Conectado com

Notícias Logística

Nova Ferroeste vai entregar mais economia, rapidez e maior eficiência

Estudos preliminares de demanda e traçado apontam para uma queda de 27% nas operações de exportação

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Eficiência, segurança, rapidez e economia. É sob essas premissas que nasce a Nova Ferroeste, estrada de ferro com 1.285 quilômetros que vai ligar Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá, no Litoral paranaense, dando origem a um dos mais importantes corredores de exportação do País.

O investimento estimado em R$ 20 bilhões vai mudar drasticamente a estratégia logística nacional. A começar pela redução do chamado “custo Brasil”. Estudos preliminares de demanda e traçado apontam para uma queda de 27% nas operações de exportação com a troca do modal rodoviário pelo ferroviário. Custo de produção cai de R$ 4,9 bilhões para R$ 3,7 bilhões no Paraná (-23%). E de R$ 3,8 bilhões para R$ 2,6 bilhões (-32%) no Mato Grosso do Sul.

Diferença que pode ser explicada justamente por um dos pontos que reforçam a competitividade do transporte ferroviário: quanto maior a distância a ser percorrida por trilhos, mais barato será o preço final da carga. O traçado elaborado pela equipe da GTFerrovias, vinculada ao Governo do Paraná, prevê uma economia logística de US$ 13 por tonelada.

“Por isso o carregamento de Maracaju, ponto inicial da ferrovia, até o Porto de Paranaguá terá um impacto maior na redução do frete do que de Guarapuava a Paranaguá, por exemplo”, destacou o coordenador do Grupo de Trabalho Ferroviário do Estado do Paraná, Luiz Henrique Fagundes. “O custo, porém, diminui de maneira uniforme ao longo de todo o traçado”, acrescentou.

Haverá, ainda, uma redução significativa no tempo de viagem quando comparado com o traçado atualmente em funcionamento. O grupo estima que a rota Cascavel/Paranaguá pela nova malha levará em torno de 18 horas, contra as atuais 100 horas.

Diminuição de tempo e custos que, na visão do diretor-presidente da Ferroeste e um dos coordenadores do projeto do novo eixo ferroviário, André Gonçalves, terá efeito cascata, com reflexo imediato nas gôndolas dos supermercados. “O consumidor final vai pagar menos na garrafa de óleo de soja, por exemplo, um dos principais produtos com origem na região”, disse.

Ferrovia

O projeto busca implementar o segundo maior corredor de transporte de grãos e contêineres do País, unindo dois dos principais polos exportadores do agronegócio brasileiro. Apenas a malha paulista teria capacidade maior.

A expectativa, de acordo com os técnicos, é que pela Nova Ferroeste seja possível o transporte de 35 milhões de toneladas por ano – ou aproximadamente 2/3 da produção da região, dos quais 74% seriam de cargas destinadas para a exportação.

Pelo planejamento, será construída uma estrada de ferro entre Maracaju, maior produtor de grãos do Mato Grosso do Sul, até Cascavel, no Oeste Paranaense. De lá, o trem segue pelo atual traçado da Ferroeste com destino a Guarapuava – os 246 quilômetros de ferrovias atuais serão modernizados –, até se ligar a uma nova ferrovia que vai da região Central do Estado ao Porto de Paranaguá, cortando a Serra do Mar. Há previsão, ainda, de um novo ramal entre Cascavel e Foz do Iguaçu.

Área de influência

O caminho a ser seguido pelos trens entre Maracaju e Paranaguá, de acordo com os estudos, terá influência direta em 425 municípios (925 indiretamente) de três estados brasileiros: Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. A área representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, estimado em R$ 206 bilhões.

O alcance chega ao Paraguai (114 municípios e 39% da população) e Argentina (38 municípios e 1,2% da população). No total, terá impacto em 9 milhões de pessoas.

A previsão é que os estudos de viabilidade sejam finalizados em setembro e os estudos de impacto ambiental concluídos em novembro. A expectativa é colocar a ferrovia em leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com sede em São Paulo, logo na sequência. O consórcio que vencer a concorrência será também responsável pelas obras.

