ através da integração do manejo de forragens e da alimentação para o propósito de se manter a sustentabilidade ambiental e econômica do sistema”.

Nos últimos anos o termo Nutrição de Precisão foi criado e tem sido cada vez mais utilizado visando a melhor saúde animal com uma melhor rentabilidade. A visão holística da nutrição de precisão permite maximizar a performance animal, mesmo assim preocupar-se com a emissão controlada de nutrientes (principalmente Nitrogênio, Fósforo, que já são controlados em alguns países) e gases (metano e dióxido de carbono).

A Univ. de Cornell implementou a Nutrição de Precisão em 2 rebanhos grandes e de alta produção (11500kg/vaca/ano) de NY, controlando  praticamente todos os itens que envolvessem a dieta, deste o manejo de solos e rotação de culturas, manejo alimentar, qualidade de água e dados econômicos, sendo os principais resultados: redução considerável de N (34%), amônia (50%) e fósforo. O retorno sobre custo alimentar aumentou e a lucratividade em geral da fazenda Itambé.

Já a Univ. de Dellaware – EUA implementou o conceito em 9 fazendas de 60 a 300 vacas produzindo entre 12 e 39 litros/vaca/dia, recebendo as mais variadas dietas e os principais resultados foram: diminuição do uso e da excreção de P, diminuição da proteína bruta da dieta em 1,8%, diminuição de 15% de excreção de N e aumento da lucratividade em 146 dólares/vaca/ano.

Estes dois exemplos nos mostram que o conceito da Nutrição de Precisão pode, e deve, ser implementada em qualquer tamanho e modelo de fazenda, trazendo benefícios a todos os elos da cadeia produtiva leiteira: solo, água, animais e proprietários.

Baseado em todas as “extensões” da nutrição que foram mostradas acima, cada vez mais a nutrição de ruminantes e de vacas leiteiras está se aprofundando nos detalhes para que o produtor produza um leite de alta qualidade, lucrativo, ambientalmente responsável e com animais saudáveis e longevos. Por isso, sempre consulte um nutricionista e use produtos de sua confiança para ser eficiente.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + dezessete =

Bovinos / Grãos / Máquinas Safra 20/21

Colheita de soja tem início e produção deve atingir 133,7 milhões de toneladas

Produção total deve registrar um crescimento de 7,9 milhões de toneladas se comparado com a safra 2019/20

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Com um aumento de área em 3,4%, a produção de soja na safra 2020/21 pode chegar a 133,7 milhões de toneladas no país.  A oleaginosa é a principal cultura cultivada e representa cerca de 50% da colheita de grãos no Brasil, estimada em 264,8 milhões de toneladas, como indica o 4º Levantamento da Safra de Grãos. Divulgado nesta quarta-feira (13) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o boletim ainda revela que a produção total deve registrar um crescimento de 7,9 milhões de toneladas se comparado com a safra 2019/20, quando a colheita foi de 256,94.

A colheita da oleaginosa já teve início em Mato Grosso, conforme foi divulgado pela Companhia no Progresso de Safra desta semana. Principal estado produtor de soja, a produção poderá chegar a 35,43 milhões de toneladas, com uma ligeira queda com o estimado na safra anterior, mesmo com a expectativa de aumento na área plantada. O resultado é reflexo da estimativa de menor produtividade, uma vez que as condições climáticas de 2019 não se repetiram até então.

Outro grão de destaque é o milho. Com produção total estimada em 102,3 milhões de toneladas, a primeira safra do cereal deve apresentar uma queda de 6,9%.  As condições climáticas desfavoráveis no momento do cultivo da primeira safra influenciaram a produtividade, principalmente no Sul do país. No Rio Grande do Sul, a diminuição neste índice foi estimada em 11%. Com isso, a produção tende a ser 9,3% menor. Em Santa Catarina, os percentuais de queda na produtividade e na colheita da primeira safra são ainda maiores, chegando a 14% e 12,7% respectivamente. Em ambos os estados, a área destinada ao plantio do grão deve crescer, o que reduz um pouco a queda no volume de produção.

No caso do arroz, o aumento de área foi menor do que o esperado, principalmente pelo fato de as chuvas não abastecerem satisfatoriamente as barragens que fornecem água para as lavouras irrigadas na região Sul. Além do menor aumento de área, as condições climáticas também impactaram a produtividade. Assim, a produção deve atingir 10,9 milhões de toneladas, queda de 2,5% em comparação com a safra anterior.

Quadro de oferta e demanda

Neste 4a levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz. A Conab alterou a janela de análise anual de cada safra, passando do período de março a fevereiro para janeiro a dezembro.

Esta mudança já era solicitada pelo setor e visa trazer maior transparência e precisão nas estimativas de estoques, uma vez que, ao estimar o estoque de passagem em fevereiro, era preciso desconsiderar o produto novo colhido nos primeiros meses do ano. Isto gerava dificuldade na extração de tal informação, além de poder levar a uma interpretação equivocada do quadro de suprimento, em vista que o estoque físico real, ao final de fevereiro, é sempre maior do que o publicado como estoque de passagem.

