Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias Sanidade

Novas cepas de peste suína na China apontam para vacinas não licenciadas

Duas novas cepas de peste suína africana infectaram mais de 1.000 porcas em várias fazendas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Uma nova forma de peste suína africana identificada em fazendas de suínos na China é provavelmente causada por vacinas ilícitas, disseram fontes da indústria, um novo golpe para o maior produtor de suínos do mundo, ainda se recuperando de uma epidemia devastadora do vírus.

Duas novas cepas de peste suína africana infectaram mais de 1.000 porcas em várias fazendas de propriedade da New Hope Liuhe, o quarto maior produtor da China, bem como porcos sendo engordados para a empresa por fazendeiros contratados, disse Yan Zhichun, diretor de ciências da empresa.

Embora as cepas, que não têm um ou dois genes principais presentes no vírus da peste suína africana, não matem os porcos como a doença que devastou as fazendas da China em 2018 e 2019, elas causam uma doença crônica que reduz o número de leitões saudáveis nascido, Yan disse à Reuters. Na New Hope, e em muitos grandes produtores, os porcos infectados são sacrificados para prevenir a propagação, tornando a doença efetivamente fatal.

Embora as infecções conhecidas sejam limitadas agora, se as cepas se espalharem amplamente, elas podem reduzir a produção de carne suína no maior consumidor e produtor mundial; há dois anos, a peste suína acabou com metade do rebanho de 400 milhões de porcos da China. Os preços da carne suína ainda estão em níveis recordes e a China está sob pressão para fortalecer a segurança alimentar em meio à pandemia de COVID-19.

“Não sei de onde vêm, mas encontramos algumas infecções de campo leves causadas por algum tipo de vírus com exclusão de genes”, disse Yan.

Wayne Johnson, um veterinário de Pequim, disse que diagnosticou uma forma crônica, ou menos letal, da doença em porcos no ano passado. O vírus carecia de certos componentes genéticos, conhecidos como genes MGF360. A New Hope encontrou cepas do vírus sem os genes MGF360 e CD2v, disse Yan.

A pesquisa mostrou que a exclusão de alguns genes MGF360 da peste suína africana cria imunidade. Mas o vírus modificado não foi desenvolvido em uma vacina porque tendia a sofrer mutação de volta a um estado prejudicial.

“Você pode sequenciar essas coisas, essas exclusões duplas, e se for exatamente igual ao descrito no laboratório, é muita coincidência, porque você nunca obteria essa exclusão exata”, disse Lucilla Steinaa, cientista-chefe da International Livestock Instituto de Pesquisa (ILRI) em Nairobi.

Não existe uma vacina aprovada para a peste suína africana, que não é prejudicial aos seres humanos. Mas muitos agricultores chineses que lutam para proteger seus porcos recorreram a produtos não aprovados, disseram especialistas da indústria. Eles temem que as vacinas ilícitas tenham criado infecções acidentais, que agora estão se espalhando.

As novas cepas podem proliferar globalmente por meio de carne contaminada, infectando porcos que são alimentados com restos de cozinha. O vírus sobrevive por meses em alguns produtos suínos.

O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China não respondeu a dois pedidos de comentários.

Mas emitiu pelo menos três advertências contra o uso de vacinas não autorizadas contra a peste suína africana, alertando que elas podem ter efeitos colaterais graves e que produtores e usuários podem ser acusados ​​de um crime.

Em agosto, o ministério disse que testaria porcos para diferentes cepas do vírus, como parte de uma investigação nacional sobre o uso ilegal de vacinas.

Qualquer cepa com deleção de genes pode indicar que uma vacina foi usada, disse. Nenhuma descoberta foi publicada até agora sobre o assunto, que é altamente sensível para Pequim. Os relatórios dos recentes surtos de peste suína africana foram amplamente encobertos.

Linha feitas pelo homem

Após décadas de pesquisa para a produção de uma vacina contra o enorme e complexo vírus da peste suína, pesquisadores em todo o mundo estão se concentrando em vacinas de vírus vivo – o único tipo que se mostrou promissor.

Mas essas vacinas apresentam riscos maiores porque, mesmo depois que o vírus é enfraquecido para não causar doenças graves, às vezes pode recuperar sua virulência.