Especial

O projeto da Nova Ferroeste está sendo esmiuçado ao longo desta semana em cinco reportagens especiais. A primeira, sobre o traçado da via férrea , foi publicada da segunda-feira (05). Nesta terça-feira (06), a matéria reforça o impacto econômico do modal.

Na sequência, o tema será o desenvolvimento sustentável e setor produtivo, finalizando com a preparação feita pelo Porto de Paranaguá para receber a nova demanda de grãos e contêineres, entre outros produtos. A intenção é explicar a importância da implementação deste novo corredor de exportação que vai unir duas potências do agronegócio mundial.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 9 =

Notícias Edição 2022/2023

Empresas do setor agropecuário podem se inscrever para o Selo Mais Integridade até 03 de junho

Premiação reconhece organizações que adotam práticas de integridade com enfoque na responsabilidade social, sustentabilidade ambiental e ética.

Publicado em

em

Divulgação/Mapa

As empresas e cooperativas dedicadas à agropecuária que quiserem participar do Selo Mais Integridade 2022/2023 podem se inscrever até o dia 03 de junho. A premiação é um reconhecimento a organizações que adotam práticas de integridade com enfoque na responsabilidade social, sustentabilidade ambiental e ética.

Podem participar empresas e cooperativas do agronegócio instaladas no país, dedicadas às práticas agropecuárias e pesqueiras de qualquer natureza.

A inscrição pode ser feita no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), preenchendo o formulário disponível no seguinte endereço www.gov.br/pt-br/servicos/realizar-inscricao-para-obter-o-selo-mais-integridade.

Entre os benefícios que podem ser alcançados pelas empresas premiadas estão: ganho de imagem e publicidade positiva junto aos cidadãos e concorrência direta; reconhecimento de possíveis parceiros internacionais; aumento motivacional da equipe e prestadores de serviços; e melhor classificação de risco em operações de crédito junto a instituições financeiras oficiais.

Na última edição do prêmio, 17 organizações foram agraciadas, sendo nove com o Selo Verde e oito com o Selo Amarelo. Na edição 2021/2022, pela primeira vez o Selo Mais Integridade foi entregue a uma empresa do setor pesqueiro, a Frescatto Company. Sediada no Rio de Janeiro, a empresa atua desde 1944 no ramo de processamento de pescados e atende mais de 11 mil clientes em todos os estados do país.

Fonte: Mapa
Continue Lendo

Notícias À ABMRA

“É necessário apreciar a genialidade de cada tipo de mídia”, afirma Tejon

Consultor e especialista em marketing, José Luiz Tejon, destacou que todas os meios de mídia têm sua contribuição e que um mix deles é o mais eficiente para a comunicação do agronegócio.

Publicado em

em

Divulgação

“Nenhuma mídia mata a outra. Elas se complementam. O mundo das mídias incorpora as novas plataformas e aperfeiçoa as anteriores. É um ciclo virtuoso”. Essa é a mensagem principal do consultor e especialista em marketing José Luiz Tejon em sua participação na reunião do Comitê de Produtos e Serviços da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agro (ABMRA). O evento é destinado a associados da instituição.

Completando a ideia, Tejon lembrou que “o cinema não matou o teatro, a televisão não matou o cinema. O impresso tem a função de noticiar o nobre, enquanto o que tem relevância imediata costuma ir para o digital. Nunca se valorizou tanto a credibilidade da imprensa como hoje. É uma questão de ‘e’, e não de ‘ou’. É importante entender o papel genial de cada mídia. Você tem que ser tão criativo em mídia quanto é em mensagem. E, por isso, é essencial entender como usar criativamente cada uma delas”.

Segundo José Luiz Tejon, as áreas de marketing das empresas devem estar sempre atentas aos elos da comunicação. O emissor é o primeiro elo, seguido pela mensagem e sua pertinência. O terceiro elo é o decodificador, quem transforma essa mensagem para as diferentes mídias e para o seu design criativo midiático. “Precisamos ter muito cuidado com a fórmula estratégica da comunicação para atingir quem ainda não foi alcançado”.

