Conectado com

Avicultura Mercado

“Novos” concorrentes da avicultura brasileira tomam crescimento do mercado para si

Segundo especialista, novos mercados estão surgindo e o Brasil precisa competir com esses “novos jogadores”

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado é dinâmico. Ele está sempre em constante mudança e evolução. Por conta disso, é preciso que o setor pecuário esteja atento a estas mudanças e ao que está acontecendo em todo o cenário mundial. Isso porque o mercado muda a partir do que os consumidores pensam a respeito de determinados produtos. Na avicultura, a situação não é diferente e as empresas devem estar atenta a estas mudanças e se aproveitar de cada situação para continuar competitiva. Com mais gente no mundo e pessoas com mais renda, há maior demanda de carnes, um espaço que pode ser ocupado por Brasil ou outros jogadores, como Turquia, Ucrânia e Tailândia.

O consultor doutor Antônio Mário Penz Júnior citou algumas das mudanças que estão acontecendo no cenário mundial atualmente e como elas estão afetando diretamente o consumo e a avicultura em geral. O profissional esteve em Marechal Cândido Rondon, PR, durante o Seminário Anual de Produtores de Aves, realizado pela Cooperativa Copagril, falando sobre o assunto.

Segundo ele, é preciso que o produtor entenda o cenário mundial para saber como lidar com as mudanças que estão acontecendo. Ele explica que atualmente a geração Y, também conhecida como os Millennials, que são as pessoas entre 18 e 34 anos, são quem estão dominando o mundo. “Dados dos Estados Unidos de 2015 mostram que 23% da população norte-americana é formada por millennials. Lá, quase 70% da população ativa atualmente faz parte dessa juventude que não compra carro, que mudou muita coisa, mas que tem poder aquisitivo. É uma sociedade nova que precisamos entender”, afirma.

Apesar disso, Penz diz ser necessário olhar para o outro lado do mundo, que ainda é diferente. “A população da Índia deverá ultrapassar a da China nos próximos anos. Daí vocês acham que o senhor indiano está preocupado com as mesmas coisas que os jovens norte-americanos? Não! Nós, como brasileiros, vamos alimentar os millennials, mas também temos que entender que existe esse povo que precisa se alimentar também”, conta. Ele acrescenta que atualmente no mundo existem quase 1,4 bilhão de pessoas, e mesmo existindo quase seis milhões de vegetarianos, o restante ainda consome aproximadamente dois quilos per capita/ano de carne de frango. “Eles vão comer, porque muitos estão saindo do meio rural para ir para o urbano, deixando de ser produtores para ser consumidores”, explica.

As mudanças no mundo ao longo dos anos foram grandes, afirma Penz. Ele informa que o consumo na África tem aumentado. “Então, os africanos, mesmo com todas as dificuldades financeiras, são grandes consumidores de carne. O consumo de carne é absolutamente impressionante. Eles, assim como em outros países, são aqueles que os millennials não se dão conta de que uma em cada 10 pessoas não tem acesso a comida suficiente”, mostra. O consultor afirma que a África é um local em que não somente a população, como também o consumo irá crescer. “E nessa hora nós estaremos prontos para atendê-los”, diz.

Novo mundo, novas tendências

De acordo com Penz, é importante que o produtor se de conta de algumas “loucuradas” que estão surgindo no mundo. Ele cita algumas, como por exemplo a famosa campanha do Beatle Paul McCartney que em 2009 criou a “Segunda sem carne”. “Isso é basicamente em que todas as segundas-feiras não se come carne. E o que é mais surpreendente é que em alguns locais, como em Porto Alegre, por exemplo, existem pessoas que querem implantar esse projeto em escolas”, comenta.

Outros exemplos citados pelo consultor foi a Nestlé, que é uma grande produtora de alimentos a base de leite, lançou uma linha vegana de hambúrgueres; a JBS também lançou um hambúrguer vegano e a Mantiqueira apresentou um ovo vegano. “É um mundo louco que estamos vivendo, mas que precisamos entender que a população precisa de comida”, diz.

Carne de frango é sustentável

Penz comenta que não está preocupado quanto ao consumo de carne de frango no mundo. Isso, porque os países em desenvolvimento, segundo ele, comerão o dobro de carne. “Porque sabemos que quanto maiores os recursos financeiros, a primeira coisa que acontece é aumentar o consumo de alimentos, principalmente de carne”, afirma. Além disso, o frango tem uma vantagem que outras proteínas não têm: não há restrição religiosa. “O suíno, por exemplo, tem, mas o frango não. Não tem nenhuma restrição que diga que não pode comer carne de frango”, comenta.

