Conectado com

Notícias

Novo fertilizante fosfatado à base de enxofre aumenta a produtividade da soja

Além de sustentável, o novo fertilizante é de liberação controlada, o que permite a entrega gradual de nutrientes de forma mais compatível com os ciclos de cultura. O produto mostra potencial para reduzir a dependência brasileira de fertilizantes importados.

Publicado em

em

fertilizante inteligente e ecológico, de liberação lenta, foi capaz de aumentar a biomassa da soja - Fotos: Mercedes Concórdia Carrão Panizzi

Uma parceria entre instituições brasileiras e uma alemã resultou no desenvolvimento de uma nova classe de fertilizantes multifuncionais. Os pesquisadores conseguiram criar um material único, à base de enxofre, rejeito da indústria do petróleo, para liberação controlada de uma fonte de fosfato oriundo de resíduos urbanos, a estrutiva. O fertilizante inteligente e ecológico, de liberação lenta, foi capaz de aumentar a biomassa da soja, comparado a sistemas convencionais de adubação fosfatada.

Chamado de compósito estruvita-polissulfeto, o fertilizante proporcionou biomassa superior em relação a uma referência adubada com fosfato supertriplo e sulfato de amônio, com até três e dez vezes mais massa de parte aérea e raiz, respectivamente, no cultivo de soja, em sistema fechado. Os compósitos mostraram-se alternativas eficientes de fertilizantes às fontes comerciais solúveis e benéficas para o desenvolvimento da soja.

Os pesquisadores da Embrapa Instrumentação (SP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e o instituto alemão Forschungszentrum Jülich, utilizaram o polissulfeto (PS) obtido por vulcanização inversa como uma nova matriz de fertilizante contendo o mineral estruvita (St) moído e disperso para criar o novo insumo.

A vulcanização inversa é um método de copolimerização inovador, um processo facilmente controlável e livre de solventes para obter polímeros ricos em enxofre, formando estruturas versáteis, maleáveis ​​e porosas, ideais para aplicação como matrizes em compósitos.

Com uma área plantada em torno de 70 milhões de hectares, o Brasil ocupa a quarta posição entre os consumidores de fertilizantes do planeta, sendo o maior importador. Diante desse cenário, os pesquisadores acreditam que o desenvolvimento de fertilizantes com as características propostas é fundamental para garantir a segurança alimentar de forma sustentável, sendo a estruvita uma alternativa promissora para a fertilização fosfatada. No entanto, a solubilidade dessa fonte é um desafio para a eficiência como uso consistente.

Processo de transformação
O polissulfeto – classe de compostos químicos que contém átomos de enxofre – pode fornecer enxofre às plantas, macronutriente importante para o crescimento delas, mas nem sempre está disponível em solos agrícolas. Para ser absorvido por elas, tanto o polissulfeto quanto o enxofre puro têm que ser oxidados no solo para sulfato, um processo de taxa lenta promovido por microrganismos do solo.

Conduzido pela química industrial de formação Stella Fortuna do Valle, como parte da pesquisa para obtenção do título de doutora em Química pela UFSCar, o estudo focou no desenvolvimento de um fertilizante em que a estrutura do enxofre elementar (S8) fosse mais acessível a microrganismos oxidantes por modificação química.

Sob a orientação do pesquisador da Embrapa Instrumentação Caue Ribeiro desde o mestrado, quando Stella já vinha estudando o uso de enxofre na produção de fertilizante, a pesquisa de campo foi realizada no Instituto de Bio e Geociências – Ciências de Plantas (IBG-2), do Forschungszentrum Jülich. A sede do centro de pesquisa está localizada no triângulo da cidade Aachen – Colônia – Düsseldorf , nos arredores da cidade de Jülich , na Renânia do Norte-Vestefália.

Para alcançar o objetivo, a pesquisadora sintetizou os polissulfetos por meio da técnica de vulcanização inversa, usando enxofre elementar (S8) e óleo de soja, na mesma proporção cada um. A reação foi conduzida na presença de estruvita moída, com diferentes proporções de massa.