Ressaltando a mensagem da ABMRA em seus diferentes projetos, o especialista explicou que o mix de mídias é a forma ideal para atingir com eficiência todo o público em potencial, pois a complementariedade servirá a diferentes propósitos. “O mundo digital está cada vez mais a serviço do analógico. O primeiro permite que você enxergue o que você não ia ver e vai te tornar cada vez mais analítico e humano”, completa.

Para Tejon, que também é um dos fundadores da ABMRA, é fundamental a aproximação da equipe de marketing à área de pesquisa, pois essa é a ponte com o consumidor – além dos problemas, também conhece suas necessidades. Aqui entra, em sua opinião, o  profissional de marketing: orientar os pesquisadores sobre as linhas de estudos que precisam ser seguidas, de acordo com essa demanda do público final.

Em linha com as observações de José Luiz Tejon, as empresas presentes ao evento destacaram os desafios encontrados na comunicação com os produtores no pós-pandemia. Matheus Marinho, da Elanco, assinalou que a empresa precisou se reinventar. “Obviamente não estávamos preparados para a pandemia, mas sabíamos que havia a urgência e necessidade de voltar às ações físicas. Aprendemos a expandir nossas iniciativas, como é o caso dos eventos pré-pandemia, de forma virtual e para poucas pessoas. Hoje fazemos de forma híbrida. Tínhamos um grande potencial, e, no entanto, não o utilizávamos. De outro lado, nos últimos meses notamos queda do engajamento do público Agro em relação ao digital. Então nosso desafio atual é ter relevância”.

A 8ª Pesquisa ABMRA de Hábitos do Produtor Rural também foi assunto da reunião, com a apresentação de dados sobre a presença feminina no Agro. Segundo os resultados obtidos com mais de 3.000 entrevistas em 15 diferentes estados, 94% dos produtores rurais declaram que a presença da mulher na gestão do campo se faz vital ou muito importante. Em recorte nacional, 26% afirmaram ter uma mulher na gestão dos negócios. O presidente da ABMRA mostrou que, ao analisar de modo regional e conforme as particularidades de cada atividade, os resultados podem mostrar grandes diferenças. Na pecuária de leite do Rio Grande do Sul, por exemplo, 88% das propriedades contam com uma mulher em sua gestão. Já a produção de soja de Minas Gerais possui apenas 2% da presença feminina.

Em âmbito nacional, 34% dos produtores contam com pelo menos uma funcionária mulher em suas propriedades. A diferença regional pode ser facilmente percebida ao analisar os 4% no Pará contra os 45% de Pernambuco na mesma categoria. Foi analisada, também, a quantidade de horas trabalhadas: 78% das mulheres trabalham oito horas ou mais por dia – dessas, 42% até oito horas e 36% mais de oito horas diárias –, sendo que 100% das mulheres rondonienses ultrapassam esse tempo. Por fim, foram apresentados os dados de escolaridade das mulheres. Nacionalmente, 17% possuem formação superior completa, enquanto 69% têm apenas ensino básico.

Ricardo Nicodemos concluiu que os resultados da 8ª Pesquisa ABMRA e os debates que acontecem nos Comitês da ABMRA levantam pontos relevantes para guiarem os profissionais de marketing na construção de estratégias e campanhas de comunicação com maiores índices de êxito. “É um trabalho em grupo, que depende da participação do setor produtivo. Nós trazemos os dados que contribuem para a definição do público que precisamos atingir. E palestrantes, como Tejon, ampliam o debate e reforçam o que tanto temos sustentado: a comunicação é muito mais do que apenas um tipo de mídia. São diferentes públicos e a mesma mensagem pode chegar a cada um de forma efetiva quando trabalhados em um mix de comunicação”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Exportações de carne de frango no RS fecham com alta de 8,9% no primeiro quadrimestre

Aumento está associado às condições sanitárias do país livre de Influenza Aviária e demanda mais acelerada em decorrência do conflito no leste Europeu