Outro detalhe citado por ele é o quanto a avicultura é, muitas vezes, mais sustentável que outras cadeias produtivas. “Várias instituições de pesquisa mostram que para se produzir um quilo de frango são gastos quatro mil litros de água. Esse cálculo vem desde a produção do milho, o gasto com caminhão, eles somam tudo. Então, cada vez que você come um quilo de frango, quatro mil litros de água foram gastos. Mas, se formos comparar, no bovino esse número sobre para 17 mil”, mostra. Então, de acordo com Penz, visto por este ângulo o frango consome pouca água. “Isso também pode ser visto, por exemplo na emissão de CO². O frango gasta muito menos. Então, sob o ponto de vista de preservação do meio ambiente, nós temos condições de dizer que somos pró meio-ambiente. Não podemos ser taxados de destruidores do ambiente, porque não somos”, diz.

Mercado é dinâmico

Quanto ao Brasil, diversas mudanças ocorreram ao longo dos anos, segundo Penz. “A produção da carne brasileira vinha bem até 2011, 2012, depois não aumentou mais. O consumo, a mesma coisa, vinha crescendo até 2011 e depois estagnou”, informa. “Por que parou? Porque até mesmo os mais favorecidos ficaram sem dinheiro”, explica.

O consultor informa que o mercado é dinâmico e é preciso que o Brasil esteja atento a isso. “A Europa briga tanto conosco porque no ano passado eles aumentaram em 6% as exportações. Isso é 1/3 da nossa, por isso eles estão tão desesperados”, diz. Porém, apesar disso, é preciso que o Brasil fique atento porque outros mercados estão surgindo. “A Tailândia aumentou as exportações em 8%, a Turquia em 15% e a Ucrânia aumentou 21%. Ou seja, há novos jogadores nesse mercado”, afirma.

Penz reitera a necessidade de o Brasil estar mais atento quanto a estes novos mercados pelo fato deles estarem de olho nos atuais mercados que são do Brasil. “Por isso, ou matamos a salmonella ou ela nos mata. Eu vou mostrar um caso: a doença da vaca louca aconteceu em 2003 nos Estados Unidos. A doença foi detectada em um animal, não em um milhão; em um. Por conta disso, as exportações de carne bovina deles caíram em mais de um milhão de toneladas. Um animal gerou um milhão de toneladas em prejuízos de exportação. Que, aliás, nunca mais voltou, porque quando os norte-americanos perderam esse espaço, quem ocupou foi o Brasil”, conta.

Outro exemplo citado foi quanto aos casos de Influenza Aviária, também nos EUA. “Os norte-americanos perderam 2% da exportação mundial. Quem pegou? O Brasil. Mas, em 2016 tivemos todos os problemas da Operação Carne Fraca, com salmonella e o que aconteceu? Estes novos jogadores que citei ocuparam esse mercado deixado aberto por nós. Por isso é preciso que nós, avicultores, tenhamos responsabilidade e cuidemos melhor da nossa biosseguridade, que é o nosso maior bem”, aponta.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + dezesseis =

Avicultura Em relação ao mesmo período de 2018

Receita de exportação de carne de frango cresce 4,3% de janeiro a outubro

Entre janeiro e outubro, totalizou US$ 5,700 bilhões

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A receita de exportações de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) segue em alta em 2019, segundo levantamentos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Entre janeiro e outubro, totalizou US$ 5,700 bilhões, número 4,3% superior ao registrado no mesmo período de 2018, com US$ 5,463 bilhões. Foram exportadas 3,415 milhões de toneladas, volume 0,3% inferior na comparação com o ano anterior, com 3,426 milhões de toneladas.

Considerando apenas o mês de outubro, a receita das exportações totalizou US$ 536,5 milhões, número 7,1% inferior ao alcançado no mesmo período de 2018, com US$ 577,8 milhões. Foram exportadas 334 mil toneladas, volume 8,8% menor que as 366,1 mil toneladas embarcadas no décimo mês de 2018.

“As vendas de carne de frango foram mais qualificadas em outubro deste ano, registrando preço médio 1,8% superior ao registrado em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, o quadro sanitário da Ásia segue gerando efeitos nas exportações, com elevação de 39% nas exportações para a China”, destaca Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Nutrição

Minerais orgânicos na avicultura de postura

Uso de minerais orgânicos proteinatos apresenta diferenças significativas para produção, peso dos ovos, conversão por dúzia, gravidade específica

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os minerais orgânicos podem ser uma excelente alternativa para melhorar o desempenho na avicultura de postura. O gerente de vendas para Avicultura da Alltech do Brasil, Christian Simões, traça um panorama da utilização desses minerais, pontuando seus principais diferenciais. Confira!

“Os minerais orgânicos apresentam uma biodisponibilidade superior aos minerais inorgânicos. Devido a isto, normalmente, são utilizados em menores quantidades que os inorgânicos. Para poedeiras comerciais, características como melhora de imunidade, menor mortalidade, melhor produtividade, menor conversão alimentar e, principalmente, melhora na qualidade de casca e tempo de prateleira dos ovos são evidenciadas.

A poedeira comercial, por se tratar de um animal de vida longa, passa por vários desafios onde o fortalecimento do seu sistema imunológico é imprescindível. Quando estes animais são alimentados com minerais orgânicos, eles estão sendo preparados para apresentar maior resiliência quanto aos desafios do dia-dia.