Stella explica que todos os componentes foram misturados em um frasco e o sistema foi mantido sob constante agitação e aquecimento com agitador mecânico e banho de óleo. “Com a temperatura mantida acima de 165 graus, foi possível reagir o enxofre com as ligações insaturadas do óleo de soja até ser obtido um material de coloração marrom-clara”, complementa.

Os fertilizantes foram produzidos com diferentes teores de cada componente. Segundo a pesquisadora, as diferentes razões de massa foram estudadas porque o sinergismo e as interações entre as partículas de estruvita e a matriz de polissulfeto podem diferir.

“A dispersão e os efeitos de barreira da matriz na dissolução e liberação de estruvita podem se equilibrar, enquanto a oxidação de enxofre pode ser melhorada com maiores quantidades de fósforo. A solubilização de fósforo pode aumentar com maior oxidação de polissulfeto em sulfato”, pontua.

Com isso, os pesquisadores esperavam, portanto, testar diferentes configurações de matriz para fósforo para observar se elas poderiam produzir resultados diferentes em relação à liberação do elemento e oxidação de enxofre.

Dessa forma, criaram, então, uma nova matriz de fertilizante de liberação controlada contendo estruvita, para aumentar a funcionalidade do produto. “Os polissulfetos formados aumentaram a oxidação do enxofre, levando à liberação de sulfato superior em comparação ao enxofre elementar puro, gerando acidez local para solubilização do fósforo”, diz Stella.

Em estudos anteriores, os pesquisadores já haviam observado que os polissulfetos apresentaram oxidação superior em comparação com enxofre, especialmente quando combinado com estruvita. Além disso, a formação de sulfato baixou o pH local, auxiliando na dissolução da estruvita.

A pesquisadora conta que, apesar de seu potencial como fertilizante ecologicamente correto, os efeitos do estruvita-polissulfeto nas plantas ainda são desconhecidos, e sua dinâmica no sistema solo-planta deve ser melhor investigada. Segundo ela, a elucidação da dinâmica dessa interação e dos padrões de crescimento das raízes sob a adubação com estruvita-polissulfeto é importante para entender e validar a eficiência agronômica dessa nova classe de fertilizantes de liberação lenta.

Diante desse fato, o grupo procurou entender a influência do fertilizante no desenvolvimento radicular e na distribuição espacial das raízes no crescimento e como o fertilizante poderia ser acessado pelas plantas.

“Investigamos o efeito de fertilizantes de estruvita-polissulfeto na absorção de nutrientes, formação de biomassa e arquitetura do sistema radicular. Avaliamos não só o desempenho do fertilizante quanto ao rendimento, mas também o desenvolvimento do sistema radicular, que afeta a fertilidade do solo e a produtividade das culturas”, pontua Caue Ribeiro. Os resultados promissores obtidos com a pesquisa são atribuídos pelo grupo às mudanças na arquitetura do sistema radicular.

Engenheiro de materiais de formação e especialista em nanotecnologia, líder da Rede de Nanotecnologia para o Agronegócio (Rede AgroNano), Ribeiro atuou no instituto Forschungszentrum Jülich, como cientista-visitante, por um ano e meio, retornando ao Brasil logo no início da pandemia do novo coronavírus. Já Stella iniciou, neste período, as atividades no Centro Alemão, dando continuidade à parceria internacional.

Limitações de enxofre e fósforo nos solos tropicais
Tanto fósforo como enxofre possuem limitações. Elemento essencial para o crescimento das culturas e vital para a fotossíntese, o fósforo (P) é também o macronutriente menos disponível em solos tropicais, porque fica imobilizado por ferro (Fe) e alumínio (Al), exigindo aportes frequentes. As versões comerciais são altamente solúveis em água, podem lixiviar para corpos d’água, causar eutrofização e impactos ambientais severos, além da produção envolver o tratamento químico agressivo do mineral com ácido sulfúrico, gerando toneladas de resíduos.

Já o enxofre (S) é um macronutriente também essencial para o desenvolvimento das plantas, mas sua deficiência nos solos agrícolas tem sido uma preocupação crescente nas últimas décadas, muitas vezes manejado com o uso de enxofre elementar (S 8)  – uma das três principais formas de enxofre concentrado utilizado na adubação das culturas – como revestimento para outros fertilizantes.