Com esta mudança, o estoque físico real, ao final de dezembro, será igual ao publicado como estoque de passagem no fim do mesmo mês, pois a colheita do arroz inicia-se apenas em janeiro de cada ano.

Fonte: Conab
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Segundo INMET

Chuvas devem ficar acima da média na maior parte do Brasil no primeiro trimestre de 2021

Chuvas devem ficar acima da média na maioria das regiões nos três primeiros meses do ano, exceto na região Sul

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) divulgou na sexta-feira (08) o primeiro Boletim Agroclimatológico Mensal de 2021. De acordo com os dados divulgados, as chuvas devem ficar acima da média na maioria das regiões nos três primeiros meses do ano, exceto na região Sul.

Para a Região Norte, a previsão climática do INMET indica maior probabilidade de que as chuvas durante o trimestre janeiro, fevereiro e março deverão ocorrer acima da média climatológica em praticamente toda a região, podendo ficar abaixo no sul do Pará e do Amazonas, em Rondônia e no sul do Tocantins. A temperatura do ar próximo a superfície deverá prevalecer um pouco acima da média em grande parte da região. A previsão do balanço hídrico no solo indica predomínio de excedentes hídricos em grande parte da Região Norte, durante os meses de janeiro fevereiro e março, exceto em Roraima onde tem-se a previsão de ocorrência de déficit hídrico no solo.

Já na Região Nordeste a previsão indica chuvas dentro da faixa normal ou acima na parte mais ao norte que vai do Maranhão ao Rio Grande do Norte. Em Alagoas, Sergipe, Bahia e em algumas localidades de Pernambuco, as previsões de chuvas apontam para uma maior probabilidade de volumes abaixo da média. As temperaturas do ar devem variar em torno da média ou acima principalmente em Alagoas, Sergipe e Bahia. No norte da Região Nordeste, as temperaturas devem ficar próximas da média ou ligeiramente abaixo. Os mapas das variáveis do balanço hídrico no solo indicam para os meses de janeiro e fevereiro uma área com deficiência hídrica sobre a Bahia, sudeste do Piauí e toda a faixa leste da região. Há, porém, probabilidade de condições hídricas no solo mais satisfatórias no Maranhão, norte do Piauí e no Ceará.

A previsão do INMET para a Região Centro-Oeste indica que as chuvas deverão ocorrer acima da média sobre a maior parte do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, nas demais áreas a previsão indica chuvas abaixo da média. As previsões de temperaturas indicam que deverão predominar valores acima da média durante o trimestre. O balanço hídrico previsto pelo modelo do INMET indica o predomínio de excedente hídrico em grande parte da Região Centro-Oeste, durante os três meses, exceto no oeste do Mato Grosso do Sul, onde há probabilidade de déficit hídrico.

A previsão do modelo do INMET indica que as chuvas permanecerão acima da média em São Paulo e faixa litorânea da Região Sudeste. Em Minas Gerais, a previsão indica chuvas abaixo da média, principalmente no noroeste mineiro. A temperatura do ar próximo a superfície deverá prevalecer um pouco acima da média em grande parte da região. A condição prevista para os primeiros meses de 2021 indica um excedente na quantidade de água no solo em praticamente toda a Região Sudeste, com exceção do norte de Minas Gerais e Espírito Santo, onde são previstos déficits hídricos nos meses de janeiro e fevereiro.

E para a Região Sul as previsões climáticas indicam que o trimestre deve ficar com chuvas próximas ou abaixo da média climatológica no Rio Grande do Sul e parte de Santa Catarina. No Paraná e leste de Santa Catarina, devem predominar áreas dentro da faixa normal do período ou ligeiramente acima. A temperatura do ar próximo a superfície deverá prevalecer um pouco acima da média em grande parte da região. Para o mês de janeiro, o modelo de previsão do balanço hídrico do INMET indica o predomínio de áreas com condições hídricas regulares na Região Sul, principalmente no Paraná e em Santa Catarina. Já nos meses de fevereiro e março existe uma tendência de expansão das áreas de déficit hídrico nos três Estados.

Condições oceânicas

O Boletim monstra que a interação entre a superfície dos oceanos e a atmosfera interfere nas condições do tempo e do clima em diversas localidades no mundo. No Brasil, fenômenos como El Niño-Oscilação Sul (ENOS), no Oceano Pacífico Equatorial, e o gradiente térmico do Oceano Atlântico Tropical, também chamado de Dipolo do Atlântico, são exemplos dessa interação oceano-atmosfera que influenciam o clima no Brasil.