É importante lembrar que todos os processos desenvolvidos pelo corpo, como por exemplo, sistema respiratório e sistema reprodutivo, produzem radicais livres, os quais degradam as células e, por consequência, os órgãos. Com o objetivo de prolongar a integridade celular, minerais, tais como cobre, zinco e ferro, são cofatores de enzimas como superóxido desmutase e catalase, respectivamente, atuando nas ações negativas deste “degradador”. Já o selênio é um importante componente da glutationa peroxidase, enzima que também atua combatendo estes radicais livres. Devemos lembrar que a produção de células de defesa, assim como sua atividade, são dependentes de ferro e zinco (Linfócitos T e Macrófagos) e selênio (anticorpos).

A partir do momento que os animais apresentam células mais íntegras, os órgãos respondem com maior eficiência, e por consequência, promovem maior digestão, absorção, melhor produtividade, menor mortalidade e menor conversão alimentar. O uso de minerais orgânicos proteinatos apresenta diferenças significativas para produção, peso dos ovos, conversão por dúzia, gravidade específica, assim como espessura e percentual de casca.

Os minerais orgânicos proteinatos não interagem com vitaminas, nem com nenhum nutriente como fibras, carboidratos, outros minerais, ou com o meio intestinal, água, mucina, entre outros, pois não apresentam cargas.

Os minerais orgânicos proteinatos estão ligados a aminoácidos, peptídeos e tripeptídeos, sendo diferentes dos minerais inorgânicos. Estes últimos se dissociam ao passar pelo pH ácido do estômago, apresentando desta forma cargas. A presença dessas cargas pode resultar na interação com os nutrientes da dieta, tais como minerais e vitaminas, o que pode reduzir a disponibilidade dessas nutrientes para o animal.

Sendo muito objetivo, citarei três grandes trabalhos dentre outros, que simbolizam a evolução dos minerais orgânicos proteinatos. Steve Lesson & Summers publicaram em 2001, a diferença de biodisponibilidade entre os minerais inorgânicos e orgânicos. Lesson et al. (2007) apresentou um trabalho que mostrava claramente que não houve diferença estatística quando os minerais orgânicos proteinatos foram reduzidos em até 80% dos níveis usados em minerais inorgânicos, com relação a ganho de peso e conversão alimentar. Por fim, Perazzo et al. (2010) também demonstrou as influências positivas do uso dos minerais orgânicos proteinatos em poedeiras comerciais.

O mais recente trabalho, embora com frangos de corte, elaborado por Rostagno et al. (2017 ), e que inclusive estão expostos nas Tabelas Brasileiras de Exigências Nutricionais para Aves e Suínos publicada em 2017, fortalece cada vez mais o conceito e a utilização dos minerais orgânicos proteinatos devido a sua alta biodisponibilidade. A conclusão do trabalho foi que o uso de aproximadamente 45% dos minerais orgânicos na forma de proteinatos frente aos 100% de minerais inorgânicos não apresenta nenhuma diferença significativa com relação aos resultados zootécnicos.

Entretanto, é válido lembrar que apenas os minerais orgânicos proteinatos apresentam uma substituição total com diminuição de inclusões de minerais”.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Seguro

Mato Grosso assina primeiro seguro avícola do mundo

Termo de seguro beneficiará produtores mato-grossenses frente a eventuais focos de Influenza Aviária e Doença de Newcastle

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Após quase uma década de estudos e negociações, a avicultura do Brasil passa a contar, a partir desta terça-feira (29), com um seguro contra eventos sanitários. O seguro é o primeiro do mundo, e o Mato Grosso é o primeiro Estado brasileiro a aderir a iniciativa. A assinatura do seguro aconteceu nesta terça-feira, em solenidade com a presença da Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, em Brasília, DF.

Criado com o objetivo de garantir fundos privados de defesa sanitária para indenização, o termo de seguro assinado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e pela Associação Mato-grossense de Avicultura (AMAV) beneficiará os produtores mato-grossenses frente a eventuais focos de Influenza Aviária e Doença de Newcastle.

Único entre os grandes produtores a nunca registrar Influenza Aviária em seu território, o Brasil terá no seguro, segundo o diretor de Relações Institucionais da ABPA e um dos idealizadores do projeto, Ariel Antônio Mendes, um instrumento de transferência de riscos dos produtores, reduzindo as contribuições e incrementando a capacidade financeira dos fundos indenizatórios hoje existentes no Brasil para ocorrências sanitárias.

“A existência de recursos com este objetivo é fundamental para a rápida recomposição do polo de produção em eventuais ocorrências sanitárias. Também é importante para reforçar as boas práticas sanitária, além dos protocolos de prevenção. Após a adesão do Mato Grosso, outros Estados deverão aderir ao seguro, que é válido para todo o Brasil”, ressalta Mendes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne
AB VISTA Quadrado

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.