O que é estruvita?
A estruvita, mineral formado pela reação do magnésio, amônio e fosfato para produzir um sólido cristalino, é de liberação lenta devido à baixa solubilidade em água, o que leva a uma redução nas perdas por lixiviação e a um valor residual prolongado para as culturas. O mineral também fornece nitrogênio (N), o macronutriente mais necessário da cultura. Contudo, quando na forma de grânulo, a solubilidade da estruvita pode ser muito baixa e, com isso, prejudicar o crescimento vegetal.

Encontrada, pela primeira vez, embaixo da igreja de St. Nicolai, Hamburgo, na Alemanha, a estruvita pode ser produzida a partir da recuperação do fósforo presente no esgoto doméstico, com maior eficiência agrícola do que os fertilizantes convencionais.

Eficiência comprovada
A pesquisadora diz que as plantas que apresentaram maior desenvolvimento vegetativo, ou seja, tratamento à base de estruvita – também mostraram maior presença de raízes mais finas e distribuição mais homogênea em todo o volume do substrato.  Segundo ela, as raízes laterais são as que mais contribuem para a absorção de água e nutrientes pelas plantas, devido a sua atividade e capilaridade no solo.

Para Stella, isso foi possível com o desenvolvimento de compósitos de fertilizantes baseados em uma matriz de polissulfeto contendo estruvita moída dispersa. Ela e Ribeiro afirmam que as matrizes são estratégicas para contornar o problema do tamanho das partículas, pois podem ser processadas como grânulos, ao mesmo tempo em que evitam a aglomeração de pequenas partículas de fósforo e atuam como uma barreira, impedindo a entrega rápida de fósforo.

“Como os fertilizantes são administrados como grânulos ou pellets em campo, formatos mais fáceis de manusear e armazenar, o sistema de compósitos estruvita-polissulfeto permite o uso da estruvita em pó, para favorecer sua solubilização, mantendo a forma de grânulo com a base de polissulfeto, proporcionando assim uma adubação fosfatada com mais eficiência e segurança”, esclarece a pesquisadora. Para comparar os compósitos à base de polissulfeto com a referência de estruvita – grânulos de 1 mm – no experimento em casa de vegetação, os compósitos foram triturados grosseiramente.

Em experimento conduzido em condições controladas de casa de vegetação na Alemanha, entre maio e junho de 2020, Stella observou que o comprimento total da raiz de soja ficou entre 200 e 400% maior para plantas sob compósitos estruvita-polissulfeto (St/PS), em comparação às raízes sob tratamento com superfosfato triplo e sulfato de amônio.

“Enquanto a eficiência de absorção de fósforo foi semelhante em todos os tratamentos fertilizados, entre 11 e 14%, o St/PS alcançou uma eficiência de absorção de 22% de enxofre contra apenas 8% do sulfato de amônio. No geral, os compósitos mostraram grande potencial como fertilizantes de liberação lenta eficientes para aumentar a produtividade da soja”, avalia a pesquisadora.

Os tratamentos contendo estruvita foram estatisticamente superiores à referência de adubos convencionais, atingindo mais do que o dobro da área foliar. “Enquanto o fosfato supertriplo com sulfato de amônio apresentou em média 30 folhas por planta, St/S8 e St /PS apresentaram cerca de 50 folhas”, analisa Stella.

Para avaliar o efeito combinado de estruvita e polissulfeto, a química explica que foram aplicados tratamentos sem adubação, planta controle, uma referência positiva com as fontes altamente solúveis de superfosfato triplo para fósforo e sulfato de amônio para enxofre, mistura de estruvita pura e pó de enxofre elementar, além de compósitos de fertilizantes moídos com diferentes proporções de massa de estruvita e polissulfeto.

Além disso, na tentativa de entender os efeitos do fósforo e do enxofre no desenvolvimento da planta, aplicaram uma dose de nitrogênio a todos os tratamentos adubados, para não ser um fator limitante ao crescimento da soja. “O nitrogênio foi suplementado com nitrato de amônio, assim como potássio, zinco e cobre, usando uma solução nutritiva”, acrescenta.