Uma dessas vacinas, usada na Espanha na década de 1960, causou uma doença crônica com articulações inchadas, lesões na pele e problemas respiratórios em porcos que complicaram os esforços para erradicar a peste suína africana nas três décadas seguintes. Desde então, nenhuma nação aprovou uma vacina para a doença.

Uma vacina com os genes MGF360 e CD2v deletados está sendo testada pelo Instituto de Pesquisa Veterinária Harbin da China depois de se mostrar promissora.

Yan disse acreditar que as pessoas replicaram as sequências de cepas de vírus em estudo, que foram publicadas na literatura científica, e que porcos injetados com vacinas ilícitas baseadas nelas podem estar infectando outras pessoas.

“É definitivamente feito pelo homem; esta não é uma tensão natural ”, disse ele.

Nem Johnson nem Yan sequenciaram totalmente as novas cepas de peste suína. Pequim controla rigorosamente quem tem permissão para trabalhar com o vírus, que só pode ser tratado em laboratórios com designações de alta biossegurança.

Mas várias empresas privadas desenvolveram kits de teste que podem verificar genes específicos.

A GM Biotech, com sede na província de Hunan, na China, disse em um post online na semana passada que desenvolveu um teste que identifica se o patógeno é uma cepa virulenta, uma cepa atenuada com um único gene ou uma cepa atenuada com um gene duplo.

O teste ajuda os produtores de suínos porque as novas cepas são “muito difíceis de detectar no estágio inicial da infecção e têm um período de incubação mais longo após a infecção”, disse a empresa.

O governo não disse até que ponto as vacinas ilícitas são amplamente utilizadas ou quem as produziu. Mesmo assim, uma “grande quantidade” de porcos na China foi vacinada, disse Johnson, sentimento que é compartilhado por muitos outros especialistas.

Em 2004-5, quando as cepas de gripe aviária H5 estavam se espalhando pela Ásia, os laboratórios chineses produziram várias vacinas vivas não autorizadas contra a gripe aviária, disse Mo Salman, professor de medicina veterinária da Universidade Estadual do Colorado, que trabalhou com saúde animal na Ásia, levantando teme que eles possam produzir novas variantes perigosas.

“As atuais vacinas ilegais da ASF na China estão se repetindo na história”, disse Salman.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 1 =

Notícias Avicultura

Brasileira é a nova coordenadora do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade do Conselho Mundial da Avicultura

Sulivan Alves, diretora técnica da ABPA, estimulará o fortalecimento dos ODS no trabalho multissetorial do IPC

Publicado em

em

Divulgação

A diretora técnica da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Sula Alves, foi escolhida para o cargo de coordenadora do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade e Meio Ambiente do Conselho Mundial da Avicultura (IPC, sigla em inglês).

Sula assumirá a posição de Anne-Marie Neetson, com a missão de dar continuidade ao trabalho de continuidade ao acordo global firmado pela Declaração de São Paulo, assinada pelos membros da avicultura mundial durante o Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS) de 2019.

“Como setor avícola mundial é um dos principais alicerces da segurança alimentar nos cinco continentes, temos um importante desafio no fortalecimento da implantação de iniciativas em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, sobre os quais o IPC assumiu compromissos globais. Este será o alicerce do nosso trabalho”, destaca.

Zootecnista e doutora em Agronomia pela Universidade de São Paulo (USP), Sula desenvolveu pesquisas junto ao NUPEA (Núcleo de Pesquisas em Ambiência) da ESALQ e em bem-estar animal. Além de mais de uma década de atuação institucional e em empresas do setor, a diretora técnica da ABPA acumula experiências na área acadêmica como professora dos cursos de Ciências Agronômicas, Medicina Veterinária e Zootecnia na Universidade do Rio de Janeiro.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Paraná

Adapar intensifica fiscalização da colheita da soja

Fiscalização neste momento se faz de extrema importância para verificar a utilização dos agrotóxicos e produção de soja com qualidade

Publicado em

em

Divulgação/Adapar

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (ADAPAR) iniciou as fiscalizações da pré-colheita da cultura da soja 20/21 cultivada na região extremo oeste paranaense. A fiscalização neste momento se faz de extrema importância face a retirada do agrotóxico Paraquate pela ANVISA, herbicida que era amplamente utilizado na agricultura, mas considerado danoso a saúde pública, e também pelos problemas no fornecimento de agrotóxicos registrados para dessecação da cultura em função da pandemia do COVID-19. Esses e outros fatores podem possibilitar a utilização de agrotóxicos não registrados ou proibidos no território paranaense.

