Conectado com

Roberta Züge Opinião

Novos mercados! Novas perspectivas?

Para que de fato possamos alçar os voos que desejamos e podemos fazê-los, temos que buscar comprovar a adequação dos requisitos exigidos pelos clientes

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por por Roberta Züge, diretora Administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); diretora de Inteligência Científica Milk.Wiki, médica veterinária doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP)

Não se pode negar o quanto o Brasil evolui nas últimas décadas em relação à produção de leite e, especialmente, em relação à balança comercial brasileira. Apesar do imenso rebanho, somente em 2004 o volume de importações foi menor que de exportação de lácteos. De fato, depois deste ano, a produção brasileira foi incrementada, e com ela também, em menor velocidade, a qualidade de leite. Mas, não na mesma proporção, e com crescimentos também significativos, outros países ampliaram suas produções. Em determinadas regiões do mundo há um desequilíbrio, mais produção que capacidade de consumo. Alguns países da Europa estão enfrentando um cenário complicado entre os produtores.

No entanto, sem esmiuçar os pormenores, o Brasil possui muitas vantagens, começando com a natureza que não impede que as pastagens e plantios fiquem hibernando, sob a neve de inverno, até as dimensões geográficas que permitem uma exploração racional e mais bem adaptada às questões de bem-estar animal, por exemplo.

Tais avanços têm levado a abertura de mercados. Em julho, a China anunciou que 24 laticínios estariam habilitados a exportar. Nas últimas semanas foi notícia a abertura para o Egito e, nestes dias para o Oriente Médio. Apesar de alvissareiras, nenhum embarque foi realizado para a China, que estão pendentes de uma melhor evidência de cumprimentos dos requisitos de fiscalização. Mesmos princípios devem ser seguidos por estes outros países.

As novas legislações, as Instruções normativas 76 e 77, de 2018, estabelecem critérios claros de controle, evidenciando um monitoramento desde a propriedade rural. Iniciando já com a sanidade dos animais, já que o leite pode carrear doenças ao ser humano, oriundos de animais enfermos, passando pelo controle de medicamentos, além do tempo e temperaturas de resfriamentos, como exemplos. E, claro, exigindo cuidados grandes com a higiene para evitar contaminações. Diversos outros critérios também estão estabelecidos e exigem, além do cumprimento, que existam registros que possam comprovar que as práticas são realmente realizadas.

Em outra esfera, há diversas inovações que estão sendo criadas, aqui mesmo no Brasil, que permitem adequar rapidamente às exigências. Como exemplo, o Ideas for Milk, fomentado pela Embrapa e diversos parceiros, busca estimular especialmente startups, que desejam empreender com projetos em inovação digital, voltados para a cadeia produtiva do leite. Quem sabe as dificuldades relatadas, em relação ao cumprimento das legislações, possam ser facilmente transpostas com os novos serviços e aplicativos que estão sendo oferecidos no mercado.

Assim, para que de fato possamos alçar os voos que desejamos e podemos fazê-los, temos que buscar comprovar a adequação dos requisitos exigidos pelos clientes. Apenas reclamar e pedir ampliações de prazos, como feitos nas outras normativas que versavam sob o tema, somente irá atrasar ainda mais a consolidação do Brasil como um exportador de lácteos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 8 =

Roberta Züge Opinião

Covid e alimentos: o leite como importante fonte de suprimentos para o combate

O leite é um alimento muito rico e, acima de tudo, realmente muito barato frente aos nutrientes que pode oferecer

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Roberta Züge, diretora administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), diretora de Inteligência Científica Milk.Wiki e médica veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP)

Em tempos de pandemia, muitas dúvidas surgem em relação à como fortalecer o sistema imunológico, aquele que ataca os microrganismos causadores de doenças, como o vírus da Covid-19. Um sistema de defesa robusto tem mais chances de combater tais agentes com muito sucesso.

Muitos estudos estão sendo realizados, em diversas partes do planeta. Um grupo de cientistas australianos, do Doherty Institute, anunciou que identificou como o sistema imunológico do corpo combate a Covid-19. Nesta publicação, eles puderam descrever o aumento da defesa imunológica e das células de anticorpos, e descobriram que essas células são muito semelhantes às ativadas em pacientes com influenza, que é a gripe comum.

Neste estudo, que foi conduzido testando a resposta imunológica em quatro momentos diferentes da infecção por Covid-19, podem-se identificar tipos diferentes de células imunológicas. É como se o pelotão de combate fosse composto de diferentes armamentos, cada fase utilizando uma arma diferente.

Como o corpo precisa se armar, ele depende dos insumos para produzir o arsenal. Basicamente, o corpo humano transforma o que é ingerido em armas. Se a matéria prima não for de qualidade, ou se faltar algum insumo, estas respostas também não serão adequadas. Afinal, o pelotão pode não estar armado adequadamente, caso falte os suprimentos.