Como meio de crescimento, Stella explica que usou o substrato de turfa, devido a alta atividade microbiana associada a ambientes ricos em compostos orgânicos, o que é necessário para promover a oxidação do enxofre do polissulfeto e do enxofre elementar. O substrato consistiu de uma mistura de argila e de turfa branca, sem adição prévia de fertilizantes.

Os experimentos foram realizados em rizotrons planos, equipamentos que possibilitam a observação do crescimento radicular de plantas em solo, sem destruir sua estrutura.

Os fertilizantes foram adicionados oito dias antes da semeadura. Depois, as sementes de soja foram pré-germinadas em placas de Petri por dois dias. As mudas com tamanhos de radicais iguais foram selecionadas e transplantadas para cada rizotron.

A pesquisadora relata que não foram observados sintomas de fitotoxicidade ou deficiência de micronutrientes ao longo do experimento. As plantas cultivadas sem fertilizante adicional – tratamento controle – permaneceram relativamente pequenas e não evoluíram significativamente ao longo do tempo, ao contrário dos tratamentos fertilizados.

Já a análise da arquitetura do sistema radicular nos rizotrons revelou um intenso acúmulo de raízes laterais finas ao redor da camada de fertilizante, principalmente nos tratamentos de estruvita. A pesquisadora atribui o desenvolvimento maior de raízes mais finas à liberação lenta e disponibilização contínua de fosfato da estruvita, em contraste com a rápida solubilização de fosfato supertriplo.

Outra vantagem apontada por ela é que as plantas de soja tratadas com enxofre apresentaram um aumento nas raízes laterais em comparação com um controle sem suprimento do elemento, especialmente na presença do polissulfeto, possivelmente devido à maior atividade de microrganismos do solo.

“Os resultados indicaram um maior desenvolvimento da soja na presença de estruvita, demonstrando que o fosfato pode ser eficientemente fornecido às plantas nessa forma. Observamos um rápido desenvolvimento após cerca de 30 dias de crescimento das plantas. Uma das razões para isso pode ser porque a soja tende a acumular rapidamente biomassa para completar o desenvolvimento vegetativo à medida que o estágio reprodutivo se inicia”, avalia Stella.

Mas eles não descartam outros fatores associados ao desenvolvimento, como o comanejo de estruvita com enxofre ou o fornecimento adicional de magnésio.

Os pesquisadores concluíram que compósitos fertilizantes, com dinâmica de liberação controlada podem ser obtidos como alternativas sustentáveis à adubação com fósforo e enxofre constituídos por uma matriz de polissulfeto (OS) como suporte para partículas de estruvita (St).

“Os fertilizantes de liberação controlada são projetados para promover uma entrega gradual, mais compatível com os ciclos das culturas. O fraco desempenho de fertilizantes com baixa solubilidade, por exemplo, pode ser gerenciado em uma liberação controlada pela dispersão do nutriente do solo em uma matriz”, afirma Ribeiro.

Seleção da cultura
A soja foi selecionada para o estudo por ser uma planta com alto teor de proteína e alta demanda de enxofre, cultivada em rizotrons com diferentes fontes de enxofre e fósforo ao longo de 40 dias. Um substrato com concentrações baixas a moderadas de fósforo e enxofre foi utilizado para favorecer a absorção dos nutrientes fornecidos através dos fertilizantes.

Os pesquisadores acreditavam que a soja responderia diferentemente aos compostos de estruvita-polissulfeto em comparação com uma referência solúvel, devido à entrega controlada de fósforo. Além disso, a hipótese do grupo era a de que a estrutura química do enxofre dos fertilizantes afetaria o suprimento de enxofre e as características do sistema radicular da soja, pois os polissulfetos precisam ser biologicamente convertidos em sulfato.

Eles avaliaram que o cultivo da soja com os compósitos de estruvita-polissulfeto não só apresentou uma produção de biomassa significativa, superior ao tratamento com superfosfato triplo e sulfato de amônio, mas também uma maior proliferação radicular.