 Diante disso, os Fiscais Agropecuários da ADAPAR Unidade Regional de Toledo irão atuar nas fiscalizações do trânsito, comércio, recomendações de agrotóxicos pela assistência técnica e utilização de agrotóxicos nas propriedades agrícolas. Para subsidiar as ações, a Agência conta com um banco de dados informatizado (SIAGRO) que possibilita planejar as ações antecipadamente, bem como, checar no local da colheita todos os agrotóxicos utilizado pelo agricultor. Em caso de indícios de irregularidade na aplicação ou origem de um agrotóxico, serão realizadas coletas fiscais de grãos de soja no momento da colheita para análise de multiresíduos de agrotóxico.

De acordo com o supervisor Regional da ADAPAR de Toledo, Antonio Carlos Dezaneti, a produção agropecuária aumentou nos últimos anos e mesmo em meio a pandemia do COVID-19 os trabalhos da Defesa Agropecuária não pararam, seja na área sanidade vegetal ou animal, bem como da inspeção dos produtos de origem animal. “No caso da soja, o nosso objetivo é resguardar a Legislação Federal e Estadual de agrotóxicos, proteger os comerciantes, profissionais da agronomia e agricultores que atuam dentro da lei e promover a produção de grãos de soja dentro da norma legal, tanto para o consumo doméstico, quanto para a exportação da soja paranaense”.

Constatado irregularidade, a Agência irá iniciar os processos de responsabilização administrativos que podem culminar com a aplicação de multas, interdições e até destruição da cultura conforme gravidade da infração. Além disso, os fatos serão comunicados ao Ministério Público do Estado do Paraná para as responsabilizações civis e criminais cabíveis.

Fonte: Adapar
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Avicultura do MT renova seguro pioneiro no Brasil

Ao todo, 300 milhões de aves para corte e 10,5 milhões de aves de postura foram asseguradas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Associação Matogrossense de Avicultura (AMAV-MT) renovou seguro avícola do estado – o primeiro implantado no setor avícola mundial – assinado em conjunto com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e as seguradoras Proposta e FairFax. A solenidade ocorreu ontem na sede da associação nacional, em São Paulo (SP).

Ao todo, 300 milhões de aves para corte (produção de carne) e 10,5 milhões de aves de postura (produção de ovos) foram asseguradas contra eventuais ocorrências de Influenza Aviária e Doença de Newcastle, com um montante de R$ 22 milhões para fundo indenizatório, além de R$ 2 milhões para fins de contenção de eventuais foco.

A apólice se transformou em um diferencial para a produção avícola, de acordo com Lindomar Rodrigues, presidente da AMAV-MT. Ele ressalta que o seguro dá tranquilidade para as cinco plantas avícolas e 16 granjas de ovos que operam no estado.

“Este seguro gerou mais tranquilidade para investirmos em defesa sanitária, e é visto com bons olhos pelos importadores de nossos produtos. É uma vantagem nas negociações para abertura de mercados, como também para a implantação de novas instalações avícolas em nosso estado”, avalia o presidente da AMAV-MT.

De acordo com o presidente da ABPA, Ricardo Santin, há expectativa que o modelo de seguro em vigor no Mato Grosso seja implantado em outras regiões, para fortalecer ainda mais a estratégia setorial em crises sanitárias.

“Como nação livre de Influenza Aviária e de Doença de Newcastle, o Brasil tem empenhado esforços para fortalecer sua defesa agropecuária, bem como a sua capacidade de reação diante de crises, e o seguro avícola é um grande diferencial, reforçando o papel dos fundos indenizatórios privados e públicos que temos hoje nos estados. Por outro lado, a assinatura comprova a transparência e a seriedade do setor em trabalhar com dados claros e ações efetivas de prevenção, que possibilitaram a assinatura de um seguro”, avalia.

Além de Santin e Rodrigues, participaram da assinatura do documento o membro do conselho consultivo da ABPA e um dos idealizadores do seguro, Ariel Antônio Mendes, e o representante das seguradoras, Ricardo Sassi.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.