A maior parte destes insumos são os alimentos que ingerimos. No entanto, o sistema imunológico não é invencível: não há nenhum alimento mágico, suplemento ou outra vitamina que pode torná-lo inatacável. É um sistema muito intricado que envolve distintas células e moléculas cujas reações precisam de regulação.

Claro, o alimento certamente não é a única resposta, um estilo de vida saudável contribui para o combate às infecções, fortalecendo o sistema imunológico. Quanto aos alimentos a serem favorecidos, é preciso lembrar, acima de tudo, que é essencial evitar deficiências. Uma dieta equilibrada fornece a grande maioria de todos os nutrientes que o corpo precisa.

Certos nutrientes foram identificados para promover a resposta imune pelo aumento da proliferação de linfócitos (as células de combate), é o caso da arginina (aminoácido presente em certas proteínas, como a whey) e do zinco, que é um mineral com melhor absorção quando oriundo de produtos de origem animal.

Neste contexto atual, para combater o coronavírus, é essencial otimizar as funções do sistema imunológico e, assim, combater melhor as infecções bacterianas e virais. Para fortalecer as defesas imunológicas e melhorar a saúde, os alimentos devem ser diversificados. Será especialmente direcionado a certos alimentos para fornecer os nutrientes que mais especificamente desempenham um papel no sistema imunológico.

Para fortalecer o sistema imunológico, a dieta deve ser diversificada. É necessário favorecer alimentos que contenham: antioxidantes, ômega 3, aminoácidos, fibras, magnésio, probióticos de zinco e prebióticos.

Quais alimentos? Todos os legumes e frutas frescas, sementes oleaginosas; carnes magras e miudezas; peixes e crustáceos; cereais e legumes; leite e derivados; e óleos ricos em ômega 3 e 6.

Infelizmente, há divulgação tendenciosa indicando que leite e derivados não devem ser consumidos, o que é exatamente ao contrário. Ele fornece suprimentos para confeccionar as armas deste combate. O leite é um alimento muito rico e, acima de tudo, realmente muito barato frente aos nutrientes que pode oferecer. Neste momento de incertezas e de muitas fake news, é importante manter o organismo bem nutrido e, nada melhor, que um alimento completo, que tenha fácil absorção de seus nutrientes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Roberta Züge Opinião

O AC/DC dos negócios

Os olhares devem ser fixados no cliente, o que ele busca e como sanarmos suas angústias para atendê-los

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Roberta Züge, diretora Administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); diretora de Inteligência Científica Milk.Wiki; e médica veterinária doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP)

Atualmente, qualquer cidadão que esteja minimamente consciente conhece o novo Coronavírus. Falar em prevenção, contaminação, infecção, isolamento, distanciamento social, taxas de crescimento e até o uso correto de máscaras, são assuntos constantes em qualquer estrato social ou educacional.

Pessoas sem nenhuma afinidade com a área de saúde discutem a eficácia de tratamentos, uso de novos medicamentos, chegando até em máscaras N95. Temas que antes eram mais comuns aos profissionais da saúde, viraram discussões intermináveis, especialmente nas redes sociais, já que os contatos pessoais estão muito limitados.

Mas, poucas são as certezas sobre o pós-corona. Uma das previsões é que será intensificado uso de plataformas digitais. Essas precisaram ser robustas em operacionalidades e devem permear distintos serviços. Também devem permitir reuniões importantes, pois viagens a trabalho serão realizadas apenas se realmente forem imprescindíveis. Supõe-se que nesse novo cenário transforme o comércio online em um novo protagonista mundial. Talvez, as lojas físicas se alterem para pontos de retirada de produtos e/ou em macro distribuidores. Experimentar uma roupa ou algum sapato se tornará menos comum. Menos tempo na loja pode significar menos contato físico, ou seja, menor chance de contaminação.

Outro setor que deve repensar muito suas ações é o de alimentos. Impende que os empresários comecem a empreender rapidamente sobre tais demandas, não apenas no sentido de mitigar o problema, mas em contingenciamento de medidas eficazes para prosseguir nesse ramo de atividade. Pode-se analisar o que ocorreu na China, por exemplo: a Starbucks, uma rede de cafeteria multinacional, estimou que as vendas naquele país devem cair cerca de 50% em relação ano anterior. A estimativa, antes da pandemia, era que teriam um crescimento mínimo de 3%.

O momento deve ser de atenção e de trabalhos triplicados; tentar desovar o que se está produzindo, ao mesmo tempo em que se buscam informações e dados que possam subsidiar planos de negócios e reestruturação das atividades fins. Para os que trabalham com alimentação, seja diretamente na produção ou em contato com o consumidor final, vão precisar evidenciar cuidados de higiene e sanidade. Devem transparecer ao consumidor que o produto é seguro. E isso deve exigir também mais transparência em relação à rastreabilidade dos produtos e dos procedimentos empregados.