Na opinião dos pesquisadores, o intenso crescimento radicular pode ser uma resposta à disponibilidade prolongada de fosfato devido ao caráter de liberação lenta da estruvita.

Para Ribeiro, que também é vice-coordenador na região Sudeste da Caravana Embrapa FertBrasil, o crescimento aprimorado das raízes pode beneficiar significativamente a produção das culturas, melhorando microestrutura e a porosidade do solo, e a densidade aparente, além de um enriquecimento geral de carbono orgânico no solo.

“Mais importante ainda, implica no aumento da rizosfera do solo, com uma comunidade microbiana mais diversificada, melhor mobilidade  e  biodisponibilidade de nutrientes. Em condições de campo, isso é especialmente favorável, beneficiando assim os cultivos seguintes”, conclui.

Fonte: Ascom Embrapa Instrumentação
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − oito =

Notícias

Novidade no 14º SBSS, Granja do Futuro apresenta novas tecnologias

Automatização e produtos que melhoram o bem-estar animal são algumas das inovações apresentadas por dez empresas durante o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura.

Publicado em

em

Granja do Futuro é uma novidade do SBSS - Fotos: Divulgação/Nucleovet

Um saborizante líquido concentrado a base de própolis especialmente desenvolvido para aumentar o consumo de água e um robô alimentador são algumas das tecnologias apresentadas na Granja do Futuro durante o 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS). O espaço é uma novidade do evento promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) nesta terça (16), quarta (17) e quinta-feira (18), no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo.

Dez empresas participam da Granja do Futuro: Msd, Boehringer Ingelheim, Sta, Pec Smart, Inobram, American Nutrients, BioAromas, Roboagro, ALD e Crystal Springs. A Rafitec Propex foi a responsável pela montagem da estrutura.

AquaSweet Bio é um indutor de consumo de água que contém própolis

A BioAromas apresenta uma gama completa de soluções para apoiar o produtor de suínos nas etapas mais críticas. Uma delas é a AquaSweet Bio, um indutor de consumo de água que contém própolis e facilita a transição pós-desmame. O produto está sendo lançado e pode ser conferido no estande da empresa. “O mercado está em transformação, com consumidores mais exigentes e cada vez mais cuidados com o bem-estar animal e com o meio ambiente. Utilizamos o mesmo própolis que é usado na farmácia humana”, comenta o diretor técnico comercial da BioAromas, Sergio Magro.

O produto integra o Geslac – Programa para Suínos, que traz diversos outros produtos da BioAromas.

Robotização 

Robô Alimentador de Suínos da Roboagro

Ração na hora certa e na quantidade exata é o que o produtor pode ter ao usar o Robô Alimentador de Suínos da Roboagro. O equipamento é indicado para suinocultura de precisão, pois além de distribuir ração e medicamentos na hora e quantidade certas, tem exatidão nos registros e controles. O sistema faz a distribuição automática de ração por toda a extensão da baia e o controle é feito por meio de um aplicativo.

O diretor comercial da empresa, Tangleder Lambrecht, explica que o uso do robô proporciona bem-estar animal, além de evitar desperdícios e, consequentemente, potencializa o retorno financeiro. Também contribui na padronização do lote, melhorando a qualidade da carne e garantindo a melhor conversão alimentar.

O Roboagro vai até o silo e aciona o carregamento da quantidade de ração necessária para cada trato e, ao final de cada um, se conecta automaticamente para carregar as baterias. “No evento, nosso objetivo é nos aproximarmos dos profissionais técnicos e das agroindústrias e mostrar os benefícios do robô”, conclui Lambrecht, ao acrescentar que o robô também toca música clássica para contribuir com o bem-estar dos animais.

O presidente do Nucleovet, Lucas Piroca, enfatiza que a Granja do Futuro é uma novidade que a entidade apresenta aos participantes do 14º SBSS com o retorno dos eventos presenciais. “É um espaço dentro do Pavilhão 4 do Parque de Exposições, onde está acontecendo o Simpósio, que simula uma granja, com os principais equipamentos necessários para a produção de suínos, destacando tecnologia e inovação”.