Publicado em

em

Fotos: Assessoria

A influenza aviária e a guerra no Leste Europeu são alguns dos fatores que favoreceram o crescimento da entrada de carne de frango (processada e in natura) produzida no Rio Grande do Sul no mercado internacional.  As exportações nos primeiros quatro meses do ano fecharam em 243,1 mil toneladas, 8,9% acima do volume embarcado no mesmo período do ano anterior, que foi de 223,2 mil toneladas.  O aumento também repercutiu na receita, que teve uma alta de 29,2% na relação entre os dois períodos, passando de US$352,1 milhões para US$ 454,9 milhões. O mês de abril  deste ano seguiu o  ritmo de evolução, fechando em 69,9  mil toneladas, 13,9% acima do valor atingido há 12 meses, quando exportou 61,4  mil toneladas. O faturamento do mês de abril de 2022 comparando com abril de 2021, também registrou elevação de 43,8% saindo de US$ 98,1 milhões para US$ 141,1 milhões.

A tendência de evolução ditou os rumos do setor de ovos, com altas registradas no volume enviado para o exterior e na receita. Os primeiros quatro meses do ano ficaram em 675 toneladas exportadas contra 422 toneladas no ano passado, alta de 59,9%.  A receita sentiu essa subida, passando de US$ 973 mil fechados no ano passado para US$ 1,8 milhão levantados neste ano, 86,6% de aumento entre os dois períodos. No mês de abril, o volume embarcado fechou em 204,9 toneladas, 220,1% sobre abril do ano passado, que ficou em 64 toneladas. O faturamento entre os meses de abril de 2022 comparado com abril de 2021 aumentou em 566,6%, passando de US$ 104,8 mil para US$ 698,5 mil.

O presidente executivo da Organização Avícola do RS (Asgav/Sipargs), José Eduardo dos Santos, explica que esse momento resulta do reforço para manter a presença no mercado internacional, que sente os impactos dos diversos focos de Influenza Aviária entre os principais países produtores e exportadores.  “O RS, assim como os demais estados do Brasil, nunca teve registro de Influenza Aviária, status sanitário que se torna uma vantagem competitiva, permitindo recuperar parte das perdas oriundas dos altos custos de produção que marcaram o setor nos últimos dois anos”, esclareceu.

Além disso, Santos ressaltou que o conflito entre Ucrânia e Rússia viabilizou maior demanda de produtos avícolas do Brasil, e consequentemente do RS, condição que coloca a avicultura brasileira entre os grandes players de exportação mundial de carne de frango, já que muitos compradores aumentaram o volume de aquisição neste momento de tensão mundial. Entre os destinos das exportações, China, Japão, Emirados Árabes Unidos, África do Sul e México seguem em destaque como principais importadores.

 

Cenário nacional mantém crescimento no primeiro quadrimestre

No Brasil, 1,5 milhão de toneladas foram exportadas de janeiro a abril, alta de 9% sobre a soma dos primeiros quatro meses de 2021, que totalizou 1,4 milhão de toneladas do produto enviadas para o mercado internacional. Em receita, o cenário refletiu em faturamento de US$ 2,8 milhões, sobre US$ 2,1 milhão conquistado em igual período em um ano, separado por uma alta de 32,4% entre os dois períodos. Abril também registrou volume exportado em alta de 418,2 mil toneladas, elevando o patamar em 5,7% sobre o mesmo mês de 2021, que ficou em 395,7 mil toneladas. Os números refletiram na receita com subida de 34,6%, com US$ 821  mil neste ano sobre US$ 610  mil no ano passado.

No segmento de ovos, a única queda registrada foi no volume embarcado em abril, que teve baixa de 33,4%  caindo de 865 toneladas para 576 toneladas neste ano. A receita não acompanhou a redução, aumentando em 38,7%, subindo de US$ 9711,1  mil para US$ 1,5 milhão. O primeiro quadrimestre aumentou de 4,6  mil toneladas para 5,5  mil  toneladas,  alta de 19,9% entre os períodos. A receita aumentou em 49,1%, passando de US$ 6,2 milhões para US$ 9,2 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
SIAVS 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.