No Oceano Pacífico Equatorial, as médias mensais da área de referência para definição do evento ENOS, denominada região de Niño 3.4 (entre 170°W-120°W), começaram a apresentar valores médios negativos a partir de maio, iniciando um processo de resfriamento anômalo que caracteriza o fenômeno La Niña. Durante o mês de novembro, as águas do Pacífico Equatorial permanecem frias em toda sua extensão, com valores de até -3,0ºC. Ainda neste mês, o valor médio sobre a região do Niño 3.4 registrado foi de -1,0°C, ainda com intensidade classificada como moderada.

O multimodelo de previsão de ENOS do APEC Climate Center (APCC), centro de pesquisa sediado na Coréia do Sul, aponta para uma probabilidade acima de 70% que o fenômeno La Niña vai atuar durante o verão 2020/2021 até o início do outono/2021, perdendo intensidade gradativamente até abril. Diante deste cenário, é importante observar os possíveis impactos da La Niña sobre o clima e agricultura do Brasil.

De forma geral, este fenômeno favorece a agricultura sobre a parte norte das regiões Norte e Nordeste, devido ao aumento no volume das chuvas, enquanto na Região Sul ocorre o oposto. Além disso, este não é o único fenômeno determinante para o comportamento do clima, pois existem outros fatores naturais que podem intensificar ou atenuar os potenciais efeitos de uma La Niña, como por exemplo a temperatura do oceano Atlântico na faixa tropical ou no sudeste da América do Sul.

Análise das condições climáticas em dezembro de 2020

O Boletim do INMET traz ainda o cenário de contrastes na distribuição das chuvas no Brasil marcou o último mês de 2020. As cinco regiões do país fecharam o ano apresentando áreas com déficit e excesso ao mesmo tempo.

Na Região Norte, os maiores volumes de chuva no mês de dezembro ocorreram sobre os estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Tocantins e Pará, com acumulados entre 120 e 450 mm. Em Roraima e Amapá, os acumulados registrados ficaram na faixa entre 70 e 130 mm.

No Nordeste, o mês de dezembro na maior parte do semiárido e das faixas litorâneas norte e leste é um período naturalmente seco ou baixa pluviosidade, e os totais observados foram inferiores à 40 mm, como mostra o mapa de chuva acumulada. Porém, no sul do Maranhão e do Piauí e no leste da Bahia, os volumes acumulados em dezembro foram entre 60 e 200 mm.

No Centro-Oeste, os volumes de dezembro foram significativamente superiores aos do mês anterior, contudo ainda houve irregularidade acentuada na precipitação em toda a região. No Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, os totais variaram entre 70 e 330 mm. No Estado de Goiás e no Distrito Federal, as chuvas ficaram na faixa entre 80 e 300 mm.

No Sudeste, os contrastes na distribuição das chuvas foram ainda mais acentuados. Os menores volumes ocorreram nas mesorregiões mineiras, norte de Minas, Jequitinhonha e Vale do Mucuri, com totais entre 30 e 90 m, e norte do Espírito Santo, com totais na faixa entre 50 e 100 mm. Nas demais regiões de Minas Gerais, sul do Espírito Santo, Rio de Janeiro e em São Paulo, os totais ficaram, predominantemente, na faixa entre 130 e 400 mm, mas algumas localidades ficaram além desse limite, como observado, por exemplo, nas estações meteorológicas do INMET Patrocínio (MG), com 421 mm, e em Duque de Caxias-Xerém (RJ), com 559 mm.

Na Região Sul, os totais de chuva em Santa Catarina e no Paraná ficaram próximos ou acima da média em diversas localidades, com volumes entre 90 e 230 mm. Contudo, no Rio Grande do Sul, as chuvas foram mais irregulares e resultaram em volumes mais modestos, com acumulados variando na faixa entre 40 e 120 mm.

Quanto as temperaturas, a média mensal das temperaturas máximas no ficou entre 26 e 36°C. No semiárido nordestino, a temperatura máxima ficou, em média, entre 34 e 36ºC, porém em algumas localidades do Piauí e do Ceará, as temperaturas máximas em alguns dias ficaram acima dos 38 °C, como em Piripiri-PI, que chegou a registrar 38,6°C. Temperaturas mais amenas foram observadas no leste das regiões Sul e Sudeste, com temperaturas máximas entre 22 e 28°C, em média.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária

Demanda externa e oferta enxuta devem manter preços firmes em 2021

Ainda que com menor intensidade, outro fator que pode influenciar uma sustentação nos preços internos é a demanda doméstica

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Depois de registrar recordes ao longo do ano passado, o setor pecuário nacional inicia 2021 com perspectivas positivas para o mercado.

Segundo pesquisadores do Cepea, os principais fatores que fundamentam esse cenário mais otimista estão relacionados à demanda externa e à possível continuidade de oferta restrita de animais para abate neste ano, sobretudo no primeiro semestre.

Ainda que com menor intensidade, outro fator que pode influenciar uma sustentação nos preços internos é a demanda doméstica, que pode se aquecer neste ano, à medida que a economia brasileira se recupere.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.