Fonte: Ascom Nucleovet
Continue Lendo

Notícias Nesta terça-feira

Gestão de pessoas abre programação científica do 14º SBSS

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Nucleovet

A capacitação das equipes que atuam nas granjas, diante de um mercado cada vez mais exigente, traz benefícios a toda a cadeia de suínos. Estratégias de gestão com essa finalidade iniciaram os debates do 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), nesta terça-feira (16). Promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet), o evento, que vai até quinta-feira (18), acontece em formato híbrido, presencialmente no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), e com transmissão online ao vivo. O presidente do Nucleovet, Lucas Piroca, abriu a programação, dando boas-vindas a todos os participantes.

CEO da Agriness, Everton Gubert

Na primeira palestra, “Capacitar as equipes de granjas, esse é o caminho para o sucesso?”, o CEO da Agriness, Everton Gubert, reforçou a importância de criar processos que incentivem o cuidado e o desenvolvimento dos profissionais que atuam nas granjas. “Capacitar equipes é um caminho, mas é somente um pedaço do processo de sucesso de uma granja. Muito mais do que capacitar, nós temos que cuidar das pessoas. É muito importante que a empresa consiga proporcionar uma estrutura que ofereça uma projeção de crescimento de carreira às pessoas.”

Gubert, que é autor do livro e da metodologia de aceleração de produtividade chamado Pensamento+1 e liderança do ecossistema de inovação no Brasil, apresentou um esquema simplificado para incentivar cada granja, independente do tamanho, a colocar em prática uma jornada do talento. Desde a entrada do profissional, no recrutamento, passando pelo treinamento e acompanhamento de desempenho até o desligamento, cada etapa deve ser gerida estrategicamente.

Para o especialista, as granjas que desenvolvem pessoas são as melhores granjas e o papel do líder é essencial. “Liderança é a coisa mais importante que uma empresa tem, porque ela é responsável por mostrar aos profissionais o melhor de cada um. Pessoas e liderança são os elementos que precisamos para atingir uma gestão de excelência. A pressão por qualidade na produção só aumenta e entender de pessoas é imprescindível. Se você não tem uma empresa com um processo de gestão claro e o profissional não vê uma perspectiva de crescimento, ela não vai permanecer ali e será cada vez mais desafiador trabalhar com produção animal”, finalizou.

Engenheiro agrônomo Naldo Dalmaso

O segundo palestrante do bloco, o engenheiro agrônomo Naldo Dalmaso, abordou ferramentas que veterinários, zootecnistas e demais profissionais do setor podem usar no treinamento de adultos. Com vasta experiência em formação de equipes de campo para extensão rural e gestão de processos, o consultor afirmou que é indispensável ter ferramentas em três áreas do saber: liderança, método e conhecimento técnico.

Naldo abordou os métodos que possuem maior fixação no ensino da andragogia e as variáveis que fazem toda a diferença nesse processo, como a questão geracional. “Nós trabalhamos com diferentes gerações nas propriedades e temos que aprender com isso, pois o contexto histórico de cada geração influencia no seu comportamento e tomada de decisão. Eu tenho que entender que não estou falando de apenas um adulto, mas de diferentes gerações na minha equipe.”

De acordo com o consultor, os adultos devem ter o desejo de aprender, o que pode ser estimulado, mas nunca imposto. “O aprendizado do agricultor adulto deve estar relacionado a situações reais. Ele aprende melhor em um clima participativo e informal e suas vivências precisam ser consideradas.”

Ao compartilhar suas experiências na extensão rural, Naldo enfatizou que o desafio dos veterinários e zootecnistas é alterar a informação que está presente na mente do produtor, mudando o enfoque dessa informação e mostrando o efeito econômico das mudanças que precisam ser adotadas na granja. “Os produtores querem saber o custo-benefício das tecnologias, eles consideram os riscos e seus objetivos estão sempre ligados a pontos como sobrevivência e  lucro. É preciso entender o adulto, sua lógica, fazer o diagnóstico das pessoas e o que influencia nas suas tomadas de decisão”, encerrou Naldo.