O setor de alimentação também deve exigir mais robustez e amistosidade na utilização dos sistemas digitais, afinal o consumidor está preocupado com o alimento e seu tempo é igualmente preciso. Quem poderia imaginar que haveria uma horda de pessoas lavando embalagens de arroz, feijão etc., assim que chegassem em casa? Essas estarão seguras solicitando uma refeição por aplicativos, ou se servindo num buffet de self-service? Aquele hambúrguer, com vegetais frescos e crocantes, foi preparado com produtos higienizados corretamente? A produção do campo foi feita sob critérios que mantenha a sanidade dos alimentos?

Do mesmo modo que lojistas e empresários do setor de restauração devem estar se preparando para novos desafios, da retomada do consumidor aos centros comerciais, o setor de produção rural também deve buscar ferramentas que garantam a rastreabilidade e sanidade dos seus produtos. A exportação de alimentos, carro chefe que deve ser novamente o fiel da balança, também deve olhar para esses requisitos.

Os olhares devem ser fixados no cliente, o que ele busca e como sanarmos suas angústias para atendê-los. Mais do que nunca, este é o momento de focar na solução, não apenas querer discutir responsáveis pelos problemas, eles estão postos. Vencerá aquele que se adaptar ao novo cenário. Teremos um segundo AC/DC: antes e depois do Coronavírus.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Roberta Züge Opinião

Cloroquina e o uso de produtos para proteção de plantas

Na proteção de plantas, os técnicos já se defrontaram com problemas semelhantes

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Otávio Menten, presidente do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), engenheiro agrônomo e professor sênior da ESALQ/USP e Roberta Züge, diretora Administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e médica veterinária doutora

Está havendo muita discussão sobre a utilização de medicamentos tradicionalmente utilizados para outras enfermidades no tratamento de pacientes com Covid-19 causado pelo novo Coronavírus. Como exemplo já tem discutido a cloroquina e a hidroxicloroquina são utilizadas há mais de 70 anos para o controle da malária e outras doenças; existem poucos trabalhos conclusivos sobre a dose, eficiência e efeitos colaterais no caso do novo Coronavírus.

No mesmo sentido, outros medicamentos promissores utilizados em protocolos conjuntos como corticoides, claritromicina, ivermectina, azitromicina e anticoagulantes; a USP – Universidade de São Paulo vai testar milhares de fármacos para tratar a Covid-19.

Para que novas indicações terapêuticas sejam incluídas nas bulas de medicamentos é necessária a demonstração de segurança e eficácia por meio de estudos clínicos com número representativo de participantes. A ANVISA/Ministério da Saúde divulga que o uso de cloroquina e hidroxicloroquina em formas graves de Covid-19 será a “critério médico”. Portanto, devido à “emergência”, autorizou o uso compassivo, apenas para pacientes hospitalizados, em estado grave e determinou dose específica. O CFM (Conselho Federal de Medicina) decidiu pela liberação devido à excepcionalidade da pandemia.

Na proteção de plantas, os técnicos já se defrontaram com problemas semelhantes. Em 2001 surgiu no Brasil uma nova doença na soja, causada por um fungo originário da China: Phakopsora pachyrhizi, a temida ferrugem “asiática” da soja. Já na safra 2002/2003 a ferrugem atingiu mais de 90% da área cultivada, causando até 80% na redução de produtividade. O patógeno é disseminado principalmente pelo vento e necessita de temperatura entre 18° e 25° e pelo menos oito horas de água livre na superfície da folha.

Os primeiros sintomas surgem após cinco dias de inoculação. Entre as diversas medidas para o manejo integrado da ferrugem constatou-se que o controle químico era o mais adequado. Por ser uma doença nova, não haviam fungicidas registrados. No Brasil só podem ser utilizados produtos registrados para a cultura e para o alvo biológico. Trata-se de processo rigoroso, que pode levar até oito a dez anos para ser concluído. Houve necessidade de se realizar registro emergencial, de forma que, já em 2003, haviam produtos registrados (nove triazóis e três estrobirulinas), com as respectivas doses, recomendações de número e intervalo entre aplicações. O registro emergencial se justifica para combater uma praga para qual não há produto registrado, como no caso de emergências quarentenárias. Mas só podem ser utilizados após aprovação pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Órgão Registrante) após ouvir a ANVISA/Ministério da Saúde e o IBAMA/Ministério do Meio Ambiente.

Ainda hoje, passados quase 20 anos, fungicidas ainda são as medidas mais utilizadas, tendo ocorrido grande evolução tecnológica, em termos de produtos, combinações, posicionamentos, etc, contribuindo para a sustentabilidade da produção de soja no Brasil. Inclusive, incorporando aos produtos mais modernos, fungicidas mais antigos, pelas suas características e eficiência.

Para o novo Coronavírus, no cenário da pandemia os tratamentos estão sendo realizados conforme indicação médica. Para cada caso e perfil, os especialistas estão indicando diferentes protocolos com o foco de salvar vidas, ponderando os possíveis efeitos benéficos e prejudiciais de cada medicamento, tentando acertar o alvo. Esperamos que, em breve, a ciência também tenha fármacos validados para o novo vírus.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.