Inscrições

As inscrições para o 14º SBSS estão no terceiro lote. O investimento é de R$ 600 (para o evento presencial) e R$ 500 (virtual) para profissionais e R$ 460 (presencial) e R$ 400 (virtual) para estudantes. Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes.

O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair, que ocorre em paralelo ao 14º SBSS, é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento. As inscrições ainda podem ser feitas pelo site www.nucleovet.com.br.

Somando forças

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc). O Jornal O Presente Rural é veículo de comunicação oficial do evento.

Programação Científica do 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura:

Terça-feira (16)

14h – Abertura da Programação Científica

Painel Gestão de Pessoas

14h05 às 14h45 – Capacitar as equipes de granjas, esse é o caminho para o sucesso?

Palestrante: Everton Gubert

14h50 às 15h30 – Estratégias de treinamento de adultos. Como os adultos aprendem?

Palestrante: Naldo Dalmazo

15h30 às 15h50 – Questionamentos

15h50 às 16h20 – Intervalo

16h20 às 17h – Comunicação eficaz: minha equipe entende o que é necessário?

Palestrante: Leandro Trindade

17h às 17h30 – Questionamentos

17h40 – Solenidade de Abertura Oficial do SBSS

18h40 – Palestra de Abertura – Crie soluções: superando desafios com criatividade

Palestrante: Amyr Klink

20h – Coquetel de Abertura – na PIG FAIR

Quarta-feira (17)

Painel Biosseguridade

08h às 08h40 – Biosseguridade: está na hora de parar com o “faz de conta”. Será que compreendemos o significado dos desafios sanitários? Uma visão de dentro da granja

Palestrante: Nelson Morés

08h45 às 09h25 – Estratégias de redução da pressão de infecção em um sistema de produção: entendendo e aplicando programas de limpeza e desinfecção

Palestrante: Anne Caroline De Lara

09h25 às 09h45 – Questionamentos

09h45 às 10h05 – Intervalo

Painel Gestão da Informação

10h05 às 10h45 – Gestão em tempos de crise: cortar custos sempre é a melhor solução?

Palestrante: Iuri Pinheiro Machado

10h50 às 11h30 – Tomada de decisão baseada em dados: experiência norte-americana na análise de informações em banco de dados de diagnósticos na suinocultura

Palestrante: Daniel Linhares

11h30 às 11h50: Questionamentos

11h50 às 14h – Intervalo para almoço

12h30 – Eventos Paralelos

Painel Sanidade (Jurij Sobestiansky)

14h às 14h40 – Peste Suína Africana: como está o cenário mundial atual?

Palestrante: Leandro Hackenhaar

14h45 às 16h – Mesa Redonda: Agentes respiratórios? Estamos dando a real importância aos diagnósticos?

Palestrantes: Danielle Gava, David Barcellos e Karine Takeuti

Moderador: Geraldo Alberton

16h às 16h20 – Intervalo

16h20 às 17h – Estratégias de diagnóstico e controle de meningite estreptocócica: como enfrentar este agente e sua diversidade antigênica?

Palestrante: Rafael Frandoloso

17h05 às 17h45 – Resistência bacteriana: uma pandemia silenciosa!

Palestrante: Jalusa Deon Kich

17h45 às 18h05 – Questionamentos

18h15 às 19h15 – Evento Paralelo Zoetis

19h15 – Happy Hour na PIG FAIR

Quinta-feira (18)

Painel Nutrição e Reprodução

08h às 08h40 – Efeito da matéria-prima no desempenho e saúde intestinal dos suínos

Palestrante: Gabriel Cipriano Rocha

08h45 às 09h25 – Imunonutrição: como manejar a imunidade através da nutrição

Palestrante: Breno Castelo Beirão

09h25 às 09h45 – Questionamentos

09h45 às 10h05 – Intervalo

10h05 às 10h45 – Perdas reprodutivas na produção de suínos: diagnóstico situacional e alternativas de correção

Palestrante: Rafael Ulguim

10h50 à 11h30 – Prolapsos uterinos: fatores predisponentes e abordagem para o controle

Palestrante: Augusto Heck

11h30 às 11h50 – Questionamentos

12h – Sorteios e encerramento

Fonte: Ascom Nucleovet
Continue Lendo

Notícias No fim do mês

Circuito Exceleite 2019/2022 encerra na Expointer  

Gadolando realiza as premiações no dia 2 de setembro após um circuito difícil com as restrições impostas pela pandemia.

Publicado em

em

Foto: JM Alvarenga

O gado holandês tem tradicionalmente grandes eventos nas exposições e não será diferente nesta Expointer, que ocorrerá de 27 de agosto a 04 de setembro no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). Além do tradicional Concurso Leiteiro, também serão destaque na feira o Julgamento Morfológico, o Jovem Puxador, encerramento do circuito Exceleite de 2019/2022 e o pré-Lançamento da Expoleite Fenasul 2023, marcada para o período entre 17 e 21 de maio.

O presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), Marcos Tang, destaca que o encerramento do circuito Exceleite dos anos de 2019, 2020, 2021 e 2022, o qual enfrentou muitas dificuldades devido à pandemia, ocorrerá no dia 2 de setembro. “A premiação Ouro, Prata e Bronze será entregue nas categorias Vacas em Pista, Vacas de Produção e Suprema Exceleite. A vaca que recebe Ouro na categoria Suprema Exceleite é a grande ganhadora do circuito”, explica, colocando que é premiada a vaca que fez mais pontos na participação em concursos leiteiros e morfológicos de pista em uma exposição ranqueada do interior e, obrigatoriamente, na Expoleite e Expointer. O circuito Exceleite 2022/2023 terá início logo após a Expointer deste ano e a premiação será entregue no ano que vem.

Em relação ao  Julgamento Morfológico, Tang coloca que é o momento de conhecer os criadores que estão produzindo matrizes que atendam a demanda da conformação correta da raça. “Esta conformação é estudada e pesquisada ao longo dos anos por especialistas visando uma confirmação correta para uma vida mais longa, com menos problemas de doenças, e  uma melhor produção”, afirma, ressaltando que na classificação morfológica mesmo quando entram terneiras, estão sendo avaliadas as pernas, garupa, angulações corretas e abertura de peito.

Conforme Tang, quando é analisada a vaca, a maior pontuação é para o quesito úbere. Lembra que é na glândula mamária que estará a produção, mas sem esquecer de também verificar pernas boas, garupa ampla, a capacidade de coração, pulmão e digestiva. O Julgamento Morfológico acontecerá nos dias 31 de agosto e primeiro de setembro, às 14h. “Esse é um momento em que sempre temos o maior público assistindo as explicações do juiz. Se aprende muito em cada julgamento”, enfatiza. No dia primeiro de setembro, será escolhida a Grande Campeã da Feira, a melhor vaca entre todas as participantes.

Sobre o Jovem Puxador, Tang lembra que suas filhas sempre participaram assim como ele. “É dessa forma que se começa e depois se torna um profissional de ajuda para a propriedade leiteira. São necessárias pessoas que gostem de fazer a lida dos animais.  Ninguém ganha uma feira apenas pegando uma vaca bonita, mas certamente quem realiza  um trabalho muito bem feito em casa, com dedicação no dia a dia”, afirma, observando que a Gadolando sempre abre espaço para crianças urbanas, que muitas vezes serão futuros veterinários, técnicos agrícolas ou proprietários de uma fazenda leiteira.

O presidente da Gadolando finaliza enfatizando que muita coisa importante em uma feira não está nas programações oficiais, mas no diálogo travado com os criadores e expositores. “Para mim uma das coisas mais importantes em uma feira é a troca de informações entre criadores e técnicos, e também entre o produtor e o consumidor. Mesmo quem não é do agronegócio, é uma pessoa urbana, pode buscar saber do criador o que ele fornece de alimentos para as vacas, qual a genética que usa, qual o seu manejo sanitário, como faz a ordenha. E nós, do leite, temos muito orgulho em dizer que produzimos um leite com qualidade, com sanidade, e isso nós defendemos sempre”, conclui.

Fonte: Ascom
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.